PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA
RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR
Rafael Vinícius Otsuzi
Médico Intensivista do Hospital Regional do...
 Padronizar atendimento PCR
 Incentivar o treinamento de uma equipe
eficiente em suporte avançado de vida
 Atualização ...
 Atualizado pelo ACLS 2010
 Rapidez e Eficiência
 Equipe bem treinada
 Aplicar medidas terapêuticas de forma sistematizada,
visando melhor resulta...
 Tempo é Cérebro!!!
PRESERVAR O CÉREBRO
 Na PCR, a cada 1 minuto, cai 10% a chance de
sua reversão
 Após 10 minutos sem nenhuma manobra, a
reversão é improvável...
70% → evidências de piora respiratória nas 8
horas que antecedem uma parada
cardiorrespiratória.
66% → sinais e sintomas a...
 ?????
 RUA
 ENFERMARIA
 EMERGENCIA
 UTI
 Reconhecimento de uma possível PCR
Sem resposta e Não respira (ou gasp agônico)=
possível PCR
 Sem resposta e sem respiração
 Após ter chamado ajuda/desfibrilador
(profissional de saúde)
Pulso Ausente
Respiração
Ausente
Inconsciência
 AUSENCIA DE PULSO ??????
 Ausência de pulso
 Iniciar imediatamente as
compressões torácicas
C-A-B (Compressões
torácicas)
Compressões torácicas
Compressões torácicas
• DC 25-30%
do original
• PAs: 60 - 80
Classe IIa
Compressões torácicas
• Tábua
• No centro do tórax
• Mão dominante embaixo
• Afundar tórax em 5 cm
• Retornar à posição or...
 Após 30 compressões torácicas ????
C-A-B Abertura das vias aéreas
• Head-tilt Chin-lift
• Trauma cervical – Tração da mandibula
• Não fazer varredura digital
C-A-B Breathing Ventilações
C
E
500 - 600mL
Duração de 01 seg.
Expansão do tórax
 Se não checou o desfibrilador/carrinho de
parada continuar ciclo de 30:2
 Porém deve-se confirmar que o desfibrilador
e...
Manter sequência 30:2
Enquanto não chegar o carrinho de parada
com medicamentos e demais materiais, este
processo é denomi...
Chegou o desfibrilador e
agora ???
Chegou o desfibrilador
Checar o ritmo com as pás
e se o ritmo for chocável,
dar o choque!
DEA
360 J 200 J
CUIDADO!
2005
 A - ajuda, abrir via aérea,
 B – ver, ouvir, sentir- duas
ventilações de resgate
 C – Checar pulso (<10seg)
Compr...
 Ritmo chocável: FV / TV
Ritmo não chocável: assistolia / AESP
Fibrilação Ventricular / Taquicardia Ventricular
Assistolia
AESP
 Hipovolemia
 Hipóxia
 Acidose (H+):
 Hipopotassemia ou
Hiperpotassemia
 Hipotermia: aquecer
 Tamponamento
 PneumoT...
 Iniciar protocolo da
linha reta
 CAGADA
 Cabo
 Ganho
 Derivação

Via Aérea Avançada
• Checar Posicionamento do Tubo
- Auscultar primeiramente epigástrio
- Segundo auscultar o tórax em bas...
Circulação - Monitorização com cabos do
aparelho
21
3
 Venoso ( periférico)
 Venoso (central)
 Intra-ósseos
 Endotraqueal ( tubo orotraqueal)
Se o paciente não dispuser de um acesso venoso
previamente à PCR, deve-se obter rapidamente
esse acesso, preferencialmente...
Adrenalina ( a cada 3-5 minutos)
- Epinefrina
1 ampola de 1ml (1mg/ml)
Dose máxima: não existe
Aplicar em bolus, fazer um ...
Atropina
Não é mais indicada por ser considerada inútil
 Antiarritmico
- Amiodarona
300mg podendo repetir uma vez após 3-5
min (150mg)
- lidocaína ( segunda escolha)
1-1,5mg/kg
 Hipovolemia: SF
 Hipóxia: O2
 Acidose (H+): BIC
 Hipopotassemia: K
ou
Hiperpotassemia:
BIC
 Hipotermia: aquecer
 Ta...
 Exame clínico completo; Pressão Arterial
 Monitoração cardíaca contínua e ECG
 Acesso venoso;
 Avaliação dos outros p...
 Ventilação
Manter Sat O2~94%
Não hiperventilar
– CO2 Exp 35-40 mmHg ou
- PaCO2 40 – 45 mmHg
 Perfusão ( Pas ≥90mmHg ou ...
Tempo é crucial na PCR e pode salvar vidas.
Obrigado!
ACLS 2010 Prática Rafael Otsuzi
ACLS 2010 Prática Rafael Otsuzi
ACLS 2010 Prática Rafael Otsuzi
ACLS 2010 Prática Rafael Otsuzi
ACLS 2010 Prática Rafael Otsuzi
ACLS 2010 Prática Rafael Otsuzi
ACLS 2010 Prática Rafael Otsuzi
ACLS 2010 Prática Rafael Otsuzi
ACLS 2010 Prática Rafael Otsuzi
ACLS 2010 Prática Rafael Otsuzi
ACLS 2010 Prática Rafael Otsuzi
ACLS 2010 Prática Rafael Otsuzi
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

