SlideShare uma empresa Scribd logo
Práticas e Modelos de Avaliação
em Bibliotecas Escolares
Maria da Graça Gonçalves
27 de Outubro de 2008
Integração do Modelo de Auto-Avaliação
na Escola/Agrupamento
E.B. 2,3 Luís de Sttau Monteiro
Biblioteca Escolar
Apresentação do Modelo deApresentação do Modelo de
Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar aoAuto-Avaliação da Biblioteca Escolar ao
Conselho PegagógicoConselho Pegagógico
Enquadramento
• Contexto geral de mudança do sistema educativo e as suas
implicações nas Bibliotecas Escolares (BEs)
• Pressão de apresentar resultados por parte das organizações
(RBE, DREs, Municípios, Escolas)
• Integrar o processo de avaliação da BE na avaliação interna e
externa da Escola
• A necessidade de existir um documento orientador comum
“padrão”, que permita avaliar, de forma objectiva, o trabalho
das BEs – qual o seu contributo para as aprendizagens e para
o sucesso educativo.
Modelo de Auto-Avaliação
• Facultar um instrumento pedagógico e de melhoria contínua,
que permita aos Conselhos Executivos e aos Coordenadores
avaliar o trabalho da Biblioteca Escolar e o impacto desse
trabalho no funcionamento global da Escola e nas
aprendizagens dos alunos.
• Identificar áreas de sucesso e áreas mais fracas, investindo
nestas, a fim de obter melhores resultados.
Objectivos/Conceitos Essenciais
• A auto-avaliação da BE implica um planeamento e uma
estratégia clara e exequível, concretizada em objectivos,
acções e metodologias de monitorização do processo, que
permitam proceder aos reajustamentos necessários e medir o
seu grau de cumprimento.
• A avaliação não é um fim em si mesma. É um processo que
deve facultar informação de qualidade, capaz de apoiar a
tomada de decisão.
Modelo de Auto-Avaliação
Objectivos/Conceitos Essenciais
Auto-Avaliar a BE
How are we doing?How are we doing?
How do we know?How do we know?
What are we going toWhat are we going to
do now?do now?
in Scoot, Elspeth S., How good is your school library resource centre? (2002)
Auto-Avaliar a BE
• É importante porque permite:
– Obter evidências (informações consistentes) que validem o
trabalho da BE e sustentem o trabalho a desenvolver
– Aferir a eficácia dos serviços prestados
– Saber o grau de satisfação dos seus utilizadores
– Determinar até que ponto a sua missão e objectivos estão a ser
alcançados
– Saber que “mais valia” acrescenta à comunidade educativa
Auto-Avaliar a BE
• É importante porque permite:
– “Medir” o impacto que as práticas da BE têm nas aprendizagens
dos alunos, nas suas atitudes, valores e competências
– Avaliar o trabalho colaborativo entre a BE e os professores
– Identificar práticas que têm sucesso e pontos fracos a melhorar
e, posteriormente, elaborar Planos de Melhoria
– Planificar estrategicamente o trabalho, tendo em conta o
Projecto Educativo da Escola/Agrupamento
– Obter informação mais formalizada, que permita integrar a
auto-avaliação da BE na avaliação interna e externa da Escola
Domínios a avaliar
Apoio ao Desenvolvimento Curricular
Leitura e Literacias
Projectos, Parcerias e Actividades Livres e de
Abertura à Comunidade Educativa
Gestão da BE
Etapas do Processo
Contexto
da Escola
Apresentar ao
Conselho Pedagógico
Discutir com
Conselho Executivo
Iniciativa
Coordenador/Equipa
1. Escolha do domínio a avaliar
Como não é possível “medir tudo”, ter em conta...
...a selecção dos indicadores a avaliar
...a vontade expressa pelos professores
...as necessidades dos alunos
Etapas do Processo
Questionários, grelhas de observação a alunos, professores e
pais/Encarregados de Educação
2. Estabelecer prioridades
3. Aplicação de instrumentos de medida
• Identificar evidências significativas
• Verificar se as fontes são fiáveis
• Articular elementos quantitativos e qualitativos
Etapas do Processo
• Ao longo do ano
• De forma sistemática
4. Gestão de evidências
Recolha de InformaçãoRecolha de Informação
Etapas do Processo
Analisar
Interpretar
Extrair sentidos
Informação em
conhecimento
Verificar
Clarificar
Redefinir
Identificar pontos
fracos e pontos fortes
Situar a avaliação utilizada
num Nível de Desempenho
Delinear Planos
de Melhoria
