SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Resumo : O cortiço
O livro narra inicialmente a saga de João Romão rumo ao enriquecimento. Para acumular
capital, ele explora os empregados e se utiliza até do furto para conseguir atingir seus
objetivos. João Romão é o dono do cortiço, da taverna e da pedreira. Sua amante,
Bertoleza, o ajuda de domingo a domingo, trabalhando sem descanso.
Em oposição a João Romão, surge a figura de Miranda, o comerciante bem estabelecido
que cria uma disputa acirrada com o taverneiro por uma braça de terra que deseja comprar
para aumentar seu quintal. Não havendo consenso, há o rompimento provisório de
relações entre os dois.
Com inveja de Miranda, que possui condição social mais elevada, João Romão trabalha
ardorosamente e passa por privações para enriquecer mais que seu oponente. Um fato, no
entanto, muda a perspectiva do dono do cortiço. Quando Miranda recebe o título de
barão, João Romão entende que não basta ganhar dinheiro, é necessário também ostentar
uma posição social reconhecida, frequentar ambientes requintados, adquirir roupas finas,
ir ao teatro, ler romances, ou seja, participar ativamente da vida burguesa.
No cortiço, paralelamente, estão os moradores de menor ambição financeira. Destacam-se
Rita Baiana e Capoeira Firmo, Jerônimo e Piedade. Um exemplo de como o romance
procura demonstrar a má influência do meio sobre o homem é o caso do português
Jerônimo, que tem uma vida exemplar até cair nas graças da mulata Rita Baiana. Opera-se
uma transformação no português trabalhador, que muda todos os seus hábitos.
Biografia
Aluísio Azevedo (1857-1913) foi escritor brasileiro. "O Mulato" foi o romance que iniciou o
Movimento Naturalista no Brasil. Foi também caricaturista, jornalista e diplomata. É
membro fundador da Academia Brasileira de Letras.
Aluísio Azevedo (1857-1913) nasceu em São Luís, Maranhão, no dia 14 de abril de 1857.
Levado pelo irmão, o teatrólogo e jornalista Artur Azevedo, viajou para o Rio de Janeiro
aos 17 anos de idade. Começou a estudar na Academia Imperial de Belas-Artes, onde
revelou seus dons para o desenho. Logo passou a colaborar, com caricaturas e poesias,
em jornais e revistas.
Com a morte do pai, em 1879, Aluísio volta para São Luís e se dedica a literatura. Publica seu
primeiro romance, "Uma Lágrima de Mulher", em 1880, onde se mostra exageradamente
sentimental e de estilo romântico. Em 1881 edita "O Mulato", romance que iniciou o
Movimento Naturalista no Brasil. A obra denunciava o preconceito racial existente na
burguesia maranhense Com a reação negativa da sociedade, Aluísio volta para o Rio de
Janeiro.
Aluísio Azevedo abandonou as tendências românticas em que se formara, para, influenciado
por Eça de Queirós e Émile Zola, tornar-se o precursor do Movimento Realista-
Naturalista. No Rio de Janeiro, passou a viver com a publicação de folhetins românticos a
alguns relatos naturalistas. Viveu durante 15 anos do que ganhava como escritor.
Preocupado com a realidade cotidiana, seus tema prediletos foram a luta contra o
preconceito de cor, o adultério, os vícios e o povo humilde. Na obra "O Cortiço", Aluísio
retrata o aumento da população no Rio de Janeiro e o aparecimento de núcleos
habitacionais, denominados cortiços, onde se aglomeravam trabalhadores e gente de
atividades incertas. O grande personagem do romance é o próprio cortiço
Personagens
João Romão: português ambicioso, torna-se dono da venda, do cortiço e da pedreira. Explora a
amante Bertoleza, mas acaba se casando com Zulmira por motivos financeiros.
- Bertoleza: escrava que se pensa alforriada, trabalha para João Romão e é sua amante.
- Miranda: português, morador do sobrado ao lado do cortiço. É casado com Estela, mas tem um
