SlideShare uma empresa Scribd logo
CAPACITAÇÃO
OBJETIVO DO TREINAMENTO
 Esse treinamento tem como objetivo sensibilizar e capacitar os
colaboradores quanto as exigências de segurança na instalação, operação e
manutenção de máquinas e equipamentos mais utilizados nas respectivas
frentes de serviço das obras e grande empreendimentos.
 Tal treinamento visa promover o melhor entendimento da
importância da segurança durante a execução do trabalho,
principalmente portando e/ou operando os equipamentos
pertinentes ao serviço e conhecer a norma
regulamentadora do Ministério do Trabalho e Emprego que
regulamenta as diretrizes para a segurança no manuseio
desses equipamentos, que é a NR12.
NR-12 – CONCEITUAÇÃO GERAL
A NR12 é uma Norma Regulamentadora do Ministério do Trabalho e Emprego
referente a SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS.
Sua primeira publicação data de 08/06/1978 e se caracterizou como um formato
normativo estruturado baseado nas premissas estabelecidas na CLT –
Consolidação das Leis Trabalhistas em seus artigos 184, 185 e 186. Sua última
atualização data de 21/09/2016.
Em seus “Princípios Gerais”, assim diz o item 12.1:
“Esta Norma Regulamentadora e seus anexos definem referências técnicas,
princípios fundamentais e medidas de proteção para garantir a saúde e a
integridade física dos trabalhadores e estabelece requisitos mínimos para a
prevenção de acidentes e doenças do trabalho nas fases de projeto e de utilização
de máquinas e equipamentos de todos os tipos, e ainda à sua fabricação,
importação, comercialização, exposição e cessão a qualquer título, em todas as
atividades econômicas...”
SEGURANÇA DO TRABALHO E A NR-12
CENÁRIO NACIONAL
 Em 2013, foram registrados 432.254 acidentes de trabalhos típicos, isto é,
aqueles no ambiente de trabalho e que podem ser evitados, contabilizando
um aumento de 1,5% em relação a 2012 (pior marca em 7 anos);
 111.601 acidentes de trajeto, contabilizando 8,3% a mais que 2012 (pior
marca em 44 anos);
 De 2012 para 2013, aumentaram os óbitos em 1,1% e as incapacidades
temporárias em 0,9%, somando 613.601 benefícios pagos ou 83,21% dos
acidentes liquidados;
 Em 2013, apenas 11 tipos de máquinas como serras;
calandras; prensas; tornos; fresadoras; laminadoras;
máquinas de embalar, provocaram 55.118 acidentes,
cerca de 10% dos acidentes registrados pelas empresas
no Brasil.
Fonte: Revista Proteção (Dados AEPS 2013)
Define-se como Segurança do trabalho (ou também denominado segurança
ocupacional) um conjunto de ciências e tecnologias que tem o objetivo de
promover a proteção do trabalhador no seu local de trabalho, visando a redução
de acidentes do trabalho e doenças ocupacionais.
Além disso, a segurança do trabalho trata-se de uma ciência multidisciplinar,
sendo constituída por diversas outras disciplinas, tais como: medicina do trabalho,
psicologia, ergonomia, higiene do trabalho, meio ambiente, combate a incêndios,
saúde, engenharia, entre outras.
Destacam-se entre as principais atividades da segurança do trabalho:
 Prevenção de acidentes;
 Promoção da saúde;
 Prevenção de incêndios.
“Nenhum trabalho será tão urgente, que não possa ser planejado e executado
com segurança. O trabalho é necessário, a segurança importante, a vida essencial.
Respeite a vida, trabalhe com segurança!”
IMPORTÂNCIA DA CULTURA SMS
EQUIPAMENTOS BÁSICOS DE OBRAS
E GRANDES EMPREENDIMENTOS
 Esmerilhadeiras Manuais;
 Retíficas;
 Máquinas de solda;
 Ponte Rolante;
 Mesas Posicionadoras;
 Máquina de Corte Plasma;
 Talhas de içamento;
 Rosqueadeiras;
 Esmeril de Pedestal;
 Furadeiras de Coluna;
 Furadeiras de base magnética;
 Tirfor;
 Serra Tico-Tico;
 Serra de Fita;
 Serra Policorte;
 Martelete Pneumático.
LIXADEIRAS / ESMERILHADEIRAS
FUNÇÃO BÁSICA : equipamentos rotativos de alta potência e rotação
utilizados para:
 Desbaste completo de materiais e cordões de solda;
 Chanfros com grande remoção de material;
 Cortes em metal.
POTÊNCIA/ROTAÇÃO USUAL: 2400W/acima de 6000RPM
FABRICANTE USUAL: Bosch
ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO
 Atentar para fixação dos discos com chave de aperto adequada. NÃO UTILIZAR outras
ferramentas como marretas;
 Montar os discos compatíveis em diâmetro e rotação da máquina;
 É recomendável que não se retire (desmonte) a manopla;
 NUNCA use a esmerilhadeira sem a capa de proteção do disco; (itens 12.38 e 12.41)
 Atente-se para a voltagem de rede e se a máquina está desligada antes de liga-la na
tomada; (item 12.14)
 Atentar para a projeção de fagulhas, se possível proteger a área com anteparo; (item 12.48)
 Reparos, limpeza, ajuste e inspeções só serão permitidos com a máquina desligada; (item 12.113)
LIXADEIRAS / ESMERILHADEIRAS
ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO
 Esta atividade deve ter APR (Análise Preliminar de Risco) específica elaborada pelo técnico de SMS;
(item 12.110)
 Realizar verificação de equipamento de acordo com uma check list específica; (item 12.110)
 Equipamentos de proteção individual obrigatórios: (item 12.4)
 Óculos de proteção e protetor facial;
 Avental e luvas de raspa;
 Protetor auricular, capacete, botas.
 É PROIBIDO, em esmerilhadeiras:
 Afiar ferramentas ou objetos pontiagudos com os discos.
 Utilizar discos de corte para desbastar.
 Utilizar esmerilhadeira como politriz.
POSIÇÃO CORRETA DE CORTE POSIÇÃO CORRETA DE DESBASTE
RETÍFICAS
FUNÇÃO BÁSICA : equipamentos rotativos de alta potência e
rotação utilizados para retificar, ou seja, de tornar reto ou
exato, dispor em linha reta, corrigir e polir peças e
componentes cilíndricos ou planos.
POTÊNCIA USUAL: acima de 500W
ROTAÇÃO USUAL: 10000-30000RPM
FABRICANTE USUAL: Bosch
ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO
 Atente-se para a voltagem de rede e se a máquina está desligada antes de liga-la na tomada;
(item 12.14)
 Equipamentos de proteção individual obrigatórios: (item 12.4)
 Óculos de proteção, mascara de proteção contra pó e protetor facial;
 Avental e luvas de raspa;
 Protetor auricular, capacete, botas.
 Realizar verificação de equipamento de acordo com uma check list específica; (item 12.110)
 Reparos, limpeza, ajuste e inspeções só serão permitidos com a máquina desligada; (item 12.113)
 Materiais que contém amianto NÃO devem ser trabalhados;
 Proteger as ferramentas abrasivas contra golpes, trepidações e gordura;
 Atentar para a projeção de fagulhas, se possível proteger a área com anteparo; (item 12.48)
 É PROIBIDO uso de adornos (colares, pulseiras, brincos).
MÁQUINAS DE SOLDAGEM
FUNÇÃO BÁSICA : equipamentos estacionários de alta potência utilizados para
realizar o processo de soldagem, ou seja, a união localizada de materiais,
similares ou não, de forma permanente.
POTÊNCIA USUAL: acima de 10KVA
FREQUÊNCIA USUAL: 50/60Hz
TENSÃO/CORRENTE USUAL: 220/380/440 VAC / 4-600A
FABRICANTE USUAL: Diversos
ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO
 Atente-se para a voltagem de rede e se a máquina está desligada antes de liga-la na tomada;
(item 12.14)
 Equipamentos de proteção individual obrigatórios: (item 12.4)
 Óculos de proteção, mascara padrão de solda e mascara de proteção contra pó;
 Avental, perneiras, braçadeiras e luvas de raspa;
 Protetor auricular, capacete, botas e tocas.
 Realizar verificação de equipamento de acordo com uma check list específica; (item 12.110)
 Reparos, limpeza, ajuste e inspeções só serão permitidos com a máquina desligada; (item 12.113)
 Os locais destinados a solda não devem conter líquidos ou gases inflamáveis ou sólidos
combustíveis; (item 12.107)
 Instalar biombos metálicos ou proteções não inflamáveis ou combustíveis para evitar que o calor,
as fagulhas, os respingos ou as escórias possam atingir materiais inflamáveis; (item 12.48)
MÁQUINAS DE SOLDAGEM
ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO
 NUNCA soldar, cortar ou realizar qualquer operação a quente numa peça que não tenha sido
adequadamente limpa;
 Não soldar, cortar ou goivarem recipientes fechados ou que não tenham sido devidamente
esvaziados e limpos internamente; (item 12.107)
 Locais tais como poços, tanques, sótãos, etc. devem ser considerados como áreas confinadas;
 Manter-se fora da zona de
propagação dos fumos (item 12.107)
 Sempre conservar as mangueiras e conexões de gás em boas
condições de trabalho; (item 12.78)
 Os cilindros de gás devem sempre ser mantidos em posição vertical
e NUNCA conservados em áreas confinadas; (item 12.82)
 Fora de funcionamento, as válvulas dos cilindros devem estar
fechadas;
 Sempre manter cilindros de gás distantes de chamas e de fontes de
faíscas ou de calor; (item 12.82)
 Aterrar os equipamentos e seus acessórios a um ponto seguro de aterramento; (itens 12.14 e 12.15)
 Assegurar-se de que todas as conexões elétricas estão bem apertadas, limpas e secas; (item 12.16)
 É PROIBIDO uso de adornos (colares, pulseiras, brincos);
 SEMPRE ligar uma máquina de soldar ou cortar à sua linha de alimentação através de uma chave
geral.
PONTE ROLANTE
FUNÇÃO BÁSICA : equipamento utilizado no transporte
horizontal (movimentação) e vertical (içamento) de cargas.
CAPACIDADE USUAL: 2 – 5ton
FABRICANTE USUAL: Rovela
ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO
 Atentar para a demarcação da carga máxima de trabalho permitida no corpo da ponte
rolante. NÃO ULTRAPASSAR a carga máxima em nenhuma hipótese; (item 12.87)
 O Técnico de Segurança juntamente com o encarregado e demais envolvidos na operação
devem elaborar a APR e/ou IPAR (Identificação dos Perigos e Avaliação de Riscos) antes de
sua utilização; (item 12.110)
 Todo operador e auxiliar devem receber treinamento específico com validade de 1 ano e
quando em serviço devem portar crachá de identificação, contendo nome completo,
fotografia e validade da autorização para operação da ponte rolante; (item 12.146)
 Realizar verificação de equipamento de acordo com uma check list específica; (item 12.110)
PONTE ROLANTE
ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO
 Equipamentos de proteção individual obrigatórios: (item 12.4)
 Óculos de proteção ;
 Colete refletivo;
 Protetor auricular, capacete, botas.
 O operador deve sempre solicitar a presença do auxiliar para orientá-lo na condução da carga
que estiver sendo transportada;
 NÃO É PERMITIDO deixar a carga suspensa após o encerramento do expediente devendo
acondiciona-la no local determinado; (item 12.85)
 NÃO É PERMITIDO o transporte de tambores e recipientes pressurizados ou outro objeto sobre a
carga que estiver sendo içada;
 Manutenção ou reparos devem ser feitos com a Ponte Rolante sem carga, com chave geral e a
