Marcadores e ferramentas para avaliar a funcionalidade no Paciente Crítico

2.843 visualizações

Publicada em

Palestra ministrada no III Congresso Nordestino de Fisioterapia Cardiorrespiratória e Fisioterapia Intensiva.

Publicada em: Saúde
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.843
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
53
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • 26 ferramentas, mas apenas 6 publicadas com avaliação de propriedades clinimétricas
  • Marcadores e ferramentas para avaliar a funcionalidade no Paciente Crítico

    1. 1. Marcadores e Ferramentas para avaliar a Funcionalidade no Paciente Crítico Caio Veloso da Costa Especialista em Urgência e Emergência pela Residência Multiprofissional em Atenção Hospitalar – UNIFESP Especialista em Fisioterapia em Terapia Intensiva – Adulto – ASSOBRAFIR Fisioterapeuta da UTI Geral do Hospital Geral do Estado - AL
    2. 2. Funcionalidade • Contexto de Mobilidade, Força e Endurance • Maior Mobilidade = Melhores Desfechos • Atualmente 26 ferramentas para avaliação Marcadores e Ferramentas para avaliar a Funcionalidade no Paciente Crítico - Caio Veloso da Costa 2
    3. 3. • Mobilização Precoce NÃO é associada: Melhora em desfechos como Força Muscular, Qualidade de Vida e Funcionalidade; • Aumento da Capacidade Funcional – Deambulação sem assistência. • Estudos utilizaram escalas de avaliação funcional não específicas!! • Estudos de moderada qualidade. Marcadores e Ferramentas para avaliar a Funcionalidade no Paciente Crítico - Caio Veloso da Costa 3
    4. 4. Principais ferramentas • ICU Mobility Scale (IMS) • Functional Status Score (FSS-ICU) • The Perme Intensive Care Unit Mobility Score • Physical Function ICU Test (PFIT) • Chelsea Critical Care Physical Assessment tool (CPAx) Marcadores e Ferramentas para avaliar a Funcionalidade no Paciente Crítico - Caio Veloso da Costa 4
    5. 5. IMS - ICU Mobility Scale Heart & Lung. 2014(43):19-24 Marcadores e Ferramentas para avaliar a Funcionalidade no Paciente Crítico - Caio Veloso da Costa 5
    6. 6. FSS-ICU - Functional Status Score PHYS THER. 2012;92:1536-1545. Marcadores e Ferramentas para avaliar a Funcionalidade no Paciente Crítico - Caio Veloso da Costa 6
    7. 7. FSS - Functional Status Score • Escore de 7 a 35; • 35 = máximo de Mobilidade; • Em processo de Adaptação e Validação para o Português-BR. PHYS THER. 2012;92:1536-1545. Marcadores e Ferramentas para avaliar a Funcionalidade no Paciente Crítico - Caio Veloso da Costa 7
    8. 8. The Perme Intensive Care Unit Mobility Score Methodist Debakey Cardiovasc J. 2014;10(1):41-9. Marcadores e Ferramentas para avaliar a Funcionalidade no Paciente Crítico - Caio Veloso da Costa 8
    9. 9. The Perme Intensive Care Unit Mobility Score • 7 categorias: Status mental, Possíveis Barreiras à mobilização*, Força, Mobilidade no leito, Transferências, Marcha e Endurance; • 15 itens a serem avaliados, com pontuação que varia de 0 a 32 pontos; • Identificar e Eleger os possíveis pacientes para a Mobilização Precoce; • Em processo de Adaptação e Validação para o Português-BR. Methodist Debakey Cardiovasc J. 2014;10(1):41-9. Marcadores e Ferramentas para avaliar a Funcionalidade no Paciente Crítico - Caio Veloso da Costa 9
    10. 10. PFIT - Physical Function ICU Test Phys Ther. 2013;93(12):1-10. Marcadores e Ferramentas para avaliar a Funcionalidade no Paciente Crítico - Caio Veloso da Costa 10
    11. 11. PFIT - Physical Function ICU Test • Possibilidade de Prescrição Terapêutica: 1. 3 séries de 70% do tempo máximo no teste de Marcha estacionária com um tempo máximo de 15 minutos sempre tentando manter a cadência média encontrada; 2. Não conseguindo ficar 15 minutos Marchando ou Deambulando, complementar a terapia com Treino de Sentar-Levantar até se obter 15 minutos de terapia; 3. Mesmo não conseguindo com essas duas terapias combinadas, acrescentado Exercício de flexão de ombro sem resistência até se obter os 15 minutos; 4. Posteriormente o objetivo é aumentar gradualmente para 30 minutos e depois para 60 minutos. Phys Ther. 2013;93(12):1-10. Marcadores e Ferramentas para avaliar a Funcionalidade no Paciente Crítico - Caio Veloso da Costa 11
    12. 12. Chelsea Critical Care Physical Assessment tool (CPAx) Critical Care 2014, 18:R55 Marcadores e Ferramentas para avaliar a Funcionalidade no Paciente Crítico - Caio Veloso da Costa 12
    13. 13. Chelsea Critical Care Physical Assessment tool (CPAx) • Escore de 0-50; • Inclui avaliação de Função Respiratória e Tosse Critical Care 2014, 18:R55 Marcadores e Ferramentas para avaliar a Funcionalidade no Paciente Crítico - Caio Veloso da Costa 13
    14. 14. • Comparação entre PFIT, IMS e FSS-ICU; • PFIT e FSS-ICU apresentaram melhores resultados. Marcadores e Ferramentas para avaliar a Funcionalidade no Paciente Crítico - Caio Veloso da Costa 14
    15. 15. MRC - Medical Research Council • Clássica: 0 a 60.  < 48 diagnóstico de Fraqueza • Simplificada: 0 a 48.  < 36 diagnóstico de Fraqueza • Força ≠ Funcionalidade • Guia para encaminhamento a serviços ambulatoriais Marcadores e Ferramentas para avaliar a Funcionalidade no Paciente Crítico - Caio Veloso da Costa 15
    16. 16. MRC - Medical Research Council Marcadores e Ferramentas para avaliar a Funcionalidade no Paciente Crítico - Caio Veloso da Costa 16
    17. 17. MRC - Medical Research Council Brain. 2012;135(Pt5):1639-49. Marcadores e Ferramentas para avaliar a Funcionalidade no Paciente Crítico - Caio Veloso da Costa 17
    18. 18. Dinamometria • Boa correlação com força muscular global • < 11 kgf para homens • < 7 kgf para mulheres Crit Care. 2015;19:52. Marcadores e Ferramentas para avaliar a Funcionalidade no Paciente Crítico - Caio Veloso da Costa 18
    19. 19. Conclusão • Critério na seleção da ferramenta a ser utilizada na prática clínica; • Fonte importante como Indicador de Qualidade de Fisioterapia; • Importante balizador da prescrição de Fisioterapia. Marcadores e Ferramentas para avaliar a Funcionalidade no Paciente Crítico - Caio Veloso da Costa 19
    20. 20. Marcadores e Ferramentas para avaliar a Funcionalidade no Paciente Crítico - Caio Veloso da Costa 20
    21. 21. Muito Obrigado 21

    ×