SlideShare uma empresa Scribd logo
Web palestra sobre reprodução sexual adolescentes
Web palestra sobre reprodução sexual adolescentes
GRAVIDEZ NAS ADOLESCÊNCIAS:
Desafios e Estratégias para a Prevenção!
TÓPICOS DA SESSÃO
• Aspectos conceituais
• Dados epidemiológicos
• Recomendações da OMS
• Diretrizes para atenção à saúde sexual e
reprodutiva das (os) adolescentes
• LEI nº 13.798, de 3 de janeiro de 2019 para
instituir a Semana Nacional de Prevenção da
Gravidez na Adolescência.
Adolescências
• Fase evolutiva que abrange uma faixa
etária onde acontecem importantes
mudanças biopsicossociais que
determinam especificidades emocionais e
comportamentais que repercutem na
saúde sexual deste grupo populacional.
Conceituando e Definindo Limites das Adolescências
10 a 19
anos
(OMS, 2009)
Adolescência
Juventude
Documentos Oficiais
12 a 18 anos
(ECA, 1990)
15 a 29 anos
(EJ,2013)
Pesquisas Científicas
Entre os 15 e
19 anos
Adolescente
Jovem
Intermediaria
De 20 a 24
anos
Adulto Jovem
Final/ Tardia
Abaixo
dos 15
anos
Inicial/Precoce
15 a 24 anos
Juventude
Realidade no Brasil e na Bahia
DADOS DE
DISTRIBUIÇÃO
DEMOGRÁFICA
(censo, 2010)
10 a 24
anos
51.259.965
25,28%
Geração de adolescentes e jovens é a mais numerosa da história!
28,41%
3.981.629
10 a 24
anos
Perfil nacional Bahia
VULNERABILIDADES
•Total – 1.222.682 (10 a 24 anos)
•10 – 19 – 17,54%
•20 – 24 anos – 25,24%
•Fonte: Ministério da Saúde/SVS/DASIS – Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos – SINASC, 2016
Nascidos Vivos por Idade
da Mãe no SUS
•15 – 19 – 16,2 %
•10 -14 – 1,4%
•Fonte: Fonte: Ministério da Saúde – Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS) ,2014
Aborto no SUS
•20 – 24 anos – 19,5%
•10 -19 anos – 12,8%
•Fonte: MS/SVS/CGIAE – Sistema de Informação sobre Mortalidade - SIM, 2016.
Mortalidade Materna
42,78%
14,7%
32,3%
VULNERABILIDADES
•10 -14 anos – 10%
•15 – 19 anos – 15%
•Fonte: Ministério da Saúde/SVS – Sistema de Informação de Agravos e Notificação (SINAN)
Violência Sexual
•Na faixa de 13 a 19 anos há uma razão de sexo de cada 13 casos em homens para cada 10 casos em mulheres
•Fonte: Boletim Epidemiológico Aids e DST, Ano III, nº I,2013
Feminilização da Aids
•Nas faixas etárias abaixo a média de início de consumo são:
•10 a 14 anos – 13,1 anos
•15 a 19 anos – 16,9 anos
•15 a 19 anos – 16,9 anos
•Fonte: Ministério da Saúde – Sistema de Informações Ambulatoriais do SUS (SIA/SUS) ,2013
Uso de álcool
25,2%
Atendimento no SUS
•10 a 24 anos apenas 5,1% das consultas
•Fonte: Ministério da Saúde – Sistema de Informações Ambulatoriais do SUS (SIA/SUS) ,2014
GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA - ÍNDICES MUNDIAIS E NO BRASIL
Número de nascimentos por cada 1000 mulheres
entre os 15 e os 19 anos de idade. Fonte: UNICEF.
E NA BAHIA?
10 a 24 anos
3.971.196
28,33%
10 a 19 anos
2.655.703
18,95%
Fonte: IBGE /Projeção da População das Unidades da Federação por sexo e grupos de idade: 2000-2030
População
Residente
14.016.906
Masculino
6.878.266
Feminino
7.138.640
Grupo de Idade População de Adolescentes e Jovens
10 a 14 anos 681.596 657.965
15 a 19 anos 668.390 658.891
20 a 24 anos 647.103 657.251
POPULAÇÃO RESIDENTE P/ FAIXA ETÁRIA E SEXO- BAHIA/2014
FONTE: Ministério da Saúde – Sistemas de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS) - * Dados Preliminares
PERCENTUAL DE INTERNAÇÕES FEMININAS DE 10 a 24 ANOS NA REDE SUS,
SEGUNDO GRUPO DE CAUSAS. BAHIA, 2017*
PERCENTUAL DE NASCIDOS VIVOS, DE MÃES ADOLESCENTES
(10 A 19 ANOS). ESTADO DA BAHIA, 2007 - 2017*
Fonte: Sesab/Suvisa/Divep/COASS – Sinasc – Dados preliminares
0,00
5,00
10,00
15,00
20,00
25,00
30,00
35,00
2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017*
%
Gráfico 01- Proporção de nascidos vivos de mães de10 a 19 anos, Bahia. 2007-2017*.
CASOS DE SÍFILIS EM GESTANTES POR ANO DO DIAGNÓSTICO. BAHIA,
2010 - 2017*.
Fonte: SESAB/SUVISA/DIVEP/SINAN - Sistema de Informação de Agravos de Notificação
*Dados preliminares, processados até 15/05/2018, acessados em 17/05/2018
PROPORÇÃO DE INTERNAÇÃO POR RAZÕES RELACIONADAS A ABORTOS
NA REDE SUS POR FAIXA ETÁRIA. BAHIA – 2017
Fonte: Ministério da Saúde - Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS)
NÚMERO E PERCENTUAL DE CASOS NOTIFICADOS DE
MICROCEFALIA POR FAIXA ETÁRIA DA MÃE. BAHIA, 2015 -2017*.
10 a 14 anos 0,6%
15 a 19 anos 17,4%
Fonte: RESP, dados de 08/10/2015 a 30/06/2017.
PROPORÇÃO DE CASOS DE VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGUNDO FAIXA ETÁRIA E
SEXO. BAHIA, 2017.
10 a 19 anos
22,9%
35,42%
Fonte: SESAB/SUVISA/DIVEP/SINAN - Sistema de Informação de Agravos de Notificação
02/01/1904
0,62
13,58
19,14
19,75
23,46
16,05
6,17
1,23
10 a 14 anos
15 a 19 anos
20 a 24 anos
25 a 29 anos
30 a 34 anos
35 a 39 anos
40 a 44 anos
45 a 49 anos
PROPORÇÃO DE ÓBITOS POR CAUSAS MATERNAS SEGUNDO
FAIXA ETÁRIA. BAHIA - 2013
PROPORÇÃO DE ÓBITOS POR ABORTAMENTO E FAIXA ETÁRIA.
BAHIA - 2013
15 a 19 anos 20 a 24 anos 30 a 34 anos
60
20 20
Abortos
Fonte: SESAB/DIS/SIM - Sistema de Informação de Mortalidade
Objetivo: Prevenir a gravidez precoce e
os Resultados Reprodutivos Adversos
em adolescentes especialmente nos
países em desenvolvimento
Recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS)
• 16 milhões de adolescentes entre 15 e 19
anos se tornam mães cada ano
• A gravidez na adolescência é mais
comum em meninas pobres e com menos
estudos e aquelas que vivem em áreas
rurais
• Apesar do progresso, a gravidez na
adolescência continua aumentando em
algumas regiões em desenvolvimento
É importante considerar que...
OMS
POR QUE GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA?
• A adolescência é o momento também da
descoberta sexual e é uma fase rodeada de
dúvidas, impulsos e atitudes impensadas.
• A falta de planos para o futuro e imaturidade
favorecem a ocorrência de gravidez em
adolescentes.
• Nos dias de hoje sabe-se que na maioria dos
casos não é por falta de informação que as
adolescentes engravidam.
(12)
A responsabilidade da
gravidez não deve ser
atribuída apenas à menina é
importante olhar também
para o menino!
Geralmente pais
adolescentes são ausentes e
se descuidam mais de uma
vez, gerando mais
adolescentes grávidas.
• Desejo da adolescente
• Falta de informação
• Limitado acesso e dificuldades na negociação do uso
de preservativos e outros métodos contraceptivos
• Violência doméstica e de gênero
• Desagregação familiar
• Situação de pobreza / Baixa escolaridade
• Baixa auto-estima
• Na intenção de prender o namorado
• Falta de planejamento
FATORES MULTICAUSAIS RELACIONADOS À GRAVIDEZ
ENTRE ADOLESCENTES
CONSEQUÊNCIAS DA GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
OMS
Maiores riscos para a saúde da mãe por motivos bio-psico-
sociais
Maiores riscos para a saúde dos bebês: Os bebês de mães
adolescentes têm mais probabilidades de morrer, de ter baixo
peso ao nascer e sofrer efeitos de doenças a longo prazo.
Diante dos desafios e contexto, muitas adolescentes recorrem ao
aborto provocado e muitas vezes em condições inseguras
A gravidez na adolescência reforça o círculo vicioso da
pobreza e a doença: as mães adolescentes em muitos lugares
abandonam ou são obrigadas a abandonarem a escola, e são
menos propensas que seus parceiros para desenvolver suas
habilidades e competências vocacionais.
Com base a:
• Revisão exaustiva da evidência
• A experiência prática dos
responsáveis políticos, administradores
de programas e trabalhadores de
primeira linha procedentes de países
de todo o mundo
Desenvolvido de uma maneira
sistemática e transparente
Recomendaçãos da OMS para a prevenção de gravidez precoce e
os resultados reprodutivos adversos nas adolescentes nos países
em desenvolvimento
UN
RESULTADO 1 – OMS INIBIR O CASAMENTO PRECOCE
AÇÕES EM NÍVEL DE INDIVÍDUOS,
FAMÍLIAS E COMUNIDADES
• Informar e fortalecer as meninas
• Manter as meninas na escola
• Influenciar sobre as normas culturais
AÇÕES EM NÍVEL DE POLÍTICAS
• Proibir o matrimônio precoce
UNFPA