casamento infeliz, mantido apenas por razões financeiras.
- Estela: esposa de Miranda, é infiel ao marido.
- Zulmira: filha de Estela e de Miranda, casa-se com João Romão, que busca ascensão social
através do casamento.
- Jerônimo: português trabalhador e honesto, torna-se administrador da pedreira de João Romão.
Acaba se envolvendo com Rita Baiana e deixando de lado os princípios.
- Rita Baiana: mulata sedutora, é amiga de todos no cortiço. Tinha um caso com Firmo, depois se
envolveu com Jerônimo.
- Piedade: esposa dedicada de Jerônimo, acaba se entregando a bebida depois que o marido a
abandona para ficar com Rita Baiana.
- Firmo: amante de Rita Baiana, é assassinado por Jerônimo.
- Pombinha: moça que discreta e educada que termina entregue à prostituição.
Análise
O romance de Aluísio Azevedo segue de perto as determinações do chamado “romance
experimental”, conceito elaborado pelo escritor francês Émile Zola. Segundo o conceito, a
realidade é observada de uma perspectiva científica que se distancia da idealização
romântica e mostra um retrato fiel da sociedade, mesmo de seus aspectos mais sórdidos –
postura artística denominada então de “belo horrível”. A busca pelo registro fidedigno
orienta o narrador no sentido da reprodução da linguagem das personagens com toda a
riqueza da oralidade e das gírias do tempo. Nota-se ainda um aspecto fundamental da
narrativa realista-naturalista: o interesse pela miséria, pela pobreza. Além de traços
presentes na tendência naturalista do realismo, como a sexualização do enredo e a
animalização das personagens.
Pode-se dizer que O Cortiço segue o figurino naturalista em duas linhas de exposição de
comportamento humano. A trajetória de João Romão apresenta a visão naturalista das
relações sociais, enquanto a de Jerônimo indica a perspectiva adotada pela escola no que diz
respeito às relações pessoais. Nos dois casos, evidenciam-se patologias que definem os
desvios morais das personagens.
A ambição de João Romão não é condenada, afinal, ele apenas se aproveita das oportunidades
oferecidas pela sociedade capitalista então nascente. Ocorre que, nele, a vontade de
prosperar transforma-se em doença, em “febre de possuir”. Sua falta de escrúpulos é
tamanha, que passa a explorar a companheira Bertoleza até o ponto da saturação, quando a
troca por uma companhia que promete frutos mais lucrativos.
No retrato das relações sociais, o sobrado cumpre um papel fundamental, principalmente no
contraste com o cortiço: este reúne os tipos miseráveis, enquanto aquele representa a
riqueza das elites. Ficam assim representadas as diferenças sociais. Mas é bom observar que
tanto em um ambiente quanto no outro o padrão moral é o mesmo, caracterizado pela
baixeza e pelo domínio dos instintos.
contexto
• Aluísio Azevedo foi o melhor representante da tendência naturalista
do Realismo brasileiro. Em seu esforço de conhecimento da realidade,
explicitava a vida humana mesmo em seus aspectos mais sórdidos: a
baixeza, a exploração, a desonestidade e o crime.
• Importância do livro
Na literatura brasileira, O Cortiço é o romance mais exemplar da
estética realista-naturalista. Nele, pode-se perceber com clareza a
visão que os naturalistas tinham das reações sociais no desejo de
enriquecimento que toma João Romão, e ainda a imagem que os
naturalistas faziam das relações pessoais no envolvimento amoroso
entre Jerônimo e Rita Baiana.
• Período histórico
O romance foi escrito em um período de profundas transformações
na paisagem urbana do Rio de Janeiro, captadas ali com o registro cru
do naturalismo, que rejeitava qualquer forma de idealização do real.
imagens
Nomes :
Lucas manoel de paula
Ian carlos particelli
Fonte : Educação.literatura
Orientadora : Teresa

