SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
 Derek William n°2
 Isabella Bonturi n°8

Joaquim manoel de macedo
 O romance A Moreninha conta a história de amor entre Augusto e D. Carolina (a moreninha). Tudo
começa quando Augusto, Leopoldo e Fabrício são convidados por Filipe para passar o feriado de
Sant’Ana na casa de sua avó. Os quatro amigos estudantes de medicina vão para a Ilha passar o feriado
e lá encontram D. Ana, a anfitriã, duas amigas, a irmã de Filipe, D. Carolina e suas primas Joana e
Joaquina. Antes de partirem Filipe havia feito uma aposta com Augusto: se este voltasse da Ilha sem
ter se apaixonado verdadeiramente por uma das meninas, Filipe escreveria um romance por ter
perdido a aposta. Caso se apaixonasse, Augusto é quem deveria escrevê-lo.
 Augusto era um jovem namorador e inconstante no amor. Fabrício revela a personalidade do amigo a
todos num jantar, o que faz Augusto ser desprezado pelas moças, menos por Carolina. Sentindo-se
sozinho, Augusto revela a D. Ana, em uma conversa pela Ilha, que sua inconstância no amor tem a ver
com as desilusões amorosas que já viveu e conta um episódio que lhe aconteceu na infância. Em uma
viagem com a família, Augusto apaixonou-se por uma menina com quem brincara na praia. Ele e a
menina ajudaram um homem moribundo e, como forma de agradecimento, o homem deu a Augusto
um botão de esmeralda envolvido numa fita branca e deu a menina o camafeu de Augusto envolvido
numa fita verde. Essa era a única lembrança que tinha da menina, pois não havia lhe perguntado nem
o nome.
 O fim de semana termina e os jovens retornam para os estudos, mas Augusto se vê com saudades de
Carolina e retorna a Ilha para encontra-la. O pai de Augusto, achando que isso estava atrapalhando
seus estudos, proíbe o filho de visitar Carolina. Depois de um tempo distantes, Augusto volta a Ilha
para se declarar a Carolina. Mas ela o repreende por estar quebrando a promessa feita a uma garotinha
há anos atrás. Augusto fica confuso e preocupado, até que Carolina mostra o seu camafeu. O mistério
é desfeito, e, para pagar a aposta, Augusto escreve o livro A Moreninha.
 O romance A Moreninha é um clássico da nossa literatura e representa a narrativa romântica
com características nacionais. O Romantismo, como grande parte dos movimentos literários,
tinha força na Europa. A obra de Joaquim Manuel de Macedo dá os primeiros passos para o
Romantismo tipicamente brasileiro.
 A obra mostra os costumes e a organização da sociedade que se formava no século XIX no Rio
de Janeiro: os estudantes de medicina, os bailes, a tradição da festa de Sant’Ana , o flerte das
moças etc. Também está presente a cultura nacional, através da lenda da gruta, em que o choro
de uma moça que se apaixonou por um índio e não foi correspondida se transforma na fonte
que corre na gruta.
 A idealização do amor puro, que nasce na infância e permanece apesar do tempo, é uma das
principais características que enquadram a obra como romântica. Além disso, a menção à
tradição religiosa (festa de Sant’Ana), o sentimentalismo e caracterização da natureza através
da ilha, da gruta e do mar contribuem para montar o cenário do amor romântico entre Augusto
e Carolina.
 A linguagem da obra é simples, com a presença do popular. O narrador é onisciente, em terceira
pessoa. O romance se desenrola em três semanas e meia, em tempo cronológico. A leitura leve,
o suspense presente no decorrer do romance e o final feliz fizeram da obra uma referência, que
teve repercussão não só na época de sua escrita, como também é lida até hoje.
 Iracema acolheu o jovem branco e o levou para sua tribo, onde ele foi recebido como hóspede e amigo.
Ao inteirar-se da celebração que os tabajaras faziam a seu grande chefe Irapuã, que vai comandá-los
num combate aos pitiguaras, Martim resolveu fugir, naquela mesma noite. Iracema o impediu,
pedindo-lhe que aguardasse a volta de seu irmão Caubi, que poderia guiá-lo pelas matas.
