CONJURAÇÃO
BAIANA
Joel G. P. Junior | Josiéli M. Palhano | Julia M. Garcia
||Conjuração Baiana
◦ Conjuração dos Alfaiates.
◦ Bahia, 1798.
◦ Inspirada nos ideais da Revolução Francesa e do
Iluminism...
||Sociedade Maçônica de
Cavaleiros da Luz
◦ Criada em 1797.
◦ Foi um grupo que estudava os ideais
revolucionários de Rouss...
||Conjuração Baiana
◦ 12 de agosto de 1798.
◦ Pela manhã, igrejas e lugares públicos de Salvador
encheram-se de “panfletos...
||Motivos da Conjuração
◦ Insatisfação com o elevado preço dos alimentos e de
produtos essenciais.
◦ Carência de alguns al...
||Reivindicações
◦ Muitas eram as reivindicações.
◦ Específicas e gerais.
◦ Emancipação política do Brasil.
◦ Implantação ...
|| Conjuração Baiana
◦ O movimento foi se tornando cada vez mais
popular.
◦ Grandes grupos o aderiram.
◦ Então, os intelec...
||Líderes
◦ Lucas Dantas (soldado).
◦ Luís Gonzaga das Virgens (soldado).
◦ Manuel Faustino (alfaiate e mulato).
◦ João de...
||Reação do Governo
◦ Um dos participantes do movimento, contou ao
governador que haveria uma revolta.
◦ O governador da B...
||Reação do Governo
◦ O governo português, por sua vez, considerou o
movimento como conspiração do povo sem cultura
e sem ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

{História} Conjuração Baiana.

301 visualizações

Publicada em

História - Conjuração Baiana.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
301
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

{História} Conjuração Baiana.

  1. 1. CONJURAÇÃO BAIANA Joel G. P. Junior | Josiéli M. Palhano | Julia M. Garcia
  2. 2. ||Conjuração Baiana ◦ Conjuração dos Alfaiates. ◦ Bahia, 1798. ◦ Inspirada nos ideais da Revolução Francesa e do Iluminismo: igualdade, liberdade e fraternidade. ◦ Difundidos na Bahia pela Sociedade Maçônica de Cavaleiros da Luz.
  3. 3. ||Sociedade Maçônica de Cavaleiros da Luz ◦ Criada em 1797. ◦ Foi um grupo que estudava os ideais revolucionários de Rousseau e Voltaire. ◦ Em pouco tempo, os ideais estudados pelo grupo maçônico chegaram às camadas mais pobres da Bahia. ◦ A população pobre estava sofrendo frequentemente com falta de alimento e preços muito altos.
  4. 4. ||Conjuração Baiana ◦ 12 de agosto de 1798. ◦ Pela manhã, igrejas e lugares públicos de Salvador encheram-se de “panfletos” que convidavam a população para fazer uma revolução libertária. ◦ Tudo isso se assemelhava a República Jacobina da Revolução Francesa. ◦ Os panfletos abordavam várias reivindicações, da população geral e até mesmo de grupos específicos.
  5. 5. ||Motivos da Conjuração ◦ Insatisfação com o elevado preço dos alimentos e de produtos essenciais. ◦ Carência de alguns alimentos. ◦ Insatisfação com o domínio português. ◦ Ideal de independência nos diversos setores da sociedade baiana.
  6. 6. ||Reivindicações ◦ Muitas eram as reivindicações. ◦ Específicas e gerais. ◦ Emancipação política do Brasil. ◦ Implantação da República. ◦ Liberdade e igualdade entre pessoas. ◦ Liberdade comercial. ◦ Aumento do salário dos soldados.
  7. 7. || Conjuração Baiana ◦ O movimento foi se tornando cada vez mais popular. ◦ Grandes grupos o aderiram. ◦ Então, os intelectuais da Sociedade Maçônica se afastaram temendo uma revolução popular. ◦ Um grupo assumiu a “liderança” do movimento, e passou a representar o povo.
  8. 8. ||Líderes ◦ Lucas Dantas (soldado). ◦ Luís Gonzaga das Virgens (soldado). ◦ Manuel Faustino (alfaiate e mulato). ◦ João de Deus (alfaiate e mulato). ◦ Luís Pires (escrevo). ◦ Assumiram a frente do movimento após os intelectuais da Sociedade Maçônica se afastarem.
  9. 9. ||Reação do Governo ◦ Um dos participantes do movimento, contou ao governador que haveria uma revolta. ◦ O governador da Bahia abriu uma investigação com intuito de descobrir quem eram os líderes da revolução. ◦ A ”denúncia” dos locais e horários da revolução foi confirmada. ◦ Muitos revolucionários foram presos.
  10. 10. ||Reação do Governo ◦ O governo português, por sua vez, considerou o movimento como conspiração do povo sem cultura e sem religião. ◦ A responsabilidade pesou sobre os líderes: Luís Gonzaga das Virgens, Lucas Dantas, João de Deus e Manuel Faustino. ◦ O quarteto foi enforcado em praça pública, esquartejado e os corpos foram expostos. ◦ Outros foram exilados na África. ◦ Escravos vendidos para fora da Bahia.

×