SlideShare uma empresa Scribd logo
INFLUÊNCIA MORAL DOS MÉDIUNS,  INFLUÊNCIA DO MEIO SOBRE OS MÉDIUNS,  MEDIUNIDADE E PSICOTERAPIA  "É preciso que faça o bem no limite de suas forças, pois cada um responderá por todo o mal que haja resultado de não haver praticado o bem." (O Livro dos Espíritos - Questão 642)
INFLUÊNCIA MORAL DOS MEDIUNS
Dissertação do Espírito Erasto Sobre a Questão Moral : A faculdade mediúnica constitui campo de trabalho e não é nenhum privilégio.  Tanto criaturas dignas quanto indignas possuem essa faculdade. Portanto, o mérito não está em possuí-la e, sim, no uso que dela se fizer .  A boa qualidade do médium não está na facilidade das comunicações, mas sim, em sua aptidão para só receber as boas.  Há Espíritos de todas as condições, como diz Kardec (LE, questão nº 100). Eles estão ao derredor do homem e muitas vezes o observam para verificar suas intenções.  O adágio  "Quem se parece se reúne"  (Revista Espírita, ano 1859) aplica-se tanto aos Espíritos quanto aos encarnados. É todo um processo de associação de correntes mentais, de afinidade, de sintonia.
O pensamento é o elo que une os Espíritos e os homens, e é por ele que as almas se atraem e se afinam nas idéias e inclinações:  "Semelhante atrai semelhante".  Por isso, as qualidades morais dos médiuns têm influência capital sobre a natureza das comunicações.  Os Espíritos inferiores encontrando no médium poucas condições morais, aproveitar-se-ão de todas as falhas. Eles intrometem-se nas comunicações, chegando mesmo a provocá-las. Está na vontade e conduta do médium permitir ou não esta influência.  Os Espíritos elevados escolherão para intermediário criaturas que possuem condições morais, para transmitirem suas mensagens, porém, se não encontrarem o instrumento adequado, se servirão, momentaneamente, de um imperfeito. Isso ocorre para que a lição seja proveitosa a todos os que tomem conhecimento dela, encarnados ou desencarnados.
A perfeição absoluta na Terra é inexistente, e os bons médiuns são raros, mas aqueles que repelem os Espíritos inferiores estão procurando ser menos enganados, e perseverando para que tenham melhores condições de aproximar-se da perfeição.  As boas intenções e a moralidade nem sempre bastarão para impedir que Espíritos levianos possam intrometer-se nas comunicações com os médiuns. Essa possibilidade poderá acontecer se houver falhas no próprio Espírito e fraqueza de caráter e confiança exagerada nas comunicações recebidas.  Essas imperfeições são portas abertas para que, com muita sutileza, os Espíritos inferiores utilizem e explorem o orgulho do médium, um dos maiores escolhos da mediunidade. Muitas vezes, esse defeito de personalidade se desenvolve à medida que a faculdade aumenta, tornando-se um perigo muito grande para o médium, que poderá sofrer grandes decepções.
O bom medianeiro é aquele que está consciente de que sua faculdade deve somente ser utilizada para o bem e nunca se envaidecer por possuí-la. Esforça-se para aprimorar-se em bondade, benevolência, amor ao próximo, fortalecendo-se assim, em suas relações com o Mundo Espiritual Maior.  Todas as comunicações devem ser analisadas com bom senso, e o uso da razão permite verificar a sua veracidade. Espíritos elevados aconselham, não impõem; calam-se naquilo que ignoram, ao contrário dos Espíritos inferiores que muito falam.  Diz o Espírito Erasto (LM, 2ª Parte, cap. XX, item 230) que: "os médiuns, como médiuns, exercem influência secundária nas comunicações dos Espíritos. Sua tarefa é a de uma máquina elétrica, de transmissão telegráfica entre dois lugares distantes da Terra".
Complementa, ainda:  "Assim também como as influências atmosféricas freqüentemente atuam sobre as transmissões telegráficas e as perturbam, igualmente a influência moral do médium age e perturba, algumas vezes, a transmissão de nossos despachos de além-túmulo, porque somos obrigados a fazê-los atravessar um meio que lhes é contrário".  Termina Erasto dizendo que:  "a influência moral do médium se faz realmente sentir, quando ele substitui pelas que lhe são pessoais, as idéias que os Espíritos se esforçam por lhe sugerir; quando ele e, ainda, tira da da própria imaginação teorias fantásticas, que ele mesmo julga, de boa-fé, resultarem de uma comunicação intuitiva. Nesse caso, há mil possibilidades contra uma de que isso não passe de reflexo do próprio Espírito do médium. Acontece mesmo este fato curioso: a mão do médium se movimenta, às vezes, quase mecanicamente, impulsionada por um Espírito secundário e zombeteiro" .
INFLUÊNCIA DO MEIO SOBRE OS MÉDIUNS
Os Espíritos estão, incessantemente, ao redor do homem, em ligação mental, interferindo em suas ações, reuniões, seguindo-os, evitando-os, conforme seja sua afinidade fluídica, sua simpatia ou antipatia.  O médium é o intérprete, o instrumento dos Espíritos e sua faculdade mediúnica nada mais é do que um meio de comunicação.  Conseqüentemente, a ação do médium depende do meio em que se encontra, dos objetivos das reuniões, da elevação moral dos encarnados e desencarnados, da afinidade fluídica entre o médium e o Espírito comunicante, da boa ou má preparação do ambiente etc.  A reuniões fúteis comparecem Espíritos levianos e brincalhões; a reuniões sérias, Espíritos elevados.
Kardec perguntou se os Espíritos Superiores procuram encaminhar idéias sérias às reuniões fúteis. Como resposta, foi-lhe dito que:  "Os Espíritos Superiores não vão às reuniões onde sabem que a presença deles é inútil. Nos meios pouco instruídos mas onde há sinceridade de boa mente vamos, ainda mesmo que aí só instrumentos medíocres encontremos. Não vamos, porém, aos meios instruídos onde domina a ironia. Em tais meios, é necessário se fale aos ouvidos e aos olhos: esse é o papel dos Espíritos batedores e zombeteiros. Convém que aqueles que se orgulham da sua ciência sejam humilhados pelos Espíritos menos instruídos e menos adiantados".  O meio exerce enorme influência sobre a natureza das manifestações inteligentes. Meio, aqui, não é espaço, local, condição atmosférica ou ambiente, mas conjunto de qualidades morais e objetivos de Espíritos e encarnados interessados na reunião mediúnica.