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Análise o primo basílio
Análise   o primo basílioAnálise   o primo basílio
Análise o primo basílio
 
Amor de salvação
Amor de salvaçãoAmor de salvação
Amor de salvação
 
Biografia de camilo
Biografia de camiloBiografia de camilo
Biografia de camilo
 
O primo Basílio
O primo BasílioO primo Basílio
O primo Basílio
 
O primo Basílio
O primo BasílioO primo Basílio
O primo Basílio
 
Camilo castelo branco
Camilo castelo branco  Camilo castelo branco
Camilo castelo branco
 
Trabalho O Primo Basilio
Trabalho O Primo BasilioTrabalho O Primo Basilio
Trabalho O Primo Basilio
 
O primo basilio
O primo basilioO primo basilio
O primo basilio
 
Camilo Castelo Branco
Camilo Castelo BrancoCamilo Castelo Branco
Camilo Castelo Branco
 
Primo Basílio
Primo BasílioPrimo Basílio
Primo Basílio
 
O primo basílio
O primo basílioO primo basílio
O primo basílio
 
O primo-basilio
O primo-basilioO primo-basilio
O primo-basilio
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
 
Dom casmurro
Dom casmurroDom casmurro
Dom casmurro
 
Romance machadiano memórias póstumas de brás cubas
Romance machadiano  memórias póstumas de brás cubasRomance machadiano  memórias póstumas de brás cubas
Romance machadiano memórias póstumas de brás cubas
 
Power point de camilo
Power point de camiloPower point de camilo
Power point de camilo
 
O primo Basílio - Eça de Queiroz
O primo Basílio - Eça de QueirozO primo Basílio - Eça de Queiroz
O primo Basílio - Eça de Queiroz
 
O primo basilio
O primo basilioO primo basilio
O primo basilio
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
 

Destaque

Lepra 8 b brenda e mateus
Lepra 8 b brenda e mateusLepra 8 b brenda e mateus
Lepra 8 b brenda e mateusteresakashino
 
Trabalho de português (1).pptx memórias póstumas de brás cubas
Trabalho de português (1).pptx memórias póstumas de brás cubasTrabalho de português (1).pptx memórias póstumas de brás cubas
Trabalho de português (1).pptx memórias póstumas de brás cubasteresakashino
 
áLvares de azevedo 1 guilherme e rafaela
áLvares de azevedo 1 guilherme e rafaelaáLvares de azevedo 1 guilherme e rafaela
áLvares de azevedo 1 guilherme e rafaelateresakashino
 
Lira dos vinte anos jessica 2ºb
Lira dos vinte anos jessica 2ºbLira dos vinte anos jessica 2ºb
Lira dos vinte anos jessica 2ºbteresakashino
 
Lepra 8 a mariane (1)
Lepra 8 a mariane (1)Lepra 8 a mariane (1)
Lepra 8 a mariane (1)teresakashino
 
Dafne 8 a hanseníase
Dafne 8 a hanseníaseDafne 8 a hanseníase
Dafne 8 a hanseníaseteresakashino
 
Projeto leitura para o vestibular janaina 1º a
Projeto leitura para o vestibular  janaina 1º aProjeto leitura para o vestibular  janaina 1º a
Projeto leitura para o vestibular janaina 1º ateresakashino
 
Lepra lucas henrique 8 b
Lepra lucas henrique 8 bLepra lucas henrique 8 b
Lepra lucas henrique 8 bteresakashino
 
Lepra lucas israel 8 b
Lepra lucas israel 8 bLepra lucas israel 8 b
Lepra lucas israel 8 bteresakashino
 
Canção do exílio (6)hudson e mariana
Canção do exílio (6)hudson e marianaCanção do exílio (6)hudson e mariana
Canção do exílio (6)hudson e marianateresakashino
 
Classicismo.pptx janaina
Classicismo.pptx janainaClassicismo.pptx janaina
Classicismo.pptx janainateresakashino
 
Memórias póstumas de brás cubas (1)hugo
Memórias póstumas de brás cubas (1)hugoMemórias póstumas de brás cubas (1)hugo
Memórias póstumas de brás cubas (1)hugoteresakashino
 
Dengue (4) sem nome 8 a
Dengue (4) sem nome 8 aDengue (4) sem nome 8 a
Dengue (4) sem nome 8 ateresakashino
 
Apresentação1 (4)giovanna e laura. senhora e O cortiço
Apresentação1 (4)giovanna e laura. senhora e O cortiçoApresentação1 (4)giovanna e laura. senhora e O cortiço
Apresentação1 (4)giovanna e laura. senhora e O cortiçoteresakashino
 
Auto da barca do inferno murilo e nicholas 1ºa
Auto da barca do inferno murilo e nicholas 1ºaAuto da barca do inferno murilo e nicholas 1ºa
Auto da barca do inferno murilo e nicholas 1ºateresakashino
 
Zika virus analisse moraes
Zika virus  analisse moraesZika virus  analisse moraes
Zika virus analisse moraesteresakashino
 
Castro alves giovana 2ºb
Castro alves giovana 2ºbCastro alves giovana 2ºb
Castro alves giovana 2ºbteresakashino
 