Triângulo amoroso
Aos poucos, surge afeto entre Iracema e Martim, que logo se transforma em paixão. A situação se
complica, pois Irapuã também estava apaixonado pela índia e tentou matar Martim quando este já
deixava a aldeia, após descobrir que Iracema, por ser filha do pajé e guardiã do segredo da jurema,
deve permanecer solteira.
No entanto, a união dos dois se consuma numa noite em que Martim, em sonho, imaginou possuir
Iracema, sendo que esta de fato se entregou a ele. Desse modo, quando Martim decide partir para
escapar a Irapuã e aos tabajaras, Iracema lhe revelou a verdade e se dispôs a segui-lo. Os dois partiram
ao encontro de Poti, chefe dos pitiguaras, que considerava Martim seu irmão. Foram seguidos por
Irapuã e os tabajaras, o que resulta no conflito entre as duas tribos adversárias.
Mesmo sofrendo pela derrota de seu povo e pela morte de muitos dos seus, Iracema segue Martim e
passa a viver com ele na tribo de Poti. Com o passar do tempo, porém, Martim se mostra
desinteressado pela esposa, parece sentir saudades da civilização de onde veio, mas sabe que não pode
ir para lá e levar Iracema com ele. Nesse ínterim, o guerreiro branco - que adotou o nome indígena de
Coatiabo - enfrenta diversos combates, enquanto Iracema engravida de um filho seu. Ainda assim, a
índia sofre as constantes ausências do marido e definha de tristeza.
.
 O filho do sofrimento
Ao voltar de uma batalha, Martim encontra Iracema com seu filho - a quem ela chamou
Moacir, que significa "o filho do sofrimento". A índia está extremamente debilitada. Só
teve forças para entregar o filho ao pai e pedir-lhe que a enterrasse aos pés de um
coqueiro de que ela tanto gostava. O lugar onde Iracema foi enterrada passou a se chamar
Ceará - segundo a tradição, Ceará significa canto da jandaia, a ave de estimação de
Iracema.
Sofrendo a perda de Iracema, Martim retorna a sua pátria com o filho. Quatro anos
depois, volta novamente ao Brasil, onde ajuda a implantar a fé cristã, convertendo Poti,
que recebeu o nome de Felipe Camarão. Os dois ajudaram o comandante Jerônimo de
Albuquerque na luta contra os holandeses. Quando podia, Martim ia ao local onde
Iracema estava enterrada e se deixava consumir pela saudade.
O simbolismo da narrativa de Alencar é evidente: do cruzamento das duas raças - o
europeu e o índio - nasce o brasileiro. Nesse sentido, a obra é uma expressão do
Indianismo que caracterizou a primeira fase do Romantismo no Brasil. O país - cuja
independência completava 43 anos à publicação de Iracema (1865) - precisava valorizar
suas raízes e sua história, para afirmar-se como nação livre e soberana
 Em Iracema (1865) José de Alencar, ou por ter atingido a maturidade nos temas
indianistas, ou porque nessa obra não há a rigor nenhum compromisso com
uma afirmação nacional pela literatura, atinge seu romance mais bem
estruturado, sob o ponto de vista estético. Iracema é o exemplar mais perfeito
de prosa poética de nossa ficção romântica, belíssimo exemplo do
nacionalismo ufanista e indianista, com o qual Alencar contribuiu com a
construção da literatura e da cultura brasileira.
 No romance há um argumento histórico: a colonização do Ceará, que se deu em
1606. Nele há a presença de personagens históricos: Martim Soares Moreno, o
colonizador português que se aliou aos índios Pitiguaras e Poti, Antônio Felipe
Camarão. Através do romance entre Iracema e Martim, José de Alencar
romantizou o processo de colonização do Ceará, simbolicamente
representativo do processo de colonização do Brasil. Iracema apresenta uma
espécie de conciliação entre o branco e o índio, na medida em que romantiza a
dominação de um povo pelo outro. Desta forma insere nos códigos artísticos do
Romantismo europeu a temática do processo de colonização do país. Com a
obra se inaugura o mito heróico da pátria, de natureza indianista.
A moreninha (4)derek e isabela