RESULTADO 2 – OMS CRIAÇÃO DE COMPREENSÃO E APOIO PARA
REDUZIR A GRAVIDEZ ANTES DOS 20 ANOS
AÇÕES EM NÍVEL DE INDIVÍDUOS, FAMILIAS E
COMUNIDADES
• Educar aos meninos e meninas sobre sexualidade
• Conseguir o apoio da comunidade para evitar a
gravidez precoce
AÇÕES EM NÍVEL DE POLÍTICAS
• Apoiar os programas de prevenção da gravidez em
adolescentes
AÇÕES EM NÍVEL DE POLÍTICAS
• Legislar o acesso à informação e aos serviços de
anticoncepção
• Reduzir o custo de anticonceptivos para as
adolescentes (recomendação condicional)
AÇÕES EM NÍVEL DE INDIVÍDUOS, FAMÍLIAS E
COMUNIDADES
• Ensinar adolescentes sobre o uso de anticonceptivos
• Criar respaldo comunitário para a entrega de
anticonceptivos aos adolescentes
• Possibilitar aos adolescentes o acesso aos serviços de
anticoncepção
RESULTADO 3 – OMS AUMENTAR O USO DE ANTICONCEPCIONAL
AÇÕES EM NÍVEL DE INDIVÍDUOS, FAMÍLIAS E
COMUNIDADES
• Capacitar meninas de resistir à coerção sexual
• Influir sobre as normas sociais que favorecem
as relações sexuais sob coação
AÇÕES EM NÍVEL DE POLÍTICAS
• Proibir as relaciones sexuais sob coação
RESULTADO 4 – OMS REDUZIR O SEXO FORÇADO
UN
AÇÕES EM NÍVEL DE POLÍTICAS
• Habilitar o acesso das adolescentes a serviços de aborto
seguro e pós aborto
AÇÕES EM NÍVEL DE INDIVÍDUOS, FAMÍLIAS E COMUNIDADES
• Informar as adolescentes acerca dos perigos de abortos
inseguros
• Informar as adolescentes sobre lugares onde possam acessar
os serviços de aborto seguro, onde seja legalizado
• Aumentar a compreensão da comunidade sobre os perigos do
aborto inseguro
AÇÕES EM NÍVEL DOS SISTEMAS DE SAÚDE
• Identificar e eliminar as barreiras aos serviços de aborto
seguro
UN
RESULTADO 5 – OMS REDUZIR OS ABORTOS INSEGUROS
AÇÕES EM NÍVEL DE INDIVÍDUOS, FAMÍLIAS E COMUNIDADES
• Informar as adolescentes e aos membros da comunidade sobre a
importância de obter atenção qualificada antes, durante e depois do parto
AÇÕES EM NÍVEL DE SISTEMAS DE SAÚDE
• Assegurar que as adolescentes, famílias, comunidades estejam bem
preparadas para o parto e possíveis emergências
• Ser sensível e responder às necessidades das mães e futuras jovens mães
WHO
RESULTADO 6 – OMS AUMENTAR O USO DA ATENÇÃO QUALIFICADA
NA ATENÇÃO PRÉ-NATAL, DO PARTO E PÓS-PARTO
AÇÕES EM NÍVEL DE POLÍTICAS
• Ampliar o acesso à atenção qualificada antes durante e depois do parto
• Ampliar o acesso da atenção de emergência obstétrica básica e integral
DIRETRIZES PARA ABORDAGEM EM SAÚDE
SEXUAL E SAÚDE REPRODUTIVA NA ADOLESCÊNCIA
• Prevenir, através de informação e discussão de temas, antes do início da vida
sexual ativa - Vincular informação à reflexão
• Sensibilizar e informar sobre prevenção em IST/AIDS e métodos contraceptivos
• Associar a prevenção à vida e ao prazer, não à morte e à dor
• Não doutrinar e sim fazer interlocução
• Possibilitar a educação entre pares
• Incluir os adolescentes do sexo masculino nas discussões sobre sexualidade, saúde
reprodutiva, contracepção e paternidade futura
• Participação efetiva dos adolescentes como agentes multiplicadores
• Agir intersetorialmente
• Trabalhar em perspectivas de curto, médio e longo prazo
ASSISTÊNCIA A ADOLESCENTES COM ÊNFASE EM SAÚDE
SEXUAL E REPRODUTIVA
Os serviços de saúde devem oferecer um atendimento integral,
antes mesmo do início da vida sexual garantindo:
• Atendimento que dê apoio, sem emitir juízo de valor
• Confidencialidade
• Privacidade
ASSISTÊNCIA A ADOLESCENTES EM SAÚDE SEXUAL E SAÚDE REPRODUTIVA
Pressupõe:
• Atenção especial às faixas etárias mais precoces (10 a 14 anos),
principalmente, quando na região de cobertura se registra aumento da
gestação nesta faixa etária;
• Avaliação integral da (o) adolescente, incluindo avaliação psicossocial;
• Atendimento para ambos os sexos, atribuindo também responsabilidade
aos adolescentes do sexo masculino quanto à concepção e anticoncepção;
• Os adolescentes devem ser o centro de interesse na entrevista. Eles
precisam de momentos de privacidade e confidencialidade com o
profissional que os atendem. A presença de pais ou familiares , em algum
momento da consulta, deve ser decidida junto com o/a adolescente;
ASSISTÊNCIA AO ADOLESCENTE EM SAÚDE SEXUAL E SAÚDE
REPRODUTIVA
Pressupõe:
• Discussão sobre sexualidade e sobre comportamento sexual responsável,
direitos e deveres sexuais e reprodutivos;
• Prevenção de IST/HIV, enfocando sexo seguro e dupla proteção;
• Reflexão sobre questões de gênero, relações intergeracionais e relações
afetivas e sociais;
• Discussão sobre o uso de drogas e violência, principalmente a violência
sexual;
• Incentivar a participação juvenil nas ações educativas e preventivas –
protagonismo juvenil
ACOMPANHAMENTO DA GESTANTE ADOLESCENTE
• Equipe ideal: enfermeira, auxiliar de enfermagem, pediatra, ginecologista, assist.social,
psicóloga.
• Rotina estabelecida no PN convencional e profilaxia das complicações psicossociais.
• Reuniões com as adolescentes grávidas, seus parceiros, mães adolescentes que
frequentaram o grupo anteriormente.
• Nas reuniões: esclarecimento das modificações gravídicas mais comuns, aspectos
obstétricos e psicossociais, importância do PN, cuidados que deve ter consigo mesma e com
o bebê, importância do aleitamento materno e do planejamento reprodutivo.
• Refletir sobre temas: família, prevenção de recidiva de gravidez indesejada ou não
intencional, incentivo à retomada ou continuidade de seus estudos, valorização da auto-
estima.
SEGUIMENTO PÓS-NATAL DA MÃE ADOLESCENTE
• A 1ª consulta da mãe e de seu filho deve ser o mais precoce possível; na
semana seguinte à alta;
• Nesse atendimento, também avalia-se a maturidade da jovem, dando-lhe
apoio e segurança, valorizando sua capacidade de ser boa mãe, apesar da
pouca idade, enfatizando a importância do aleitamento materno exclusivo e
do planejamento reprodutivo;
• Orientação sobre a possibilidade de ocorrer outra gravidez, apesar de
estarem amamentando, e orientação sobre método anticoncepcional seguro;
• Incentivo à importância da presença do parceiro nas consultas e nas ações
educativas.
LEI Nº 13.798, DE 3 DE JANEIRO DE 2019
• Acrescenta art. 8º-A à Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente), para
instituir a Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência
• Art. 1º A Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente). Inclui o cuidado em
todas as fases do processo de gestação: o pré-parto, o parto e o pós-parto, trazendo dispositivos legais
para proteger as crianças ou adolescentes nessas três fases,
• passa a vigorar acrescida do seguinte art. 8º-A: "Art. 8º-A. Fica instituída a Semana Nacional de
Prevenção da Gravidez na Adolescência, a ser realizada anualmente na semana que incluir o dia 1º de
fevereiro, com o objetivo de disseminar informações sobre medidas preventivas e educativas que
contribuam para a redução da incidência da gravidez na adolescência.
• Parágrafo único. As ações destinadas a efetivar o disposto no caput deste artigo ficarão a cargo do poder
público, em conjunto com organizações da sociedade civil, e serão dirigidas prioritariamente ao público
adolescente."
• Art. 2º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. Brasília, 3 de janeiro de 2019.
MATERIAL- Lançamento jan/2019
“Mulheres e meninas educadas e fortalecidas podem tomar
decisões favoráveis sobre sua própria saúde.”
— DR. MARGARET CHAN, DIRETORA-GERAL, OMS
“Quando as meninas são educadas, saudáveis e podem
evitar a gravidez precoce, a gravidez não desejada e o HIV,
podem contribuir plenamente as batalhas contra a pobreza
em suas sociedades.”
— DR. BABATUNDE OSOTIMEHIN, DIRETORA EJECUTIVA, UNFPA
CONCLUSÃO
OBRIGADA!
Veronica Reis –
ATSM/CCVG/DGC/SAIS/SESAB
ÀREA TÉCNICA DE SAÚDE DOS ADOLESCENTES E JOVENS - ASAJ
Coordenação do Cuidado por Ciclo de Vida e Gênero – CCVG
Diretoria de Gestão do Cuidado – DGC
Superintendência de Atenção Integral à Saúde – SAIS
Secretaria Estadual de Saúde da Bahia – SESAB
dgc.saudedoadolescente@saude.ba.gov.br
DÚVIDAS
Web palestra sobre reprodução sexual adolescentes

