José De Alencar
O Gaúcho
Página2-
Biografia
José de Alencar (1829-1877) foi romancista, dramaturgo,
jornalista, advogado e...
José De Alencar
O Gaúcho
Colégio San Rafael
Aracaju, 21 de Maio de 2014.
Página3
nunca aceitou o Loureiro, que tentando mo...
José De Alencar
O Gaúcho
Colégio San Rafael
Aracaju, 21 de Maio de 2014.
Página4
Depois de ter se vingado, se aproximou de...
José De Alencar
O Gaúcho
Colégio San Rafael
Aracaju, 21 de Maio de 2014.
Página5
‘’Que bela noite de luar jaspeia os cerr...
José De Alencar
O Gaúcho
Colégio San Rafael
Aracaju, 21 de Maio de 2014.
Página6
José de Alencar também chega a analisar o...
José De Alencar
O Gaúcho
Colégio San Rafael
Aracaju, 21 de Maio de 2014.
Página7
verossimilhança externa, por exemplo, cau...
José De Alencar
O Gaúcho
Colégio San Rafael
Aracaju, 21 de Maio de 2014.
Página8
A ocupação do território, a colonização e...
José De Alencar
O Gaúcho
Colégio San Rafael
Aracaju, 21 de Maio de 2014.
Página8
Romances históricos
Em seus romances dess...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Literatura o gaúcho josé de alencar leitura e analize 2014

11.280 visualizações

Publicada em

O gaucho- jose de alencar resumo e trabalho

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
11.280
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
32
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
123
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Literatura o gaúcho josé de alencar leitura e analize 2014

  1. 1. José De Alencar O Gaúcho Página2- Biografia José de Alencar (1829-1877) foi romancista, dramaturgo, jornalista, advogado e político brasileiro. Foi um dos maiores representantes da corrente literária indianista. “Destacou-se na carreira literária com a publicação do romance (O Guarani - 1957), em forma de folhetim, no Diário do Rio de Janeiro, onde alcançou enorme sucesso”. Sua obra e dividida em três etapas: Romances urbanos Cinco minutos (1860) A viuvinha (1860) Lucíola (1862) Diva (1864) A pata da gazela (1870) Sonhos d’ouro (1720) Senhora (1875) Encarnação (1877) Romances históricos e Indianistas O Guarani (1870) Iracema (1875) As Minas de prata (1865) Alfarrábios (1873) A guerra dos mascates (1873) Ubirajara (1874) Romances regionalistas O gaúcho (1870) O tronco do Ipê (1871) Til (1872) O sertanejo (1876) Enredo Conta a vida de um menino de 9 anos, Manuel Canho, que admirava muito seu pai, João Canho, grande conhecedor de cavalos. Presenciou o seu assassinato de forma covarde por Barreda. Manuel Canho jurou vingar-se e por muitos anos seguiu os passos do assassino. Seu pai morreu confundido por outra pessoa, que teria namorado a mulher de Barreda. Loureiro era o homem que deveria morrer. Loureiro, por sua vez, quando soube do ocorrido veio visitar a viúva de João Canho e apaixonou-se por ela e com ela se casou. O filho de João Canho, Manuel,
  2. 2. José De Alencar O Gaúcho Colégio San Rafael Aracaju, 21 de Maio de 2014. Página3 nunca aceitou o Loureiro, que tentando montar no cavalo do defunto, este o matou, como se quisesse vingar seu dono. Após a morte do padrasto, Manuel juntou dinheiro para não deixar sua mãe (Francisca) desamparada e à sua irmã (Jacintinha), filha de Loureiro, a qual o menino nunca aceitou. Foi falar com o padrinho coronel Bento Gonçalves sobre a sua vingança e neste trajeto viveu peripécias ligadas à guerra dos farrapos, mas particularmente a seu padrinho. Quando chegou à cidade de Entre-Rios, onde morava o assassino, é desafiado a domar uma