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

A Moreninha
A MoreninhaA Moreninha
A Moreninha
 
A Moreninha
A MoreninhaA Moreninha
A Moreninha
 
A moreninha
A moreninhaA moreninha
A moreninha
 
A Moreninha
A MoreninhaA Moreninha
A Moreninha
 
Joaquim Manuel de Macedo - Biografia
Joaquim Manuel de Macedo - BiografiaJoaquim Manuel de Macedo - Biografia
Joaquim Manuel de Macedo - Biografia
 
Joaquim Manuel de Macedo
Joaquim Manuel de Macedo Joaquim Manuel de Macedo
Joaquim Manuel de Macedo
 
A moreninha
A moreninhaA moreninha
A moreninha
 
Slide a moreninha
Slide   a moreninhaSlide   a moreninha
Slide a moreninha
 
Slide
SlideSlide
Slide
 
A moreninha
A moreninhaA moreninha
A moreninha
 
Iracema josé de alencar-jessica diogo
Iracema   josé de alencar-jessica diogoIracema   josé de alencar-jessica diogo
Iracema josé de alencar-jessica diogo
 
Projeto leitura (3)
Projeto leitura (3)Projeto leitura (3)
Projeto leitura (3)
 
Inocência-Visconde de Taunay
Inocência-Visconde de TaunayInocência-Visconde de Taunay
Inocência-Visconde de Taunay
 
A Moreninha - Joaquim Manoel de Macedo
A Moreninha - Joaquim Manoel de MacedoA Moreninha - Joaquim Manoel de Macedo
A Moreninha - Joaquim Manoel de Macedo
 
O Gaúcho - 2ª A - 2011
O Gaúcho - 2ª A - 2011O Gaúcho - 2ª A - 2011
O Gaúcho - 2ª A - 2011
 
Obra Vidas Secas
Obra Vidas SecasObra Vidas Secas
Obra Vidas Secas
 
Til - José de Alencar
Til - José de AlencarTil - José de Alencar
Til - José de Alencar
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
 
Essa terra
Essa terraEssa terra
Essa terra
 
Til 3ª B - 2013
Til  3ª B -  2013Til  3ª B -  2013
Til 3ª B - 2013
 

Destaque

Trabalho l.p. dengue paula e giovanni 1ºa
Trabalho l.p. dengue paula e giovanni 1ºaTrabalho l.p. dengue paula e giovanni 1ºa
Trabalho l.p. dengue paula e giovanni 1ºateresakashino
 
combate a dengue
combate a denguecombate a dengue
combate a denguelucienemont
 
O uso do computador internet e jogos aliados ao contexto educacional - PDF
O uso do computador internet e jogos aliados ao contexto educacional - PDFO uso do computador internet e jogos aliados ao contexto educacional - PDF
O uso do computador internet e jogos aliados ao contexto educacional - PDFjuliermerr
 
Prevenção do dengue e dengue hemorrágico
Prevenção do dengue e dengue hemorrágicoPrevenção do dengue e dengue hemorrágico
Prevenção do dengue e dengue hemorrágicoadrianomedico
 
Trabalho sobre a dengue marcos A
Trabalho sobre a dengue marcos ATrabalho sobre a dengue marcos A
Trabalho sobre a dengue marcos Ateresakashino
 
Dafne 8 a hanseníase
Dafne 8 a hanseníaseDafne 8 a hanseníase
Dafne 8 a hanseníaseteresakashino
 
Lira dos vinte anos jessica 2ºb
Lira dos vinte anos jessica 2ºbLira dos vinte anos jessica 2ºb
Lira dos vinte anos jessica 2ºbteresakashino
 
Apresentação3 guilherme e rafaela
Apresentação3 guilherme e rafaelaApresentação3 guilherme e rafaela
Apresentação3 guilherme e rafaelateresakashino
 
Lepra lucas israel 8 b
Lepra lucas israel 8 bLepra lucas israel 8 b
Lepra lucas israel 8 bteresakashino
 
Lepra 8 a mariane (1)
Lepra 8 a mariane (1)Lepra 8 a mariane (1)
Lepra 8 a mariane (1)teresakashino
 
áLvares de azevedo 1 guilherme e rafaela
áLvares de azevedo 1 guilherme e rafaelaáLvares de azevedo 1 guilherme e rafaela
áLvares de azevedo 1 guilherme e rafaelateresakashino
 
Lepra 8 b brenda e mateus
Lepra 8 b brenda e mateusLepra 8 b brenda e mateus
Lepra 8 b brenda e mateusteresakashino
 
Trabalho de português (1).pptx memórias póstumas de brás cubas
Trabalho de português (1).pptx memórias póstumas de brás cubasTrabalho de português (1).pptx memórias póstumas de brás cubas
Trabalho de português (1).pptx memórias póstumas de brás cubasteresakashino
 
Trabalho de português.pptx dom casmurro
Trabalho de português.pptx dom casmurroTrabalho de português.pptx dom casmurro
Trabalho de português.pptx dom casmurroteresakashino
 

Destaque (20)

Trabalho l.p. dengue paula e giovanni 1ºa
Trabalho l.p. dengue paula e giovanni 1ºaTrabalho l.p. dengue paula e giovanni 1ºa
Trabalho l.p. dengue paula e giovanni 1ºa
 
combate a dengue
combate a denguecombate a dengue
combate a dengue
 
O uso do computador internet e jogos aliados ao contexto educacional - PDF
O uso do computador internet e jogos aliados ao contexto educacional - PDFO uso do computador internet e jogos aliados ao contexto educacional - PDF
O uso do computador internet e jogos aliados ao contexto educacional - PDF
 