Kardec afirma:  "Assim, onde quer que haja uma reunião de homens, há igualmente em torno deles uma assembléia oculta, que simpatiza com suas qualidades ou com seus defeitos”  A ação do médium é de fundamental importância para a formação desse "meio", que deverá influenciá-lo, porquanto  "os bons têm afinidade com os bons e os maus com os maus, donde se segue que as qualidades morais do médium exercem influência capital sobre a natureza dos Espíritos que por ele se comunicam” .  Como se viu na lição anterior,  "a bondade, a benevolência, a simplicidade do coração, o amor ao próximo, o desprendimento das coisas materiais"  são qualidades que atraem os Bons Espíritos e o  "orgulho, o egoísmo, a inveja, o ciúme, o ódio, a cupidez, a sensualidade e todas as paixões que escravizam o homem à matéria"  são defeitos que os afastam, mas que atraem os Espíritos inferiores.
Necessariamente, não basta que uma assembléia seja séria para receber comunicações de ordem elevada, como também não basta que seja fútil para ali só existirem comunicações fúteis.  Um Espírito elevado, se for evocado numa reunião fútil, poderá proferir ali palavras de elevação, como a um chamamento às ovelhas desgarradas, e, não sendo ouvido nem compreendido, afasta-se, deixando aos outros o campo livre. Em resumo, diz Kardec:  "As condições do meio serão tanto melhores, quanto mais homogeneidade houver para o bem, mais sentimentos puros e elevados, mais desejo sincero de instrução, sem idéias preconcebidas”
Para esse meio tornar-se melhor ainda, devem os participantes da assembléia preparar-se para o trabalho mediúnico:  mantendo pensamentos elevados, objetivos e sadios, e conversação construtiva;  evitando alimentação excessiva, bebidas alcoólicas, fumo;  tendo consciência do seu trabalho na ligação com os Espíritos; fazendo reforma íntima, evangelizando-se e mantendo alto padrão vibratório;  mantendo fidelidade aos compromissos assumidos.  Observadas essas condições, os serviços mediúnicos serão sempre protegidos pelos Bons Espíritos, em nome de Jesus, e a influenciação será sempre boa, pois,  "a prece, a meditação elevada, o pensamento edificante, refundem a atmosfera, purificando-a"  (André Luiz, Missionários da Luz).
MEDIUNIDADE E PSICOTERAPIA
Psicoterapia: Tratamento de doenças por métodos psicologicos como a persuasão, sugestão, hipnose e Psicanálise e os processos que dela derivam.  A finalidade da psicoterapia é restabelecer o equilíbrio emocional pertubado.  Diz Emmanuel :  "Os médiuns, como elementos de ligação entre a vida espiritual e o plano físico, serão sempre solicitados a dar uma palavra orientadora nas questões multiformes que afetam as pessoas que os procuram. Daí, a indicação de exercitarem alguns princípios de psicoterapia e relações humanas.
A intensa vida moderna, na Terra, generalizou a carência de roteiros, planos, programas e observações para as criaturas deprimidas, tímidas, céticas, recalcadas, frustradas em geral.  Na verdade, inicia-se o esforço na tarefa mediúnica pelo passe, pela psicofonia, pela psicografia ou pelas formas variadas de assistência aos sofredores da alma e do corpo; estudam-se algumas atitudes que favoreçam a manifestação das Entidades Amigas, no auxílio a terceiros, pelo conselho simples e natural.  Paciência e perseverança no bem devem estar conjugadas constantemente na expressão e na boa vontade.  Não demonstre estranheza ou perplexidade ante as revelações ouvidas, para que não esmoreça a confiança do coração que se abre a você.
Predisponha-se, com todos os recursos de seu campo mental, à simpatia pelos irmãos que lhe pedem a opinião, sem mostrar-se superior.  Cultive invariável atenção perante as confidências alheias, testemunhando o maior interesse afetivo pela solução aos problemas do interlocutor, seja ele quem for.  Envide esforços para que a criatura exponha em pormenores e calmamente o caso que lhe motiva a preocupação, a fim de que possa ajudá-la, através da mais ampla visão dos fatos.  Evite julgar ou censurar, precipitadamente, quem confia em você, mesmo com reprovações inarticuladas. Restrinja as indagações aos assuntos e momentos absolutamente necessários.
Pesquise os postulados básicos do Espiritismo, argumentando as ocorrências em exame sob o crivo do discernimento espírita e exaltando a responsabilidade pessoal ante a existência eterna. Sempre que possa, indique um núcleo de serviço espiritual compatível com as afinidades e necessidades da pessoa que comparece em busca de concurso fraterno.  Resguarde em segredo aquilo que não deva ser revelado mantendo discrição e respeito para com todos os nossos irmãos em experiência.  Jamais force resoluções taxativas, nesse ou naquele sentido, mas exponha os vários caminhos possíveis, com as suas conseqüências prováveis, e deixe que o livre-arbítrio dos companheiros escolha o que mais lhes convenha.
Sustente equilíbrio, entendimento e bondade em suas manifestações, para que a autoridade moral e espiritual lhe favoreça o trabalho.  Leia, constantemente, para melhorar seus processos de análise das almas e suas técnicas de expor as soluções mais justas, conforme o seu modo de entender.  Sobretudo, saiba que são inimagináveis as possibilidades de socorro de um encarnado confiante no Alto e consciente de seus recursos íntimos, quando ligado aos Bons Espíritos que nos estendem a inspiração e o amparo da Vida Superior".
BIBLIOGRAFIA Livro dos Espiritos.  Livro dos Médiuns.  Emmanuel - Seara dos médiuns Emmanuel - Roteiro.  Herculano Pires - Mediunidade.  Martins Peralva - Estudando a mediunidade.  André Luiz - Missionários da luz.  Edgard Annond - Mediunidade.  Emmanuel - Estude e viva.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila do Curso de Passe 2014
Apostila do Curso de Passe 2014Apostila do Curso de Passe 2014
Apostila do Curso de Passe 2014
Edna Costa
 
