SlideShare uma empresa Scribd logo
Treinamento de CIPA
Modulo II
Um Direito e Um Dever de Todos
NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS
1.7 Cabe ao empregador:
a)Cumprir e fazer cumprir as disposições legais e regulamentares sobre segurança e medicina
do trabalho;
1.8 Cabe ao empregado:
a)Cumprir as disposições legais e regulamentares sobre segurança e saúde do trabalho,
inclusive as ordens de serviço expedidas pelo empregador;
 É uma Comissão Interna de Prevenção de
Acidentes, formada por funcionários da empresa,
composta por representantes do empregador e
empregados, cujo objetivo principal é a prevenção
de acidentes no trabalho.
 Quando uma empresa não se enquadrar no Quadro I, da NR 5, designará um
responsável pelo cumprimento dos objetivos da CIPA, podendo ser adotados
mecanismos de participação dos empregados, através de negociação coletiva.
 Os designados devem executar as mesmas atividades delegadas a CIPA
descritas na NR5, recebendo apoio e orientação da Segurança do Trabalho.
 As empresas promoverão anualmente, treinamento para o designado
responsável pelo cumprimento das atribuições da CIPA.
CONCEITO LEGAL (de acordo com o artigo 19º da Lei n.º 8213 de 24 de julho de 1991).
 “ACIDENTE DO TRABALHO É AQUELE QUE OCORRE NO EXERCÍCIO DO TRABALHO
A SERVIÇO DA EMPRESA, PROVOCANDO LESÃO CORPORAL OU PERTURBAÇÃO
FUNCIONAL QUE CAUSE A MORTE, OU PERDA, OU REDUÇÃO, PERMANENTE OU
TEMPORÁRIA, DA CAPACIDADE PARA O TRABALHO”.
CONCEITO PREVENCIONISTA:
 “ACIDENTE É A OCORRÊNCIA IMPREVISTA E INDESEJÁVEL, INSTANTÂNEA OU
NÃO, RELACIONADA COM O EXECÍCIO DO TRABALHO, QUE PROVOCA LESÃO
PESSOAL OU DE QUE DECORRE RISCO PRÓXIMO OU REMOTO DESSA LESÃO”.
Diferença entre o CONCEITO LEGAL e o CONCEITO PREVENCIONISTA:
 A diferença entre os dois conceitos reside no fato de que no primeiro é necessário haver,
apenas lesão física, enquanto que no segundo são levados em considerações, além das
lesões físicas, a perda de tempo e os materiais.
CLASSIFICAÇAO DOS ACIDENTES DO TRABALHO
ACIDENTE DO TRABALHO:
 Ocorrência imprevista e indesejável, instantânea ou não,
relacionada com o exercício do trabalho, que provoca
lesão pessoal ou de que decorre risco próximo ou remoto
desta lesão.
ACIDENTE SEM LESÃO:
 Acidente que não causa lesão pessoal.
ACIDENTE DE TRAJETO:
 Acidente sofrido pelo empregado no percurso residência
para o trabalho ou deste para aquela.
CONCEITO E IMPORTÂNCIA
 A inspeção de segurança consiste na observação cuidadosa dos ambientes de
trabalho, com o fim de descobrir, identificar riscos que poderão transformar-se
em causas de acidentes do trabalho e também com o objetivo prático de tomar
ou propor medidas que impeçam a ação desses riscos.
A inspeção de segurança se antecipa aos possíveis acidentes, mas quando
repetidas, alcançam outros resultados:
 Favorecem formação e o fortalecimento do espírito prevencionista que os
empregados precisam ter;
 Servem de exemplo para que os próprios trabalhadores exerçam, em seus
serviços, controles de segurança;
 Proporcionam uma cooperação mais aprofundada entre a Segurança do
Trabalho e CIPA’s e os diversos setores da empresa;
 Dão aos empregados a certeza de que a direção da empresa têm interesse na
segurança do trabalho.
LEVANTAMENTO DAS CAUSAS DOS ACIDENTES
 Alguns atos inseguros podem ocorrer durante uma inspeção de segurança. Os processos
educativos, a repetição das inspeções, as campanhas e outros recursos se prestarão a
reduzir sensivelmente a ocorrência de tais atos.
Atos Inseguros:
 Atos imprudentes;
 Inutilização, desmontagem ou desativação de proteções de máquinas;
 Recusa de utilização de equipamento individual de proteção;
 Operação de máquinas e equipamentos sem habilitação e sem treino;
 Operação de máquinas em velocidade excessiva;
 Brincadeiras;
 Posição defeituosa no trabalho;
 Levantamento de cargas com utilização defeituosa dos músculos;
 Transporte manual de cargas sem ter visão do caminho;
 Permanência debaixo de guindastes e de cargas que podem cair;
 Uso de fusíveis fora de especificação;
 Fumar em locais onde há perigo de fogo;
 Correr por entre máquinas ou em corredores e escadas;
 Alterar o uso de ferramentas;
 Atirar ferramentas ou materiais para os companheiros entre outros.
LEVANTAMENTO DAS CAUSAS DOS ACIDENTES
 Quanto às condições inseguras, elas se tornam mais aparentes, mais visíveis, mais notadas porque são
situações concretas, materiais mais duráveis que alguns atos inseguros que, às vezes, aconteceu em
poucos segundos.
Condições Inseguras:
 Problemas de iluminação;
 Ruídos e trepidações em excesso;
 Falta de protetores em partes móveis de máquinas e nos pontos de operação;
 Falta de limpeza e de ordem;
 Passagens obstruídas;
 Pisos escorregadios ou esburacados;
 Escadas entre pavimentos sem proteções;
 Condições sanitárias insatisfatórias;
 Ventilação deficiente ou imprópria;
 Ferramentas desarrumadas;
 Ferramentas defeituosas;
 Substâncias altamente inflamáveis em quantidade excessivas na área de produção;
 Má distribuição de máquinas e equipamentos;
 Condutores de eletricidade com revestimento estragado;
 Roupas muito largas;
 Colares, anéis e cabelos soltos em operações com máquinas de engrenagens móveis;
 Calçados impróprio;
 Trânsito perigoso de material rodante;
 Calor excessivo.
 A presença de representantes da CIPA nas inspeções
de segurança é sempre recomendável, pois a
assimilação de conhecimentos cada vez mais amplos
sobre as questões de segurança e higiene e medicina
do trabalho vai tornar mais produtivo, mais completo o
trabalho educativo que a comissão desenvolve. Além
disso, a renovação dos membros da CIPA faz com
que um número sempre maior de empregados passe
a aprofundar os conhecimentos exigidos para a
solução dos problemas relativos a acidentes e
doenças do trabalho.
 Cabe à CIPA investigar e participar com a Segurança do
trabalho nas investigação dos acidentes ocorridos na empresa.
 Além disso, no caso de acidente grave a CIPA deverá reunir-se,
extraordinariamente, até dois dias após o infortúnio. A CIPA
tem como uma de suas mais importantes funções estudar os
acidentes para que eles não se repitam, ou ainda evitar outros
que possam surgir.
 Para tal devem conhecer as causas dos acidentes, ou seja, o
que os faz acontecer, para que possam então agir de modo a
corrigir procedimentos, métodos e/ou situações inadequada à
prevenção de acidentes.
 Três são os motivos que podem gerar a
ocorrência de um acidente. Cabe a CIPA estar
atenta para evitar o acidente, através da
identificação e análise desses fatores que são:
 ATO INSEGURO
 CONDIÇÃO INSEGURA
 FATOR PESSOAL DE INSEGURANÇA
1) ATO INSEGURO – é a violação (consciente) de procedimento consagrado como correto.
 São fatos comuns:
 Falta de uso de proteções individuais;
 Inutilização de equipamentos de segurança;
 Emprego incorreto de ferramentas ou o emprego de ferramentas com defeitos;
 Ajuste, a lubrificação e a limpeza de máquinas em movimento;
 Permanência debaixo de cargas suspensas;
 Permanência em pontos perigosos junto a máquinas ou passagens de veículos;
 Operação de máquinas em velocidade excessiva;
 Operação de máquinas sem que o trabalhador esteja habilitado ou que não tenha
permissão;
 Uso de roupas que exponham a riscos;
 Desconhecimento de fogo, correrias em escadarias e em outros locais perigosos;
 Utilização de escadas de mão sem a estabilidade necessária;
 Manipulação de produtos químicos;
 Hábito de fumar em lugares onde há perigo.
2) CONDIÇÃO INSEGURA - é o risco relativo a falta de planejamento do serviço e
deficiências materiais no meio ambiente, tais como:
Construção e instalações em que se localiza a empresa:
 Prédio com área insuficiente;
 Pisos fracos e irregulares;
 Iluminação deficiente;
 Ventilação deficiente ou excessiva;
 Instalações sanitárias impróprias e insuficientes;
 Excesso de ruídos e trepidações;
 Falta de ordem e de limpeza;
 Instalações elétricas impróprias ou com defeitos.
Maquinaria:
 Localização imprópria das máquinas;
 Falta de proteção em maquinários e pontos de operação;
 Máquinas com defeitos.
Matéria-prima:
