SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 42
GEOGRAFIA
FONTES DE ENERGIA.
FONTES DE ENERGIA
 Crescente necessidade por energia.
 De séculos atrás ao futuro.
 Os grandes níveis de produção e consumo de energia apresentados pela sociedade atual fazer
refletir a questão energética mundial.
 GRÁFICOS
 2010: Petróleo - 32,2%
Carvão - 30,8%
Gás natural - 23,7%
MATRIZ ENEGÉTICA MUNDIAL
 Os seres humanos usam energia para realização de tarefas desde os primórdios.
Pré-história: uso da força animal como fonte de energia (arava-se a terra e usava-se como meio
de transporte).
 Fogo: 200 mil anos atrás, primeira fonte de energia.
MATRIZ ENEGÉTICA MUNDIAL
 Nos últimos séculos, progressos técnicos levaram ao uso de fontes energéticas.
 Revolução Industrial: mudança radical no setor energético.
 Já que novas máquinas e equipamentos foram implantados no sistema produtivo, a demanda
por energia foi ampliada de forma significante.
 Carvão foi usado como a primeira fonte de energia nesse caso.
 Sua queima gerava energia através do vapor.
 O vapor movimentava as máquinas industriais.
MATRIZ ENEGÉTICA MUNDIAL
 Fim do Século XIX/ início do Século XX: a invenção do motor à explosão fez com que a principal
fonte de energia fosse o petróleo e seus derivados.
 Utilização em escala crescente para impulsionar máquinas industriais e meios de transporte.
 Petróleo foi a fonte de energia mais importante da Segunda Revolução Industrial (que se
estendeu até meados do Século XX).
MATRIZ ENEGÉTICA MUNDIAL
 Petróleo e carvão mineral são as fontes mais utilizadas do mundo.
 Porém, outras fontes de energia também são utilizadas atualmente.
 Exemplo: energia nuclear, hidráulica, eólica e solar são utilizadas como meio de suprir a
crescente demanda energética gerada pela expansão das atividades econômicas e aumento do
consumo doméstico.
 O consumo aumentou nos últimos anos.
 O maior consumo per capita se concentra nos países ricos e desenvolvidos.
 Elevado grau de necessidade energética é associado ao nível de industrialização.
 Elevado consumo doméstico (possibilidade de melhores condições socioeconômicas).
MATRIZ ENEGÉTICA MUNDIAL
 OCDE – Organização para a cooperação e desenvolvimento econômico.
 Reúne 34 países, sendo os mais ricos e industrializados.
 Representa 45% dos consumo energético mundial.
 Algumas dos representantes: EUA, Rússia, Canadá e Arábia Saudita.
CLASSIFICAÇÃO DAS FONTES DE ENERGIA
 Primárias: utilizadas e encontradas na natureza. Como lenha (usada em fogões à lenha).
 Secundárias: necessitam de tratamento ou processo de transformação para a sua produção. Ao
exemplo da gasolina e diesel (refinaria de petróleo).
 Renováveis: capacidade de se recompor rapidamente. Tal qual a energia hidrelétrica.
 Não-renováveis: incapacidade de recomposição rápida. Como, por exemplo, o combustível fóssil
(petróleo, carvão mineral, gás natural, entre outros, levam milhares de anos para se recompor).
 Convencionais: amplamente difundidas e utilizadas em sociedade. Exemplo: Petróleo.
 Alternativas: utilizadas em menor escala. Exemplo: energia solar e eólica.
Petróleo
PETRÓLEO
 Hidrocarboneto.
 Origem orgânica, formação através de decomposição de microrganismos (animais e vegetais).
 Acúmulo no fundo de antigos ambiente aquáticos (mares e lago).
 Cobertos por camadas de sedimentos, submetidos à grande pressão e temperaturas elevadas.
 Os depósitos de petróleo ficam aprisionados por rochas impermeáveis.
PETRÓLEO
 Também conhecido como óleo de pedra.
 Coloração escura.
 Encontrado em estado líquido em depósitos naturais acumulados em rochas porosas
sedimentares (arenito e calcário).
 Localizado em diversas profundidades.
 Tanto na parte continental, quanto na parte de mares e oceanos.
PETRÓLEO
 Século XX: primeiras indústrias petroquímicas, petróleo passou a ser muito utilizado.
 Atualmente, responde por 33% da matriz mundial.
 Versatilidade.
 Transportado facilmente em grandes distâncias (custo relativamente baixo).
 Diversidade de derivados.
 Qualidade do petróleo encontrado em jazidas varia conforme suas propriedades caloríferas e
qualidades físico-químicas.
PETRÓLEO
 Classificação da qualidade do petróleo:
 Petróleo leve: maior aplicação comercial, processado com maior facilidade nas refinarias (suas
cadeias de carbono são pequenas – cerca de 10 átomos).
 Petróleo pesado: menor uso comercial, estruturas moleculares grandes (até mais de 70
átomos), para refinar, o custo é mais alto.
 A partir da refinaria, pode-se obter diversos combustíveis (gasolina, óleo, etc) e subprodutos
(lubrificantes, graxas, etc).
No processo de refino, o petróleo é aquecido numa torre de destilação. A temperatura diminui
gradativamente ao longo da torre, assim, são gerados diferentes produtos.
PETRÓLEO NO MUNDO:
PRODUÇÃO, CONSUMO E FLUXOS.
 Recurso não renovável: tende a se esgotar com o tempo.
 As estimativas mais pessimistas preveem que essa fonte se esgote dentro de 40 anos.
 Porém, algumas pesquisas, aponta que há poucas chances disso acontecer, considerando que
novas jazidas e novas tecnologias a respeito podem ser descobertas.
 Desequilíbrio entre produtores e consumidores.
GEOPOLÍTICA DO PRETRÓLEO
 Primeiros poços encontrados: 1859, Pensilvânia (EUA).
 Desde lá, o petróleo tornou-se o principal combustível responsável pelo crescimento
econômico e industrial de muitos países (primeiras décadas do Século XX).
 Uma das mais importantes indústrias contemporâneas: petrolíferas.
 1928: As sete maiores empresas produtoras de petróleo (de origem europeia e estadunidense)
se uniram e fizeram um acordo no qual detinham o controle da maior parte do mercado
petrolífero. Dividiam entre si o mercado mundial, exercendo influência sobre a exploração,
transporte, refino e distribuição do “ouro negro”.
 Jazidas exploradas, sobretudo, no Oriente Médio, África e América Latina.
AS SETE IRMÃS,
NACIONALIZAÇÃO DO PETRÓLEO.
 Para romper o domínio das “sete irmãs”, alguns países adotaram uma política que criou
empresas estatais para atuar nas principais etapas da atividade, política de nacionalização do
petróleo.
 Criada a OPEP – Organização dos países exportadores de petróleo.
 Membros: Arábia Saudita, Irã, Iraque, Kwait e Venezuela.
OS CHOQUES DO PETRÓLEO
 1973 – Yom Kippur.
 Os países da OPEP aproveitaram a instabilidade criada pela Guerra Yom Kippur e ameaçaram
reduzir a produção e o fornecimento, de modo a aumentar o preço do produto bruto.
 Em algumas semanas, o preço do barril foi de US$ 2,47 para US$ 12.
 Esse episódio ficou conhecido como o primeiro choque do petróleo.
OS CHOQUES DO PETRÓLEO
 1980 – Irã/Iraque.
 Grande impacto no mercado.
 Temendo a escassez do produto, países ampliaram a importação do produto para fizessem
reservas de tal energia.
 A alta demanda e o conflito bélico fizeram com que o preço alcançasse US$ 34.
 Esse foi o segundo choque do petróleo.
OS CHOQUES DO PETRÓLEO
 As altas do petróleo alteraram a economia mundial.
 Dificultaram a recuperação econômica das nações desenvolvidas.
 Maiores impactos nos países subdesenvolvidos, tipo Brasil.
 Gastos elevados na importação de petróleo.
