Análise de Casos de Formação para a
Integração Sócio Laboral
Nome: Maria Simões Estudante nº 1100390 Turma: 2
janeiro de 2...
Domínios Elementos associados às BOAS PRÁTICAS
Diagnóstico e
planeamento
 Organização em função do diagnóstico das
necess...
Domínios Elementos associados às MÁS PRÁTICAS
Diagnóstico e
planeamento
 Falta de estudos sobre as necessidades de formaç...
 Balanço de Competências
Identificar
competências:
 Pessoais
 Sociais
 Profissionais
Processo
faseado:
1º Preliminar
2...
 Andragogia
“arte e ciência de ajudar os adultos a aprender”
Imaginário et al (1998:180)
Aprendente
 É uma personalidade...
 Educabilidade Cognitiva
“outro nome para a educabilidade cognitiva – aprender a aprender”
Imaginário et al (1998:187)
Referências Bibliográficas
Imaginário, L. et al. (1998). Adaptação/Reinserção Profissional dos
Adultos Pouco Escolarizados...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Análise de Casos de Formação para a Integração Sócio Laboral

265 visualizações

Publicada em

Trabalho realizado na Unidade Curricular de Análise de Casos de Formação para a Integração Sócio Laboral

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
265
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Análise de Casos de Formação para a Integração Sócio Laboral

  1. 1. Análise de Casos de Formação para a Integração Sócio Laboral Nome: Maria Simões Estudante nº 1100390 Turma: 2 janeiro de 2014
  2. 2. Domínios Elementos associados às BOAS PRÁTICAS Diagnóstico e planeamento  Organização em função do diagnóstico das necessidades e oportunidades que existem no meio envolvente. Divulgação  Sensibilização e divulgação personalizadas Estratégias de formação  Articulação entre as componentes de formação geral (básica) e de formação específica (técnica) Parcerias  Maximização dos recursos físicos, financeiros e humanos.  Diversificação de valências. Proximidade  Cooperação entre serviços (IEFP) e entidades. Estruturas mais leves. Acompanhamento  Planos de inserção individuais.  Co-responsabilização na procura de emprego. Avaliação  Avaliação sobre os resultados.  Feedback sobre os efeitos das intervenções.
  3. 3. Domínios Elementos associados às MÁS PRÁTICAS Diagnóstico e planeamento  Falta de estudos sobre as necessidades de formação.  Inexistência de planeamento a médio e longo prazo. Divulgação  Insuficiente e não orientada para o público alvo. Estratégias de formação  Falta de articulação entre as componentes de formação.  A oferta formativa não responde às necessidades locais.  As sessões de formação e a sua duração não respeitam as necessidades dos formandos. Parcerias  Indisponibilidade dos representantes dos parceiros institucionais  Fraco envolvimento das empresas locais. Proximidade  Inércia do IEFP.  Insuficiente acessibilidade aos serviços (ex: transportes) Acompanhamento  Falta de acompanhamento e apoio à inserção profissional dos formandos após conclusão da formação. Avaliação  Falta de avaliação sistemática sobre o impacto da formação.
  4. 4.  Balanço de Competências Identificar competências:  Pessoais  Sociais  Profissionais Processo faseado: 1º Preliminar 2º Investigação 3º Conclusão Projetos exequíveis Evidenciar:  Pontos Fortes  Pontos fracos Evitar riscos - reducionismos diversos Auxiliar o indivíduo a mobilizar recursos Aprendizagem personalizada Construção e concretização de projetos
  5. 5.  Andragogia “arte e ciência de ajudar os adultos a aprender” Imaginário et al (1998:180) Aprendente  É uma personalidade autodirigida  Recorre-se à experiência  Está disponível para aprender quando necessita de saber ou saber fazer  A sua motivação depende de fatores internos e externos  A orientação para a aprendizagem centra-se na realização de tarefas Processos  Adota uma lógica de processos  Simulações, trabalho de campo, resolução de problemas Formador  É uma facilitador da aprendizagem  Realização de atividades que promovam a aprendizagem autodirigida  Criação de um bom clima de formação  Disponível como consultor e recurso C O N T R A T O S D E A P R E N D I Z A G E M
  6. 6.  Educabilidade Cognitiva “outro nome para a educabilidade cognitiva – aprender a aprender” Imaginário et al (1998:187)
  7. 7. Referências Bibliográficas Imaginário, L. et al. (1998). Adaptação/Reinserção Profissional dos Adultos Pouco Escolarizados (pp 153-194). Lisboa. OEFP. (*.pdf). Textos disponibilizados na sala de aula de Análise de Casos de Formação para a Integração Sócio-Laboral. Disponível em: http://elearning.uab.pt/mod/folder/view.php?id=14937. Acedido a 03/12/2013. Imagem da capa “Dia do Trabalho”. Imagens Google. Disponível em: http://bit.ly/1m6Pz65

×