SlideShare uma empresa Scribd logo
Dinâmica dos
transportes

   Edu Gonzaga
Pilares da evolução nos meios de
           transportes
 Intensificação das trocas mundiais
          (Globalização)
  Busca de maior velocidade,
capacidade de carga e segurança
  (Infra estrutura e tecnologia)
   Barateamento nos custos
     operacionais (Logística)
LOGÍSTICA
 É o conjunto de sistemas,
recursos e operações feitas
      para permitir a
 movimentação de cargas e
pessoas no menor custo, na
maior segurança e no menor
          prazo.
Modelo de Distribuição SEM intermediário
                                   (Sem logística)



     Empresa                        Grupo de
                                   Consumidor
       1                               A


     Empresa                        Grupo de
                                   Consumidor
       2                               B


     Empresa                        Grupo de
                                   Consumidor
       3                               C


09 TRANSPORTES = MAIOR custo, trânsito, poluição,
consumo energético, tempo, desgastes das vias etc
Modelo de Distribuição COM intermediário
                                      (Com logística)



   Empresa                               Grupo de
                                        Consumidor
     1                                      A

                       (logística)
   Empresa                               Grupo de
                  Intermediário         Consumidor
     2              (Terceirização)         B


   Empresa                               Grupo de
                                        Consumidor
     3                                      C

06 TRANSPORTES = MENOR custo, trânsito, poluição,
 consumo energético, tempo, desgastes das vias etc
PARTICIPAÇÃO DOS MODAIS DE TRANSPORTE DE
                CARGA (%)

Permanece quase inalterada há mais de
              40 anos
100%
 90%
 80%
 70%
 60%
 50%
 40%
 30%
 20%
 10%
  0%
           1980      1985    1990          1995     2000


       Rodovia    Ferrovia    Aquaviário
                             Cabotagem        Dutovia      Aéreo
Matriz do transporte de cargas no Brasil – Séc. XXI

                                                                60,49%
 20,86%




                                                                    Rodoviário
                                                                    Aéreo
         4,46%                                                      Aquaviário
                              13,86%                    0,33%       Dutoviário
Fonte: AET      / GEIPOT .                                          Ferroviário
(*) Inclui navegação interior, de cabotagem e de longo curso.



     Matriz de Transporte invertida em relação às vantagens comparativas normais (a
         grandes distâncias, custo do aquaviário chega a ser 12 x menor que o do
                         rodoviário e 3 x inferior ao do ferroviário)
Matriz de Transportes
             Comparativo Internacional

  Rússia                   81%                      8% 11%


 Canadá              46%                  43%          11%


Austrália           43%                       53%        4%


    EUA             43%                 32%           25%


   China           37%                  50%            13%


Brasil 21%                       61%                  14%

     Ferroviário           Rodoviário                Aquaviário
Chuva
 Sol                    Rodovia
Cargas

         Leito asfáltico:       Alta ondulação: alto
         alta manutenção       consumo energético e
                                      poluição

                        Ferrovia

           Leito de aço:      Baixa ondulação: médio
         baixa manutenção       consumo energético


                        Aquavia
          Leito líquido:      Plano horizontal: baixo
     baixíssima manutenção      consumo energético
Distância percorrida por 1
      tonelada de carga com 1
        litro de combustível
                                                             219
                                                             km

