2015 roma

579 visualizações

Publicada em

Estudo sobre Roma Antiga cujo objetivo é facilitar a compreensão sobre o processo de formação, expansão e declínio dessa civilização.

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
579
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2015 roma

  1. 1. ROMA 1. FUNDAÇÃO DA CIDADE:
  2. 2. Plebeus Patrícios Clientes Escravos 2. MONARQUIA ROMANA: 2.1. Reis etruscos em aliança e confronto com a aristocracia romana; • controle sobre a plebe. 2.2. Sociedade romana
  3. 3. 2.2. Decadência da monarquia: • agitações sociais; camponeses; • exigiam participação política e melhores condições de vida e trabalho; • ataques de gauleses e gregos. 2.3. O poder passou do rei Tarquínio para as mãos dos aristocratas patrícios.
  4. 4. Eleger os magistrados 509 a.C. 27 a.C. REPÚBLICA Grupos sociais Instituições Patrícios Plebeus Assembléias Magistrados Senado governantes aristocratas generais camponeses artesãos comerciantes Votar leis Governar a cidade Política exterior Política econômica Sem direitos políticos Ratificar as leis Luta por direitos Lei das Doze Tábuas e o Tribuno da plebe
  5. 5. 3. REPÚBLICA: 3.1. Organização do Estado republicano: • a cidadania 3.2. As lutas plebéias: a. Revolta do Monte Sagrado; • Criação da assembléia da plebe e dos tribunos da plebe; b. Lei das Doze Tábuas: leis escritas; c. Lei Canuléia: permissão para o casamento entre plebeus e patrícios;
  6. 6. d. Lei Licínia: fim da escravidão por dívidas; um cônsul seria plebeu; e. Falsa igualdade: • manutenção da oligarquia patrícia; • aliança entre patrícios e plebeus ricos (comércio); • o Senado continuava a ser exclusividade dos patrícios. 3.4. Construção de uma justiça laica; • classificação e sistematização das leis por juristas;
  7. 7. 4. A EXPANSÃO ROMANA: 4.1.Primeira expansão: •Península Itálica: • Conquista dos povos vizinhos; • Direito parcial ou total a cidadania; • Integração ao exército romano;
  8. 8. 4.2. Segunda Expansão: Guerras Púnicas: disputas territoriais (Sicília, Córsega e Sardenha) e comerciais (Mar Mediterrâneo)
  9. 9. 4.3. Terceira Expansão: A Grécia e os reinos helenísticos foram conquistados dentro da lógica romana de expansão territorial e comercial, a fim de dominar todo comercio mediterrâneo.
  10. 10. 5.CONSEQUÊNCIAS DA EXPANSÃO: 5.1. SOCIAIS: a.a nobreza patrícia: ostentação de sua toda riqueza, poder e o luxo; as casas e escravos; b. a plebe acabou perdendo espaço no processo de produção econômica; o trabalho escravo; c. escravos: tornou-se a mão-de-obra predominante; d. Os povos dominados: opressão, escravização e humilhação.
  11. 11. 5.2. ECONÔMICAS: a.Roma: maior potência econômica do mar mediterrâneo; b. Toda a produção de alimentos, sobretudo, a de trigo,era quase um monopólio romano.Todos os grandes vales férteis de terras eram dominados por Roma.
  12. 12. 6. A MARGINALIZAÇÃO DA PLEBE: 6.1 A expansão romana levou os plebeus a falência: • concentração de terras; • trabalho escravo; • serviço militar; • abandono das suas terras; • endividamento e perda de suas propriedades; • Roma era seu “abrigo”.
  13. 13. 6.2. Os irmãos Graco: a.Tibério e Caio Graco:Tribunos da plebe em momentos diferentes; Reforma Agrária e Lei Frumentária Reação dos Patrícios – Assassinato dos Irmãos Graco
  14. 14. 7. A CRISE NA REPÚBLICA: 7.1 Uma nova realidade sendo administrada por instituições e conceitos ultrapassados. SENADO PATRÍCIOS CAVALEIROS GENERAIS
  15. 15. 7.2- Os demagogos e a política do pão e circo.
  16. 16. 7.3- As tropas são fiéis aos generais, e não ao ESTADO. a)Gen. Mário: aliança com os cavaleiros e o apoio da plebe; pagamento do soldo; distribuição de terras; b) Gen. Sila: criou um tênue equilíbrio de poder entre o exército e o senado.
  17. 17. 7.8. Os triunviratos: a. O primeiro triunvirato: Júlio César, Pompeu e Crasso.
  18. 18. b. O segundo triunvirato: Marco Antônio, Lépido e Otávio Augusto. 8- O IMPÉRIO ROMANO: 8.1- Otávio Augusto: primeiro imperador; a) “aliança” com o Senado; b) a “pax romana”; c) grandes obras públicas; d) manutenção da política do pão e circo.