égua, aceita o desafio e fica com ela. Como achassem impossível montá-la, começaram a dizer que ela tinha parte com o diabo. Para ele o cavalo era muito importante, aprendeu com seu pai, seu ídolo a gostar e respeitar os animais. Pensava se o homem é o rei da criação o cavalo serve de trono, como o peixe precisa da água, o gaúcho precisa do cavalo para existir. Percebeu que a égua havia parido há pouco tempo e tinha sido afastada de seu filho, resolveu encontrá-lo. Achou-o em uma caverna e a mãe começou a acariciar e alimentar seu filho, o animal sobreviveu. Provando que não é só amor, paixão e culto à maternidade, é principalmente uma reprodução da existência. À noite depois de quatro dias chegou à pousada com os dois. No dia seguinte foi a casa onde o assassino estava e o encontrou moribundo e abandonado, porque estava com uma doença chamada “bexiga” que era contagiosa. Quando este lhe pediu água, ele deu e cuidou dele até melhorar. Por ironia do destino salvou seu inimigo. Ainda poderia ver a mulher que foi a culpada da morte de seu pai. Voltou para sua casa sem ter cumprido a promessa de vingar seu pai. Lá encontrou sua mãe e a sua irmã, que lembrava o homem que tinha causado a morte de seu pai. Por mais que ela gostasse dele, ele não se aproximava. Um dia esta aproximação aconteceu por causa de um potrinho, de nome Juca, o mesmo nome de seu irmão que havia falecido. Um dia ela brincava com o potrinho e Manuel a viu e a abraçou, e uma nova família surgiu. Mas a vingança não o abandonava e um mês depois voltou à cidade e três meses depois encontrou com o assassino, falou quem ele era e porque estava ali. Travaram uma luta, foi uma batalha honrada e no final ele fincou a lança no peito do desgraçado, mesmo com a mulher implorando que não fizesse. Só ficou com pena do cavalo, pois para este Barreta seria sempre o dono.
  3. 3. José De Alencar O Gaúcho Colégio San Rafael Aracaju, 21 de Maio de 2014. Página4 Depois de ter se vingado, se aproximou de Catita, uma moça que na primeira viagem tinha conhecido. Durante a outra viagem ela tinha se envolvido com outro homem, mas quando ele regressou, ela pediu perdão, jurando amor e fidelidade. Manuel afastou-se no seu cavalo, mas ela lançou-se a garupa. A história termina com os dois cavalgando numa louca carreira em meio a uma tempestade e ventos zunindo. Personagens e Espaço Manuel Canho, gaúcho, de 22 anos, é alto e robusto com a face bronzeada; usa um chapéu desabado que lhe cobre a fronte larga. Vive, em um rancho em Poncho-Verde, às margens do Ibicuí, com a mãe, Francisca, senhora gorda de quarenta e cinco anos e uma irmã, Jacintinha, bela moça de quinze anos. João Canho, o pai de Manuel, amansador famoso na região, É morto num combate com castelhanos, que estavam à caça do comerciante Loureiro Loureiro o Padrasto de Manoel sensível aos encantos da viúva Francisca, sentindo-se responsável pela morte do marido, oferece-se para substitui-lo. A mãe aceita, desagradando Manuel que passa a odiar o padrasto Bento Gonçalves, o padrinho de Manuel, homem muito respeitado pela franqueza, generosidade e bravura. O chileno D. Romero, um vendedor ambulante, misto de mascate e aventureiro, que traz consigo uma égua muito bonita e arisca. Desafia a todos, afirmando que ninguém é capaz de montá-la Catita, jovem de doze anos, cabelos negros e pele queimada. Amor de Manuel. Tempo O tempo é cronológico. ‘’Eram 11 horas do dia ; uma trovoada estava iminente , que nublava o céu , obumbrando (cobrindo) os raios do sol’’.