Sobre padre antônio vieira paulo e marcos 1º a
Sobre padre antônio vieira  paulo e marcos 1º aSobre padre antônio vieira  paulo e marcos 1º a
Sobre padre antônio vieira paulo e marcos 1º ateresakashino
 

Destaque (20)

Lepra 8 a mateus
Lepra 8 a mateusLepra 8 a mateus
Lepra 8 a mateus
 
Lepra 8 b brenda e mateus
Lepra 8 b brenda e mateusLepra 8 b brenda e mateus
Lepra 8 b brenda e mateus
 
Trabalho de português (1).pptx memórias póstumas de brás cubas
Trabalho de português (1).pptx memórias póstumas de brás cubasTrabalho de português (1).pptx memórias póstumas de brás cubas
Trabalho de português (1).pptx memórias póstumas de brás cubas
 
áLvares de azevedo 1 guilherme e rafaela
áLvares de azevedo 1 guilherme e rafaelaáLvares de azevedo 1 guilherme e rafaela
áLvares de azevedo 1 guilherme e rafaela
 
Lira dos vinte anos jessica 2ºb
Lira dos vinte anos jessica 2ºbLira dos vinte anos jessica 2ºb
Lira dos vinte anos jessica 2ºb
 
L epra 8b michael
L epra 8b michaelL epra 8b michael
L epra 8b michael
 
Lepra 8 a mariane (1)
Lepra 8 a mariane (1)Lepra 8 a mariane (1)
Lepra 8 a mariane (1)
 
Dafne 8 a hanseníase
Dafne 8 a hanseníaseDafne 8 a hanseníase
Dafne 8 a hanseníase
 
Projeto leitura para o vestibular janaina 1º a
Projeto leitura para o vestibular  janaina 1º aProjeto leitura para o vestibular  janaina 1º a
Projeto leitura para o vestibular janaina 1º a
 
Lepra lucas henrique 8 b
Lepra lucas henrique 8 bLepra lucas henrique 8 b
Lepra lucas henrique 8 b
 
Lepra lucas israel 8 b
Lepra lucas israel 8 bLepra lucas israel 8 b
Lepra lucas israel 8 b
 
Canção do exílio (6)hudson e mariana
Canção do exílio (6)hudson e marianaCanção do exílio (6)hudson e mariana
Canção do exílio (6)hudson e mariana
 
Classicismo.pptx janaina
Classicismo.pptx janainaClassicismo.pptx janaina
Classicismo.pptx janaina
 
Memórias póstumas de brás cubas (1)hugo
Memórias póstumas de brás cubas (1)hugoMemórias póstumas de brás cubas (1)hugo
Memórias póstumas de brás cubas (1)hugo
 
Dengue (4) sem nome 8 a
Dengue (4) sem nome 8 aDengue (4) sem nome 8 a
Dengue (4) sem nome 8 a
 
Apresentação1 (4)giovanna e laura. senhora e O cortiço
Apresentação1 (4)giovanna e laura. senhora e O cortiçoApresentação1 (4)giovanna e laura. senhora e O cortiço
Apresentação1 (4)giovanna e laura. senhora e O cortiço
 
Auto da barca do inferno murilo e nicholas 1ºa
Auto da barca do inferno murilo e nicholas 1ºaAuto da barca do inferno murilo e nicholas 1ºa
Auto da barca do inferno murilo e nicholas 1ºa
 
Zika virus analisse moraes
Zika virus  analisse moraesZika virus  analisse moraes
Zika virus analisse moraes
 
Castro alves giovana 2ºb
Castro alves giovana 2ºbCastro alves giovana 2ºb
Castro alves giovana 2ºb
 
Sobre padre antônio vieira paulo e marcos 1º a
Sobre padre antônio vieira  paulo e marcos 1º aSobre padre antônio vieira  paulo e marcos 1º a
Sobre padre antônio vieira paulo e marcos 1º a
 

Semelhante a O cortiço e seus moradores

Semelhante a O cortiço e seus moradores (20)

ocortio-150628201435-lva1-app6891 (2).pdf
ocortio-150628201435-lva1-app6891 (2).pdfocortio-150628201435-lva1-app6891 (2).pdf
ocortio-150628201435-lva1-app6891 (2).pdf
 
