SUMÁRIO
A teoria deontológica - o dever como fundamento da
moralidade (Immanuel Kant)
A teoria consequencialista - a utili...
Problema
Qual o fundamento da moralidade?
Qual o critério para avaliar a moralidade das acções?
Dois tipos de teorias
1) Teorias deontológicas -
o critério para avaliar a
moralidade das acções é o
seu respeito pelos
pr...
Duas teorias
Deontológicas
▼
Teorias que fazem depender
a moralidade de uma acção do
respeito por princípios
▼
Devemos agi...
Uma teoria deontológica:
a ética racional de Kant
Sumário
Legalidade e moralidade
O ideal moral: tornar a vontade boa
Deve...
Qual é o critério para
avaliar as acções?
O que torna as
acções boas ou más ?
Problema
Legalidade e moralidade
Kant caracteriza o domínio da moralidade e apresenta um
critério para avaliar a moralidade das acç...
Kant >>>
É na verdade conforme ao dever que o merceeiro não suba os preços ao
comprador inexperiente (...) Mantém um preço...
Kant
>>>
Pelo contrário, conservar cada qual a sua vida é um dever, e é além disso
uma coisa para que toda a gente tem inc...
Kant apresenta três exemplos
1) Fixando um preço, o merceeiro respeita a regra moral, mas escolhe a
honestidade por intere...
A moralidade das acções resulta do cumprimento
do dever
Acção moral ou moralmente
boa (moralidade)
Acções legais ou boas
(...
Distinção legalidade versus moralidade
Legalidade
Carácter das acções
simplesmente boas, i.e.,
em conformidade com a
norma...
O ideal moral: tornar a vontade boa
 Quem opta é a razão; quem decide realizar a acção é vontade
(a “faculdade do querer”...
As três disposições do ser humano
para a
personalidade
ser racional capaz de
responsabilidade:
tornar-se pessoa
exigências...
Como alcançar a vontade boa?
 O corpo e a razão não têm as mesmas
inclinações
 A vontade fica sujeita a conflitos entre ...
Vontade boa
Devido aos conflitos entre as disposições a vida ética
é uma luta
Kant propõe como ideal moral o esforço para ...
Dever e lei moral – imperativo categórico da
moralidade
O que é agir por dever?
É orientar-se pela disposição para a perso...
Duas coisas enchem o meu coração de admiração: o céu
estrelado por cima de mim e a lei moral em mim.
Kant, Crítica da Razã...
As leis da razão e as leis da natureza
valem universalmente
As leis naturais são descritivas
– dizem como a natureza funci...
Enunciado do Imperativo Categórico
Age apenas segundo uma máxima
tal que possas, ao mesmo tempo,
querer que ela se torne l...
Imperativo categórico
Significa que
 A regra particular (máxima) que seguimos deve poder ser
aceite por todos os seres ra...
Moralidade, autonomia e dignidade
humana >>>
A opção pela moralidade permite ao indivíduo tornar-se ser
moral ou pessoa, c...
Moralidade, autonomia e dignidade humana
Pois enquanto ela está submetida à lei moral não há nela sublimidade
alguma; mas ...
Tese defendida no texto
A vontade é digna de respeito quando se subordinar a «uma
legislação universal» que ela própria el...
Autonomia
Kant chama autonomia à propriedade da vontade de se
constituir como a sua própria lei;
A autonomia da vontade é ...
Fundamento e critério de moralidade >>>
Perguntas
 qual o
fundamento da
moralidade das
acções?
 qual o critério
para ava...
Fundamento e critério de moralidade
O critério para identificar uma acção como boa é o
carácter incondicional e universali...
Organograma conceptual
Ser Humano (pessoa)
fim em si mesmo
vontade boa
autonomiaacção por interesse, não por dever
acção m...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Fundamentação da moral

1.931 visualizações

Publicada em

matéria de filosofia do 10º ano

Publicada em: Educação
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.931
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
59
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fundamentação da moral

