SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
A necessidade de fundamentação da moral
 análise comparativa de duas perspectivas
filosóficas (as teorias éticas de Kant e Mill)



               INTRODUÇÃO
A necessidade de fundamentação da moral

       O que se entende por necessidade de
             fundamentação da moral?
• Entende – se estabelecer um critério, uma base
  que distinga uma acção boa ou moralmente
  correcta de uma acção má ou moralmente
  incorrecta. A necessidade de fundamentar a
  moral é a necessidade de encontrar esse critério,
  essa forma de distinguir o que é certo do que é
  moralmente errado.
A necessidade de fundamentação da moral

O problema da fundamentação da moral
  costuma colocar – se mediante as seguintes
  questões:
1.Como distinguir o bem do mal?
2. Como distinguir o moralmente correcto do
  moralmente incorrecto?
3.Em que consiste o valor moral de uma acção?
A necessidade de fundamentação da moral


Os dois critérios mais frequentemente
 apresentados para distinguir o correcto do
 incorrecto:
1.A intenção.
2.As consequências ou resultados da acção.
As duas teorias que vamos estudar (a teoria
  deontológica de Kant e a teoria utilitarista de
  Mill) distinguem – se pelo valor que atribuem a
  cada um dos critérios.
A necessidade de fundamentação da moral

Que relação existe entre juízos ou normas morais e teorias
  éticas?
                    «O Mário agiu mal porque roubou».
Trata-se de um juízo moral porque avalia a correcção moral de um acto.
   Muito frequentemente, ajuizamos o valor moral de um acto
   confrontando-o com uma determinada regra ou norma moral. Se o acto
   cumpre essa regra é correcto, se não a cumpre é errado.A norma violada
   neste caso foi: «Não se deve roubar».
Se perguntássemos por que razão não cumprir a referida regra foi errado,
   alguém poderia responder-nos: «Foi errado não cumprir a regra porque
   as consequências foram más». O que fez quem nos respondeu assim?
   Utilizou um critério mais geral do que qualquer das normas morais que
   conhecemos e avaliou a acção referindo-se ao seguinte princípio ético:
   «São erradas as acções que têm más consequências e certas as que têm
   boas consequências».
A necessidade de fundamentação da moral

             Para que servem então as teorias éticas?
   Para reduzir a diversidade das normas morais concretas a um princípio
   geral, denominado fundamento, que nos diz como devemos agir.
Este princípio geral não substitui as normas morais. Unicamente nos diz
   quando é correcto cumpri – las. Segundo Kant, é sempre errado roubar,
   matar ou mentir e não tem valor moral as acções em que não se cumpre
   o dever pelo dever. «Cumprir o dever pelo dever» é o princípio ético
   básico da ética de Kant. Segundo Mill, nem sempre aqueles actos são
   errados. Tudo depende das consequências da acção para o maioria dos
   envolvidos. «A acção boa é a que tem boas consequências para o maior
   número é o princípio ético básico da teoria utilitarista de Mill.
A maioria das pessoas, tenha ou não consciência explícita disso, baseia as
   suas avaliações morais em teorias éticas. É frequente ouvir-se dizer que
   «As boas intenções fazem as boas acções», que «A árvore se conhece
   pelos frutos» ou que «De boas intenções está o inferno cheio».

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millA filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millFilazambuja
 
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de millComparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de millLuis De Sousa Rodrigues
 
Fundamentação da moral
Fundamentação da moral Fundamentação da moral
Fundamentação da moral Marco Casquinha
 
Filosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresFilosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresInesTeixeiraDuarte
 
Teoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsTeoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsFilazambuja
 
As éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kantAs éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kantFilipe Prado
 
A teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart MillA teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart MillOtávio Augusto Padilha
 
3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvjIsabel Moura
 
Posições sobre o livre arbítrio
Posições sobre o livre arbítrioPosições sobre o livre arbítrio
Posições sobre o livre arbítrioFilazambuja
 
