COLETA DE DADOS E CRÍTICA DE
VARIÁVEIS
Bioestatísca
www.oficinadamente.com
Prof. Dr. Mauricio A. P. Peixoto
COLETA DE DADOS E CRÍTICA DE VARIÁVEIS
 Conceituar variável.
 Classificar os tipos de variáveis.
 Planejar uma coleta d...
VARIÁVEL
 Variável é uma propriedade da população à qual pode ser
atribuído um conjunto de diferentes valores.
Resultado ...
TIPOS DE VARIÁVEIS
Variável
Profissão
Número de
Gestações
Peso
Valores
Possíveis
Doméstica
Médico
Arquiteta
Economista
0 -...
O ARQUIVO MESTRE
Número de
ordem
Variável 1 Variável 2 Variável 3 ...
... ... ... ... ...
5 65 Doméstica VI ...
6 48 Econo...
COLETA DE DADOS
 Decidir qual informação é relevante.
 Planejar o formulário.
 Concisão
 Evitar lançamentos retrospect...
CRÍTICA DAS VARIÁVEIS
 Parte integrante do planejamento de uma
pesquisa.
 Consiste em “atacar” as variáveis, levantando
...
CRÍTICA DAS VARIÁVEIS (Exemplo)
Dificuldades de
pesagem?
Quais os valores
esperados?
Relação com outra
variável?
(IG, raça...
CRÍTICA DOS DADOS
Peso
de RN
2800
1200
2950
50
3500
5500
9800
3200
4000
3500
1800
1560
3200
7200
2550
1800
Após a coleta =...
POPULAÇÃO - Conceito
Medida
• Pressão
• Peso
• Despesas Médicas
• Glicemia
Objeto
(todos)
• Gestantes
• RN da Maternidade
...
POPULAÇÃO - Exemplos
 Pressão de todas as Gestantes do Pré-Natal
 Peso de todos os RN da Maternidade
 Despesas Médicas ...
AMOSTRAGEM
População Amostra
Amostragem
Técnica que visa extrair do todo,
partes que possam representá-lo.
VANTAGENS DA AMOSTRAGEM
 Custo menor.
 Resultados mais rápidos.
 Objetivos mais amplos.
 Dados mais confiáveis.
Popula...
AMOSTRAGEM - Classificação
Probabilística.
Casual.
de Conveniência
População Amostra
Amostragem
AMOSTRAGEM PROBABILÍSTICA
População Amostra
SORTEIO
Probabilidades de escolha são iguais
e conhecidas.
AMOSTRAGEM CASUAL (A)
População Amostra
ACASO
Probabilidades de escolha são
desconhecidas porém espera-se que
sejam iguais.
AMOSTRAGEM CASUAL (B)
 Utiliza-se um critério de seleção que em
princípio não influencia a variável em estudo e é
imposto...
AMOSTRAGEM DE CONVENIÊNCIA (A)
População Amostra
FACILIDADE
DE ACESSO
Probabilidades de escolha são
desconhecidas não há g...
AMOSTRAGEM DE CONVENIÊNCIA (B)
 Utiliza um critério de seleção que é dado
pela facilidade de acesso ao elemento.
Portanto...
QUALIDADE DA AMOSTRA
Representatividade.
Imparcialidade.
População Amostra
Amostragem
REPRESENTATIVIDADE
População Amostra
Amostragem
B
N
B
B
B
B
B
B
B
B
B
B
B
B
B
B
B
B
B
B
B
B
B
B
B
BB
B
B
N
N
N
9:1 9:1
B
B...
REPRESENTATIVIDADE
 Capacidade da amostra de representar
adequadamente a população.
 A amostra contém, nas proporções en...
IMPARCIALIDADE
 Característica da amostragem população que
garante oportunidades iguais à cada elemento
da população de f...
ETAPAS DA AMOSTRAGEM
1. Explicitar os objetivos
2. Definir a população
3. Escolher as variáveis
4. Especificar o grau de p...
ARGUMENTO ESTATÍSTICO
Teste de hipótese
Transformação estatística
Coleta de dados
Planejamento do estudo
Regras de Decisão...
O PROF. MAURICIO A. P. PEIXOTO É:
Professor Adjunto do Núcleo de Tecnologia Educacional para a
Saúde da Universidade Feder...
NA OFFICINA DA MENTE VOCÊ ENCONTRA:
Psicoterapia
Técnicas de Estudo
Orientação de Monografias,
Teses e Trabalhos de
Conclu...
Ligue
(021) 2278-2835 ou (021) 8869-9542
Acesse www.oficinadamente.com.br
R. Gen. Espírito Santo Cardoso, 197-A – Tijuca –...
PARA ENCONTRAR A OFFICINA DA MENTE:
www.oficinadamente.com (021) 2278-
2835
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Coleta de dados e crítica de variáveis

