SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
BIOLOGIA 
Tecido Muscular – Tecido Nervoso 
Genética.
TECIDO MUSCULAR
TECIDO MUSCULAR 
 Origem mesodérmica. 
 Capacidade de distensão e contração. 
 Células musculares: fibras musculares e miócitos. 
 Filamentos proteicos: miosina e actina. 
 Membrana plasmática: sarcolema. 
 Citoplasma fundamental: sarcoplasma. 
 Um ou mais núcleos. 
 Estrutura rica em Ca++: retículo sarcoplasmático.
ESTRIADO ESQUELÉTICO 
 Células cilíndricas. 
 Muitos núcleos periféricos. 
 Filamentos de actina e miosina em estrias. 
 Contrações rápidas, fortes e voluntárias. 
 Disposto ao redor dos ossos. 
 Integram-se por tendões. 
 Maior parte da musculatura humana.
ESTRIADO CARDÍACO 
 Formam o coração. 
 Fibras musculares alongadas. 
 Um ou dois núcleos centrais. 
 Fibras unidas por membranas celulares. 
 Intenso processo de contração cardíaca. 
 Contração moderadamente rápida, involuntária e 
forte.
LISO 
 Células fusiformes. 
 Núcleo alongado e central. 
 Contração lenta e involuntária. 
 Exemplos: músculos eretores dos pelos, 
músculos do sistema digestório.
MECANISMO DE CONTRAÇÃO 
 Microfibrilas contráteis (formadas por actina e 
miosina). 
 Fibras escuras: miosina (espessas). 
 Fibras claras: actina (finas). 
 Sarcômero: unidade contrátil. 
 A contração acontece por um estímulo do sistema 
nervoso.
MECANISMO DE CONTRAÇÃO
TECIDO NERVOSO
TECIDO NERVOSO 
 Originário da ectoderme. 
 Responsável pelo controle e integração das funções 
do organismo. 
 Constitui-se principalmente por neurônios e células 
acessórias (células de glia ou neuroglia).
NEURÔNIO 
 Unidade funcional do tecido nervoso. 
 Capaz de receber e enviar estímulos nervosos. 
 Células alongadas.
NEURÔNIO 
 Corpo celular: núcleo esférico, células comuns. 
 Dendritos: prolongamentos ramificados do corpo 
celular, transmitem impulsos nervosos ao corpo 
celular. 
 Axônio: expansão celular, transmite impulsos 
nervosos para músculos, glândulas ou neurônios.
NEUROGLIA OU GLIÓCITO 
 Responsável pela sustentação, defesa e nutrição do 
neurônio. 
 Números de células desse tipo até 10 vezes maior do 
que o número de neurônios. 
 Função: produção de mielina, fagocitose e isolamento 
dos neurônios.
CÉLULAS DA NEUROGLIA 
 Astrócitos: Células com prolongamentos, participam 
do processo de cicatrização. 
 Oligodendrócitos: Pequeno número de 
prolongamentos, responsáveis pela produção de 
mielina. 
 Micróglias: Fazem fagocitose de fragmentos e 
estruturas danificadas.
FIBRA NERVOSA 
 Axônios envoltos por oligodendrócitos e células de 
Schwan. 
 Formam a bainha de mielina. 
 Bainha de mielina: Conjunto de dobras concêntricas 
espiraladas, não contínua, interrompida pelos nodos 
de Ranvier.
NERVOS 
 Conjunto de fibras nervosas organizadas em feixes. 
 Recobertas por tecido conjuntivo. 
 Sensitivos: transmitem impulsos do órgão receptor 
ao sistema nervoso central. 
 Motores: transmitem impulsos do sistema nervoso 
central ao órgão que irá executar a ordem. 
 Mistos: fibras motoras e sensitivas.
IMPULSO NERVOSO 
 Chega por meio do dendrito. 
 Membrana em repouso (polarizada): + (interno), - 
(externo). 
 Membrana despolarizada: + (externo), - (interno).
IMPULSO NERVOSO
SINAPSE 
 Transmite o impulso nervos para a célula nervosa 
seguinte. 
 Extremidades dos axônios separadas dos dendritos 
do próximo neurônio pela fenda sináptica. 
 Neurotransmissores: substâncias químicas liberadas 
pelos impulsos nervosos.
SINAPSE
GENÉTICA
CONCEITOS 
 Cromossomos: molécula de DNA. 
 Lócus: local do gene (plural: lóci). 
 Gene: Sequência de DNA responsável pela síntese de 
uma proteína. Unidade de transmissão hereditária. 
 Genes alelos: Ocupam o mesmo lócus.
CONCEITOS 
 Cromossomos homólogos: provenientes dos 
progenitores, carregam os mesmo alelos. 
 Genótipo: Conjunto de genes responsável pela 
expressão do caráter. 
 Fenótipo: Aspectos externos (morfológicos ou 
funcionais). Manifestação do caráter.
CONCEITOS 
 Caráter ou característica: Fenótipo determinado pelo 
genótipo. 
 Caráter dominante: Manifesta mesmo fenótipo em 
dose dupla (AA) ou em presença do alelo recessivo 
(Aa). 
 Caráter recessivo: Inibido pelo caráter dominante, 
manifesta-se somente em dose dupla (aa).
CONCEITOS 
 Homozigoto: possui dois alelos iguais (AA ou aa). 
 Heterozigoto: possui dois alelos diferentes (Aa).
1ª LEI: Mono-hibridismo ou dominância completa. 
 Estudou a herança de cada caráter de forma isolada.
CONCLUSÃO DO EXPERIMENTO 
 Manifestação do caráter depende do gene. 
 Os puros são homozigotos (AA ou aa). 
 Os híbridos são heterozigotos (Aa).
HEREDOGRAMA
HEREDOGRAMA 
 Um casal de caráter recessivo não teria um filho de 
caráter dominante. 
 Um casal dominante poderia ter um filho de caráter 
recessivo.
RETROCRUZAMENTO 
 Realizado em um indivíduo de caráter desconhecido 
com um indivíduo de caráter conhecido.
MONO-HIBRIDISMO 
 Variação da lei de Mendel. 
 Cruzamento que acabam na 
formação de fenótipos 
intermediários (herança 
intermediária). 
 Dois genes se expressam 
simultaneamente. 
 Interação de dois fenótipos: 
codominância.
Julia Maldonado Garcia 
1º ano – Colégio Stella Maris.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação1 celulas 5º ano
Apresentação1 celulas 5º anoApresentação1 celulas 5º ano
Apresentação1 celulas 5º ano
emcoeliribas
 