ACLS 2010 Prática Rafael Otsuzi

1.783 visualizações

Publicada em

AULA TEORICO-PRÁTICA PARA SIMULAÇÃO DE BLS E ACLS PARA ENFERMEIROS, FISIOTERAPEUTAS, TÉCNICOS DE ENFERMAGEM E MÉDICOS

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
13 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.783
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
123
Comentários
0
Gostaram
13
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ACLS 2010 Prática Rafael Otsuzi

  1. 1. PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR Rafael Vinícius Otsuzi Médico Intensivista do Hospital Regional do Marajó (2011) Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP Residência de Clinica Médica - Hospital das Clinicas da FMRP-USP
  2. 2.  Padronizar atendimento PCR  Incentivar o treinamento de uma equipe eficiente em suporte avançado de vida  Atualização com as diretrizes disponíveis mais recentes  Realizar Simulações práticas  Prevenção de uma possível PCR  Responder a dúvidas
  3. 3.  Atualizado pelo ACLS 2010
  4. 4.  Rapidez e Eficiência  Equipe bem treinada  Aplicar medidas terapêuticas de forma sistematizada, visando melhor resultado
  5. 5.  Tempo é Cérebro!!! PRESERVAR O CÉREBRO
  6. 6.  Na PCR, a cada 1 minuto, cai 10% a chance de sua reversão  Após 10 minutos sem nenhuma manobra, a reversão é improvável  Com manobras eficientes, prolonga-se este tempo  Com a desfibrilação precoce, o sucesso ocorre entre 40 a 70%  O sucesso da desfibrilação depende do tempo entre o início da arritmia e da administração do choque
  7. 7. 70% → evidências de piora respiratória nas 8 horas que antecedem uma parada cardiorrespiratória. 66% → sinais e sintomas anormais em até 6 horas antes da parada cardiorrespiratória, sendo que o médico é notificado em apenas 25% dos casos Seis anormalidades clínicas são associadas ao aumento do risco de mortalidade: ↓ do nível de consciência, inconsciência, hipóxia, hipotensão, taquicardia e taquipnéia. Dentro desses eventos, os mais comuns foram hipóxia (51% dos eventos) e hipotensão (17%).
  8. 8.  ?????  RUA  ENFERMARIA  EMERGENCIA  UTI
  9. 9.  Reconhecimento de uma possível PCR Sem resposta e Não respira (ou gasp agônico)= possível PCR
  10. 10.  Sem resposta e sem respiração  Após ter chamado ajuda/desfibrilador (profissional de saúde)
  11. 11. Pulso Ausente Respiração Ausente Inconsciência
  12. 12.  AUSENCIA DE PULSO ??????
  13. 13.  Ausência de pulso  Iniciar imediatamente as compressões torácicas
  14. 14. C-A-B (Compressões torácicas)
  15. 15. Compressões torácicas
  16. 16. Compressões torácicas • DC 25-30% do original • PAs: 60 - 80 Classe IIa
  17. 17. Compressões torácicas • Tábua • No centro do tórax • Mão dominante embaixo • Afundar tórax em 5 cm • Retornar à posição original • Frequência >100 por min • Alternar o responsável pela compressão a cada 2min.
  18. 18.  Após 30 compressões torácicas ????
  19. 19. C-A-B Abertura das vias aéreas • Head-tilt Chin-lift • Trauma cervical – Tração da mandibula • Não fazer varredura digital
  20. 20. C-A-B Breathing Ventilações C E 500 - 600mL Duração de 01 seg. Expansão do tórax
