Capacitacao dos profissionais da Rede: informação para sensibilização

943 visualizações

Publicada em

Curso Gestão de Práticas Integrativas - Etapa 3 - Capacitacao dos profissionais da Rede: informação para sensibilização

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
943
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
663
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • 18
  • Capacitacao dos profissionais da Rede: informação para sensibilização

    1. 1. CAPACITAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA REDE Informação Para Sensibilização
    2. 2. Objetivos Apresentar material estratégico para: •Informação, para sensibilização de gestores e profissionais no processo de implantação de PIC •Formação para gestores e profissionais no processo de implementação de PIC •Transformação dos serviços da rede de saúde com a introdução de PIC
    3. 3. Da invisibilidade à visibilidade O uso Práticas Integrativas e Complementares (PIC) têm crescido significativamente em todo o mundo, por pacientes e profissionais. Consequentemente a pesquisa sobre diferentes aspectos das PIC também tem se desenvolvido muito na últimas décadas. INFORMAÇÃO SOBRE AS PIC PARA SENSIBILIZAÇÃO DE GESTORES E PROFISSIONAIS
    4. 4. Da invisibilidade à visibilidade O aumento do uso e da pesquisa sobre as PIC tornou visível duas importantes contradições do campo da saúde na contemporaneidade: a)jamais tivemos tanta tecnologia, informação e acesso à biomedicina, no entanto jamais as pessoas buscaram com tanta intensidade outras práticas de cuidado e cura; a)um dos princípios fundamentais da prática clínica atualmente é a decisão baseada em evidências, no entanto, boa parte das RM-PIC tem evidências laboratoriais restritas, evidências clínicas significativas, pouca regulação e grande confiança de usuários e profissionais. INFORMAÇÃO SOBRE AS PIC PARA SENSIBILIZAÇÃO DE GESTORES E PROFISSIONAIS
    5. 5. Da invisibilidade à visibilidade Existem duas redes de atores sociais ligados as PIC: a) rede formada na academia, desde os anos de 1980, composta por educadores, pesquisadores e estudantes de PIC; b) rede formada no SUS, principalmente a partir de 2006, configurada por gestores, profissionais e usuários de PIC INFORMAÇÃO SOBRE AS PIC PARA SENSIBILIZAÇÃO DE GESTORES E PROFISSIONAIS
    6. 6. Da invisibilidade à visibilidade Entre as PIC há não só muitas diferentes práticas, como também, um rico processo histórico que construiu os conceitos de: –MEDICINA TRADICIONAL –MEDICINA ALTERNATIVA –MEDICINA COMPLEMENTAR –MEDICINA INTEGRATIVA INFORMAÇÃO SOBRE AS PIC PARA SENSIBILIZAÇÃO DE GESTORES E PROFISSIONAIS
    7. 7. MT – Medicina Tradicional Definição “É a soma total do conhecimento, habilidades e práticas baseadas nas teorias, crenças e experiências de diferentes culturas, explicáveis ou não, e usadas ​​na manutenção da saúde, bem como na prevenção, diagnóstico, tratamento ou melhoria de doenças físicas e mentais”. (WHO, 2000) INFORMAÇÃO SOBRE AS PIC PARA SENSIBILIZAÇÃO DE GESTORES E PROFISSIONAIS
    8. 8. MA – Medicina Alternativa Definição “Nos países onde o sistema de saúde dominante é baseado na medicina alopática ou onde a Medicina Tradicional não foi incorporada no sistema de saúde nacional, muitas vezes estas Medicinas são chamadas de “alternativa“”. (WHO, 2002) “Medicina Alternativa" refere-se ao uso de uma abordagem não-convencional, tradicional ou não, no lugar da medicina convencional. (NCCAM, 2013) INFORMAÇÃO SOBRE AS PIC PARA SENSIBILIZAÇÃO DE GESTORES E PROFISSIONAIS
    9. 9. MC – Medicina Complementar Definição “Medicina Complementar" geralmente refere-se ao uso de uma abordagem não- convencional em conjunto com a medicina convencional”. (NCCAM, 2013) INFORMAÇÃO SOBRE AS PIC PARA SENSIBILIZAÇÃO DE GESTORES E PROFISSIONAIS
    10. 10. MI – Medicina Integrativa Definição “Medicina Integrativa está associada a uma mudança de paradigma e para exercê- la é necessário reorientar as crenças, práticas e experiências em relação à saúde; ou seja, é preciso reorientar os conceitos, as formas de intervenção e o modelo de atenção à saúde e abordagem do processo saúde-doença-cuidado”. (Otani e Barros, 2011) INFORMAÇÃO SOBRE AS PIC PARA SENSIBILIZAÇÃO DE GESTORES E PROFISSIONAIS