Rm vs objetivismo moral
Rm vs objetivismo moralRm vs objetivismo moral
Rm vs objetivismo moralIsabel Moura
 
Determinismo_moderado
Determinismo_moderadoDeterminismo_moderado
Determinismo_moderadoIsabel Moura
 
Relativismo e Subjetivismo Moral
Relativismo e Subjetivismo MoralRelativismo e Subjetivismo Moral
Relativismo e Subjetivismo MoralJorge Lopes
 
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoDeterminismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoAntónio Daniel
 
A filosofia moral de kant
A filosofia moral de kantA filosofia moral de kant
A filosofia moral de kantFilazambuja
 
A representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesA representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesCristina Martins
 
Determinismo Radical
Determinismo RadicalDeterminismo Radical
Determinismo Radicalpauloricardom
 
Determinismo_radical
Determinismo_radicalDeterminismo_radical
Determinismo_radicalIsabel Moura
 

Mais procurados (20)

Kant e Stuart Mill
Kant e Stuart MillKant e Stuart Mill
Kant e Stuart Mill
 
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millA filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
 
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de millComparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de mill
 
Fundamentação da moral
Fundamentação da moral Fundamentação da moral
Fundamentação da moral
 
Filosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresFilosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os Valores
 
Teoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsTeoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawls
 
As éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kantAs éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kant
 
A teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de millA teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de mill
 
A teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart MillA teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart Mill
 
3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj
 
Posições sobre o livre arbítrio
Posições sobre o livre arbítrioPosições sobre o livre arbítrio
Posições sobre o livre arbítrio
 
Rm vs objetivismo moral
Rm vs objetivismo moralRm vs objetivismo moral
Rm vs objetivismo moral
 
Determinismo_moderado
Determinismo_moderadoDeterminismo_moderado
Determinismo_moderado
 
Relativismo e Subjetivismo Moral
Relativismo e Subjetivismo MoralRelativismo e Subjetivismo Moral
Relativismo e Subjetivismo Moral
 
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoDeterminismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
 
A filosofia moral de kant
A filosofia moral de kantA filosofia moral de kant
A filosofia moral de kant
 
A representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesA representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de Camões
 
Determinismo Radical
Determinismo RadicalDeterminismo Radical
Determinismo Radical
 
Determinismo_radical
Determinismo_radicalDeterminismo_radical
Determinismo_radical
 
Stuart mill
Stuart millStuart mill
Stuart mill
 

Destaque

Ninguém nasce moral
Ninguém nasce moralNinguém nasce moral
Ninguém nasce moralGenario Silva
 
Diferença entre moral e ética
Diferença entre moral e éticaDiferença entre moral e ética
Diferença entre moral e éticaKarla Carioca
 
Esquema conteúdos norma moral e intenção ética
Esquema conteúdos norma moral e intenção éticaEsquema conteúdos norma moral e intenção ética
Esquema conteúdos norma moral e intenção éticaFilazambuja
 
Filosofia 10ºano
Filosofia   10ºanoFilosofia   10ºano
Filosofia 10ºanoMissManson
 
Filosofia 10ºa
Filosofia 10ºaFilosofia 10ºa
Filosofia 10ºaRui Neto
 
Esquema comparativo das éticas de kant e de mill
Esquema comparativo das éticas de kant e de millEsquema comparativo das éticas de kant e de mill
Esquema comparativo das éticas de kant e de millLuis De Sousa Rodrigues
 
A ética deontológica de kant
A ética deontológica de kantA ética deontológica de kant
A ética deontológica de kantAnaKlein1
 
Ética deontológica e teleológica
Ética deontológica e teleológicaÉtica deontológica e teleológica
Ética deontológica e teleológicaHelena Serrão
 
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart Mill
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart MillOs fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart Mill
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart MillHelena Serrão
 
Ética deontológia versus ética utilitarista
Ética deontológia versus ética utilitaristaÉtica deontológia versus ética utilitarista
Ética deontológia versus ética utilitaristaHelena Serrão
 