 Afetaram a balança comercial: aumento de déficits.
 1990 – Guerra do Golfo (1ª): Iraque invadiu o Kuwait para se apossar das suas jazidas de
petróleo.
 Iraque foi derrotado pela união dos EUA e Grã-Bretanha.
 Atualmente, o preço do petróleo está entre US$ 50 e 60/barril.
Carvão Mineral
CARVÃO MINERAL
 Encontrado em estratos rochosos sedimentares.
 Originado da decomposição de restos orgânicos das antigas florestas.
 Em termos geológicos, considerado um tipo de rocha com concentração de carbono resultante
da decomposição e sedimentação de matéria orgânica.
 Soterradas em alta pressão e ausência de oxigênio.
 Se transforma, ao longo do tempo, em material rochoso.
CARVÃO MINERAL
 Moveu as primeiras máquinas a vapor.
 Primeira Revolução Industrial.
 Segunda fonte energética mais utilizada no mundo.
 Muito utilizado como combustível nas termelétricas.
 Serve de matéria-prima para: asfalto, piche, plásticos, tintas, corantes e inseticidas.
 Termelétricas: geram energia através do vapor produzido na queima do carvão.
CARVÃO MINERAL
 Mais abundante fonte de energia (não renovável) do mundo.
 Reservas atuais, talvez, durem cerca de 200 anos.
 Mais de 60% das reservas está localizada nos EUA, Rússia e China.
 Alto valor/poder calorífero.
 Desvantagens: carvão libera grande quantidade de gases químicos poluentes ao ser queimado
(EX: CO, CO2, SO3...). Tais gases contribuem para o agravamento de problemas ambientais
(efeito estufa, chuva ácida, etc).
Gás Natural
GÁS NATURAL
 Combustível fóssil.
 Origem orgânica.
 Formado por hidrocarbonetos leves, gasosos, principalmente metano.
 Encontrado em rochas sedimentares porosas.
 Ocorrência no subsolo, pode ou não estar associada a depósitos de petróleo.
GÁS NATURAL
 Terceira fonte mais utilizada no mundo.
 24% da matriz energética mundial.
 Baixo custo.
 Transporte em dutos.
 Menor teor poluente.
 Utilizado para consumo doméstico.
 Utilizado em indústrias (geração de calor, usinas termelétricas e transportes).
TERMELÉTRICAS
 Geram energia através da queima do petróleo, carvão mineral e gás natural.
 O calor aquece uma caldeira, produzindo jatos de água com alta pressão.
 Pressão do vapor faz a turbina da usina girar em velocidade, produzindo eletricidade a partir de
um gerador.
 Podem ser instaladas próximas aos centros de consumo.
 Aumentam a poluição do ar e os problemas decorrentes.
Energia Nuclear
ENERGIA NUCLEAR OU ATÔMICA
 Crise do petróleo de 1970 e 1980.
 Países industrializados do Hemisfério Norte passaram a investir em pesquisas tecnológicas
voltadas à construção de usinas nucleares.
 Forma de produzir energia elétrica e diminuir a dependência do petróleo.
 Mesmo com alto custo de produção/construção, as usinas nucleares estão muito presentes em
países ricos e industrializados (EUA, Canadá, Alemanha, França, Inglaterra, etc).
 Em especial, daqueles que não têm muitos outros recursos energéticos em seus devidos
territórios, como por exemplo: Japão, Suíça, Bélgica e Holanda.
 Mais tarde, essa tecnologia se estendeu também aos países subdesenvolvidos, como Brasil,
México e África do Sul.
ENERGIA NUCLEAR OU ATÔMICA
 Existem 200 usinas nucleares dispostas pelo mundo.
 No total, são 438 reatores nucleares.
 Representam cerca de 5% da produção energética mundial.
 Os países que não dispõe de recursos hídricos, nem de reservas de combustíveis fósseis, muitas
vezes, acabam usando esse tipo de energia.
POLÊMICA NA PRODUÇÃO
DE ENERGIA NUCLEAR
 Existem grandes desafios para a construção de usinas nucleares.
 Alto custo de investimento para instalação e domínio de tecnologia.
 Grandes risco sociais e ambientais.
 Geração de lixo atômico.
 Contaminação radioativa em caso de vazamentos.
 O lixo radioativo continua emitindo radiação por muitos anos.
 Necessidade de depósitos definitivos (subterrâneos e revestidos de concreto).
 Preocupação com armas nucleares.
 Enriquecimento de combustível nuclear que pode ser usado em bombas atômicas preocupa.
Hidrelétricas
HIDRELÉTRICAS
 Energia elétrica renovável, não poluente (limpa), de baixo custo de operações.
 Independe de queima de combustíveis fósseis.
 Depende do potencial hidrelétrico de um curso fluvial.
 Depende das condições naturais: existência de rios com desníveis acentuados ou quedas d’água.
 Muito difundida no mundo, porém aproveitada apenas em países com potencial hidrelétrico.
 Causam impactos ambientais e sociais.
 Podem encobrir áreas que abrigam fauna e flora variadas, terras férteis e agricultáveis, causam
remoção de famílias e suas propriedades.
Energia e
Meio Ambiente
ENERGIA E MEIO AMBIENTE
 Matriz energética do mundo atual é calcada nos combustíveis fósseis e não renováveis.
 Alvo de discussão e preocupação.
 A queima dos combustíveis fósseis emite poluentes atmosféricos tóxicos.
 Afetam a saúde e causam impactos ambientais graves (intensificam o efeito estufa, etc).
 Outros recursos energéticos também causam impactos (a exemplo de hidrelétricas).
 O consumo energético mundial tende a aumentar.
 Grande desafio: desenvolver fontes alternativas renováveis.
 Substituição de combustíveis fósseis por fontes alternativas.
ENERGIA EÓLICA
 Gerada a partir da força dos ventos.
 Custo zero com combustíveis.
 Fonte renovável.
 Alto custo de construção de aero geradores.
 Depende de condições naturais.
 Poluição sonora e visual.
 Ocupa grandes extensões de terra.
ENERGIA SOLAR
 Radiação solar captada por grandes painéis.
 Renovável e inesgotável.
 Rápida construção e praticidade das estações solares.
 Pouca manutenção exigida.
 Elevado custo na fabricação de painéis solares.
 Depende de condições naturais.
 Ocupam áreas extensas.
 Pode ser obtida em lugares remotos e de difícil acesso.
ENERGIA GEOTÉRMICA
 Obtida a partir do calor proveniente dos interior da Terra.
 Utilizada pequenas extensões de terra.
 Baixa emissão de gases poluentes.
 Ocupa pequenas áreas.
 Impacto ambiental reduzido.
 Poucos lugares favoráveis ao seu aproveitamento.
 Preço elevado da energia devido aos altos investimentos e baixa e eficiência das usinas.
ENERGIA MAREMOTRIZ
 Obtida pela variação diária das marés.
 Fonte renovável.
 Sem gases ou resíduos poluentes.
 Quase gasto zero com combustível.
 Tecnologia acessível.
 Alto custo para instalação.
 Depende de condições naturais favoráveis.
 Baixo rendimento.
 Alterações nos ambientes costeiros.
BIOGÁS
 Resíduos orgânicos podem ser transformados em combustível.
 Substitui o gás de cozinha (reduzindo a emissão de CO2).
 Disponibilidade de matéria-prima.
 Diminuir a geração de lixo orgânico.
 Fonte alternativa à produtores rurais.
 Risco de vazamento e contaminação do ar.
 Alto custo de instalação.
 Necessidade de eliminar gases tóxicos.
BIOMASSA
 Compostos orgânicos.
 Renovável.
 Baixa emissão de gases de efeito estufa.
 Tecnologia acessível e, relativamente, baixo custo.
 Impactos ambientais.
 Diminuição da área de lavouras.
Julia Maldonado Garcia
SEGUNDO ANO – ENSINO MÉDIO.
PROVA 1 – BIMESTRE II.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Economia asiática
Economia asiáticaEconomia asiática
Economia asiática
 