Terceiro Módulo - 14ª aula - Manifestações espirituais, o papel dos médiuns n...
Terceiro Módulo - 14ª aula - Manifestações espirituais, o papel dos médiuns n...Terceiro Módulo - 14ª aula - Manifestações espirituais, o papel dos médiuns n...
Terceiro Módulo - 14ª aula - Manifestações espirituais, o papel dos médiuns n...
CeiClarencio
 
Animismo (autoria desconhecida)
Animismo (autoria desconhecida)Animismo (autoria desconhecida)
Animismo (autoria desconhecida)
MJ
 
Espiritismo e mediunidade 07
Espiritismo e mediunidade  07Espiritismo e mediunidade  07
Espiritismo e mediunidade 07
Leonardo Pereira
 
05 classificação do médiuns
05   classificação do médiuns05   classificação do médiuns
05 classificação do médiuns
carlos freire
 
Desdobramento
DesdobramentoDesdobramento
Desdobramento
cab3032
 
Palestra laboratório do mundo invisível - seja - daura alves - 2012
Palestra   laboratório do mundo invisível - seja - daura alves - 2012Palestra   laboratório do mundo invisível - seja - daura alves - 2012
Palestra laboratório do mundo invisível - seja - daura alves - 2012
Daura Alves
 
Projeto manoel philomeno de miranda vivência mediúnica
Projeto manoel philomeno de miranda   vivência mediúnicaProjeto manoel philomeno de miranda   vivência mediúnica
Projeto manoel philomeno de miranda vivência mediúnica
Helio Cruz
 
8ª aula do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
8ª aula   do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem8ª aula   do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
8ª aula do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
Wagner Quadros
 
13ª aula da obsessão - conceitos e causas - coem
13ª aula   da obsessão - conceitos e causas - coem13ª aula   da obsessão - conceitos e causas - coem
13ª aula da obsessão - conceitos e causas - coem
Wagner Quadros
 
A comunicacao mediunica-eduardo_w
A comunicacao mediunica-eduardo_wA comunicacao mediunica-eduardo_w
A comunicacao mediunica-eduardo_w
carlos freire
 
Mediunidade e Obsessão na Infância
Mediunidade e Obsessão na InfânciaMediunidade e Obsessão na Infância
Mediunidade e Obsessão na Infância
Arlete Laenzlinger
 
Um olhar sobre o mundo espiritual
Um olhar sobre o mundo espiritualUm olhar sobre o mundo espiritual
Um olhar sobre o mundo espiritual
Sônia Marques
 
Aula Introdução a Mediunidade
Aula Introdução a MediunidadeAula Introdução a Mediunidade
Aula Introdução a Mediunidade
Mocidade Bezzerra de Menezes
 
3ª aula da natureza das comunicações - coem
3ª aula   da natureza das comunicações - coem3ª aula   da natureza das comunicações - coem
3ª aula da natureza das comunicações - coem
Wagner Quadros
 
Mediunidade
MediunidadeMediunidade
Mediunidade
Kleber Galo
 
Aula 6 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de transporte
Aula 6 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de transporteAula 6 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de transporte
Aula 6 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de transporte
Sergio Lima Dias Junior
 
Evocação
EvocaçãoEvocação
Evocação
Victor Passos
 
Mistificações, contradições e animismo
Mistificações, contradições e animismoMistificações, contradições e animismo
Mistificações, contradições e animismo
jcevadro
 
O médium e o exercício mediúnico
O médium e o exercício mediúnicoO médium e o exercício mediúnico
O médium e o exercício mediúnico
home
 

Mais procurados (20)

Apostila do Curso de Passe 2014
Apostila do Curso de Passe 2014Apostila do Curso de Passe 2014
Apostila do Curso de Passe 2014
 
Terceiro Módulo - 14ª aula - Manifestações espirituais, o papel dos médiuns n...
Terceiro Módulo - 14ª aula - Manifestações espirituais, o papel dos médiuns n...Terceiro Módulo - 14ª aula - Manifestações espirituais, o papel dos médiuns n...
Terceiro Módulo - 14ª aula - Manifestações espirituais, o papel dos médiuns n...
 
Animismo (autoria desconhecida)
Animismo (autoria desconhecida)Animismo (autoria desconhecida)
Animismo (autoria desconhecida)
 
Espiritismo e mediunidade 07
Espiritismo e mediunidade  07Espiritismo e mediunidade  07
Espiritismo e mediunidade 07
 
05 classificação do médiuns
05   classificação do médiuns05   classificação do médiuns
05 classificação do médiuns
 
Desdobramento
DesdobramentoDesdobramento
Desdobramento
 
Palestra laboratório do mundo invisível - seja - daura alves - 2012
Palestra   laboratório do mundo invisível - seja - daura alves - 2012Palestra   laboratório do mundo invisível - seja - daura alves - 2012
Palestra laboratório do mundo invisível - seja - daura alves - 2012
 
Projeto manoel philomeno de miranda vivência mediúnica
Projeto manoel philomeno de miranda   vivência mediúnicaProjeto manoel philomeno de miranda   vivência mediúnica
Projeto manoel philomeno de miranda vivência mediúnica
 
8ª aula do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
8ª aula   do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem8ª aula   do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
8ª aula do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
 
13ª aula da obsessão - conceitos e causas - coem
13ª aula   da obsessão - conceitos e causas - coem13ª aula   da obsessão - conceitos e causas - coem
13ª aula da obsessão - conceitos e causas - coem
 
A comunicacao mediunica-eduardo_w
A comunicacao mediunica-eduardo_wA comunicacao mediunica-eduardo_w
A comunicacao mediunica-eduardo_w
 
Mediunidade e Obsessão na Infância
Mediunidade e Obsessão na InfânciaMediunidade e Obsessão na Infância
Mediunidade e Obsessão na Infância
 
Um olhar sobre o mundo espiritual
Um olhar sobre o mundo espiritualUm olhar sobre o mundo espiritual
Um olhar sobre o mundo espiritual
 