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Web palestra sobre reprodução sexual adolescentes

Fatores que interferem no sobrepeso e na obesidade e suas consequências para ...
Fatores que interferem no sobrepeso e na obesidade e suas consequências para ...Fatores que interferem no sobrepeso e na obesidade e suas consequências para ...
Fatores que interferem no sobrepeso e na obesidade e suas consequências para ...
Van Der Häägen Brazil
 
Gravidez na adolescencia
Gravidez na adolescenciaGravidez na adolescencia
Gravidez na adolescencia
Alinebrauna Brauna
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescência   Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
reniltonoliveira
 
20190147-X-ENCONTRO-Apresentacao-Gravidez-na-Adolescencia-Viva-seu-Tempo.pptx
20190147-X-ENCONTRO-Apresentacao-Gravidez-na-Adolescencia-Viva-seu-Tempo.pptx20190147-X-ENCONTRO-Apresentacao-Gravidez-na-Adolescencia-Viva-seu-Tempo.pptx
20190147-X-ENCONTRO-Apresentacao-Gravidez-na-Adolescencia-Viva-seu-Tempo.pptx
fagnerlopes11
 
Gravidez adolescência em Viseu
Gravidez adolescência em ViseuGravidez adolescência em Viseu
Gravidez adolescência em Viseu
Sandra Figueiredo
 
Documento de Shields.pptx
Documento de Shields.pptxDocumento de Shields.pptx
Documento de Shields.pptx
IgorCruz53
 
Orientação Técnica de 23/08/2013
Orientação Técnica de 23/08/2013Orientação Técnica de 23/08/2013
Orientação Técnica de 23/08/2013
diretoriabragpta
 
SLIDES SOBRE GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA E DST.pptx
SLIDES SOBRE GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA E DST.pptxSLIDES SOBRE GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA E DST.pptx
SLIDES SOBRE GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA E DST.pptx
vanessamaolvi
 
20190147-X-ENCONTRO-Apresentacao-Gravidez-na-Adolescencia-Viva-seu-Tempo.pdf
20190147-X-ENCONTRO-Apresentacao-Gravidez-na-Adolescencia-Viva-seu-Tempo.pdf20190147-X-ENCONTRO-Apresentacao-Gravidez-na-Adolescencia-Viva-seu-Tempo.pdf
20190147-X-ENCONTRO-Apresentacao-Gravidez-na-Adolescencia-Viva-seu-Tempo.pdf
WandersonBarbozza
 
Gravidez e Maternidade Adolescente
Gravidez e Maternidade AdolescenteGravidez e Maternidade Adolescente
Gravidez e Maternidade Adolescente
Valéria Teixeira
 