Tecido conjuntivo I
Tecido conjuntivo ITecido conjuntivo I
Tecido conjuntivo I
emanuel
 
Aula de histologia
Aula de histologiaAula de histologia
Aula de histologia
aulasdotubao
 
Processos Vitais, Celula, Tecidos
Processos Vitais, Celula, TecidosProcessos Vitais, Celula, Tecidos
Processos Vitais, Celula, Tecidos
Hugo Pedrosa
 

Mais procurados (20)

Tecido epitelial
Tecido epitelialTecido epitelial
Tecido epitelial
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
 
Apresentação1 celulas 5º ano
Apresentação1 celulas 5º anoApresentação1 celulas 5º ano
Apresentação1 celulas 5º ano
 
Professor Gil Motta - 7a série - Células e tecidos do corpo
Professor Gil Motta - 7a série - Células e tecidos do corpoProfessor Gil Motta - 7a série - Células e tecidos do corpo
Professor Gil Motta - 7a série - Células e tecidos do corpo
 
Tecido conjuntivo I
Tecido conjuntivo ITecido conjuntivo I
Tecido conjuntivo I
 
Histologia Animal
Histologia AnimalHistologia Animal
Histologia Animal
 
Célula
CélulaCélula
Célula
 
Celula
CelulaCelula
Celula
 
Aula de histologia
Aula de histologiaAula de histologia
Aula de histologia
 
Processos Vitais, Celula, Tecidos
Processos Vitais, Celula, TecidosProcessos Vitais, Celula, Tecidos
Processos Vitais, Celula, Tecidos
 