Aula Introdução a Mediunidade
Aula Introdução a MediunidadeAula Introdução a Mediunidade
Aula Introdução a Mediunidade
 
3ª aula da natureza das comunicações - coem
3ª aula   da natureza das comunicações - coem3ª aula   da natureza das comunicações - coem
3ª aula da natureza das comunicações - coem
 
Mediunidade
MediunidadeMediunidade
Mediunidade
 
Aula 6 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de transporte
Aula 6 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de transporteAula 6 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de transporte
Aula 6 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de transporte
 
Evocação
EvocaçãoEvocação
Evocação
 
Mistificações, contradições e animismo
Mistificações, contradições e animismoMistificações, contradições e animismo
Mistificações, contradições e animismo
 
O médium e o exercício mediúnico
O médium e o exercício mediúnicoO médium e o exercício mediúnico
O médium e o exercício mediúnico
 

Semelhante a Quarto Módulo - 10ª influência moral dos médiuns, influencia do meio sobre os médiuns, mediunidade e psicoterapia

Quarto Módulo - 1ª aula - O médiun e suas aptidões
Quarto Módulo - 1ª aula - O médiun e suas aptidõesQuarto Módulo - 1ª aula - O médiun e suas aptidões
Quarto Módulo - 1ª aula - O médiun e suas aptidões
CeiClarencio
 
Da pratíca da mediunidade
Da pratíca da mediunidadeDa pratíca da mediunidade
Da pratíca da mediunidade
carlos freire
 
Influência do médium na comunicação
Influência do médium na comunicaçãoInfluência do médium na comunicação
Influência do médium na comunicação
Graça Maciel
 
( Espiritismo) # - influencia do meio
( Espiritismo)   # - influencia do meio( Espiritismo)   # - influencia do meio
( Espiritismo) # - influencia do meio
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Mediunidade e Obsessão - Doutrina Espírita
Mediunidade e Obsessão - Doutrina EspíritaMediunidade e Obsessão - Doutrina Espírita
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresEvangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Antonino Silva
 
( Espiritismo) # - amag ramgis - educacao e funcao dos mediuns
( Espiritismo)   # - amag ramgis - educacao e funcao dos mediuns( Espiritismo)   # - amag ramgis - educacao e funcao dos mediuns
( Espiritismo) # - amag ramgis - educacao e funcao dos mediuns
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Mediunidade (cefak)
Mediunidade (cefak)Mediunidade (cefak)
Mediunidade (cefak)
Ana Annunciação
 
Seminario_mediuns obsidiados.pptx
Seminario_mediuns obsidiados.pptxSeminario_mediuns obsidiados.pptx
Seminario_mediuns obsidiados.pptx
msdbiasi
 
SEMINÁRIO APRESENTAÇÃO FINAL.pptx
SEMINÁRIO APRESENTAÇÃO FINAL.pptxSEMINÁRIO APRESENTAÇÃO FINAL.pptx
SEMINÁRIO APRESENTAÇÃO FINAL.pptx
msdbiasi
 
Natureza das Reuniões Mediúnicas
Natureza das Reuniões MediúnicasNatureza das Reuniões Mediúnicas
Natureza das Reuniões Mediúnicas
Prof. Paulo Ratki
 
Mistificações
MistificaçõesMistificações
Mistificações
igmateus
 
( Espiritismo) # - influencia do meio
( Espiritismo)   # - influencia do meio( Espiritismo)   # - influencia do meio
( Espiritismo) # - influencia do meio
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Olm 101006-influência moral do médio-do meio-mediunidade nos animais
Olm 101006-influência moral do médio-do meio-mediunidade nos animaisOlm 101006-influência moral do médio-do meio-mediunidade nos animais
Olm 101006-influência moral do médio-do meio-mediunidade nos animais
Carlos Alberto Freire De Souza
 
A mediunidade e o seu despertar i
A mediunidade e o seu despertar  iA mediunidade e o seu despertar  i
A mediunidade e o seu despertar i
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Mediunidade Missao de amor e o evangellho do Cristo
Mediunidade Missao de amor e o  evangellho do Cristo Mediunidade Missao de amor e o  evangellho do Cristo
Mediunidade Missao de amor e o evangellho do Cristo
Claudio Macedo
 
Roteiro 2 mediunidade e médium
Roteiro 2   mediunidade e médiumRoteiro 2   mediunidade e médium
Roteiro 2 mediunidade e médium
Bruno Cechinel Filho
 
( Espiritismo) # - astolfo o o filho - a mediunidade e seus cuidados
( Espiritismo)   # - astolfo o o filho - a mediunidade e seus cuidados( Espiritismo)   # - astolfo o o filho - a mediunidade e seus cuidados
( Espiritismo) # - astolfo o o filho - a mediunidade e seus cuidados
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Aula 4 mediunidade e moral
Aula 4   mediunidade e moralAula 4   mediunidade e moral
Aula 4 mediunidade e moral
EHMANA
 
Terceiro Módulo - 6ª aula - Influência moral do médium
Terceiro Módulo - 6ª aula - Influência moral do médiumTerceiro Módulo - 6ª aula - Influência moral do médium
Terceiro Módulo - 6ª aula - Influência moral do médium
CeiClarencio
 

Semelhante a Quarto Módulo - 10ª influência moral dos médiuns, influencia do meio sobre os médiuns, mediunidade e psicoterapia (20)

Quarto Módulo - 1ª aula - O médiun e suas aptidões
Quarto Módulo - 1ª aula - O médiun e suas aptidõesQuarto Módulo - 1ª aula - O médiun e suas aptidões
Quarto Módulo - 1ª aula - O médiun e suas aptidões
 
Da pratíca da mediunidade
Da pratíca da mediunidadeDa pratíca da mediunidade
Da pratíca da mediunidade
 
Influência do médium na comunicação
Influência do médium na comunicaçãoInfluência do médium na comunicação
Influência do médium na comunicação
 
( Espiritismo) # - influencia do meio
( Espiritismo)   # - influencia do meio( Espiritismo)   # - influencia do meio
( Espiritismo) # - influencia do meio
 