Tratamento da InformaçãoTratamento da Informação
4. Gestão de evidências
Etapas do Processo
• Comunicação à:
Escola – Apresentação e discussão do
Relatório de Auto-Avaliação no C.P.
Síntese a integrar no Relatório de Auto-Avaliação da Escola
Orientará o Coordenador aquando da Avaliação Externa pela
IGE
RBE – Envio do Relatório de Auto-Avaliação
5. Comunicação de Resultados
Envolvimento da Comunidade Educativa
O Coordenador/equipa devem interagir com:
• Conselho Executivo – deve ser líder coadjuvante no processo, aglutinando
vontades e acções, de acordo com o poder que a sua posição lhe confere.
• Conselho Pedagógico – o seu envolvimento confere credibilidade ao
processo, pelo que a sua acção deve ser activa e responsável.
• Alunos, pais e professores – disponibilizando informação sobre o
processo de auto-avaliação da BE, a fim de possibilitar contributo de cada
um, individualmente ou enquanto inserido em diversas estruturas
(Departamentos, Associação de Pais, Associação de Estudantes, etc.).
Impactos
• Alteração da visão da BE – de espaço organizado com recursos
destinados ao acesso da informação e ao lazer a espaços de trabalho e
de construção do conhecimento
• Aprofundar um trabalho colaborativo entre a BE e os professores que:
– favoreça a utilização e a integração dos recursos nas estratégias de
ensino-aprendizagem
– contribua para a dinamização de actividades no âmbito da promoção da
leitura e de um programa na área da literacia da informação
– permita elaborar planos de intervenção (ou acções) feitos de acordo com
as necessidades individuais dos alunos
– permita aprofundar as trocas profissionais, que podem englobar
estratégias e apreciações relativas à avaliação, tanto no plano das práticas
pedagógicas, como nos processos de aprendizagem dos alunos.
• Redefinição de práticas e de processos pedagógicos
– Elaboração de um plano de desenvolvimento orientado para as literacias
e para o apoio ao currículo com impacto na aprendizagem dos alunos
• Aluno – actor activo do seu próprio conhecimento
– A BE torna-se um centro de conhecimento
• Valorização da BE
Impactos
Relutância à mudança
• Demasiado trabalho pendente
• Não há tempo disponível
• A equipa não vai aceitar
• Gostamos de mudança se não
envolver alterações
• Porquê mudar se as coisas
estão a funcionar bem?
• Tem razão, MAS...
• Vamos voltar à realidade
• Vamos dormir sobre o assunto
• Burro velho não aprende línguas
• Vou-me reformar no próximo ano
• Não vai resultar nesta biblioteca
• Estamos demasiado ocupados
• Pensem na confusão que isso vai
gerar!
• Outra vez não!
• Sempre fizémos as coisas desta
maneira
Adaptado de Todd, Ross, School Libraries and Evidence-Based Practice: Dynamic
Strategies and Outcomes (2003)
Comentário Final
Estive muito indecisa na selecção da tarefa. Por um lado, achei muito
interessante as abordagens feitas nos textos recomendados e a tarefa 1
permitia uma utilização mais incisiva da informação. Por outro lado, a
criação de um powerpoint foi uma tarefa pensada para executar ao longo
do ano lectivo transacto, mas a qual não consegui concretizar. Agora, a
pressão do tempo podia ser uma oportunidade! Optei, então, pela tarefa
2, tendo a consciência de que um powerpoint só pode ser totalmente
avaliado enquadrado na sua apresentação oral, ou seja, pela forma como
utilizamos e contextualizamos a informação aí disponibilizada.
Irei utilizar esta apresentação (a melhorar e a ajustar) aquando da
apresentação do Modelo de Auto-Avaliação e do domínio a avaliar no
presente ano lectivo no Conselho Pedagógico.
Bibliografia
• Johnson, Doug (2005) “Getting the Most from Your School Library Media
Program”, Principal. Jan/Feb 2005
• Scott, Elspeth (2002) “How good is your school library resource centre?
An introduction to performance measurement”. 68th IFLA Council and
General Conference August.
• Todd, Ross (2002) “School librarian as teachers: learning outcomes and
evidence-based practice”. 68th IFLA Council and General Conference
August.
• Todd, Ross, School Libraries and Evidence-Based Practice: Dynamic
Strategies and Outcomes (2003)
• Bibliotecas escolares: Modelo de Auto-Avaliação(2007), RBE
• Texto da sessão

