Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 107-108

687 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
687
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
346
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 107-108

  1. 1. Títulos de outros livros nas badanas seriam sublinhados (e não aspados). [no anterrosto e no rosto (frontispício) não há propriamente referência, é o próprio título, por isso o redondo é aceitável]
  2. 2. Os prefácios não costumam ser do próprio autor do livro.
  3. 3. Prefácio é mais sofisticado (ensaístico) do que uma sinopse ou outros textos de contacapa.
  4. 4. João Santos, nasceu em… João Santos nasceu
  5. 5. Explica a natureza cómica da imagem no cimo da p. 143.
  6. 6. O cómico resulta, em primeiro lugar, do facto de a criança não perceber que «auto» em «autorretrato» implicava que a figura representada fosse a do próprio pintor. Por outro lado, não se pode descartar que se queira também beliscar a incompetência do pintor, incapaz de se fazer reconhecer — ou por ser benevolente com a sua imagem ou por adotar estilo pictórico arrojado (cubista?) .
  7. 7. Passa para o discurso indireto as falas do mesmo cartoon: O pintor disse... O rapaz retorquiu...
  8. 8. — Este é o meu novo autorretrato. O pintor disse que aquele era o seu novo autorretrato.
  9. 9. — Está bem, mas quem é ele? O rapaz retorquiu que estava bem e perguntou quem era aquela pessoa.
  10. 10. Vamos até à p. 85, para escutar entrevista ao pintor Júlio Pomar.
  11. 11. a. (F) Júlio Pomar considera que já pintou tudo ainda lhe falta pintar tudo
  12. 12. b. (F) Para ele, pintar todos os dias é uma obrigação. pintar não é uma obrigação, é uma necessidade
  13. 13. c. (V) O pintor afirma que não há truques garantidos e que a vida é o seu grande mestre.
  14. 14. d. (V) Pomar é um artista movido pelo prazer.
  15. 15. e. (F) Júlio Pomar nunca sentiu desprazer ao pintar. sentiu desprazer, quando as tintas não obedecem, quando escorregam, como quando se dá o braço a uma senhora que não quer e diz impropérios.
  16. 16. f. (V) Julio Pomar não se considera um artista de maus humores.
  17. 17. g. (F) A metáfora da criação artística como um parto não se aplica à sua forma de criação, num misto de prazer, angústia e um conjunto vasto de sensações. aplica-se-lhe
  18. 18. h. (F) Júlio Pomar gosta mais dos seus quadros depois de os pintar. gosta mais deles, quando os está a pintar, no ato de o fazer.
  19. 19. i. (V) O pintor não gosta de ver os seus quadros depois de os pintar por considerar que há sempre alguma coisa que poderia ter feito de forma diferente.
  20. 20. j. (V) As histórias dos quadros desaparecidos referem-se a obras denominadas Camões e Os Saltimbancos.
  21. 21. k. (F) Sakanikas Camionagem é o nome de um pintor amigo de Almada Negreiros. Nikias Skapinakis
  22. 22. TPC — Prepara a leitura em voz alta de «O primeiro amor» (p. 162) — se estás nos oitavos de final da LC nos jogos A, B, C, D ou integras os grupos I e II da LE — ou de «O amor» (p. 163) — se estás nos oitavos de final da LC nos jogos E, F, G, H ou integras os grupos III e IV da LE.

×