Prevenção do dengue e dengue hemorrágico
Prevenção do dengue e dengue hemorrágicoPrevenção do dengue e dengue hemorrágico
Prevenção do dengue e dengue hemorrágico
 
Projeto tic
Projeto ticProjeto tic
Projeto tic
 
Palestra sobre dengue
Palestra sobre  denguePalestra sobre  dengue
Palestra sobre dengue
 
A moreninha-joaquim-manuel-de-macedo
A moreninha-joaquim-manuel-de-macedoA moreninha-joaquim-manuel-de-macedo
A moreninha-joaquim-manuel-de-macedo
 
Moreninha
Moreninha Moreninha
Moreninha
 
Trabalho sobre a dengue marcos A
Trabalho sobre a dengue marcos ATrabalho sobre a dengue marcos A
Trabalho sobre a dengue marcos A
 
Dafne 8 a hanseníase
Dafne 8 a hanseníaseDafne 8 a hanseníase
Dafne 8 a hanseníase
 
Lira dos vinte anos jessica 2ºb
Lira dos vinte anos jessica 2ºbLira dos vinte anos jessica 2ºb
Lira dos vinte anos jessica 2ºb
 
Apresentação3 guilherme e rafaela
Apresentação3 guilherme e rafaelaApresentação3 guilherme e rafaela
Apresentação3 guilherme e rafaela
 
Lepra 8 a mateus
Lepra 8 a mateusLepra 8 a mateus
Lepra 8 a mateus
 
Lepra lucas israel 8 b
Lepra lucas israel 8 bLepra lucas israel 8 b
Lepra lucas israel 8 b
 
L epra 8b michael
L epra 8b michaelL epra 8b michael
L epra 8b michael
 
Lepra 8 a mariane (1)
Lepra 8 a mariane (1)Lepra 8 a mariane (1)
Lepra 8 a mariane (1)
 
áLvares de azevedo 1 guilherme e rafaela
áLvares de azevedo 1 guilherme e rafaelaáLvares de azevedo 1 guilherme e rafaela
áLvares de azevedo 1 guilherme e rafaela
 
Lepra 8 b brenda e mateus
Lepra 8 b brenda e mateusLepra 8 b brenda e mateus
Lepra 8 b brenda e mateus
 
Trabalho de português (1).pptx memórias póstumas de brás cubas
Trabalho de português (1).pptx memórias póstumas de brás cubasTrabalho de português (1).pptx memórias póstumas de brás cubas
Trabalho de português (1).pptx memórias póstumas de brás cubas
 
Trabalho de português.pptx dom casmurro
Trabalho de português.pptx dom casmurroTrabalho de português.pptx dom casmurro
Trabalho de português.pptx dom casmurro
 

Semelhante a A moreninha (4)derek e isabela

Iracema - caracteristicas e resumo
Iracema - caracteristicas e resumoIracema - caracteristicas e resumo
Iracema - caracteristicas e resumolucas_12
 
Apostila sobre o romantismo em portugal e o pré modernismo
Apostila sobre o romantismo em portugal e o pré modernismoApostila sobre o romantismo em portugal e o pré modernismo
Apostila sobre o romantismo em portugal e o pré modernismoFernanda Rocha
 
Enredos das principais obras da prosa romântica
Enredos das principais obras da prosa românticaEnredos das principais obras da prosa romântica
Enredos das principais obras da prosa românticaSeduc/AM
 
Iracema - Alencar
Iracema  - AlencarIracema  - Alencar
Iracema - Alencarjulykathy
 
Literatura o gaúcho josé de alencar leitura e analize 2014
Literatura  o gaúcho   josé de alencar  leitura e analize 2014Literatura  o gaúcho   josé de alencar  leitura e analize 2014
Literatura o gaúcho josé de alencar leitura e analize 2014Patrícia C Milacci
 
Resumos obras - Romantismo
Resumos obras - RomantismoResumos obras - Romantismo
Resumos obras - RomantismoAndriane Cursino
 
Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª A - 2011
Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª A - 2011Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª A - 2011
Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª A - 2011Daniel Leitão
 
A prosa romântica no Brasil..ppt
A prosa romântica no Brasil..pptA prosa romântica no Brasil..ppt
A prosa romântica no Brasil..pptaldyvip
 
Análise a respeito da obra de José de Alencar, Iracema.
Análise a respeito da obra de José de Alencar, Iracema.Análise a respeito da obra de José de Alencar, Iracema.
Análise a respeito da obra de José de Alencar, Iracema.Brenno Rodrigues
 