Trabalho de língua portuguesa
Trabalho de língua portuguesaTrabalho de língua portuguesa
Trabalho de língua portuguesa
 
Revisão-Pro-Campus-2018.pptx
Revisão-Pro-Campus-2018.pptxRevisão-Pro-Campus-2018.pptx
Revisão-Pro-Campus-2018.pptx
 
O cortiço
O cortiço O cortiço
O cortiço
 
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
 
O cortiço 3ª b - 2011
O cortiço   3ª b - 2011O cortiço   3ª b - 2011
O cortiço 3ª b - 2011
 
Resenha de O cortiço
Resenha de O cortiço Resenha de O cortiço
Resenha de O cortiço
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
O cortiço material de aula
O cortiço   material de aulaO cortiço   material de aula
O cortiço material de aula
 
PORTUGUÊS: O cortiço, Aluísio de Azevedo
PORTUGUÊS: O cortiço, Aluísio de AzevedoPORTUGUÊS: O cortiço, Aluísio de Azevedo
PORTUGUÊS: O cortiço, Aluísio de Azevedo
 
O Cortiço.ppt
O Cortiço.pptO Cortiço.ppt
O Cortiço.ppt
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Jorge Amado Capitaes De Areia
Jorge Amado Capitaes De AreiaJorge Amado Capitaes De Areia
Jorge Amado Capitaes De Areia
 
O CORTIÇO
O CORTIÇO O CORTIÇO
O CORTIÇO
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Realismo-naturalismo brasileiros
Realismo-naturalismo brasileirosRealismo-naturalismo brasileiros
Realismo-naturalismo brasileiros
 
Trabalho de português
Trabalho de portuguêsTrabalho de português
Trabalho de português
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
Livros essenciais da literatura brasileira
Livros essenciais da literatura brasileiraLivros essenciais da literatura brasileira
Livros essenciais da literatura brasileira
 
Seminário - O Cortiço.pptx
Seminário - O Cortiço.pptxSeminário - O Cortiço.pptx
Seminário - O Cortiço.pptx
 

Mais de teresakashino

Vanguardas do modernismo
Vanguardas do modernismoVanguardas do modernismo
Vanguardas do modernismoteresakashino
 
Lira dos vinte anos julia, heloisa, letícia
Lira dos vinte anos  julia, heloisa, letíciaLira dos vinte anos  julia, heloisa, letícia
Lira dos vinte anos julia, heloisa, letíciateresakashino
 
Navio negreiro julia, heloísa. letícia
Navio negreiro julia, heloísa. letíciaNavio negreiro julia, heloísa. letícia
Navio negreiro julia, heloísa. letíciateresakashino
 
Auto da barca do inferno (3)joseff, jonatan
Auto da barca do inferno (3)joseff, jonatanAuto da barca do inferno (3)joseff, jonatan
Auto da barca do inferno (3)joseff, jonatanteresakashino
 
Lira dos vinte anos andré,douglas, luis augusto
Lira dos vinte anos  andré,douglas, luis augustoLira dos vinte anos  andré,douglas, luis augusto
Lira dos vinte anos andré,douglas, luis augustoteresakashino
 
Viagens na minha terra (5)edyane e ludmila
Viagens na minha terra (5)edyane e ludmilaViagens na minha terra (5)edyane e ludmila
Viagens na minha terra (5)edyane e ludmilateresakashino
 
Canção do exílio (3)edyane e ludmila
Canção do exílio (3)edyane e ludmilaCanção do exílio (3)edyane e ludmila
Canção do exílio (3)edyane e ludmilateresakashino
 
Memórias postumas joao e gabriel 2 (2)
Memórias postumas joao  e gabriel 2 (2)Memórias postumas joao  e gabriel 2 (2)
Memórias postumas joao e gabriel 2 (2)teresakashino
 
senhora e o cortiço- Júlia e Maria Eduarda
  senhora e o cortiço- Júlia e Maria Eduarda  senhora e o cortiço- Júlia e Maria Eduarda
senhora e o cortiço- Júlia e Maria Eduardateresakashino
 
Amor de perdição pedro
Amor de perdição pedroAmor de perdição pedro
Amor de perdição pedroteresakashino
 
Amor de perdição camilo castelo branco
Amor de perdição  camilo castelo brancoAmor de perdição  camilo castelo branco
Amor de perdição camilo castelo brancoteresakashino
 