                                            Aquavia
              86
              km
          Ferrovia
    25               Quando o preço do petróleo
    km               sobe, aumenta os custos de
                      transporte e desacelera a
                              economia.
Rodovia
                               Fonte: Challenges and Opportunities
                        for the U.S. Marine Transportation System
                                                     July 16, 2001
Rodovias brasileiras
         1.701.000 km de rodovias
         190 mil km pavimentados
Mais de 10 mil km concessionados
28 mil km de
ferrovias, operados
  pelo setor privado
Sistema Ferroviário Nacional
                                                                       BITOLA - km             TOTAL
                  CONCESSIONÁRIAS
                                                                                                km
                                                                Larga     Métrica Mista
NOVOESTE – Ferrovia Novoeste S. A.                                          1.621               1.621
FCA – Ferrovia Centro-Atlântica S. A.                              182      6.898               7.080
MRS – MRS Logística S.A.                                         1.632               42         1.674
FTC – Ferrovia Tereza Cristina S.A.                                           164                 164
ALL – América Latina Logística do Brasil S.A.                        11     6.504               6.507
FERROESTE – Estrada de Ferro Paraná Oeste                                     248                 248
EFVM – Estrada de Ferro Vitória a Minas                                       898                 898
EFC – Estrada de Ferro Carajás                                     892                            892
CFN – Companhia Ferroviária do Nordeste S.A.                                 4.516       18     4.534
FERROBAN – Ferrovias Bandeirantes S.A.                           1.513       2.422      301     4.236
FERRONORTE – Ferrovias Norte do Brasil                             512                            512
VALEC Engenharia, Construções e Ferrovias S.A.                     226                            226
                       TOTAL                                     4.968     23.282       361    28.604

A distância que separa os trilhos de uma via férrea determina o tamanho da bitola. No Brasil, a bitola
ferroviária de 1 metro é conhecida como bitola métrica ou bitola estreita. De largura superior existe a
                                       bitola larga, de 1,60 m.
Brasil            Países desenvolvidos
 Traçado periférico, não   Rede bem distribuída,
integrado e concentrado     densa e integrada
Quantidade de carga transportada por quilômetro de
                ferrovia (Ton/ano)
Mapas tempo-espaço: Interação cartográfica entre o espaço e o tempo
  gera distorções em relação aos mapas com que se está familiarizado


Tempos viagem
ferroviários em
     1900
Tempos viagem
ferroviários em
     1993
Tempos viagem
ferroviários em
     2010




  Redução das distâncias pela contração do tempo
Principais Portos




40 portos públicos, com
 operação basicamente
   pelo setor privado
Hidrovias
28 mil km de vias navegáveis interiores
e potencial de aproveitamento de mais
        15 mil km de novas vias




                 Principais Hidrovias
                 Hidrovia do Madeira
              Hidrovia Paraguai-Paraná
              Hidrovia do São Francisco
             Hidrovia Tocantins-Araguaia
                Hidrovia Paraná-Tietê
Hidrovia Tietê-Paraná




Para cada tonelada de soja transportada, gastam-se 8 dólares na hidrovia, 16 dólares na ferrovia e cerca de 30 na rodovia
Transporte de cabotagem no Brasil
A navegação transoceânica está passando por
grandes transformações com a construção dos
novos navios Post-Panamax, tanto para granéis
como para contêineres, de maior velocidade e
capacidade, calado de 16 à 18m, cujo custo de
transporte é bem menor do que os atuais navios
Panamax exigindo a rápida adequação dos
portos brasileiros.
Principais Rotas marítimas saindo do Brasil
              (distâncias médias)
Comparação entre navios petroleiros
        contemporâneos e da II Guerra
                  Mundial

            Modern VLCC (294 m)
                                       T2 Tanker (153 m)   1942

Um navio Panamax deve ter, tipicamente, no
máximo um comprimento de 294 m, uma largura
de 32,3 m com um calado de 12,04 m.


Maior post panamax – Navio Jahre Viking (antigo Knock Nevis)
Comprimento: 458 metros (mais de 4 campos de futebol)
Largura: 69 metros (equivalente a um edifício de 23 andares)
Calado (Profundidade do Casco Submerso): 24.5 metros
(equivalente a um edifício de 8 andares)
440
        caminhões



200
TEU



      120
      caminhões
QUAL O MELHOR TIPO DE
    TRANSPORTE?

