SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
   IRpA nas UTI´s = Internação = Evolui VMI;

   Repercussões Musc. Insp após 24 horas

   Treinamento Musc. Ventilatória = Pcts Difícil
    Desmame.

   VMI prolongada =         Força Muscular =
    Dependência ao Ventilador.
    na força da musculatura inspiratória;

    da dispnéia;

     na proporção de fibras tipo I      tamanho de
    fibras tipo II dos mm. intercostais externos;

   da tolerância ao exercício de alta intensidade
    em indivíduos saudáveis.

                                        BRITO, Raquel. 2009.
Avaliação da Força + Condição
  Musculatura Ventililatoria


      Manovacuômetro


Direcionamento do tratamento
   PIMAX –90 a –120cmH2O

   PEMAX + 100 a +150cmH2O

   Decréscimo anual de 0,5cmH2O após 20 anos
    de idade.

        Fraqueza: - 70 a – 45 cmH O
                                 2


        Fadiga:   - 40 a – 25 cmH O
                                 2


        Falencia: Menor que – 20cmH O2
   Instrumentos Utilizados:
       Ventilador Mecânico;
       Threshold IMT;
       Gerador de Fluxo;
       Tubo T e Válvula Peep;
       Lençol de Contenção abdominal



                                   RODRIGUES, Kleber et al.
   10 itens:
   Escala de Coma de Glasgow; Vol Corrente; FR;
    FiO2; Saturação; PaO2; PCO2; Pi máx; P.S. e
    Idade.
   1 à 3 pontos;
   Casse I: 27 – 30 Pontos: Indicado;
   Classe II: 23- 26 Pontos: Favorável;
   Classe III: 20 – 22 Pontos: Desfavorável;
   Classe IV: < 19 Pontos: Contra-indicado.

                                   RODRIGUES, Kleber et al.
RODRIGUES, Kleber et al.
   Drive Ventilatório = adição de outras técnicas
    de Fortalecimento;
   Lei Laplace: Raio Força: Diâmetro e Raio
    Grau de Tensão = Estimulando Diafragma
    Contrair-se, restabelecendo volume e força de
    contração.
   Diversos autores comprovaram eficácia;
   Contra-Indicação: Dreno abdominal; Cirurgia
    Abdominal ou escaras no Sacro.

                                     RODRIGUES, Kleber et al.
   Técnica:
   Vt < 5mlKg; Período 1 hora;
    aspirado com antecedência;
    DD com Elevação 45º
    cabeceira; Lençol dobrado
    em volta abdômen 3cm
    abaixo P.X. e 3cm acima
    E.I.A.S.; Fixado com uma
    fita.



                                  RODRIGUES, Kleber et al.
  TMV por meio da Sobrecarga=Dois Métodos:
1. Carga Resistida Inspiratória; 2. Carga Limiar
   Inspiratória;
 Mensuração      Pi Máx      e Pe      Max.    =
   Manovacuômetro.
 Valor Normal Pimáx = Homens: (20 – 80 anos):
   143-0,55x idade; Mulheres: (20-80 anos): 104 –
   0,51 x idade .
 Pemáx= Homens: (20 – 80 anos): 268 – 1,03 x
   idade; Mulheres: (20 – 80 anos): 170 – 0,53 x
   idade.
                                     PRESTO, Bruno. 2009.
   Classificação:
   Fraqueza        Muscular
    Respiratória: Pi Max: -70
    a -45 cmH2O;
   Fadiga          Muscular
    Respiratória: Pi Máx: -40
    a -25 cmH2O;
   Falência        Muscular
    Respiratória: Pi Max <
    20 cmH2O.

                                PRESTO, Bruno. 2009.
 Inicia-se com Carga
  entre 40 a 60% Pi Max;
 Endurance:    Cargas e
Repetições;
 Força:        Cargas e
  Repetições;




                           PRESTO, Bruno. 2009.
   Pactes          VM
    prolongada = ajustes
    de sensibilidade à
    pressão = 20 pctes
    com 2 sessões 5x10
    intercalando    com
    1min descanso.




                           PIRES, V.A. et al
   Usado de forma invasiva e não invasiva = Pcte
    Respira espontaneamente = Pressão positiva
    constante Ins x Exp.;
   Segura e Volumes Pulmonares;
   Indicada: Pcts com Volume Corrente, Fraq.
    Musc. Vent. Etc....