  21. 21.  Se não checou o desfibrilador/carrinho de parada continuar ciclo de 30:2  Porém deve-se confirmar que o desfibrilador está a caminho  PEDIR NOVAMENTE DESFIBRILADOR
  22. 22. Manter sequência 30:2 Enquanto não chegar o carrinho de parada com medicamentos e demais materiais, este processo é denominado BLS (Basic Life suport) ou Suporte básico de vida.
  23. 23. Chegou o desfibrilador e agora ???
  24. 24. Chegou o desfibrilador Checar o ritmo com as pás e se o ritmo for chocável, dar o choque!
  25. 25. DEA
  26. 26. 360 J 200 J CUIDADO!
  27. 27. 2005  A - ajuda, abrir via aérea,  B – ver, ouvir, sentir- duas ventilações de resgate  C – Checar pulso (<10seg) Compressões: - 30 : 2 - 100min - 4-5cm de depressão torácica. 2010  A – Ajuda , ver se respira normalmente  C – Checar pulso (<10seg) Compressões: - 30 : 2 - > 100min - 5cm de depressão torácica.  A- Abrir via aérea  B – 2 ventilações
  28. 28.  Ritmo chocável: FV / TV Ritmo não chocável: assistolia / AESP
  29. 29. Fibrilação Ventricular / Taquicardia Ventricular Assistolia AESP
  30. 30.  Hipovolemia  Hipóxia  Acidose (H+):  Hipopotassemia ou Hiperpotassemia  Hipotermia: aquecer  Tamponamento  PneumoTórax  TEP: trombólise  IAM (Trombocoronariano): trombólise  Tóxicos: antídoto 5H 5T
  31. 31.  Iniciar protocolo da linha reta  CAGADA  Cabo  Ganho  Derivação
  32. 32.
  33. 33. Via Aérea Avançada • Checar Posicionamento do Tubo - Auscultar primeiramente epigástrio - Segundo auscultar o tórax em bases e apices bilateralmente - Checagem com capnografia
  34. 34. Circulação - Monitorização com cabos do aparelho 21 3
  35. 35.  Venoso ( periférico)  Venoso (central)  Intra-ósseos  Endotraqueal ( tubo orotraqueal)
  36. 36. Se o paciente não dispuser de um acesso venoso previamente à PCR, deve-se obter rapidamente esse acesso, preferencialmente periférico e nos membros superiores (veia antecubital)
  37. 37. Adrenalina ( a cada 3-5 minutos) - Epinefrina 1 ampola de 1ml (1mg/ml) Dose máxima: não existe Aplicar em bolus, fazer um bolus com 20 ml SF 0,9% e levantar o braço AVISAR que realizou o medicamento Se ainda ajudar a contar o tempo! Nota 10! TOP
  38. 38. Atropina Não é mais indicada por ser considerada inútil
  39. 39.  Antiarritmico - Amiodarona 300mg podendo repetir uma vez após 3-5 min (150mg) - lidocaína ( segunda escolha) 1-1,5mg/kg
  40. 40.  Hipovolemia: SF  Hipóxia: O2  Acidose (H+): BIC  Hipopotassemia: K ou Hiperpotassemia: BIC  Hipotermia: aquecer  Tamponamento: punção  PneumoTórax: punção  TEP: trombólise?  IAM (Trombo coronariano): trombólise?  Tóxicos: antídoto 5H 5T
  41. 41.  Exame clínico completo; Pressão Arterial  Monitoração cardíaca contínua e ECG  Acesso venoso;  Avaliação dos outros procedimentos invasivos,  Radiografia do tórax;  Exames laboratoriais;  Medicamentos para manutenção.
  42. 42.  Ventilação Manter Sat O2~94% Não hiperventilar – CO2 Exp 35-40 mmHg ou - PaCO2 40 – 45 mmHg  Perfusão ( Pas ≥90mmHg ou Pam ≥65mmHg  Tratar causa
  43. 43. Tempo é crucial na PCR e pode salvar vidas.
  44. 44. Obrigado!

×