      MULTIMODAL

   (vai de porta a porta)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fundamentos do transporte
Fundamentos do transporteFundamentos do transporte
Fundamentos do transporte
Jupira Silva
 
Transportes no brasil
Transportes no brasilTransportes no brasil
Transportes no brasil
dela28
 
Hidrovia Tietê-Paraná - Integrando o Rio Piracicaba
Hidrovia Tietê-Paraná - Integrando o Rio PiracicabaHidrovia Tietê-Paraná - Integrando o Rio Piracicaba
Hidrovia Tietê-Paraná - Integrando o Rio Piracicaba
Florespi
 
133048271 modal-rodoviario
133048271 modal-rodoviario133048271 modal-rodoviario
133048271 modal-rodoviario
Fama Antônio
 
O s meios de transportes
O s meios de transportesO s meios de transportes
O s meios de transportes
Rosemildo Lima
 

Mais procurados (20)

Transporte e logística aula 01 - 13 fev2012-1
Transporte e logística   aula 01 - 13 fev2012-1Transporte e logística   aula 01 - 13 fev2012-1
Transporte e logística aula 01 - 13 fev2012-1
 
Modal rodoviário
Modal rodoviárioModal rodoviário
Modal rodoviário
 
Fundamentos do transporte
Fundamentos do transporteFundamentos do transporte
Fundamentos do transporte
 
Logística - Modal Rodoviário
Logística - Modal RodoviárioLogística - Modal Rodoviário
Logística - Modal Rodoviário
 
A hidrovia e o uso múltiplo das águas
A hidrovia  e o uso múltiplo das águas A hidrovia  e o uso múltiplo das águas
A hidrovia e o uso múltiplo das águas
 
Gestão de transporte 02
Gestão de transporte 02Gestão de transporte 02
Gestão de transporte 02
 
Hidrovias e uso múltiplo das águas - Adalberto Tokarski
Hidrovias e uso múltiplo das águas - Adalberto Tokarski Hidrovias e uso múltiplo das águas - Adalberto Tokarski
Hidrovias e uso múltiplo das águas - Adalberto Tokarski
 
A escolha do tipo de transporte
A escolha do tipo de transporteA escolha do tipo de transporte
A escolha do tipo de transporte
 
Transportes (1)
Transportes (1)Transportes (1)
Transportes (1)
 
Transporte rodoviário (Editando)
Transporte rodoviário (Editando)Transporte rodoviário (Editando)
Transporte rodoviário (Editando)
 
O sistema de transportes
O sistema de transportesO sistema de transportes
O sistema de transportes
 
Transportes no brasil
Transportes no brasilTransportes no brasil
Transportes no brasil
 
Hidrovia Tietê-Paraná - Integrando o Rio Piracicaba
Hidrovia Tietê-Paraná - Integrando o Rio PiracicabaHidrovia Tietê-Paraná - Integrando o Rio Piracicaba
Hidrovia Tietê-Paraná - Integrando o Rio Piracicaba
 
Modal Rodoviário
Modal RodoviárioModal Rodoviário
Modal Rodoviário
 
Geografiados transportes
Geografiados transportesGeografiados transportes
Geografiados transportes
 
133048271 modal-rodoviario
133048271 modal-rodoviario133048271 modal-rodoviario
133048271 modal-rodoviario
 
Lei da-balanca
Lei da-balancaLei da-balanca
Lei da-balanca
 
Infraestrutura do Setor Rodoviário de Cargas
Infraestrutura do Setor Rodoviário de CargasInfraestrutura do Setor Rodoviário de Cargas
Infraestrutura do Setor Rodoviário de Cargas
 
Modal Rodoviário
Modal RodoviárioModal Rodoviário
Modal Rodoviário
 
O s meios de transportes
O s meios de transportesO s meios de transportes
O s meios de transportes
 

Destaque

Desigualdades no acesso aos transportes
Desigualdades no acesso aos transportesDesigualdades no acesso aos transportes
Desigualdades no acesso aos transportes
Pedro Damião
 
Fluxos da globalizaçao
Fluxos da globalizaçaoFluxos da globalizaçao
Fluxos da globalizaçao
Rute Teles
 
A densidade de redes de transportes
A densidade de redes de transportesA densidade de redes de transportes
A densidade de redes de transportes
espioesmg
 
A ligação ao mundo
A ligação ao mundoA ligação ao mundo
A ligação ao mundo
cattonia
 

Destaque (15)

150 slides como operacionalizar logística de transporte e armazenagem atuali...
150 slides como operacionalizar logística de transporte e armazenagem  atuali...150 slides como operacionalizar logística de transporte e armazenagem  atuali...
150 slides como operacionalizar logística de transporte e armazenagem atuali...
 
