SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Workshop Formativo Acção de Formação:  Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares  Público alvo:  - Conselho pedagógico - Departamentos curriculares                                      Duração: 2 blocos de 90 min.  - Professores das ACND   M.ª Conceição P. Gomes 2009/2010
Porquê a necessidade da implementação da auto-avaliação nas  BEs?  “ - Poderias dizer-me,  por favor,  que caminho hei-de tomar para sair daqui? ,[object Object]
Não interessa muito para onde vou… retorquiu Alice.
Nesse caso, pouco importa o caminho que tomes – interpôs o gato.”Alice no País das Maravilhas Ao contrário do que Alice pensa acerca do seu destino, revelando  total indiferença em relação ao caminho a seguir,  as BEs “preocupam-se com os resultados, o valor que eles acrescentam nas atitudes e nas competências dos utilizadores”.  “… a avaliação tem um papel determinante, permitindo-nos validar o que fazemos, como fazemos, onde estamos e até onde queremos ir…”
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares enquadra-se na estratégia global de desenvolvimento das bibliotecas portuguesas, com o objectivo de: Facultar um instrumento pedagógico e de melhoria contínua que permita aos órgãos de gestão directivos e aos coordenadores avaliam o trabalho da biblioteca escolar e o impacto desse trabalho no funcionamento global da escola e nas aprendizagens dos alunos e identificar áreas de sucesso e aquelas que, por  apresentarem resultados menores, requerem maior investimento, determinando, nalguns casos, uma inflexão das práticas.
Conceitos implicados  A noção de valor: não é intrínseco às coisas, tem a ver com a experiência  e benefícios que se retiram delas. A auto-avaliação é um processo pedagógico e regulador , inerente à gestão e procura de uma melhoria contínua. A avaliação não constitui um fim, devendo ser entendida como um processo que conduzirá à reflexão e originará mudanças concretas na prática.  Auto-avaliação, através da recolha de evidências, possibilita a identificação  dos pontos fortes e fracos traduzindo-se na (re)definição de objectivos e prioridades
Caminhos e possibilidades num contexto global de mudança, no qual as bibliotecas escolares devem evoluir: a- Conceitos relacionados com a missão da BE no contexto da escola e que a relacionam com:- as aprendizagens;- o desenvolvimento curricular;- o sucesso educativo - Novos conceitos e contextos de aprendizagem:  o aluno constrói o seu próprio conhecimento (construtivismo). ,[object Object]
introdução das TIC e de novas formas de disponibilização da informação que conduzem ao desenvolvimento de novas literacias e a uma aprendizagem ao longo da vida.
Recolha sistemática de evidências que permitem gerir a mudança aferindo o impacto que as BEs têm na escola ,[object Object]
Recolha de evidências Documentos que regulam a actividade da escola e/ou da BE: ,[object Object]
 PCT;
 Plano Anual de Actividades;
 Regulamento;
 Actas/relatórios e actividades;
 Planificações;

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (17)

MAABE - BE 2009
MAABE - BE 2009MAABE - BE 2009
MAABE - BE 2009
 
Integracao do modelo_de_auto-avaliacao_na_escola.agrupamento
Integracao do modelo_de_auto-avaliacao_na_escola.agrupamentoIntegracao do modelo_de_auto-avaliacao_na_escola.agrupamento
Integracao do modelo_de_auto-avaliacao_na_escola.agrupamento
 
"O processo de auto-avaliação no contexto do Agrupamento"
"O processo de auto-avaliação no contexto do Agrupamento""O processo de auto-avaliação no contexto do Agrupamento"
"O processo de auto-avaliação no contexto do Agrupamento"
 
Texto 3 unidade 1 2ano
Texto 3   unidade 1 2anoTexto 3   unidade 1 2ano
Texto 3 unidade 1 2ano
 
Apresentação Modelo
Apresentação ModeloApresentação Modelo
Apresentação Modelo
 
Av Prof.Ccap
Av Prof.CcapAv Prof.Ccap
Av Prof.Ccap
 
Planejamento durval 2014 3dia 3 momento app
Planejamento durval 2014 3dia   3 momento appPlanejamento durval 2014 3dia   3 momento app
Planejamento durval 2014 3dia 3 momento app
 