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ApresentaçãO Maabe
ApresentaçãO MaabeApresentaçãO Maabe
ApresentaçãO Maabebeloule
 
Joao Reis AutoavaliaçãO Bib Pataias SessãO3
Joao Reis AutoavaliaçãO Bib Pataias SessãO3Joao Reis AutoavaliaçãO Bib Pataias SessãO3
Joao Reis AutoavaliaçãO Bib Pataias SessãO3
João Alves Dos Reis
 
Plano - workshop comentário
Plano - workshop comentárioPlano - workshop comentário
Plano - workshop comentáriorosarioduarte
 
Plano de_melhoria_alex.herc.
 Plano de_melhoria_alex.herc. Plano de_melhoria_alex.herc.
Plano de_melhoria_alex.herc.Risoleta Montez
 
Auto Avaliação BE Conselho Pedagógico
Auto Avaliação BE Conselho PedagógicoAuto Avaliação BE Conselho Pedagógico
Auto Avaliação BE Conselho PedagógicoSoraya Oliveira
 
Workshop Auto AvaliaçãO Be
Workshop   Auto AvaliaçãO   BeWorkshop   Auto AvaliaçãO   Be
Workshop Auto AvaliaçãO Bealcinasousa
 
Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares
Auto-avaliação das Bibliotecas EscolaresAuto-avaliação das Bibliotecas Escolares
Auto-avaliação das Bibliotecas EscolaresMaria Oliveira
 
Modelo Auto Avaliação - Workshop Formativo
Modelo Auto Avaliação - Workshop FormativoModelo Auto Avaliação - Workshop Formativo
Modelo Auto Avaliação - Workshop Formativo
EB2 Mira
 
Analise Critica Maabe Manuela Varejao
Analise Critica Maabe Manuela VarejaoAnalise Critica Maabe Manuela Varejao
Analise Critica Maabe Manuela VarejaoManuela Varejao
 
Temática relacionada com a be
Temática relacionada com a beTemática relacionada com a be
Temática relacionada com a beslideschearBE
 
Modelo Aa Be Power Point
Modelo Aa Be   Power PointModelo Aa Be   Power Point
Modelo Aa Be Power Point
mariamanel
 
Joao Reis Workshopformativo SessãO2
Joao Reis Workshopformativo SessãO2Joao Reis Workshopformativo SessãO2
Joao Reis Workshopformativo SessãO2
João Alves Dos Reis
 
Modelo de Auto Avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto Escola/Agrupamento
Modelo de Auto Avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto Escola/AgrupamentoModelo de Auto Avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto Escola/Agrupamento
Modelo de Auto Avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto Escola/Agrupamentomariaantoniadocarmo
 

Mais procurados (18)

ApresentaçãO Maabe
ApresentaçãO MaabeApresentaçãO Maabe
ApresentaçãO Maabe
 
Joao Reis AutoavaliaçãO Bib Pataias SessãO3
Joao Reis AutoavaliaçãO Bib Pataias SessãO3Joao Reis AutoavaliaçãO Bib Pataias SessãO3
Joao Reis AutoavaliaçãO Bib Pataias SessãO3
 
Plano - Workshop
Plano - WorkshopPlano - Workshop
Plano - Workshop
 
Plano - workshop comentário
Plano - workshop comentárioPlano - workshop comentário
Plano - workshop comentário
 
Analise Critica Mavbe
Analise Critica MavbeAnalise Critica Mavbe
Analise Critica Mavbe
 
Workshop
WorkshopWorkshop
Workshop
 
Plano de_melhoria_alex.herc.
 Plano de_melhoria_alex.herc. Plano de_melhoria_alex.herc.
Plano de_melhoria_alex.herc.
 
Auto Avaliação BE Conselho Pedagógico
Auto Avaliação BE Conselho PedagógicoAuto Avaliação BE Conselho Pedagógico
Auto Avaliação BE Conselho Pedagógico
 
Workshop Auto AvaliaçãO Be
Workshop   Auto AvaliaçãO   BeWorkshop   Auto AvaliaçãO   Be
Workshop Auto AvaliaçãO Be
 
Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares
Auto-avaliação das Bibliotecas EscolaresAuto-avaliação das Bibliotecas Escolares
Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares
 
Modelo Auto Avaliação - Workshop Formativo
Modelo Auto Avaliação - Workshop FormativoModelo Auto Avaliação - Workshop Formativo
Modelo Auto Avaliação - Workshop Formativo
 
Analise Critica Maabe Manuela Varejao
Analise Critica Maabe Manuela VarejaoAnalise Critica Maabe Manuela Varejao
Analise Critica Maabe Manuela Varejao
 
MAABE - BE 2009
MAABE - BE 2009MAABE - BE 2009
MAABE - BE 2009
 
Temática relacionada com a be
Temática relacionada com a beTemática relacionada com a be
Temática relacionada com a be
 
Modelo Aa Be Power Point
Modelo Aa Be   Power PointModelo Aa Be   Power Point
Modelo Aa Be Power Point
 
Joao Reis Workshopformativo SessãO2
Joao Reis Workshopformativo SessãO2Joao Reis Workshopformativo SessãO2
Joao Reis Workshopformativo SessãO2
 