chave seccionadora DESLIGADAS, estando esta última com cadeado, ficando a chave com o
profissional que estiver executando a manutenção; (item 12.113)
 É OBRIGATÓRIO a existência do alarme sonoro na ponte rolante, sendo que seu funcionamento
ocorre automaticamente quando a ponte rolante se movimenta; (item 12.33)
 É PROIBIDO elevar a carga presa pela ponta do gancho;
 Antes de executar a operação, inspecione visualmente toda a área, prevendo situações de colisão
com equipamentos e/ou pessoas. (item 12.13)
MESAS POSICIONADORAS
FUNÇÃO BÁSICA : equipamento que rotaciona tubos com velocidade
controlada destinado a soldagem, visando tornar os processos (TIG,
MIG/MAG, ER, Arame Tubular e Arco Submerso) semi-automáticos,
tornando-os assim mais produtivos, além de melhorar e garantir a
qualidade.
 Dimensões gerais: 1070 x 1170 x 2050 (altura) mm
 Capacidade de fixação da placa (gripper): ø2” -
ø40”.
 Altura ajustável do centro da placa em: 680 mm,
850 mm, 1030 mm ou 1200 mm
 Altura do olhal de içamento: 1880 mm.
 Carga suportada a 300 mm da placa: 1500 kg (M =
450 kgf.m)
 Torque (carga fora de centro suportada): 170 kgf.m
 Velocidade de giro: regulável de 0,2 a
2 rpm.
 Purga através do eixo (pode ser
conectado na parte traseira).
 Acionamento via pedal (liga/desliga).
 Alimentação 220 V monofásica.
 Peso aproximado: 530 kg
CARACTERÍSTICAS (Exemplo):
ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO
 Normalmente utilizada em oficinas (pipe shop e/ou pipe fit), quando instaladas,
precisam respeitar um distanciamento mínimo que garanta a segurança do operador e
das pessoas que circulem nas oficinas; (item 12.8.1)
 Verifique se a mesa está fixada pelos pinos
laterais e teste os comandos do painel
conforme figura;
 ATENÇÃO: O dispositivo de segurança tem a
finalidade de impedir a queda brusca da placa –
se o cabo estender-se muito rápido, o
dispositivo trava o cabo. Caso o fim de curso de
segurança seja acionado, o movimento será
bloqueado;
 Fixe o cabo terra da máquina de solda (ver figura) no
terminal que está atrás da placa giratória; (item 12.15)
 Para tubos maiores que 1,2m; é necessário utilizar o rolete
pantográfico para dividir a carga entre os apoios;
MESAS POSICIONADORAS
MESAS POSICIONADORAS
CARACTERÍSTICAS (Exemplo):
 Tipo: Ransome 25P
 Capacidade: 1ton.
 Basculamento: 0 ⁰ - 135 ⁰
FUNÇÃO BÁSICA : especialmente interessante para solda de flanges de encaixe,
onde a inclinação da mesa facilita o posicionamento para solda interna/externa.
 Velocidade máx.: 1,55rpm
 Diâmetro da mesa: 2”
 Carga suportada a 300 mm da placa:
750 kg (M = 288 kgf.m)
 Torque (carga fora de centro
suportada): 110 kgf.m
ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO
 Evitar qualquer contato com as partes móveis do equipamento enquanto estiver em uso; (item
12.14)
 Elaborar a APR (Análise Preliminar de Risco), em consonância com instrução de trabalho
específica; (item 12.110)
 Atentar-se ao tipo de voltagem do equipamento antes da energização;
 É PROIBIDO uso de adornos (colares, pulseiras, brincos);
 Realizar verificação de equipamento de acordo com uma check list específica. (item 12.110)
 Equipamentos de proteção individual obrigatórios: (item 12.4)
 Óculos de proteção e protetor facial;
 Avental e luvas de raspa;
 Protetor auricular, capacete, botas.
MÁQUINA DE CORTE PLASMA
FUNÇÃO BÁSICA : equipamento utilizado no corte de materiais ou mais
comumente material metálico condutor, aço estrutural, aço inoxidável e metais
não ferrosos. Pode ser um processo complementar para trabalhos especiais, tais
como a produção de pequenas séries, atingindo tolerâncias apertadas ou
acabamentos melhorados.
CARACTERÍSTICAS/COMPONENTES (Exemplo):
 Tocha e fonte de corte plasma;
 Sistema de giro com corrente (cortubox);
 Mesa de corte (Diâm. Máx.: 60”; Carga máx.: 100kg);
 Calha coletora de borra e sistema de sucção e lavagem de gases ;
ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO
 Elaborar a APR (Análise Preliminar de Risco), em consonância com instrução de trabalho específica;
(item 12.110)
 Atentar-se para a tensão de entrada para alimentação do equipamento x tensão disponível; (item
12.14)
 Qualquer tipo de intervenção que vise a manutenção do equipamento deverá ser realizada por
profissional capacitado, sob a supervisão de um profissional habilitado; (item 12.135)
 Segregar e destinar os resíduos gerados na atividade de acordo com as determinações contidas no
PGA – Plano de Gerenciamento Ambiental da Obra;
 Realizar verificação de equipamento de acordo com uma check list específica. (item 12.110)
 Utilizar os EPI’s básicos: óculos, capacete, botina e protetor auricular. (item 12.4)
TALHAS DE IÇAMENTO
FUNÇÃO BÁSICA : equipamento utilizado basicamente para içamento
ou movimentação de cargas e equipamentos possibilitando fixação ou
arraste de peças.
CAPACIDADE USUAL: 1,5 – 3ton
FABRICANTE USUAL: Berg Steel
ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO
 Todo dispositivo de içamento ou arraste de cargas, quando em operação, deve ter o seu
acionamento sinalizado através de etiquetas de bloqueio, advertindo quanto aos riscos do
acionamento deste equipamento;
 Aquele que por imprudência, imperícia ou negligência retirar ou apagar os dados da etiqueta sem
o conhecimento do responsável, fica sujeito às sanções administrativas ou até mesmo criminais;
 Toda carga suspensa tem o risco de queda; (item 12.93)
 Equipamentos de proteção individual obrigatórios: óculos de proteção , protetor auricular,
capacete e botas; (item 12.4)
 Realizar verificação de equipamento de acordo com uma check list específica. (item 12.110)
TALHAS DE IÇAMENTO
ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO
 Exemplo de acionamento de equipamento sinalizado através
de etiquetas de bloqueio, advertindo quanto aos riscos do
acionamento do equipamento (Talha e Tirfor).
TALHA TIRFOR
GUINCHO TIRFOR
FUNÇÃO BÁSICA : equipamento utilizado para remoção de
máquinas, peças e equipamentos (arraste horizontal).
CAPACIDADE USUAL: 1,6ton
FABRICANTE USUAL: Berg Steel e CIDAM
ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO
 Todo dispositivo de içamento ou arraste de cargas, quando em operação, deve ter o seu
acionamento sinalizado através de etiquetas de bloqueio, advertindo quanto aos riscos do
acionamento deste equipamento;
 Aquele que por imprudência, imperícia ou negligência retirar ou apagar os dados da etiqueta sem
o conhecimento do responsável, fica sujeito às sanções administrativas ou até mesmo criminais;
 Toda carga suspensa tem o risco de queda; (item 12.93)
 NÃO É PERMITIDO usar o tirfor para içamento de cargas;
 Equipamentos de proteção individual obrigatórios: óculos de proteção , protetor auricular,
capacete e botas; (item 12.4)
 Realizar verificação de equipamento de acordo com uma check list específica. (item 12.110)
 NUNCA apoiar a carcaça do Tirfor em lajes, pisos ou outras estruturas
GUINCHO TIRFOR
 Utilizar de uma estrutura de tripé ou similar , projetada para
aplicações que necessitem do dispositivo em posição específica
que não apoiada em pisos de forma que o Tirfor fique em posição
suspensa.
ROSQUEADEIRAS
FUNÇÃO BÁSICA : maquina utilizada para confeccionar roscas em
tubos, conduites ou vergalhões, sendo mais utilizada em tubos
(Ferro, Aço Carbono, Inox e Cobre).
CAPACIDADE USUAL: 1/8” - 2” (expansível até 6" com acessórios)
FABRICANTE USUAL: RIDGID Modelo 535-T
MOTOR: 1,5 HP, trifásico. 220V/380V
CAIXA: 3 velocidades (17, 46 e 56 RPM)
ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO
 SEMPRE utilizar óleo de corte;
 Reparos, limpeza, ajuste e inspeções só serão permitidos com a máquina desligada; (item 12.113)
 Equipamentos de proteção individual obrigatórios: óculos de proteção , protetor auricular,
capacete e botas; (item 12.4)
 PROIBIDO utilizar luvas, anéis, correntes e pulseiras;
 Realizar verificação de equipamento de acordo com uma check list específica; (item 12.110)
 Não fazer roscas em tubos:
 Com pontas amassadas;
 Com pontas fora de esquadro;
 Com pontas com rebarbas;
 Cortados com maçarico (calor cria têmpera no tubo que pode danificar os cossinetes).
ESMERIL DE BANCADA/PEDESTAL
FUNÇÃO BÁSICA : maquina composta por pedras duras feitas de óxido de
alumínio e minerais como magnetita utilizadas para desbaste de metais,
plásticos, madeira e outros materiais afim de promover superfícies lisas
e com ângulos desejáveis.
CAPACIDADE USUAL: 10”
FABRICANTE USUAL: JOWA
MOTOR: 1 a 10CV/ 220V
ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO
 Atente-se para a voltagem de rede e se a máquina está desligada antes de liga-la na tomada;
(item 12.14)
 Atentar para a projeção de fagulhas, se possível proteger a área com anteparo; (item 12.48)
 Esta atividade deve ter APR (Análise Preliminar de Risco) específica elaborada pelo técnico de
SMS;
 Realizar verificação de equipamento de acordo com uma check list específica; (item 12.110)
 Equipamentos de proteção individual obrigatórios: (item 12.4)
 Óculos de proteção e protetor facial;
 Protetor auricular, capacete, botas.
 É PROIBIDO utilizar luvas, anéis, correntes e pulseiras.
 Reparos, limpeza, ajuste e inspeções só serão permitidos com a máquina desligada; (item 12.113)
FURADEIRA DE COLUNA
ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO
 SEMPRE utilizar óleo de corte;
 Reparos, limpeza, ajuste e inspeções só serão permitidos com a máquina desligada; (item 12.113)
 Equipamentos de proteção individual obrigatórios: óculos de proteção , protetor auricular,
capacete e botas (obs.: manter as roupas bem fechadas e abotoadas); (item 12.4)
 PROIBIDO utilizar luvas, anéis, correntes e pulseiras;
 Realizar verificação de equipamento de acordo com uma check list específica; (item 12.110)
 NUNCA fixar com as mãos as peças a serem furadas.
FUNÇÃO BÁSICA : máquina que tem como função principal a execução de
furos. Outras operações, tais como alargamento e rebaixamento, também
podem ser realizadas.
FABRICANTE USUAL: KONE Modelos KM-25 e KM-30
MOTOR: 0,75 / 1,5 CV
CAIXA: 200-1300RPM
PROFUNIDADE / DIÂMETRO: 180mm / 30mm em aço
CURSO VERTICAL DA MESA: 620mm
FURADEIRA DE BASE MAGNÉTICA
FUNÇÃO BÁSICA : máquina que tem como função principal a
execução de furos e é fixada em bancadas por base magnética.
Outras operações, tais como alargamento e rebaixamento,
também podem ser realizadas.
CAPACIDADE USUAL: 5/8”, 1 ¼”, 2”.
FABRICANTE USUAL: Bosch
MOTOR/POTÊNCIA: Universal / 350-1150W
CAIXA: 400-4000RPM
ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO
 SEMPRE utilizar óleo de corte;
