Nicolau Copérnico

3.401 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.401
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
170
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Nicolau Copérnico

  1. 1. Nicolau Copérnico Trabalho Realizado por: Ygor Vinicius Ricardo Floro Fernando Santos - TMM3
  2. 2. Nicolau Copérnico nasceu em Toruo, na Polônia, a 19 de fevereiro 1473, foi cónego da Igreja Católica, governador e administrador, jurista, astrólogo e m édico, astrônomo e matemático. Era filho de um próspero comerciante também chamado Nicolau e de Bárbara, irmã do cônego e depois bispo polonês Lucas Wacsenrode.
  3. 3. Após a morte do seu pai, Nicolau Copérnico, com apenas 10 anos de idade, vai morar com o tio. Aos 19 anos ingressa na Universidade de Cracóvia, famosa na época pelos diplomas de Astronomia, Matemática e Física.
  4. 4. Em 1496 recusa‐se a ser nomeado cônego de Frauemburg, onde seu tio era bispo, e viaja para a Itália, onde ingressa na Universidade de Bolonha e Ferrara para cursar Direito e Medicina. Costumava trabalhar sozinho, a observar o céu a olho nu (a luneta só seria inventada um século mais tarde). Em 1530, depois de se dedicar inteiramente à Astronomia, termina a sua primeira e grande obra, De Revolutionibus Orbium Coelestium (Sobre as Revoluções das Esfera Celestes), que só seria publicada durante o ano de sua morte, 1543, onde afirma que a Terra gira em torno do seu próprio eixo uma vez por dia e viaja ao redor do Sol uma vez por ano.
  5. 5. Os filósofos do século XV aceitavam o geocentrismo como fora estruturado por Aristóteles e Ptolomeu. Esse sistema cosmológico afirmava (corretamente) que a Terra era esférica, mas também afirmava (erradamente) que a Terra estaria parada no centro do Universo enquanto os corpos celestes orbitavam em círculos concêntricos ao seu redor. Essa visão geocêntrica tradicional foi abalada por Copérnico em 1537, quando este começou a divulgar um modelo cosmológico em que os corpos celestes giravam ao redor do Sol, e não da Terra.
  6. 6. O livro marcou o começo de uma mudança de um universo geocêntrico, ou antropocêntrico, com a Terra em seu centro. Copérnico acreditava que a Terra era apenas mais um planeta que concluía uma orbita em torno de um sol fixo todo ano e que girava em torno de seu próprio eixo todo dia. Ele também deu uma clara explicação da causa das estações: o eixo de rotação da Terra não é perpendicular ao plano de sua órbita.
  7. 7. Em sua teoria, Copérnico descrevia mais círculos, os quais tinham os mesmos centros, do que a teoria de Ptolomeu (modelo geocêntrico). Apesar de Copérnico colocar o Sol como centro das esferas celestiais, ele não fez do Sol o centro do universo.
  8. 8. Do ponto de vista experimental, o sistema de Copérnico não era melhor que o de Ptolomeu. E Copérnico sabia disso, mas não apresentou nenhuma prova observacional em seu manuscrito, fundamentando-se em argumentos sobre qual seria o sistema mais completo e elegante.
  9. 9. Da sua publicação, até aproximadamente 1700, poucos astrônomos foram convencidos pelo sistema de Copérnico, apesar da grande circulação de seu livro (aproximadamente 500 cópias da primeira e segunda edições, o que é uma quantidade grande para os padrões científicos da época).
  10. 10. Entretanto, muitos astrônomos aceitaram partes de sua teoria, e seu modelo influenciou muitos cientistas renomados que viriam a fazer parte da história, como Galileu e Kepler, que conseguiram assimilar a teoria de Copérnico e melhorá-la. As observações de Galileu das fases de Vénus produziram a primeira evidência observacional da teoria de Copérnico. Além disso, as observações de Galileu das luas de Júpiter provaram que o sistema solar contém corpos que não orbitavam a Terra. Galileu Galilei Johannes Kepler
  11. 11. As principais partes da teoria de Copérnico são: • Os movimentos dos astros são uniformes, eternos, circulares ou uma composição de vários círculos (epiciclos). • O centro do universo é perto do Sol. • Perto do Sol, em ordem, estão Mercúrio, Vênus, Terra, Lua, • Marte, Júpiter, Saturno, e as estrelas fixas. • A Terra tem três movimentos: rotação diária, volta anual, e inclinação anual de seu eixo. • O movimento retrógrado dos planetas é explicado pelo movimento da Terra. • A distância da Terra ao Sol é pequena se comparada à distância às estrelas.
  12. 12. Naquele tempo a Igreja Católica aceitava essencialmente o geocentrismo aristotélico, (embora a esfericidade da Terra estivesse em aparente contradição com interpretações literais de algumas passagens bíblicas). Ao contrário do que se poderia imaginar, durante a vida de Copérnico não se encontram críticas sistemáticas ao modelo heliocêntrico por parte do clero católico. De fato, membros importantes da cúpula da Igreja ficaram positivamente impressionados pela nova proposta e insistiram para que essas ideias fossem mais desenvolvidas. Contudo a defesa, quase um século depois, por Galileu Galilei, da teoria heliocêntrica vai deparar-se com grandes resistências no seio da mesma Igreja Católica.
  13. 13. Como Copérnico tinha por base apenas suas observações dos astros a olho nu e não tinha possibilidade de demonstração da sua hipótese, muitos homens de ciência acolheram com cepticismo as suas ideias. Apesar disso, o trabalho de Copérnico marcou o início de duas grandes mudanças de perspectiva. A primeira, diz respeito à escala de grandeza do Universo: avanços subsequentes na astronomia demonstraram que o universo era muito mais vasto do que supunham quer a cosmologia aristotélica quer o próprio modelo copernicano; a segunda diz respeito à queda dos graves. A explicação aristotélica dizia que a Terra era o centro do universo e portanto, o lugar natural de todas as coisas. Na teoria heliocêntrica, contudo, a Terra perdia esse estatuto, o que exigiu uma revisão das leis que governavam a queda dos corpos, e mais tarde, conduziu Isaac Newton a formular a lei da gravitação universal.

×