AULA - Política e indicador em saúde da mulher
AULA - Política e indicador em saúde da mulherAULA - Política e indicador em saúde da mulher
AULA - Política e indicador em saúde da mulher
angelalessadeandrade
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
Ana Paula Ribeiro de Oliveira
 
Adolescência riscos da atividade sexual precoce
Adolescência riscos da atividade sexual precoceAdolescência riscos da atividade sexual precoce
Adolescência riscos da atividade sexual precoce
Maraisa Medeiros de Souza
 
gravideznaadolescencia-130713014950-phpapp01.pptx
gravideznaadolescencia-130713014950-phpapp01.pptxgravideznaadolescencia-130713014950-phpapp01.pptx
gravideznaadolescencia-130713014950-phpapp01.pptx
PauloEmerson5
 
ConhCONHECIMENTOS DAS ADOLESCENTES SOBRE ÀS IMPLICAÇÕES DA GRAVIDEZ – BENGO, ...
ConhCONHECIMENTOS DAS ADOLESCENTES SOBRE ÀS IMPLICAÇÕES DA GRAVIDEZ – BENGO, ...ConhCONHECIMENTOS DAS ADOLESCENTES SOBRE ÀS IMPLICAÇÕES DA GRAVIDEZ – BENGO, ...
ConhCONHECIMENTOS DAS ADOLESCENTES SOBRE ÀS IMPLICAÇÕES DA GRAVIDEZ – BENGO, ...
Eduardo Ekundi Valentim
 
Articulação-das-Políticas-de-Saúde-Janine.pptx
Articulação-das-Políticas-de-Saúde-Janine.pptxArticulação-das-Políticas-de-Saúde-Janine.pptx
Articulação-das-Políticas-de-Saúde-Janine.pptx
ShesterDamaceno1
 
Guia gestor transmissão vertical hiv aids_2008
Guia gestor transmissão vertical hiv aids_2008Guia gestor transmissão vertical hiv aids_2008
Guia gestor transmissão vertical hiv aids_2008
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
Gravidez_na_adolescência
Gravidez_na_adolescênciaGravidez_na_adolescência
Gravidez_na_adolescência
Mayjö .
 
Gravidez_na_adolescência
Gravidez_na_adolescênciaGravidez_na_adolescência
Gravidez_na_adolescência
Mayjö .
 
Abstinência sexual na adolescência: não há evidência científica para prevençã...
Abstinência sexual na adolescência: não há evidência científica para prevençã...Abstinência sexual na adolescência: não há evidência científica para prevençã...
Abstinência sexual na adolescência: não há evidência científica para prevençã...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Semelhante a Web palestra sobre reprodução sexual adolescentes (20)

Fatores que interferem no sobrepeso e na obesidade e suas consequências para ...
Fatores que interferem no sobrepeso e na obesidade e suas consequências para ...Fatores que interferem no sobrepeso e na obesidade e suas consequências para ...
Fatores que interferem no sobrepeso e na obesidade e suas consequências para ...
 
Gravidez na adolescencia
Gravidez na adolescenciaGravidez na adolescencia
Gravidez na adolescencia
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescência   Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
 
20190147-X-ENCONTRO-Apresentacao-Gravidez-na-Adolescencia-Viva-seu-Tempo.pptx
20190147-X-ENCONTRO-Apresentacao-Gravidez-na-Adolescencia-Viva-seu-Tempo.pptx20190147-X-ENCONTRO-Apresentacao-Gravidez-na-Adolescencia-Viva-seu-Tempo.pptx
20190147-X-ENCONTRO-Apresentacao-Gravidez-na-Adolescencia-Viva-seu-Tempo.pptx
 
Gravidez adolescência em Viseu
Gravidez adolescência em ViseuGravidez adolescência em Viseu
Gravidez adolescência em Viseu
 
Documento de Shields.pptx
Documento de Shields.pptxDocumento de Shields.pptx
Documento de Shields.pptx
 
Orientação Técnica de 23/08/2013
Orientação Técnica de 23/08/2013Orientação Técnica de 23/08/2013
Orientação Técnica de 23/08/2013
 
SLIDES SOBRE GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA E DST.pptx
SLIDES SOBRE GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA E DST.pptxSLIDES SOBRE GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA E DST.pptx
SLIDES SOBRE GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA E DST.pptx
 
20190147-X-ENCONTRO-Apresentacao-Gravidez-na-Adolescencia-Viva-seu-Tempo.pdf
20190147-X-ENCONTRO-Apresentacao-Gravidez-na-Adolescencia-Viva-seu-Tempo.pdf20190147-X-ENCONTRO-Apresentacao-Gravidez-na-Adolescencia-Viva-seu-Tempo.pdf
20190147-X-ENCONTRO-Apresentacao-Gravidez-na-Adolescencia-Viva-seu-Tempo.pdf
 
Gravidez e Maternidade Adolescente
Gravidez e Maternidade AdolescenteGravidez e Maternidade Adolescente
Gravidez e Maternidade Adolescente
 
AULA - Política e indicador em saúde da mulher
AULA - Política e indicador em saúde da mulherAULA - Política e indicador em saúde da mulher
AULA - Política e indicador em saúde da mulher
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
 
Adolescência riscos da atividade sexual precoce
Adolescência riscos da atividade sexual precoceAdolescência riscos da atividade sexual precoce
Adolescência riscos da atividade sexual precoce
 
gravideznaadolescencia-130713014950-phpapp01.pptx
gravideznaadolescencia-130713014950-phpapp01.pptxgravideznaadolescencia-130713014950-phpapp01.pptx
gravideznaadolescencia-130713014950-phpapp01.pptx
 
ConhCONHECIMENTOS DAS ADOLESCENTES SOBRE ÀS IMPLICAÇÕES DA GRAVIDEZ – BENGO, ...
ConhCONHECIMENTOS DAS ADOLESCENTES SOBRE ÀS IMPLICAÇÕES DA GRAVIDEZ – BENGO, ...ConhCONHECIMENTOS DAS ADOLESCENTES SOBRE ÀS IMPLICAÇÕES DA GRAVIDEZ – BENGO, ...
ConhCONHECIMENTOS DAS ADOLESCENTES SOBRE ÀS IMPLICAÇÕES DA GRAVIDEZ – BENGO, ...
 
Articulação-das-Políticas-de-Saúde-Janine.pptx
Articulação-das-Políticas-de-Saúde-Janine.pptxArticulação-das-Políticas-de-Saúde-Janine.pptx
Articulação-das-Políticas-de-Saúde-Janine.pptx
 
Guia gestor transmissão vertical hiv aids_2008
Guia gestor transmissão vertical hiv aids_2008Guia gestor transmissão vertical hiv aids_2008
Guia gestor transmissão vertical hiv aids_2008
 
Gravidez_na_adolescência
Gravidez_na_adolescênciaGravidez_na_adolescência
Gravidez_na_adolescência
 
Gravidez_na_adolescência
Gravidez_na_adolescênciaGravidez_na_adolescência
Gravidez_na_adolescência
 
Abstinência sexual na adolescência: não há evidência científica para prevençã...
Abstinência sexual na adolescência: não há evidência científica para prevençã...Abstinência sexual na adolescência: não há evidência científica para prevençã...
Abstinência sexual na adolescência: não há evidência científica para prevençã...
 