  1. 1. SUMÁRIO A teoria deontológica - o dever como fundamento da moralidade (Immanuel Kant) A teoria consequencialista - a utilidade como fundamento da moralidade (Stuart Mill) 1.3 A necessidade de fundamentação da moral – duas perspectivas filosóficas 1. A dimensão ético-política Ética
  2. 2. Problema Qual o fundamento da moralidade? Qual o critério para avaliar a moralidade das acções?
  3. 3. Dois tipos de teorias 1) Teorias deontológicas - o critério para avaliar a moralidade das acções é o seu respeito pelos princípios 2) Teorias consequencialistas – o critério para avaliar a moralidade das acções são as suas consequências
  4. 4. Duas teorias Deontológicas ▼ Teorias que fazem depender a moralidade de uma acção do respeito por princípios ▼ Devemos agir por obediência a regras ▼ Exemplo: para Kant mentir é errado ainda que do acto de mentir resultem benefícios ▼ Kant pergunta: qual foi a intenção da acção? Consequencialistas ▼ Teorias que fazem depender a Moralidade de uma acção das suas consequências ▼ Devemos escolher a acção que tem as melhores consequências globais ▼ Exemplo: para Stuart Mill mentir não é errado por princípio, mas em função das consequências ▼ S.Mill pergunta: quais as consequências das acções?
  5. 5. Uma teoria deontológica: a ética racional de Kant Sumário Legalidade e moralidade O ideal moral: tornar a vontade boa Dever e lei moral – imperativo categórico da moralidade Moralidade, autonomia e dignidade humana Fundamento e critério de moralidade
  6. 6. Qual é o critério para avaliar as acções? O que torna as acções boas ou más ? Problema
  7. 7. Legalidade e moralidade Kant caracteriza o domínio da moralidade e apresenta um critério para avaliar a moralidade das acções (Fundamentação da Metafísica dos Costumes)  Em que circunstâncias uma acção é boa?  Basta respeitar as regras?  Se o depositário de um bem (dinheiro) o devolve por ter medo de ser descoberto, a acção ainda é moralmente boa?  Devolver o dinheiro será suficiente para se poder falar em moralidade?
  8. 8. Kant >>> É na verdade conforme ao dever que o merceeiro não suba os preços ao comprador inexperiente (...) Mantém um preço fixo geral para toda a gente, de forma que uma criança pode comprar na sua mercearia tão bem como qualquer outra pessoa. É-se, pois, servido honradamente; mas isso ainda não é bastante para acreditar que o comerciante tenha assim procedido por dever e princípios de honradez; o seu interesse assim o exigia. A acção não foi, portanto, praticada (...) por dever, mas somente com intenção egoísta. (...) Pensar Azul, p. 111 >>>
  9. 9. Kant >>> Pelo contrário, conservar cada qual a sua vida é um dever, e é além disso uma coisa para que toda a gente tem inclinação imediata. Mas por isso mesmo é que o cuidado que a maioria dos Homens lhe dedicam não tem nenhum valor intrínseco e a máxima que o exprime nenhum conteúdo moral. Os Homens conservam, habitualmente, a sua vida, conforme ao dever, sem dúvida, mas não por dever. Em contraposição, quando as contrariedades e o desgosto sem esperança roubaram totalmente o gosto de viver; quando o infeliz (…) deseja a morte e contudo conserva a vida sem a amar, não por inclinação ou medo, mas por dever, então a sua máxima tem conteúdo moral. Kant, Fundamentação da Metafísica dos Costumes
  10. 10. Kant apresenta três exemplos 1) Fixando um preço, o merceeiro respeita a regra moral, mas escolhe a honestidade por interesse, não por dever 2) Temos o dever de conservar a vida e gostamos de viver. Se conservarmos a vida por gostar de viver, fazemo-lo por inclinação e não por lhe atribuir valor intrínseco: conservamos a vida por conformidade ao dever 3) Se perdermos a vontade de viver e desejarmos morrer mas conservarmos a vida por dever, estamos a agir moralmente, pois a regra particular (Kant chama-lhe máxima) que seguimos ao escolher o dever tem valor moral Diz Kant: Conservo a vida não por ter gosto de viver, mas porque é meu dever respeitar o princípio universal não matarás.
  11. 11. A moralidade das acções resulta do cumprimento do dever Acção moral ou moralmente boa (moralidade) Acções legais ou boas (legalidade) A acção em conformidade com a norma; opção do agente não por inclinação mas por dever ▼ Acções em conformidade com a norma; opção do agente por interesse (gostar de viver), não por dever ▼ Exemplo 3 ▼ Exemplos 1 e 2 ▼
  12. 12. Distinção legalidade versus moralidade Legalidade Carácter das acções simplesmente boas, i.e., em conformidade com a norma Moralidade Carácter das acções realizadas não só em conformidade com a norma, mas também por respeito ao dever
  13. 13. O ideal moral: tornar a vontade boa  Quem opta é a razão; quem decide realizar a acção é vontade (a “faculdade do querer”)  Nós nem sempre escolhemos de acordo com a nossa racionalidade. Porquê?  Porque na deliberação e na decisão somos influenciados pelo que Kant chamou as três disposições do ser humano