3º Tarefa 2
3º   Tarefa 23º   Tarefa 2
3º Tarefa 2
 
Modelo de Auto Avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto Escola/Agrupamento
Modelo de Auto Avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto Escola/AgrupamentoModelo de Auto Avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto Escola/Agrupamento
Modelo de Auto Avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto Escola/Agrupamento
 

Destaque

Slideshare
SlideshareSlideshare
Slideshare
Adrian122
 
Mojo media pack2016
Mojo media pack2016Mojo media pack2016
Mojo media pack2016
natashatandy100
 
Atajos de teclados en word
Atajos de teclados en wordAtajos de teclados en word
Atajos de teclados en wordaguamarina46
 
1 sociedad basada-en_el_conocimiento
1 sociedad basada-en_el_conocimiento1 sociedad basada-en_el_conocimiento
1 sociedad basada-en_el_conocimiento
tatyguaman95
 
3 quiza
3 quiza3 quiza
3 quizaTuxmen
 
Temperature & Humidity Control Chamber
Temperature & Humidity Control ChamberTemperature & Humidity Control Chamber
Temperature & Humidity Control Chamber
Utopia Aire pte Ltd
 
Trailer
TrailerTrailer
Trailer
gaga2014
 
La reconstruccion del cabildo jenoy
La reconstruccion del cabildo   jenoyLa reconstruccion del cabildo   jenoy
La reconstruccion del cabildo jenoy
quillasinga
 
Um dia na escola do meu filho
Um dia na escola do meu filhoUm dia na escola do meu filho
Um dia na escola do meu filhoSilmara Oliveira
 
Quien soy
Quien soyQuien soy
Quien soy
Viviana Intriago
 
TDC2013 - Trilha de Testes - Iterasys - José Correia - Testar em Multiplos A...
TDC2013  - Trilha de Testes - Iterasys - José Correia - Testar em Multiplos A...TDC2013  - Trilha de Testes - Iterasys - José Correia - Testar em Multiplos A...
TDC2013 - Trilha de Testes - Iterasys - José Correia - Testar em Multiplos A...
José Correia
 
Iterasys :: Café com Qualidade - Testadores Precisam Saber Programar?
Iterasys ::  Café com Qualidade - Testadores Precisam Saber Programar?Iterasys ::  Café com Qualidade - Testadores Precisam Saber Programar?
Iterasys :: Café com Qualidade - Testadores Precisam Saber Programar?
José Correia
 
Recesión
RecesiónRecesión
Recesión
Stern Al
 
contaminación ambiental
contaminación ambientalcontaminación ambiental
contaminación ambientalAlex6565
 
Extern conference orthokorat Thanakorn KONG
Extern conference orthokorat Thanakorn KONGExtern conference orthokorat Thanakorn KONG
Extern conference orthokorat Thanakorn KONG
Kong Thanakorn Thiemsuwan
 

Destaque (20)

Grêmio estudantil mirim
Grêmio estudantil mirimGrêmio estudantil mirim
Grêmio estudantil mirim
 
Slideshare
SlideshareSlideshare
Slideshare
 
Small Wars_Iraq
Small Wars_IraqSmall Wars_Iraq
Small Wars_Iraq
 
Amy Carothers Reel
Amy Carothers ReelAmy Carothers Reel
Amy Carothers Reel
 
Mojo media pack2016
Mojo media pack2016Mojo media pack2016
Mojo media pack2016
 
Atajos de teclados en word
Atajos de teclados en wordAtajos de teclados en word
Atajos de teclados en word
 
1 sociedad basada-en_el_conocimiento
1 sociedad basada-en_el_conocimiento1 sociedad basada-en_el_conocimiento
1 sociedad basada-en_el_conocimiento
 
3 quiza
3 quiza3 quiza
3 quiza
 
Disco duro
Disco duroDisco duro
Disco duro
 
Temperature & Humidity Control Chamber
Temperature & Humidity Control ChamberTemperature & Humidity Control Chamber
Temperature & Humidity Control Chamber
 
Trailer
TrailerTrailer
Trailer
 
La reconstruccion del cabildo jenoy
La reconstruccion del cabildo   jenoyLa reconstruccion del cabildo   jenoy
La reconstruccion del cabildo jenoy
 
Um dia na escola do meu filho
Um dia na escola do meu filhoUm dia na escola do meu filho
Um dia na escola do meu filho
 
Quien soy
Quien soyQuien soy
Quien soy
 
1
11
1
 
TDC2013 - Trilha de Testes - Iterasys - José Correia - Testar em Multiplos A...
TDC2013  - Trilha de Testes - Iterasys - José Correia - Testar em Multiplos A...TDC2013  - Trilha de Testes - Iterasys - José Correia - Testar em Multiplos A...
TDC2013 - Trilha de Testes - Iterasys - José Correia - Testar em Multiplos A...
 