 Matéria-prima com defeito ou de má qualidade;
 Matéria-prima fora de especificação.
Proteção do trabalhador:
 Proteção insuficiente ou totalmente ausente;
 Roupas não apropriadas;
 Calçado impróprio ou de falta de calçado;
 Equipamento de proteção com defeito.
Produção:
 Cadência mal planejada;
 Velocidade excessiva;
 Má distribuição.
Horários de trabalho:
 Esforços repetidos e prolongados;
 Má distribuição de horários e tarefas.
3) FATOR PESSOAL DE INSEGURANÇA - é o que podemos chamar de
“problemas pessoais do indivíduo” e que agindo sobre o trabalhador podem vir
a provocar acidentes, como por exemplo:
 Problemas de saúde não tratados;
 Conflitos familiares;
 Falta de interesse pela atividade que desempenha;
 Alcoolismo;
 Uso de substâncias tóxicas;
 Falta de conhecimento;
 Falta de experiência;
 Desajustamento físico, mental ou emocional.
A investigação de acidentes não poderá nunca ter aspecto punitivo, pois o
objetivo maior não é “descobrir culpados”, mas sim causas que provocam
o acidente, para que seja evitada sua repetição.
É o efeito do acidente, ou seja, são lesões sofridas pelo homem e ainda os danos materiais e em
equipamentos.
 Lesões pessoais
 Perda de tempo
 Danos Materiais
 Lesão Pessoal ou Lesão: é qualquer dano sofrido pelo organismo humano, como consequência do
acidente do trabalho.
 Natureza da lesão: é a expressão que identifica a lesão. Ex.: escoriação, choque elétrico...
 Localização da lesão: indica o local da lesão. Ex. Mãos, braços...
 Lesão com perda de tempo: lesão pessoal que impede o acidentado de voltar ao trabalho no dia
imediato ao acidente.
NOTA: Essa lesão provoca, morte, incapacidade total permanente, incapacidade parcial permanente,
incapacidade total temporária ou Incapacidade parcial temporária.
 Lesão sem perda de tempo: lesão pessoal que não impede o acidentado de voltar ao trabalho no dia
imediato ao do acidente
 São considerados riscos ambientais os agentes
físicos, químicos, biológicos, mecânicos e
ergonômicos existentes nos ambientes de
trabalho, capazes de causar danos à saúde do
trabalhador em função de sua natureza ou
intensidade e tempo de exposição.
TABELA DE RISCOS AMBIENTAIS
GRUPO 1 VERDE
GRUPO 2
VERMELHO
GRUPO 3 MARRON GRUPO 4 AMARELO GRUPO 5 AZUL
RISCOS
FÍSICOS
RISCOS
QUÍMICOS
RISCOS
BIOLÓGICOS
RISCOS
ERGONÔMICOS
RISCOS
ACIDENTES
Ruídos Poeiras Vírus Esforço físico intenso Arranjo físico inadequado
Vibrações Fumos Bactérias
Levantamento e
transporte manual de
peso
Máquinas e equipamentos
sem proteção
Radiações ionizantes Névoas Protozoários
Exigência de postura
Inadequada
Ferramentas defeituosas
e inadequadas
Frio Neblinas Fungos
Controle rígido de
produtividade
Iluminação inadequada
Calor Gases Parasitas
Imposição de ritmos
excessivos
Eletricidade
Pressões anormais Vapores Bacilos
Trabalho em turno e
noturno
Probabilidade de incêndio
ou explosão
Umidade
Substâncias, compostos
ou produtos químicos em
geral
Jornadas de trabalho
prolongadas
Armazenamento
inadequado
Monotonia e repetitividade Animais peçonhentos
Outras situações
causadoras do STRESS
físico e/ou psíquico
Outras situações de risco
que poderão contribuir
para ocorrência de
acidentes.
 A CIPA é constituída por um grupo de pessoas que se
interessam e trabalham por objetivos comuns. Tanto os
empregados como os empregadores, representados nesta
comissão, procuram, basicamente, a eliminação ou redução das
causas de acidentes e doenças do trabalho.
 Ser membro efetivo ou suplente da CIPA constitui
responsabilidade de grande importância, devendo cada um
revelar interesse pelo estudo teórico, pela observação, prática e
pela participação ativa na pesquisa de atos inseguros, de
condições inseguras e já, nas reuniões, dar demonstração
objetiva do desejo de encontrar soluções para os problemas
levantados.
 Nessa reunião, participam diversas pessoas, diferentes umas
das outras, cada uma com a sua personalidade. Sentimentos
pessoais não devem interferir no objetivo da reunião. Assim,
deve-se adotar a sequencia de assuntos da reunião, sem que os
problemas pessoais seja trazidos como motivo de discussão.
Existem algumas para regras para que o grupo tenha seus objetivos alcançados.
 1ª - Ambiente: deve ser um lugar sossegado, com mesa, cadeiras, lápis, papel.
 2ª - Os assuntos a discutir devem ser estabelecidos antes, para que todos deles tenham
conhecimento.
 3ª - Para não ocorrerem casos de inibição, toda pessoa desconhecida deve ser
apresentada.
 4ª - Todos devem ser estimulados a apresentar a sua opinião.
 5ª - Não devem ser feitos comentários que fujam aos assuntos discutidos.
 6ª - As pessoas tímidas devem ser estimuladas a participar, manifestando suas idéias.
 7ª - O horário da reunião deve ser respeitado.
 8ª - As conclusões tomadas devem ser aquelas que forem aceitas pela maioria dos
participantes.
 9ª - Todos aqueles que participarem da reunião deverão comprometer-se a trabalhar para
o cumprimento daquilo que foi decidido.
 ATUAÇÃO DOS MEMBROS DA CIPA
 O Presidente devido à sua função, deve conduzir os trabalhos e criar um clima de
confiança para todos participantes, a fim de que haja liberdade de serem discutidos os
assuntos sem receio. Deve ainda:
 Manter estreito contato com a administração, no sentido de verificar o andamento das
recomendações sugeridas pela CIPA;
 Justificar, se for o caso, a não adoção de medidas sugeridas em reunião anterior.
 Definir e coordenar as atribuições dos demais membros.
 Ao Vice-Presidente da CIPA compete exercer funções que, por delegação, lhe forem
atribuídas pelo Presidente, além de substituí-lo nos suas ausências.
 Ao Secretário cargo fundamental para o bom desenvolvimento administrativo da CIPA,
cabe:
 Redigir a ata, que deverá ser bem clara em relação ao que foi discutido e votado;
 Preparar correspondência;
 Elaborar relatórios estatísticos.
 Os membros representantes dos empregados devem estar conscientes das
suas responsabilidades e da confiança neles depositada pelos companheiros
que os elegeram.
 O empregado quando participar da CIPA como membro eleito, estará protegido
pela Consolidação das Leis do Trabalho. Dessa forma a sua atuação pelo fato
de votar nas decisões e de solicitar meios de segurança os equipamentos de
proteção e por perder algumas horas de serviço para comparecer às reuniões
não será prejudicada.
 Deve respeitar a opinião dos outros e, quando quiser oferecer as suas
sugestões, deverá solicitar a palavra, não interrompendo os outros membros da
CIPA. Quando alguém estiver falando, deverá procurar compreender a
mensagem e se colocar no lugar de quem a transmite.
 Havendo uma proposta com a qual não possa concordar, deverá explicar o
porquê, fazendo uma outra proposta em seu lugar. Essas propostas e
observações devem ser sempre baseadas em fatos e não em simples opiniões.
 Se uma proposta não for acatada pela maioria, a recusa deverá ser aceita com
tranquilidade. Desentendimentos pessoais não devem alterar o comportamento
dos membros da CIPA.
 Os representantes dos empregados devem apresentar relatórios de acidentes,
de atos inseguros, de condições inseguras do trabalho e, naturalmente,
sugestões para melhoria dos métodos de segurança e redução de riscos.
 No final da reunião, os representantes do empregados estarão comprometidos
com tudo que ficou acertado e votado. Depois, em reuniões com os seus
colegas de trabalho, transmitirão as recomendações de segurança e relatarão
quais as medidas práticas que serão tomadas para a prevenção de acidentes.
Essa é, também, uma boa ocasião para colher opiniões e sugestões dos
colegas. Elas deverão ser apresentadas na reunião seguinte da CIPA. Aliás, os
membros da CIPA devem multiplicar seus contados com os companheiros
porque, assim estarão ampliando as possibilidades de identificar riscos de
acidentes e, ao mesmo tempo, poderão anotar as ideias práticas que podem
ajudar a resolver os problemas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Treinamento segurança e saude no trabalho
Treinamento segurança e saude no trabalhoTreinamento segurança e saude no trabalho
Treinamento segurança e saude no trabalho
Jupira Silva
 