Os maias analise global
Os maias   analise globalOs maias   analise global
Os maias analise globalAna Ferreira
 

Semelhante a A moreninha (4)derek e isabela (20)

A Moreninha.docx
A Moreninha.docxA Moreninha.docx
A Moreninha.docx
 
Iracema - caracteristicas e resumo
Iracema - caracteristicas e resumoIracema - caracteristicas e resumo
Iracema - caracteristicas e resumo
 
Apostila sobre o romantismo em portugal e o pré modernismo
Apostila sobre o romantismo em portugal e o pré modernismoApostila sobre o romantismo em portugal e o pré modernismo
Apostila sobre o romantismo em portugal e o pré modernismo
 
Til 3ª A - 2013
Til   3ª A - 2013Til   3ª A - 2013
Til 3ª A - 2013
 
Iracema slide pronto
Iracema   slide prontoIracema   slide pronto
Iracema slide pronto
 
Iracema de alencar
Iracema de alencarIracema de alencar
Iracema de alencar
 
Iracema
IracemaIracema
Iracema
 
Enredos das principais obras da prosa romântica
Enredos das principais obras da prosa românticaEnredos das principais obras da prosa romântica
Enredos das principais obras da prosa romântica
 
Iracema - Alencar
Iracema  - AlencarIracema  - Alencar
Iracema - Alencar
 
Iracema
IracemaIracema
Iracema
 
Literatura o gaúcho josé de alencar leitura e analize 2014
Literatura  o gaúcho   josé de alencar  leitura e analize 2014Literatura  o gaúcho   josé de alencar  leitura e analize 2014
Literatura o gaúcho josé de alencar leitura e analize 2014
 
Resumos obras - Romantismo
Resumos obras - RomantismoResumos obras - Romantismo
Resumos obras - Romantismo
 
Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª A - 2011
Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª A - 2011Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª A - 2011
Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª A - 2011
 
A prosa romântica no Brasil..ppt
A prosa romântica no Brasil..pptA prosa romântica no Brasil..ppt
A prosa romântica no Brasil..ppt
 
Amoreninha1.ppt
Amoreninha1.pptAmoreninha1.ppt
Amoreninha1.ppt
 
Análise a respeito da obra de José de Alencar, Iracema.
Análise a respeito da obra de José de Alencar, Iracema.Análise a respeito da obra de José de Alencar, Iracema.
Análise a respeito da obra de José de Alencar, Iracema.
 
Bernardim ribeiro
Bernardim ribeiroBernardim ribeiro
Bernardim ribeiro
 
Resumo de Livros
Resumo de LivrosResumo de Livros
Resumo de Livros
 
Os maias analise global
Os maias   analise globalOs maias   analise global
Os maias analise global
 
Iracema
IracemaIracema
Iracema
 

Mais de teresakashino

Vanguardas do modernismo
Vanguardas do modernismoVanguardas do modernismo
Vanguardas do modernismoteresakashino
 
Lira dos vinte anos julia, heloisa, letícia
Lira dos vinte anos  julia, heloisa, letíciaLira dos vinte anos  julia, heloisa, letícia
Lira dos vinte anos julia, heloisa, letíciateresakashino
 
Navio negreiro julia, heloísa. letícia
Navio negreiro julia, heloísa. letíciaNavio negreiro julia, heloísa. letícia
Navio negreiro julia, heloísa. letíciateresakashino
 
Auto da barca do inferno (3)joseff, jonatan
Auto da barca do inferno (3)joseff, jonatanAuto da barca do inferno (3)joseff, jonatan
Auto da barca do inferno (3)joseff, jonatanteresakashino
 
Lira dos vinte anos andré,douglas, luis augusto
Lira dos vinte anos  andré,douglas, luis augustoLira dos vinte anos  andré,douglas, luis augusto
Lira dos vinte anos andré,douglas, luis augustoteresakashino
 
Zika virus analisse moraes
Zika virus  analisse moraesZika virus  analisse moraes
Zika virus analisse moraesteresakashino
 
Canção do exílio (6)hudson e mariana
Canção do exílio (6)hudson e marianaCanção do exílio (6)hudson e mariana
Canção do exílio (6)hudson e marianateresakashino
 
Viagens na minha terra (5)edyane e ludmila
Viagens na minha terra (5)edyane e ludmilaViagens na minha terra (5)edyane e ludmila
Viagens na minha terra (5)edyane e ludmilateresakashino
 
Canção do exílio (3)edyane e ludmila
Canção do exílio (3)edyane e ludmilaCanção do exílio (3)edyane e ludmila
Canção do exílio (3)edyane e ludmilateresakashino
 