    11. 11. Da invisibilidade à visibilidade RESEARCH COUNCIL FOR COMPLEMENTARY MEDICINE <http://www.rccm.org.uk/>; Criado em 1983 no Reino Unido com os seguintes objetivos: –Divulgar resultados de pesquisa: coletar, analisar e divulgar informações baseadas em pesquisas sobre a medicina alternativa e complementar (MAC); –Facilitar a investigação: promover uma rede de pesquisadores e promover, realizar e facilitar a investigação e diálogo sobre metodologias de investigação adequadas as MAC; –Explorar a relação entre MAC e medicina convencional: cooperação entre os profissionais, estimulando a exploração dos princípios fundamentais MAC e medicina convencional. INFORMAÇÃO SOBRE AS PIC PARA SENSIBILIZAÇÃO DE GESTORES E PROFISSIONAIS
    12. 12. Da invisibilidade à visibilidade NATIONAL CENTER FOR COMPLEMENTARY AND ALTERNATIVE MEDICINE http://nccam.nih.gov/ Criado em 1998 nos Estados Unidos da América com os seguintes objetivos: –Avançar a investigação sobre intervenções mente e corpo, práticas e disciplinas não convencionais; –Avançar a investigação sobre MAC e produtos naturais; –Aumentar a compreensão dos padrões e consequências do uso de MAC e sua integração nos cuidados de saúde e promoção da saúde; –Melhorar a capacidade para realizar pesquisa rigorosa; –Desenvolver e divulgar informações objetivas baseadas em evidências sobre as intervenções com MAC; INFORMAÇÃO SOBRE AS PIC PARA SENSIBILIZAÇÃO DE GESTORES E PROFISSIONAIS
    13. 13. Da invisibilidade à visibilidade Periódicos indexados no Pubmed/Medline especializados em temáticas de PIC: –Journal of evidence based complementary & alternative medicine; –Journal of the Society for Integrative Oncology; –Complementary therapies in clinical practice; –Journal of complementary & integrative medicine; –African journal of traditional, complementary, and alternative medicines: –AJTCAM/African Networks on Ethnomedicines; –Evidence-based complementary and alternative medicine : eCAM; –BMC complementary and alternative medicine; –Complementary health practice review; –Research in complementary and natural classical medicine; –Integrative medicine: integrating conventional and alternative medicine; –Alternative medicine review: a journal of clinical therapeutic; –Complementary therapies in nursing & midwifery; –Alternative therapies in health and medicine; –Complementary therapies in medicine; –Alternative therapies in women's health. INFORMAÇÃO SOBRE AS PIC PARA SENSIBILIZAÇÃO DE GESTORES E PROFISSIONAIS
    14. 14. Da invisibilidade à visibilidade – NO BRASIL RACIONALIDADES MÉDICAS E PRÁTICAS DE SAÚDE http://racionalidadesmedicas.pro.br/ Criado em 1991, no Instituto de Medicina Social, da Universidade Estadual do Rio de Janeiro e atualmente sediado na Universidade Federal Fluminense, Centro de Ciências Médicas, Instituto de Saúde da Comunidade, com os objetivos: –Na primeira fase desenvolveu estudo teórico comparativo de quatro racionalidades médicas, ocidental, homeopática, ayurvédica e chinesa (1991-1993); –Na segunda comparou práticas e representações de profissionais de saúde e seus pacientes em serviços públicos de saúde do Rio de Janeiro, referentes a essas racionalidades, com exceção da medicina ayurvédica (1994-1997); –Na terceira, em andamento, trabalha tanto com estudos teóricos comparativos das racionalidades médicas quanto com práticas de saúde desenvolvidas na sociedade civil e em instituições. INFORMAÇÃO SOBRE AS PIC PARA SENSIBILIZAÇÃO DE GESTORES E PROFISSIONAIS
    15. 15. Da invisibilidade à visibilidade – NO BRASIL GRUPO DE ESTUDOS PRÁTICAS ALTERNATIVAS E COMPLEMENTARES DE SAÚDE http://www.ee.usp.br/pesquisa/grupo/praticas_alternativas/ A partir de trabalhos iniciados na década de 1990 foi criado em 2006, na Escola de Enfermagem, da Universidade de São Paulo, com o objetivo: – Desenvolver pesquisas na área de práticas complementares de saúde para que haja maior respaldo teórico/acadêmico aos profissionais que utilizam e desejam implantar as técnicas complementares no ambiente de trabalho e de ensino INFORMAÇÃO SOBRE AS PIC PARA SENSIBILIZAÇÃO DE GESTORES E PROFISSIONAIS