 Reparos, limpeza, ajuste e inspeções só serão permitidos com a máquina desligada; (item 12.113)
 Equipamentos de proteção individual obrigatórios: óculos de proteção , protetor auricular,
capacete e botas (obs.: manter as roupas bem fechadas e abotoadas); (item 12.4)
 PROIBIDO utilizar luvas, anéis, correntes e pulseiras;
 Realizar verificação de equipamento de acordo com uma check list específica; (item 12.110)
 NUNCA fixar com as mãos as peças a serem furadas.
SERRA TICO TICO
FUNÇÃO BÁSICA : máquina utilizada para realização de corte em madeiras,
plástico, metais ou outros materiais constituída por uma lâmina estreita que
realiza um movimento de sobe e desce permitindo assim efetuar recortes.
FABRICANTE USUAL: Bosch
POTÊNCIA/ ROTAÇÃO USUAL: 400W / 1000 – 3100 RPM
CORTE: Profundidade de corte de 65mm / 45⁰ E 90 ⁰
LÂMINA: 18mm (comprimento)
ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO
 Atente-se para a voltagem de rede e se a máquina está desligada antes de liga-la na tomada;
(item 12.14)
 Equipamentos de proteção individual obrigatórios: (item 12.4)
 Óculos de proteção, mascara de proteção contra pó;
 Avental e luvas de raspa;
 Protetor auricular, capacete, botas.
 Realizar verificação de equipamento de acordo com uma check list específica; (item 12.110)
 Reparos, limpeza, ajuste e inspeções só serão permitidos com a máquina desligada; (item 12.113)
 Atentar para a projeção de fagulhas, se possível proteger a área com anteparo; (item 12.48)
 É PROIBIDO uso de adornos (colares, pulseiras, brincos).
SERRA DE FITA
FUNÇÃO BÁSICA : máquina utilizada para realização de corte em madeiras,
plástico, metais ou outros materiais constituída por uma lâmina em forma de
fita acoplada a equipamento semiautomático que realiza um movimento
contínuo permitindo efetuar recortes.
FABRICANTE USUAL: RONEMAK Modelo horizontal
POTÊNCIA/ ROTAÇÃO USUAL:
CORTE:
LÂMINA: 330mm (comprimento)
VELOCIDADE DE CORTE:
ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO
 Atente-se para a voltagem de rede e se a máquina está desligada antes de liga-la na tomada;
(item 12.14)
 Equipamentos de proteção individual obrigatórios: (item 12.4)
 Óculos de proteção, mascara de proteção contra pó;
 Protetor auricular, capacete, botas.
 Deve-se utilizar luva de raspa APENAS para posicionamento do material a ser cortado;
 Realizar verificação de equipamento de acordo com uma check list específica; (item 12.110)
 Reparos, limpeza, ajuste e inspeções só serão permitidos com a máquina desligada; (item 12.113)
 Atentar para a projeção de fagulhas, se possível proteger a área com anteparo; (item 12.48)
 É PROIBIDO uso de adornos (colares, pulseiras, brincos);
 SEMPRE utilizar óleo de corte;
SERRA POLICORTE
FUNÇÃO BÁSICA : máquina utilizada para realização de corte em madeiras,
plástico, metais ou outros materiais constituída por uma lâmina em forma
de disco acionado por energia elétrica.
FABRICANTE USUAL: RIDGID Modelo 614
MOTOR: Universal 15A/220V Bifásico – 1300RPM
LÂMINA: 355mm x 2,2mm x 80 dentes (14”) (proteção conforme itens
12.44 e 12.45)
CORTE: 45⁰ E 90 ⁰
ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO
 Corta tubo de aço carbono, PVC, cobre alumínio, até 5” (externo);
 NÃO usar em aço Inox;
 NÃO usar óleo de corte, a operação é a seco;
 Tubo de AC, cobre e alumínio NÃO deverá ter espessura < 3mm;
 Reparos, limpeza, ajuste e inspeções só serão permitidos com a máquina desligada; (item 12.113)
 Equipamentos de proteção individual obrigatórios: óculos de proteção , protetor auricular,
capacete, botas e proteção facial; (item 12.4)
 Deve-se utilizar luva de raspa APENAS para posicionamento do material a ser cortado;
 Realizar verificação de equipamento de acordo com uma check list específica; (item 12.110)
 Quando a máquina não estiver em operação, deixá-la desligada com o plug fora da tomada.
MARTELETE PNEUMÁTICO
FUNÇÃO BÁSICA : máquina de demolição utilizada para quebrar e
perfurar materiais resistentes como concreto, cimento e asfalto em
atividades de construção e manutenção das construções civis. Estes
equipamentos podem ser elétricos, pneumáticos ou ainda hidráulicos.
FREQUÊNCIA DE IMPACTO: 4600 impactos/min
POTÊNCIA USUAL: 650W
ENERGIA DE IMPACTO: 1.8J
FABRICANTE USUAL: HILT Modelos TE 2/TE 2M
ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO
 Reparos, limpeza, ajuste e inspeções só serão permitidos com a máquina desligada; (item 12.113)
 Equipamentos de proteção individual obrigatórios: (item 12.4)
 Óculos de proteção, mascara de proteção contra pó;
 Luvas de raspa;
 Protetor auricular, capacete, botas.
 Realizar verificação de equipamento de acordo com uma check list específica; (item 12.110)
 Atente-se para a voltagem de rede e se a máquina está desligada antes de liga-la na tomada;
(item 12.14)
 Remover ferramentas de ajuste ou chaves de boca antes de ligar a ferramenta eléctrica;
 É PROIBIDO uso de adornos (colares, pulseiras, brincos);
 É recomendável que não se retire (desmonte) a manopla.
RECOMENDAÇÕES GERAIS
DE MEIO AMBIENTE
ORIENTAÇÕES GERAIS
 Na utilização de lubrificantes, óleos de corte e afins promover o descarte
correto dos materiais conforme FISPQ ou recomendações da equipe de SMS;
 Promover o descarte correto de materiais consumíveis como discos de corte,
desbaste, chapas metálicas, etc. conforme padrões normativos pertinentes
e/ou exigências do cliente;
 Adequar ambiente de soldagem com sistema de exaustão próprio para
dispersão correta dos gases e fumos de soldagem;
 Promover e difundir a cultura/política do 5S em todos o ambiente de trabalho
e/ou frente de serviço.
OCORRÊNCIAS DE ACIDENTES
COM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS
 Obra Belo Monte – PA (30/05/2015) INSTALAÇÃO
O Consórcio Construtor Belo Monte (CCBM) confirmou, por volta de 19h deste sábado (30),
que o Corpo de Bombeiros de Altamira encontrou os corpos dos ajudantes de produção
Denivaldo Soares Aguiar, José da Conceição Ferreira da Silva e Pedro Henrique dos Santos
Silva, desaparecidos no acidente ocorrido na madrugada deste sábado no Sítio Belo Monte.
Outros três funcionários da obra ficaram feridos durante o ocorrido, um segue internado. O
CCBM afirma que presta todo o apoio às famílias das vítimas e colabora com o trabalho de
peritos e agentes da Polícia Civil. As obras no canteiro foram paralisadas.
Segundo a Polícia Civil de Altamira, no sudoeste do Pará, por volta de 2h, um silo de
estocagem de cimento, composto por tubos que têm capacidade para 1.200 toneladas, se
soltou e caiu sobre os trabalhadores na área industrial do sítio Belo Monte. Os três
funcionários feridos foram encaminhados para o Hospital Municipal de Altamira, onde
receberam atendimento médico. Dois deles tiveram alta e o terceiro permanece internado
com uma fratura no ombro. Em nota, o CCBM confirmou que o acidente ocorreu durante a
operação de descarga de um caminhão.
OCORRÊNCIAS DE ACIDENTES
COM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS
 Obra Belo Monte – PA (30/05/2015)
OCORRÊNCIAS DE ACIDENTES
COM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS
 Esmagamento por Máquina Industrial - MS (14/11/2012) OPERAÇÃO
Antonio Alves de Souza de 42 anos , teve a sua perna esmagada por uma máquina em uma
fecularia de Naviraí. O incidente aconteceu por volta das 23h50 de quarta-feira (14) na Fecularia
Salto Pilão, saída para o Assentamento Juncal de frente ao bairro Vila Nova. O industriário
trabalhava no local quando teve sua perna puxada por uma máquina. De acordo com informações
apuradas pela reportagem do site Portal do MS, a vítima subiu na máquina com uma marreta
para tentar desenroscar os resíduos de milho que a mesma puxada. Neste momento ele
escorregou e teve sua perna direita sugada.
Um colega de trabalho ao perceber o ocorrido, correu e desligou a máquina antes que ela
tragasse todo corpo de Antonio. O corpo de bombeiros de Naviraí foi acionados e após uma hora
de muito trabalho conseguiram soltar a vítima. A perna de Antonio ficou em forma de "V"
enrolada por uma estrutura de ferro. Parte da máquina teve que ser cortada com um esmeril para
retirar a perna da vítima.
Após ser retirado, Antonio foi levado até a Santa Casa de Naviraí, mas foi transferido para a
cidade de Dourados para que fosse feito uma cirurgia de emergência. Parte da perna de Antonio
foi amputada.
OCORRÊNCIAS DE ACIDENTES
COM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS
 Esmagamento por Máquina Industrial - MS (14/11/2012)
OCORRÊNCIAS DE ACIDENTES
COM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS
 Indústria Moveleira: Máquina Destopadeira - SC (30/04/2012) MANUT.
Na manhã do dia 4 de novembro de 2011, Rosane Lurdes da Silva Assis, de 32 anos, iniciava
mais um dia de trabalho na indústria moveleira em que trabalhava há 10 anos na cidade de
São Bento do Sul, em Santa Catarina, sem saber que seu dia seria marcado por um grave
acidente. Um defeito na máquina destopadeira, usada na fabricação de móveis, fez com que
a serra do equipamento mutilasse os dedos anelar e mínimo da sua mão direita.
Conforme a trabalhadora, a máquina apresentava defeitos e, embora os operários tivessem
solicitado providências para o conserto junto aos encarregados, a empresa não tomou
nenhuma atitude.
Além do risco de acidentes com máquinas e equipamentos, os trabalhadores do setor estão
expostos a riscos químicos por exposição à poeira e aos produtos utilizados no tratamento da
madeira, sem falar nos problemas ergonômicos devido às posturas inadequadas e esforços
da atividade. O ruído relacionado ao maquinário utilizado no processo produtivo também é
outra preocupação.
OCORRÊNCIAS DE ACIDENTES
COM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS
 Indústria Moveleira: Máquina Destopadeira - SC (30/04/2012)
ANEXO 1 - MODELO DO TESTE DE
AVALIAÇÃO DE EFICÁCIA
(item 12.139)
ANEXO 2 - MODELO DA AUTORIZAÇÃO DE
OPERAÇÃO DO EQUIPAMENTO
(item 12.143)
CONSIDERAÇÕES FINAIS
O MOMENTO DE TER SEGURANÇA É AGORA!
Sobre o autor:
Mateus Borges Pimenta, Engenheiro Mecânico, com
experiência em liderança de equipes, montagens industriais,
geração de energia e utilidades, melhoria de processos,
análise de falhas de equipamentos através da aplicação de
ferramentas da qualidade, gestão das normas NR12 e NR13 e
desenvolvimento de pequenos projetos no ramo automotivo.
Conhecedor de ferramentas para melhoria contínua de
processos, cursando Green Belt em Lean Seis Sigma na
Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ.
SEGURANÇA EM PRIMEIRO LUGAR!
CONTATO:
msbpimenta@uol.com.br
https://www.linkedin.com/in/mateusbpimentaengenharia
(24) 99864-7725

