Aula de enema opaco

28.607 visualizações

Publicada em

1 comentário
14 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
28.607
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
65
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
467
Comentários
1
Gostaram
14
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula de enema opaco

  1. 1. Para Realização do Exame de Enema Opaco• Quais as atribuições do técnico e/ou tecnólogo em radiologia nesse procedimento?• O que é um enema opaco?• Como é dividido o abdome?• Qual região abdominal será estudada?• É necessário preparo antes do exame?• O paciente deve vir acompanhado?• Como é realizado o exame?
  2. 2. Atribuições do Técnico e/ouTecnólogo em Radiologia Médica• Informar ao paciente e acompanhante o procedimento.• Supervisionar a administração do meio de contraste.• Realizar posicionamentos e aquisição das imagens.• Se faz necessário a presença de um médico durante a realização de qualquer procedimento que seja utilizado meios de contraste.
  3. 3. O Que é Enema Opaco• Um exame radiológico contrastado do intestino grosso.
  4. 4. A Divisão do Abdome • Superior: Diafragma • Inferior: Promontório Sacral até Sínfise púbica
  5. 5. Regiões e Quadrantes do Abdome
  6. 6. Região a Ser Estudada Cólon Transverso CòlonCólon Descendenteascendente Reto Ânus
  7. 7. Enema Opaco• Indicações: Neoplasias; Pólipos; Úlceras Mucosas; Tumores; Divertículos.• Preparo: Jejum de 8 a 10 horas; Não fumar; Não mascar chicletes; Realizar fleet enema.• Radiografia Simples: Avaliar preparo do paciente.• Contraste: Sulfato de bário administrado por via retal.• Observação: Na suspeita de fístulas utilizar contraste iodado.
  8. 8. Indicações para o Exame• Neoplasias.• Pólipos.• Ùlceras Mucosas. • Tumores. • Diverticulite. • Intussuscepção.
  9. 9. NeoplasiasNova formação celular.
  10. 10. PòliposPólipo é uma elevação na parede do intestino, geralmente de caráter benigno, que faz protusão na luz do intestino. Variam de tamanho e podem aparecer em qualquer parte do intestino grosso. Os pólipos podem se tornar malignos quando permanecem no intestino. Como, na maioria das vezes, não causam sintomas, o único método para seu diagnóstico é através da realização da colonoscopia que permite a retirada da lesão e o diagnóstico definitivo.
  11. 11. Ùlceras Mucosas• Colite Ulcerativa é uma doença crônica do intestino caracterizada pela inflamação específica do intestino grosso, sendo mais freqüente no reto. Ela se manifesta com dor abdominal, sangramento retal e diarréia muco-sanguinolenta. Até o momento, não se sabe a causa da doença mas, assim como na Doença de Crohn, acredita-se que se relacione a fatores imunológicos.
  12. 12. Tumores• Câncer de Cólon é um tumor maligno do intestino grosso. Na maioria dos casos, na fase inicial não apresenta sintomas e sua detecção precoce através da colonoscopia pode proporcionar a cura desta doença. Algumas vezes o paciente pode apresentar sangramento nas fezes ou pelo reto, alteração do ritmo intestinal e ainda alteração do aspecto das fezes, o que pode ser um sinal de alerta para que o paciente procure um atendimento especializado. A prevenção através de exames periódicos ou a procura de um especialista é a única forma de detecção precoce da doença, que amplia a possibilidade de tratamento e cura do câncer de intestino. É o quarto tumor mais freqüente em mulheres e quinto em homens em todo o Brasil. Na região sudeste é o segundo tumor que mais mata mulheres.
  13. 13. Divertículos• Diverticulite é um quadro agudo de inflamação e infecção de um ou mais divertículos. Portanto é uma complicação que ocorre em indivíduos portadores de doença diverticular do cólon e se manifesta com dor abdominal de intensidade variável, na maioria das vezes localizada no lado esquerdo do abdome podendo ser acompanhada de febre, mal estar geral e em alguns casos diarréia. Não se sabe o fator desencadeador desta inflamação apesar de existirem várias hipóteses para seu aparecimento. Apesar de a população acreditar que grãos e sementes possam ser um dos fatores não há comprovação científica para este fato.
  14. 14. Intussuscepção• Intussuscepção ou intuscepção (do latim intus , Dentro + sus-cipio, Captar , de sub + capio , Tomar) refere-se a entrada de um segmento de um órgão oco em outra parte do mesmo órgão e é um termo português do Brasil. Em Portugal diz-se invaginação.
  15. 15. Preparo do Paciente• Dieta líquida.•Fazer uso de laxantes.•Jejum de 8 a 10 horas.
  16. 16. Radiografias Simples
  17. 17. Meios de Contraste
  18. 18. Realizando o Exame •A enfermagem realiza a assepsia, passagem da sonda retal e administração do bário.
  19. 19. Fotos de Sondagens
  20. 20. Rotina de Radiografias• Abdome panorâmico em (DV).• Abdome panorâmico em (DD).• Localizada em flexura esplênica.• Localizada em flexura hepática.• Perfil de reto.• Incidências adicionais à critériomédico.
  21. 21. Abdome Panorâmico em (DV)
  22. 22. Abdome Panorâmico em (DD)
  23. 23. Localizada de Flexura Esplênica
  24. 24. Localizada de Flexura Hepática
  25. 25. Localizada de Reto
  26. 26. Perfil de Reto
  27. 27. Anatomia na Imagem

×