Causas e consequências de acidentes do trabalho
Causas e consequências de acidentes do trabalhoCausas e consequências de acidentes do trabalho
Causas e consequências de acidentes do trabalho
Giovanni Bruno
 
Treinamento básico de segurança
Treinamento básico de segurançaTreinamento básico de segurança
Treinamento básico de segurança
conbetcursos
 
-Integraçãode segurança doTrabalho
-Integraçãode segurança doTrabalho-Integraçãode segurança doTrabalho
-Integraçãode segurança doTrabalho
Karol Oliveira
 
Palestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
Palestra: Prevenção de Acidentes de TrabalhoPalestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
Palestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
HP Safety Engenharia
 
NR05 - Cipa 20h -2023.pptx
NR05 - Cipa 20h -2023.pptxNR05 - Cipa 20h -2023.pptx
NR05 - Cipa 20h -2023.pptx
AndreLuis202744
 
Curso de cipa
Curso de cipaCurso de cipa
Curso de cipa
Nilton Goulart
 
Cultura de Segurança do Trabalho
Cultura de Segurança do TrabalhoCultura de Segurança do Trabalho
Cultura de Segurança do Trabalho
Michel Polity
 
Curso da CIPA
Curso da CIPACurso da CIPA
Curso da CIPA
Sergio Roberto Silva
 
Treinamento brigada de incêndio
Treinamento brigada de incêndioTreinamento brigada de incêndio
Treinamento brigada de incêndio
Régis Pinheiro Martins Bezerra
 
Apostila do Curso da CIPA
Apostila do Curso da CIPAApostila do Curso da CIPA
Apostila do Curso da CIPA
proftstsergioetm
 
Prevenção de Acidentes de Trabalho
Prevenção de Acidentes de TrabalhoPrevenção de Acidentes de Trabalho
Prevenção de Acidentes de Trabalho
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Integração
IntegraçãoIntegração
Integração
Ythia Karla
 
Dds 60 temas
Dds 60 temasDds 60 temas
Dds 60 temas
Gilson_
 
NR - 06 EPI (Oficial)
NR - 06 EPI (Oficial)NR - 06 EPI (Oficial)
NR - 06 EPI (Oficial)
Claudio Cesar Pontes ن
 
Modelo de PGR.pdf
Modelo de PGR.pdfModelo de PGR.pdf
Modelo de PGR.pdf
NelmaLeite1
 
Palestra em SIPAT: O Fator Humano na prevenção de acidentes e do estresse
Palestra em SIPAT: O Fator Humano na prevenção de acidentes e do estressePalestra em SIPAT: O Fator Humano na prevenção de acidentes e do estresse
Palestra em SIPAT: O Fator Humano na prevenção de acidentes e do estresse
Julio Machado
 
Aula 2 acidentes de trabalho
Aula 2   acidentes de trabalhoAula 2   acidentes de trabalho
Aula 2 acidentes de trabalho
Daniel Moura
 
Treinamento. de cipa
Treinamento. de cipaTreinamento. de cipa
Treinamento. de cipa
Cristina Monteiro
 
Cartilha de segurança: Seleção e utilização de EPI para trabalho em altura
Cartilha de segurança: Seleção e utilização de EPI para trabalho em alturaCartilha de segurança: Seleção e utilização de EPI para trabalho em altura
Cartilha de segurança: Seleção e utilização de EPI para trabalho em altura
Dayanni Brito
 

Mais procurados (20)

Treinamento segurança e saude no trabalho
Treinamento segurança e saude no trabalhoTreinamento segurança e saude no trabalho
Treinamento segurança e saude no trabalho
 
Causas e consequências de acidentes do trabalho
Causas e consequências de acidentes do trabalhoCausas e consequências de acidentes do trabalho
Causas e consequências de acidentes do trabalho
 
Treinamento básico de segurança
Treinamento básico de segurançaTreinamento básico de segurança
Treinamento básico de segurança
 
-Integraçãode segurança doTrabalho
-Integraçãode segurança doTrabalho-Integraçãode segurança doTrabalho
-Integraçãode segurança doTrabalho
 
Palestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
Palestra: Prevenção de Acidentes de TrabalhoPalestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
Palestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
 
NR05 - Cipa 20h -2023.pptx
NR05 - Cipa 20h -2023.pptxNR05 - Cipa 20h -2023.pptx
NR05 - Cipa 20h -2023.pptx
 
Curso de cipa
Curso de cipaCurso de cipa
Curso de cipa
 
Cultura de Segurança do Trabalho
Cultura de Segurança do TrabalhoCultura de Segurança do Trabalho
Cultura de Segurança do Trabalho
 