                                       RIBEIRO, C & Col
   Técnica: Adaptar CPAP
    com gerador de fluxo e
    tubo    T   na    TQT,
    adaptando válvula Peep
    variando de 5 a 8
    cmH2O




                             RODRIGUES, Kleber et al.
   Pcte         determina
    Vt+FR+Vm =        Força
    Musc. Vent.;
   Tempo: 30 min à 2hrs;
   Adaptando a máscara
    de Nebulização a TQT.




                              RODRIGUES, Kleber et al.
   Pcte     C.M.L.,     de     36    anos,      sexo
    Feminino, colaborativa, orientada em BEG.
    Admitida na UTI 07 de Abril de
    2011, transferida para enfermaria ( 7 dias). Com
    diagnóstico        de       2º      PO         de
    Duodenopancreatectomia + Colecistectomia +
    Reconstrução em Y de Roux por tumor de
    cabeça de Pâncreas. AP: MV (+) AHTX sem
    RA. SSVV: PA:113x68 (93) mmHg; FR: 18 irpm;
    T: 35,8ºC.
1º Valor    2º Valor    3º Valor

Antes Treino    -10 cmH2O   -40 cmH2O   -50 cmH2O

Após Treino     -35 cmH2O   -38 cmH2O   -44 cmH2O

1:30 após       -44 cmH20   -65 cmH2O   -76 cmH2O.
treino


                        Pi Máx
             60% de 50cmH2O= 30cmH2O
            Objetivo Fortalecimento 5x 18rm.
   BRITO, Raquel. Fisioterapia Respiratória. 1° ed. Manole. São
    Paulo. 2009.
   PRESTO,Bruno. Fisioterapia na UTI. 2°ed. Elsevier. Rio de Janeiro.
    2009.
   , D; TADINI, R. Índice de desmame Ventilatório Ferrari – Tadini.
    Revista Intensiva. 2005. 1:7-11;
   PIRES, V.A.; et al. Comparação de duas tecnicas de treinamento
    muscular respiratório em pacientes sob ventilação Mecanica com
    insucesso de desmame. Rev.Bras.Fisio. Vol.4, No. 2 (2002), 93 -104;
   RODRIGUES, Kleber; et al. Protocolo de treinamento Muscular
    Ventilatório Baseado no Indice de Desmame Ventilatório – IDV;
   SANTOS, Alessandra. Aplicação de treinamento muscular
    ventilatório específico durante o processo de desmame da
    ventilação mecanica – Relato de Caso.
I Encontro de Reciclagem em Fisioterapia Intensiva

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fisiologia Pulmonar: Difusão
Fisiologia Pulmonar: DifusãoFisiologia Pulmonar: Difusão
Fisiologia Pulmonar: Difusão
Flávia Salame
 
LATEC - UFF. ORGANIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE
LATEC - UFF. ORGANIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDELATEC - UFF. ORGANIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE
LATEC - UFF. ORGANIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE
LATEC - UFF
 

Mais procurados (20)

Doenças Pulmonares Intersticiais
Doenças Pulmonares IntersticiaisDoenças Pulmonares Intersticiais
Doenças Pulmonares Intersticiais
 
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
 
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacasFisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
 
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em FisioterapiaTestes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
 
Oxigenoterapia
Oxigenoterapia Oxigenoterapia
Oxigenoterapia
 
Fisiologia Pulmonar: Difusão
Fisiologia Pulmonar: DifusãoFisiologia Pulmonar: Difusão
Fisiologia Pulmonar: Difusão
 
Anatomia e fisiologia respiratorias em crianças slideshare_bsb_2015
Anatomia e fisiologia respiratorias em crianças slideshare_bsb_2015Anatomia e fisiologia respiratorias em crianças slideshare_bsb_2015
Anatomia e fisiologia respiratorias em crianças slideshare_bsb_2015
 
Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...
Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...
Eletroterapia - estimulação nervosa transcutanea (TENS) - agentes elétricos -...
 
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
 
Ventilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasivaVentilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasiva
 
LATEC - UFF. ORGANIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE
LATEC - UFF. ORGANIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDELATEC - UFF. ORGANIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE
LATEC - UFF. ORGANIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE
 
Fundamentos da avaliação neurológica
Fundamentos da avaliação neurológicaFundamentos da avaliação neurológica
Fundamentos da avaliação neurológica
 
Aula oxigenoterapia
Aula oxigenoterapiaAula oxigenoterapia
Aula oxigenoterapia
 
microondas
microondasmicroondas
microondas
 
Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
 
Fraturas Luxações e Torções
Fraturas Luxações e Torções Fraturas Luxações e Torções
Fraturas Luxações e Torções
 