    16. 16. Da invisibilidade à visibilidade – NO BRASIL LABORATÓRIO DE PRÁTICAS ALTERNATIVAS, COMPLEMENTARES E INTEGRATIVAS EM SAÚDE (LAPACIS) Criado em 2006, no Departamento de Saúde Coletiva, da Faculdade de Ciências Médicas, da Unicamp, com o objetivo: INFORMAÇÃO SOBRE AS PIC PARA SENSIBILIZAÇÃO DE GESTORES E PROFISSIONAIS
    17. 17. - Desenvolver a cultura das Práticas Alternativas, Complementares em Integrativas no campo do ensino e dos serviço de saúde, por meio de pesquisas sócio- antropológicas. –Formar pesquisadores e desenvolver a pesquisa sócio-antropológica sobre as Práticas Alternativas, Complementares em Integrativas em Saúde. –Explorar as relações entre as Práticas Alternativas, Complementares em Integrativas, Racionalidades em Saúde e medicina convencional. –Apoiar a formação de uma rede de pesquisadores nacionais e internacionais sobre as Práticas Alternativas, Complementares em Integrativas, Racionalidades em Saúde e medicina convencional. –Apoiar ações governamentais de implantação e implementação das Práticas Alternativas, Complementares em Integrativas e Racionalidades em Saúde, no Sistema Único de Saúde.
    18. 18. Serviços de PIC na Rede de Atenção INFORMAÇÃO SOBRE AS PIC PARA SENSIBILIZAÇÃO DE GESTORES E PROFISSIONAIS
    19. 19. Estabelecimentos que ofertam PIC Prática Integrativa Dez/08 Dez/09 Dez/10 Dez/11 Dez/12 Nov/13 Nov-13 Acupuntura 204 302 422 484 554 751 390 Fitoterapia 15 16 22 61 120 158 13 Outras técnicas em MTC 146 226 347 376 433 518 39 Práticas corporais/ atividades físicas 630 1013 1485 2064 2272 2561 219 Homeopatia 64 74 89 96 100 116 73 Termalismo/ crenoterapia 4 3 20 21 7 10 7 Medicina Antroposófica 7 5 7 10 10 16 8 Total 1070 1639 2392 3112 3496 4130 749 Fonte: Ministério da Saúde- Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde- CNES MTC= Medicina Tradicional Chinesa Privado 19 INFORMAÇÃO SOBRE AS PIC PARA SENSIBILIZAÇÃO DE GESTORES E PROFISSIONAIS
    20. 20. Estabelecimentos de PIC registrados no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES/MS) 20 INFORMAÇÃO SOBRE AS PIC PARA SENSIBILIZAÇÃO DE GESTORES E PROFISSIONAIS
    21. 21. 21 Fonte: Ministério da Saúde- Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde- CNES INFORMAÇÃO SOBRE AS PIC PARA SENSIBILIZAÇÃO DE GESTORES E PROFISSIONAIS
    22. 22. Referências Bibliográficas Galahardi, Wania Maria Papile; BARROS, Nelson Filice de e LEITE-MOR, Ana Cláudia Moraes Barros. O conhecimento de gestores municipais de saúde sobre a Política Nacional de Prática Integrativa e Complementar e sua influência para a oferta de homeopatia no Sistema Único de Saúde local. Ciênc. saúde coletiva. 2013, vol.18, n.1, pp. 213-220 LUZ, M. T. Racionalidades Médicas e Terapêuticas Alternativas. In: CAMARGO Jr., K. R. de Racionalidades Médicas: A Medicina Ocidental Contemporânea, Série Estudos em Saúde Coletiva – Rio de Janeiro: UERJ/Instituto de Medicina Social, 1993. p. 01 – 32. LUZ, M. T. A arte de curar versus a ciência das doenças : história social da homeopatia no Brasil- São Paulo : Dynamis Editorial, 1996. p. 332. LUZ, M. T. Medicina e racionalidades médicas: estudo comparativo da medicina ocidental, contemporânea, homeopática, tradicional chinesa e ayurvédica. In: CANESQUI, A. M. Ciências Sociais e Saúde para o Ensino Médico, São Paulo: Editora Hucitec, 2000. p. 181-200.
    23. 23. NASCIMENTO, Marilene Cabral do; BARROS, Nelson Filice de; NOGUEIRA, Maria Inês e LUZ, Madel Therezinha. A categoria racionalidade médica e uma nova epistemologia em saúde. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2013, vol.18, n.12 [citado 2013-12-10], pp. 3595-3604 SANTOS, Melissa Costa e TESSER, Charles Dalcanale. Um método para a implantação e promoção de acesso às Práticas Integrativas e Complementares na Atenção Primária à Saúde. Ciênc. saúde coletiva. 2012, vol.17, n.11, pp. 3011-3024. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais. Coordenadoria da Práticas Integrativas e Complementares. (CPIC/SAS-SES-MG). Orientação para gestores para implantação das Práticas Integrativas e Complementares. Outubro, 2013. World Health Organization (WHO). Estrategia de la OMS sobre medicina tradicional 2002-2005. Geneva: WHO; 2002. Referências Bibliográficas

    ×