Unidade 7 8º ano- América do Sul
Unidade 7 8º ano- América do SulUnidade 7 8º ano- América do Sul
Unidade 7 8º ano- América do Sul
 
Continente americano
Continente americanoContinente americano
Continente americano
 
Europa economia
Europa   economiaEuropa   economia
Europa economia
 
A industrialização brasileira
A industrialização brasileiraA industrialização brasileira
A industrialização brasileira
 
Hidrografia do brasil
Hidrografia do brasilHidrografia do brasil
Hidrografia do brasil
 
Organização e formação do espaço brasileiro
Organização e formação do espaço brasileiroOrganização e formação do espaço brasileiro
Organização e formação do espaço brasileiro
 
Geopolitica do petroleo
Geopolitica do petroleo Geopolitica do petroleo
Geopolitica do petroleo
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
Geografia - Continente Europeu: População e Economia
Geografia -  Continente Europeu: População e EconomiaGeografia -  Continente Europeu: População e Economia
Geografia - Continente Europeu: População e Economia
 
População da Europa
População da EuropaPopulação da Europa
População da Europa
 
Leste europeu
Leste europeuLeste europeu
Leste europeu
 
Região Nordeste
Região NordesteRegião Nordeste
Região Nordeste
 
América anglo saxônica
América anglo saxônicaAmérica anglo saxônica
América anglo saxônica
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
 
América andina e platina
América andina e platinaAmérica andina e platina
América andina e platina
 
As formaçoes vegetais pelo mundo
As formaçoes vegetais pelo mundoAs formaçoes vegetais pelo mundo
As formaçoes vegetais pelo mundo
 
America latina
America latina America latina
America latina
 
Países Desenvolvidos, subdesenvolvidos e emergentes
Países Desenvolvidos, subdesenvolvidos e emergentesPaíses Desenvolvidos, subdesenvolvidos e emergentes
Países Desenvolvidos, subdesenvolvidos e emergentes
 
Europa economia, população e contexto histórico
Europa economia, população e contexto históricoEuropa economia, população e contexto histórico
Europa economia, população e contexto histórico
 

Destaque

Fontes de energia geografia
Fontes de energia geografia Fontes de energia geografia
Fontes de energia geografia Eduardo Mendes
 
Fontes de energia completo - g4 certo
Fontes de energia   completo - g4 certoFontes de energia   completo - g4 certo
Fontes de energia completo - g4 certoblog_setimaf
 
Fontes De Energia
Fontes De EnergiaFontes De Energia
Fontes De Energiaguest3ad92c
 
Aula fontes de energia
Aula fontes de energiaAula fontes de energia
Aula fontes de energiasilvaelivia
 