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
 
Sara
SaraSara
Sara
 
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de AlmeidaOxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
 
Trabalho de ampútação e prótese
Trabalho de ampútação e próteseTrabalho de ampútação e prótese
Trabalho de ampútação e prótese
 

Destaque (9)

Fisioterapia no paciente crítico
Fisioterapia no paciente críticoFisioterapia no paciente crítico
Fisioterapia no paciente crítico
 
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTIAVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
 
O papel da fisioterapia intensiva na UTI oncológica
O papel da fisioterapia intensiva na UTI oncológicaO papel da fisioterapia intensiva na UTI oncológica
O papel da fisioterapia intensiva na UTI oncológica
 
Apostila paciente idoso uti patologias respiratorias
Apostila   paciente idoso uti patologias respiratoriasApostila   paciente idoso uti patologias respiratorias
Apostila paciente idoso uti patologias respiratorias
 
Desmame ventilatório
Desmame ventilatórioDesmame ventilatório
Desmame ventilatório
 
Técnicas de Cinesioterapia Respiratória
Técnicas de Cinesioterapia RespiratóriaTécnicas de Cinesioterapia Respiratória
Técnicas de Cinesioterapia Respiratória
 
FISIOTERAPIA INTENSIVA APLICADA AO PACIENTE ONCOLÓGICO
FISIOTERAPIA INTENSIVA APLICADA AO PACIENTE ONCOLÓGICOFISIOTERAPIA INTENSIVA APLICADA AO PACIENTE ONCOLÓGICO
FISIOTERAPIA INTENSIVA APLICADA AO PACIENTE ONCOLÓGICO
 
Desmame Da VentilaçãO MecâNica
Desmame Da VentilaçãO MecâNicaDesmame Da VentilaçãO MecâNica
Desmame Da VentilaçãO MecâNica
 
Monitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIMonitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTI
 

Semelhante a I Encontro de Reciclagem em Fisioterapia Intensiva

Avaliação física para o personal training
Avaliação física para o personal trainingAvaliação física para o personal training
Avaliação física para o personal training
Joao P. Dubas
 
Hipertensão arterial x treinamento de força
Hipertensão arterial x treinamento de forçaHipertensão arterial x treinamento de força
Hipertensão arterial x treinamento de força
felipethoaldo
 
ITO 23 - Módulo 200 sbv
ITO 23 - Módulo 200   sbvITO 23 - Módulo 200   sbv
ITO 23 - Módulo 200 sbv
Comandantelima
 

Semelhante a I Encontro de Reciclagem em Fisioterapia Intensiva (20)

Desmame ventilatrio
Desmame ventilatrioDesmame ventilatrio
Desmame ventilatrio
 
Sara
SaraSara
Sara
 
Desmame ventilatório
Desmame ventilatórioDesmame ventilatório
Desmame ventilatório
 
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Síndrome do Desconforto Respiratório AgudoSíndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
 
Processo de Desmame Ventilatório e Extubação
Processo de Desmame Ventilatório e ExtubaçãoProcesso de Desmame Ventilatório e Extubação
Processo de Desmame Ventilatório e Extubação
 
Recrutamento
RecrutamentoRecrutamento
Recrutamento
 
Avaliação física para o personal training
Avaliação física para o personal trainingAvaliação física para o personal training
Avaliação física para o personal training
 
Curso 42 i ib
Curso 42 i ibCurso 42 i ib
Curso 42 i ib
 
Monitorização Ventilatória
Monitorização VentilatóriaMonitorização Ventilatória
Monitorização Ventilatória
 
Suporte básico de vida
Suporte básico de vidaSuporte básico de vida
Suporte básico de vida
 
Hipertensão arterial x treinamento de força
Hipertensão arterial x treinamento de forçaHipertensão arterial x treinamento de força
Hipertensão arterial x treinamento de força
 
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICAVENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
 
ITO 23 - Módulo 200 sbv
ITO 23 - Módulo 200   sbvITO 23 - Módulo 200   sbv
ITO 23 - Módulo 200 sbv
 
Desmame Ventilatório
Desmame VentilatórioDesmame Ventilatório
Desmame Ventilatório
 
Protocolo de normotermia, um sinal vital para segurança do paciente cirúrgico
Protocolo de normotermia, um sinal vital para segurança do paciente cirúrgicoProtocolo de normotermia, um sinal vital para segurança do paciente cirúrgico
Protocolo de normotermia, um sinal vital para segurança do paciente cirúrgico
 