Curso da CIPA
Curso da CIPACurso da CIPA
Curso da CIPA
 
Treinamento brigada de incêndio
Treinamento brigada de incêndioTreinamento brigada de incêndio
Treinamento brigada de incêndio
 
Apostila do Curso da CIPA
Apostila do Curso da CIPAApostila do Curso da CIPA
Apostila do Curso da CIPA
 
Prevenção de Acidentes de Trabalho
Prevenção de Acidentes de TrabalhoPrevenção de Acidentes de Trabalho
Prevenção de Acidentes de Trabalho
 
Integração
IntegraçãoIntegração
Integração
 
Dds 60 temas
Dds 60 temasDds 60 temas
Dds 60 temas
 
NR - 06 EPI (Oficial)
NR - 06 EPI (Oficial)NR - 06 EPI (Oficial)
NR - 06 EPI (Oficial)
 
Modelo de PGR.pdf
Modelo de PGR.pdfModelo de PGR.pdf
Modelo de PGR.pdf
 
Palestra em SIPAT: O Fator Humano na prevenção de acidentes e do estresse
Palestra em SIPAT: O Fator Humano na prevenção de acidentes e do estressePalestra em SIPAT: O Fator Humano na prevenção de acidentes e do estresse
Palestra em SIPAT: O Fator Humano na prevenção de acidentes e do estresse
 
Aula 2 acidentes de trabalho
Aula 2   acidentes de trabalhoAula 2   acidentes de trabalho
Aula 2 acidentes de trabalho
 
Treinamento. de cipa
Treinamento. de cipaTreinamento. de cipa
Treinamento. de cipa
 
Cartilha de segurança: Seleção e utilização de EPI para trabalho em altura
Cartilha de segurança: Seleção e utilização de EPI para trabalho em alturaCartilha de segurança: Seleção e utilização de EPI para trabalho em altura
Cartilha de segurança: Seleção e utilização de EPI para trabalho em altura
 

Destaque

Treinamento de CIPA modulo I - NR 5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes
Treinamento de CIPA modulo I - NR 5 - Comissão Interna de Prevenção de AcidentesTreinamento de CIPA modulo I - NR 5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes
Treinamento de CIPA modulo I - NR 5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes
emanueltstegeon
 
Treinamento de CIPA modulo IV - Prevenção e Combate a Incêndio
Treinamento de CIPA   modulo IV - Prevenção e Combate a IncêndioTreinamento de CIPA   modulo IV - Prevenção e Combate a Incêndio
Treinamento de CIPA modulo IV - Prevenção e Combate a Incêndio
emanueltstegeon
 
Treinamento de CIPA modulo III - NR 6 - Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de CIPA   modulo III - NR 6 - Equipamento de Proteção IndividualTreinamento de CIPA   modulo III - NR 6 - Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de CIPA modulo III - NR 6 - Equipamento de Proteção Individual
emanueltstegeon
 
Treinamento de CIPA - Burti 2009
Treinamento   de CIPA - Burti 2009Treinamento   de CIPA - Burti 2009
Treinamento de CIPA - Burti 2009
Sergio Silva
 
Cipa apresentação
Cipa apresentaçãoCipa apresentação
Cipa apresentação
JORGE BADAUE BADAUE
 
Treinamento Corporativo para membros da CIPA
Treinamento Corporativo para membros da CIPATreinamento Corporativo para membros da CIPA
Treinamento Corporativo para membros da CIPA
Luciano Meneguetti
 
CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes
CIPA - Comissão Interna de Prevenção de AcidentesCIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes
CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes
Gui Souza A
 
Curso de cipa_
Curso de cipa_Curso de cipa_
Curso de cipa_
Nestor Neto
 
CIPA - Mensagem Final para o Curso de Formação de Cipeiros
CIPA - Mensagem Final para o Curso de Formação de CipeirosCIPA - Mensagem Final para o Curso de Formação de Cipeiros
CIPA - Mensagem Final para o Curso de Formação de Cipeiros
Geice Kelly Vasconcelos
 
Manual da nova nr 5
Manual da nova nr 5Manual da nova nr 5
Manual da nova nr 5
Cleyton Lima
 
NR 5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes
NR 5 - Comissão Interna de Prevenção de AcidentesNR 5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes
NR 5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes
elisangela pereira
 
organizacionais
organizacionaisorganizacionais
Nr 3
Nr 3Nr 3
Nr 3
stoc3214
 
Treinamento cipa
Treinamento cipaTreinamento cipa
Treinamento cipa
Cosmo Palasio
 
FGV - TCC - GCOM7/BH
FGV - TCC - GCOM7/BHFGV - TCC - GCOM7/BH
FGV - TCC - GCOM7/BH
cleitonloura
 
1 cap 1 história da higiene e segurança do trabalho
1 cap 1   história da higiene e segurança do trabalho1 cap 1   história da higiene e segurança do trabalho
1 cap 1 história da higiene e segurança do trabalho
Zacarias Junior
 
CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes
CIPA - Comissão Interna de Prevenção de AcidentesCIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes
CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes
thaglis
 
Nr 4 comentada
Nr 4 comentadaNr 4 comentada
Treinamento de CIPA - Gestão 2015. Empresa INDICA ASSESSORIA E SERVIÇOS LTDA
Treinamento de CIPA - Gestão 2015. Empresa INDICA ASSESSORIA E SERVIÇOS LTDATreinamento de CIPA - Gestão 2015. Empresa INDICA ASSESSORIA E SERVIÇOS LTDA
Treinamento de CIPA - Gestão 2015. Empresa INDICA ASSESSORIA E SERVIÇOS LTDA
Márcio Leão
 
Aula nr 4
Aula nr 4Aula nr 4
Aula nr 4
Juno Dio
 

Destaque (20)

Treinamento de CIPA modulo I - NR 5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes
Treinamento de CIPA modulo I - NR 5 - Comissão Interna de Prevenção de AcidentesTreinamento de CIPA modulo I - NR 5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes
Treinamento de CIPA modulo I - NR 5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes
 
Treinamento de CIPA modulo IV - Prevenção e Combate a Incêndio
Treinamento de CIPA   modulo IV - Prevenção e Combate a IncêndioTreinamento de CIPA   modulo IV - Prevenção e Combate a Incêndio
Treinamento de CIPA modulo IV - Prevenção e Combate a Incêndio
 
Treinamento de CIPA modulo III - NR 6 - Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de CIPA   modulo III - NR 6 - Equipamento de Proteção IndividualTreinamento de CIPA   modulo III - NR 6 - Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de CIPA modulo III - NR 6 - Equipamento de Proteção Individual
 
Treinamento de CIPA - Burti 2009
Treinamento   de CIPA - Burti 2009Treinamento   de CIPA - Burti 2009
Treinamento de CIPA - Burti 2009
 
Cipa apresentação
Cipa apresentaçãoCipa apresentação
Cipa apresentação
 
Treinamento Corporativo para membros da CIPA
Treinamento Corporativo para membros da CIPATreinamento Corporativo para membros da CIPA
Treinamento Corporativo para membros da CIPA
 
CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes
CIPA - Comissão Interna de Prevenção de AcidentesCIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes
CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes
 
Curso de cipa_
Curso de cipa_Curso de cipa_
Curso de cipa_
 
CIPA - Mensagem Final para o Curso de Formação de Cipeiros
CIPA - Mensagem Final para o Curso de Formação de CipeirosCIPA - Mensagem Final para o Curso de Formação de Cipeiros
CIPA - Mensagem Final para o Curso de Formação de Cipeiros
 