Iterasys :: Café com Qualidade - Testadores Precisam Saber Programar?
Iterasys ::  Café com Qualidade - Testadores Precisam Saber Programar?Iterasys ::  Café com Qualidade - Testadores Precisam Saber Programar?
Iterasys :: Café com Qualidade - Testadores Precisam Saber Programar?
 
Recesión
RecesiónRecesión
Recesión
 
contaminación ambiental
contaminación ambientalcontaminación ambiental
contaminación ambiental
 
Extern conference orthokorat Thanakorn KONG
Extern conference orthokorat Thanakorn KONGExtern conference orthokorat Thanakorn KONG
Extern conference orthokorat Thanakorn KONG
 

Semelhante a Integracao do modelo_de_auto-avaliacao_na_escola.agrupamento

Integração do modelo de auto avaliação na escola.agrupamento
Integração do modelo de auto avaliação na escola.agrupamentoIntegração do modelo de auto avaliação na escola.agrupamento
Integração do modelo de auto avaliação na escola.agrupamentoMaria Da Graça Gonçalves
 
Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva
Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes SilvaAuto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva
Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silvalurdesilva
 
Apresentacao maabe a_escola 4ªsessão
Apresentacao maabe a_escola 4ªsessãoApresentacao maabe a_escola 4ªsessão
Apresentacao maabe a_escola 4ªsessãoanabelavalentim
 
IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3
IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3
IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3Margarida Mota
 
Workshop Formativo
Workshop FormativoWorkshop Formativo
Workshop Formativoguestf38751
 
Workshop Formativo
Workshop FormativoWorkshop Formativo
Workshop FormativoNoemiaMaria
 
O Modelo de Auto-Avaliação da BE_CPedagógico_ESAA_200809
O Modelo de Auto-Avaliação da BE_CPedagógico_ESAA_200809O Modelo de Auto-Avaliação da BE_CPedagógico_ESAA_200809
O Modelo de Auto-Avaliação da BE_CPedagógico_ESAA_200809Julieta Silva
 
Tarefa 2 AnáLise CríTica
Tarefa 2   AnáLise CríTicaTarefa 2   AnáLise CríTica
Tarefa 2 AnáLise CríTicaHélia Jacob
 
Apresentação do Modelo Auto-avaliação da BE ao CP
Apresentação do  Modelo  Auto-avaliação da BE ao CPApresentação do  Modelo  Auto-avaliação da BE ao CP
Apresentação do Modelo Auto-avaliação da BE ao CP
Lurdes Meneses
 
Tabela para o_trabalho_2_sessao_3
Tabela para o_trabalho_2_sessao_3Tabela para o_trabalho_2_sessao_3
Tabela para o_trabalho_2_sessao_3Bibliotecajac
 
Modelo Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares
Modelo Auto-avaliação das Bibliotecas EscolaresModelo Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares
Modelo Auto-avaliação das Bibliotecas Escolaresmizedomingues
 
10 de Novembro de 2009
10 de Novembro de 200910 de Novembro de 2009
10 de Novembro de 2009luciameireles
 
ApresentaçãO Maabe
ApresentaçãO MaabeApresentaçãO Maabe
ApresentaçãO Maabebeloule
 
Modelo AutoavaliaçãO No PedagóGico Zé
Modelo AutoavaliaçãO No PedagóGico ZéModelo AutoavaliaçãO No PedagóGico Zé
Modelo AutoavaliaçãO No PedagóGico Zémizedomingues
 
Modelo%20 Auto AvaliaçãO%20das%20 Bibliotecas%20 Escolares[1]
Modelo%20 Auto AvaliaçãO%20das%20 Bibliotecas%20 Escolares[1]Modelo%20 Auto AvaliaçãO%20das%20 Bibliotecas%20 Escolares[1]
Modelo%20 Auto AvaliaçãO%20das%20 Bibliotecas%20 Escolares[1]franciscamonteiro
 
"O processo de auto-avaliação no contexto do Agrupamento"
"O processo de auto-avaliação no contexto do Agrupamento""O processo de auto-avaliação no contexto do Agrupamento"
"O processo de auto-avaliação no contexto do Agrupamento"Sandra Alves
 
A presentação modelo de auto avaliação das bibliotecas escolares
A presentação modelo de auto avaliação das bibliotecas escolaresA presentação modelo de auto avaliação das bibliotecas escolares
A presentação modelo de auto avaliação das bibliotecas escolaresLeonor Otília Rocha Oliveira
 
ApresentaçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Da Biblioteca Ao
ApresentaçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Da Biblioteca AoApresentaçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Da Biblioteca Ao
ApresentaçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Da Biblioteca Aoguest3011a0
 

Semelhante a Integracao do modelo_de_auto-avaliacao_na_escola.agrupamento (20)