Auto AvaliaçãO Avrt2 Be
Auto AvaliaçãO Avrt2 BeAuto AvaliaçãO Avrt2 Be
Auto AvaliaçãO Avrt2 Be
 
Powerpoint[2]
Powerpoint[2]Powerpoint[2]
Powerpoint[2]
 
Minuta Projeto
Minuta ProjetoMinuta Projeto
Minuta Projeto
 
Tarefa 3
Tarefa 3Tarefa 3
Tarefa 3
 
2ª SessãO Tarefa 1.AnáLise CríTica Maabe
2ª SessãO  Tarefa 1.AnáLise CríTica Maabe2ª SessãO  Tarefa 1.AnáLise CríTica Maabe
2ª SessãO Tarefa 1.AnáLise CríTica Maabe
 
Ana Violante - análise crítica
Ana Violante - análise críticaAna Violante - análise crítica
Ana Violante - análise crítica
 
Plano - Workshop
Plano - WorkshopPlano - Workshop
Plano - Workshop
 
ApresentaçãO Do Modelo De AutoavaliaçãO Das Bes
ApresentaçãO Do Modelo De AutoavaliaçãO Das BesApresentaçãO Do Modelo De AutoavaliaçãO Das Bes
ApresentaçãO Do Modelo De AutoavaliaçãO Das Bes
 
S2 6
S2 6S2 6
S2 6
 
AA No Contexto Escola Powerpoint
AA No Contexto Escola PowerpointAA No Contexto Escola Powerpoint
AA No Contexto Escola Powerpoint
 

Destaque

Microsoft access
Microsoft accessMicrosoft access
Microsoft access
oscar mesa
 

Destaque (8)

Comportamiento de la deuda pública estatal contratada con la banca comercial ...
Comportamiento de la deuda pública estatal contratada con la banca comercial ...Comportamiento de la deuda pública estatal contratada con la banca comercial ...
Comportamiento de la deuda pública estatal contratada con la banca comercial ...
 
O Liberalismo
O LiberalismoO Liberalismo
O Liberalismo
 
Relações Trigonométricas
Relações TrigonométricasRelações Trigonométricas
Relações Trigonométricas
 
Analisis sobre las finanzas publicas del Estado de Coahuila
Analisis sobre las finanzas publicas del Estado de CoahuilaAnalisis sobre las finanzas publicas del Estado de Coahuila
Analisis sobre las finanzas publicas del Estado de Coahuila
 
Microsoft access
Microsoft accessMicrosoft access
Microsoft access
 
La reelección y la participación ciudadana, coincidencia de alcaldes y congre...
La reelección y la participación ciudadana, coincidencia de alcaldes y congre...La reelección y la participación ciudadana, coincidencia de alcaldes y congre...
La reelección y la participación ciudadana, coincidencia de alcaldes y congre...
 
Ar portfolium
Ar portfoliumAr portfolium
Ar portfolium
 
1VE BRUNA HISTÓRIA
1VE BRUNA HISTÓRIA1VE BRUNA HISTÓRIA
1VE BRUNA HISTÓRIA
 

Semelhante a Workshop Formativo[1]

Workshop 2ª Parte
Workshop 2ª ParteWorkshop 2ª Parte
Workshop 2ª Parte
MARIA NOGUE
 
Análise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
Análise crítica ao Modelo de Auto-AvaliaçãoAnálise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
Análise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
mariaemilianovais
 
Análise Crítica do Modelo de Auto-Avaliação
Análise Crítica do Modelo de Auto-AvaliaçãoAnálise Crítica do Modelo de Auto-Avaliação
Análise Crítica do Modelo de Auto-Avaliação
mariaemilianovais
 
Workshop 1ª Parte
Workshop 1ª ParteWorkshop 1ª Parte
Workshop 1ª Parte
MARIA NOGUE
 
Sintese sessao 3
Sintese sessao 3Sintese sessao 3
Sintese sessao 3
Anaigreja
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
AnáLise CríTica Ao Modelo De AutoAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
candidaribeiro
 