  14. 14. As três disposições do ser humano para a personalidade ser racional capaz de responsabilidade: tornar-se pessoa exigências auto impostas pela razão - desprendimento e autonomia para a humanidade ser vivo e ser racional influências da sociedade e da comunidade de interesses para a animalidade ser vivo a natureza em nós: inclinações e necessidades sensíveis Disposição racionalDisposição sensível Disposição sensível
  15. 15. Como alcançar a vontade boa?  O corpo e a razão não têm as mesmas inclinações  A vontade fica sujeita a conflitos entre disposições  A vontade fica dividida entre o dever (motivações racionais) e o prazer (inclinações sensíveis)  A vontade pode escolher (é o livre-arbítrio)  Nem sempre escolhe o dever (a moralidade)
  16. 16. Vontade boa Devido aos conflitos entre as disposições a vida ética é uma luta Kant propõe como ideal moral o esforço para transformar a vontade dividida e imperfeita numa vontade boa, isto é, numa vontade que se determine a agir por dever Só a escolha do dever por dever permite transformar a vontade numa vontade boa
  17. 17. Dever e lei moral – imperativo categórico da moralidade O que é agir por dever? É orientar-se pela disposição para a personalidade, e consiste na elaboração de leis racionais a que a própria Razão se submete (autonomia) O dever é o respeito pela lei moral
  18. 18. Duas coisas enchem o meu coração de admiração: o céu estrelado por cima de mim e a lei moral em mim. Kant, Crítica da Razão Prática Vincente van Gog (1853-1890), Noite estrelada Heitor Villa Lobos, Noite estrelada
  19. 19. As leis da razão e as leis da natureza valem universalmente As leis naturais são descritivas – dizem como a natureza funciona As leis morais são prescritivas (normativas) – prescrevem um comportamento – são incondicionais e absolutas – são um imperativo categórico (uma ordem incondicional)
  20. 20. Enunciado do Imperativo Categórico Age apenas segundo uma máxima tal que possas, ao mesmo tempo, querer que ela se torne lei universal  É uma ordem incondicional  Impõe a acção como necessária, fim em si mesma
  21. 21. Imperativo categórico Significa que  A regra particular (máxima) que seguimos deve poder ser aceite por todos os seres racionais – universalização  A universalização da máxima garante a imparcialidade e a independência do agente em relação aos seus interesses particulares  A universalização da máxima torna-a acção boa (moral)
  22. 22. Moralidade, autonomia e dignidade humana >>> A opção pela moralidade permite ao indivíduo tornar-se ser moral ou pessoa, conferindo-lhe dignidade e valor absoluto. Diz Kant A moralidade é a única condição que pode fazer de um ser racional um fim em si mesmo; a moralidade, e a humanidade, enquanto capaz de moralidade, são as únicas coisas que têm dignidade. Podemos agora explicar-nos facilmente (pois) sucede que possamos achar simultaneamente uma certa sublimidade e dignidade na pessoa que cumpre todos os seus deveres. Pensar Azul, p. 114
  23. 23. Moralidade, autonomia e dignidade humana Pois enquanto ela está submetida à lei moral não há nela sublimidade alguma; mas há-a sim na medida em que ela é ao mesmo tempo legisladora em relação a essa lei moral e só por isso lhe está subordinada. Não é nem o medo nem a inclinação mas tão somente o respeito à lei, que constitui o móbil [motivo] que pode dar à acção um valor moral. Só esta vontade que nos é possível [representar] na ideia é o objecto próprio do respeito, e a dignidade da humanidade consiste precisamente nesta capacidade de ser legislador universal, se bem que com a condição de estar ao mesmo tempo submetido a essa mesma legislação. Kant, Fundamentação da Metafísica dos Costumes
  24. 24. Tese defendida no texto A vontade é digna de respeito quando se subordinar a «uma legislação universal» que ela própria elaborou, pois: é legisladora universal só tem de obedecer à razão (à lei que impõe a si mesma) não está dependente das inclinações sensíveis (as disposições para a animalidade e para a humanidade)
  25. 25. Autonomia Kant chama autonomia à propriedade da vontade de se constituir como a sua própria lei; A autonomia da vontade é o princípio supremo da moralidade e o fundamento da dignidade e do respeito devido ao ser moral ou pessoa
  26. 26. Fundamento e critério de moralidade >>> Perguntas  qual o fundamento da moralidade das acções?  qual o critério para avaliar a moralidade das acções? Segundo Kant O fundamento da moralidade é a racionalidade, i.e. , a autonomia da vontade Isso implica:  cumprimento do dever por dever  independência face às disposições sensíveis  opção pela personalidade
  27. 27. Fundamento e critério de moralidade O critério para identificar uma acção como boa é o carácter incondicional e universalizável da máxima que determina a escolha, ou seja, o carácter racional da lei moral
  28. 28. Organograma conceptual Ser Humano (pessoa) fim em si mesmo vontade boa autonomiaacção por interesse, não por dever acção moral (por dever)o móbil são as inclinações sensíveis devercumpre a lei lei moral racional imperativo categórico acção legal ↓ Disposição para a ◄ personalidade ↓ Disposição para a ◄ humanidade ► Disposição para a animalidade ► Ser Humano Uma teoria deontológica a ética racional de KANT

×