Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 113-114

494 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
494
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
257
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 113-114

  1. 1. [«Onde estava há sete anos, antes de publicar o primeiro de 23 livros?»] Ao responder, Gonçalo M. Tavares preocupou-se em explicar que a) já tinha publicado ainda mais intensamente antes dos trinta e um anos. b) editara livros que não fora ele que escrevera. c) não escrevera todos os livros que publicara. d) já escrevera antes parte do que publicara.
  2. 2. [«Como conseguiu ter tal intensidade criativa nesse período, entre os 20 e os 30 anos, uma idade ainda muito verde?»] Foi importante para a atividade criativa de Gonçalo M. Tavares ter lido a) os autores da sua geração. b) sobretudo os autores clássicos. c) autores que sobreviveram ao teste do tempo. d) os autores antigos.
  3. 3. Para o escritor, «clássicos» são as obras a) greco-latinas. b) gregas. c) importantes mesmo que relativamente contemporâneas. d) antigas.
  4. 4. A frase de Nietzsche «o que este povo deve ter sofrido para conseguir ser tão sábio» a) é irónica. b) significa que o conhecimento cultural implica esforço. c) significa que o exercício da arte é aborrecido. d) significa que a cultura é aborrecida.
  5. 5. [«É preciso então sofrer para ser criativo?»] Para Gonçalo M. Tavares, a) é ao contrário: mais vale ter tido poucas experiências (como Pessoa, por exemplo). b) tudo depende de como somos capazes de aproveitar as experiências que tivemos. c) só tendo muitas experiências pessoais é que se pode ser bom escritor. d) tudo depende do tipo de experiências por que se passou.
  6. 6. [«Ainda assim busca alimento para a sua escrita nalgum sítio ou circunstância específicas?»] Os risos correspondentes à expressão entre parênteses retos ter-se-ão devido a a) estar o entrevistado a referir aspeto quase doentio. b) ser a frase irónica (na verdade, Tavares considera-se pouco observador). c) estarem os entrevistadores a beber chá. d) ter «absorvido por mim» uma conotação um pouco brejeira.
  7. 7. [«Não há um cenário de predisposição?»] Na fase de preparação das suas obras, Gonçalo M. Tavares a) estabelece um plano de modo a confrontar-se com circunstâncias em que possa observar os outros. b) escreve nos cafés, o que já o aproxima das fontes de inspiração. c) depara-se com as suas fontes de inspiração sem o planear, já que costuma andar a pé. d) recorre a cafés, como aconteceu quando escreveu Água, Cocó de Cão, Cavalo, Cabeça.
  8. 8. [«Isso muda muito quando está em casa a escrever ao computador?»] Para Tavares, o uso do computador ou a frequência de cafés correspondem, respetivamente, a a) observações fragmentárias; romances e revisão de texto. b) romances; observações fragmentárias e revisão de texto. c) romances e observação fragmentárias; revisão de texto. d) romances e revisão de texto; observações fragmentárias.
  9. 9. [«Diz que quando começou a ler jogou pelo seguro e escolheu livros que atravessaram três ou quatro gerações. Se o público tivesse seguido essa lógica, não começaria pelo Gonçalo M. Tavares...»] O entrevistador faz notar um paradoxo (relacionado com uma anterior confissão do escritor): a) se os outros tivessem seguido os critérios de Gonçalo M. Tavares enquanto leitor, ele não teria sido lido. b) se os leitores tivessem só lido o que era bom, não teriam conhecido a escrita de Gonçalo M. Tavares. c) se o público só tivesse lido as novidades, não teria lido a obra de Gonçalo M. Tavares. d) se os leitores só tivessem lido o que era claramente português, não teriam lido Gonçalo M. Tavares.
  10. 10. Nas suas leituras, Gonçalo M. Tavares foi guiado a) apenas pela regra da novidade. b) também por parte da família. c) pelo facto de os autores serem portugueses. d) por algumas pessoas com quem se cruzou e o aconselharam.
  11. 11. [«Como se sente ao ser incluído numa nova geração de escritores?»] O autor de Jerusalém a) não acredita no conceito de «geração». b) sente orgulho por ser considerado um dos melhores. c) considera que os da nova geração têm características demasiado individualizáveis. d) julga que cada um absorve de modo diferente.
