Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 31-32

1.192 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.192
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
892
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 31-32

  1. 1. Acrescenta ao texto um último parágrafo — posterior, portanto, a «em todo o mundo’» —, com cerca de cem palavras, entre as quais, obrigatoriamente, estas: ___; ___; ___; ___; ___; ___. Deves procurar que a notícia-reportagem se mantenha verosímil e adotar registo linguístico semelhante ao do resto do artigo. O ideal é que as seis palavras em causa não sejam sentidas como estranhas. (São interditas espertices do tipo «e fulano decidiu riscar as palavras tal, tal, tal, tal, tal e tal».)
  2. 2. Senhora Malena, Alguém bem mais capaz do que eu escreveu que o único verdadeiro amor é o amor não correspondido. Percebo agora porquê. Passou-se tanto tempo desde que não sai de casa... Mas quanto mais separados estamos mais forte o meu amor se torna. Dizem que vai casar com o advo-gado Centorbi. Posso ser miúdo, como me chamou quando passou por mim nos degraus, sem me ver, como é
  3. 3. costume — mas como poderá viver com um velho gordo, calvo e que mu-lher alguma quis, de tão feio? Diz-se que ele nunca se lava e que fede como um bode. Como é que a sua pele tão branca e macia suportará encostar-se à suada de um velho, que nunca dá um passo sem o consentimento da beata da mãe?
  4. 4. Na p. 320 do manual, relanceia o que se diz acerca de deixis (deíticos) pessoal, temporal, espacial.
  5. 5. Não falei contigo com medo que os montes (1) e vales que me achas caíssem (2) a teus pés... Acredito e entendo que a estabilidade (3) lógica de quem não quer explodir faça bem ao escudo (4) que és...
  6. 6. Saudade é o ar (5) que vou sugando e aceitando como fruto (6) de verão nos jardins (7) do teu beijo... Mas sinto que sabes que sentes também que num dia maior serás trapézio (8) sem rede a pairar sobre o mundo (9) e tudo o que vejo...
  7. 7. É que hoje acordei e lembrei-me que sou mago (10) feiticeiro Que a minha bola de cristal (11) é folha (12) de papel Nela te pinto nua numa chama (13) minha e tua.
  8. 8. Desconfio que ainda não reparaste que o teu destino (14) foi inventado por gira-discos (15) estragados aos quais te vais moldando... E todo o teu planeamento (16) estratégico de sincronização (17) do coração são leis (18) como paredes e tetos cujos vidros (19) vais pisando...
  9. 9. Anseio o dia em que acordares por cima de todos os teus números (20) raízes quadradas (21) de somas subtraídas (22) sempre com a mesma solução...
  10. 10. Podias deixar de fazer da vida um ciclo (23) vicioso harmonioso (24) ao teu gesto mimado (25) e à palma da tua mão...
  11. 11. É que hoje acordei e lembrei-me que sou mago (26) feiticeiro Que a minha bola de cristal (27) é folha (28) de papel E nela te pinto nua Numa chama (29) minha e tua.
  12. 12. Desculpa se te fiz fogo (30) e noite sem pedir autorização (31) por escrito ao sindicato (32) dos Deuses... mas não fui eu que te escolhi (33).
  13. 13. Desculpa se te usei como refúgio (34) dos meus sentidos pedaço de silêncios (35) perdidos que voltei a encontrar em ti...
  14. 14. É que hoje acordei e lembrei-me Que sou mago (36) feiticeiro... ... nela te pinto nua Numa chama (37) minha e tua. Ainda magoas (38) alguém O tiro (39) passou-me ao lado Ainda magoas (40) alguém Se não te deste a ninguém magoaste alguém A mim... passou-me ao lado.
  15. 15. Escrevo este slide às oito da noite. Neste computador que me vejo obrigado a usar — que alerta constantemente «É necessário o restauro do sistema pós-infeção » — convém fazer 'guardar' com frequência. Ali, ao fundo, tenho um melhor, mas tem um programa «open», o que não dá jeito. Agora, vou parar. deíticos pessoais deíticos espaciais deíticos temporais
  16. 16. enunciado enunciação (acto de produção de um enunciado) deíticos são marcas da enunciação.
  17. 17. Trata-se de um texto redigido na 1.ª pessoa em que o enunciador do discurso expressa os sentimentos de forma directa a um interlocutor. São deíticos pessoais, entre outros: «Falei»; «me», «minha»; «eu».
  18. 18. Apesar de o texto não apresentar a forma de uma carta, em termos temáticos e linguísticos justifica-se essa classificação, uma vez que encontramos emissor («eu») que se dirige a um interlocutor ausente («tu») para lhe dar conta de circunstâncias e sentimentos específicos da sua vida e da sua relação.
  19. 19. TPC Prepara a leitura em voz alta das cartas nas pp. 131 (carta de José Régio a Jorge de Sena) e 132 (carta de texto ficcional).

×