Francisco Luiz
Francisco LuizFrancisco Luiz
Francisco Luiz
 
A Logística na China
A Logística na ChinaA Logística na China
A Logística na China
 
DNIT - 6º encontro de Logística e Transportes
DNIT - 6º encontro de Logística e TransportesDNIT - 6º encontro de Logística e Transportes
DNIT - 6º encontro de Logística e Transportes
 
Sls t apd-es_o
Sls t apd-es_oSls t apd-es_o
Sls t apd-es_o
 
Manoel Reis, coordenador de estudos logísticos da FGV projetos
Manoel Reis, coordenador de estudos logísticos da FGV projetosManoel Reis, coordenador de estudos logísticos da FGV projetos
Manoel Reis, coordenador de estudos logísticos da FGV projetos
 
Desigualdades no acesso aos transportes
Desigualdades no acesso aos transportesDesigualdades no acesso aos transportes
Desigualdades no acesso aos transportes
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Modal Ferroviário Russo
Modal Ferroviário RussoModal Ferroviário Russo
Modal Ferroviário Russo
 
Transportes do Brasil
Transportes do BrasilTransportes do Brasil
Transportes do Brasil
 
Transporte ferroviário brasileiro
Transporte ferroviário brasileiroTransporte ferroviário brasileiro
Transporte ferroviário brasileiro
 
Fluxos da globalizaçao
Fluxos da globalizaçaoFluxos da globalizaçao
Fluxos da globalizaçao
 
A densidade de redes de transportes
A densidade de redes de transportesA densidade de redes de transportes
A densidade de redes de transportes
 
A ligação ao mundo
A ligação ao mundoA ligação ao mundo
A ligação ao mundo
 
População brasileira e mundial Professor Edu Gonzaga 2015
População brasileira e mundial Professor Edu Gonzaga 2015População brasileira e mundial Professor Edu Gonzaga 2015
População brasileira e mundial Professor Edu Gonzaga 2015
 

Semelhante a Transporte e logistica edu gonzaga 2012

Paulo Fernado Fleury - Oportunidades e Desafios para o Transporte Multimodal ...
Paulo Fernado Fleury - Oportunidades e Desafios para o Transporte Multimodal ...Paulo Fernado Fleury - Oportunidades e Desafios para o Transporte Multimodal ...
Paulo Fernado Fleury - Oportunidades e Desafios para o Transporte Multimodal ...
transpoamazonia
 
Transportes rodoviários, 9º4, Inês
Transportes rodoviários, 9º4, InêsTransportes rodoviários, 9º4, Inês
Transportes rodoviários, 9º4, Inês
Mayjö .
 
Transporte e comercio
Transporte e comercioTransporte e comercio
Transporte e comercio
Italo Alan
 

Semelhante a Transporte e logistica edu gonzaga 2012 (20)

Paulo Fernado Fleury - Oportunidades e Desafios para o Transporte Multimodal ...
Paulo Fernado Fleury - Oportunidades e Desafios para o Transporte Multimodal ...Paulo Fernado Fleury - Oportunidades e Desafios para o Transporte Multimodal ...
Paulo Fernado Fleury - Oportunidades e Desafios para o Transporte Multimodal ...
 
6ªaula completa
6ªaula completa6ªaula completa
6ªaula completa
 
PNV_3411_2017.ppt
PNV_3411_2017.pptPNV_3411_2017.ppt
PNV_3411_2017.ppt
 
A escolha do tipo de transporte.
A escolha do tipo de transporte.A escolha do tipo de transporte.
A escolha do tipo de transporte.
 