Memórias postumas joao e gabriel 2 (2)
Memórias postumas joao  e gabriel 2 (2)Memórias postumas joao  e gabriel 2 (2)
Memórias postumas joao e gabriel 2 (2)teresakashino
 
Memórias póstumas de brás cubas (1)hugo
Memórias póstumas de brás cubas (1)hugoMemórias póstumas de brás cubas (1)hugo
Memórias póstumas de brás cubas (1)hugoteresakashino
 
Lucas manoel e ian o cortiço
Lucas manoel e ian  o cortiçoLucas manoel e ian  o cortiço
Lucas manoel e ian o cortiçoteresakashino
 
senhora e o cortiço- Júlia e Maria Eduarda
  senhora e o cortiço- Júlia e Maria Eduarda  senhora e o cortiço- Júlia e Maria Eduarda
senhora e o cortiço- Júlia e Maria Eduardateresakashino
 
Amor de perdição pedro
Amor de perdição pedroAmor de perdição pedro
Amor de perdição pedroteresakashino
 
Amor de perdição camilo castelo branco
Amor de perdição  camilo castelo brancoAmor de perdição  camilo castelo branco
Amor de perdição camilo castelo brancoteresakashino
 
Classicismo.pptx janaina
Classicismo.pptx janainaClassicismo.pptx janaina
Classicismo.pptx janainateresakashino
 
Sobre padre antônio vieira paulo e marcos 1º a
Sobre padre antônio vieira  paulo e marcos 1º aSobre padre antônio vieira  paulo e marcos 1º a
Sobre padre antônio vieira paulo e marcos 1º ateresakashino
 
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo- Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo- teresakashino
 
Apresentação1 (4)giovanna e laura. senhora e O cortiço
Apresentação1 (4)giovanna e laura. senhora e O cortiçoApresentação1 (4)giovanna e laura. senhora e O cortiço
Apresentação1 (4)giovanna e laura. senhora e O cortiçoteresakashino
 

Mais de teresakashino (20)

Vanguardas do modernismo
Vanguardas do modernismoVanguardas do modernismo
Vanguardas do modernismo
 
Lira dos vinte anos julia, heloisa, letícia
Lira dos vinte anos  julia, heloisa, letíciaLira dos vinte anos  julia, heloisa, letícia
Lira dos vinte anos julia, heloisa, letícia
 
Navio negreiro julia, heloísa. letícia
Navio negreiro julia, heloísa. letíciaNavio negreiro julia, heloísa. letícia
Navio negreiro julia, heloísa. letícia
 
Auto da barca do inferno (3)joseff, jonatan
Auto da barca do inferno (3)joseff, jonatanAuto da barca do inferno (3)joseff, jonatan
Auto da barca do inferno (3)joseff, jonatan
 
Lira dos vinte anos andré,douglas, luis augusto
Lira dos vinte anos  andré,douglas, luis augustoLira dos vinte anos  andré,douglas, luis augusto
Lira dos vinte anos andré,douglas, luis augusto
 
Zika virus analisse moraes
Zika virus  analisse moraesZika virus  analisse moraes
Zika virus analisse moraes
 
Canção do exílio (6)hudson e mariana
Canção do exílio (6)hudson e marianaCanção do exílio (6)hudson e mariana
Canção do exílio (6)hudson e mariana
 
Viagens na minha terra (5)edyane e ludmila
Viagens na minha terra (5)edyane e ludmilaViagens na minha terra (5)edyane e ludmila
Viagens na minha terra (5)edyane e ludmila
 
Canção do exílio (3)edyane e ludmila
Canção do exílio (3)edyane e ludmilaCanção do exílio (3)edyane e ludmila
Canção do exílio (3)edyane e ludmila
 
Memórias postumas joao e gabriel 2 (2)
Memórias postumas joao  e gabriel 2 (2)Memórias postumas joao  e gabriel 2 (2)
Memórias postumas joao e gabriel 2 (2)
 
Dom casmurro -hugo
Dom casmurro -hugoDom casmurro -hugo
Dom casmurro -hugo
 
Memórias póstumas de brás cubas (1)hugo
Memórias póstumas de brás cubas (1)hugoMemórias póstumas de brás cubas (1)hugo
Memórias póstumas de brás cubas (1)hugo
 
Lucas manoel e ian o cortiço
Lucas manoel e ian  o cortiçoLucas manoel e ian  o cortiço
Lucas manoel e ian o cortiço
 
senhora e o cortiço- Júlia e Maria Eduarda
  senhora e o cortiço- Júlia e Maria Eduarda  senhora e o cortiço- Júlia e Maria Eduarda
senhora e o cortiço- Júlia e Maria Eduarda
 
