Cirurgia

2.735 visualizações

Publicada em

Cirurgia

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.735
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cirurgia

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES UNIDADE ACADÊMICA DE CIÊNCIAS DA VIDA CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA CLÍNICA CIRÚRGICA I PROF. CÍCERO LUDGERO Doenças Benignas do Ânus II – Abscessos Anorretais e Fístula Anal Joyce Carolle Bezerra Cavalcante Sarah Monte Torres
  2. 2. Abscessos Anorretais Infecção de glândulas anais (Chiari) Abscessos Tendem a se originar entre os esfínteres e se estendem para cima, baixo e circunferencialmente Fístulas
  3. 3. Abscessos Anorretais • Localização: ▫ Perianal (A) ▫ Isquiorretal (B) ▫ Submucoso (C) ▫ Interesfincteriano (D) ▫ Suprarretal (E)
  4. 4. Exame Proctológico ▫ Inspeção  Estática e Dinâmica ▫ Toque Retal ▫ Exames endoscópicos  Anuscopia e Retossigmoideoscopia
  5. 5. Abscesso Perirretal ▫ Extremamente doloroso; ▫ Hiperemia e abaulamento na margem anal; ▫ Toque retal doloroso; ▫ Empastamento palpável; ▫ Anuscopia com descarga de secreção purulenta por uma das criptas.
  6. 6. Abscesso Isquiorretal ▫ Entre canal anal e parte inferior do reto, medialmente, e parede pélvica, lateralmente; ▫ Desconforto anal, sensação de peso no reto, febre e mal estar geral; ▫ Induração das nádegas; ▫ Toque retal menos doloroso;
  7. 7. Abscesso Submucoso ▫ Plano submucoso  extensão de uma coleção interesfincteriano em direção da luz intestinal; ▫ Exame proctológico extremamente doloroso; ▫ Empastamento e abaulamento do canal anal; ▫ Anuscopia nem sempre realizada e quando feita com descarga de secreção.
  8. 8. Abscesso Interesfincteriano ▫ Pode ser assintomático ou dor de caráter latejante; ▫ Toque retal doloroso sem abaulamento, empastamento ou descarga na anuscopia; ▫ Dor persistente após tratamento de fístula coexistente  abcesso interesfinteriano não diagnosticado; ▫ Reconhecido por USG, TC, RM.
  9. 9. Abscesso Supraelevador ▫ Ocasionados por processos infecciosos em cavidade peritoneal (apendicite, diverticulite, salpingite); ▫ Dor em andar inferior do abdome e urgência miccional; ▫ Exame proctológico + ginecológico + exames de imagem.
  10. 10. Tratamento Cirúrgico Superficiais  Ambulatorial Localização alta ou com manifestações sistêmicas  Abordagem no centro cirúrgico Imunossuprimidos/ DM  Abordagem hospitalar + Antibioticoterapia venosa
  11. 11. Fístula Anal
  12. 12. Fístula Anal Comunicação anômala entre o epitélio intestinal (canal anal no nível da linha denteada ou reto) e a pele; Completa – orifício interno, trajeto e orifício externo; Abscesso – fase aguda da infecção das glândulas anais de Chiari. Fístula – complicação crônica. Outras causas: Doença de Crohn, traumas anorretais, cirurgias anais prévias (hemorroidectomia e fissura anal), tuberculose, actinomicose, linfogranuloma venéreo, sífilis.
  13. 13. Classificação Interesfincteriana Trasnsesfincteriana Supraesfincteriana Extraesfincteriana
  14. 14. Diagnóstico Quadro clínico • Drenagem de secreção seropurulenta com odor fétido pela região perianal, irritação e prurido perianal. Exame proctológico: • Sob anestesia; • Palpação – pequeno nódulo na parede do canal anal com abertura interna do trajeto fistuloso; • Anuscopia – passagem de uma sonda através do orifício interno para definir anatomia anômala  regra de Goodsall-Salmon;
  15. 15. Regra de Goodsall-Salmon
  16. 16. Tratamento Cirúrgico Objetivo: eliminar fístula, prevenir recorrência e preservar continência. Fístulas intersfincterianas e transesfincterianas baixas  Fistulotomia. Transesfictéricas altas (comprometimento dos esfícteres interno e externo)  Uso de sedenho (Setton). Envolvimento substancial do esfíncter anal  Retalho de avanço transanal. Outras técnicas: cola de fibrina; cone de colágeno (fístulas complexas).
  17. 17. Fistulotomia Abertura e curetagem do trajeto fistuloso associado à ressecção da cripta envolvida  Cicatrização por 2ª intensão.
  18. 18. Fistulotomia com Setton Abertura ampla do trajeto até plano muscular. Esfíncter interno é seccionado e o externo é amarrado com sedenho (auxilia na drenagem e estimula fibrose). 2-4 semanas ressecção do esfíncter externo.
  19. 19. Retalho de Avanço Transanal (A) A linha pontilhada define os limtes inferior e lateral do retalho músculo-mucoso. Exérese ou retirada do trajeto fistuloso. (B) Incisão das camadas mucosa, submucosa e esfíncter interno seguido de sua elevação com ressecção do orifício interno.(C) o retalho sem o orifício interno é tracionado para baixo e suturada. (D) Aspecto final.
  20. 20. Outras técnicas Cola de fibrina injetado no trajeto (14% a 60%) Cone de colágeno (87%)
  21. 21. Referências Bibliográficas • SABISTON JR., D. C., TOWNSEND, M. C. Tratado de Cirurgia. 16.ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003. • Way LW, Doherty GM. Cirurgia: Diagnóstico e Tratamento, 11ª ed., Rio de Janeiro, Ed. Guanabara Koogan, 2004.
  22. 22. OBRIGADA!

×