Figuras de linguagem

2.949 visualizações

Publicada em

Acesse online ou baixe o arquivo. Material para fins didáticos.

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.949
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
95
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Figuras de linguagem

  1. 1. FIGURAS DELINGUAGEM Prof. Tim Bagatelas
  2. 2. Aliteração Consiste na repetição ordenada de mesmos sonsconsonantais. “Esperando, parada, pregada na pedra do porto.”Assonância Consiste na repetição ordenada de sons vocálicosidênticos. “Sou um mulato nato no sentido lato mulato democrático do litoral.”Paronomásia Consiste na aproximação de palavras de sons parecidos,mas de significados distintos. “Eu que passo, penso e peço.”
  3. 3. MetonímiaÉ a figura em que um termo é usado no lugar de outro para designar uma coisa,porque esse termo mantém com a coisa designada uma relação lógica facilmenteidentificável.a) parte pelo todo O bonde passa cheio de pernas: pernas brancas pretas amarelas. Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração.b) o lugar pela coisa Champanhe só se toma bem gelado. (champanhe é nome de uma região onde se produz vinho espumante)c) O instrumento pela pessoa que o utiliza A melhor tesoura da região. O gatilho mais rápido do oeste.d) O autor pela obra Eu leio Clarice Lispector.e) A marca pelo produto Ela bebeu Coca-cola, comprou Bombril e deu ao filho mingau de Maizena.f) O continente pelo conteúdo João comeu dois pratos de feijoada e bebeu dois copos de suco.
  4. 4. SinédoqueEssa figura emprega, para falar de um ser ou de um objeto, uma palavra quedesigna uma parte desse ser ou objeto, ou a matéria da qual ele é feito. Sem teto nem chão, o ser humano não conquista sua dignidade. (semteto nem chão substitui casa, moradia). Ele ficou sem eira nem beira. (eira e beira são partes constituintes deuma casa colonial nobre, isto é ficou pobre, numa casa simples, com poucosrecursos)É, basicamente, a relação metonímica de “parte pelo todo”.CatacreseOcorre quando, por falta de um termo específico para designar um conceito, torna-se outro por empréstimo. Entretanto, devido ao uso contínuo, não mais se percebeque ele está sendo empregado em sentido figurado. O pé da mesa estava quebrado.Antonomásia ou perífraseConsiste em substituir um nome por uma expressão que o identifique comfacilidade: ...os quatro rapazes de Liverpool (em vez de os Beatles) "Cidade maravilhosa/ Cheia de encantos mil/ Cidade maravilhosa/Coração do meu Brasil." (em vez de Rio de Janeiro)
  5. 5. Sinestesia Trata-se de mesclar, numa expressão, sensações percebidas por diferentesórgãos do sentido. A luz crua da madrugada invadia meu quarto. Antítese Consiste na aproximação de termos contrários, de palavras que se opõem pelosentido, com a produção de uma expressão com sentido possível e lógico na língua. “Os jardins têm vida e morte.”Paradoxo (oximoro) Consiste na conciliação de termos contrários, de palavras que se opõem pelosentido, com a produção de uma expressão com sentido estranho e ilógico nalíngua. “A sombria luz do sol brilhava no jardim.” “Amor é fogo que arde sem se ver/ é ferida que dói e não se sente”.Ironia É a figura que apresenta um termo em sentido oposto ao usual, obtendo-se,com isso, efeito crítico ou humorístico. “A excelente Dona Inácia era mestra na arte de judiar de crianças.”
  6. 6. Eufemismo Consiste em substituir uma expressão por outra menos brusca; em síntese,procura-se suavizar alguma afirmação desagradável. Ele enriqueceu por meios ilícitos. (em vez de ele roubou)Hipérbole Trata-se de exagerar uma idéia com finalidade enfática. Estou morrendo de sede. (em vez de estou com muita sede)Prosopopéia ou personificação Consiste em atribuir a seres inanimados predicativos que são próprios deseres animados. O jardim olhava as crianças sem dizer nada. “As casas espiam os homens que correm atrás de mulheres.” Zoomorfização, Reificação, coisificação Consiste em atribuir a seres humanos predicativos que são próprios de coisas,objetos ou animais. O bicho não era um cão,/ Não era um gato,/ ão era um rato./ O bicho,meu Deus, era um homem.
  7. 7. Gradação ou clímax É a apresentação de idéias em progressão ascendente (clímax) oudescendente (anticlímax) “Um coração chagado de desejos Latejando, batendo, restrugindo.” “O trigo... nasceu, cresceu, espigou, amadureceu, colheu- se.” (Padre Vieira) Apóstrofe Consiste na interpelação enfática a alguém (ou alguma coisa personificada). “Senhor Deus dos desgraçados! Dizei-me vós, Senhor Deus!” Elipse consiste na omissão de um termo facilmente identificável pelo contexto. “Na sala, apenas quatro ou cinco convidados.” (omissão de havia)Zeugma Consiste na elipse de um termo que já apareceu antes. Ele prefere cinema; eu, teatro. (omissão de prefiro)
  8. 8. Assíndeto Consiste na supressão de conectivo. “chegou, viu; gostou, pediu; bebeu, cuspiu; pagou, saiu; tropeçou,caiu; levantou, sumiu;” Polissíndeto Consiste na repetição de conectivos ligando termos da oração ouelementos do período. “ E sob as ondas ritmadas e sob as nuvens e os ventos e sob as pontes e sob o sarcasmo e sob a gosma e sob o vômito (...)”Hipérbato Consiste na mudança da ordem natural dos termos da oração. Dá aotexto um tom clássico. “Ouviram do Ipiranga as margens plácidas De um povo o heróico brado retumbante.”
  9. 9. Silepse Consiste na concordância não com o que vem expresso, mas com o que sesubentende, com o que está implícito. A silepse pode ser: • De gênero - Vossa Excelência está preocupado. • De número - Os lusíadas glorificou nossa literatura. • De pessoa - “O que me parece inexplicável é que os brasileiros aindavotemos em políticos corruptos.”Anacoluto Consiste em deixar um termo solto na frase. Normalmente, isso ocorre porquese inicia uma determinada construção sintática e depois se opta por outra. Palavraou palavras jogadas no início de um período sem desempenhar função sintática. A vida, não sei realmente se ela vale alguma coisa. “Poesia. Ora, ninguém gosta de choradeiras poéticas.”
  10. 10. PleonasmoConsiste numa redundância cuja finalidade é reforçar a mensagem. “E rir meu riso e derramar meu pranto.”AnáforaConsiste na repetição de uma mesma palavra no início de versos ou frases. “ Amor é um fogo que arde sem se ver;/ É ferida que dói e não se sente;/ É um contentamento descontente;/ É dor que desatina sem doer” “Oô... Foge, bicho Foge, povo Passa ponte Passa poste Passa pasto Passa boi Passa boiada Passa galho Da ingazeira Debruçada No riacho Que vontade De cantar!”

×