Amor de perdição pedro
Amor de perdição pedroAmor de perdição pedro
Amor de perdição pedro
 
Amor de perdição camilo castelo branco
Amor de perdição  camilo castelo brancoAmor de perdição  camilo castelo branco
Amor de perdição camilo castelo branco
 
Classicismo.pptx janaina
Classicismo.pptx janainaClassicismo.pptx janaina
Classicismo.pptx janaina
 
Sobre padre antônio vieira paulo e marcos 1º a
Sobre padre antônio vieira  paulo e marcos 1º aSobre padre antônio vieira  paulo e marcos 1º a
Sobre padre antônio vieira paulo e marcos 1º a
 
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo- Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
 
Apresentação1 (4)giovanna e laura. senhora e O cortiço
Apresentação1 (4)giovanna e laura. senhora e O cortiçoApresentação1 (4)giovanna e laura. senhora e O cortiço
Apresentação1 (4)giovanna e laura. senhora e O cortiço
 

Último

bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalErikOliveira40
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfLUCASAUGUSTONASCENTE
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptParticular
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 

Último (20)

bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 

A moreninha (4)derek e isabela

  • 1.  Derek William n°2  Isabella Bonturi n°8 
  • 3.  O romance A Moreninha conta a história de amor entre Augusto e D. Carolina (a moreninha). Tudo começa quando Augusto, Leopoldo e Fabrício são convidados por Filipe para passar o feriado de Sant’Ana na casa de sua avó. Os quatro amigos estudantes de medicina vão para a Ilha passar o feriado e lá encontram D. Ana, a anfitriã, duas amigas, a irmã de Filipe, D. Carolina e suas primas Joana e Joaquina. Antes de partirem Filipe havia feito uma aposta com Augusto: se este voltasse da Ilha sem ter se apaixonado verdadeiramente por uma das meninas, Filipe escreveria um romance por ter perdido a aposta. Caso se apaixonasse, Augusto é quem deveria escrevê-lo.  Augusto era um jovem namorador e inconstante no amor. Fabrício revela a personalidade do amigo a todos num jantar, o que faz Augusto ser desprezado pelas moças, menos por Carolina. Sentindo-se sozinho, Augusto revela a D. Ana, em uma conversa pela Ilha, que sua inconstância no amor tem a ver com as desilusões amorosas que já viveu e conta um episódio que lhe aconteceu na infância. Em uma viagem com a família, Augusto apaixonou-se por uma menina com quem brincara na praia. Ele e a menina ajudaram um homem moribundo e, como forma de agradecimento, o homem deu a Augusto um botão de esmeralda envolvido numa fita branca e deu a menina o camafeu de Augusto envolvido numa fita verde. Essa era a única lembrança que tinha da menina, pois não havia lhe perguntado nem o nome.  O fim de semana termina e os jovens retornam para os estudos, mas Augusto se vê com saudades de Carolina e retorna a Ilha para encontra-la. O pai de Augusto, achando que isso estava atrapalhando seus estudos, proíbe o filho de visitar Carolina. Depois de um tempo distantes, Augusto volta a Ilha para se declarar a Carolina. Mas ela o repreende por estar quebrando a promessa feita a uma garotinha há anos atrás. Augusto fica confuso e preocupado, até que Carolina mostra o seu camafeu. O mistério é desfeito, e, para pagar a aposta, Augusto escreve o livro A Moreninha.
  • 4.  O romance A Moreninha é um clássico da nossa literatura e representa a narrativa romântica com características nacionais. O Romantismo, como grande parte dos movimentos literários, tinha força na Europa. A obra de Joaquim Manuel de Macedo dá os primeiros passos para o Romantismo tipicamente brasileiro.  A obra mostra os costumes e a organização da sociedade que se formava no século XIX no Rio de Janeiro: os estudantes de medicina, os bailes, a tradição da festa de Sant’Ana , o flerte das moças etc. Também está presente a cultura nacional, através da lenda da gruta, em que o choro de uma moça que se apaixonou por um índio e não foi correspondida se transforma na fonte que corre na gruta.  A idealização do amor puro, que nasce na infância e permanece apesar do tempo, é uma das principais características que enquadram a obra como romântica. Além disso, a menção à tradição religiosa (festa de Sant’Ana), o sentimentalismo e caracterização da natureza através da ilha, da gruta e do mar contribuem para montar o cenário do amor romântico entre Augusto e Carolina.  A linguagem da obra é simples, com a presença do popular. O narrador é onisciente, em terceira pessoa. O romance se desenrola em três semanas e meia, em tempo cronológico. A leitura leve, o suspense presente no decorrer do romance e o final feliz fizeram da obra uma referência, que teve repercussão não só na época de sua escrita, como também é lida até hoje.