Manual da nova nr 5
Manual da nova nr 5Manual da nova nr 5
Manual da nova nr 5
 
NR 5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes
NR 5 - Comissão Interna de Prevenção de AcidentesNR 5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes
NR 5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes
 
organizacionais
organizacionaisorganizacionais
organizacionais
 
Nr 3
Nr 3Nr 3
Nr 3
 
Treinamento cipa
Treinamento cipaTreinamento cipa
Treinamento cipa
 
FGV - TCC - GCOM7/BH
FGV - TCC - GCOM7/BHFGV - TCC - GCOM7/BH
FGV - TCC - GCOM7/BH
 
1 cap 1 história da higiene e segurança do trabalho
1 cap 1   história da higiene e segurança do trabalho1 cap 1   história da higiene e segurança do trabalho
1 cap 1 história da higiene e segurança do trabalho
 
CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes
CIPA - Comissão Interna de Prevenção de AcidentesCIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes
CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes
 
Nr 4 comentada
Nr 4 comentadaNr 4 comentada
Nr 4 comentada
 
Treinamento de CIPA - Gestão 2015. Empresa INDICA ASSESSORIA E SERVIÇOS LTDA
Treinamento de CIPA - Gestão 2015. Empresa INDICA ASSESSORIA E SERVIÇOS LTDATreinamento de CIPA - Gestão 2015. Empresa INDICA ASSESSORIA E SERVIÇOS LTDA
Treinamento de CIPA - Gestão 2015. Empresa INDICA ASSESSORIA E SERVIÇOS LTDA
 
Aula nr 4
Aula nr 4Aula nr 4
Aula nr 4
 

Semelhante a Treinamento de CIPA modulo II - Segurança do Trabalho

APOSTILA NR 05. cipa.pdf
APOSTILA NR 05. cipa.pdfAPOSTILA NR 05. cipa.pdf
APOSTILA NR 05. cipa.pdf
ssuser22319e
 
Cipa apostila-cbpi
Cipa apostila-cbpiCipa apostila-cbpi
Cipa apostila-cbpi
rosangelaisabel
 
Apostila cipa
Apostila cipaApostila cipa
Apostila cipa
Eliane Damião Alves
 
APOSTILA CIPA.doc
APOSTILA CIPA.docAPOSTILA CIPA.doc
APOSTILA CIPA.doc
ssuser22319e
 
SEGURANÇA DO TRABALHO OFICIAL 3222.pptx
SEGURANÇA DO TRABALHO OFICIAL 3222.pptxSEGURANÇA DO TRABALHO OFICIAL 3222.pptx
SEGURANÇA DO TRABALHO OFICIAL 3222.pptx
JooHenriqueCarvallho
 
Curso de cipa 2015
Curso de cipa 2015Curso de cipa 2015
Curso de cipa 2015
Carlos Alberto Souza Bordin
 
CUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICO
CUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICOCUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICO
CUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICO
ArtthurPereira2
 
Apresentação NR_35 1ª parte.pptx
Apresentação NR_35 1ª parte.pptxApresentação NR_35 1ª parte.pptx
Apresentação NR_35 1ª parte.pptx
RenaldoJunior4
 
Aula 4 - Saúde e Segurança no Trabalho.pdf
Aula 4 - Saúde e Segurança no Trabalho.pdfAula 4 - Saúde e Segurança no Trabalho.pdf
Aula 4 - Saúde e Segurança no Trabalho.pdf
RuanPaulo5
 
Atos e condiçoes inseguras
Atos e condiçoes insegurasAtos e condiçoes inseguras
Atos e condiçoes inseguras
Luiz Felipe de Vasconcelos
 
Treinamento segurança do trabalgo nwn
Treinamento segurança do trabalgo nwnTreinamento segurança do trabalgo nwn
Treinamento segurança do trabalgo nwn
silvia da silva de almeida
 
Treinamento segurança do trabalgo nwn
Treinamento segurança do trabalgo nwnTreinamento segurança do trabalgo nwn
Treinamento segurança do trabalgo nwn
silvia da silva de almeida
 
ACIDENTE E INCIDENTE DO TRABALAHO.pptx
ACIDENTE E INCIDENTE DO TRABALAHO.pptxACIDENTE E INCIDENTE DO TRABALAHO.pptx
ACIDENTE E INCIDENTE DO TRABALAHO.pptx
sarahmello20
 
Integração de Segurança do Trabalho 2012
Integração de Segurança do Trabalho 2012Integração de Segurança do Trabalho 2012
Integração de Segurança do Trabalho 2012
proftstsergioetm
 
INTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO.pptx
INTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO.pptxINTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO.pptx
INTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO.pptx
CLADESGOMES1
 
07-21-06-auladia28defevereiro.pdf
07-21-06-auladia28defevereiro.pdf07-21-06-auladia28defevereiro.pdf
07-21-06-auladia28defevereiro.pdf
Leomir Borghardt
 
Higiene, saúde e segurança no trabalho
Higiene, saúde e segurança no trabalhoHigiene, saúde e segurança no trabalho
Higiene, saúde e segurança no trabalho
Beatriz123Letras
 
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppttreinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
JairoRodrigues47
 
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppttreinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
SANDRARODRIGUESDASIL5
 
treinamento Treinamento de Integração.pptx
treinamento Treinamento de Integração.pptxtreinamento Treinamento de Integração.pptx
treinamento Treinamento de Integração.pptx
Talmom Taciano
 

Semelhante a Treinamento de CIPA modulo II - Segurança do Trabalho (20)

APOSTILA NR 05. cipa.pdf
APOSTILA NR 05. cipa.pdfAPOSTILA NR 05. cipa.pdf
APOSTILA NR 05. cipa.pdf
 
Cipa apostila-cbpi
Cipa apostila-cbpiCipa apostila-cbpi
Cipa apostila-cbpi
 
Apostila cipa
Apostila cipaApostila cipa
Apostila cipa
 
APOSTILA CIPA.doc
APOSTILA CIPA.docAPOSTILA CIPA.doc
APOSTILA CIPA.doc
 
SEGURANÇA DO TRABALHO OFICIAL 3222.pptx
SEGURANÇA DO TRABALHO OFICIAL 3222.pptxSEGURANÇA DO TRABALHO OFICIAL 3222.pptx
SEGURANÇA DO TRABALHO OFICIAL 3222.pptx
 
Curso de cipa 2015
Curso de cipa 2015Curso de cipa 2015
Curso de cipa 2015
 
CUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICO
CUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICOCUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICO
CUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICO
 
Apresentação NR_35 1ª parte.pptx
Apresentação NR_35 1ª parte.pptxApresentação NR_35 1ª parte.pptx
Apresentação NR_35 1ª parte.pptx
 
Aula 4 - Saúde e Segurança no Trabalho.pdf
Aula 4 - Saúde e Segurança no Trabalho.pdfAula 4 - Saúde e Segurança no Trabalho.pdf
Aula 4 - Saúde e Segurança no Trabalho.pdf
 
Atos e condiçoes inseguras
Atos e condiçoes insegurasAtos e condiçoes inseguras
Atos e condiçoes inseguras
 
Treinamento segurança do trabalgo nwn
Treinamento segurança do trabalgo nwnTreinamento segurança do trabalgo nwn
Treinamento segurança do trabalgo nwn
 