Integração do modelo de auto avaliação na escola.agrupamento
Integração do modelo de auto avaliação na escola.agrupamentoIntegração do modelo de auto avaliação na escola.agrupamento
Integração do modelo de auto avaliação na escola.agrupamento
 
Workshop Auto AvaliaçãO Be
Workshop   Auto AvaliaçãO   BeWorkshop   Auto AvaliaçãO   Be
Workshop Auto AvaliaçãO Be
 
Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva
Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes SilvaAuto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva
Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva
 
Apresentacao maabe a_escola 4ªsessão
Apresentacao maabe a_escola 4ªsessãoApresentacao maabe a_escola 4ªsessão
Apresentacao maabe a_escola 4ªsessão
 
IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3
IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3
IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3
 
Workshop Formativo
Workshop FormativoWorkshop Formativo
Workshop Formativo
 
Workshop Formativo
Workshop FormativoWorkshop Formativo
Workshop Formativo
 
O Modelo de Auto-Avaliação da BE_CPedagógico_ESAA_200809
O Modelo de Auto-Avaliação da BE_CPedagógico_ESAA_200809O Modelo de Auto-Avaliação da BE_CPedagógico_ESAA_200809
O Modelo de Auto-Avaliação da BE_CPedagógico_ESAA_200809
 
Tarefa 2 AnáLise CríTica
Tarefa 2   AnáLise CríTicaTarefa 2   AnáLise CríTica
Tarefa 2 AnáLise CríTica
 
Apresentação do Modelo Auto-avaliação da BE ao CP
Apresentação do  Modelo  Auto-avaliação da BE ao CPApresentação do  Modelo  Auto-avaliação da BE ao CP
Apresentação do Modelo Auto-avaliação da BE ao CP
 
Cp
CpCp
Cp
 
Tabela para o_trabalho_2_sessao_3
Tabela para o_trabalho_2_sessao_3Tabela para o_trabalho_2_sessao_3
Tabela para o_trabalho_2_sessao_3
 
Modelo Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares
Modelo Auto-avaliação das Bibliotecas EscolaresModelo Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares
Modelo Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares
 
10 de Novembro de 2009
10 de Novembro de 200910 de Novembro de 2009
10 de Novembro de 2009
 
ApresentaçãO Maabe
ApresentaçãO MaabeApresentaçãO Maabe
ApresentaçãO Maabe
 
Modelo AutoavaliaçãO No PedagóGico Zé
Modelo AutoavaliaçãO No PedagóGico ZéModelo AutoavaliaçãO No PedagóGico Zé
Modelo AutoavaliaçãO No PedagóGico Zé
 
Modelo%20 Auto AvaliaçãO%20das%20 Bibliotecas%20 Escolares[1]
Modelo%20 Auto AvaliaçãO%20das%20 Bibliotecas%20 Escolares[1]Modelo%20 Auto AvaliaçãO%20das%20 Bibliotecas%20 Escolares[1]
Modelo%20 Auto AvaliaçãO%20das%20 Bibliotecas%20 Escolares[1]
 
"O processo de auto-avaliação no contexto do Agrupamento"
"O processo de auto-avaliação no contexto do Agrupamento""O processo de auto-avaliação no contexto do Agrupamento"
"O processo de auto-avaliação no contexto do Agrupamento"
 
A presentação modelo de auto avaliação das bibliotecas escolares
A presentação modelo de auto avaliação das bibliotecas escolaresA presentação modelo de auto avaliação das bibliotecas escolares
A presentação modelo de auto avaliação das bibliotecas escolares
 
ApresentaçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Da Biblioteca Ao
ApresentaçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Da Biblioteca AoApresentaçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Da Biblioteca Ao
ApresentaçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Da Biblioteca Ao
 

Mais de rosamfsilvabiblio (11)

Sessão 2 pp 1º dia
Sessão 2   pp 1º diaSessão 2   pp 1º dia
Sessão 2 pp 1º dia
 
Sessão 2 pp 2º dia
Sessão 2   pp 2º diaSessão 2   pp 2º dia
Sessão 2 pp 2º dia
 
Sessão 7 tarefa 1 - rosa maria
Sessão 7   tarefa 1 - rosa mariaSessão 7   tarefa 1 - rosa maria
Sessão 7 tarefa 1 - rosa maria
 
Sessão 7 tarefa 2 - rosa maria
Sessão 7   tarefa 2 - rosa mariaSessão 7   tarefa 2 - rosa maria
Sessão 7 tarefa 2 - rosa maria
 
Rm calim
Rm calimRm calim
Rm calim
 
Metodologias de operacionalização i rosa maria
Metodologias de operacionalização i   rosa mariaMetodologias de operacionalização i   rosa maria
Metodologias de operacionalização i rosa maria
 