  19. 19. e) Roma: cidade cosmopolita
  20. 20. Otávio Augusto
  21. 21. Via Apia
  22. 22. Aquedutos
  23. 23. Muralha de Adriano
  24. 24. Muralha de Adriano
  25. 25. 9. O BAIXO IMPÉRIO ROMANO: 9.1. A Crise do século III: a)Fim da expansão territorial; b) Diminuição na arrecadação de impostos; c) Crise do escravismo; d) Corte nos gastos públicos: redução do exército e do Estado; f) Guerras civis; g) Crise econômica: agricultura, artesanato e comércio. 9.2. Tentativas de solução da crise pelo Estado: aumento de impostos, tabelamento de preços e a contratação de povos bárbaros
  26. 26. 9.3. A presença bárbara: a.Trabalhos arrendatários e mercenários b. Invasões as cidades litorâneas e regiões limítrofes do império. c. Povos bárbaros: vândalos, alanos, visigodos, ostrogodos, suevos, hunos, lombardos, saxões, etc.
  27. 27. 9.4. A ruralização do império.
  28. 28. 9.5- O cristianismo: a.Religião oriental: vida após a morte; relação direta e profunda com Deus ; participação em uma comunidade de fiéis. b. Pobres, marginalizados e escravos. c. Facilidades para pregação no império: tolerância; liberdade de locomoção; dialeto koinê -grego comum. d. Perseguições pontuais, porém duríssimas: Nero, Décio, Galo, Valenciano e Diocleciano
  29. 29. Tumbas romanas onde eram celebrados os cultos cristãos.
  30. 30. A morte dos cristãos no Coliseu.
  31. 31. 9.6. Os últimos imperadores poderosos: a.Diocleciano; b. Constantino; c. Teodósio 9.7. A queda: a. Crise do escravismo b. Ruralização do império c. Corrupção e incompetência dos governantes d. Invasões bárbaras e. Cristianismo
  32. 32. 10.CULTURA ROMANA: 10.1. Pragmatismo acima de tudo. 10.2. Influência grega: religião e filosofia 10.3. Arquitetura funcional. 10.4. Língua: latim (italiano, português, francês e espanhol) e literatura. 10.5. Administração pública 10.6. Direito
  33. 33. IMPÉRIO BIZANTINO 1- ORIGENS: 1.1- Cidade de origem grega 7 a.C.; colônia; estreito de Bósforo(Europa/Ásia); rotas comerciais. 1.2- Reformada por Constantino,em 330;
  34. 34. 2- SOCIEDADE BIZANTINA: 2.1- Divisão social: A- Elite urbana e rural (latifundiários, alto clero, grandes comerciantes, donos de oficinas de artesanato, altos funcionários do Estado); B- A massa (camponeses, artesãos, pequenos comerciantes, funcionários de Estado, servos e escravos).
  35. 35. 2.2- Economia: A- Grande parte da população estava no campo; B- Intensa vida comercial; ligação entre Oriente e Ocidente; mercadores russos, judeus e venezianos. 2.3- Organização política: A- Estado com sólida estrutura burocrática; concentração de poder nas mãos do imperador (político, militar,religiosos); B- Cesaropapismo: o imperador era ao mesmo tempo “César” e “papa”. C- JUSTINIANO E O CORPUS JURIS CIVILIS
  36. 36. A- O Código de Justiniano (Novus Justinianus Codex), que continha toda a legislação romana revisada desde o Imperador Adriano; B- O Digesto ou Pandectas, que incluía um sumário da jurisprudência romana; C- As Institutas, que constituíam um resumo para ser utilizado pelos estudiosos de Direito; D- As Novelas ou Autênticas, que reuniam as novas leis de Justiniano. E- Base do direito medieval e moderno.
  37. 37. 2.4- Religião: A- Fator de união e consolidação da estrutura social, política e cultural dos bizantinos; B- Monofisistas: afirmavam que Cristo tinha apenas natureza divina. Negando, assim, sua forma humana. C- Questão iconoclasta: disputa entre o imperador Leão III e parte da liderança da Igreja Ortodoxa em torno da adoração de imagens. E- O Cisma do Oriente (1054): As divergências entre Roma e Constantinopla se tornaram irreversíveis e a cristandade acabou por se dividir em Igreja Ortodoxa e Igreja Apostólica Romana.
  38. 38. 4- O DECLÍNIO DO IMPÉRIO BIZANTINO: 4.1- Lenta e constante perda de territórios para os cristãos ocidentais e para os muçulmanos. 4.2- Manutenção de laços comerciais com as cidades italianas, como Veneza. 4.3- As Cruzadas: contrários a uma guerra religiosa, não apoiaram a guerra contra os muçulmanos e se transformaram em alvo dos cristãos ocidentais. 4.4- Em 1453 caíram diante do exército

×