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatriaVentilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
 
Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2010
Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2010Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2010
Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2010
 
Prova de funcao Pulmonar em criancas.ppt
Prova de funcao Pulmonar em criancas.pptProva de funcao Pulmonar em criancas.ppt
Prova de funcao Pulmonar em criancas.ppt
 
ACLS 2010 Prática Rafael Otsuzi
ACLS 2010 Prática Rafael OtsuziACLS 2010 Prática Rafael Otsuzi
ACLS 2010 Prática Rafael Otsuzi
 
Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAVM)
Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAVM)Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAVM)
Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAVM)
 

Mais de IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde

Doença de parkinson a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
Doença de parkinson  a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...Doença de parkinson  a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
Doença de parkinson a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutasDistúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotróficaBenefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
A importância da propriocepção no esporte
A importância da propriocepção no esporteA importância da propriocepção no esporte
A importância da propriocepção no esporte
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 

Mais de IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde (20)

Mobilização precoce em pacientes críticos
Mobilização precoce em pacientes críticosMobilização precoce em pacientes críticos
Mobilização precoce em pacientes críticos
 
Modos ventilatórios
 Modos ventilatórios  Modos ventilatórios
Modos ventilatórios
 
Tumores do sistema nervoso central
Tumores do sistema nervoso centralTumores do sistema nervoso central
Tumores do sistema nervoso central
 
Vm no trauma encefálico e neurointensivismo
Vm no trauma encefálico e neurointensivismoVm no trauma encefálico e neurointensivismo
Vm no trauma encefálico e neurointensivismo
 
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivosNocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
 
A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
 A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
 
Interpretação de curvas na vm
 Interpretação de curvas na vm Interpretação de curvas na vm
Interpretação de curvas na vm
 
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
 
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivoInteração interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
 
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
 
Doença de parkinson a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
Doença de parkinson  a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...Doença de parkinson  a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
Doença de parkinson a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
 
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutasDistúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
 
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotróficaBenefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
 
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
 
A importância da propriocepção no esporte
A importância da propriocepção no esporteA importância da propriocepção no esporte
A importância da propriocepção no esporte
 
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensivaRelevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
 
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
 
Manobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
Manobra peep-zeep em Ventilação MecânicaManobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
Manobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
 
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
 
Esclerose lateral amiotrófica (ELA)
Esclerose lateral amiotrófica (ELA)Esclerose lateral amiotrófica (ELA)
Esclerose lateral amiotrófica (ELA)
 

Último

Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
MayaraStefanydaSilva1
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Último (6)

AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdfTabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
 