Energia Fontes E Formas De Energia
Energia   Fontes E Formas De EnergiaEnergia   Fontes E Formas De Energia
Energia Fontes E Formas De EnergiaJoão França
 
Fontes Alternativas de Energia
Fontes Alternativas de EnergiaFontes Alternativas de Energia
Fontes Alternativas de EnergiaSinara Lustosa
 
Fontes alternativas e energia no Brasil
Fontes alternativas e energia no BrasilFontes alternativas e energia no Brasil
Fontes alternativas e energia no Brasil Joemille Leal
 
Fontes Alternativas de Energia
Fontes Alternativas de EnergiaFontes Alternativas de Energia
Fontes Alternativas de EnergiaFran Louren
 
A produção mundial de energia e as fontes de energia no brasil parte ii
A produção mundial de energia e as fontes de energia no brasil   parte iiA produção mundial de energia e as fontes de energia no brasil   parte ii
A produção mundial de energia e as fontes de energia no brasil parte iiRenata Rodrigues
 
FONTE DE ENERGIA - PETRÓLEO RESUMO BÁSICO
FONTE DE ENERGIA - PETRÓLEO RESUMO BÁSICOFONTE DE ENERGIA - PETRÓLEO RESUMO BÁSICO
FONTE DE ENERGIA - PETRÓLEO RESUMO BÁSICODCRDANYLA
 
Geografia do Brasil - Fontes de energia - Prof. Marco Aurelio Gondim [www.gon...
Geografia do Brasil - Fontes de energia - Prof. Marco Aurelio Gondim [www.gon...Geografia do Brasil - Fontes de energia - Prof. Marco Aurelio Gondim [www.gon...
Geografia do Brasil - Fontes de energia - Prof. Marco Aurelio Gondim [www.gon...Marco Aurélio Gondim
 
Energias alternativas
Energias alternativasEnergias alternativas
Energias alternativasEspa Cn 8
 
Energias alternativas power point
Energias alternativas power pointEnergias alternativas power point
Energias alternativas power pointRosa
 

Destaque (20)

Fontes de energia geografia
Fontes de energia geografia Fontes de energia geografia
Fontes de energia geografia
 
Fontes de energia completo - g4 certo
Fontes de energia   completo - g4 certoFontes de energia   completo - g4 certo
Fontes de energia completo - g4 certo
 
Fontes De Energia
Fontes De EnergiaFontes De Energia
Fontes De Energia
 
Aula fontes de energia
Aula fontes de energiaAula fontes de energia
Aula fontes de energia
 
Slideshare energia
Slideshare energiaSlideshare energia
Slideshare energia
 
Energia Fontes E Formas De Energia
Energia   Fontes E Formas De EnergiaEnergia   Fontes E Formas De Energia
Energia Fontes E Formas De Energia
 
Fontes Alternativas de Energia
Fontes Alternativas de EnergiaFontes Alternativas de Energia
Fontes Alternativas de Energia
 
Fontes alternativas e energia no Brasil
Fontes alternativas e energia no BrasilFontes alternativas e energia no Brasil
Fontes alternativas e energia no Brasil
 
Fontes Alternativas de Energia
Fontes Alternativas de EnergiaFontes Alternativas de Energia
Fontes Alternativas de Energia
 
Energias Alternativas
Energias AlternativasEnergias Alternativas
Energias Alternativas
 
A produção mundial de energia e as fontes de energia no brasil parte ii
A produção mundial de energia e as fontes de energia no brasil   parte iiA produção mundial de energia e as fontes de energia no brasil   parte ii
A produção mundial de energia e as fontes de energia no brasil parte ii
 
Tipos de Energia
Tipos de EnergiaTipos de Energia
Tipos de Energia
 
FONTE DE ENERGIA - PETRÓLEO RESUMO BÁSICO
FONTE DE ENERGIA - PETRÓLEO RESUMO BÁSICOFONTE DE ENERGIA - PETRÓLEO RESUMO BÁSICO
FONTE DE ENERGIA - PETRÓLEO RESUMO BÁSICO
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
 
Geografia do Brasil - Fontes de energia - Prof. Marco Aurelio Gondim [www.gon...
Geografia do Brasil - Fontes de energia - Prof. Marco Aurelio Gondim [www.gon...Geografia do Brasil - Fontes de energia - Prof. Marco Aurelio Gondim [www.gon...
Geografia do Brasil - Fontes de energia - Prof. Marco Aurelio Gondim [www.gon...
 
Energias
EnergiasEnergias
Energias
 
Brasil fontes de energia
Brasil   fontes de energiaBrasil   fontes de energia
Brasil fontes de energia
 
Energía Alternativa
Energía AlternativaEnergía Alternativa
Energía Alternativa
 
Energias alternativas
Energias alternativasEnergias alternativas
Energias alternativas
 
Energias alternativas power point
Energias alternativas power pointEnergias alternativas power point
Energias alternativas power point
 

Semelhante a Geografia - Fontes de Energia.

Modulo 10 - A Exploração dos recursos energéticos
Modulo 10 - A Exploração dos recursos energéticosModulo 10 - A Exploração dos recursos energéticos
Modulo 10 - A Exploração dos recursos energéticosClaudio Henrique Ramos Sales
 
SLIDE-06-GEOGRAFIA-CURSINHO-UNIENEM-2022_231116_201537[1].pptx
SLIDE-06-GEOGRAFIA-CURSINHO-UNIENEM-2022_231116_201537[1].pptxSLIDE-06-GEOGRAFIA-CURSINHO-UNIENEM-2022_231116_201537[1].pptx
SLIDE-06-GEOGRAFIA-CURSINHO-UNIENEM-2022_231116_201537[1].pptxJonathasAureliano1
 
Petróleo - Slides de geografia - 9°B
Petróleo  - Slides de geografia - 9°BPetróleo  - Slides de geografia - 9°B
Petróleo - Slides de geografia - 9°BNádya Dixon
 
Geografia a crise energetica mundial
Geografia   a crise energetica mundialGeografia   a crise energetica mundial
Geografia a crise energetica mundialGustavo Soares
 
Energias Não Renováveis Ana Henriques
Energias   Não   Renováveis  Ana HenriquesEnergias   Não   Renováveis  Ana Henriques
Energias Não Renováveis Ana Henriquesguest69ca1e7
 
