Antitese paradoxo oximoro

1.052 visualizações

Publicada em

paradoxo e oxímoro

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.052
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Antitese paradoxo oximoro

  1. 1. Antítese Figura de retórica que, numa mesma frase, exprime uma oposição entre duas expressões ou dois pensamentos de sentido contrário. Ex: “Para mim, escrever é, simultaneamente, um passatempo e um ganha-tempo” (rodrigues dos Santos “Num universo de sim ou não, branco ou negro, eu representava o talvez” (Pepetela)
  2. 2. Paradoxo Figura de retórica que consiste em associar frases que aparentemente são contraditórias, irreconciliáveis e absurdas, mas que podem iluminar, de modo inédito e surpreendente, o significado do real e da vida Ex: Não meu, não meu é quanto escrevo, A quem o devo? De quem sou o arauto nado? Por que, enganado, Julguei ser meu o que era meu? Fernando Pessoa Ex: Esta chama que alenta e consome, Que é vida e que a vida destrói – Como é que se veio a atear, Quando, ai quando se há-de ela apagar? Almeida Garrett
  3. 3. Oximoro Figura de retórica que associa duas palavras com significados logicamente opostos ou incompatíveis que parecem excluir-se mutuamente, mas que, no contexto, reforçam a expressão. Ex: Ser mãe é padecer no paraíso (Provérbio) O mito é o nada que é tudo (Fernando Pessoa) Aquela triste e leda madrugada (Camões) No oximoro, a contradição não é ilógica, mas – bem ao contrário - é uma forma genial de dizer que obriga a ver de uma maneira inesperadamente diferente – a uma nova luz – o tema de que se fala.
  4. 4. Coloca: (1) Comparação; (3) Antítese; (5) Metonímia; (7) Prosopopeia; (2) Metáfora; (4) Paradoxo; (6) Hipérbole; (8) Eufemismo. ( ) "...dão um jeito de mudar o mínimo para continuar mandando o máximo" ( ) "O pavão é um arco-íris de plumas" ( ) "...o essencial é achar-se as palavras que o violão pede e deseja" ( ) "Um dia hei de ir embora / Adormecer no derradeiro sono." ( ) "A neblina, roçando o chão, cicia, em prece.” ( ) "O bonde passa cheio de pernas." ( ) "É como mergulhar num rio e não se molhar." ( ) “No tempo de meu Pai, sob estes galhos,/Como uma vela fúnebre de cera,/Chorei bilhões de vezes com a canseira / De inexorabilíssimos trabalhos!”
  5. 5. ( ) “Quando a Indesejada das gentes chegar / (Não sei se dura ou caroável) /Talvez eu tenha medo. / Talvez sorria, ou diga: / - Alô, iniludível!” ( ) Eles morreram de rir daquela cena ( ) Aqueles olhos eram como dois faróis acesos. ( ) Às sete horas da manhã, a rua acordava. ( ) Aquelas crianças que choravam rios de lágrimas. ( ) Não tenho mais Maizena em casa. ( ) “A explosiva descoberta / Ainda me atordoa./ Estou cego e vejo./Arranco os olhos e vejo”. ( ) "O meu amor, paralisado, pula."
  6. 6. a) 3 b) 2 c) 7 d) 8 e) 7 f) 5 g) 4 h) 6 i) 8 j) 6 k) 1 l) 7 m) 6 n) 5 o) 4 p) 7 e 4
  7. 7. http://professoralexandrebastos.blogspot.pt/2013/11/figuras-de-linguagem.html

×