A escolha do tipo de transporte
A escolha do tipo de transporteA escolha do tipo de transporte
A escolha do tipo de transporte
 
Hidrovia e o uso múltiplo das águas - Agenor Junqueira
Hidrovia e o uso múltiplo das águas - Agenor JunqueiraHidrovia e o uso múltiplo das águas - Agenor Junqueira
Hidrovia e o uso múltiplo das águas - Agenor Junqueira
 
Transporte
TransporteTransporte
Transporte
 
Ccr esse - solucoes integradas - 13/09/2012
Ccr esse - solucoes integradas - 13/09/2012Ccr esse - solucoes integradas - 13/09/2012
Ccr esse - solucoes integradas - 13/09/2012
 
Intermodalidade no transporte aquaviario impressao
Intermodalidade no transporte aquaviario   impressaoIntermodalidade no transporte aquaviario   impressao
Intermodalidade no transporte aquaviario impressao
 
Transporte Ferroviário
Transporte FerroviárioTransporte Ferroviário
Transporte Ferroviário
 
A matriz de transporte requerida ao brasil
A matriz de transporte requerida ao brasilA matriz de transporte requerida ao brasil
A matriz de transporte requerida ao brasil
 
A matriz de transporte requerida ao brasil
A matriz de transporte requerida ao brasilA matriz de transporte requerida ao brasil
A matriz de transporte requerida ao brasil
 
Tranportes ferroviarios [guardado automaticamente] 11
Tranportes ferroviarios [guardado automaticamente] 11Tranportes ferroviarios [guardado automaticamente] 11
Tranportes ferroviarios [guardado automaticamente] 11
 
Mobilidade e comunicação - 1
Mobilidade e comunicação - 1Mobilidade e comunicação - 1
Mobilidade e comunicação - 1
 
Apresentação transportes ferroviários
Apresentação   transportes ferroviáriosApresentação   transportes ferroviários
Apresentação transportes ferroviários
 
gps8_transportes.pptx
gps8_transportes.pptxgps8_transportes.pptx
gps8_transportes.pptx
 
Transportes rodoviários, 9º4, Inês
Transportes rodoviários, 9º4, InêsTransportes rodoviários, 9º4, Inês
Transportes rodoviários, 9º4, Inês
 
Transporte e comercio
Transporte e comercioTransporte e comercio
Transporte e comercio
 
O futuro do modelo de concessões
O futuro do modelo de concessõesO futuro do modelo de concessões
O futuro do modelo de concessões
 
Canais de Distribuição.pdf
Canais de Distribuição.pdfCanais de Distribuição.pdf
Canais de Distribuição.pdf
 

Mais de Edu Gonzaga

Mais de Edu Gonzaga (15)

Industrias Professor Edu Gonzaga 2015.
Industrias Professor Edu Gonzaga 2015.Industrias Professor Edu Gonzaga 2015.
Industrias Professor Edu Gonzaga 2015.
 
Contorno da europa
Contorno da europaContorno da europa
Contorno da europa
 
Urbanizacao professor edu gonzaga 2013.
Urbanizacao professor edu gonzaga 2013.Urbanizacao professor edu gonzaga 2013.
Urbanizacao professor edu gonzaga 2013.
 
Pedologia / solo - Professor Edu Gonzaga 2013
Pedologia / solo - Professor Edu Gonzaga 2013Pedologia / solo - Professor Edu Gonzaga 2013
Pedologia / solo - Professor Edu Gonzaga 2013
 
Clima 2013 professor edu gonzaga
Clima 2013 professor edu gonzagaClima 2013 professor edu gonzaga
Clima 2013 professor edu gonzaga
 
Blocos economicos e outros grupos Professor Edu Gonzaga
Blocos economicos e outros grupos Professor Edu GonzagaBlocos economicos e outros grupos Professor Edu Gonzaga
Blocos economicos e outros grupos Professor Edu Gonzaga
 
Deriva Continental e tectônica de placas - Professor edu gonzaga 2013
Deriva Continental e tectônica de placas - Professor edu gonzaga 2013Deriva Continental e tectônica de placas - Professor edu gonzaga 2013
Deriva Continental e tectônica de placas - Professor edu gonzaga 2013
 
Recursos energeticos
Recursos energeticosRecursos energeticos
Recursos energeticos
 
Espaço agrícola
Espaço agrícolaEspaço agrícola
Espaço agrícola
 
Espaco industrial brasileiro 2011 prof edu gonzaga
Espaco industrial brasileiro 2011 prof edu gonzagaEspaco industrial brasileiro 2011 prof edu gonzaga
Espaco industrial brasileiro 2011 prof edu gonzaga
 