Mais de EvertonMonteiro19

SLIDE INFECÇÃO HOSPITALAR 31 DE MAIO.pptx
SLIDE INFECÇÃO HOSPITALAR 31 DE MAIO.pptxSLIDE INFECÇÃO HOSPITALAR 31 DE MAIO.pptx
SLIDE INFECÇÃO HOSPITALAR 31 DE MAIO.pptx
EvertonMonteiro19
 
Sífilis e outras IST'S na população jovem
Sífilis e outras IST'S  na população jovemSífilis e outras IST'S  na população jovem
Sífilis e outras IST'S na população jovem
EvertonMonteiro19
 
ANATOMIA E FISIOLOGIA Sistema Cardiovascular
ANATOMIA E FISIOLOGIA Sistema CardiovascularANATOMIA E FISIOLOGIA Sistema Cardiovascular
ANATOMIA E FISIOLOGIA Sistema Cardiovascular
EvertonMonteiro19
 
Combate e prevenção contra Hiv/Aids e ISt's
Combate e prevenção contra Hiv/Aids e ISt'sCombate e prevenção contra Hiv/Aids e ISt's
Combate e prevenção contra Hiv/Aids e ISt's
EvertonMonteiro19
 
Pre natal de alto e baixo risco na atenção básica
Pre natal de alto e baixo risco na atenção básicaPre natal de alto e baixo risco na atenção básica
Pre natal de alto e baixo risco na atenção básica
EvertonMonteiro19
 
Aula_Qualidade-e-Seguranca-do-Paciente-AECIHERJ-2016-compressed.pdf
Aula_Qualidade-e-Seguranca-do-Paciente-AECIHERJ-2016-compressed.pdfAula_Qualidade-e-Seguranca-do-Paciente-AECIHERJ-2016-compressed.pdf
Aula_Qualidade-e-Seguranca-do-Paciente-AECIHERJ-2016-compressed.pdf
EvertonMonteiro19
 
Trabalho_Infato_juvenil_e_Saude_Carmem_Raimundo.ppt
Trabalho_Infato_juvenil_e_Saude_Carmem_Raimundo.pptTrabalho_Infato_juvenil_e_Saude_Carmem_Raimundo.ppt
Trabalho_Infato_juvenil_e_Saude_Carmem_Raimundo.ppt
EvertonMonteiro19
 
CNS Saúde da Mulher nos 25 anos do Sistema Único de Saúde
CNS Saúde da Mulher nos 25 anos do Sistema Único de SaúdeCNS Saúde da Mulher nos 25 anos do Sistema Único de Saúde
CNS Saúde da Mulher nos 25 anos do Sistema Único de Saúde
EvertonMonteiro19
 
ACESSO PUBLICO A INFORMAÇÃO DE SAÚDE HIV
ACESSO PUBLICO A INFORMAÇÃO DE SAÚDE HIVACESSO PUBLICO A INFORMAÇÃO DE SAÚDE HIV
ACESSO PUBLICO A INFORMAÇÃO DE SAÚDE HIV
EvertonMonteiro19
 
Biossegurança de OGMs_2015.pptx099978765
Biossegurança de OGMs_2015.pptx099978765Biossegurança de OGMs_2015.pptx099978765
Biossegurança de OGMs_2015.pptx099978765
EvertonMonteiro19
 
Fisiologia-do-Sistema-Urinário-bioquimic
Fisiologia-do-Sistema-Urinário-bioquimicFisiologia-do-Sistema-Urinário-bioquimic
Fisiologia-do-Sistema-Urinário-bioquimic
EvertonMonteiro19
 
Introdução Micronutrientes e Micronutrie
Introdução Micronutrientes e MicronutrieIntrodução Micronutrientes e Micronutrie
Introdução Micronutrientes e Micronutrie
EvertonMonteiro19
 
AUDITORIA EM SERVIÇO DE SAÚDE PUBLICA AB
AUDITORIA EM SERVIÇO DE SAÚDE PUBLICA ABAUDITORIA EM SERVIÇO DE SAÚDE PUBLICA AB
AUDITORIA EM SERVIÇO DE SAÚDE PUBLICA AB
EvertonMonteiro19
 
Aula - vitaminas.pdf
Aula - vitaminas.pdfAula - vitaminas.pdf
Aula - vitaminas.pdf
EvertonMonteiro19
 
pneumonia-161113222159 (1) (2).pptx
pneumonia-161113222159 (1) (2).pptxpneumonia-161113222159 (1) (2).pptx
pneumonia-161113222159 (1) (2).pptx
EvertonMonteiro19
 
Pneumonias.pdf
Pneumonias.pdfPneumonias.pdf
Pneumonias.pdf
EvertonMonteiro19
 
QUADRILHA CHEIRO DE PATICHOULI.pptx
QUADRILHA CHEIRO DE PATICHOULI.pptxQUADRILHA CHEIRO DE PATICHOULI.pptx
QUADRILHA CHEIRO DE PATICHOULI.pptx
EvertonMonteiro19
 
intubação-traqueal-.ppt
intubação-traqueal-.pptintubação-traqueal-.ppt
intubação-traqueal-.ppt
EvertonMonteiro19
 
BIOMOLÉCULAS.ppt
BIOMOLÉCULAS.pptBIOMOLÉCULAS.ppt
BIOMOLÉCULAS.ppt
EvertonMonteiro19
 
05fev_Seminario_sobre_a_Lei_Anticorrupcao (1).pptx
05fev_Seminario_sobre_a_Lei_Anticorrupcao (1).pptx05fev_Seminario_sobre_a_Lei_Anticorrupcao (1).pptx
05fev_Seminario_sobre_a_Lei_Anticorrupcao (1).pptx
EvertonMonteiro19
 

Mais de EvertonMonteiro19 (20)

SLIDE INFECÇÃO HOSPITALAR 31 DE MAIO.pptx
SLIDE INFECÇÃO HOSPITALAR 31 DE MAIO.pptxSLIDE INFECÇÃO HOSPITALAR 31 DE MAIO.pptx
SLIDE INFECÇÃO HOSPITALAR 31 DE MAIO.pptx
 
Sífilis e outras IST'S na população jovem
Sífilis e outras IST'S  na população jovemSífilis e outras IST'S  na população jovem
Sífilis e outras IST'S na população jovem
 
ANATOMIA E FISIOLOGIA Sistema Cardiovascular
ANATOMIA E FISIOLOGIA Sistema CardiovascularANATOMIA E FISIOLOGIA Sistema Cardiovascular
ANATOMIA E FISIOLOGIA Sistema Cardiovascular
 
Combate e prevenção contra Hiv/Aids e ISt's
Combate e prevenção contra Hiv/Aids e ISt'sCombate e prevenção contra Hiv/Aids e ISt's
Combate e prevenção contra Hiv/Aids e ISt's
 
Pre natal de alto e baixo risco na atenção básica
Pre natal de alto e baixo risco na atenção básicaPre natal de alto e baixo risco na atenção básica
Pre natal de alto e baixo risco na atenção básica
 
Aula_Qualidade-e-Seguranca-do-Paciente-AECIHERJ-2016-compressed.pdf
Aula_Qualidade-e-Seguranca-do-Paciente-AECIHERJ-2016-compressed.pdfAula_Qualidade-e-Seguranca-do-Paciente-AECIHERJ-2016-compressed.pdf
Aula_Qualidade-e-Seguranca-do-Paciente-AECIHERJ-2016-compressed.pdf
 
Trabalho_Infato_juvenil_e_Saude_Carmem_Raimundo.ppt
Trabalho_Infato_juvenil_e_Saude_Carmem_Raimundo.pptTrabalho_Infato_juvenil_e_Saude_Carmem_Raimundo.ppt
Trabalho_Infato_juvenil_e_Saude_Carmem_Raimundo.ppt
 