Mediunidade e Obsessão - Doutrina Espírita
Mediunidade e Obsessão - Doutrina EspíritaMediunidade e Obsessão - Doutrina Espírita
Mediunidade e Obsessão - Doutrina Espírita
 
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresEvangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
 
( Espiritismo) # - amag ramgis - educacao e funcao dos mediuns
( Espiritismo)   # - amag ramgis - educacao e funcao dos mediuns( Espiritismo)   # - amag ramgis - educacao e funcao dos mediuns
( Espiritismo) # - amag ramgis - educacao e funcao dos mediuns
 
Mediunidade (cefak)
Mediunidade (cefak)Mediunidade (cefak)
Mediunidade (cefak)
 
Seminario_mediuns obsidiados.pptx
Seminario_mediuns obsidiados.pptxSeminario_mediuns obsidiados.pptx
Seminario_mediuns obsidiados.pptx
 
SEMINÁRIO APRESENTAÇÃO FINAL.pptx
SEMINÁRIO APRESENTAÇÃO FINAL.pptxSEMINÁRIO APRESENTAÇÃO FINAL.pptx
SEMINÁRIO APRESENTAÇÃO FINAL.pptx
 
Natureza das Reuniões Mediúnicas
Natureza das Reuniões MediúnicasNatureza das Reuniões Mediúnicas
Natureza das Reuniões Mediúnicas
 
Mistificações
MistificaçõesMistificações
Mistificações
 
( Espiritismo) # - influencia do meio
( Espiritismo)   # - influencia do meio( Espiritismo)   # - influencia do meio
( Espiritismo) # - influencia do meio
 
Olm 101006-influência moral do médio-do meio-mediunidade nos animais
Olm 101006-influência moral do médio-do meio-mediunidade nos animaisOlm 101006-influência moral do médio-do meio-mediunidade nos animais
Olm 101006-influência moral do médio-do meio-mediunidade nos animais
 
A mediunidade e o seu despertar i
A mediunidade e o seu despertar  iA mediunidade e o seu despertar  i
A mediunidade e o seu despertar i
 
Mediunidade Missao de amor e o evangellho do Cristo
Mediunidade Missao de amor e o  evangellho do Cristo Mediunidade Missao de amor e o  evangellho do Cristo
Mediunidade Missao de amor e o evangellho do Cristo
 
Roteiro 2 mediunidade e médium
Roteiro 2   mediunidade e médiumRoteiro 2   mediunidade e médium
Roteiro 2 mediunidade e médium
 
( Espiritismo) # - astolfo o o filho - a mediunidade e seus cuidados
( Espiritismo)   # - astolfo o o filho - a mediunidade e seus cuidados( Espiritismo)   # - astolfo o o filho - a mediunidade e seus cuidados
( Espiritismo) # - astolfo o o filho - a mediunidade e seus cuidados
 
Aula 4 mediunidade e moral
Aula 4   mediunidade e moralAula 4   mediunidade e moral
Aula 4 mediunidade e moral
 
Terceiro Módulo - 6ª aula - Influência moral do médium
Terceiro Módulo - 6ª aula - Influência moral do médiumTerceiro Módulo - 6ª aula - Influência moral do médium
Terceiro Módulo - 6ª aula - Influência moral do médium
 

Mais de CeiClarencio

Primeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificação
Primeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificaçãoPrimeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificação
Primeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificação
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinitoPrimeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aula 3 - Elementos gerais do universo - Deus
Primeiro Módulo - Aula 3 - Elementos gerais do universo - DeusPrimeiro Módulo - Aula 3 - Elementos gerais do universo - Deus
Primeiro Módulo - Aula 3 - Elementos gerais do universo - Deus
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aula 4 - Criação
Primeiro Módulo - Aula 4 - CriaçãoPrimeiro Módulo - Aula 4 - Criação
Primeiro Módulo - Aula 4 - Criação
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aula 5 - Principio vital
Primeiro Módulo - Aula 5 - Principio vitalPrimeiro Módulo - Aula 5 - Principio vital
Primeiro Módulo - Aula 5 - Principio vital
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aula 6 - Espirítos
Primeiro Módulo - Aula 6 - EspirítosPrimeiro Módulo - Aula 6 - Espirítos
Primeiro Módulo - Aula 6 - Espirítos
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aulas 7 e 8 - Perispirito e centros de força
Primeiro Módulo - Aulas 7 e 8 - Perispirito e centros de forçaPrimeiro Módulo - Aulas 7 e 8 - Perispirito e centros de força
Primeiro Módulo - Aulas 7 e 8 - Perispirito e centros de força
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aula 9 - Encarnação dos espiritos
Primeiro Módulo - Aula 9 - Encarnação dos espiritosPrimeiro Módulo - Aula 9 - Encarnação dos espiritos
Primeiro Módulo - Aula 9 - Encarnação dos espiritos
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aulas 10 e 11 - Retorno da vida corporal e pluralidade das ...
Primeiro Módulo - Aulas 10 e 11 - Retorno da vida corporal e pluralidade das ...Primeiro Módulo - Aulas 10 e 11 - Retorno da vida corporal e pluralidade das ...
Primeiro Módulo - Aulas 10 e 11 - Retorno da vida corporal e pluralidade das ...
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aula 12 - Pluralidade das existencias
Primeiro Módulo - Aula 12 - Pluralidade das existenciasPrimeiro Módulo - Aula 12 - Pluralidade das existencias
Primeiro Módulo - Aula 12 - Pluralidade das existencias
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aula 13 - Resusurreição e reencarnação
Primeiro Módulo - Aula 13 - Resusurreição e reencarnaçãoPrimeiro Módulo - Aula 13 - Resusurreição e reencarnação
Primeiro Módulo - Aula 13 - Resusurreição e reencarnação
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aula 14 - Vida espiritual
Primeiro Módulo - Aula 14 - Vida espiritualPrimeiro Módulo - Aula 14 - Vida espiritual
Primeiro Módulo - Aula 14 - Vida espiritual
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da almaPrimeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aula 16 - Intervenção dos espiritos no mundo corporal
Primeiro Módulo - Aula 16 - Intervenção dos espiritos no mundo corporalPrimeiro Módulo - Aula 16 - Intervenção dos espiritos no mundo corporal
Primeiro Módulo - Aula 16 - Intervenção dos espiritos no mundo corporal
CeiClarencio
 
Segundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturais
Segundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturaisSegundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturais
Segundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturais
CeiClarencio
 
Segundo Módulo - Aula 03 - Lei do trabalho
Segundo Módulo - Aula 03 - Lei do trabalhoSegundo Módulo - Aula 03 - Lei do trabalho
Segundo Módulo - Aula 03 - Lei do trabalho
CeiClarencio
 
Segundo Módulo - Aula 04 - Lei da reprodução
Segundo Módulo - Aula 04 - Lei da reproduçãoSegundo Módulo - Aula 04 - Lei da reprodução
Segundo Módulo - Aula 04 - Lei da reprodução
CeiClarencio
 
Segundo Módulo - Aula 05 - Lei de conservação
Segundo Módulo - Aula 05 - Lei de conservaçãoSegundo Módulo - Aula 05 - Lei de conservação
Segundo Módulo - Aula 05 - Lei de conservação
CeiClarencio
 
Segundo Módulo - Aula 06 - Lei da destruição
Segundo Módulo - Aula 06 - Lei da destruiçãoSegundo Módulo - Aula 06 - Lei da destruição
Segundo Módulo - Aula 06 - Lei da destruição
CeiClarencio
 
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedadeSegundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
CeiClarencio
 

Mais de CeiClarencio (20)

Primeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificação
Primeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificaçãoPrimeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificação
Primeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificação
 
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinitoPrimeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
 
Primeiro Módulo - Aula 3 - Elementos gerais do universo - Deus
Primeiro Módulo - Aula 3 - Elementos gerais do universo - DeusPrimeiro Módulo - Aula 3 - Elementos gerais do universo - Deus
Primeiro Módulo - Aula 3 - Elementos gerais do universo - Deus
 
Primeiro Módulo - Aula 4 - Criação
Primeiro Módulo - Aula 4 - CriaçãoPrimeiro Módulo - Aula 4 - Criação
Primeiro Módulo - Aula 4 - Criação
 
Primeiro Módulo - Aula 5 - Principio vital
Primeiro Módulo - Aula 5 - Principio vitalPrimeiro Módulo - Aula 5 - Principio vital
Primeiro Módulo - Aula 5 - Principio vital
 
Primeiro Módulo - Aula 6 - Espirítos
Primeiro Módulo - Aula 6 - EspirítosPrimeiro Módulo - Aula 6 - Espirítos
Primeiro Módulo - Aula 6 - Espirítos
 
Primeiro Módulo - Aulas 7 e 8 - Perispirito e centros de força
Primeiro Módulo - Aulas 7 e 8 - Perispirito e centros de forçaPrimeiro Módulo - Aulas 7 e 8 - Perispirito e centros de força
Primeiro Módulo - Aulas 7 e 8 - Perispirito e centros de força
 
Primeiro Módulo - Aula 9 - Encarnação dos espiritos
Primeiro Módulo - Aula 9 - Encarnação dos espiritosPrimeiro Módulo - Aula 9 - Encarnação dos espiritos
Primeiro Módulo - Aula 9 - Encarnação dos espiritos
 
Primeiro Módulo - Aulas 10 e 11 - Retorno da vida corporal e pluralidade das ...
Primeiro Módulo - Aulas 10 e 11 - Retorno da vida corporal e pluralidade das ...Primeiro Módulo - Aulas 10 e 11 - Retorno da vida corporal e pluralidade das ...
Primeiro Módulo - Aulas 10 e 11 - Retorno da vida corporal e pluralidade das ...
 
Primeiro Módulo - Aula 12 - Pluralidade das existencias
Primeiro Módulo - Aula 12 - Pluralidade das existenciasPrimeiro Módulo - Aula 12 - Pluralidade das existencias
Primeiro Módulo - Aula 12 - Pluralidade das existencias
 
Primeiro Módulo - Aula 13 - Resusurreição e reencarnação
Primeiro Módulo - Aula 13 - Resusurreição e reencarnaçãoPrimeiro Módulo - Aula 13 - Resusurreição e reencarnação
Primeiro Módulo - Aula 13 - Resusurreição e reencarnação
 
Primeiro Módulo - Aula 14 - Vida espiritual
Primeiro Módulo - Aula 14 - Vida espiritualPrimeiro Módulo - Aula 14 - Vida espiritual
Primeiro Módulo - Aula 14 - Vida espiritual
 
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da almaPrimeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
 
Primeiro Módulo - Aula 16 - Intervenção dos espiritos no mundo corporal
Primeiro Módulo - Aula 16 - Intervenção dos espiritos no mundo corporalPrimeiro Módulo - Aula 16 - Intervenção dos espiritos no mundo corporal
Primeiro Módulo - Aula 16 - Intervenção dos espiritos no mundo corporal
 
Segundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturais
Segundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturaisSegundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturais
Segundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturais
 
Segundo Módulo - Aula 03 - Lei do trabalho
Segundo Módulo - Aula 03 - Lei do trabalhoSegundo Módulo - Aula 03 - Lei do trabalho
Segundo Módulo - Aula 03 - Lei do trabalho
 
Segundo Módulo - Aula 04 - Lei da reprodução
Segundo Módulo - Aula 04 - Lei da reproduçãoSegundo Módulo - Aula 04 - Lei da reprodução
Segundo Módulo - Aula 04 - Lei da reprodução
 
Segundo Módulo - Aula 05 - Lei de conservação
Segundo Módulo - Aula 05 - Lei de conservaçãoSegundo Módulo - Aula 05 - Lei de conservação
Segundo Módulo - Aula 05 - Lei de conservação
 
Segundo Módulo - Aula 06 - Lei da destruição
Segundo Módulo - Aula 06 - Lei da destruiçãoSegundo Módulo - Aula 06 - Lei da destruição
Segundo Módulo - Aula 06 - Lei da destruição
 
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedadeSegundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
 

Quarto Módulo - 10ª influência moral dos médiuns, influencia do meio sobre os médiuns, mediunidade e psicoterapia