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Treinamento NR-12- 2023.pptx
Treinamento NR-12- 2023.pptxTreinamento NR-12- 2023.pptx
Treinamento NR-12- 2023.pptx
Antonio Bezerra
 
Treinamento nr34 trabalho a quente novo
Treinamento nr34 trabalho a quente novoTreinamento nr34 trabalho a quente novo
Treinamento nr34 trabalho a quente novo
Marciel Bernardes
 
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
José Valfrido
 
Permissao para-trabalho-a-quente
Permissao para-trabalho-a-quentePermissao para-trabalho-a-quente
Permissao para-trabalho-a-quente
Jose Fernandes
 
treinamento nr 18
treinamento nr 18treinamento nr 18
treinamento nr 18
pwolter
 
treinamento de NR-12 - Voltado para Construção civil.pptx
treinamento de NR-12 - Voltado para Construção civil.pptxtreinamento de NR-12 - Voltado para Construção civil.pptx
treinamento de NR-12 - Voltado para Construção civil.pptx
IsacPintoCampeche
 
Treinamento nr 12
Treinamento nr 12Treinamento nr 12
Treinamento nr 12
Alexandre Bastos
 
Treinamento para Segurança em Trabalho a Quente.pptx (1).pptx
Treinamento para Segurança em Trabalho a Quente.pptx (1).pptxTreinamento para Segurança em Trabalho a Quente.pptx (1).pptx
Treinamento para Segurança em Trabalho a Quente.pptx (1).pptx
Rudinei de Moura
 
Modelo apr perfuratriz
Modelo apr perfuratrizModelo apr perfuratriz
Modelo apr perfuratriz
RosaneLopes14
 
Nr 12 Maquinas e Equipamento Resumo
Nr 12 Maquinas e Equipamento ResumoNr 12 Maquinas e Equipamento Resumo
Nr 12 Maquinas e Equipamento Resumo
Mariana Lima
 
Treinamento nr 12
Treinamento nr 12Treinamento nr 12
Treinamento nr 12
RogrioTorresTorres
 
Treinamento proteções de maquinas
Treinamento proteções de maquinasTreinamento proteções de maquinas
Treinamento proteções de maquinas
Flaviano Rodrigues
 
Nr 12 canteiro de obras
Nr 12   canteiro de obrasNr 12   canteiro de obras
Nr 12 canteiro de obras
jhonatantst
 
Treinamento de integração nr 1 upload
Treinamento de integração nr 1 uploadTreinamento de integração nr 1 upload
Treinamento de integração nr 1 upload
Vinicius Loiola Beserra
 
Power+point+nr+11
Power+point+nr+11Power+point+nr+11
Power+point+nr+11
Gil Mendes
 
Capacitação nr 12
Capacitação nr 12Capacitação nr 12
Capacitação nr 12
Anderson Fluflu
 
Nr12 apresentacao-maquinas-e-equipamentos-mte
Nr12 apresentacao-maquinas-e-equipamentos-mteNr12 apresentacao-maquinas-e-equipamentos-mte
Nr12 apresentacao-maquinas-e-equipamentos-mte
Renato Cardoso
 
Treinamento pta
Treinamento ptaTreinamento pta
Treinamento pta
RogrioTorresTorres
 
Nr 35 protemar
Nr 35 protemarNr 35 protemar
Nr 35 protemar
PopiWeirich1
 
Treinamento nr 11 07052021
Treinamento nr 11  07052021Treinamento nr 11  07052021
Treinamento nr 11 07052021
Burh Empresas
 

Mais procurados (20)

Treinamento NR-12- 2023.pptx
Treinamento NR-12- 2023.pptxTreinamento NR-12- 2023.pptx
Treinamento NR-12- 2023.pptx
 
Treinamento nr34 trabalho a quente novo
Treinamento nr34 trabalho a quente novoTreinamento nr34 trabalho a quente novo
Treinamento nr34 trabalho a quente novo
 
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
 
Permissao para-trabalho-a-quente
Permissao para-trabalho-a-quentePermissao para-trabalho-a-quente
Permissao para-trabalho-a-quente
 
treinamento nr 18
treinamento nr 18treinamento nr 18
treinamento nr 18
 
treinamento de NR-12 - Voltado para Construção civil.pptx
treinamento de NR-12 - Voltado para Construção civil.pptxtreinamento de NR-12 - Voltado para Construção civil.pptx
treinamento de NR-12 - Voltado para Construção civil.pptx
 
Treinamento nr 12
Treinamento nr 12Treinamento nr 12
Treinamento nr 12
 
Treinamento para Segurança em Trabalho a Quente.pptx (1).pptx
Treinamento para Segurança em Trabalho a Quente.pptx (1).pptxTreinamento para Segurança em Trabalho a Quente.pptx (1).pptx
Treinamento para Segurança em Trabalho a Quente.pptx (1).pptx
 
Modelo apr perfuratriz
Modelo apr perfuratrizModelo apr perfuratriz
Modelo apr perfuratriz
 
Nr 12 Maquinas e Equipamento Resumo
Nr 12 Maquinas e Equipamento ResumoNr 12 Maquinas e Equipamento Resumo
Nr 12 Maquinas e Equipamento Resumo
 
Treinamento nr 12
Treinamento nr 12Treinamento nr 12
Treinamento nr 12
 
Treinamento proteções de maquinas
Treinamento proteções de maquinasTreinamento proteções de maquinas
Treinamento proteções de maquinas
 
Nr 12 canteiro de obras
Nr 12   canteiro de obrasNr 12   canteiro de obras
Nr 12 canteiro de obras
 
Treinamento de integração nr 1 upload
Treinamento de integração nr 1 uploadTreinamento de integração nr 1 upload
Treinamento de integração nr 1 upload
 
Power+point+nr+11
Power+point+nr+11Power+point+nr+11
Power+point+nr+11
 
Capacitação nr 12
Capacitação nr 12Capacitação nr 12
Capacitação nr 12
 
Nr12 apresentacao-maquinas-e-equipamentos-mte
Nr12 apresentacao-maquinas-e-equipamentos-mteNr12 apresentacao-maquinas-e-equipamentos-mte
Nr12 apresentacao-maquinas-e-equipamentos-mte
 
Treinamento pta
Treinamento ptaTreinamento pta
Treinamento pta
 
Nr 35 protemar
Nr 35 protemarNr 35 protemar
Nr 35 protemar
 
Treinamento nr 11 07052021
Treinamento nr 11  07052021Treinamento nr 11  07052021
Treinamento nr 11 07052021
 

Semelhante a Treinamento NR 12

TREINAMENTO NR 12 - SEGURANÇA DO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS.ppt
TREINAMENTO NR 12 - SEGURANÇA DO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS.pptTREINAMENTO NR 12 - SEGURANÇA DO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS.ppt
TREINAMENTO NR 12 - SEGURANÇA DO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS.ppt
AndriellyCordeiro1
 
NR 12 - Treinamento modelo.ppt
NR 12 - Treinamento modelo.pptNR 12 - Treinamento modelo.ppt
NR 12 - Treinamento modelo.ppt
BelarminoFelix
 
Treinamento NR12 - Obra.pptx
Treinamento NR12 - Obra.pptxTreinamento NR12 - Obra.pptx
Treinamento NR12 - Obra.pptx
smscentauro
 
treinamento nr12 2023.pptx
treinamento nr12 2023.pptxtreinamento nr12 2023.pptx
treinamento nr12 2023.pptx
FelipeMarketingDigit
 
NR12.pptx
NR12.pptxNR12.pptx
NR12.pptx
MariaNeide16
 
Treinamento maquinas e equipamentos - nr12
Treinamento maquinas e equipamentos - nr12Treinamento maquinas e equipamentos - nr12
Treinamento maquinas e equipamentos - nr12
CiceroRamon3
 