A moreninha, iracema jaqueline
A moreninha, iracema  jaquelineA moreninha, iracema  jaqueline
A moreninha, iracema jaquelineteresakashino
 
A moreninha (6)jéssica diogo
A moreninha (6)jéssica diogoA moreninha (6)jéssica diogo
A moreninha (6)jéssica diogoteresakashino
 
A moreninha e iracema joao paulo e gabriel
A moreninha e iracema  joao paulo e gabrielA moreninha e iracema  joao paulo e gabriel
A moreninha e iracema joao paulo e gabrielteresakashino
 
A moreninha (14)hugo
A moreninha (14)hugoA moreninha (14)hugo
A moreninha (14)hugoteresakashino
 
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo- Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo- teresakashino
 
Apresentação1 (6)a moreninha guilherme e rafaela
Apresentação1 (6)a moreninha  guilherme e rafaelaApresentação1 (6)a moreninha  guilherme e rafaela
Apresentação1 (6)a moreninha guilherme e rafaelateresakashino
 
Iracema josé de alencar-jessica diogo
Iracema   josé de alencar-jessica diogoIracema   josé de alencar-jessica diogo
Iracema josé de alencar-jessica diogoteresakashino
 
A moreninha (4)derek e isabela
A moreninha (4)derek e isabelaA moreninha (4)derek e isabela
A moreninha (4)derek e isabelateresakashino
 
Trabalho dengue martha e karolyne 1º b
Trabalho dengue  martha e karolyne 1º bTrabalho dengue  martha e karolyne 1º b
Trabalho dengue martha e karolyne 1º bteresakashino
 

Mais de teresakashino (20)

Vanguardas do modernismo
Vanguardas do modernismoVanguardas do modernismo
Vanguardas do modernismo
 
Lira dos vinte anos julia, heloisa, letícia
Lira dos vinte anos  julia, heloisa, letíciaLira dos vinte anos  julia, heloisa, letícia
Lira dos vinte anos julia, heloisa, letícia
 
Navio negreiro julia, heloísa. letícia
Navio negreiro julia, heloísa. letíciaNavio negreiro julia, heloísa. letícia
Navio negreiro julia, heloísa. letícia
 
Auto da barca do inferno (3)joseff, jonatan
Auto da barca do inferno (3)joseff, jonatanAuto da barca do inferno (3)joseff, jonatan
Auto da barca do inferno (3)joseff, jonatan
 
Lira dos vinte anos andré,douglas, luis augusto
Lira dos vinte anos  andré,douglas, luis augustoLira dos vinte anos  andré,douglas, luis augusto
Lira dos vinte anos andré,douglas, luis augusto
 
Viagens na minha terra (5)edyane e ludmila
Viagens na minha terra (5)edyane e ludmilaViagens na minha terra (5)edyane e ludmila
Viagens na minha terra (5)edyane e ludmila
 
Canção do exílio (3)edyane e ludmila
Canção do exílio (3)edyane e ludmilaCanção do exílio (3)edyane e ludmila
Canção do exílio (3)edyane e ludmila
 
Memórias postumas joao e gabriel 2 (2)
Memórias postumas joao  e gabriel 2 (2)Memórias postumas joao  e gabriel 2 (2)
Memórias postumas joao e gabriel 2 (2)
 
senhora e o cortiço- Júlia e Maria Eduarda
  senhora e o cortiço- Júlia e Maria Eduarda  senhora e o cortiço- Júlia e Maria Eduarda
senhora e o cortiço- Júlia e Maria Eduarda
 
Amor de perdição pedro
Amor de perdição pedroAmor de perdição pedro
Amor de perdição pedro
 
Amor de perdição camilo castelo branco
Amor de perdição  camilo castelo brancoAmor de perdição  camilo castelo branco
Amor de perdição camilo castelo branco
 
A moreninha, iracema jaqueline
A moreninha, iracema  jaquelineA moreninha, iracema  jaqueline
A moreninha, iracema jaqueline
 
A moreninha (6)jéssica diogo
A moreninha (6)jéssica diogoA moreninha (6)jéssica diogo
A moreninha (6)jéssica diogo
 
A moreninha e iracema joao paulo e gabriel
A moreninha e iracema  joao paulo e gabrielA moreninha e iracema  joao paulo e gabriel
A moreninha e iracema joao paulo e gabriel
 