Energias NãO RenováVeis Ana Henriques
Energias  NãO  RenováVeis Ana HenriquesEnergias  NãO  RenováVeis Ana Henriques
Energias NãO RenováVeis Ana Henriquesguest69ca1e7
 
A Crise Energética Mundial.ppt
A Crise Energética Mundial.pptA Crise Energética Mundial.ppt
A Crise Energética Mundial.pptFabioSoares492154
 
Energia Química no Cotidiano - Enem
Energia Química no Cotidiano - Enem  Energia Química no Cotidiano - Enem
Energia Química no Cotidiano - Enem Joelson Barral
 
Fontes de energia PROF BRUNO JOAQUIM
Fontes de energia PROF BRUNO JOAQUIMFontes de energia PROF BRUNO JOAQUIM
Fontes de energia PROF BRUNO JOAQUIMraahsalemi
 
O ocaso do petroleo como fonte de energia
O ocaso do petroleo como fonte de energiaO ocaso do petroleo como fonte de energia
O ocaso do petroleo como fonte de energiaRoberto Rabat Chame
 
O ocaso do petróleo como fonte de energia
O ocaso do petróleo como fonte de energiaO ocaso do petróleo como fonte de energia
O ocaso do petróleo como fonte de energiaFernando Alcoforado
 

Semelhante a Geografia - Fontes de Energia. (20)

Fontes de energia.pptx
Fontes de energia.pptxFontes de energia.pptx
Fontes de energia.pptx
 
Aula 35 1º cga
Aula 35   1º cgaAula 35   1º cga
Aula 35 1º cga
 
Modulo 10 - A Exploração dos recursos energéticos
Modulo 10 - A Exploração dos recursos energéticosModulo 10 - A Exploração dos recursos energéticos
Modulo 10 - A Exploração dos recursos energéticos
 
Recursos energéticos
Recursos energéticosRecursos energéticos
Recursos energéticos
 
SLIDE-06-GEOGRAFIA-CURSINHO-UNIENEM-2022_231116_201537[1].pptx
SLIDE-06-GEOGRAFIA-CURSINHO-UNIENEM-2022_231116_201537[1].pptxSLIDE-06-GEOGRAFIA-CURSINHO-UNIENEM-2022_231116_201537[1].pptx
SLIDE-06-GEOGRAFIA-CURSINHO-UNIENEM-2022_231116_201537[1].pptx
 
Energia
EnergiaEnergia
Energia
 
Petróleo - Slides de geografia - 9°B
Petróleo  - Slides de geografia - 9°BPetróleo  - Slides de geografia - 9°B
Petróleo - Slides de geografia - 9°B
 
Energia meio ambiente
Energia meio ambienteEnergia meio ambiente
Energia meio ambiente
 
Fontes de energia
Fontes de energia Fontes de energia
Fontes de energia
 
Geografia a crise energetica mundial
Geografia   a crise energetica mundialGeografia   a crise energetica mundial
Geografia a crise energetica mundial
 
Energias Não Renováveis Ana Henriques
Energias   Não   Renováveis  Ana HenriquesEnergias   Não   Renováveis  Ana Henriques
Energias Não Renováveis Ana Henriques
 
Energias NãO RenováVeis Ana Henriques
Energias  NãO  RenováVeis Ana HenriquesEnergias  NãO  RenováVeis Ana Henriques
Energias NãO RenováVeis Ana Henriques
 
A Crise Energética Mundial (1).ppt
A Crise Energética Mundial (1).pptA Crise Energética Mundial (1).ppt
A Crise Energética Mundial (1).ppt
 
A Crise Energética Mundial.ppt
A Crise Energética Mundial.pptA Crise Energética Mundial.ppt
A Crise Energética Mundial.ppt
 
Energia
EnergiaEnergia
Energia
 
Fontes de Energia
Fontes de EnergiaFontes de Energia
Fontes de Energia
 
Energia Química no Cotidiano - Enem
Energia Química no Cotidiano - Enem  Energia Química no Cotidiano - Enem
Energia Química no Cotidiano - Enem
 
Fontes de energia PROF BRUNO JOAQUIM
Fontes de energia PROF BRUNO JOAQUIMFontes de energia PROF BRUNO JOAQUIM
Fontes de energia PROF BRUNO JOAQUIM
 
O ocaso do petroleo como fonte de energia
O ocaso do petroleo como fonte de energiaO ocaso do petroleo como fonte de energia
O ocaso do petroleo como fonte de energia
 
O ocaso do petróleo como fonte de energia
O ocaso do petróleo como fonte de energiaO ocaso do petróleo como fonte de energia
O ocaso do petróleo como fonte de energia
 

Mais de Julia Maldonado Garcia

{Língua Portuguesa e Literatura} Teatro moderno brasileiro.
{Língua Portuguesa e Literatura} Teatro moderno brasileiro.{Língua Portuguesa e Literatura} Teatro moderno brasileiro.
{Língua Portuguesa e Literatura} Teatro moderno brasileiro.Julia Maldonado Garcia
 
Química: Propriedades dos Polímeros.
Química: Propriedades dos Polímeros.Química: Propriedades dos Polímeros.
Química: Propriedades dos Polímeros.Julia Maldonado Garcia
 
Matemática - Matrizes e Determinantes (Pt 1).
Matemática - Matrizes e Determinantes (Pt 1).Matemática - Matrizes e Determinantes (Pt 1).
Matemática - Matrizes e Determinantes (Pt 1).Julia Maldonado Garcia
 
{História} Colonização da América espanhola.
{História} Colonização da América espanhola.{História} Colonização da América espanhola.
{História} Colonização da América espanhola.Julia Maldonado Garcia
 
Romantismo - 1ª geração - Literauta.
Romantismo - 1ª geração - Literauta.Romantismo - 1ª geração - Literauta.
Romantismo - 1ª geração - Literauta.Julia Maldonado Garcia
 
Sociologia - Grupos e tribos, cultura e família.
Sociologia - Grupos e tribos, cultura e família.Sociologia - Grupos e tribos, cultura e família.
Sociologia - Grupos e tribos, cultura e família.Julia Maldonado Garcia
 

Mais de Julia Maldonado Garcia (20)

{Língua Portuguesa e Literatura} Teatro moderno brasileiro.
{Língua Portuguesa e Literatura} Teatro moderno brasileiro.{Língua Portuguesa e Literatura} Teatro moderno brasileiro.
{Língua Portuguesa e Literatura} Teatro moderno brasileiro.
 