Tecido muscular
Tecido muscularTecido muscular
Tecido muscular
 
Tecido Nervoso
Tecido NervosoTecido Nervoso
Tecido Nervoso
 
Aula 02 conceito e caracterização das células, tecidos, órgãos e sistemas
Aula 02   conceito e caracterização das células, tecidos, órgãos e sistemasAula 02   conceito e caracterização das células, tecidos, órgãos e sistemas
Aula 02 conceito e caracterização das células, tecidos, órgãos e sistemas
 
A CéLula
A CéLulaA CéLula
A CéLula
 
Histologia Geral
Histologia GeralHistologia Geral
Histologia Geral
 
Histologia
HistologiaHistologia
Histologia
 
Martiz extracelular biologia
Martiz extracelular   biologiaMartiz extracelular   biologia
Martiz extracelular biologia
 
Aula 1.1 noções básicas de histologia
Aula 1.1 noções básicas de histologiaAula 1.1 noções básicas de histologia
Aula 1.1 noções básicas de histologia
 
Tecidos animais fim[1]
Tecidos animais fim[1]Tecidos animais fim[1]
Tecidos animais fim[1]
 
Aula sobre histologia
Aula sobre   histologiaAula sobre   histologia
Aula sobre histologia
 

Semelhante a Biologia.

Resumos ciências (3º teste)
Resumos ciências (3º teste)Resumos ciências (3º teste)
Resumos ciências (3º teste)
Ana Beatriz Neiva
 
Histologia PROF SIMONE
Histologia PROF SIMONEHistologia PROF SIMONE
Histologia PROF SIMONE
raahsalemi
 

Semelhante a Biologia. (20)

Histologia animal
Histologia animalHistologia animal
Histologia animal
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
 
Tecido osseo e nervoso
Tecido osseo e nervosoTecido osseo e nervoso
Tecido osseo e nervoso
 
Histologia animal 2
Histologia animal 2Histologia animal 2
Histologia animal 2
 
Histologia animal
Histologia animalHistologia animal
Histologia animal
 
Histologia animal 2
Histologia animal 2Histologia animal 2
Histologia animal 2
 
Histologia
HistologiaHistologia
Histologia
 
4. Citologia - O estudo da célula
4. Citologia - O estudo da célula4. Citologia - O estudo da célula
4. Citologia - O estudo da célula
 
1 Tecido Epitelial
1 Tecido Epitelial1 Tecido Epitelial
1 Tecido Epitelial
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
 
Tecidonervoso 151025142143-lva1-app6892
Tecidonervoso 151025142143-lva1-app6892Tecidonervoso 151025142143-lva1-app6892
Tecidonervoso 151025142143-lva1-app6892
 
Organelas Citoplasmáticas.docx
Organelas Citoplasmáticas.docxOrganelas Citoplasmáticas.docx
Organelas Citoplasmáticas.docx
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
 
Resumos ciências (3º teste)
Resumos ciências (3º teste)Resumos ciências (3º teste)
Resumos ciências (3º teste)
 
Histologia PROF SIMONE
Histologia PROF SIMONEHistologia PROF SIMONE
Histologia PROF SIMONE
 
TECIDO NERVOSO
TECIDO NERVOSOTECIDO NERVOSO
TECIDO NERVOSO
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
4tecnervoso.pdf
4tecnervoso.pdf4tecnervoso.pdf
4tecnervoso.pdf
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
 
saude aliment...................18701.ppt
saude aliment...................18701.pptsaude aliment...................18701.ppt
saude aliment...................18701.ppt
 

Mais de Julia Maldonado Garcia

Mais de Julia Maldonado Garcia (20)

{Língua Portuguesa e Literatura} Teatro moderno brasileiro.
{Língua Portuguesa e Literatura} Teatro moderno brasileiro.{Língua Portuguesa e Literatura} Teatro moderno brasileiro.
{Língua Portuguesa e Literatura} Teatro moderno brasileiro.
 
{Biologia} Ciclo do enxofre
{Biologia} Ciclo do enxofre{Biologia} Ciclo do enxofre
{Biologia} Ciclo do enxofre
 
Química: Propriedades dos Polímeros.
Química: Propriedades dos Polímeros.Química: Propriedades dos Polímeros.
Química: Propriedades dos Polímeros.
 