Dimensão Ético-Politica
Dimensão Ético-PoliticaDimensão Ético-Politica
Dimensão Ético-PoliticaJorge Barbosa
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Juizo Moral
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Juizo MoralSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Juizo Moral
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Juizo MoralTurma Olímpica
 

Destaque (17)

Ninguém nasce moral
Ninguém nasce moralNinguém nasce moral
Ninguém nasce moral
 
éTica e moral
éTica e moral éTica e moral
éTica e moral
 
Diferença entre moral e ética
Diferença entre moral e éticaDiferença entre moral e ética
Diferença entre moral e ética
 
Filosofia 4
Filosofia 4Filosofia 4
Filosofia 4
 
Esquema conteúdos norma moral e intenção ética
Esquema conteúdos norma moral e intenção éticaEsquema conteúdos norma moral e intenção ética
Esquema conteúdos norma moral e intenção ética
 
Filosofia 10ºano
Filosofia   10ºanoFilosofia   10ºano
Filosofia 10ºano
 
Filosofia 10ºa
Filosofia 10ºaFilosofia 10ºa
Filosofia 10ºa
 
Ética e Deontologia
Ética e DeontologiaÉtica e Deontologia
Ética e Deontologia
 
Esquema comparativo das éticas de kant e de mill
Esquema comparativo das éticas de kant e de millEsquema comparativo das éticas de kant e de mill
Esquema comparativo das éticas de kant e de mill
 
A ética deontológica de kant
A ética deontológica de kantA ética deontológica de kant
A ética deontológica de kant
 
Ética deontológica e teleológica
Ética deontológica e teleológicaÉtica deontológica e teleológica
Ética deontológica e teleológica
 
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart Mill
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart MillOs fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart Mill
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart Mill
 
Ética deontológia versus ética utilitarista
Ética deontológia versus ética utilitaristaÉtica deontológia versus ética utilitarista
Ética deontológia versus ética utilitarista
 
Dimensão Ético-Politica
Dimensão Ético-PoliticaDimensão Ético-Politica
Dimensão Ético-Politica
 
A moral de Kant
A moral de KantA moral de Kant
A moral de Kant
 
Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e ética
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Juizo Moral
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Juizo MoralSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Juizo Moral
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Juizo Moral
 

Semelhante a Kant vs Mill: fundamentos morais

A necessidade de fundamentação da moral introdução
A necessidade de fundamentação da moral   introduçãoA necessidade de fundamentação da moral   introdução
A necessidade de fundamentação da moral introduçãoLuis De Sousa Rodrigues
 
Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores
Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores
Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores Sara Cacais
 
O que torna uma ação moralmente correta.pptx
O que torna uma ação moralmente correta.pptxO que torna uma ação moralmente correta.pptx
O que torna uma ação moralmente correta.pptxFreiheit Ribeiro
 
A lei moral segundo kant
A lei moral segundo kantA lei moral segundo kant
A lei moral segundo kantCelina Silva
 
Ppt 10º b regs 14 e 15 corrigido
Ppt 10º b regs 14 e 15 corrigidoPpt 10º b regs 14 e 15 corrigido
Ppt 10º b regs 14 e 15 corrigidoj_sdias
 
(Microsoft power point
(Microsoft power point  (Microsoft power point
(Microsoft power point Julia Martins
 
Teoria da Administração - Ética e RSC.ppt
Teoria da Administração - Ética e RSC.pptTeoria da Administração - Ética e RSC.ppt
Teoria da Administração - Ética e RSC.pptPedroLuis216164
 
Ética e o profissional da educação
Ética e o profissional da educaçãoÉtica e o profissional da educação
Ética e o profissional da educaçãoGerisval Pessoa
 
212 977 aplicando filosofias morais à ética nos negócios
212 977 aplicando filosofias morais à ética nos negócios212 977 aplicando filosofias morais à ética nos negócios
212 977 aplicando filosofias morais à ética nos negóciosJuliano César
 