America latina geral professor edu gonzaga 2011
America latina geral professor edu gonzaga 2011America latina geral professor edu gonzaga 2011
America latina geral professor edu gonzaga 2011
 
África geral 2011 Professor Edu Gonzaga
África geral 2011 Professor Edu GonzagaÁfrica geral 2011 Professor Edu Gonzaga
África geral 2011 Professor Edu Gonzaga
 
Vegetacao geral mundo e brasil prof edu gonzaga 2011
Vegetacao geral mundo e brasil prof edu gonzaga 2011 Vegetacao geral mundo e brasil prof edu gonzaga 2011
Vegetacao geral mundo e brasil prof edu gonzaga 2011
 
Agricultura Prof Edu Gonzaga 2011
Agricultura Prof Edu Gonzaga 2011Agricultura Prof Edu Gonzaga 2011
Agricultura Prof Edu Gonzaga 2011
 
Guerra fria professor edu gonzaga 2012
Guerra fria professor edu gonzaga 2012Guerra fria professor edu gonzaga 2012
Guerra fria professor edu gonzaga 2012
 

Último

GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
rarakey779
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
LisaneWerlang
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
rarakey779
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 

Último (20)

GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
 

Transporte e logistica edu gonzaga 2012

  • 2. Pilares da evolução nos meios de transportes  Intensificação das trocas mundiais (Globalização) Busca de maior velocidade, capacidade de carga e segurança (Infra estrutura e tecnologia) Barateamento nos custos operacionais (Logística)
  • 3. LOGÍSTICA É o conjunto de sistemas, recursos e operações feitas para permitir a movimentação de cargas e pessoas no menor custo, na maior segurança e no menor prazo.
  • 4. Modelo de Distribuição SEM intermediário (Sem logística) Empresa Grupo de Consumidor 1 A Empresa Grupo de Consumidor 2 B Empresa Grupo de Consumidor 3 C 09 TRANSPORTES = MAIOR custo, trânsito, poluição, consumo energético, tempo, desgastes das vias etc
  • 5. Modelo de Distribuição COM intermediário (Com logística) Empresa Grupo de Consumidor 1 A (logística) Empresa Grupo de Intermediário Consumidor 2 (Terceirização) B Empresa Grupo de Consumidor 3 C 06 TRANSPORTES = MENOR custo, trânsito, poluição, consumo energético, tempo, desgastes das vias etc
  • 6. PARTICIPAÇÃO DOS MODAIS DE TRANSPORTE DE CARGA (%) Permanece quase inalterada há mais de 40 anos 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 1980 1985 1990 1995 2000 Rodovia Ferrovia Aquaviário Cabotagem Dutovia Aéreo
  • 7. Matriz do transporte de cargas no Brasil – Séc. XXI 60,49% 20,86% Rodoviário Aéreo 4,46% Aquaviário 13,86% 0,33% Dutoviário Fonte: AET / GEIPOT . Ferroviário (*) Inclui navegação interior, de cabotagem e de longo curso. Matriz de Transporte invertida em relação às vantagens comparativas normais (a grandes distâncias, custo do aquaviário chega a ser 12 x menor que o do rodoviário e 3 x inferior ao do ferroviário)
  • 8. Matriz de Transportes Comparativo Internacional Rússia 81% 8% 11% Canadá 46% 43% 11% Austrália 43% 53% 4% EUA 43% 32% 25% China 37% 50% 13% Brasil 21% 61% 14% Ferroviário Rodoviário Aquaviário
  • 9. Chuva Sol Rodovia Cargas Leito asfáltico: Alta ondulação: alto alta manutenção consumo energético e poluição Ferrovia Leito de aço: Baixa ondulação: médio baixa manutenção consumo energético Aquavia Leito líquido: Plano horizontal: baixo baixíssima manutenção consumo energético