Nr 12 (atualizada 2013) iii - (sem 30 meses) (1)
Nr 12 (atualizada 2013) iii - (sem 30 meses) (1)Nr 12 (atualizada 2013) iii - (sem 30 meses) (1)
Nr 12 (atualizada 2013) iii - (sem 30 meses) (1)
odibert
 
PALESTRA - NR 12 INCEFRA.pdf
PALESTRA - NR 12 INCEFRA.pdfPALESTRA - NR 12 INCEFRA.pdf
PALESTRA - NR 12 INCEFRA.pdf
RodrigoMarcucci1
 
Palestra-NR12-22062017.pdf
Palestra-NR12-22062017.pdfPalestra-NR12-22062017.pdf
Palestra-NR12-22062017.pdf
tlgdmeno
 
Palestra nr12-22062017
Palestra nr12-22062017Palestra nr12-22062017
Palestra nr12-22062017
AlessandraCristinaDa3
 
Palestra NR12 Segurança em Máquinas e Equipamentos
Palestra NR12 Segurança em Máquinas e EquipamentosPalestra NR12 Segurança em Máquinas e Equipamentos
Palestra NR12 Segurança em Máquinas e Equipamentos
LucasMonteiro551753
 
NR_12_atualizada (1).pdf
NR_12_atualizada (1).pdfNR_12_atualizada (1).pdf
NR_12_atualizada (1).pdf
LobosdavilaBelm
 
Nr 12 (atualizada 2013) III - (sem 30 meses)
Nr 12 (atualizada 2013) III - (sem 30 meses)Nr 12 (atualizada 2013) III - (sem 30 meses)
Nr 12 (atualizada 2013) III - (sem 30 meses)
g30miranda
 
Nr 12
Nr 12Nr 12
Nr 12 nova
Nr 12 novaNr 12 nova
Nr 12 Segurança de Equipamentos 20111
Nr 12 Segurança de Equipamentos 20111Nr 12 Segurança de Equipamentos 20111
Nr 12 Segurança de Equipamentos 20111
George Mello
 
Nr 12 (atualizada 2011) ii
Nr 12 (atualizada 2011) iiNr 12 (atualizada 2011) ii
Nr 12 (atualizada 2011) ii
naysatler
 
Nr 12 (atualizada 2011)
Nr 12 (atualizada 2011) Nr 12 (atualizada 2011)
Nr 12 (atualizada 2011)
Gerson Roberto da Silva
 
Nr 12 texto
Nr 12 textoNr 12 texto
Nr 12 texto
Raul Cristino
 
Ciesp nr 12
Ciesp nr 12Ciesp nr 12
Ciesp nr 12
Manoel Benedito
 

Semelhante a Treinamento NR 12 (20)

TREINAMENTO NR 12 - SEGURANÇA DO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS.ppt
TREINAMENTO NR 12 - SEGURANÇA DO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS.pptTREINAMENTO NR 12 - SEGURANÇA DO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS.ppt
TREINAMENTO NR 12 - SEGURANÇA DO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS.ppt
 
NR 12 - Treinamento modelo.ppt
NR 12 - Treinamento modelo.pptNR 12 - Treinamento modelo.ppt
NR 12 - Treinamento modelo.ppt
 
Treinamento NR12 - Obra.pptx
Treinamento NR12 - Obra.pptxTreinamento NR12 - Obra.pptx
Treinamento NR12 - Obra.pptx
 
treinamento nr12 2023.pptx
treinamento nr12 2023.pptxtreinamento nr12 2023.pptx
treinamento nr12 2023.pptx
 
NR12.pptx
NR12.pptxNR12.pptx
NR12.pptx
 
Treinamento maquinas e equipamentos - nr12
Treinamento maquinas e equipamentos - nr12Treinamento maquinas e equipamentos - nr12
Treinamento maquinas e equipamentos - nr12
 
Nr 12 (atualizada 2013) iii - (sem 30 meses) (1)
Nr 12 (atualizada 2013) iii - (sem 30 meses) (1)Nr 12 (atualizada 2013) iii - (sem 30 meses) (1)
Nr 12 (atualizada 2013) iii - (sem 30 meses) (1)
 
PALESTRA - NR 12 INCEFRA.pdf
PALESTRA - NR 12 INCEFRA.pdfPALESTRA - NR 12 INCEFRA.pdf
PALESTRA - NR 12 INCEFRA.pdf
 
Palestra-NR12-22062017.pdf
Palestra-NR12-22062017.pdfPalestra-NR12-22062017.pdf
Palestra-NR12-22062017.pdf
 
Palestra nr12-22062017
Palestra nr12-22062017Palestra nr12-22062017
Palestra nr12-22062017
 
Palestra NR12 Segurança em Máquinas e Equipamentos
Palestra NR12 Segurança em Máquinas e EquipamentosPalestra NR12 Segurança em Máquinas e Equipamentos
Palestra NR12 Segurança em Máquinas e Equipamentos
 
NR_12_atualizada (1).pdf
NR_12_atualizada (1).pdfNR_12_atualizada (1).pdf
NR_12_atualizada (1).pdf
 
Nr 12 (atualizada 2013) III - (sem 30 meses)
Nr 12 (atualizada 2013) III - (sem 30 meses)Nr 12 (atualizada 2013) III - (sem 30 meses)
Nr 12 (atualizada 2013) III - (sem 30 meses)
 
Nr 12
Nr 12Nr 12
Nr 12
 
Nr 12 nova
Nr 12 novaNr 12 nova
Nr 12 nova
 
Nr 12 Segurança de Equipamentos 20111
Nr 12 Segurança de Equipamentos 20111Nr 12 Segurança de Equipamentos 20111
Nr 12 Segurança de Equipamentos 20111
 
Nr 12 (atualizada 2011) ii
Nr 12 (atualizada 2011) iiNr 12 (atualizada 2011) ii
Nr 12 (atualizada 2011) ii
 
Nr 12 (atualizada 2011)
Nr 12 (atualizada 2011) Nr 12 (atualizada 2011)
Nr 12 (atualizada 2011)
 
Nr 12 texto
Nr 12 textoNr 12 texto
Nr 12 texto
 
Ciesp nr 12
Ciesp nr 12Ciesp nr 12
Ciesp nr 12
 

Mais de Mauro Sergio Vales de Souza

02 bia - teoria do fogo
02   bia - teoria do fogo02   bia - teoria do fogo
02 bia - teoria do fogo
Mauro Sergio Vales de Souza
 
Ar 02 carga e descarga de materiais
Ar 02 carga e descarga de materiaisAr 02 carga e descarga de materiais
Ar 02 carga e descarga de materiais
Mauro Sergio Vales de Souza
 
Plano de ss para completacao mecanica umsa (2)
Plano de ss para completacao mecanica umsa (2)Plano de ss para completacao mecanica umsa (2)
Plano de ss para completacao mecanica umsa (2)
Mauro Sergio Vales de Souza
 
Anexo b modelo de rma
Anexo b  modelo de rmaAnexo b  modelo de rma
Anexo b modelo de rma
Mauro Sergio Vales de Souza
 
Pro 0001 relatório gerencial
Pro 0001   relatório gerencialPro 0001   relatório gerencial
Pro 0001 relatório gerencial
Mauro Sergio Vales de Souza
 
Anexo b modelo de rma
Anexo b  modelo de rmaAnexo b  modelo de rma
Anexo b modelo de rma
Mauro Sergio Vales de Souza
 
T 20-operacoes-com-serra-circular
T 20-operacoes-com-serra-circularT 20-operacoes-com-serra-circular
T 20-operacoes-com-serra-circular
Mauro Sergio Vales de Souza
 

Mais de Mauro Sergio Vales de Souza (7)

02 bia - teoria do fogo
02   bia - teoria do fogo02   bia - teoria do fogo
02 bia - teoria do fogo
 
Ar 02 carga e descarga de materiais
Ar 02 carga e descarga de materiaisAr 02 carga e descarga de materiais
Ar 02 carga e descarga de materiais
 
Plano de ss para completacao mecanica umsa (2)
Plano de ss para completacao mecanica umsa (2)Plano de ss para completacao mecanica umsa (2)
Plano de ss para completacao mecanica umsa (2)
 
Anexo b modelo de rma
Anexo b  modelo de rmaAnexo b  modelo de rma
Anexo b modelo de rma
 
Pro 0001 relatório gerencial
Pro 0001   relatório gerencialPro 0001   relatório gerencial
Pro 0001 relatório gerencial
 
Anexo b modelo de rma
Anexo b  modelo de rmaAnexo b  modelo de rma
Anexo b modelo de rma
 
T 20-operacoes-com-serra-circular
T 20-operacoes-com-serra-circularT 20-operacoes-com-serra-circular
T 20-operacoes-com-serra-circular
 

Último

FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
Deiciane Chaves
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 

Último (20)

FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 

Treinamento NR 12

  • 2. OBJETIVO DO TREINAMENTO  Esse treinamento tem como objetivo sensibilizar e capacitar os colaboradores quanto as exigências de segurança na instalação, operação e manutenção de máquinas e equipamentos mais utilizados nas respectivas frentes de serviço das obras e grande empreendimentos.  Tal treinamento visa promover o melhor entendimento da importância da segurança durante a execução do trabalho, principalmente portando e/ou operando os equipamentos pertinentes ao serviço e conhecer a norma regulamentadora do Ministério do Trabalho e Emprego que regulamenta as diretrizes para a segurança no manuseio desses equipamentos, que é a NR12.
  • 3. NR-12 – CONCEITUAÇÃO GERAL A NR12 é uma Norma Regulamentadora do Ministério do Trabalho e Emprego referente a SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. Sua primeira publicação data de 08/06/1978 e se caracterizou como um formato normativo estruturado baseado nas premissas estabelecidas na CLT – Consolidação das Leis Trabalhistas em seus artigos 184, 185 e 186. Sua última atualização data de 21/09/2016. Em seus “Princípios Gerais”, assim diz o item 12.1: “Esta Norma Regulamentadora e seus anexos definem referências técnicas, princípios fundamentais e medidas de proteção para garantir a saúde e a integridade física dos trabalhadores e estabelece requisitos mínimos para a prevenção de acidentes e doenças do trabalho nas fases de projeto e de utilização de máquinas e equipamentos de todos os tipos, e ainda à sua fabricação, importação, comercialização, exposição e cessão a qualquer título, em todas as atividades econômicas...”
  • 4. SEGURANÇA DO TRABALHO E A NR-12 CENÁRIO NACIONAL  Em 2013, foram registrados 432.254 acidentes de trabalhos típicos, isto é, aqueles no ambiente de trabalho e que podem ser evitados, contabilizando um aumento de 1,5% em relação a 2012 (pior marca em 7 anos);  111.601 acidentes de trajeto, contabilizando 8,3% a mais que 2012 (pior marca em 44 anos);  De 2012 para 2013, aumentaram os óbitos em 1,1% e as incapacidades temporárias em 0,9%, somando 613.601 benefícios pagos ou 83,21% dos acidentes liquidados;  Em 2013, apenas 11 tipos de máquinas como serras; calandras; prensas; tornos; fresadoras; laminadoras; máquinas de embalar, provocaram 55.118 acidentes, cerca de 10% dos acidentes registrados pelas empresas no Brasil. Fonte: Revista Proteção (Dados AEPS 2013)
  • 5. Define-se como Segurança do trabalho (ou também denominado segurança ocupacional) um conjunto de ciências e tecnologias que tem o objetivo de promover a proteção do trabalhador no seu local de trabalho, visando a redução de acidentes do trabalho e doenças ocupacionais. Além disso, a segurança do trabalho trata-se de uma ciência multidisciplinar, sendo constituída por diversas outras disciplinas, tais como: medicina do trabalho, psicologia, ergonomia, higiene do trabalho, meio ambiente, combate a incêndios, saúde, engenharia, entre outras. Destacam-se entre as principais atividades da segurança do trabalho:  Prevenção de acidentes;  Promoção da saúde;  Prevenção de incêndios. “Nenhum trabalho será tão urgente, que não possa ser planejado e executado com segurança. O trabalho é necessário, a segurança importante, a vida essencial. Respeite a vida, trabalhe com segurança!” IMPORTÂNCIA DA CULTURA SMS
  • 6. EQUIPAMENTOS BÁSICOS DE OBRAS E GRANDES EMPREENDIMENTOS  Esmerilhadeiras Manuais;  Retíficas;  Máquinas de solda;  Ponte Rolante;  Mesas Posicionadoras;  Máquina de Corte Plasma;  Talhas de içamento;  Rosqueadeiras;  Esmeril de Pedestal;  Furadeiras de Coluna;  Furadeiras de base magnética;  Tirfor;  Serra Tico-Tico;  Serra de Fita;  Serra Policorte;  Martelete Pneumático.
  • 7. LIXADEIRAS / ESMERILHADEIRAS FUNÇÃO BÁSICA : equipamentos rotativos de alta potência e rotação utilizados para:  Desbaste completo de materiais e cordões de solda;  Chanfros com grande remoção de material;  Cortes em metal. POTÊNCIA/ROTAÇÃO USUAL: 2400W/acima de 6000RPM FABRICANTE USUAL: Bosch ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO  Atentar para fixação dos discos com chave de aperto adequada. NÃO UTILIZAR outras ferramentas como marretas;  Montar os discos compatíveis em diâmetro e rotação da máquina;  É recomendável que não se retire (desmonte) a manopla;  NUNCA use a esmerilhadeira sem a capa de proteção do disco; (itens 12.38 e 12.41)  Atente-se para a voltagem de rede e se a máquina está desligada antes de liga-la na tomada; (item 12.14)  Atentar para a projeção de fagulhas, se possível proteger a área com anteparo; (item 12.48)  Reparos, limpeza, ajuste e inspeções só serão permitidos com a máquina desligada; (item 12.113)
  • 8. LIXADEIRAS / ESMERILHADEIRAS ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO  Esta atividade deve ter APR (Análise Preliminar de Risco) específica elaborada pelo técnico de SMS; (item 12.110)  Realizar verificação de equipamento de acordo com uma check list específica; (item 12.110)  Equipamentos de proteção individual obrigatórios: (item 12.4)  Óculos de proteção e protetor facial;  Avental e luvas de raspa;  Protetor auricular, capacete, botas.  É PROIBIDO, em esmerilhadeiras:  Afiar ferramentas ou objetos pontiagudos com os discos.  Utilizar discos de corte para desbastar.  Utilizar esmerilhadeira como politriz. POSIÇÃO CORRETA DE CORTE POSIÇÃO CORRETA DE DESBASTE
  • 9. RETÍFICAS FUNÇÃO BÁSICA : equipamentos rotativos de alta potência e rotação utilizados para retificar, ou seja, de tornar reto ou exato, dispor em linha reta, corrigir e polir peças e componentes cilíndricos ou planos. POTÊNCIA USUAL: acima de 500W ROTAÇÃO USUAL: 10000-30000RPM FABRICANTE USUAL: Bosch ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO  Atente-se para a voltagem de rede e se a máquina está desligada antes de liga-la na tomada; (item 12.14)  Equipamentos de proteção individual obrigatórios: (item 12.4)  Óculos de proteção, mascara de proteção contra pó e protetor facial;  Avental e luvas de raspa;  Protetor auricular, capacete, botas.  Realizar verificação de equipamento de acordo com uma check list específica; (item 12.110)  Reparos, limpeza, ajuste e inspeções só serão permitidos com a máquina desligada; (item 12.113)  Materiais que contém amianto NÃO devem ser trabalhados;  Proteger as ferramentas abrasivas contra golpes, trepidações e gordura;  Atentar para a projeção de fagulhas, se possível proteger a área com anteparo; (item 12.48)  É PROIBIDO uso de adornos (colares, pulseiras, brincos).
  • 10. MÁQUINAS DE SOLDAGEM FUNÇÃO BÁSICA : equipamentos estacionários de alta potência utilizados para realizar o processo de soldagem, ou seja, a união localizada de materiais, similares ou não, de forma permanente. POTÊNCIA USUAL: acima de 10KVA FREQUÊNCIA USUAL: 50/60Hz TENSÃO/CORRENTE USUAL: 220/380/440 VAC / 4-600A FABRICANTE USUAL: Diversos ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO  Atente-se para a voltagem de rede e se a máquina está desligada antes de liga-la na tomada; (item 12.14)  Equipamentos de proteção individual obrigatórios: (item 12.4)  Óculos de proteção, mascara padrão de solda e mascara de proteção contra pó;  Avental, perneiras, braçadeiras e luvas de raspa;  Protetor auricular, capacete, botas e tocas.  Realizar verificação de equipamento de acordo com uma check list específica; (item 12.110)  Reparos, limpeza, ajuste e inspeções só serão permitidos com a máquina desligada; (item 12.113)  Os locais destinados a solda não devem conter líquidos ou gases inflamáveis ou sólidos combustíveis; (item 12.107)  Instalar biombos metálicos ou proteções não inflamáveis ou combustíveis para evitar que o calor, as fagulhas, os respingos ou as escórias possam atingir materiais inflamáveis; (item 12.48)
  • 11. MÁQUINAS DE SOLDAGEM ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO  NUNCA soldar, cortar ou realizar qualquer operação a quente numa peça que não tenha sido adequadamente limpa;  Não soldar, cortar ou goivarem recipientes fechados ou que não tenham sido devidamente esvaziados e limpos internamente; (item 12.107)  Locais tais como poços, tanques, sótãos, etc. devem ser considerados como áreas confinadas;  Manter-se fora da zona de propagação dos fumos (item 12.107)  Sempre conservar as mangueiras e conexões de gás em boas condições de trabalho; (item 12.78)  Os cilindros de gás devem sempre ser mantidos em posição vertical e NUNCA conservados em áreas confinadas; (item 12.82)  Fora de funcionamento, as válvulas dos cilindros devem estar fechadas;  Sempre manter cilindros de gás distantes de chamas e de fontes de faíscas ou de calor; (item 12.82)  Aterrar os equipamentos e seus acessórios a um ponto seguro de aterramento; (itens 12.14 e 12.15)  Assegurar-se de que todas as conexões elétricas estão bem apertadas, limpas e secas; (item 12.16)  É PROIBIDO uso de adornos (colares, pulseiras, brincos);  SEMPRE ligar uma máquina de soldar ou cortar à sua linha de alimentação através de uma chave geral.
  • 12. PONTE ROLANTE FUNÇÃO BÁSICA : equipamento utilizado no transporte horizontal (movimentação) e vertical (içamento) de cargas. CAPACIDADE USUAL: 2 – 5ton FABRICANTE USUAL: Rovela ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO  Atentar para a demarcação da carga máxima de trabalho permitida no corpo da ponte rolante. NÃO ULTRAPASSAR a carga máxima em nenhuma hipótese; (item 12.87)  O Técnico de Segurança juntamente com o encarregado e demais envolvidos na operação devem elaborar a APR e/ou IPAR (Identificação dos Perigos e Avaliação de Riscos) antes de sua utilização; (item 12.110)  Todo operador e auxiliar devem receber treinamento específico com validade de 1 ano e quando em serviço devem portar crachá de identificação, contendo nome completo, fotografia e validade da autorização para operação da ponte rolante; (item 12.146)  Realizar verificação de equipamento de acordo com uma check list específica; (item 12.110)
  • 13. PONTE ROLANTE ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO  Equipamentos de proteção individual obrigatórios: (item 12.4)  Óculos de proteção ;  Colete refletivo;  Protetor auricular, capacete, botas.  O operador deve sempre solicitar a presença do auxiliar para orientá-lo na condução da carga que estiver sendo transportada;  NÃO É PERMITIDO deixar a carga suspensa após o encerramento do expediente devendo acondiciona-la no local determinado; (item 12.85)  NÃO É PERMITIDO o transporte de tambores e recipientes pressurizados ou outro objeto sobre a carga que estiver sendo içada;  Manutenção ou reparos devem ser feitos com a Ponte Rolante sem carga, com chave geral e a chave seccionadora DESLIGADAS, estando esta última com cadeado, ficando a chave com o profissional que estiver executando a manutenção; (item 12.113)  É OBRIGATÓRIO a existência do alarme sonoro na ponte rolante, sendo que seu funcionamento ocorre automaticamente quando a ponte rolante se movimenta; (item 12.33)  É PROIBIDO elevar a carga presa pela ponta do gancho;  Antes de executar a operação, inspecione visualmente toda a área, prevendo situações de colisão com equipamentos e/ou pessoas. (item 12.13)