{Biologia} Ciclo do enxofre
{Biologia} Ciclo do enxofre{Biologia} Ciclo do enxofre
{Biologia} Ciclo do enxofre
 
Química: Propriedades dos Polímeros.
Química: Propriedades dos Polímeros.Química: Propriedades dos Polímeros.
Química: Propriedades dos Polímeros.
 
Auto da compadecida, Ariano Suassuna.
Auto da compadecida, Ariano Suassuna.Auto da compadecida, Ariano Suassuna.
Auto da compadecida, Ariano Suassuna.
 
{Física} Lâmpadas.
{Física} Lâmpadas.{Física} Lâmpadas.
{Física} Lâmpadas.
 
{Sociologia} Imigração.
{Sociologia} Imigração.{Sociologia} Imigração.
{Sociologia} Imigração.
 
{Educação Física} Handebol
{Educação Física} Handebol{Educação Física} Handebol
{Educação Física} Handebol
 
{História} Conjuração Baiana.
{História} Conjuração Baiana.{História} Conjuração Baiana.
{História} Conjuração Baiana.
 
Adam Smith - História.
Adam Smith - História.Adam Smith - História.
Adam Smith - História.
 
O Alienista - Machado de Assis.
O Alienista - Machado de Assis.O Alienista - Machado de Assis.
O Alienista - Machado de Assis.
 
Biologia - O Reino Fungi.
Biologia - O Reino Fungi.Biologia - O Reino Fungi.
Biologia - O Reino Fungi.
 
Matemática - Matrizes e Determinantes (Pt 1).
Matemática - Matrizes e Determinantes (Pt 1).Matemática - Matrizes e Determinantes (Pt 1).
Matemática - Matrizes e Determinantes (Pt 1).
 
{História} Colonização da América espanhola.
{História} Colonização da América espanhola.{História} Colonização da América espanhola.
{História} Colonização da América espanhola.
 
Impressionismo - Artes.
Impressionismo - Artes.Impressionismo - Artes.
Impressionismo - Artes.
 
Biologia.
Biologia.Biologia.
Biologia.
 
Sociologia.
Sociologia.Sociologia.
Sociologia.
 
Romantismo - 1ª geração - Literauta.
Romantismo - 1ª geração - Literauta.Romantismo - 1ª geração - Literauta.
Romantismo - 1ª geração - Literauta.
 
Gramática.
Gramática.Gramática.
Gramática.
 
Gramática.
Gramática.Gramática.
Gramática.
 
Sociologia - Grupos e tribos, cultura e família.
Sociologia - Grupos e tribos, cultura e família.Sociologia - Grupos e tribos, cultura e família.
Sociologia - Grupos e tribos, cultura e família.
 

Último

Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Centro Jacques Delors
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptElifabio Sobreira Pereira
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivararambomarcos
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)Centro Jacques Delors
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoVitor Vieira Vasconcelos
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaCentro Jacques Delors
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 

Último (20)

Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 

Geografia - Fontes de Energia.