CNS Saúde da Mulher nos 25 anos do Sistema Único de Saúde
CNS Saúde da Mulher nos 25 anos do Sistema Único de SaúdeCNS Saúde da Mulher nos 25 anos do Sistema Único de Saúde
CNS Saúde da Mulher nos 25 anos do Sistema Único de Saúde
 
ACESSO PUBLICO A INFORMAÇÃO DE SAÚDE HIV
ACESSO PUBLICO A INFORMAÇÃO DE SAÚDE HIVACESSO PUBLICO A INFORMAÇÃO DE SAÚDE HIV
ACESSO PUBLICO A INFORMAÇÃO DE SAÚDE HIV
 
Biossegurança de OGMs_2015.pptx099978765
Biossegurança de OGMs_2015.pptx099978765Biossegurança de OGMs_2015.pptx099978765
Biossegurança de OGMs_2015.pptx099978765
 
Fisiologia-do-Sistema-Urinário-bioquimic
Fisiologia-do-Sistema-Urinário-bioquimicFisiologia-do-Sistema-Urinário-bioquimic
Fisiologia-do-Sistema-Urinário-bioquimic
 
Introdução Micronutrientes e Micronutrie
Introdução Micronutrientes e MicronutrieIntrodução Micronutrientes e Micronutrie
Introdução Micronutrientes e Micronutrie
 
AUDITORIA EM SERVIÇO DE SAÚDE PUBLICA AB
AUDITORIA EM SERVIÇO DE SAÚDE PUBLICA ABAUDITORIA EM SERVIÇO DE SAÚDE PUBLICA AB
AUDITORIA EM SERVIÇO DE SAÚDE PUBLICA AB
 
Aula - vitaminas.pdf
Aula - vitaminas.pdfAula - vitaminas.pdf
Aula - vitaminas.pdf
 
pneumonia-161113222159 (1) (2).pptx
pneumonia-161113222159 (1) (2).pptxpneumonia-161113222159 (1) (2).pptx
pneumonia-161113222159 (1) (2).pptx
 
Pneumonias.pdf
Pneumonias.pdfPneumonias.pdf
Pneumonias.pdf
 
QUADRILHA CHEIRO DE PATICHOULI.pptx
QUADRILHA CHEIRO DE PATICHOULI.pptxQUADRILHA CHEIRO DE PATICHOULI.pptx
QUADRILHA CHEIRO DE PATICHOULI.pptx
 
intubação-traqueal-.ppt
intubação-traqueal-.pptintubação-traqueal-.ppt
intubação-traqueal-.ppt
 
BIOMOLÉCULAS.ppt
BIOMOLÉCULAS.pptBIOMOLÉCULAS.ppt
BIOMOLÉCULAS.ppt
 
05fev_Seminario_sobre_a_Lei_Anticorrupcao (1).pptx
05fev_Seminario_sobre_a_Lei_Anticorrupcao (1).pptx05fev_Seminario_sobre_a_Lei_Anticorrupcao (1).pptx
05fev_Seminario_sobre_a_Lei_Anticorrupcao (1).pptx
 

Último

Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Jssica597589
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
balmeida871
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
FabianeOlegario2
 
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacteriasTuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
CarolLopes74
 
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
PatrciaOliveiraPat
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
NanandorMacosso
 

Último (6)

Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
 
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacteriasTuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
 