  • 14. MESAS POSICIONADORAS FUNÇÃO BÁSICA : equipamento que rotaciona tubos com velocidade controlada destinado a soldagem, visando tornar os processos (TIG, MIG/MAG, ER, Arame Tubular e Arco Submerso) semi-automáticos, tornando-os assim mais produtivos, além de melhorar e garantir a qualidade.  Dimensões gerais: 1070 x 1170 x 2050 (altura) mm  Capacidade de fixação da placa (gripper): ø2” - ø40”.  Altura ajustável do centro da placa em: 680 mm, 850 mm, 1030 mm ou 1200 mm  Altura do olhal de içamento: 1880 mm.  Carga suportada a 300 mm da placa: 1500 kg (M = 450 kgf.m)  Torque (carga fora de centro suportada): 170 kgf.m  Velocidade de giro: regulável de 0,2 a 2 rpm.  Purga através do eixo (pode ser conectado na parte traseira).  Acionamento via pedal (liga/desliga).  Alimentação 220 V monofásica.  Peso aproximado: 530 kg CARACTERÍSTICAS (Exemplo):
  • 15. ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO  Normalmente utilizada em oficinas (pipe shop e/ou pipe fit), quando instaladas, precisam respeitar um distanciamento mínimo que garanta a segurança do operador e das pessoas que circulem nas oficinas; (item 12.8.1)  Verifique se a mesa está fixada pelos pinos laterais e teste os comandos do painel conforme figura;  ATENÇÃO: O dispositivo de segurança tem a finalidade de impedir a queda brusca da placa – se o cabo estender-se muito rápido, o dispositivo trava o cabo. Caso o fim de curso de segurança seja acionado, o movimento será bloqueado;  Fixe o cabo terra da máquina de solda (ver figura) no terminal que está atrás da placa giratória; (item 12.15)  Para tubos maiores que 1,2m; é necessário utilizar o rolete pantográfico para dividir a carga entre os apoios; MESAS POSICIONADORAS
  • 16. MESAS POSICIONADORAS CARACTERÍSTICAS (Exemplo):  Tipo: Ransome 25P  Capacidade: 1ton.  Basculamento: 0 ⁰ - 135 ⁰ FUNÇÃO BÁSICA : especialmente interessante para solda de flanges de encaixe, onde a inclinação da mesa facilita o posicionamento para solda interna/externa.  Velocidade máx.: 1,55rpm  Diâmetro da mesa: 2”  Carga suportada a 300 mm da placa: 750 kg (M = 288 kgf.m)  Torque (carga fora de centro suportada): 110 kgf.m ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO  Evitar qualquer contato com as partes móveis do equipamento enquanto estiver em uso; (item 12.14)  Elaborar a APR (Análise Preliminar de Risco), em consonância com instrução de trabalho específica; (item 12.110)  Atentar-se ao tipo de voltagem do equipamento antes da energização;  É PROIBIDO uso de adornos (colares, pulseiras, brincos);  Realizar verificação de equipamento de acordo com uma check list específica. (item 12.110)  Equipamentos de proteção individual obrigatórios: (item 12.4)  Óculos de proteção e protetor facial;  Avental e luvas de raspa;  Protetor auricular, capacete, botas.
  • 17. MÁQUINA DE CORTE PLASMA FUNÇÃO BÁSICA : equipamento utilizado no corte de materiais ou mais comumente material metálico condutor, aço estrutural, aço inoxidável e metais não ferrosos. Pode ser um processo complementar para trabalhos especiais, tais como a produção de pequenas séries, atingindo tolerâncias apertadas ou acabamentos melhorados. CARACTERÍSTICAS/COMPONENTES (Exemplo):  Tocha e fonte de corte plasma;  Sistema de giro com corrente (cortubox);  Mesa de corte (Diâm. Máx.: 60”; Carga máx.: 100kg);  Calha coletora de borra e sistema de sucção e lavagem de gases ; ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO  Elaborar a APR (Análise Preliminar de Risco), em consonância com instrução de trabalho específica; (item 12.110)  Atentar-se para a tensão de entrada para alimentação do equipamento x tensão disponível; (item 12.14)  Qualquer tipo de intervenção que vise a manutenção do equipamento deverá ser realizada por profissional capacitado, sob a supervisão de um profissional habilitado; (item 12.135)  Segregar e destinar os resíduos gerados na atividade de acordo com as determinações contidas no PGA – Plano de Gerenciamento Ambiental da Obra;  Realizar verificação de equipamento de acordo com uma check list específica. (item 12.110)  Utilizar os EPI’s básicos: óculos, capacete, botina e protetor auricular. (item 12.4)
  • 18. TALHAS DE IÇAMENTO FUNÇÃO BÁSICA : equipamento utilizado basicamente para içamento ou movimentação de cargas e equipamentos possibilitando fixação ou arraste de peças. CAPACIDADE USUAL: 1,5 – 3ton FABRICANTE USUAL: Berg Steel ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO  Todo dispositivo de içamento ou arraste de cargas, quando em operação, deve ter o seu acionamento sinalizado através de etiquetas de bloqueio, advertindo quanto aos riscos do acionamento deste equipamento;  Aquele que por imprudência, imperícia ou negligência retirar ou apagar os dados da etiqueta sem o conhecimento do responsável, fica sujeito às sanções administrativas ou até mesmo criminais;  Toda carga suspensa tem o risco de queda; (item 12.93)  Equipamentos de proteção individual obrigatórios: óculos de proteção , protetor auricular, capacete e botas; (item 12.4)  Realizar verificação de equipamento de acordo com uma check list específica. (item 12.110)
  • 19. TALHAS DE IÇAMENTO ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO  Exemplo de acionamento de equipamento sinalizado através de etiquetas de bloqueio, advertindo quanto aos riscos do acionamento do equipamento (Talha e Tirfor). TALHA TIRFOR
  • 20. GUINCHO TIRFOR FUNÇÃO BÁSICA : equipamento utilizado para remoção de máquinas, peças e equipamentos (arraste horizontal). CAPACIDADE USUAL: 1,6ton FABRICANTE USUAL: Berg Steel e CIDAM ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO  Todo dispositivo de içamento ou arraste de cargas, quando em operação, deve ter o seu acionamento sinalizado através de etiquetas de bloqueio, advertindo quanto aos riscos do acionamento deste equipamento;  Aquele que por imprudência, imperícia ou negligência retirar ou apagar os dados da etiqueta sem o conhecimento do responsável, fica sujeito às sanções administrativas ou até mesmo criminais;  Toda carga suspensa tem o risco de queda; (item 12.93)  NÃO É PERMITIDO usar o tirfor para içamento de cargas;  Equipamentos de proteção individual obrigatórios: óculos de proteção , protetor auricular, capacete e botas; (item 12.4)  Realizar verificação de equipamento de acordo com uma check list específica. (item 12.110)
  • 21.  NUNCA apoiar a carcaça do Tirfor em lajes, pisos ou outras estruturas GUINCHO TIRFOR  Utilizar de uma estrutura de tripé ou similar , projetada para aplicações que necessitem do dispositivo em posição específica que não apoiada em pisos de forma que o Tirfor fique em posição suspensa.
  • 22. ROSQUEADEIRAS FUNÇÃO BÁSICA : maquina utilizada para confeccionar roscas em tubos, conduites ou vergalhões, sendo mais utilizada em tubos (Ferro, Aço Carbono, Inox e Cobre). CAPACIDADE USUAL: 1/8” - 2” (expansível até 6" com acessórios) FABRICANTE USUAL: RIDGID Modelo 535-T MOTOR: 1,5 HP, trifásico. 220V/380V CAIXA: 3 velocidades (17, 46 e 56 RPM) ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO  SEMPRE utilizar óleo de corte;  Reparos, limpeza, ajuste e inspeções só serão permitidos com a máquina desligada; (item 12.113)  Equipamentos de proteção individual obrigatórios: óculos de proteção , protetor auricular, capacete e botas; (item 12.4)  PROIBIDO utilizar luvas, anéis, correntes e pulseiras;  Realizar verificação de equipamento de acordo com uma check list específica; (item 12.110)  Não fazer roscas em tubos:  Com pontas amassadas;  Com pontas fora de esquadro;  Com pontas com rebarbas;  Cortados com maçarico (calor cria têmpera no tubo que pode danificar os cossinetes).
  • 23. ESMERIL DE BANCADA/PEDESTAL FUNÇÃO BÁSICA : maquina composta por pedras duras feitas de óxido de alumínio e minerais como magnetita utilizadas para desbaste de metais, plásticos, madeira e outros materiais afim de promover superfícies lisas e com ângulos desejáveis. CAPACIDADE USUAL: 10” FABRICANTE USUAL: JOWA MOTOR: 1 a 10CV/ 220V ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO  Atente-se para a voltagem de rede e se a máquina está desligada antes de liga-la na tomada; (item 12.14)  Atentar para a projeção de fagulhas, se possível proteger a área com anteparo; (item 12.48)  Esta atividade deve ter APR (Análise Preliminar de Risco) específica elaborada pelo técnico de SMS;  Realizar verificação de equipamento de acordo com uma check list específica; (item 12.110)  Equipamentos de proteção individual obrigatórios: (item 12.4)  Óculos de proteção e protetor facial;  Protetor auricular, capacete, botas.  É PROIBIDO utilizar luvas, anéis, correntes e pulseiras.  Reparos, limpeza, ajuste e inspeções só serão permitidos com a máquina desligada; (item 12.113)
  • 24. FURADEIRA DE COLUNA ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO  SEMPRE utilizar óleo de corte;  Reparos, limpeza, ajuste e inspeções só serão permitidos com a máquina desligada; (item 12.113)  Equipamentos de proteção individual obrigatórios: óculos de proteção , protetor auricular, capacete e botas (obs.: manter as roupas bem fechadas e abotoadas); (item 12.4)  PROIBIDO utilizar luvas, anéis, correntes e pulseiras;  Realizar verificação de equipamento de acordo com uma check list específica; (item 12.110)  NUNCA fixar com as mãos as peças a serem furadas. FUNÇÃO BÁSICA : máquina que tem como função principal a execução de furos. Outras operações, tais como alargamento e rebaixamento, também podem ser realizadas. FABRICANTE USUAL: KONE Modelos KM-25 e KM-30 MOTOR: 0,75 / 1,5 CV CAIXA: 200-1300RPM PROFUNIDADE / DIÂMETRO: 180mm / 30mm em aço CURSO VERTICAL DA MESA: 620mm
  • 25. FURADEIRA DE BASE MAGNÉTICA FUNÇÃO BÁSICA : máquina que tem como função principal a execução de furos e é fixada em bancadas por base magnética. Outras operações, tais como alargamento e rebaixamento, também podem ser realizadas. CAPACIDADE USUAL: 5/8”, 1 ¼”, 2”. FABRICANTE USUAL: Bosch MOTOR/POTÊNCIA: Universal / 350-1150W CAIXA: 400-4000RPM ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO  SEMPRE utilizar óleo de corte;  Reparos, limpeza, ajuste e inspeções só serão permitidos com a máquina desligada; (item 12.113)  Equipamentos de proteção individual obrigatórios: óculos de proteção , protetor auricular, capacete e botas (obs.: manter as roupas bem fechadas e abotoadas); (item 12.4)  PROIBIDO utilizar luvas, anéis, correntes e pulseiras;  Realizar verificação de equipamento de acordo com uma check list específica; (item 12.110)  NUNCA fixar com as mãos as peças a serem furadas.