Tarefa 2 AnáLise CríTica
Tarefa 2   AnáLise CríTicaTarefa 2   AnáLise CríTica
Tarefa 2 AnáLise CríTica
Hélia Jacob
 
Modelo Auto AvaliaçãO Da Biblioteca Escolar
Modelo Auto AvaliaçãO Da Biblioteca EscolarModelo Auto AvaliaçãO Da Biblioteca Escolar
Modelo Auto AvaliaçãO Da Biblioteca Escolar
mizedomingues
 
ApresentaçãO2 Susi
ApresentaçãO2 SusiApresentaçãO2 Susi
ApresentaçãO2 Susi
guest404be0b
 
ApresentaçãO2 Susi
ApresentaçãO2 SusiApresentaçãO2 Susi
ApresentaçãO2 Susi
guest404be0b
 
Analise critica ao_modelo_de_auto_avaliacao_das_b_es -3ªsessão
Analise critica ao_modelo_de_auto_avaliacao_das_b_es -3ªsessãoAnalise critica ao_modelo_de_auto_avaliacao_das_b_es -3ªsessão
Analise critica ao_modelo_de_auto_avaliacao_das_b_es -3ªsessão
anabelavalentim
 
Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva
Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes SilvaAuto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva
Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva
lurdesilva
 
AnáLise CríTica Susana
AnáLise CríTica SusanaAnáLise CríTica Susana
AnáLise CríTica Susana
Susana Martins
 
Auto AvaliçãO Da Be Eb 2,3 Dr. A.R.P.
Auto AvaliçãO Da Be   Eb 2,3 Dr. A.R.P.Auto AvaliçãO Da Be   Eb 2,3 Dr. A.R.P.
Auto AvaliçãO Da Be Eb 2,3 Dr. A.R.P.
rbento
 
Ana Silva 2ª Tarefa
Ana Silva 2ª TarefaAna Silva 2ª Tarefa
Ana Silva 2ª Tarefa
anabraga
 

Semelhante a Workshop Formativo[1] (20)

Joao Reis AutoavaliaçãO Bib Pataias SessãO3
Joao Reis AutoavaliaçãO Bib Pataias SessãO3Joao Reis AutoavaliaçãO Bib Pataias SessãO3
Joao Reis AutoavaliaçãO Bib Pataias SessãO3
 
Workshop 2ª Parte
Workshop 2ª ParteWorkshop 2ª Parte
Workshop 2ª Parte
 
Análise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
Análise crítica ao Modelo de Auto-AvaliaçãoAnálise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
Análise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
 
Análise Crítica do Modelo de Auto-Avaliação
Análise Crítica do Modelo de Auto-AvaliaçãoAnálise Crítica do Modelo de Auto-Avaliação
Análise Crítica do Modelo de Auto-Avaliação
 
Workshop 1ª Parte
Workshop 1ª ParteWorkshop 1ª Parte
Workshop 1ª Parte
 
Sintese sessao 3
Sintese sessao 3Sintese sessao 3
Sintese sessao 3
 
2ªTarefa 2.2
2ªTarefa 2.22ªTarefa 2.2
2ªTarefa 2.2
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
AnáLise CríTica Ao Modelo De AutoAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
 
Tarefa 2
Tarefa 2Tarefa 2
Tarefa 2
 
Tarefa 2 AnáLise CríTica
Tarefa 2   AnáLise CríTicaTarefa 2   AnáLise CríTica
Tarefa 2 AnáLise CríTica
 
Auto Avali Be
Auto Avali BeAuto Avali Be
Auto Avali Be
 
Modelo Auto AvaliaçãO Da Biblioteca Escolar
Modelo Auto AvaliaçãO Da Biblioteca EscolarModelo Auto AvaliaçãO Da Biblioteca Escolar
Modelo Auto AvaliaçãO Da Biblioteca Escolar
 