  • 1. INFLUÊNCIA MORAL DOS MÉDIUNS, INFLUÊNCIA DO MEIO SOBRE OS MÉDIUNS, MEDIUNIDADE E PSICOTERAPIA "É preciso que faça o bem no limite de suas forças, pois cada um responderá por todo o mal que haja resultado de não haver praticado o bem." (O Livro dos Espíritos - Questão 642)
  • 3. Dissertação do Espírito Erasto Sobre a Questão Moral : A faculdade mediúnica constitui campo de trabalho e não é nenhum privilégio. Tanto criaturas dignas quanto indignas possuem essa faculdade. Portanto, o mérito não está em possuí-la e, sim, no uso que dela se fizer . A boa qualidade do médium não está na facilidade das comunicações, mas sim, em sua aptidão para só receber as boas. Há Espíritos de todas as condições, como diz Kardec (LE, questão nº 100). Eles estão ao derredor do homem e muitas vezes o observam para verificar suas intenções. O adágio "Quem se parece se reúne" (Revista Espírita, ano 1859) aplica-se tanto aos Espíritos quanto aos encarnados. É todo um processo de associação de correntes mentais, de afinidade, de sintonia.
  • 4. O pensamento é o elo que une os Espíritos e os homens, e é por ele que as almas se atraem e se afinam nas idéias e inclinações: "Semelhante atrai semelhante". Por isso, as qualidades morais dos médiuns têm influência capital sobre a natureza das comunicações. Os Espíritos inferiores encontrando no médium poucas condições morais, aproveitar-se-ão de todas as falhas. Eles intrometem-se nas comunicações, chegando mesmo a provocá-las. Está na vontade e conduta do médium permitir ou não esta influência. Os Espíritos elevados escolherão para intermediário criaturas que possuem condições morais, para transmitirem suas mensagens, porém, se não encontrarem o instrumento adequado, se servirão, momentaneamente, de um imperfeito. Isso ocorre para que a lição seja proveitosa a todos os que tomem conhecimento dela, encarnados ou desencarnados.
  • 5. A perfeição absoluta na Terra é inexistente, e os bons médiuns são raros, mas aqueles que repelem os Espíritos inferiores estão procurando ser menos enganados, e perseverando para que tenham melhores condições de aproximar-se da perfeição. As boas intenções e a moralidade nem sempre bastarão para impedir que Espíritos levianos possam intrometer-se nas comunicações com os médiuns. Essa possibilidade poderá acontecer se houver falhas no próprio Espírito e fraqueza de caráter e confiança exagerada nas comunicações recebidas. Essas imperfeições são portas abertas para que, com muita sutileza, os Espíritos inferiores utilizem e explorem o orgulho do médium, um dos maiores escolhos da mediunidade. Muitas vezes, esse defeito de personalidade se desenvolve à medida que a faculdade aumenta, tornando-se um perigo muito grande para o médium, que poderá sofrer grandes decepções.
  • 6. O bom medianeiro é aquele que está consciente de que sua faculdade deve somente ser utilizada para o bem e nunca se envaidecer por possuí-la. Esforça-se para aprimorar-se em bondade, benevolência, amor ao próximo, fortalecendo-se assim, em suas relações com o Mundo Espiritual Maior. Todas as comunicações devem ser analisadas com bom senso, e o uso da razão permite verificar a sua veracidade. Espíritos elevados aconselham, não impõem; calam-se naquilo que ignoram, ao contrário dos Espíritos inferiores que muito falam. Diz o Espírito Erasto (LM, 2ª Parte, cap. XX, item 230) que: "os médiuns, como médiuns, exercem influência secundária nas comunicações dos Espíritos. Sua tarefa é a de uma máquina elétrica, de transmissão telegráfica entre dois lugares distantes da Terra".
  • 7. Complementa, ainda: "Assim também como as influências atmosféricas freqüentemente atuam sobre as transmissões telegráficas e as perturbam, igualmente a influência moral do médium age e perturba, algumas vezes, a transmissão de nossos despachos de além-túmulo, porque somos obrigados a fazê-los atravessar um meio que lhes é contrário". Termina Erasto dizendo que: "a influência moral do médium se faz realmente sentir, quando ele substitui pelas que lhe são pessoais, as idéias que os Espíritos se esforçam por lhe sugerir; quando ele e, ainda, tira da da própria imaginação teorias fantásticas, que ele mesmo julga, de boa-fé, resultarem de uma comunicação intuitiva. Nesse caso, há mil possibilidades contra uma de que isso não passe de reflexo do próprio Espírito do médium. Acontece mesmo este fato curioso: a mão do médium se movimenta, às vezes, quase mecanicamente, impulsionada por um Espírito secundário e zombeteiro" .
  • 8. INFLUÊNCIA DO MEIO SOBRE OS MÉDIUNS
  • 9. Os Espíritos estão, incessantemente, ao redor do homem, em ligação mental, interferindo em suas ações, reuniões, seguindo-os, evitando-os, conforme seja sua afinidade fluídica, sua simpatia ou antipatia. O médium é o intérprete, o instrumento dos Espíritos e sua faculdade mediúnica nada mais é do que um meio de comunicação. Conseqüentemente, a ação do médium depende do meio em que se encontra, dos objetivos das reuniões, da elevação moral dos encarnados e desencarnados, da afinidade fluídica entre o médium e o Espírito comunicante, da boa ou má preparação do ambiente etc. A reuniões fúteis comparecem Espíritos levianos e brincalhões; a reuniões sérias, Espíritos elevados.
  • 10. Kardec perguntou se os Espíritos Superiores procuram encaminhar idéias sérias às reuniões fúteis. Como resposta, foi-lhe dito que: "Os Espíritos Superiores não vão às reuniões onde sabem que a presença deles é inútil. Nos meios pouco instruídos mas onde há sinceridade de boa mente vamos, ainda mesmo que aí só instrumentos medíocres encontremos. Não vamos, porém, aos meios instruídos onde domina a ironia. Em tais meios, é necessário se fale aos ouvidos e aos olhos: esse é o papel dos Espíritos batedores e zombeteiros. Convém que aqueles que se orgulham da sua ciência sejam humilhados pelos Espíritos menos instruídos e menos adiantados". O meio exerce enorme influência sobre a natureza das manifestações inteligentes. Meio, aqui, não é espaço, local, condição atmosférica ou ambiente, mas conjunto de qualidades morais e objetivos de Espíritos e encarnados interessados na reunião mediúnica.