Treinamento segurança do trabalgo nwn
Treinamento segurança do trabalgo nwnTreinamento segurança do trabalgo nwn
Treinamento segurança do trabalgo nwn
 
ACIDENTE E INCIDENTE DO TRABALAHO.pptx
ACIDENTE E INCIDENTE DO TRABALAHO.pptxACIDENTE E INCIDENTE DO TRABALAHO.pptx
ACIDENTE E INCIDENTE DO TRABALAHO.pptx
 
Integração de Segurança do Trabalho 2012
Integração de Segurança do Trabalho 2012Integração de Segurança do Trabalho 2012
Integração de Segurança do Trabalho 2012
 
INTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO.pptx
INTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO.pptxINTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO.pptx
INTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO.pptx
 
07-21-06-auladia28defevereiro.pdf
07-21-06-auladia28defevereiro.pdf07-21-06-auladia28defevereiro.pdf
07-21-06-auladia28defevereiro.pdf
 
Higiene, saúde e segurança no trabalho
Higiene, saúde e segurança no trabalhoHigiene, saúde e segurança no trabalho
Higiene, saúde e segurança no trabalho
 
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppttreinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
 
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppttreinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
 
treinamento Treinamento de Integração.pptx
treinamento Treinamento de Integração.pptxtreinamento Treinamento de Integração.pptx
treinamento Treinamento de Integração.pptx
 

Mais de emanueltstegeon

Trabalho a quente modulo II
Trabalho a quente   modulo IITrabalho a quente   modulo II
Trabalho a quente modulo II
emanueltstegeon
 
Trabalho a Quente Modulo I
Trabalho a Quente   Modulo ITrabalho a Quente   Modulo I
Trabalho a Quente Modulo I
emanueltstegeon
 
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo III
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo IIINR-33 - Espaço Confinado - Modulo III
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo III
emanueltstegeon
 
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo II
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo IINR-33 - Espaço Confinado - Modulo II
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo II
emanueltstegeon
 
NR-33 Espaço Confinado - Modulo I
NR-33   Espaço Confinado - Modulo INR-33   Espaço Confinado - Modulo I
NR-33 Espaço Confinado - Modulo I
emanueltstegeon
 
NR 6 - Equipamento de Proteção Individual
NR 6 - Equipamento de Proteção IndividualNR 6 - Equipamento de Proteção Individual
NR 6 - Equipamento de Proteção Individual
emanueltstegeon
 
Primeiros Socorros Modulo VI
Primeiros Socorros Modulo VIPrimeiros Socorros Modulo VI
Primeiros Socorros Modulo VI
emanueltstegeon
 
Primeiros Socorros Modulo V
Primeiros Socorros Modulo VPrimeiros Socorros Modulo V
Primeiros Socorros Modulo V
emanueltstegeon
 
Primeiros Socorros Modulo IV
Primeiros Socorros Modulo IVPrimeiros Socorros Modulo IV
Primeiros Socorros Modulo IV
emanueltstegeon
 
Primeiros Socorros Modulo III
Primeiros Socorros Modulo IIIPrimeiros Socorros Modulo III
Primeiros Socorros Modulo III
emanueltstegeon
 
Primeiros Socorros Modulo II
Primeiros Socorros Modulo IIPrimeiros Socorros Modulo II
Primeiros Socorros Modulo II
emanueltstegeon
 
Primeiros Socorros Modulo I
Primeiros Socorros Modulo IPrimeiros Socorros Modulo I
Primeiros Socorros Modulo I
emanueltstegeon
 

Mais de emanueltstegeon (12)

Trabalho a quente modulo II
Trabalho a quente   modulo IITrabalho a quente   modulo II
Trabalho a quente modulo II
 
Trabalho a Quente Modulo I
Trabalho a Quente   Modulo ITrabalho a Quente   Modulo I
Trabalho a Quente Modulo I
 
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo III
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo IIINR-33 - Espaço Confinado - Modulo III
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo III
 
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo II
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo IINR-33 - Espaço Confinado - Modulo II
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo II
 
NR-33 Espaço Confinado - Modulo I
NR-33   Espaço Confinado - Modulo INR-33   Espaço Confinado - Modulo I
NR-33 Espaço Confinado - Modulo I
 
NR 6 - Equipamento de Proteção Individual
NR 6 - Equipamento de Proteção IndividualNR 6 - Equipamento de Proteção Individual
NR 6 - Equipamento de Proteção Individual
 
Primeiros Socorros Modulo VI
Primeiros Socorros Modulo VIPrimeiros Socorros Modulo VI
Primeiros Socorros Modulo VI
 
Primeiros Socorros Modulo V
Primeiros Socorros Modulo VPrimeiros Socorros Modulo V
Primeiros Socorros Modulo V
 
Primeiros Socorros Modulo IV
Primeiros Socorros Modulo IVPrimeiros Socorros Modulo IV
Primeiros Socorros Modulo IV
 
Primeiros Socorros Modulo III
Primeiros Socorros Modulo IIIPrimeiros Socorros Modulo III
Primeiros Socorros Modulo III
 
Primeiros Socorros Modulo II
Primeiros Socorros Modulo IIPrimeiros Socorros Modulo II
Primeiros Socorros Modulo II
 
Primeiros Socorros Modulo I
Primeiros Socorros Modulo IPrimeiros Socorros Modulo I
Primeiros Socorros Modulo I
 