I Encontro de Reciclagem em Fisioterapia Intensiva

  • 1.
  • 2.
  • 3. IRpA nas UTI´s = Internação = Evolui VMI;  Repercussões Musc. Insp após 24 horas  Treinamento Musc. Ventilatória = Pcts Difícil Desmame.  VMI prolongada = Força Muscular = Dependência ao Ventilador.
  • 4. na força da musculatura inspiratória;  da dispnéia;  na proporção de fibras tipo I tamanho de fibras tipo II dos mm. intercostais externos;  da tolerância ao exercício de alta intensidade em indivíduos saudáveis. BRITO, Raquel. 2009.
  • 5. Avaliação da Força + Condição Musculatura Ventililatoria Manovacuômetro Direcionamento do tratamento
  • 6. PIMAX –90 a –120cmH2O  PEMAX + 100 a +150cmH2O  Decréscimo anual de 0,5cmH2O após 20 anos de idade.  Fraqueza: - 70 a – 45 cmH O 2  Fadiga: - 40 a – 25 cmH O 2  Falencia: Menor que – 20cmH O2
  • 7. Instrumentos Utilizados:  Ventilador Mecânico;  Threshold IMT;  Gerador de Fluxo;  Tubo T e Válvula Peep;  Lençol de Contenção abdominal RODRIGUES, Kleber et al.
  • 8. 10 itens:  Escala de Coma de Glasgow; Vol Corrente; FR; FiO2; Saturação; PaO2; PCO2; Pi máx; P.S. e Idade.  1 à 3 pontos;  Casse I: 27 – 30 Pontos: Indicado;  Classe II: 23- 26 Pontos: Favorável;  Classe III: 20 – 22 Pontos: Desfavorável;  Classe IV: < 19 Pontos: Contra-indicado. RODRIGUES, Kleber et al.
  • 10.
  • 11. Drive Ventilatório = adição de outras técnicas de Fortalecimento;  Lei Laplace: Raio Força: Diâmetro e Raio Grau de Tensão = Estimulando Diafragma Contrair-se, restabelecendo volume e força de contração.  Diversos autores comprovaram eficácia;  Contra-Indicação: Dreno abdominal; Cirurgia Abdominal ou escaras no Sacro. RODRIGUES, Kleber et al.
  • 12. Técnica:  Vt < 5mlKg; Período 1 hora; aspirado com antecedência; DD com Elevação 45º cabeceira; Lençol dobrado em volta abdômen 3cm abaixo P.X. e 3cm acima E.I.A.S.; Fixado com uma fita. RODRIGUES, Kleber et al.
  • 13.  TMV por meio da Sobrecarga=Dois Métodos: 1. Carga Resistida Inspiratória; 2. Carga Limiar Inspiratória;  Mensuração Pi Máx e Pe Max. = Manovacuômetro.  Valor Normal Pimáx = Homens: (20 – 80 anos): 143-0,55x idade; Mulheres: (20-80 anos): 104 – 0,51 x idade .  Pemáx= Homens: (20 – 80 anos): 268 – 1,03 x idade; Mulheres: (20 – 80 anos): 170 – 0,53 x idade. PRESTO, Bruno. 2009.
  • 14. Classificação:  Fraqueza Muscular Respiratória: Pi Max: -70 a -45 cmH2O;  Fadiga Muscular Respiratória: Pi Máx: -40 a -25 cmH2O;  Falência Muscular Respiratória: Pi Max < 20 cmH2O. PRESTO, Bruno. 2009.
  • 15.  Inicia-se com Carga entre 40 a 60% Pi Max;  Endurance: Cargas e Repetições;  Força: Cargas e Repetições; PRESTO, Bruno. 2009.
  • 16. Pactes VM prolongada = ajustes de sensibilidade à pressão = 20 pctes com 2 sessões 5x10 intercalando com 1min descanso. PIRES, V.A. et al
  • 17. Usado de forma invasiva e não invasiva = Pcte Respira espontaneamente = Pressão positiva constante Ins x Exp.;  Segura e Volumes Pulmonares;  Indicada: Pcts com Volume Corrente, Fraq. Musc. Vent. Etc.... RIBEIRO, C & Col
  • 18. Técnica: Adaptar CPAP com gerador de fluxo e tubo T na TQT, adaptando válvula Peep variando de 5 a 8 cmH2O RODRIGUES, Kleber et al.
  • 19. Pcte determina Vt+FR+Vm = Força Musc. Vent.;  Tempo: 30 min à 2hrs;  Adaptando a máscara de Nebulização a TQT. RODRIGUES, Kleber et al.
  • 20. Pcte C.M.L., de 36 anos, sexo Feminino, colaborativa, orientada em BEG. Admitida na UTI 07 de Abril de 2011, transferida para enfermaria ( 7 dias). Com diagnóstico de 2º PO de Duodenopancreatectomia + Colecistectomia + Reconstrução em Y de Roux por tumor de cabeça de Pâncreas. AP: MV (+) AHTX sem RA. SSVV: PA:113x68 (93) mmHg; FR: 18 irpm; T: 35,8ºC.
  • 21. 1º Valor 2º Valor 3º Valor Antes Treino -10 cmH2O -40 cmH2O -50 cmH2O Após Treino -35 cmH2O -38 cmH2O -44 cmH2O 1:30 após -44 cmH20 -65 cmH2O -76 cmH2O. treino Pi Máx 60% de 50cmH2O= 30cmH2O Objetivo Fortalecimento 5x 18rm.
  • 22. BRITO, Raquel. Fisioterapia Respiratória. 1° ed. Manole. São Paulo. 2009.  PRESTO,Bruno. Fisioterapia na UTI. 2°ed. Elsevier. Rio de Janeiro. 2009.  , D; TADINI, R. Índice de desmame Ventilatório Ferrari – Tadini. Revista Intensiva. 2005. 1:7-11;  PIRES, V.A.; et al. Comparação de duas tecnicas de treinamento muscular respiratório em pacientes sob ventilação Mecanica com insucesso de desmame. Rev.Bras.Fisio. Vol.4, No. 2 (2002), 93 -104;  RODRIGUES, Kleber; et al. Protocolo de treinamento Muscular Ventilatório Baseado no Indice de Desmame Ventilatório – IDV;  SANTOS, Alessandra. Aplicação de treinamento muscular ventilatório específico durante o processo de desmame da ventilação mecanica – Relato de Caso.