  • 11. Kardec afirma: "Assim, onde quer que haja uma reunião de homens, há igualmente em torno deles uma assembléia oculta, que simpatiza com suas qualidades ou com seus defeitos” A ação do médium é de fundamental importância para a formação desse "meio", que deverá influenciá-lo, porquanto "os bons têm afinidade com os bons e os maus com os maus, donde se segue que as qualidades morais do médium exercem influência capital sobre a natureza dos Espíritos que por ele se comunicam” . Como se viu na lição anterior, "a bondade, a benevolência, a simplicidade do coração, o amor ao próximo, o desprendimento das coisas materiais" são qualidades que atraem os Bons Espíritos e o "orgulho, o egoísmo, a inveja, o ciúme, o ódio, a cupidez, a sensualidade e todas as paixões que escravizam o homem à matéria" são defeitos que os afastam, mas que atraem os Espíritos inferiores.
  • 12. Necessariamente, não basta que uma assembléia seja séria para receber comunicações de ordem elevada, como também não basta que seja fútil para ali só existirem comunicações fúteis. Um Espírito elevado, se for evocado numa reunião fútil, poderá proferir ali palavras de elevação, como a um chamamento às ovelhas desgarradas, e, não sendo ouvido nem compreendido, afasta-se, deixando aos outros o campo livre. Em resumo, diz Kardec: "As condições do meio serão tanto melhores, quanto mais homogeneidade houver para o bem, mais sentimentos puros e elevados, mais desejo sincero de instrução, sem idéias preconcebidas”
  • 13. Para esse meio tornar-se melhor ainda, devem os participantes da assembléia preparar-se para o trabalho mediúnico: mantendo pensamentos elevados, objetivos e sadios, e conversação construtiva; evitando alimentação excessiva, bebidas alcoólicas, fumo; tendo consciência do seu trabalho na ligação com os Espíritos; fazendo reforma íntima, evangelizando-se e mantendo alto padrão vibratório; mantendo fidelidade aos compromissos assumidos. Observadas essas condições, os serviços mediúnicos serão sempre protegidos pelos Bons Espíritos, em nome de Jesus, e a influenciação será sempre boa, pois, "a prece, a meditação elevada, o pensamento edificante, refundem a atmosfera, purificando-a" (André Luiz, Missionários da Luz).
  • 15. Psicoterapia: Tratamento de doenças por métodos psicologicos como a persuasão, sugestão, hipnose e Psicanálise e os processos que dela derivam. A finalidade da psicoterapia é restabelecer o equilíbrio emocional pertubado. Diz Emmanuel : "Os médiuns, como elementos de ligação entre a vida espiritual e o plano físico, serão sempre solicitados a dar uma palavra orientadora nas questões multiformes que afetam as pessoas que os procuram. Daí, a indicação de exercitarem alguns princípios de psicoterapia e relações humanas.
  • 16. A intensa vida moderna, na Terra, generalizou a carência de roteiros, planos, programas e observações para as criaturas deprimidas, tímidas, céticas, recalcadas, frustradas em geral. Na verdade, inicia-se o esforço na tarefa mediúnica pelo passe, pela psicofonia, pela psicografia ou pelas formas variadas de assistência aos sofredores da alma e do corpo; estudam-se algumas atitudes que favoreçam a manifestação das Entidades Amigas, no auxílio a terceiros, pelo conselho simples e natural. Paciência e perseverança no bem devem estar conjugadas constantemente na expressão e na boa vontade. Não demonstre estranheza ou perplexidade ante as revelações ouvidas, para que não esmoreça a confiança do coração que se abre a você.
  • 17. Predisponha-se, com todos os recursos de seu campo mental, à simpatia pelos irmãos que lhe pedem a opinião, sem mostrar-se superior. Cultive invariável atenção perante as confidências alheias, testemunhando o maior interesse afetivo pela solução aos problemas do interlocutor, seja ele quem for. Envide esforços para que a criatura exponha em pormenores e calmamente o caso que lhe motiva a preocupação, a fim de que possa ajudá-la, através da mais ampla visão dos fatos. Evite julgar ou censurar, precipitadamente, quem confia em você, mesmo com reprovações inarticuladas. Restrinja as indagações aos assuntos e momentos absolutamente necessários.
  • 18. Pesquise os postulados básicos do Espiritismo, argumentando as ocorrências em exame sob o crivo do discernimento espírita e exaltando a responsabilidade pessoal ante a existência eterna. Sempre que possa, indique um núcleo de serviço espiritual compatível com as afinidades e necessidades da pessoa que comparece em busca de concurso fraterno. Resguarde em segredo aquilo que não deva ser revelado mantendo discrição e respeito para com todos os nossos irmãos em experiência. Jamais force resoluções taxativas, nesse ou naquele sentido, mas exponha os vários caminhos possíveis, com as suas conseqüências prováveis, e deixe que o livre-arbítrio dos companheiros escolha o que mais lhes convenha.
  • 19. Sustente equilíbrio, entendimento e bondade em suas manifestações, para que a autoridade moral e espiritual lhe favoreça o trabalho. Leia, constantemente, para melhorar seus processos de análise das almas e suas técnicas de expor as soluções mais justas, conforme o seu modo de entender. Sobretudo, saiba que são inimagináveis as possibilidades de socorro de um encarnado confiante no Alto e consciente de seus recursos íntimos, quando ligado aos Bons Espíritos que nos estendem a inspiração e o amparo da Vida Superior".
  • 20. BIBLIOGRAFIA Livro dos Espiritos. Livro dos Médiuns. Emmanuel - Seara dos médiuns Emmanuel - Roteiro. Herculano Pires - Mediunidade. Martins Peralva - Estudando a mediunidade. André Luiz - Missionários da luz. Edgard Annond - Mediunidade. Emmanuel - Estude e viva.