ApresentaçãO2 Susi
ApresentaçãO2 SusiApresentaçãO2 Susi
ApresentaçãO2 Susi
 
ApresentaçãO2 Susi
ApresentaçãO2 SusiApresentaçãO2 Susi
ApresentaçãO2 Susi
 
Apresentação 2 Susi
Apresentação 2 SusiApresentação 2 Susi
Apresentação 2 Susi
 
Analise critica ao_modelo_de_auto_avaliacao_das_b_es -3ªsessão
Analise critica ao_modelo_de_auto_avaliacao_das_b_es -3ªsessãoAnalise critica ao_modelo_de_auto_avaliacao_das_b_es -3ªsessão
Analise critica ao_modelo_de_auto_avaliacao_das_b_es -3ªsessão
 
Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva
Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes SilvaAuto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva
Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva
 
AnáLise CríTica Susana
AnáLise CríTica SusanaAnáLise CríTica Susana
AnáLise CríTica Susana
 
Auto AvaliçãO Da Be Eb 2,3 Dr. A.R.P.
Auto AvaliçãO Da Be   Eb 2,3 Dr. A.R.P.Auto AvaliçãO Da Be   Eb 2,3 Dr. A.R.P.
Auto AvaliçãO Da Be Eb 2,3 Dr. A.R.P.
 
Ana Silva 2ª Tarefa
Ana Silva 2ª TarefaAna Silva 2ª Tarefa
Ana Silva 2ª Tarefa
 

Mais de Macogomes

Tarefa7 FóRum 1
Tarefa7 FóRum 1Tarefa7 FóRum 1
Tarefa7 FóRum 1
Macogomes
 
Guia Da Unidade 7
Guia Da Unidade 7Guia Da Unidade 7
Guia Da Unidade 7
Macogomes
 
Analise E Comentario Critico[1]
Analise E Comentario Critico[1]Analise E Comentario Critico[1]
Analise E Comentario Critico[1]
Macogomes
 
O Modelo De Auto Avaliacao
O Modelo De Auto AvaliacaoO Modelo De Auto Avaliacao
O Modelo De Auto Avaliacao
Macogomes
 
Accoes Futuras D2[1]
Accoes Futuras D2[1]Accoes Futuras D2[1]
Accoes Futuras D2[1]
Macogomes
 
Introdução e guia da Sessão 5
Introdução e guia da Sessão 5Introdução e guia da Sessão 5
Introdução e guia da Sessão 5
Macogomes
 
Workshop Formativo
Workshop FormativoWorkshop Formativo
Workshop Formativo
Macogomes
 
Tabela Matriz
Tabela MatrizTabela Matriz
Tabela Matriz
Macogomes
 
Tabela D2[1]
Tabela D2[1]Tabela D2[1]
Tabela D2[1]
Macogomes
 
Tabela Matriz Novo Curso[1]
Tabela Matriz   Novo Curso[1]Tabela Matriz   Novo Curso[1]
Tabela Matriz Novo Curso[1]
Macogomes
 
Reflexao Critica[1]
Reflexao Critica[1]Reflexao Critica[1]
Reflexao Critica[1]
Macogomes
 
Praticas E Modelos De Auto Avaliacao Sessao 4[1]
Praticas E Modelos De Auto Avaliacao Sessao 4[1]Praticas E Modelos De Auto Avaliacao Sessao 4[1]
Praticas E Modelos De Auto Avaliacao Sessao 4[1]
Macogomes
 
Guia Unidade Desafios Oportunidades 1
Guia Unidade Desafios Oportunidades 1Guia Unidade Desafios Oportunidades 1
Guia Unidade Desafios Oportunidades 1
Macogomes
 
O Modelo De Auto Avaliacao[1]
O Modelo De Auto Avaliacao[1]O Modelo De Auto Avaliacao[1]
O Modelo De Auto Avaliacao[1]
Macogomes
 
Guia Da SessãO 7
Guia Da SessãO 7Guia Da SessãO 7
Guia Da SessãO 7
Macogomes
 
Guia Da SessãO 5
Guia Da SessãO 5Guia Da SessãO 5
Guia Da SessãO 5
Macogomes
 
Guia Da SessãO 6
Guia Da SessãO 6Guia Da SessãO 6
Guia Da SessãO 6
Macogomes
 
Guia Da SessãO 4
Guia Da SessãO 4Guia Da SessãO 4
Guia Da SessãO 4
Macogomes
 
Guia Da SessãO 1
Guia Da SessãO 1Guia Da SessãO 1
Guia Da SessãO 1
Macogomes
 
Guia Da SessãO 3
Guia Da SessãO 3Guia Da SessãO 3
Guia Da SessãO 3
Macogomes
 

Mais de Macogomes (20)