  • 2. FONTES DE ENERGIA  Crescente necessidade por energia.  De séculos atrás ao futuro.  Os grandes níveis de produção e consumo de energia apresentados pela sociedade atual fazer refletir a questão energética mundial.  GRÁFICOS  2010: Petróleo - 32,2% Carvão - 30,8% Gás natural - 23,7%
  • 3. MATRIZ ENEGÉTICA MUNDIAL  Os seres humanos usam energia para realização de tarefas desde os primórdios. Pré-história: uso da força animal como fonte de energia (arava-se a terra e usava-se como meio de transporte).  Fogo: 200 mil anos atrás, primeira fonte de energia.
  • 4. MATRIZ ENEGÉTICA MUNDIAL  Nos últimos séculos, progressos técnicos levaram ao uso de fontes energéticas.  Revolução Industrial: mudança radical no setor energético.  Já que novas máquinas e equipamentos foram implantados no sistema produtivo, a demanda por energia foi ampliada de forma significante.  Carvão foi usado como a primeira fonte de energia nesse caso.  Sua queima gerava energia através do vapor.  O vapor movimentava as máquinas industriais.
  • 5. MATRIZ ENEGÉTICA MUNDIAL  Fim do Século XIX/ início do Século XX: a invenção do motor à explosão fez com que a principal fonte de energia fosse o petróleo e seus derivados.  Utilização em escala crescente para impulsionar máquinas industriais e meios de transporte.  Petróleo foi a fonte de energia mais importante da Segunda Revolução Industrial (que se estendeu até meados do Século XX).
  • 6. MATRIZ ENEGÉTICA MUNDIAL  Petróleo e carvão mineral são as fontes mais utilizadas do mundo.  Porém, outras fontes de energia também são utilizadas atualmente.  Exemplo: energia nuclear, hidráulica, eólica e solar são utilizadas como meio de suprir a crescente demanda energética gerada pela expansão das atividades econômicas e aumento do consumo doméstico.  O consumo aumentou nos últimos anos.  O maior consumo per capita se concentra nos países ricos e desenvolvidos.  Elevado grau de necessidade energética é associado ao nível de industrialização.  Elevado consumo doméstico (possibilidade de melhores condições socioeconômicas).
  • 7. MATRIZ ENEGÉTICA MUNDIAL  OCDE – Organização para a cooperação e desenvolvimento econômico.  Reúne 34 países, sendo os mais ricos e industrializados.  Representa 45% dos consumo energético mundial.  Algumas dos representantes: EUA, Rússia, Canadá e Arábia Saudita.
  • 8. CLASSIFICAÇÃO DAS FONTES DE ENERGIA  Primárias: utilizadas e encontradas na natureza. Como lenha (usada em fogões à lenha).  Secundárias: necessitam de tratamento ou processo de transformação para a sua produção. Ao exemplo da gasolina e diesel (refinaria de petróleo).  Renováveis: capacidade de se recompor rapidamente. Tal qual a energia hidrelétrica.  Não-renováveis: incapacidade de recomposição rápida. Como, por exemplo, o combustível fóssil (petróleo, carvão mineral, gás natural, entre outros, levam milhares de anos para se recompor).  Convencionais: amplamente difundidas e utilizadas em sociedade. Exemplo: Petróleo.  Alternativas: utilizadas em menor escala. Exemplo: energia solar e eólica.
  • 10. PETRÓLEO  Hidrocarboneto.  Origem orgânica, formação através de decomposição de microrganismos (animais e vegetais).  Acúmulo no fundo de antigos ambiente aquáticos (mares e lago).  Cobertos por camadas de sedimentos, submetidos à grande pressão e temperaturas elevadas.  Os depósitos de petróleo ficam aprisionados por rochas impermeáveis.
  • 11. PETRÓLEO  Também conhecido como óleo de pedra.  Coloração escura.  Encontrado em estado líquido em depósitos naturais acumulados em rochas porosas sedimentares (arenito e calcário).  Localizado em diversas profundidades.  Tanto na parte continental, quanto na parte de mares e oceanos.
  • 12. PETRÓLEO  Século XX: primeiras indústrias petroquímicas, petróleo passou a ser muito utilizado.  Atualmente, responde por 33% da matriz mundial.  Versatilidade.  Transportado facilmente em grandes distâncias (custo relativamente baixo).  Diversidade de derivados.  Qualidade do petróleo encontrado em jazidas varia conforme suas propriedades caloríferas e qualidades físico-químicas.
  • 13. PETRÓLEO  Classificação da qualidade do petróleo:  Petróleo leve: maior aplicação comercial, processado com maior facilidade nas refinarias (suas cadeias de carbono são pequenas – cerca de 10 átomos).  Petróleo pesado: menor uso comercial, estruturas moleculares grandes (até mais de 70 átomos), para refinar, o custo é mais alto.  A partir da refinaria, pode-se obter diversos combustíveis (gasolina, óleo, etc) e subprodutos (lubrificantes, graxas, etc). No processo de refino, o petróleo é aquecido numa torre de destilação. A temperatura diminui gradativamente ao longo da torre, assim, são gerados diferentes produtos.
  • 14. PETRÓLEO NO MUNDO: PRODUÇÃO, CONSUMO E FLUXOS.  Recurso não renovável: tende a se esgotar com o tempo.  As estimativas mais pessimistas preveem que essa fonte se esgote dentro de 40 anos.  Porém, algumas pesquisas, aponta que há poucas chances disso acontecer, considerando que novas jazidas e novas tecnologias a respeito podem ser descobertas.  Desequilíbrio entre produtores e consumidores.
  • 15. GEOPOLÍTICA DO PRETRÓLEO  Primeiros poços encontrados: 1859, Pensilvânia (EUA).  Desde lá, o petróleo tornou-se o principal combustível responsável pelo crescimento econômico e industrial de muitos países (primeiras décadas do Século XX).  Uma das mais importantes indústrias contemporâneas: petrolíferas.  1928: As sete maiores empresas produtoras de petróleo (de origem europeia e estadunidense) se uniram e fizeram um acordo no qual detinham o controle da maior parte do mercado petrolífero. Dividiam entre si o mercado mundial, exercendo influência sobre a exploração, transporte, refino e distribuição do “ouro negro”.  Jazidas exploradas, sobretudo, no Oriente Médio, África e América Latina.
  • 16. AS SETE IRMÃS, NACIONALIZAÇÃO DO PETRÓLEO.  Para romper o domínio das “sete irmãs”, alguns países adotaram uma política que criou empresas estatais para atuar nas principais etapas da atividade, política de nacionalização do petróleo.  Criada a OPEP – Organização dos países exportadores de petróleo.  Membros: Arábia Saudita, Irã, Iraque, Kwait e Venezuela.
  • 17. OS CHOQUES DO PETRÓLEO  1973 – Yom Kippur.  Os países da OPEP aproveitaram a instabilidade criada pela Guerra Yom Kippur e ameaçaram reduzir a produção e o fornecimento, de modo a aumentar o preço do produto bruto.  Em algumas semanas, o preço do barril foi de US$ 2,47 para US$ 12.  Esse episódio ficou conhecido como o primeiro choque do petróleo.
  • 18. OS CHOQUES DO PETRÓLEO  1980 – Irã/Iraque.  Grande impacto no mercado.  Temendo a escassez do produto, países ampliaram a importação do produto para fizessem reservas de tal energia.  A alta demanda e o conflito bélico fizeram com que o preço alcançasse US$ 34.  Esse foi o segundo choque do petróleo.