  4. 4. José De Alencar O Gaúcho Colégio San Rafael Aracaju, 21 de Maio de 2014. Página5 ‘’Que bela noite de luar jaspeia os cerros de piratinim! A uma festa na vila’’. Foco Narrativo O Gaúcho, de José de Alencar, é um romance narrado em terceira pessoa. Nesta obra, José de Alencar retrata o Brasil, principalmente os Pampas, caracterizando um romance regionalista mas, com traços do romance histórico . No capítulo II do livro I, podemos contemplar a paisagem do sul do Brasil: o gaúcho a cavalo correndo pelos pampas. Publicado em 1870, foi o primeiro da série com qual Alencar tentou um "retrato do Brasil".  ‘’No meio dessa existência tranquila, a asa negra da desgraça roçou pela casa de João Canho’’.  ‘’Morzelo , que se conservava imóvel ao lado , durante toda essa cena , avançou a um sinal do senhor , e por ventura ensinado , pisou com a pata a face contraída do moribundo , que ainda estremeceu , ante essa derradeira afronta’’. Estilo A Importância De José De Alencar Considerado o maior romancista do Romantismo brasileiro, Alencar criou uma literatura nacionalista, empregando um vocabulário e uma sintaxe típicos do Brasil e evitando o estilo lusitano, que até então prevalecia na literatura aqui produzida. Sua obra traça um perfil da cultura e dos costumes de sua época, bem como da História do Brasil, tendo como preocupação essencial a busca de uma identidade nacional, seja quando descreve a sociedade burguesa do Rio de Janeiro, seja quando se volta para os temas ligados ao índio ou ao sertanejo. Seus romances costumam ser classificados em quatro categorias: urbanos, históricos, indianistas, e regionalistas. A obra urbana de Alencar segue o padrão do típico romance de folhetim, retratando a alta sociedade fluminense do Segundo reinado, com tramas que envolvem amor, segredos e suspense. Mas por trás da futilidade dos namoricos da Corte está a crítica à hipocrisia, à ambição e à desigualdade social.
  5. 5. José De Alencar O Gaúcho Colégio San Rafael Aracaju, 21 de Maio de 2014. Página6 José de Alencar também chega a analisar o caráter psicológico de suas personagens femininas, revelando seus conflitos interiores e antecipando as características da escola realista, que sucedeu o Romantismo. José de Alencar também buscou inspiração em nosso passado para escrever romances históricos, propondo uma nova interpretação literária para fatos marcantes da colonização, como a busca por ouro e as lutas pela expansão territorial. Seus enredos denotam em vários momentos um nacionalismo exaltado e o orgulho pela construção da pátria. Já os romances regionalistas denotam o interesse do autor pelas regiões mais afastadas do Brasil, alheias à influência europeia que predomina na Corte fluminense. Assim, ele alia os hábitos da vida no campo e a cultura popular à beleza natural e exótica das terras brasileiras. Se nos romances urbanos as mulheres são sempre enfatizadas, nas obras de cunho regional os homens recebem o destaque, com toda a sua rudeza, enfrentando os desafios da vida, enquanto que as mulheres assumem papéis secundários. Verossimilhança O Gaúcho era considerado um “homem da fronteira”, habituado a viver em constantes lutas para defender as fronteiras e expandir o território do RS. Devido a isto, desenvolveu o espírito de liderança, o gosto pela liberdade e o amor por sua terra. No entanto, esta visão do Gaúcho era em uma perspectiva idealizada, que não correspondia totalmente à verdade. O verdadeiro Gaúcho rio-grandense não teve uma origem tão nobre assim. Magnoli; Oliveira e Menegotto (2001, p. 23) Desmistificam esta imagem ao contar que anteriormente o “Gaúcho original era visto com desprezo pela sociedade branca colonial. O mestiço pobre, “ladrão de gado”, errante e “vagabundo”, ocupava a parte inferior da pirâmide social.” Este Gaúcho verdadeiro, mistura de espanhol, índio e português que vivia cruzando os territórios divididos entre Portugal e Espanha e brigando para garantir a posse das terras, que falava termos guaranis misturados com palavras castelhanas e portuguesas, era muito distinto do Gaúcho idealizado do livro de José de Alencar. “Somente bem mais tarde, depois que o Gaúcho livre desapareceu, é que foi elaborada a imagem galante, romantizada, do gaúcho pampeano.” Os principais erros são falhas de
  6. 6. José De Alencar O Gaúcho Colégio San Rafael Aracaju, 21 de Maio de 2014. Página7 verossimilhança externa, por exemplo, causadas pela falta de contato do escritor cearense com a realidade sulina – criticadas por Franklin Távora. Conclusões - Movimento Literário Características da obra de Alencar O Gaúcho do romance é apenas um estereótipo do verdadeiro gaúcho e a criação deste mito teve por objetivo transformar para melhor a imagem negativa do homem pampeano, anteriormente visto com desprezo pela sociedade, bem como “encobrir” as diferenças de classes, sendo que todos são “gaúchos” e não percebem que há diferenças econômicas e históricas entre “patrões”, “prendas” e “peões”. Porém, mesmo o gauchismo sendo um movimento criado para manter a hegemonia das classes dominantes, tem a função positiva de valorizar a identidade local frente à “aculturação” causada pela Globalização. A obra de José de Alencar pode ser dividida em dois grupos distintos: Quanto ao Espaço Geográfico  O sertão do Nordeste - O Sertanejo  O litoral cearense - Iracema  Fogo na babilonia  O pampa gaúcho - O Gaúcho A zona rural - Til (interior paulista), O Tronco do Ipê (zona da mata fluminense) A cidade, a sociedade burguesa do Segundo Reinado - Diva, Lucíola, Senhora e os demais romances urbanos. Quanto a Evolução Histórica O período pré-cabraliano - Ubirajara. A fase de formação da nacionalidade - Iracema e O Guarani.