49204367 a-teoria-etica-de-kant-questoes-de-escolha-multipla
49204367 a-teoria-etica-de-kant-questoes-de-escolha-multipla49204367 a-teoria-etica-de-kant-questoes-de-escolha-multipla
49204367 a-teoria-etica-de-kant-questoes-de-escolha-multiplaCarla Castro
 
éTica Kantiana
éTica KantianaéTica Kantiana
éTica KantianaJNR
 

Semelhante a Kant vs Mill: fundamentos morais (20)

A necessidade de fundamentação da moral introdução
A necessidade de fundamentação da moral   introduçãoA necessidade de fundamentação da moral   introdução
A necessidade de fundamentação da moral introdução
 
éTica de kant e de stuart mill
éTica de kant e de stuart milléTica de kant e de stuart mill
éTica de kant e de stuart mill
 
Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores
Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores
Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores
 
Ética moral e valores
Ética moral e valoresÉtica moral e valores
Ética moral e valores
 
O que torna uma ação moralmente correta.pptx
O que torna uma ação moralmente correta.pptxO que torna uma ação moralmente correta.pptx
O que torna uma ação moralmente correta.pptx
 
A lei moral segundo kant
A lei moral segundo kantA lei moral segundo kant
A lei moral segundo kant
 
Objetivos Filosofia
Objetivos FilosofiaObjetivos Filosofia
Objetivos Filosofia
 
Ppt 10º b regs 14 e 15 corrigido
Ppt 10º b regs 14 e 15 corrigidoPpt 10º b regs 14 e 15 corrigido
Ppt 10º b regs 14 e 15 corrigido
 
(Microsoft power point
(Microsoft power point  (Microsoft power point
(Microsoft power point
 
01. ética, moral e valores
01. ética, moral e valores01. ética, moral e valores
01. ética, moral e valores
 
Ética no trabalho
Ética no trabalhoÉtica no trabalho
Ética no trabalho
 
Teoria da Administração - Ética e RSC.ppt
Teoria da Administração - Ética e RSC.pptTeoria da Administração - Ética e RSC.ppt
Teoria da Administração - Ética e RSC.ppt
 
1222978084 tica e_moral
1222978084 tica e_moral1222978084 tica e_moral
1222978084 tica e_moral
 
eticadekant.pdf
eticadekant.pdfeticadekant.pdf
eticadekant.pdf
 
Deontologia pronto
Deontologia prontoDeontologia pronto
Deontologia pronto
 
CP5
CP5CP5
CP5
 
Ética e o profissional da educação
Ética e o profissional da educaçãoÉtica e o profissional da educação
Ética e o profissional da educação
 
212 977 aplicando filosofias morais à ética nos negócios
212 977 aplicando filosofias morais à ética nos negócios212 977 aplicando filosofias morais à ética nos negócios
212 977 aplicando filosofias morais à ética nos negócios
 
49204367 a-teoria-etica-de-kant-questoes-de-escolha-multipla
49204367 a-teoria-etica-de-kant-questoes-de-escolha-multipla49204367 a-teoria-etica-de-kant-questoes-de-escolha-multipla
49204367 a-teoria-etica-de-kant-questoes-de-escolha-multipla
 
éTica Kantiana
éTica KantianaéTica Kantiana
éTica Kantiana
 

Mais de Luis De Sousa Rodrigues (20)

O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofiaO essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
 
Unidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebroUnidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebro
 
Tipos de vinculação
Tipos de vinculaçãoTipos de vinculação
Tipos de vinculação
 
Tipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagemTipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagem
 
Teorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoçõesTeorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoções
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Raízes da vinculação
Raízes da vinculaçãoRaízes da vinculação
Raízes da vinculação
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
 
Perturbações da vinculação
Perturbações da vinculaçãoPerturbações da vinculação
Perturbações da vinculação
 
Perceção e gestalt
Perceção e gestaltPerceção e gestalt
Perceção e gestalt
 
Os processos emocionais
Os processos emocionaisOs processos emocionais
Os processos emocionais
 