  • 19. OS CHOQUES DO PETRÓLEO  As altas do petróleo alteraram a economia mundial.  Dificultaram a recuperação econômica das nações desenvolvidas.  Maiores impactos nos países subdesenvolvidos, tipo Brasil.  Gastos elevados na importação de petróleo.  Afetaram a balança comercial: aumento de déficits.  1990 – Guerra do Golfo (1ª): Iraque invadiu o Kuwait para se apossar das suas jazidas de petróleo.  Iraque foi derrotado pela união dos EUA e Grã-Bretanha.  Atualmente, o preço do petróleo está entre US$ 50 e 60/barril.
  • 21. CARVÃO MINERAL  Encontrado em estratos rochosos sedimentares.  Originado da decomposição de restos orgânicos das antigas florestas.  Em termos geológicos, considerado um tipo de rocha com concentração de carbono resultante da decomposição e sedimentação de matéria orgânica.  Soterradas em alta pressão e ausência de oxigênio.  Se transforma, ao longo do tempo, em material rochoso.
  • 22. CARVÃO MINERAL  Moveu as primeiras máquinas a vapor.  Primeira Revolução Industrial.  Segunda fonte energética mais utilizada no mundo.  Muito utilizado como combustível nas termelétricas.  Serve de matéria-prima para: asfalto, piche, plásticos, tintas, corantes e inseticidas.  Termelétricas: geram energia através do vapor produzido na queima do carvão.
  • 23. CARVÃO MINERAL  Mais abundante fonte de energia (não renovável) do mundo.  Reservas atuais, talvez, durem cerca de 200 anos.  Mais de 60% das reservas está localizada nos EUA, Rússia e China.  Alto valor/poder calorífero.  Desvantagens: carvão libera grande quantidade de gases químicos poluentes ao ser queimado (EX: CO, CO2, SO3...). Tais gases contribuem para o agravamento de problemas ambientais (efeito estufa, chuva ácida, etc).
  • 25. GÁS NATURAL  Combustível fóssil.  Origem orgânica.  Formado por hidrocarbonetos leves, gasosos, principalmente metano.  Encontrado em rochas sedimentares porosas.  Ocorrência no subsolo, pode ou não estar associada a depósitos de petróleo.
  • 26. GÁS NATURAL  Terceira fonte mais utilizada no mundo.  24% da matriz energética mundial.  Baixo custo.  Transporte em dutos.  Menor teor poluente.  Utilizado para consumo doméstico.  Utilizado em indústrias (geração de calor, usinas termelétricas e transportes).
  • 27. TERMELÉTRICAS  Geram energia através da queima do petróleo, carvão mineral e gás natural.  O calor aquece uma caldeira, produzindo jatos de água com alta pressão.  Pressão do vapor faz a turbina da usina girar em velocidade, produzindo eletricidade a partir de um gerador.  Podem ser instaladas próximas aos centros de consumo.  Aumentam a poluição do ar e os problemas decorrentes.
  • 29. ENERGIA NUCLEAR OU ATÔMICA  Crise do petróleo de 1970 e 1980.  Países industrializados do Hemisfério Norte passaram a investir em pesquisas tecnológicas voltadas à construção de usinas nucleares.  Forma de produzir energia elétrica e diminuir a dependência do petróleo.  Mesmo com alto custo de produção/construção, as usinas nucleares estão muito presentes em países ricos e industrializados (EUA, Canadá, Alemanha, França, Inglaterra, etc).  Em especial, daqueles que não têm muitos outros recursos energéticos em seus devidos territórios, como por exemplo: Japão, Suíça, Bélgica e Holanda.  Mais tarde, essa tecnologia se estendeu também aos países subdesenvolvidos, como Brasil, México e África do Sul.
  • 30. ENERGIA NUCLEAR OU ATÔMICA  Existem 200 usinas nucleares dispostas pelo mundo.  No total, são 438 reatores nucleares.  Representam cerca de 5% da produção energética mundial.  Os países que não dispõe de recursos hídricos, nem de reservas de combustíveis fósseis, muitas vezes, acabam usando esse tipo de energia.
  • 31. POLÊMICA NA PRODUÇÃO DE ENERGIA NUCLEAR  Existem grandes desafios para a construção de usinas nucleares.  Alto custo de investimento para instalação e domínio de tecnologia.  Grandes risco sociais e ambientais.  Geração de lixo atômico.  Contaminação radioativa em caso de vazamentos.  O lixo radioativo continua emitindo radiação por muitos anos.  Necessidade de depósitos definitivos (subterrâneos e revestidos de concreto).  Preocupação com armas nucleares.  Enriquecimento de combustível nuclear que pode ser usado em bombas atômicas preocupa.
  • 33. HIDRELÉTRICAS  Energia elétrica renovável, não poluente (limpa), de baixo custo de operações.  Independe de queima de combustíveis fósseis.  Depende do potencial hidrelétrico de um curso fluvial.  Depende das condições naturais: existência de rios com desníveis acentuados ou quedas d’água.  Muito difundida no mundo, porém aproveitada apenas em países com potencial hidrelétrico.  Causam impactos ambientais e sociais.  Podem encobrir áreas que abrigam fauna e flora variadas, terras férteis e agricultáveis, causam remoção de famílias e suas propriedades.
  • 35. ENERGIA E MEIO AMBIENTE  Matriz energética do mundo atual é calcada nos combustíveis fósseis e não renováveis.  Alvo de discussão e preocupação.  A queima dos combustíveis fósseis emite poluentes atmosféricos tóxicos.  Afetam a saúde e causam impactos ambientais graves (intensificam o efeito estufa, etc).  Outros recursos energéticos também causam impactos (a exemplo de hidrelétricas).  O consumo energético mundial tende a aumentar.  Grande desafio: desenvolver fontes alternativas renováveis.  Substituição de combustíveis fósseis por fontes alternativas.
  • 36. ENERGIA EÓLICA  Gerada a partir da força dos ventos.  Custo zero com combustíveis.  Fonte renovável.  Alto custo de construção de aero geradores.  Depende de condições naturais.  Poluição sonora e visual.  Ocupa grandes extensões de terra.
  • 37. ENERGIA SOLAR  Radiação solar captada por grandes painéis.  Renovável e inesgotável.  Rápida construção e praticidade das estações solares.  Pouca manutenção exigida.  Elevado custo na fabricação de painéis solares.  Depende de condições naturais.  Ocupam áreas extensas.  Pode ser obtida em lugares remotos e de difícil acesso.
  • 38. ENERGIA GEOTÉRMICA  Obtida a partir do calor proveniente dos interior da Terra.  Utilizada pequenas extensões de terra.  Baixa emissão de gases poluentes.  Ocupa pequenas áreas.  Impacto ambiental reduzido.  Poucos lugares favoráveis ao seu aproveitamento.  Preço elevado da energia devido aos altos investimentos e baixa e eficiência das usinas.
  • 39. ENERGIA MAREMOTRIZ  Obtida pela variação diária das marés.  Fonte renovável.  Sem gases ou resíduos poluentes.  Quase gasto zero com combustível.  Tecnologia acessível.  Alto custo para instalação.  Depende de condições naturais favoráveis.  Baixo rendimento.  Alterações nos ambientes costeiros.
  • 40. BIOGÁS  Resíduos orgânicos podem ser transformados em combustível.  Substitui o gás de cozinha (reduzindo a emissão de CO2).  Disponibilidade de matéria-prima.  Diminuir a geração de lixo orgânico.  Fonte alternativa à produtores rurais.  Risco de vazamento e contaminação do ar.  Alto custo de instalação.  Necessidade de eliminar gases tóxicos.
  • 41. BIOMASSA  Compostos orgânicos.  Renovável.  Baixa emissão de gases de efeito estufa.  Tecnologia acessível e, relativamente, baixo custo.  Impactos ambientais.  Diminuição da área de lavouras.
  • 42. Julia Maldonado Garcia SEGUNDO ANO – ENSINO MÉDIO. PROVA 1 – BIMESTRE II.