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
 

Web palestra sobre reprodução sexual adolescentes

  • 3. GRAVIDEZ NAS ADOLESCÊNCIAS: Desafios e Estratégias para a Prevenção!
  • 4. TÓPICOS DA SESSÃO • Aspectos conceituais • Dados epidemiológicos • Recomendações da OMS • Diretrizes para atenção à saúde sexual e reprodutiva das (os) adolescentes • LEI nº 13.798, de 3 de janeiro de 2019 para instituir a Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência.
  • 5. Adolescências • Fase evolutiva que abrange uma faixa etária onde acontecem importantes mudanças biopsicossociais que determinam especificidades emocionais e comportamentais que repercutem na saúde sexual deste grupo populacional.
  • 6. Conceituando e Definindo Limites das Adolescências 10 a 19 anos (OMS, 2009) Adolescência Juventude Documentos Oficiais 12 a 18 anos (ECA, 1990) 15 a 29 anos (EJ,2013) Pesquisas Científicas Entre os 15 e 19 anos Adolescente Jovem Intermediaria De 20 a 24 anos Adulto Jovem Final/ Tardia Abaixo dos 15 anos Inicial/Precoce 15 a 24 anos Juventude
  • 7. Realidade no Brasil e na Bahia DADOS DE DISTRIBUIÇÃO DEMOGRÁFICA (censo, 2010) 10 a 24 anos 51.259.965 25,28% Geração de adolescentes e jovens é a mais numerosa da história! 28,41% 3.981.629 10 a 24 anos Perfil nacional Bahia
  • 8. VULNERABILIDADES •Total – 1.222.682 (10 a 24 anos) •10 – 19 – 17,54% •20 – 24 anos – 25,24% •Fonte: Ministério da Saúde/SVS/DASIS – Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos – SINASC, 2016 Nascidos Vivos por Idade da Mãe no SUS •15 – 19 – 16,2 % •10 -14 – 1,4% •Fonte: Fonte: Ministério da Saúde – Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS) ,2014 Aborto no SUS •20 – 24 anos – 19,5% •10 -19 anos – 12,8% •Fonte: MS/SVS/CGIAE – Sistema de Informação sobre Mortalidade - SIM, 2016. Mortalidade Materna 42,78% 14,7% 32,3%
  • 9. VULNERABILIDADES •10 -14 anos – 10% •15 – 19 anos – 15% •Fonte: Ministério da Saúde/SVS – Sistema de Informação de Agravos e Notificação (SINAN) Violência Sexual •Na faixa de 13 a 19 anos há uma razão de sexo de cada 13 casos em homens para cada 10 casos em mulheres •Fonte: Boletim Epidemiológico Aids e DST, Ano III, nº I,2013 Feminilização da Aids •Nas faixas etárias abaixo a média de início de consumo são: •10 a 14 anos – 13,1 anos •15 a 19 anos – 16,9 anos •15 a 19 anos – 16,9 anos •Fonte: Ministério da Saúde – Sistema de Informações Ambulatoriais do SUS (SIA/SUS) ,2013 Uso de álcool 25,2% Atendimento no SUS •10 a 24 anos apenas 5,1% das consultas •Fonte: Ministério da Saúde – Sistema de Informações Ambulatoriais do SUS (SIA/SUS) ,2014
  • 10. GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA - ÍNDICES MUNDIAIS E NO BRASIL Número de nascimentos por cada 1000 mulheres entre os 15 e os 19 anos de idade. Fonte: UNICEF.
  • 12. 10 a 24 anos 3.971.196 28,33% 10 a 19 anos 2.655.703 18,95% Fonte: IBGE /Projeção da População das Unidades da Federação por sexo e grupos de idade: 2000-2030 População Residente 14.016.906 Masculino 6.878.266 Feminino 7.138.640 Grupo de Idade População de Adolescentes e Jovens 10 a 14 anos 681.596 657.965 15 a 19 anos 668.390 658.891 20 a 24 anos 647.103 657.251 POPULAÇÃO RESIDENTE P/ FAIXA ETÁRIA E SEXO- BAHIA/2014
  • 13. FONTE: Ministério da Saúde – Sistemas de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS) - * Dados Preliminares PERCENTUAL DE INTERNAÇÕES FEMININAS DE 10 a 24 ANOS NA REDE SUS, SEGUNDO GRUPO DE CAUSAS. BAHIA, 2017*
  • 14. PERCENTUAL DE NASCIDOS VIVOS, DE MÃES ADOLESCENTES (10 A 19 ANOS). ESTADO DA BAHIA, 2007 - 2017* Fonte: Sesab/Suvisa/Divep/COASS – Sinasc – Dados preliminares 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 35,00 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017* % Gráfico 01- Proporção de nascidos vivos de mães de10 a 19 anos, Bahia. 2007-2017*.
  • 15. CASOS DE SÍFILIS EM GESTANTES POR ANO DO DIAGNÓSTICO. BAHIA, 2010 - 2017*. Fonte: SESAB/SUVISA/DIVEP/SINAN - Sistema de Informação de Agravos de Notificação *Dados preliminares, processados até 15/05/2018, acessados em 17/05/2018
  • 16. PROPORÇÃO DE INTERNAÇÃO POR RAZÕES RELACIONADAS A ABORTOS NA REDE SUS POR FAIXA ETÁRIA. BAHIA – 2017 Fonte: Ministério da Saúde - Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS)
  • 17. NÚMERO E PERCENTUAL DE CASOS NOTIFICADOS DE MICROCEFALIA POR FAIXA ETÁRIA DA MÃE. BAHIA, 2015 -2017*. 10 a 14 anos 0,6% 15 a 19 anos 17,4% Fonte: RESP, dados de 08/10/2015 a 30/06/2017.
  • 18. PROPORÇÃO DE CASOS DE VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGUNDO FAIXA ETÁRIA E SEXO. BAHIA, 2017. 10 a 19 anos 22,9% 35,42% Fonte: SESAB/SUVISA/DIVEP/SINAN - Sistema de Informação de Agravos de Notificação
  • 19. 02/01/1904 0,62 13,58 19,14 19,75 23,46 16,05 6,17 1,23 10 a 14 anos 15 a 19 anos 20 a 24 anos 25 a 29 anos 30 a 34 anos 35 a 39 anos 40 a 44 anos 45 a 49 anos PROPORÇÃO DE ÓBITOS POR CAUSAS MATERNAS SEGUNDO FAIXA ETÁRIA. BAHIA - 2013
  • 20. PROPORÇÃO DE ÓBITOS POR ABORTAMENTO E FAIXA ETÁRIA. BAHIA - 2013 15 a 19 anos 20 a 24 anos 30 a 34 anos 60 20 20 Abortos Fonte: SESAB/DIS/SIM - Sistema de Informação de Mortalidade
  • 21. Objetivo: Prevenir a gravidez precoce e os Resultados Reprodutivos Adversos em adolescentes especialmente nos países em desenvolvimento Recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS)
  • 22. • 16 milhões de adolescentes entre 15 e 19 anos se tornam mães cada ano • A gravidez na adolescência é mais comum em meninas pobres e com menos estudos e aquelas que vivem em áreas rurais • Apesar do progresso, a gravidez na adolescência continua aumentando em algumas regiões em desenvolvimento É importante considerar que... OMS
  • 23. POR QUE GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA? • A adolescência é o momento também da descoberta sexual e é uma fase rodeada de dúvidas, impulsos e atitudes impensadas. • A falta de planos para o futuro e imaturidade favorecem a ocorrência de gravidez em adolescentes. • Nos dias de hoje sabe-se que na maioria dos casos não é por falta de informação que as adolescentes engravidam.
  • 24. (12) A responsabilidade da gravidez não deve ser atribuída apenas à menina é importante olhar também para o menino! Geralmente pais adolescentes são ausentes e se descuidam mais de uma vez, gerando mais adolescentes grávidas. • Desejo da adolescente • Falta de informação • Limitado acesso e dificuldades na negociação do uso de preservativos e outros métodos contraceptivos • Violência doméstica e de gênero • Desagregação familiar • Situação de pobreza / Baixa escolaridade • Baixa auto-estima • Na intenção de prender o namorado • Falta de planejamento FATORES MULTICAUSAIS RELACIONADOS À GRAVIDEZ ENTRE ADOLESCENTES
  • 25. CONSEQUÊNCIAS DA GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA OMS Maiores riscos para a saúde da mãe por motivos bio-psico- sociais Maiores riscos para a saúde dos bebês: Os bebês de mães adolescentes têm mais probabilidades de morrer, de ter baixo peso ao nascer e sofrer efeitos de doenças a longo prazo. Diante dos desafios e contexto, muitas adolescentes recorrem ao aborto provocado e muitas vezes em condições inseguras A gravidez na adolescência reforça o círculo vicioso da pobreza e a doença: as mães adolescentes em muitos lugares abandonam ou são obrigadas a abandonarem a escola, e são menos propensas que seus parceiros para desenvolver suas habilidades e competências vocacionais.
  • 26. Com base a: • Revisão exaustiva da evidência • A experiência prática dos responsáveis políticos, administradores de programas e trabalhadores de primeira linha procedentes de países de todo o mundo Desenvolvido de uma maneira sistemática e transparente Recomendaçãos da OMS para a prevenção de gravidez precoce e os resultados reprodutivos adversos nas adolescentes nos países em desenvolvimento UN
  • 27. RESULTADO 1 – OMS INIBIR O CASAMENTO PRECOCE AÇÕES EM NÍVEL DE INDIVÍDUOS, FAMÍLIAS E COMUNIDADES • Informar e fortalecer as meninas • Manter as meninas na escola • Influenciar sobre as normas culturais AÇÕES EM NÍVEL DE POLÍTICAS • Proibir o matrimônio precoce UNFPA