  • 10. Distância percorrida por 1 tonelada de carga com 1 litro de combustível 219 km Aquavia 86 km Ferrovia 25 Quando o preço do petróleo km sobe, aumenta os custos de transporte e desacelera a economia. Rodovia Fonte: Challenges and Opportunities for the U.S. Marine Transportation System July 16, 2001
  • 11.
  • 12. Rodovias brasileiras 1.701.000 km de rodovias 190 mil km pavimentados Mais de 10 mil km concessionados
  • 13.
  • 14.
  • 15. 28 mil km de ferrovias, operados pelo setor privado
  • 16. Sistema Ferroviário Nacional BITOLA - km TOTAL CONCESSIONÁRIAS km Larga Métrica Mista NOVOESTE – Ferrovia Novoeste S. A. 1.621 1.621 FCA – Ferrovia Centro-Atlântica S. A. 182 6.898 7.080 MRS – MRS Logística S.A. 1.632 42 1.674 FTC – Ferrovia Tereza Cristina S.A. 164 164 ALL – América Latina Logística do Brasil S.A. 11 6.504 6.507 FERROESTE – Estrada de Ferro Paraná Oeste 248 248 EFVM – Estrada de Ferro Vitória a Minas 898 898 EFC – Estrada de Ferro Carajás 892 892 CFN – Companhia Ferroviária do Nordeste S.A. 4.516 18 4.534 FERROBAN – Ferrovias Bandeirantes S.A. 1.513 2.422 301 4.236 FERRONORTE – Ferrovias Norte do Brasil 512 512 VALEC Engenharia, Construções e Ferrovias S.A. 226 226 TOTAL 4.968 23.282 361 28.604 A distância que separa os trilhos de uma via férrea determina o tamanho da bitola. No Brasil, a bitola ferroviária de 1 metro é conhecida como bitola métrica ou bitola estreita. De largura superior existe a bitola larga, de 1,60 m.
  • 17. Brasil Países desenvolvidos Traçado periférico, não Rede bem distribuída, integrado e concentrado densa e integrada
  • 18. Quantidade de carga transportada por quilômetro de ferrovia (Ton/ano)
  • 19.
  • 20.
  • 21. Mapas tempo-espaço: Interação cartográfica entre o espaço e o tempo gera distorções em relação aos mapas com que se está familiarizado Tempos viagem ferroviários em 1900
  • 23. Tempos viagem ferroviários em 2010 Redução das distâncias pela contração do tempo
  • 24.
  • 25. Principais Portos 40 portos públicos, com operação basicamente pelo setor privado
  • 26. Hidrovias 28 mil km de vias navegáveis interiores e potencial de aproveitamento de mais 15 mil km de novas vias Principais Hidrovias Hidrovia do Madeira Hidrovia Paraguai-Paraná Hidrovia do São Francisco Hidrovia Tocantins-Araguaia Hidrovia Paraná-Tietê
  • 27. Hidrovia Tietê-Paraná Para cada tonelada de soja transportada, gastam-se 8 dólares na hidrovia, 16 dólares na ferrovia e cerca de 30 na rodovia
  • 29. A navegação transoceânica está passando por grandes transformações com a construção dos novos navios Post-Panamax, tanto para granéis como para contêineres, de maior velocidade e capacidade, calado de 16 à 18m, cujo custo de transporte é bem menor do que os atuais navios Panamax exigindo a rápida adequação dos portos brasileiros.
  • 30. Principais Rotas marítimas saindo do Brasil (distâncias médias)
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34. Comparação entre navios petroleiros contemporâneos e da II Guerra Mundial Modern VLCC (294 m) T2 Tanker (153 m) 1942 Um navio Panamax deve ter, tipicamente, no máximo um comprimento de 294 m, uma largura de 32,3 m com um calado de 12,04 m. Maior post panamax – Navio Jahre Viking (antigo Knock Nevis) Comprimento: 458 metros (mais de 4 campos de futebol) Largura: 69 metros (equivalente a um edifício de 23 andares) Calado (Profundidade do Casco Submerso): 24.5 metros (equivalente a um edifício de 8 andares)
  • 35. 440 caminhões 200 TEU 120 caminhões
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40.
  • 41.
  • 42. QUAL O MELHOR TIPO DE TRANSPORTE? MULTIMODAL (vai de porta a porta)