Tarefa7 FóRum 1
Tarefa7 FóRum 1Tarefa7 FóRum 1
Tarefa7 FóRum 1
 
Guia Da Unidade 7
Guia Da Unidade 7Guia Da Unidade 7
Guia Da Unidade 7
 
Analise E Comentario Critico[1]
Analise E Comentario Critico[1]Analise E Comentario Critico[1]
Analise E Comentario Critico[1]
 
O Modelo De Auto Avaliacao
O Modelo De Auto AvaliacaoO Modelo De Auto Avaliacao
O Modelo De Auto Avaliacao
 
Accoes Futuras D2[1]
Accoes Futuras D2[1]Accoes Futuras D2[1]
Accoes Futuras D2[1]
 
Introdução e guia da Sessão 5
Introdução e guia da Sessão 5Introdução e guia da Sessão 5
Introdução e guia da Sessão 5
 
Workshop Formativo
Workshop FormativoWorkshop Formativo
Workshop Formativo
 
Tabela Matriz
Tabela MatrizTabela Matriz
Tabela Matriz
 
Tabela D2[1]
Tabela D2[1]Tabela D2[1]
Tabela D2[1]
 
Tabela Matriz Novo Curso[1]
Tabela Matriz   Novo Curso[1]Tabela Matriz   Novo Curso[1]
Tabela Matriz Novo Curso[1]
 
Reflexao Critica[1]
Reflexao Critica[1]Reflexao Critica[1]
Reflexao Critica[1]
 
Praticas E Modelos De Auto Avaliacao Sessao 4[1]
Praticas E Modelos De Auto Avaliacao Sessao 4[1]Praticas E Modelos De Auto Avaliacao Sessao 4[1]
Praticas E Modelos De Auto Avaliacao Sessao 4[1]
 
Guia Unidade Desafios Oportunidades 1
Guia Unidade Desafios Oportunidades 1Guia Unidade Desafios Oportunidades 1
Guia Unidade Desafios Oportunidades 1
 
O Modelo De Auto Avaliacao[1]
O Modelo De Auto Avaliacao[1]O Modelo De Auto Avaliacao[1]
O Modelo De Auto Avaliacao[1]
 
Guia Da SessãO 7
Guia Da SessãO 7Guia Da SessãO 7
Guia Da SessãO 7
 
Guia Da SessãO 5
Guia Da SessãO 5Guia Da SessãO 5
Guia Da SessãO 5
 
Guia Da SessãO 6
Guia Da SessãO 6Guia Da SessãO 6
Guia Da SessãO 6
 
Guia Da SessãO 4
Guia Da SessãO 4Guia Da SessãO 4
Guia Da SessãO 4
 
Guia Da SessãO 1
Guia Da SessãO 1Guia Da SessãO 1
Guia Da SessãO 1
 
Guia Da SessãO 3
Guia Da SessãO 3Guia Da SessãO 3
Guia Da SessãO 3
 

Último

Último (8)

Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdfAula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
 
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
 
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
 
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor SucroenergéticoConvergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
 

Workshop Formativo[1]