  • 28. RESULTADO 2 – OMS CRIAÇÃO DE COMPREENSÃO E APOIO PARA REDUZIR A GRAVIDEZ ANTES DOS 20 ANOS AÇÕES EM NÍVEL DE INDIVÍDUOS, FAMILIAS E COMUNIDADES • Educar aos meninos e meninas sobre sexualidade • Conseguir o apoio da comunidade para evitar a gravidez precoce AÇÕES EM NÍVEL DE POLÍTICAS • Apoiar os programas de prevenção da gravidez em adolescentes
  • 29. AÇÕES EM NÍVEL DE POLÍTICAS • Legislar o acesso à informação e aos serviços de anticoncepção • Reduzir o custo de anticonceptivos para as adolescentes (recomendação condicional) AÇÕES EM NÍVEL DE INDIVÍDUOS, FAMÍLIAS E COMUNIDADES • Ensinar adolescentes sobre o uso de anticonceptivos • Criar respaldo comunitário para a entrega de anticonceptivos aos adolescentes • Possibilitar aos adolescentes o acesso aos serviços de anticoncepção RESULTADO 3 – OMS AUMENTAR O USO DE ANTICONCEPCIONAL
  • 30. AÇÕES EM NÍVEL DE INDIVÍDUOS, FAMÍLIAS E COMUNIDADES • Capacitar meninas de resistir à coerção sexual • Influir sobre as normas sociais que favorecem as relações sexuais sob coação AÇÕES EM NÍVEL DE POLÍTICAS • Proibir as relaciones sexuais sob coação RESULTADO 4 – OMS REDUZIR O SEXO FORÇADO UN
  • 31. AÇÕES EM NÍVEL DE POLÍTICAS • Habilitar o acesso das adolescentes a serviços de aborto seguro e pós aborto AÇÕES EM NÍVEL DE INDIVÍDUOS, FAMÍLIAS E COMUNIDADES • Informar as adolescentes acerca dos perigos de abortos inseguros • Informar as adolescentes sobre lugares onde possam acessar os serviços de aborto seguro, onde seja legalizado • Aumentar a compreensão da comunidade sobre os perigos do aborto inseguro AÇÕES EM NÍVEL DOS SISTEMAS DE SAÚDE • Identificar e eliminar as barreiras aos serviços de aborto seguro UN RESULTADO 5 – OMS REDUZIR OS ABORTOS INSEGUROS
  • 32. AÇÕES EM NÍVEL DE INDIVÍDUOS, FAMÍLIAS E COMUNIDADES • Informar as adolescentes e aos membros da comunidade sobre a importância de obter atenção qualificada antes, durante e depois do parto AÇÕES EM NÍVEL DE SISTEMAS DE SAÚDE • Assegurar que as adolescentes, famílias, comunidades estejam bem preparadas para o parto e possíveis emergências • Ser sensível e responder às necessidades das mães e futuras jovens mães WHO RESULTADO 6 – OMS AUMENTAR O USO DA ATENÇÃO QUALIFICADA NA ATENÇÃO PRÉ-NATAL, DO PARTO E PÓS-PARTO AÇÕES EM NÍVEL DE POLÍTICAS • Ampliar o acesso à atenção qualificada antes durante e depois do parto • Ampliar o acesso da atenção de emergência obstétrica básica e integral
  • 33. DIRETRIZES PARA ABORDAGEM EM SAÚDE SEXUAL E SAÚDE REPRODUTIVA NA ADOLESCÊNCIA • Prevenir, através de informação e discussão de temas, antes do início da vida sexual ativa - Vincular informação à reflexão • Sensibilizar e informar sobre prevenção em IST/AIDS e métodos contraceptivos • Associar a prevenção à vida e ao prazer, não à morte e à dor • Não doutrinar e sim fazer interlocução • Possibilitar a educação entre pares • Incluir os adolescentes do sexo masculino nas discussões sobre sexualidade, saúde reprodutiva, contracepção e paternidade futura • Participação efetiva dos adolescentes como agentes multiplicadores • Agir intersetorialmente • Trabalhar em perspectivas de curto, médio e longo prazo
  • 34. ASSISTÊNCIA A ADOLESCENTES COM ÊNFASE EM SAÚDE SEXUAL E REPRODUTIVA Os serviços de saúde devem oferecer um atendimento integral, antes mesmo do início da vida sexual garantindo: • Atendimento que dê apoio, sem emitir juízo de valor • Confidencialidade • Privacidade
  • 35. ASSISTÊNCIA A ADOLESCENTES EM SAÚDE SEXUAL E SAÚDE REPRODUTIVA Pressupõe: • Atenção especial às faixas etárias mais precoces (10 a 14 anos), principalmente, quando na região de cobertura se registra aumento da gestação nesta faixa etária; • Avaliação integral da (o) adolescente, incluindo avaliação psicossocial; • Atendimento para ambos os sexos, atribuindo também responsabilidade aos adolescentes do sexo masculino quanto à concepção e anticoncepção; • Os adolescentes devem ser o centro de interesse na entrevista. Eles precisam de momentos de privacidade e confidencialidade com o profissional que os atendem. A presença de pais ou familiares , em algum momento da consulta, deve ser decidida junto com o/a adolescente;
  • 36. ASSISTÊNCIA AO ADOLESCENTE EM SAÚDE SEXUAL E SAÚDE REPRODUTIVA Pressupõe: • Discussão sobre sexualidade e sobre comportamento sexual responsável, direitos e deveres sexuais e reprodutivos; • Prevenção de IST/HIV, enfocando sexo seguro e dupla proteção; • Reflexão sobre questões de gênero, relações intergeracionais e relações afetivas e sociais; • Discussão sobre o uso de drogas e violência, principalmente a violência sexual; • Incentivar a participação juvenil nas ações educativas e preventivas – protagonismo juvenil
  • 37. ACOMPANHAMENTO DA GESTANTE ADOLESCENTE • Equipe ideal: enfermeira, auxiliar de enfermagem, pediatra, ginecologista, assist.social, psicóloga. • Rotina estabelecida no PN convencional e profilaxia das complicações psicossociais. • Reuniões com as adolescentes grávidas, seus parceiros, mães adolescentes que frequentaram o grupo anteriormente. • Nas reuniões: esclarecimento das modificações gravídicas mais comuns, aspectos obstétricos e psicossociais, importância do PN, cuidados que deve ter consigo mesma e com o bebê, importância do aleitamento materno e do planejamento reprodutivo. • Refletir sobre temas: família, prevenção de recidiva de gravidez indesejada ou não intencional, incentivo à retomada ou continuidade de seus estudos, valorização da auto- estima.
  • 38. SEGUIMENTO PÓS-NATAL DA MÃE ADOLESCENTE • A 1ª consulta da mãe e de seu filho deve ser o mais precoce possível; na semana seguinte à alta; • Nesse atendimento, também avalia-se a maturidade da jovem, dando-lhe apoio e segurança, valorizando sua capacidade de ser boa mãe, apesar da pouca idade, enfatizando a importância do aleitamento materno exclusivo e do planejamento reprodutivo; • Orientação sobre a possibilidade de ocorrer outra gravidez, apesar de estarem amamentando, e orientação sobre método anticoncepcional seguro; • Incentivo à importância da presença do parceiro nas consultas e nas ações educativas.
  • 39. LEI Nº 13.798, DE 3 DE JANEIRO DE 2019 • Acrescenta art. 8º-A à Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente), para instituir a Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência • Art. 1º A Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente). Inclui o cuidado em todas as fases do processo de gestação: o pré-parto, o parto e o pós-parto, trazendo dispositivos legais para proteger as crianças ou adolescentes nessas três fases, • passa a vigorar acrescida do seguinte art. 8º-A: "Art. 8º-A. Fica instituída a Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência, a ser realizada anualmente na semana que incluir o dia 1º de fevereiro, com o objetivo de disseminar informações sobre medidas preventivas e educativas que contribuam para a redução da incidência da gravidez na adolescência. • Parágrafo único. As ações destinadas a efetivar o disposto no caput deste artigo ficarão a cargo do poder público, em conjunto com organizações da sociedade civil, e serão dirigidas prioritariamente ao público adolescente." • Art. 2º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. Brasília, 3 de janeiro de 2019.
  • 41. “Mulheres e meninas educadas e fortalecidas podem tomar decisões favoráveis sobre sua própria saúde.” — DR. MARGARET CHAN, DIRETORA-GERAL, OMS “Quando as meninas são educadas, saudáveis e podem evitar a gravidez precoce, a gravidez não desejada e o HIV, podem contribuir plenamente as batalhas contra a pobreza em suas sociedades.” — DR. BABATUNDE OSOTIMEHIN, DIRETORA EJECUTIVA, UNFPA CONCLUSÃO OBRIGADA! Veronica Reis – ATSM/CCVG/DGC/SAIS/SESAB
  • 42. ÀREA TÉCNICA DE SAÚDE DOS ADOLESCENTES E JOVENS - ASAJ Coordenação do Cuidado por Ciclo de Vida e Gênero – CCVG Diretoria de Gestão do Cuidado – DGC Superintendência de Atenção Integral à Saúde – SAIS Secretaria Estadual de Saúde da Bahia – SESAB dgc.saudedoadolescente@saude.ba.gov.br