Treinamento de CIPA modulo II - Segurança do Trabalho

  • 2. Um Direito e Um Dever de Todos NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS 1.7 Cabe ao empregador: a)Cumprir e fazer cumprir as disposições legais e regulamentares sobre segurança e medicina do trabalho; 1.8 Cabe ao empregado: a)Cumprir as disposições legais e regulamentares sobre segurança e saúde do trabalho, inclusive as ordens de serviço expedidas pelo empregador;
  • 3.  É uma Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, formada por funcionários da empresa, composta por representantes do empregador e empregados, cujo objetivo principal é a prevenção de acidentes no trabalho.
  • 4.  Quando uma empresa não se enquadrar no Quadro I, da NR 5, designará um responsável pelo cumprimento dos objetivos da CIPA, podendo ser adotados mecanismos de participação dos empregados, através de negociação coletiva.  Os designados devem executar as mesmas atividades delegadas a CIPA descritas na NR5, recebendo apoio e orientação da Segurança do Trabalho.  As empresas promoverão anualmente, treinamento para o designado responsável pelo cumprimento das atribuições da CIPA.
  • 5. CONCEITO LEGAL (de acordo com o artigo 19º da Lei n.º 8213 de 24 de julho de 1991).  “ACIDENTE DO TRABALHO É AQUELE QUE OCORRE NO EXERCÍCIO DO TRABALHO A SERVIÇO DA EMPRESA, PROVOCANDO LESÃO CORPORAL OU PERTURBAÇÃO FUNCIONAL QUE CAUSE A MORTE, OU PERDA, OU REDUÇÃO, PERMANENTE OU TEMPORÁRIA, DA CAPACIDADE PARA O TRABALHO”. CONCEITO PREVENCIONISTA:  “ACIDENTE É A OCORRÊNCIA IMPREVISTA E INDESEJÁVEL, INSTANTÂNEA OU NÃO, RELACIONADA COM O EXECÍCIO DO TRABALHO, QUE PROVOCA LESÃO PESSOAL OU DE QUE DECORRE RISCO PRÓXIMO OU REMOTO DESSA LESÃO”. Diferença entre o CONCEITO LEGAL e o CONCEITO PREVENCIONISTA:  A diferença entre os dois conceitos reside no fato de que no primeiro é necessário haver, apenas lesão física, enquanto que no segundo são levados em considerações, além das lesões físicas, a perda de tempo e os materiais.
  • 6. CLASSIFICAÇAO DOS ACIDENTES DO TRABALHO ACIDENTE DO TRABALHO:  Ocorrência imprevista e indesejável, instantânea ou não, relacionada com o exercício do trabalho, que provoca lesão pessoal ou de que decorre risco próximo ou remoto desta lesão. ACIDENTE SEM LESÃO:  Acidente que não causa lesão pessoal. ACIDENTE DE TRAJETO:  Acidente sofrido pelo empregado no percurso residência para o trabalho ou deste para aquela.
  • 7. CONCEITO E IMPORTÂNCIA  A inspeção de segurança consiste na observação cuidadosa dos ambientes de trabalho, com o fim de descobrir, identificar riscos que poderão transformar-se em causas de acidentes do trabalho e também com o objetivo prático de tomar ou propor medidas que impeçam a ação desses riscos. A inspeção de segurança se antecipa aos possíveis acidentes, mas quando repetidas, alcançam outros resultados:  Favorecem formação e o fortalecimento do espírito prevencionista que os empregados precisam ter;  Servem de exemplo para que os próprios trabalhadores exerçam, em seus serviços, controles de segurança;  Proporcionam uma cooperação mais aprofundada entre a Segurança do Trabalho e CIPA’s e os diversos setores da empresa;  Dão aos empregados a certeza de que a direção da empresa têm interesse na segurança do trabalho.
  • 8. LEVANTAMENTO DAS CAUSAS DOS ACIDENTES  Alguns atos inseguros podem ocorrer durante uma inspeção de segurança. Os processos educativos, a repetição das inspeções, as campanhas e outros recursos se prestarão a reduzir sensivelmente a ocorrência de tais atos. Atos Inseguros:  Atos imprudentes;  Inutilização, desmontagem ou desativação de proteções de máquinas;  Recusa de utilização de equipamento individual de proteção;  Operação de máquinas e equipamentos sem habilitação e sem treino;  Operação de máquinas em velocidade excessiva;  Brincadeiras;  Posição defeituosa no trabalho;  Levantamento de cargas com utilização defeituosa dos músculos;  Transporte manual de cargas sem ter visão do caminho;  Permanência debaixo de guindastes e de cargas que podem cair;  Uso de fusíveis fora de especificação;  Fumar em locais onde há perigo de fogo;  Correr por entre máquinas ou em corredores e escadas;  Alterar o uso de ferramentas;  Atirar ferramentas ou materiais para os companheiros entre outros.
  • 9. LEVANTAMENTO DAS CAUSAS DOS ACIDENTES  Quanto às condições inseguras, elas se tornam mais aparentes, mais visíveis, mais notadas porque são situações concretas, materiais mais duráveis que alguns atos inseguros que, às vezes, aconteceu em poucos segundos. Condições Inseguras:  Problemas de iluminação;  Ruídos e trepidações em excesso;  Falta de protetores em partes móveis de máquinas e nos pontos de operação;  Falta de limpeza e de ordem;  Passagens obstruídas;  Pisos escorregadios ou esburacados;  Escadas entre pavimentos sem proteções;  Condições sanitárias insatisfatórias;  Ventilação deficiente ou imprópria;  Ferramentas desarrumadas;  Ferramentas defeituosas;  Substâncias altamente inflamáveis em quantidade excessivas na área de produção;  Má distribuição de máquinas e equipamentos;  Condutores de eletricidade com revestimento estragado;  Roupas muito largas;  Colares, anéis e cabelos soltos em operações com máquinas de engrenagens móveis;  Calçados impróprio;  Trânsito perigoso de material rodante;  Calor excessivo.
  • 10.  A presença de representantes da CIPA nas inspeções de segurança é sempre recomendável, pois a assimilação de conhecimentos cada vez mais amplos sobre as questões de segurança e higiene e medicina do trabalho vai tornar mais produtivo, mais completo o trabalho educativo que a comissão desenvolve. Além disso, a renovação dos membros da CIPA faz com que um número sempre maior de empregados passe a aprofundar os conhecimentos exigidos para a solução dos problemas relativos a acidentes e doenças do trabalho.
  • 11.  Cabe à CIPA investigar e participar com a Segurança do trabalho nas investigação dos acidentes ocorridos na empresa.  Além disso, no caso de acidente grave a CIPA deverá reunir-se, extraordinariamente, até dois dias após o infortúnio. A CIPA tem como uma de suas mais importantes funções estudar os acidentes para que eles não se repitam, ou ainda evitar outros que possam surgir.  Para tal devem conhecer as causas dos acidentes, ou seja, o que os faz acontecer, para que possam então agir de modo a corrigir procedimentos, métodos e/ou situações inadequada à prevenção de acidentes.
  • 12.  Três são os motivos que podem gerar a ocorrência de um acidente. Cabe a CIPA estar atenta para evitar o acidente, através da identificação e análise desses fatores que são:  ATO INSEGURO  CONDIÇÃO INSEGURA  FATOR PESSOAL DE INSEGURANÇA
  • 13. 1) ATO INSEGURO – é a violação (consciente) de procedimento consagrado como correto.  São fatos comuns:  Falta de uso de proteções individuais;  Inutilização de equipamentos de segurança;  Emprego incorreto de ferramentas ou o emprego de ferramentas com defeitos;  Ajuste, a lubrificação e a limpeza de máquinas em movimento;  Permanência debaixo de cargas suspensas;  Permanência em pontos perigosos junto a máquinas ou passagens de veículos;  Operação de máquinas em velocidade excessiva;  Operação de máquinas sem que o trabalhador esteja habilitado ou que não tenha permissão;  Uso de roupas que exponham a riscos;  Desconhecimento de fogo, correrias em escadarias e em outros locais perigosos;  Utilização de escadas de mão sem a estabilidade necessária;  Manipulação de produtos químicos;  Hábito de fumar em lugares onde há perigo.
  • 14. 2) CONDIÇÃO INSEGURA - é o risco relativo a falta de planejamento do serviço e deficiências materiais no meio ambiente, tais como: Construção e instalações em que se localiza a empresa:  Prédio com área insuficiente;  Pisos fracos e irregulares;  Iluminação deficiente;  Ventilação deficiente ou excessiva;  Instalações sanitárias impróprias e insuficientes;  Excesso de ruídos e trepidações;  Falta de ordem e de limpeza;  Instalações elétricas impróprias ou com defeitos. Maquinaria:  Localização imprópria das máquinas;  Falta de proteção em maquinários e pontos de operação;  Máquinas com defeitos.
