Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 101-102

605 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
605
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
357
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 101-102

  1. 1. Tanto o sketch dos Gato Fedorento como a canção de Mafalda Veiga abordam o tema da velhice. Em «No chão, não: no velhão!», cria- se uma situação absurda, que tem de ser vista como irónica. Portanto, a mensagem — se é que tem de haver alguma — será de crítica ao abandono a que a sociedade e as famílias votam os velhos.
  2. 2. A letra de «Velho» parece menos preocupada com a perspetiva sociológica. Embora o velho surja ainda à margem da vida social, o poema detém-se sobretudo na psicologia. Por um lado, a solidão do «protagonista» resulta, em parte, do seu próprio fechamento em si mesmo («a recordar fragmentos do passado»; «parado e atento à raiva do silêncio»).
  3. 3. Por outro, mais do que para sobre eles se exercer um juízo de reprovação, os não-velhos são referidos no texto da canção enquanto objetos cujas reações devem ser analisadas: «fogem de ti», é certo, mas o mais importante é explicar que o fazem para «não ver a imagem da solidão que irão viver».
  4. 4. • coaxar • tiquetaque • navegar (na net) • nega (‘nota negativa’) • ESJGF • pizza • ovni • portunhol • CEE • scanear etc.
  5. 5. Extensão semântica Empréstimo Amálgama Sigla Acrónimo Onomatopeia Truncação Cunhagem
  6. 6. Extensão semântica chumbo navegar
  7. 7. Empréstimo scanear (do inglês) pizza (do italiano)
  8. 8. estrangeirismo galicismo (francesismo) anglicismo germanismo italianismo castelhanismo ...
  9. 9. Amálgama portunhol (português + espanhol) motel (motor + hotel)
  10. 10. Sigla ESJGF CEE [cê-é-é]
  11. 11. Acrónimo ovni (objeto voador não identificado) CRE [kré]
  12. 12. Onomatopeia tiquetaque coaxar
  13. 13. Truncação otorrino (otorrinolaringologista) nega (negativa) zoo (zoológico)
  14. 14. Cunhagem besidróglio
  15. 15. feni adjetivo «Eu hoje estou completamente feni»
  16. 16. poete [poe:te] adjetivo «Fiquei mesmo poete»
  17. 17. [não consigo grafar] adjetivo «Agora é que eu fiquei mesmo [?]»
  18. 18. brenaca nome «Vá para o brenaca»
  19. 19. baúte aúba nome nome «Pegue no baúte e enfie-o no aúba»
  20. 20. As palavras propostas por Juvenal Barbosa aproveitam pouco o léxico já existente. Poderiam esses neologismos seguir os processos descritos na p. 316 do manual, mas isso não acontece. O Dr. Juvenal usa sobretudo a cunhagem, um processo também de neologia, mas bastante raro.
  21. 21. Ainda por cima, as palavras cunhadas costumam ser criadas segundo os padrões da língua em que se vão integrar, o que não sucede com duas das palavras de Juvenal (a que nem conseguimos grafar e a que tem um alongamento numa das vogais).
  22. 22. Se houvesse em outras línguas palavras tão específicas como pretende, o linguista-afinal-físico- químico poderia importá-las (seriam empréstimos, mais ou menos adaptados ao padrão português — e, na fase em que estivessem a ser introduzidos, chamar-lhes-íamos, quase pejorativamente, estrangeirismos).
  23. 23. Se preferisse as amálgamas — designadas também palavras entrecruzadas —, Juvenal poderia juntar o início de «irritação» e o final de «peúgo», formando o adjectivo «irritugo», que serviria para ‘irritado com as meias que descaem no calcanhar’.
  24. 24. Para o impropério com que termina o diálogo — «Vai para o brenaca» — era aceitável um acrónimo ou uma sigla (às vezes, eufemística e ironicamente substituem-se as ordinarices por iniciais).
  25. 25. Uma das criações de Juvenal, o adjectivo correspondente à frustração por não haver sumo no frigorífico, talvez se possa considerar uma onomatopeia, na medida em que parece basear-se num som ligado à surpresa desagradável de não haver o que se procura.
  26. 26. Poderia ainda Juvenal ter recorrido à extensão semântica (passamos a usar uma palavra num contexto tão diferente do original, que, na verdade, se trata também de um neologismo). «Estou frito {pensa tu num adjectivo}» é um exemplo de adjectivo que, por metáfora, daria satisfatoriamente a noção de ‘estar frustrado por não encontrar leite’.
  27. 27. «Receita para fazer um(a) ... [adolescente (rapaz) / adolescente (rapariga) / bêbado / empresário rico / político / top model / futebolista / surfista / médico / mendigo / burocrata / «hipster / rasta / vizinha / culturista / aldeão / {podes escolher alguma outra personagem-tipo de que te lembres}]»
  28. 28. • «[Moloch] cujos olhos são mil janelas cegas» | metáfora
  29. 29. • «cujo amor é pedra e petróleo sem fim» | metáfora
  30. 30. • «ficaram apenas com a sua insanidade e as suas mãos e um júri anulado» | polissíndeto
  31. 31. • «a quem foi dado um vazio concreto de insulina, Metrazol, eletricidade, hidroterapia, psicoterapia, terapia ocupacional, pingue-pongue e amnésia» | enumeração
  32. 32. • «cujas fábricas sonham e morrem no nevoeiro» | personificação
  33. 33. TPC — Resolve, ou estuda, as pp. 42-44 do Caderno de Atividades. Lê também as páginas sobre ‘Processos irregulares de formação de palavras’ reproduzidas em GdN.

×