  • 5.
  • 6.  Iracema acolheu o jovem branco e o levou para sua tribo, onde ele foi recebido como hóspede e amigo. Ao inteirar-se da celebração que os tabajaras faziam a seu grande chefe Irapuã, que vai comandá-los num combate aos pitiguaras, Martim resolveu fugir, naquela mesma noite. Iracema o impediu, pedindo-lhe que aguardasse a volta de seu irmão Caubi, que poderia guiá-lo pelas matas. Triângulo amoroso Aos poucos, surge afeto entre Iracema e Martim, que logo se transforma em paixão. A situação se complica, pois Irapuã também estava apaixonado pela índia e tentou matar Martim quando este já deixava a aldeia, após descobrir que Iracema, por ser filha do pajé e guardiã do segredo da jurema, deve permanecer solteira. No entanto, a união dos dois se consuma numa noite em que Martim, em sonho, imaginou possuir Iracema, sendo que esta de fato se entregou a ele. Desse modo, quando Martim decide partir para escapar a Irapuã e aos tabajaras, Iracema lhe revelou a verdade e se dispôs a segui-lo. Os dois partiram ao encontro de Poti, chefe dos pitiguaras, que considerava Martim seu irmão. Foram seguidos por Irapuã e os tabajaras, o que resulta no conflito entre as duas tribos adversárias. Mesmo sofrendo pela derrota de seu povo e pela morte de muitos dos seus, Iracema segue Martim e passa a viver com ele na tribo de Poti. Com o passar do tempo, porém, Martim se mostra desinteressado pela esposa, parece sentir saudades da civilização de onde veio, mas sabe que não pode ir para lá e levar Iracema com ele. Nesse ínterim, o guerreiro branco - que adotou o nome indígena de Coatiabo - enfrenta diversos combates, enquanto Iracema engravida de um filho seu. Ainda assim, a índia sofre as constantes ausências do marido e definha de tristeza. .
  • 7.  O filho do sofrimento Ao voltar de uma batalha, Martim encontra Iracema com seu filho - a quem ela chamou Moacir, que significa "o filho do sofrimento". A índia está extremamente debilitada. Só teve forças para entregar o filho ao pai e pedir-lhe que a enterrasse aos pés de um coqueiro de que ela tanto gostava. O lugar onde Iracema foi enterrada passou a se chamar Ceará - segundo a tradição, Ceará significa canto da jandaia, a ave de estimação de Iracema. Sofrendo a perda de Iracema, Martim retorna a sua pátria com o filho. Quatro anos depois, volta novamente ao Brasil, onde ajuda a implantar a fé cristã, convertendo Poti, que recebeu o nome de Felipe Camarão. Os dois ajudaram o comandante Jerônimo de Albuquerque na luta contra os holandeses. Quando podia, Martim ia ao local onde Iracema estava enterrada e se deixava consumir pela saudade. O simbolismo da narrativa de Alencar é evidente: do cruzamento das duas raças - o europeu e o índio - nasce o brasileiro. Nesse sentido, a obra é uma expressão do Indianismo que caracterizou a primeira fase do Romantismo no Brasil. O país - cuja independência completava 43 anos à publicação de Iracema (1865) - precisava valorizar suas raízes e sua história, para afirmar-se como nação livre e soberana
  • 8.  Em Iracema (1865) José de Alencar, ou por ter atingido a maturidade nos temas indianistas, ou porque nessa obra não há a rigor nenhum compromisso com uma afirmação nacional pela literatura, atinge seu romance mais bem estruturado, sob o ponto de vista estético. Iracema é o exemplar mais perfeito de prosa poética de nossa ficção romântica, belíssimo exemplo do nacionalismo ufanista e indianista, com o qual Alencar contribuiu com a construção da literatura e da cultura brasileira.  No romance há um argumento histórico: a colonização do Ceará, que se deu em 1606. Nele há a presença de personagens históricos: Martim Soares Moreno, o colonizador português que se aliou aos índios Pitiguaras e Poti, Antônio Felipe Camarão. Através do romance entre Iracema e Martim, José de Alencar romantizou o processo de colonização do Ceará, simbolicamente representativo do processo de colonização do Brasil. Iracema apresenta uma espécie de conciliação entre o branco e o índio, na medida em que romantiza a dominação de um povo pelo outro. Desta forma insere nos códigos artísticos do Romantismo europeu a temática do processo de colonização do país. Com a obra se inaugura o mito heróico da pátria, de natureza indianista.