  • 15. Matéria-prima:  Matéria-prima com defeito ou de má qualidade;  Matéria-prima fora de especificação. Proteção do trabalhador:  Proteção insuficiente ou totalmente ausente;  Roupas não apropriadas;  Calçado impróprio ou de falta de calçado;  Equipamento de proteção com defeito. Produção:  Cadência mal planejada;  Velocidade excessiva;  Má distribuição. Horários de trabalho:  Esforços repetidos e prolongados;  Má distribuição de horários e tarefas.
  • 16. 3) FATOR PESSOAL DE INSEGURANÇA - é o que podemos chamar de “problemas pessoais do indivíduo” e que agindo sobre o trabalhador podem vir a provocar acidentes, como por exemplo:  Problemas de saúde não tratados;  Conflitos familiares;  Falta de interesse pela atividade que desempenha;  Alcoolismo;  Uso de substâncias tóxicas;  Falta de conhecimento;  Falta de experiência;  Desajustamento físico, mental ou emocional. A investigação de acidentes não poderá nunca ter aspecto punitivo, pois o objetivo maior não é “descobrir culpados”, mas sim causas que provocam o acidente, para que seja evitada sua repetição.
  • 17. É o efeito do acidente, ou seja, são lesões sofridas pelo homem e ainda os danos materiais e em equipamentos.  Lesões pessoais  Perda de tempo  Danos Materiais  Lesão Pessoal ou Lesão: é qualquer dano sofrido pelo organismo humano, como consequência do acidente do trabalho.  Natureza da lesão: é a expressão que identifica a lesão. Ex.: escoriação, choque elétrico...  Localização da lesão: indica o local da lesão. Ex. Mãos, braços...  Lesão com perda de tempo: lesão pessoal que impede o acidentado de voltar ao trabalho no dia imediato ao acidente. NOTA: Essa lesão provoca, morte, incapacidade total permanente, incapacidade parcial permanente, incapacidade total temporária ou Incapacidade parcial temporária.  Lesão sem perda de tempo: lesão pessoal que não impede o acidentado de voltar ao trabalho no dia imediato ao do acidente
  • 18.  São considerados riscos ambientais os agentes físicos, químicos, biológicos, mecânicos e ergonômicos existentes nos ambientes de trabalho, capazes de causar danos à saúde do trabalhador em função de sua natureza ou intensidade e tempo de exposição.
  • 19. TABELA DE RISCOS AMBIENTAIS GRUPO 1 VERDE GRUPO 2 VERMELHO GRUPO 3 MARRON GRUPO 4 AMARELO GRUPO 5 AZUL RISCOS FÍSICOS RISCOS QUÍMICOS RISCOS BIOLÓGICOS RISCOS ERGONÔMICOS RISCOS ACIDENTES Ruídos Poeiras Vírus Esforço físico intenso Arranjo físico inadequado Vibrações Fumos Bactérias Levantamento e transporte manual de peso Máquinas e equipamentos sem proteção Radiações ionizantes Névoas Protozoários Exigência de postura Inadequada Ferramentas defeituosas e inadequadas Frio Neblinas Fungos Controle rígido de produtividade Iluminação inadequada Calor Gases Parasitas Imposição de ritmos excessivos Eletricidade Pressões anormais Vapores Bacilos Trabalho em turno e noturno Probabilidade de incêndio ou explosão Umidade Substâncias, compostos ou produtos químicos em geral Jornadas de trabalho prolongadas Armazenamento inadequado Monotonia e repetitividade Animais peçonhentos Outras situações causadoras do STRESS físico e/ou psíquico Outras situações de risco que poderão contribuir para ocorrência de acidentes.
  • 20.  A CIPA é constituída por um grupo de pessoas que se interessam e trabalham por objetivos comuns. Tanto os empregados como os empregadores, representados nesta comissão, procuram, basicamente, a eliminação ou redução das causas de acidentes e doenças do trabalho.  Ser membro efetivo ou suplente da CIPA constitui responsabilidade de grande importância, devendo cada um revelar interesse pelo estudo teórico, pela observação, prática e pela participação ativa na pesquisa de atos inseguros, de condições inseguras e já, nas reuniões, dar demonstração objetiva do desejo de encontrar soluções para os problemas levantados.  Nessa reunião, participam diversas pessoas, diferentes umas das outras, cada uma com a sua personalidade. Sentimentos pessoais não devem interferir no objetivo da reunião. Assim, deve-se adotar a sequencia de assuntos da reunião, sem que os problemas pessoais seja trazidos como motivo de discussão.
  • 21. Existem algumas para regras para que o grupo tenha seus objetivos alcançados.  1ª - Ambiente: deve ser um lugar sossegado, com mesa, cadeiras, lápis, papel.  2ª - Os assuntos a discutir devem ser estabelecidos antes, para que todos deles tenham conhecimento.  3ª - Para não ocorrerem casos de inibição, toda pessoa desconhecida deve ser apresentada.  4ª - Todos devem ser estimulados a apresentar a sua opinião.  5ª - Não devem ser feitos comentários que fujam aos assuntos discutidos.  6ª - As pessoas tímidas devem ser estimuladas a participar, manifestando suas idéias.  7ª - O horário da reunião deve ser respeitado.  8ª - As conclusões tomadas devem ser aquelas que forem aceitas pela maioria dos participantes.  9ª - Todos aqueles que participarem da reunião deverão comprometer-se a trabalhar para o cumprimento daquilo que foi decidido.
  • 22.  ATUAÇÃO DOS MEMBROS DA CIPA  O Presidente devido à sua função, deve conduzir os trabalhos e criar um clima de confiança para todos participantes, a fim de que haja liberdade de serem discutidos os assuntos sem receio. Deve ainda:  Manter estreito contato com a administração, no sentido de verificar o andamento das recomendações sugeridas pela CIPA;  Justificar, se for o caso, a não adoção de medidas sugeridas em reunião anterior.  Definir e coordenar as atribuições dos demais membros.  Ao Vice-Presidente da CIPA compete exercer funções que, por delegação, lhe forem atribuídas pelo Presidente, além de substituí-lo nos suas ausências.  Ao Secretário cargo fundamental para o bom desenvolvimento administrativo da CIPA, cabe:  Redigir a ata, que deverá ser bem clara em relação ao que foi discutido e votado;  Preparar correspondência;  Elaborar relatórios estatísticos.
  • 23.  Os membros representantes dos empregados devem estar conscientes das suas responsabilidades e da confiança neles depositada pelos companheiros que os elegeram.  O empregado quando participar da CIPA como membro eleito, estará protegido pela Consolidação das Leis do Trabalho. Dessa forma a sua atuação pelo fato de votar nas decisões e de solicitar meios de segurança os equipamentos de proteção e por perder algumas horas de serviço para comparecer às reuniões não será prejudicada.  Deve respeitar a opinião dos outros e, quando quiser oferecer as suas sugestões, deverá solicitar a palavra, não interrompendo os outros membros da CIPA. Quando alguém estiver falando, deverá procurar compreender a mensagem e se colocar no lugar de quem a transmite.  Havendo uma proposta com a qual não possa concordar, deverá explicar o porquê, fazendo uma outra proposta em seu lugar. Essas propostas e observações devem ser sempre baseadas em fatos e não em simples opiniões.
  • 24.  Se uma proposta não for acatada pela maioria, a recusa deverá ser aceita com tranquilidade. Desentendimentos pessoais não devem alterar o comportamento dos membros da CIPA.  Os representantes dos empregados devem apresentar relatórios de acidentes, de atos inseguros, de condições inseguras do trabalho e, naturalmente, sugestões para melhoria dos métodos de segurança e redução de riscos.  No final da reunião, os representantes do empregados estarão comprometidos com tudo que ficou acertado e votado. Depois, em reuniões com os seus colegas de trabalho, transmitirão as recomendações de segurança e relatarão quais as medidas práticas que serão tomadas para a prevenção de acidentes. Essa é, também, uma boa ocasião para colher opiniões e sugestões dos colegas. Elas deverão ser apresentadas na reunião seguinte da CIPA. Aliás, os membros da CIPA devem multiplicar seus contados com os companheiros porque, assim estarão ampliando as possibilidades de identificar riscos de acidentes e, ao mesmo tempo, poderão anotar as ideias práticas que podem ajudar a resolver os problemas.