A moreninha (14)hugo
A moreninha (14)hugoA moreninha (14)hugo
A moreninha (14)hugo
 
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo- Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
 
Apresentação1 (6)a moreninha guilherme e rafaela
Apresentação1 (6)a moreninha  guilherme e rafaelaApresentação1 (6)a moreninha  guilherme e rafaela
Apresentação1 (6)a moreninha guilherme e rafaela
 
Iracema josé de alencar-jessica diogo
Iracema   josé de alencar-jessica diogoIracema   josé de alencar-jessica diogo
Iracema josé de alencar-jessica diogo
 
A moreninha (4)derek e isabela
A moreninha (4)derek e isabelaA moreninha (4)derek e isabela
A moreninha (4)derek e isabela
 
Trabalho dengue martha e karolyne 1º b
Trabalho dengue  martha e karolyne 1º bTrabalho dengue  martha e karolyne 1º b
Trabalho dengue martha e karolyne 1º b
 

Último

Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Susana Stoffel
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 

Último (20)

Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 

O cortiço e seus moradores

  • 1. Resumo : O cortiço O livro narra inicialmente a saga de João Romão rumo ao enriquecimento. Para acumular capital, ele explora os empregados e se utiliza até do furto para conseguir atingir seus objetivos. João Romão é o dono do cortiço, da taverna e da pedreira. Sua amante, Bertoleza, o ajuda de domingo a domingo, trabalhando sem descanso. Em oposição a João Romão, surge a figura de Miranda, o comerciante bem estabelecido que cria uma disputa acirrada com o taverneiro por uma braça de terra que deseja comprar para aumentar seu quintal. Não havendo consenso, há o rompimento provisório de relações entre os dois. Com inveja de Miranda, que possui condição social mais elevada, João Romão trabalha ardorosamente e passa por privações para enriquecer mais que seu oponente. Um fato, no entanto, muda a perspectiva do dono do cortiço. Quando Miranda recebe o título de barão, João Romão entende que não basta ganhar dinheiro, é necessário também ostentar uma posição social reconhecida, frequentar ambientes requintados, adquirir roupas finas, ir ao teatro, ler romances, ou seja, participar ativamente da vida burguesa. No cortiço, paralelamente, estão os moradores de menor ambição financeira. Destacam-se Rita Baiana e Capoeira Firmo, Jerônimo e Piedade. Um exemplo de como o romance procura demonstrar a má influência do meio sobre o homem é o caso do português Jerônimo, que tem uma vida exemplar até cair nas graças da mulata Rita Baiana. Opera-se uma transformação no português trabalhador, que muda todos os seus hábitos.
  • 2. Biografia Aluísio Azevedo (1857-1913) foi escritor brasileiro. "O Mulato" foi o romance que iniciou o Movimento Naturalista no Brasil. Foi também caricaturista, jornalista e diplomata. É membro fundador da Academia Brasileira de Letras. Aluísio Azevedo (1857-1913) nasceu em São Luís, Maranhão, no dia 14 de abril de 1857. Levado pelo irmão, o teatrólogo e jornalista Artur Azevedo, viajou para o Rio de Janeiro aos 17 anos de idade. Começou a estudar na Academia Imperial de Belas-Artes, onde revelou seus dons para o desenho. Logo passou a colaborar, com caricaturas e poesias, em jornais e revistas. Com a morte do pai, em 1879, Aluísio volta para São Luís e se dedica a literatura. Publica seu primeiro romance, "Uma Lágrima de Mulher", em 1880, onde se mostra exageradamente sentimental e de estilo romântico. Em 1881 edita "O Mulato", romance que iniciou o Movimento Naturalista no Brasil. A obra denunciava o preconceito racial existente na burguesia maranhense Com a reação negativa da sociedade, Aluísio volta para o Rio de Janeiro. Aluísio Azevedo abandonou as tendências românticas em que se formara, para, influenciado por Eça de Queirós e Émile Zola, tornar-se o precursor do Movimento Realista- Naturalista. No Rio de Janeiro, passou a viver com a publicação de folhetins românticos a alguns relatos naturalistas. Viveu durante 15 anos do que ganhava como escritor. Preocupado com a realidade cotidiana, seus tema prediletos foram a luta contra o preconceito de cor, o adultério, os vícios e o povo humilde. Na obra "O Cortiço", Aluísio retrata o aumento da população no Rio de Janeiro e o aparecimento de núcleos habitacionais, denominados cortiços, onde se aglomeravam trabalhadores e gente de atividades incertas. O grande personagem do romance é o próprio cortiço