Sessão 3
Sessão 3 Sessão 3
Sessão 3
 
Sessão 3 pp 2º dia
Sessão 3   pp 2º diaSessão 3   pp 2º dia
Sessão 3 pp 2º dia
 
Sessão 3 pp 1º dia
Sessão 3   pp 1º diaSessão 3   pp 1º dia
Sessão 3 pp 1º dia
 
Sessão 1
Sessão 1Sessão 1
Sessão 1
 
Reflexão final
Reflexão finalReflexão final
Reflexão final
 

Último

Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Acrópole - História & Educação
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
ssuser701e2b
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
MatildeBrites
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Luana Neres
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 

Último (20)

Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 

Integracao do modelo_de_auto-avaliacao_na_escola.agrupamento

  • 1. Práticas e Modelos de Avaliação em Bibliotecas Escolares Maria da Graça Gonçalves 27 de Outubro de 2008 Integração do Modelo de Auto-Avaliação na Escola/Agrupamento
  • 2. E.B. 2,3 Luís de Sttau Monteiro Biblioteca Escolar Apresentação do Modelo deApresentação do Modelo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar aoAuto-Avaliação da Biblioteca Escolar ao Conselho PegagógicoConselho Pegagógico
  • 3. Enquadramento • Contexto geral de mudança do sistema educativo e as suas implicações nas Bibliotecas Escolares (BEs) • Pressão de apresentar resultados por parte das organizações (RBE, DREs, Municípios, Escolas) • Integrar o processo de avaliação da BE na avaliação interna e externa da Escola • A necessidade de existir um documento orientador comum “padrão”, que permita avaliar, de forma objectiva, o trabalho das BEs – qual o seu contributo para as aprendizagens e para o sucesso educativo.
  • 4. Modelo de Auto-Avaliação • Facultar um instrumento pedagógico e de melhoria contínua, que permita aos Conselhos Executivos e aos Coordenadores avaliar o trabalho da Biblioteca Escolar e o impacto desse trabalho no funcionamento global da Escola e nas aprendizagens dos alunos. • Identificar áreas de sucesso e áreas mais fracas, investindo nestas, a fim de obter melhores resultados. Objectivos/Conceitos Essenciais
  • 5. • A auto-avaliação da BE implica um planeamento e uma estratégia clara e exequível, concretizada em objectivos, acções e metodologias de monitorização do processo, que permitam proceder aos reajustamentos necessários e medir o seu grau de cumprimento. • A avaliação não é um fim em si mesma. É um processo que deve facultar informação de qualidade, capaz de apoiar a tomada de decisão. Modelo de Auto-Avaliação Objectivos/Conceitos Essenciais
  • 6. Auto-Avaliar a BE How are we doing?How are we doing? How do we know?How do we know? What are we going toWhat are we going to do now?do now? in Scoot, Elspeth S., How good is your school library resource centre? (2002)
  • 7. Auto-Avaliar a BE • É importante porque permite: – Obter evidências (informações consistentes) que validem o trabalho da BE e sustentem o trabalho a desenvolver – Aferir a eficácia dos serviços prestados – Saber o grau de satisfação dos seus utilizadores – Determinar até que ponto a sua missão e objectivos estão a ser alcançados – Saber que “mais valia” acrescenta à comunidade educativa
  • 8. Auto-Avaliar a BE • É importante porque permite: – “Medir” o impacto que as práticas da BE têm nas aprendizagens dos alunos, nas suas atitudes, valores e competências – Avaliar o trabalho colaborativo entre a BE e os professores – Identificar práticas que têm sucesso e pontos fracos a melhorar e, posteriormente, elaborar Planos de Melhoria – Planificar estrategicamente o trabalho, tendo em conta o Projecto Educativo da Escola/Agrupamento – Obter informação mais formalizada, que permita integrar a auto-avaliação da BE na avaliação interna e externa da Escola
  • 9. Domínios a avaliar Apoio ao Desenvolvimento Curricular Leitura e Literacias Projectos, Parcerias e Actividades Livres e de Abertura à Comunidade Educativa Gestão da BE
  • 10. Etapas do Processo Contexto da Escola Apresentar ao Conselho Pedagógico Discutir com Conselho Executivo Iniciativa Coordenador/Equipa 1. Escolha do domínio a avaliar
  • 11. Como não é possível “medir tudo”, ter em conta... ...a selecção dos indicadores a avaliar ...a vontade expressa pelos professores ...as necessidades dos alunos Etapas do Processo Questionários, grelhas de observação a alunos, professores e pais/Encarregados de Educação 2. Estabelecer prioridades 3. Aplicação de instrumentos de medida
  • 12. • Identificar evidências significativas • Verificar se as fontes são fiáveis • Articular elementos quantitativos e qualitativos Etapas do Processo • Ao longo do ano • De forma sistemática 4. Gestão de evidências Recolha de InformaçãoRecolha de Informação