  12. 12. [«Sente-se mais próximo de artistas de outras áreas do que de outros escritores?»] Gonçalo M. Tavares considera que a) já não há escolas ou correntes literárias. b) se identifica com certas artes. c) é preciso reencontrar um adversário comum. d) lhe interessam mais as outras artes.
  13. 13. [«Mas o fascínio pelo cruzamento com outras artes é comum aos escritores mais novos...»] O entrevistado responde que a) as atividades por outras artes a partir das suas obras não lhe interessam, são-lhe indiferentes. b) as atividades de outros escritores a partir das suas obras são como estar a martelar. c) lhe agrada que outras artes reinterpretem as suas obras, mesmo se não considera esses trabalhos já os seus. d) os escritores compreendem-se bem entre si.
  14. 14. DECLARAÇÃO Michael Berg, estudante de Direito na Universidade de Heidelberg, residente na ..., declara estar em condições de assegurar que Hanna Schmitz, atualmente em julgamento no tribunal de ..., até há poucos anos não sabia ler. O declarante travou conhecimento com Hanna Schmitz na cidade de Neustad, em 1959, em circunstâncias que recorda com saudade mas que se escusará a detalhar.
  15. 15. O que é relevante é ter-se então apercebido de a Senhora Schmitz ser analfabeta. Durante meses, leu em voz alta a Hanna Schmitz obras fundamentais da literatura universal, para visível deleite desta, que, no entanto, nunca pôde prosseguir sozinha a leitura de cada um dos livros que tanto a entusiasmavam. Em outras ocasiões, a mesma Hanna Schmitz mostrou-se incapaz de ler textos informativos simples (uma ementa, um guia, um caderno de apontamentos, ...).
  16. 16. Acrescenta ainda o declarante que lhe pareceu que Schmitz, por vergonha, procurava esconder a sua evidente iliteracia. Heidelberg, 11 de maio de 1962 Michael Berg
  17. 17. Os quatro poemas que se seguem foram escritos por Jorge de Sena, em 1961 («Quatro Sonetos a Afrodite Anadiómena», Metamorfoses, Lisboa, Moraes, 1963).
  18. 18. Se excetuarmos as palavras «gramaticais» (preposições, conjunções, determinantes, pronomes), há sobretudo vocábulos criados pelo poeta, ainda que seguindo os padrões morfológicos do português (palavras cunhadas, portanto). Também as características de versificação esperáveis são efetivamente cumpridas, já que, em termos de
  19. 19. métrica, temos versos decassilábicos, e a rima das quadras é interpolada e emparelhada, enquanto que, nas duas estrofes finais dos sonetos, surgem os esquemas rimáticos C-C-D-E-E-D (para o primeiro e último poemas) e C-D-E-C-D- E, C-D-C-D-C-D (no segundo e terceiro sonetos).
  20. 20. Reconhecemos também as classes da maioria das palavras inventadas por Sena («sussúrica» será adjetivo; «escalca», verbo; «transcêndia», nome), bem como percebemos certas categorias («palquitonará» há de ser uma 3.ª pessoa do singular do Futuro do Indicativo; «fissivirão», uma 3.ª pessoa do plural do mesmo tempo; «refucarai», a 2.ª pessoa do plural do Imperativo).
  21. 21. Quanto a mim, há dois casos em que Sena decidiu mal as grafias. No terceiro soneto há uma acentuação impossível no sistema ortográfico português: «uníflo» nunca poderia ter o acento gráfico que lhe foi posto, já que, mesmo sem ele, era já uma palavra grave. Também não concordo com a grafia «nigrors», no segundo soneto, pois que a formação do plural implicava um «res» (compare-se: «júnior», «juniores»). No último soneto, torço o nariz à acentuação gráfica de «meláina» e «Hefáistos».
  22. 22. TPC — (i) [só para oito alunos:] Prepara a leitura em voz alta de um dos sonetos de Sena: os futuros intervenientes no jogo I dos quartos de final da Liga dos Campeões lerão «I- Pandemos»; os de J, «II-Anósia»; os de K, «III-Urânia»; e os de L, «IV-Amátia».
  23. 23. (ii) Lembro que deves enviar-me comentário-análise de canção — não deixes de ler Instruções para tepecê de análise-comentário de canção. (iii) Ainda aceito o Bibliofilme (não fazer esta tarefa implicará grande baixa da nota final do ano).

×