Os grupos
Os gruposOs grupos
Os grupos
 
O sistema nervoso
O sistema nervosoO sistema nervoso
O sistema nervoso
 
O que nos torna humanos
O que nos torna humanosO que nos torna humanos
O que nos torna humanos
 
Maslow e a motivação
Maslow e a motivaçãoMaslow e a motivação
Maslow e a motivação
 
Lateralidade cerebral
Lateralidade cerebralLateralidade cerebral
Lateralidade cerebral
 
Freud 9
Freud 9Freud 9
Freud 9
 
Freud 8
Freud 8Freud 8
Freud 8
 
Freud 7
Freud 7Freud 7
Freud 7
 
Freud 6
Freud 6Freud 6
Freud 6
 

Kant vs Mill: fundamentos morais

  • 1. A necessidade de fundamentação da moral análise comparativa de duas perspectivas filosóficas (as teorias éticas de Kant e Mill) INTRODUÇÃO
  • 2. A necessidade de fundamentação da moral O que se entende por necessidade de fundamentação da moral? • Entende – se estabelecer um critério, uma base que distinga uma acção boa ou moralmente correcta de uma acção má ou moralmente incorrecta. A necessidade de fundamentar a moral é a necessidade de encontrar esse critério, essa forma de distinguir o que é certo do que é moralmente errado.
  • 3. A necessidade de fundamentação da moral O problema da fundamentação da moral costuma colocar – se mediante as seguintes questões: 1.Como distinguir o bem do mal? 2. Como distinguir o moralmente correcto do moralmente incorrecto? 3.Em que consiste o valor moral de uma acção?
  • 4. A necessidade de fundamentação da moral Os dois critérios mais frequentemente apresentados para distinguir o correcto do incorrecto: 1.A intenção. 2.As consequências ou resultados da acção. As duas teorias que vamos estudar (a teoria deontológica de Kant e a teoria utilitarista de Mill) distinguem – se pelo valor que atribuem a cada um dos critérios.
  • 5. A necessidade de fundamentação da moral Que relação existe entre juízos ou normas morais e teorias éticas? «O Mário agiu mal porque roubou». Trata-se de um juízo moral porque avalia a correcção moral de um acto. Muito frequentemente, ajuizamos o valor moral de um acto confrontando-o com uma determinada regra ou norma moral. Se o acto cumpre essa regra é correcto, se não a cumpre é errado.A norma violada neste caso foi: «Não se deve roubar». Se perguntássemos por que razão não cumprir a referida regra foi errado, alguém poderia responder-nos: «Foi errado não cumprir a regra porque as consequências foram más». O que fez quem nos respondeu assim? Utilizou um critério mais geral do que qualquer das normas morais que conhecemos e avaliou a acção referindo-se ao seguinte princípio ético: «São erradas as acções que têm más consequências e certas as que têm boas consequências».
  • 6. A necessidade de fundamentação da moral Para que servem então as teorias éticas? Para reduzir a diversidade das normas morais concretas a um princípio geral, denominado fundamento, que nos diz como devemos agir. Este princípio geral não substitui as normas morais. Unicamente nos diz quando é correcto cumpri – las. Segundo Kant, é sempre errado roubar, matar ou mentir e não tem valor moral as acções em que não se cumpre o dever pelo dever. «Cumprir o dever pelo dever» é o princípio ético básico da ética de Kant. Segundo Mill, nem sempre aqueles actos são errados. Tudo depende das consequências da acção para o maioria dos envolvidos. «A acção boa é a que tem boas consequências para o maior número é o princípio ético básico da teoria utilitarista de Mill. A maioria das pessoas, tenha ou não consciência explícita disso, baseia as suas avaliações morais em teorias éticas. É frequente ouvir-se dizer que «As boas intenções fazem as boas acções», que «A árvore se conhece pelos frutos» ou que «De boas intenções está o inferno cheio».