  • 13. Etapas do Processo Analisar Interpretar Extrair sentidos Informação em conhecimento Verificar Clarificar Redefinir Identificar pontos fracos e pontos fortes Situar a avaliação utilizada num Nível de Desempenho Delinear Planos de Melhoria Tratamento da InformaçãoTratamento da Informação 4. Gestão de evidências
  • 14. Etapas do Processo • Comunicação à: Escola – Apresentação e discussão do Relatório de Auto-Avaliação no C.P. Síntese a integrar no Relatório de Auto-Avaliação da Escola Orientará o Coordenador aquando da Avaliação Externa pela IGE RBE – Envio do Relatório de Auto-Avaliação 5. Comunicação de Resultados
  • 15. Envolvimento da Comunidade Educativa O Coordenador/equipa devem interagir com: • Conselho Executivo – deve ser líder coadjuvante no processo, aglutinando vontades e acções, de acordo com o poder que a sua posição lhe confere. • Conselho Pedagógico – o seu envolvimento confere credibilidade ao processo, pelo que a sua acção deve ser activa e responsável. • Alunos, pais e professores – disponibilizando informação sobre o processo de auto-avaliação da BE, a fim de possibilitar contributo de cada um, individualmente ou enquanto inserido em diversas estruturas (Departamentos, Associação de Pais, Associação de Estudantes, etc.).
  • 16. Impactos • Alteração da visão da BE – de espaço organizado com recursos destinados ao acesso da informação e ao lazer a espaços de trabalho e de construção do conhecimento • Aprofundar um trabalho colaborativo entre a BE e os professores que: – favoreça a utilização e a integração dos recursos nas estratégias de ensino-aprendizagem – contribua para a dinamização de actividades no âmbito da promoção da leitura e de um programa na área da literacia da informação – permita elaborar planos de intervenção (ou acções) feitos de acordo com as necessidades individuais dos alunos – permita aprofundar as trocas profissionais, que podem englobar estratégias e apreciações relativas à avaliação, tanto no plano das práticas pedagógicas, como nos processos de aprendizagem dos alunos.
  • 17. • Redefinição de práticas e de processos pedagógicos – Elaboração de um plano de desenvolvimento orientado para as literacias e para o apoio ao currículo com impacto na aprendizagem dos alunos • Aluno – actor activo do seu próprio conhecimento – A BE torna-se um centro de conhecimento • Valorização da BE Impactos
  • 18. Relutância à mudança • Demasiado trabalho pendente • Não há tempo disponível • A equipa não vai aceitar • Gostamos de mudança se não envolver alterações • Porquê mudar se as coisas estão a funcionar bem? • Tem razão, MAS... • Vamos voltar à realidade • Vamos dormir sobre o assunto • Burro velho não aprende línguas • Vou-me reformar no próximo ano • Não vai resultar nesta biblioteca • Estamos demasiado ocupados • Pensem na confusão que isso vai gerar! • Outra vez não! • Sempre fizémos as coisas desta maneira Adaptado de Todd, Ross, School Libraries and Evidence-Based Practice: Dynamic Strategies and Outcomes (2003)
  • 19. Comentário Final Estive muito indecisa na selecção da tarefa. Por um lado, achei muito interessante as abordagens feitas nos textos recomendados e a tarefa 1 permitia uma utilização mais incisiva da informação. Por outro lado, a criação de um powerpoint foi uma tarefa pensada para executar ao longo do ano lectivo transacto, mas a qual não consegui concretizar. Agora, a pressão do tempo podia ser uma oportunidade! Optei, então, pela tarefa 2, tendo a consciência de que um powerpoint só pode ser totalmente avaliado enquadrado na sua apresentação oral, ou seja, pela forma como utilizamos e contextualizamos a informação aí disponibilizada. Irei utilizar esta apresentação (a melhorar e a ajustar) aquando da apresentação do Modelo de Auto-Avaliação e do domínio a avaliar no presente ano lectivo no Conselho Pedagógico.
  • 20. Bibliografia • Johnson, Doug (2005) “Getting the Most from Your School Library Media Program”, Principal. Jan/Feb 2005 • Scott, Elspeth (2002) “How good is your school library resource centre? An introduction to performance measurement”. 68th IFLA Council and General Conference August. • Todd, Ross (2002) “School librarian as teachers: learning outcomes and evidence-based practice”. 68th IFLA Council and General Conference August. • Todd, Ross, School Libraries and Evidence-Based Practice: Dynamic Strategies and Outcomes (2003) • Bibliotecas escolares: Modelo de Auto-Avaliação(2007), RBE • Texto da sessão

Notas do Editor

  1. Nota: este slide só será passado após o debate sobre a apresentação feita. O objectivo é surpreender os presentes e confrontá-los com o que Ross Todd já apresenta para reflexão