1.354 visualizações

Publicada em

Aula ministrada pelo professor para alunos da Residência Multidisciplinar do HU-UFRJ. Os seguintes temas são tratados nesta apresentação:
> Conceituar variável.
> Classificar os tipos de variáveis.
> Planejar uma coleta de dados.
> Construir um “Arquivo Mestre”.
> Compreender o que é Crítica de Variáveis e Dados”.
> Conceituar:
> População
> Amostra
> Amostragem
> Classificar os tipos de Amostragem.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.354
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Coleta de dados e crítica de variáveis

  1. 1. COLETA DE DADOS E CRÍTICA DE VARIÁVEIS Bioestatísca www.oficinadamente.com Prof. Dr. Mauricio A. P. Peixoto
  2. 2. COLETA DE DADOS E CRÍTICA DE VARIÁVEIS  Conceituar variável.  Classificar os tipos de variáveis.  Planejar uma coleta de dados.  Construir um “Arquivo Mestre”.  Compreender o que é Crítica de Variáveis e Dados”.  Conceituar:  População  Amostra  Amostragem  Classificar os tipos de Amostragem.
  3. 3. VARIÁVEL  Variável é uma propriedade da população à qual pode ser atribuído um conjunto de diferentes valores. Resultado Variável Pressão diastólica 85 84 90 52 40 41 Estado Civil Casada Desquitada Solteira Paridade IVI III VII X 0
  4. 4. TIPOS DE VARIÁVEIS Variável Profissão Número de Gestações Peso Valores Possíveis Doméstica Médico Arquiteta Economista 0 -1 -2 - 4 - 10 - 15 40 – 80 – 100 – 58,5 – 58,55 – 58,54872 kg Operação Classificação (Contagem) Ordenação (Contagem) Medição Tipo Categórica Discreta Contínua
  5. 5. O ARQUIVO MESTRE Número de ordem Variável 1 Variável 2 Variável 3 ... ... ... ... ... ... 5 65 Doméstica VI ... 6 48 Economista IV ... 7 52 Arquiteta III ... 8 55 Psicóloga II ... 9 47 Enfermeira I ... ... ... ... ... ... Título  Completo, identifica e explica a tabela Nome da variável = Explicitação dos códigos utilizados Variável 1 = Peso Variável n = ..........
  6. 6. COLETA DE DADOS  Decidir qual informação é relevante.  Planejar o formulário.  Concisão  Evitar lançamentos retrospectivos  Identificar adequadamente  Explicitar códigos ou abreviações  Apresentar medições na mesma unidade e nível de precisão  Eliminar expressões subjetivas  Incluir definições simples, objetivas e precisas  Atentar para a caligrafia
  7. 7. CRÍTICA DAS VARIÁVEIS  Parte integrante do planejamento de uma pesquisa.  Consiste em “atacar” as variáveis, levantando os seus pontos fracos.  Considerar por exemplo:  Dificuldades de medição.  Precisão da medida.  Gama de valores possíveis.  Inter-relações com outras variáveis.  Vieses do respondente.
  8. 8. CRÍTICA DAS VARIÁVEIS (Exemplo) Dificuldades de pesagem? Quais os valores esperados? Relação com outra variável? (IG, raça, sexo, fumo, etc...) Pesagem é rotina? Quando? Peso de RN
  9. 9. CRÍTICA DOS DADOS Peso de RN 2800 1200 2950 50 3500 5500 9800 3200 4000 3500 1800 1560 3200 7200 2550 1800 Após a coleta = Consiste em estudar os resultados à procura de valores anômalos, repetições e inconsistências.
  10. 10. POPULAÇÃO - Conceito Medida • Pressão • Peso • Despesas Médicas • Glicemia Objeto (todos) • Gestantes • RN da Maternidade • Pacientes do hospital • Gestantes do Pré- Natal
  11. 11. POPULAÇÃO - Exemplos  Pressão de todas as Gestantes do Pré-Natal  Peso de todos os RN da Maternidade  Despesas Médicas de todos os Pacientes do hospital  Glicemia de todas as Gestantes
  12. 12. AMOSTRAGEM População Amostra Amostragem Técnica que visa extrair do todo, partes que possam representá-lo.
  13. 13. VANTAGENS DA AMOSTRAGEM  Custo menor.  Resultados mais rápidos.  Objetivos mais amplos.  Dados mais confiáveis. População Amostra Amostragem
  14. 14. AMOSTRAGEM - Classificação Probabilística. Casual. de Conveniência População Amostra Amostragem
  15. 15. AMOSTRAGEM PROBABILÍSTICA População Amostra SORTEIO Probabilidades de escolha são iguais e conhecidas.
  16. 16. AMOSTRAGEM CASUAL (A) População Amostra ACASO Probabilidades de escolha são desconhecidas porém espera-se que sejam iguais.