Auto da compadecida, Ariano Suassuna.
Auto da compadecida, Ariano Suassuna.Auto da compadecida, Ariano Suassuna.
Auto da compadecida, Ariano Suassuna.
 
{Física} Lâmpadas.
{Física} Lâmpadas.{Física} Lâmpadas.
{Física} Lâmpadas.
 
{Sociologia} Imigração.
{Sociologia} Imigração.{Sociologia} Imigração.
{Sociologia} Imigração.
 
{Educação Física} Handebol
{Educação Física} Handebol{Educação Física} Handebol
{Educação Física} Handebol
 
{História} Conjuração Baiana.
{História} Conjuração Baiana.{História} Conjuração Baiana.
{História} Conjuração Baiana.
 
Adam Smith - História.
Adam Smith - História.Adam Smith - História.
Adam Smith - História.
 
O Alienista - Machado de Assis.
O Alienista - Machado de Assis.O Alienista - Machado de Assis.
O Alienista - Machado de Assis.
 
Biologia - O Reino Fungi.
Biologia - O Reino Fungi.Biologia - O Reino Fungi.
Biologia - O Reino Fungi.
 
Geografia - Fontes de Energia.
Geografia - Fontes de Energia.Geografia - Fontes de Energia.
Geografia - Fontes de Energia.
 
Matemática - Matrizes e Determinantes (Pt 1).
Matemática - Matrizes e Determinantes (Pt 1).Matemática - Matrizes e Determinantes (Pt 1).
Matemática - Matrizes e Determinantes (Pt 1).
 
{História} Colonização da América espanhola.
{História} Colonização da América espanhola.{História} Colonização da América espanhola.
{História} Colonização da América espanhola.
 
Impressionismo - Artes.
Impressionismo - Artes.Impressionismo - Artes.
Impressionismo - Artes.
 
Sociologia.
Sociologia.Sociologia.
Sociologia.
 
Romantismo - 1ª geração - Literauta.
Romantismo - 1ª geração - Literauta.Romantismo - 1ª geração - Literauta.
Romantismo - 1ª geração - Literauta.
 
Gramática.
Gramática.Gramática.
Gramática.
 
Gramática.
Gramática.Gramática.
Gramática.
 
Sociologia - Grupos e tribos, cultura e família.
Sociologia - Grupos e tribos, cultura e família.Sociologia - Grupos e tribos, cultura e família.
Sociologia - Grupos e tribos, cultura e família.
 

Último

Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
anapsuls
 

Último (20)

Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 

Biologia.