  • 1. Workshop Formativo Acção de Formação: Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares Público alvo: - Conselho pedagógico - Departamentos curriculares Duração: 2 blocos de 90 min. - Professores das ACND M.ª Conceição P. Gomes 2009/2010
  • 2.
  • 3. Não interessa muito para onde vou… retorquiu Alice.
  • 4. Nesse caso, pouco importa o caminho que tomes – interpôs o gato.”Alice no País das Maravilhas Ao contrário do que Alice pensa acerca do seu destino, revelando total indiferença em relação ao caminho a seguir, as BEs “preocupam-se com os resultados, o valor que eles acrescentam nas atitudes e nas competências dos utilizadores”. “… a avaliação tem um papel determinante, permitindo-nos validar o que fazemos, como fazemos, onde estamos e até onde queremos ir…”
  • 5. O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares enquadra-se na estratégia global de desenvolvimento das bibliotecas portuguesas, com o objectivo de: Facultar um instrumento pedagógico e de melhoria contínua que permita aos órgãos de gestão directivos e aos coordenadores avaliam o trabalho da biblioteca escolar e o impacto desse trabalho no funcionamento global da escola e nas aprendizagens dos alunos e identificar áreas de sucesso e aquelas que, por apresentarem resultados menores, requerem maior investimento, determinando, nalguns casos, uma inflexão das práticas.
  • 6. Conceitos implicados A noção de valor: não é intrínseco às coisas, tem a ver com a experiência e benefícios que se retiram delas. A auto-avaliação é um processo pedagógico e regulador , inerente à gestão e procura de uma melhoria contínua. A avaliação não constitui um fim, devendo ser entendida como um processo que conduzirá à reflexão e originará mudanças concretas na prática. Auto-avaliação, através da recolha de evidências, possibilita a identificação dos pontos fortes e fracos traduzindo-se na (re)definição de objectivos e prioridades
  • 7.
  • 8. introdução das TIC e de novas formas de disponibilização da informação que conduzem ao desenvolvimento de novas literacias e a uma aprendizagem ao longo da vida.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 13. Plano Anual de Actividades;
  • 15. Actas/relatórios e actividades;
  • 19. Trabalhos realizados pelos alunos;
  • 20. Etc.Mostra os aspectos positivos a realçar ou aspectos menos positivos que nos obrigam a repensar formas de gestão e maneiras de funcionamento; As informações recolhidas devem se de diferentes tipos e relevantes em função do indicador; A recolha de dados deve ser sistemática, ao longo do ano lectivo e incidir sobre os vários níveis de escolaridades existentes na escola.
  • 21. Perfis de desempenho- o desempenho não depende da acção isolada da BE mas envolve e implica toda a Escola: Director , professores… As acções para a melhoria devem constituir um compromisso de toda a escola pois um bom desempenho da BE irá beneficiar o trabalho de todos. Os perfis de desempenho são apresentados numa escala de quatro níveis. Esta escala será a que melhor corresponde aos propósitos da auto-avaliação: fomentar a reflexão construtiva e contribuir para a procura da melhoria através da identificação de estratégias que permitam atingir o nível seguinte.
  • 23.
  • 24. Os resultados obtidos devem ser:- partilhados com o director;- divulgados e discutidos nos órgãos de gestão pedagógica.Estes resultados têm impacto no processo de planificação e na gestão, obrigando a que: Se decidam as melhorias, apostando na mobilização e no esforço de todos; Se estabeleçam linhas orientadoras dos planos de acção do modo a que estejam em consonância com a estratégia da escola Se identifiquem oportunidades e constrangimentos e definam fins e objectivos se proceda à recolha sistemática de informação e a metodologias de controlo.
  • 25. Aplicação do Modelo à BE Oportunidades Constrangimentos Liderança do professor bibliotecário; Valorização da BE; Articulação com os diferentes departamentos na planificação e dinamização de actividades; Dificuldade em conciliar horários para preparar actividades, quer com os elementos da equipa, quer com os departamentos; Falta de formação dos elementos da equipa.
  • 26. Gestão das mudanças: Níveis de participação da escola O professor bibliotecário como elemento mobilizador de saberes; O professor bibliotecário como elo de ligação no seio da comunidade educativa e mobilizador da mesma para a implementação do processo de auto- -avaliação; Discussão do processo de auto-avaliação em conselho pedagógico.
  • 27. Sessões de trabalho em grupo: 1- Elaborar instrumentos de recolha de evidências; 2- Como implementar a articulação entre: - BE; - Departamentos; - Professores do Apoio Educativo, - Professores das ACND 3- Como vencer os constrangimentos evidenciados. Apresentação e discussão das ideias/propostas. Elaboração de um documento contendo as ideias-chave desta reflexão.
  • 28.
  • 29.