  7. 7. José De Alencar O Gaúcho Colégio San Rafael Aracaju, 21 de Maio de 2014. Página8 A ocupação do território, a colonização e o sentimento nativista - As Minas de Prata (o bandeirantismo) e Guerra dos Mascates(rebelião colonial). O presente, a vida urbana de seu tempo, a burguesia fluminense do século XIX - os romances urbanos Diva, Lucíola, Senhora e outros. Romances indianistas Afirmar a identidade brasileira significava em primeiro lugar valorizar nossos traços autóctones, isto é, aqueles que aqui já existiam antes da chegada dos colonizadores. O índio é quem irá representar esse papel, de vez que ele é o homem da terra brasileira em estado puro. Assim, o índio assumirá o papel de herói de símbolo da raça, Nesse sentido, destaca-se Peri, o personagem principal de "O Guarani", romance em que Alencar, de modo épico, faz uma alegoria das origens do Brasil. Romances urbanos Nessas obras, Alencar se dedica a traçar um painel da vida na Corte, ou seja, a cidade do Rio de Janeiro, sede da monarquia brasileira. Os enredos basicamente tratam de aventuras amorosas e procuram traçar os perfis das mulheres que os protagonizam. Nesse sentido, Alencar avança numa característica que se tornará importante ao gênero romance: a observação psicológica das personagens. Ao mesmo tempo, faz crítica de costumes sociais de sua época. Esse é particularmente o caso de "Senhora", em que o autor faz uma crítica ao casamento por interesse e ao arrivismo social, narrando a história de Fernando Seixas que é "comprado" para ser marido de Aurélia Camargo. Alencar não consegue perceber nem tematizar as grandes mazelas da sociedade brasileira de seu tempo. Por outro lado, sua literatura urbana abriu caminho para o surgimento de uma obra genial como a de Machado de Assis. Romances regionalistas O maior mérito de Alencar é o de ter inaugurado um caminho que se revelaria muito proveitoso para a literatura brasileira. Ao colocar o foco sobre as realidades regionais do Brasil - no Rio Grande do Sul, em "O Gaúcho"; no interior de São Paulo, em "O Tronco de Ipê", no Nordeste em "O Sertanejo" -, Alencar logo conquista seguidores, que também fariam literatura regionalista, como o Visconde de Taunay e Bernardo Guimarães, ainda no século XIX.
  8. 8. José De Alencar O Gaúcho Colégio San Rafael Aracaju, 21 de Maio de 2014. Página8 Romances históricos Em seus romances dessa categoria, ele procurou mostrar que o Brasil independente tinha raízes na Colônia. O romance histórico faz mais sentido na Europa onde as tradições medievais de cada nação forneciam matéria narrativa e efetivamente refletiam as origens de cada país. Uma breve avaliação ‘’O projeto Alencariano’’ de retratar a realidade brasileira pelo romance talvez peque pelo fato de os modelos do autor serem europeus e por ele se ater demais aos seus modelos. Os romancistas europeus do século XIX contavam com uma tradição narrativa que datava no mínimo do século XIV. Isso atenua Alencar da acusação de simplesmente transpor os padrões europeus para nossa realidade. A obra de Alencar tem involuntariamente um quê de paródia, que prenuncia a maneira satírica com que os modernistas e os tropicalistas vão olhar para os valores estrangeiros e tentar criar valores genuinamente nacionais. ( jornalista Antonio Carlos Oliveira – Adaptado).

×