  • 1. BIOLOGIA Tecido Muscular – Tecido Nervoso Genética.
  • 3. TECIDO MUSCULAR  Origem mesodérmica.  Capacidade de distensão e contração.  Células musculares: fibras musculares e miócitos.  Filamentos proteicos: miosina e actina.  Membrana plasmática: sarcolema.  Citoplasma fundamental: sarcoplasma.  Um ou mais núcleos.  Estrutura rica em Ca++: retículo sarcoplasmático.
  • 4. ESTRIADO ESQUELÉTICO  Células cilíndricas.  Muitos núcleos periféricos.  Filamentos de actina e miosina em estrias.  Contrações rápidas, fortes e voluntárias.  Disposto ao redor dos ossos.  Integram-se por tendões.  Maior parte da musculatura humana.
  • 5. ESTRIADO CARDÍACO  Formam o coração.  Fibras musculares alongadas.  Um ou dois núcleos centrais.  Fibras unidas por membranas celulares.  Intenso processo de contração cardíaca.  Contração moderadamente rápida, involuntária e forte.
  • 6. LISO  Células fusiformes.  Núcleo alongado e central.  Contração lenta e involuntária.  Exemplos: músculos eretores dos pelos, músculos do sistema digestório.
  • 7. MECANISMO DE CONTRAÇÃO  Microfibrilas contráteis (formadas por actina e miosina).  Fibras escuras: miosina (espessas).  Fibras claras: actina (finas).  Sarcômero: unidade contrátil.  A contração acontece por um estímulo do sistema nervoso.
  • 10. TECIDO NERVOSO  Originário da ectoderme.  Responsável pelo controle e integração das funções do organismo.  Constitui-se principalmente por neurônios e células acessórias (células de glia ou neuroglia).
  • 11. NEURÔNIO  Unidade funcional do tecido nervoso.  Capaz de receber e enviar estímulos nervosos.  Células alongadas.
  • 12. NEURÔNIO  Corpo celular: núcleo esférico, células comuns.  Dendritos: prolongamentos ramificados do corpo celular, transmitem impulsos nervosos ao corpo celular.  Axônio: expansão celular, transmite impulsos nervosos para músculos, glândulas ou neurônios.
  • 13. NEUROGLIA OU GLIÓCITO  Responsável pela sustentação, defesa e nutrição do neurônio.  Números de células desse tipo até 10 vezes maior do que o número de neurônios.  Função: produção de mielina, fagocitose e isolamento dos neurônios.
  • 14. CÉLULAS DA NEUROGLIA  Astrócitos: Células com prolongamentos, participam do processo de cicatrização.  Oligodendrócitos: Pequeno número de prolongamentos, responsáveis pela produção de mielina.  Micróglias: Fazem fagocitose de fragmentos e estruturas danificadas.
  • 15. FIBRA NERVOSA  Axônios envoltos por oligodendrócitos e células de Schwan.  Formam a bainha de mielina.  Bainha de mielina: Conjunto de dobras concêntricas espiraladas, não contínua, interrompida pelos nodos de Ranvier.
  • 16. NERVOS  Conjunto de fibras nervosas organizadas em feixes.  Recobertas por tecido conjuntivo.  Sensitivos: transmitem impulsos do órgão receptor ao sistema nervoso central.  Motores: transmitem impulsos do sistema nervoso central ao órgão que irá executar a ordem.  Mistos: fibras motoras e sensitivas.
  • 17. IMPULSO NERVOSO  Chega por meio do dendrito.  Membrana em repouso (polarizada): + (interno), - (externo).  Membrana despolarizada: + (externo), - (interno).
  • 19. SINAPSE  Transmite o impulso nervos para a célula nervosa seguinte.  Extremidades dos axônios separadas dos dendritos do próximo neurônio pela fenda sináptica.  Neurotransmissores: substâncias químicas liberadas pelos impulsos nervosos.
  • 22. CONCEITOS  Cromossomos: molécula de DNA.  Lócus: local do gene (plural: lóci).  Gene: Sequência de DNA responsável pela síntese de uma proteína. Unidade de transmissão hereditária.  Genes alelos: Ocupam o mesmo lócus.
  • 23. CONCEITOS  Cromossomos homólogos: provenientes dos progenitores, carregam os mesmo alelos.  Genótipo: Conjunto de genes responsável pela expressão do caráter.  Fenótipo: Aspectos externos (morfológicos ou funcionais). Manifestação do caráter.
  • 24. CONCEITOS  Caráter ou característica: Fenótipo determinado pelo genótipo.  Caráter dominante: Manifesta mesmo fenótipo em dose dupla (AA) ou em presença do alelo recessivo (Aa).  Caráter recessivo: Inibido pelo caráter dominante, manifesta-se somente em dose dupla (aa).
  • 25. CONCEITOS  Homozigoto: possui dois alelos iguais (AA ou aa).  Heterozigoto: possui dois alelos diferentes (Aa).
  • 26. 1ª LEI: Mono-hibridismo ou dominância completa.  Estudou a herança de cada caráter de forma isolada.
  • 27. CONCLUSÃO DO EXPERIMENTO  Manifestação do caráter depende do gene.  Os puros são homozigotos (AA ou aa).  Os híbridos são heterozigotos (Aa).
  • 29. HEREDOGRAMA  Um casal de caráter recessivo não teria um filho de caráter dominante.  Um casal dominante poderia ter um filho de caráter recessivo.
  • 30. RETROCRUZAMENTO  Realizado em um indivíduo de caráter desconhecido com um indivíduo de caráter conhecido.
  • 31. MONO-HIBRIDISMO  Variação da lei de Mendel.  Cruzamento que acabam na formação de fenótipos intermediários (herança intermediária).  Dois genes se expressam simultaneamente.  Interação de dois fenótipos: codominância.
  • 32. Julia Maldonado Garcia 1º ano – Colégio Stella Maris.