  • 3. Personagens João Romão: português ambicioso, torna-se dono da venda, do cortiço e da pedreira. Explora a amante Bertoleza, mas acaba se casando com Zulmira por motivos financeiros. - Bertoleza: escrava que se pensa alforriada, trabalha para João Romão e é sua amante. - Miranda: português, morador do sobrado ao lado do cortiço. É casado com Estela, mas tem um casamento infeliz, mantido apenas por razões financeiras. - Estela: esposa de Miranda, é infiel ao marido. - Zulmira: filha de Estela e de Miranda, casa-se com João Romão, que busca ascensão social através do casamento. - Jerônimo: português trabalhador e honesto, torna-se administrador da pedreira de João Romão. Acaba se envolvendo com Rita Baiana e deixando de lado os princípios. - Rita Baiana: mulata sedutora, é amiga de todos no cortiço. Tinha um caso com Firmo, depois se envolveu com Jerônimo. - Piedade: esposa dedicada de Jerônimo, acaba se entregando a bebida depois que o marido a abandona para ficar com Rita Baiana. - Firmo: amante de Rita Baiana, é assassinado por Jerônimo. - Pombinha: moça que discreta e educada que termina entregue à prostituição.
  • 4. Análise O romance de Aluísio Azevedo segue de perto as determinações do chamado “romance experimental”, conceito elaborado pelo escritor francês Émile Zola. Segundo o conceito, a realidade é observada de uma perspectiva científica que se distancia da idealização romântica e mostra um retrato fiel da sociedade, mesmo de seus aspectos mais sórdidos – postura artística denominada então de “belo horrível”. A busca pelo registro fidedigno orienta o narrador no sentido da reprodução da linguagem das personagens com toda a riqueza da oralidade e das gírias do tempo. Nota-se ainda um aspecto fundamental da narrativa realista-naturalista: o interesse pela miséria, pela pobreza. Além de traços presentes na tendência naturalista do realismo, como a sexualização do enredo e a animalização das personagens. Pode-se dizer que O Cortiço segue o figurino naturalista em duas linhas de exposição de comportamento humano. A trajetória de João Romão apresenta a visão naturalista das relações sociais, enquanto a de Jerônimo indica a perspectiva adotada pela escola no que diz respeito às relações pessoais. Nos dois casos, evidenciam-se patologias que definem os desvios morais das personagens. A ambição de João Romão não é condenada, afinal, ele apenas se aproveita das oportunidades oferecidas pela sociedade capitalista então nascente. Ocorre que, nele, a vontade de prosperar transforma-se em doença, em “febre de possuir”. Sua falta de escrúpulos é tamanha, que passa a explorar a companheira Bertoleza até o ponto da saturação, quando a troca por uma companhia que promete frutos mais lucrativos. No retrato das relações sociais, o sobrado cumpre um papel fundamental, principalmente no contraste com o cortiço: este reúne os tipos miseráveis, enquanto aquele representa a riqueza das elites. Ficam assim representadas as diferenças sociais. Mas é bom observar que tanto em um ambiente quanto no outro o padrão moral é o mesmo, caracterizado pela baixeza e pelo domínio dos instintos.
  • 5. contexto • Aluísio Azevedo foi o melhor representante da tendência naturalista do Realismo brasileiro. Em seu esforço de conhecimento da realidade, explicitava a vida humana mesmo em seus aspectos mais sórdidos: a baixeza, a exploração, a desonestidade e o crime. • Importância do livro Na literatura brasileira, O Cortiço é o romance mais exemplar da estética realista-naturalista. Nele, pode-se perceber com clareza a visão que os naturalistas tinham das reações sociais no desejo de enriquecimento que toma João Romão, e ainda a imagem que os naturalistas faziam das relações pessoais no envolvimento amoroso entre Jerônimo e Rita Baiana. • Período histórico O romance foi escrito em um período de profundas transformações na paisagem urbana do Rio de Janeiro, captadas ali com o registro cru do naturalismo, que rejeitava qualquer forma de idealização do real.
  • 7. Nomes : Lucas manoel de paula Ian carlos particelli Fonte : Educação.literatura Orientadora : Teresa