  17. 17. AMOSTRAGEM CASUAL (B)  Utiliza-se um critério de seleção que em princípio não influencia a variável em estudo e é imposto pelo pesquisador.  Por exemplo: 1. Sortear o elemento inicial e: a) Retirar um prontuário a cada três. b) Retirar um nome a cada cinco de uma listagem alfabética. 2. Escolher uma data limite e: 1. Examinar todas as pacientes que comparecerem no ambulatório às segundas e quintas. Popu- lação AmostraACASO
  18. 18. AMOSTRAGEM DE CONVENIÊNCIA (A) População Amostra FACILIDADE DE ACESSO Probabilidades de escolha são desconhecidas não há garantia de igualdade.
  19. 19. AMOSTRAGEM DE CONVENIÊNCIA (B)  Utiliza um critério de seleção que é dado pela facilidade de acesso ao elemento. Portanto é um critério que é imposto ao pesquisador.  Por exemplo: a) Voluntários para um teste de vacina. b) Pacientes encaminhados por colegas. c) Pacientes que compareceram ao serviço. d) Funcionários de uma empresa. Popu- lação AmostraFacilidade de acesso
  20. 20. QUALIDADE DA AMOSTRA Representatividade. Imparcialidade. População Amostra Amostragem
  21. 21. REPRESENTATIVIDADE População Amostra Amostragem B N B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B BB B B N N N 9:1 9:1 B B B B B B B B Prevalência da Anemia Falciforme
  22. 22. REPRESENTATIVIDADE  Capacidade da amostra de representar adequadamente a população.  A amostra contém, nas proporções encontradas na população, todos os seus componentes.  Portanto: 1. Analisar a população para vrificar a distribuição dos seus elementos. Se esta for heterogênea; 2. Colher os dados, respeitando a distribuição ocorrida na população. População Amostra Amostragem B N B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B B BB B B N N N 9:1 9:1 B B B B B B B B
  23. 23. IMPARCIALIDADE  Característica da amostragem população que garante oportunidades iguais à cada elemento da população de fazer parte da amostra.  Portanto: a) Atribuir um número a cada elemento da população. b) Selecionar uma amostra representativa através de : • Sorteio • Tábua de números aleatórios • Máquina de números aleatórios Popu- lação AmostraSORTEIO
  24. 24. ETAPAS DA AMOSTRAGEM 1. Explicitar os objetivos 2. Definir a população 3. Escolher as variáveis 4. Especificar o grau de precisão 5. Planejar o sistema de coleta 6. Escolher a unidade amostral 7. Realizar a prova piloto 8. Selecionar a amostra Popu- lação Amostra Amostragem
  25. 25. ARGUMENTO ESTATÍSTICO Teste de hipótese Transformação estatística Coleta de dados Planejamento do estudo Regras de Decisão Resultados Esperados Hipótese Estatística Dedução Hipótese Científica Dedução INDUÇÃO DEDUÇÃO ESTATÍSTICA DESCRITIVA
  26. 26. O PROF. MAURICIO A. P. PEIXOTO É: Professor Adjunto do Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professor responsável pelas disciplinas Metodologia Científica, Metodologia da Pesquisa e Bioestatística em nível de Pós- Graduação. Ministra ainda a disciplina “Aprenda a Aprender na área da saúde” para alunos de graduação da Faculdade de Medicina da UFRJ e da Escola de Enfermagem Anna Nery. Líder do GEAC (Grupo de Estudos em Aprendizagem e Cognição), grupo de pesquisas reconhecido pela UFRJ e pelo Conselho Nacional de Pesquisa (CNPq). Orientador de dissertações e teses de mestrado e doutorado. Pesquisador em Aprendizagem e Metacognição. Autor de livros e artigos científicos publicados em revistas especializadas. Para ver o currículo do Prof. Mauricio no CNPq digite: http://lattes.cnpq.br/8108933402510969 www.oficinadamente.com (021) 2278- 2835
  27. 27. NA OFFICINA DA MENTE VOCÊ ENCONTRA: Psicoterapia Técnicas de Estudo Orientação de Monografias, Teses e Trabalhos de Conclusão de Curso www.oficinadamente.com (021) 2278- 2835
  28. 28. Ligue (021) 2278-2835 ou (021) 8869-9542 Acesse www.oficinadamente.com.br R. Gen. Espírito Santo Cardoso, 197-A – Tijuca – Rio de Janeiro www.oficinadamente.com (021) 2278- 2835 PARA ENCONTRAR A OFFICINA DA MENTE:
  29. 29. PARA ENCONTRAR A OFFICINA DA MENTE: www.oficinadamente.com (021) 2278- 2835

×