  • 26. SERRA TICO TICO FUNÇÃO BÁSICA : máquina utilizada para realização de corte em madeiras, plástico, metais ou outros materiais constituída por uma lâmina estreita que realiza um movimento de sobe e desce permitindo assim efetuar recortes. FABRICANTE USUAL: Bosch POTÊNCIA/ ROTAÇÃO USUAL: 400W / 1000 – 3100 RPM CORTE: Profundidade de corte de 65mm / 45⁰ E 90 ⁰ LÂMINA: 18mm (comprimento) ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO  Atente-se para a voltagem de rede e se a máquina está desligada antes de liga-la na tomada; (item 12.14)  Equipamentos de proteção individual obrigatórios: (item 12.4)  Óculos de proteção, mascara de proteção contra pó;  Avental e luvas de raspa;  Protetor auricular, capacete, botas.  Realizar verificação de equipamento de acordo com uma check list específica; (item 12.110)  Reparos, limpeza, ajuste e inspeções só serão permitidos com a máquina desligada; (item 12.113)  Atentar para a projeção de fagulhas, se possível proteger a área com anteparo; (item 12.48)  É PROIBIDO uso de adornos (colares, pulseiras, brincos).
  • 27. SERRA DE FITA FUNÇÃO BÁSICA : máquina utilizada para realização de corte em madeiras, plástico, metais ou outros materiais constituída por uma lâmina em forma de fita acoplada a equipamento semiautomático que realiza um movimento contínuo permitindo efetuar recortes. FABRICANTE USUAL: RONEMAK Modelo horizontal POTÊNCIA/ ROTAÇÃO USUAL: CORTE: LÂMINA: 330mm (comprimento) VELOCIDADE DE CORTE: ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO  Atente-se para a voltagem de rede e se a máquina está desligada antes de liga-la na tomada; (item 12.14)  Equipamentos de proteção individual obrigatórios: (item 12.4)  Óculos de proteção, mascara de proteção contra pó;  Protetor auricular, capacete, botas.  Deve-se utilizar luva de raspa APENAS para posicionamento do material a ser cortado;  Realizar verificação de equipamento de acordo com uma check list específica; (item 12.110)  Reparos, limpeza, ajuste e inspeções só serão permitidos com a máquina desligada; (item 12.113)  Atentar para a projeção de fagulhas, se possível proteger a área com anteparo; (item 12.48)  É PROIBIDO uso de adornos (colares, pulseiras, brincos);  SEMPRE utilizar óleo de corte;
  • 28. SERRA POLICORTE FUNÇÃO BÁSICA : máquina utilizada para realização de corte em madeiras, plástico, metais ou outros materiais constituída por uma lâmina em forma de disco acionado por energia elétrica. FABRICANTE USUAL: RIDGID Modelo 614 MOTOR: Universal 15A/220V Bifásico – 1300RPM LÂMINA: 355mm x 2,2mm x 80 dentes (14”) (proteção conforme itens 12.44 e 12.45) CORTE: 45⁰ E 90 ⁰ ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO  Corta tubo de aço carbono, PVC, cobre alumínio, até 5” (externo);  NÃO usar em aço Inox;  NÃO usar óleo de corte, a operação é a seco;  Tubo de AC, cobre e alumínio NÃO deverá ter espessura < 3mm;  Reparos, limpeza, ajuste e inspeções só serão permitidos com a máquina desligada; (item 12.113)  Equipamentos de proteção individual obrigatórios: óculos de proteção , protetor auricular, capacete, botas e proteção facial; (item 12.4)  Deve-se utilizar luva de raspa APENAS para posicionamento do material a ser cortado;  Realizar verificação de equipamento de acordo com uma check list específica; (item 12.110)  Quando a máquina não estiver em operação, deixá-la desligada com o plug fora da tomada.
  • 29. MARTELETE PNEUMÁTICO FUNÇÃO BÁSICA : máquina de demolição utilizada para quebrar e perfurar materiais resistentes como concreto, cimento e asfalto em atividades de construção e manutenção das construções civis. Estes equipamentos podem ser elétricos, pneumáticos ou ainda hidráulicos. FREQUÊNCIA DE IMPACTO: 4600 impactos/min POTÊNCIA USUAL: 650W ENERGIA DE IMPACTO: 1.8J FABRICANTE USUAL: HILT Modelos TE 2/TE 2M ORIENTAÇÕES GERAIS – SEGURANÇA E OPERAÇÃO  Reparos, limpeza, ajuste e inspeções só serão permitidos com a máquina desligada; (item 12.113)  Equipamentos de proteção individual obrigatórios: (item 12.4)  Óculos de proteção, mascara de proteção contra pó;  Luvas de raspa;  Protetor auricular, capacete, botas.  Realizar verificação de equipamento de acordo com uma check list específica; (item 12.110)  Atente-se para a voltagem de rede e se a máquina está desligada antes de liga-la na tomada; (item 12.14)  Remover ferramentas de ajuste ou chaves de boca antes de ligar a ferramenta eléctrica;  É PROIBIDO uso de adornos (colares, pulseiras, brincos);  É recomendável que não se retire (desmonte) a manopla.
  • 30. RECOMENDAÇÕES GERAIS DE MEIO AMBIENTE ORIENTAÇÕES GERAIS  Na utilização de lubrificantes, óleos de corte e afins promover o descarte correto dos materiais conforme FISPQ ou recomendações da equipe de SMS;  Promover o descarte correto de materiais consumíveis como discos de corte, desbaste, chapas metálicas, etc. conforme padrões normativos pertinentes e/ou exigências do cliente;  Adequar ambiente de soldagem com sistema de exaustão próprio para dispersão correta dos gases e fumos de soldagem;  Promover e difundir a cultura/política do 5S em todos o ambiente de trabalho e/ou frente de serviço.
  • 31. OCORRÊNCIAS DE ACIDENTES COM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS  Obra Belo Monte – PA (30/05/2015) INSTALAÇÃO O Consórcio Construtor Belo Monte (CCBM) confirmou, por volta de 19h deste sábado (30), que o Corpo de Bombeiros de Altamira encontrou os corpos dos ajudantes de produção Denivaldo Soares Aguiar, José da Conceição Ferreira da Silva e Pedro Henrique dos Santos Silva, desaparecidos no acidente ocorrido na madrugada deste sábado no Sítio Belo Monte. Outros três funcionários da obra ficaram feridos durante o ocorrido, um segue internado. O CCBM afirma que presta todo o apoio às famílias das vítimas e colabora com o trabalho de peritos e agentes da Polícia Civil. As obras no canteiro foram paralisadas. Segundo a Polícia Civil de Altamira, no sudoeste do Pará, por volta de 2h, um silo de estocagem de cimento, composto por tubos que têm capacidade para 1.200 toneladas, se soltou e caiu sobre os trabalhadores na área industrial do sítio Belo Monte. Os três funcionários feridos foram encaminhados para o Hospital Municipal de Altamira, onde receberam atendimento médico. Dois deles tiveram alta e o terceiro permanece internado com uma fratura no ombro. Em nota, o CCBM confirmou que o acidente ocorreu durante a operação de descarga de um caminhão.
  • 32. OCORRÊNCIAS DE ACIDENTES COM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS  Obra Belo Monte – PA (30/05/2015)
  • 33. OCORRÊNCIAS DE ACIDENTES COM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS  Esmagamento por Máquina Industrial - MS (14/11/2012) OPERAÇÃO Antonio Alves de Souza de 42 anos , teve a sua perna esmagada por uma máquina em uma fecularia de Naviraí. O incidente aconteceu por volta das 23h50 de quarta-feira (14) na Fecularia Salto Pilão, saída para o Assentamento Juncal de frente ao bairro Vila Nova. O industriário trabalhava no local quando teve sua perna puxada por uma máquina. De acordo com informações apuradas pela reportagem do site Portal do MS, a vítima subiu na máquina com uma marreta para tentar desenroscar os resíduos de milho que a mesma puxada. Neste momento ele escorregou e teve sua perna direita sugada. Um colega de trabalho ao perceber o ocorrido, correu e desligou a máquina antes que ela tragasse todo corpo de Antonio. O corpo de bombeiros de Naviraí foi acionados e após uma hora de muito trabalho conseguiram soltar a vítima. A perna de Antonio ficou em forma de "V" enrolada por uma estrutura de ferro. Parte da máquina teve que ser cortada com um esmeril para retirar a perna da vítima. Após ser retirado, Antonio foi levado até a Santa Casa de Naviraí, mas foi transferido para a cidade de Dourados para que fosse feito uma cirurgia de emergência. Parte da perna de Antonio foi amputada.
  • 34. OCORRÊNCIAS DE ACIDENTES COM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS  Esmagamento por Máquina Industrial - MS (14/11/2012)
  • 35. OCORRÊNCIAS DE ACIDENTES COM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS  Indústria Moveleira: Máquina Destopadeira - SC (30/04/2012) MANUT. Na manhã do dia 4 de novembro de 2011, Rosane Lurdes da Silva Assis, de 32 anos, iniciava mais um dia de trabalho na indústria moveleira em que trabalhava há 10 anos na cidade de São Bento do Sul, em Santa Catarina, sem saber que seu dia seria marcado por um grave acidente. Um defeito na máquina destopadeira, usada na fabricação de móveis, fez com que a serra do equipamento mutilasse os dedos anelar e mínimo da sua mão direita. Conforme a trabalhadora, a máquina apresentava defeitos e, embora os operários tivessem solicitado providências para o conserto junto aos encarregados, a empresa não tomou nenhuma atitude. Além do risco de acidentes com máquinas e equipamentos, os trabalhadores do setor estão expostos a riscos químicos por exposição à poeira e aos produtos utilizados no tratamento da madeira, sem falar nos problemas ergonômicos devido às posturas inadequadas e esforços da atividade. O ruído relacionado ao maquinário utilizado no processo produtivo também é outra preocupação.
  • 36. OCORRÊNCIAS DE ACIDENTES COM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS  Indústria Moveleira: Máquina Destopadeira - SC (30/04/2012)
  • 37. ANEXO 1 - MODELO DO TESTE DE AVALIAÇÃO DE EFICÁCIA (item 12.139)
  • 38. ANEXO 2 - MODELO DA AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÃO DO EQUIPAMENTO (item 12.143)
  • 39. CONSIDERAÇÕES FINAIS O MOMENTO DE TER SEGURANÇA É AGORA!
  • 40. Sobre o autor: Mateus Borges Pimenta, Engenheiro Mecânico, com experiência em liderança de equipes, montagens industriais, geração de energia e utilidades, melhoria de processos, análise de falhas de equipamentos através da aplicação de ferramentas da qualidade, gestão das normas NR12 e NR13 e desenvolvimento de pequenos projetos no ramo automotivo. Conhecedor de ferramentas para melhoria contínua de processos, cursando Green Belt em Lean Seis Sigma na Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ. SEGURANÇA EM PRIMEIRO LUGAR! CONTATO: msbpimenta@uol.com.br https://www.linkedin.com/in/mateusbpimentaengenharia (24) 99864-7725