SlideShare uma empresa Scribd logo

Slides rubéola

O documento discute a rubéola, uma doença viral transmitida por via respiratória que causa febre, manchas avermelhadas e dor de cabeça. A rubéola é causada por um vírus da família Togaviridae e é mais comum em crianças entre 5-9 anos. A transmissão ocorre por contato direto ou pelo ar, e a vacina é altamente eficaz na prevenção, embora grávidas devam evitá-la.

1 de 12
Baixar para ler offline
RUBÉOLA

   VÍRUS DA RUBÉOLA
    EPIDEMIOLOGIA
     TRANSMISSÃO
PROGRESSÃO E SINTOMAS
     DIAGNÓSTICO
     TRATAMENTO
        VACINA
 Rubéola:     o que é?
   A rubéola é uma doença causada pelo
    togavírus e transmitida por via
    respiratória. Seus principais sintomas são
    muito parecidos com outras doenças virais
    comuns na infância, como sarampo e
    caxumba , geralmente envolvendo febre,
    manchas avermelhadas pelo corpo, dor de
    cabeça, dor pelo corpo, dificuldade ao
    engolir, nariz entupido e aumento dos
    gânglios.
Vírus da Rubéola




   A RUBÉOLA É TRANSMITIDA POR UM VÍRUS, PERTECENTE AO
          GÊNERO RUBIVIRUS (FAMÍLIA TOGAVIRIDAE).
Epidemiologia
O vírus ataca mais durante a primavera
nos países com climas temperados. Antes
da vacina contra a rubéola, introduzida em
1969, surtos ocorreram, geralmente, a
cada 6-9 anos nos Estados Unidos e 3-5
anos na Europa, afetando principalmente
as crianças na faixa etária de 5-9 anos de
idade. Desde a introdução da vacina, as
ocorrências se tornaram raras nos países
desenvolvidos, mas continuam comuns
nos países mais pobres.
Transmissão
   A transmissão é por contato direto, secreções
    ou pelo ar (espirros, tosse, beijo...). O vírus
    multiplica-se na faringe e nos órgãos
    linfáticos e depois dissemina-se pelo sangue e
    para a pele.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Slide sobre rubéola
Slide sobre rubéola Slide sobre rubéola
Slide sobre rubéola
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Febre Amarela - Saúde Coletiva II
Febre Amarela - Saúde Coletiva IIFebre Amarela - Saúde Coletiva II
Febre Amarela - Saúde Coletiva II
 
Epidemiologia da Rubéola e do Sarampo
Epidemiologia da Rubéola e do SarampoEpidemiologia da Rubéola e do Sarampo
Epidemiologia da Rubéola e do Sarampo
 
Zika vírus
Zika vírusZika vírus
Zika vírus
 
Poliomielite
Poliomielite Poliomielite
Poliomielite
 
Doenças virais ( caxumba e sarampo)
Doenças virais  ( caxumba e sarampo)Doenças virais  ( caxumba e sarampo)
Doenças virais ( caxumba e sarampo)
 
Apresentação aids
Apresentação aidsApresentação aids
Apresentação aids
 
Rubéola na Gestação
Rubéola na GestaçãoRubéola na Gestação
Rubéola na Gestação
 
Caxumba
CaxumbaCaxumba
Caxumba
 
Hepatites Virais
Hepatites ViraisHepatites Virais
Hepatites Virais
 
Slide sarampo
Slide sarampoSlide sarampo
Slide sarampo
 
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AISAEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
 
Hepatites a, b e c
Hepatites a, b e cHepatites a, b e c
Hepatites a, b e c
 
Sarampo
Sarampo Sarampo
Sarampo
 
CARTILHA de VACINAS - Ministério da Saúde
CARTILHA de VACINAS - Ministério da Saúde CARTILHA de VACINAS - Ministério da Saúde
CARTILHA de VACINAS - Ministério da Saúde
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
 
HIV vs. AIDS
HIV vs. AIDSHIV vs. AIDS
HIV vs. AIDS
 
Coqueluche
CoquelucheCoqueluche
Coqueluche
 
Semninário Febre Amarela
Semninário Febre AmarelaSemninário Febre Amarela
Semninário Febre Amarela
 

Semelhante a Slides rubéola

Semelhante a Slides rubéola (20)

Rubéola descrição
Rubéola descriçãoRubéola descrição
Rubéola descrição
 
Sarampo parasitologia
Sarampo parasitologiaSarampo parasitologia
Sarampo parasitologia
 
Doencas em geral
Doencas em geralDoencas em geral
Doencas em geral
 
Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentação
 
Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentação
 
Virologia
VirologiaVirologia
Virologia
 
ISTS
ISTSISTS
ISTS
 
Febre amarela e Rubéola
Febre amarela e RubéolaFebre amarela e Rubéola
Febre amarela e Rubéola
 
saude publica.pdf
saude publica.pdfsaude publica.pdf
saude publica.pdf
 
Biologia - Caxumba
Biologia - CaxumbaBiologia - Caxumba
Biologia - Caxumba
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdfModulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
 
As doenças sexualmente transmíssíveis
As doenças sexualmente transmíssíveisAs doenças sexualmente transmíssíveis
As doenças sexualmente transmíssíveis
 
Cachumba
Cachumba Cachumba
Cachumba
 
Cachumba
CachumbaCachumba
Cachumba
 
Patologias Virais III
Patologias Virais IIIPatologias Virais III
Patologias Virais III
 
Herpes
HerpesHerpes
Herpes
 
Herpes vírus e vírus hiv
Herpes vírus e vírus hivHerpes vírus e vírus hiv
Herpes vírus e vírus hiv
 
OBJECTIVOS DO PAV-TOE-4.pptx
OBJECTIVOS DO PAV-TOE-4.pptxOBJECTIVOS DO PAV-TOE-4.pptx
OBJECTIVOS DO PAV-TOE-4.pptx
 
Dsts
DstsDsts
Dsts
 

Slides rubéola

  • 1. RUBÉOLA  VÍRUS DA RUBÉOLA  EPIDEMIOLOGIA TRANSMISSÃO PROGRESSÃO E SINTOMAS DIAGNÓSTICO TRATAMENTO VACINA
  • 2.  Rubéola: o que é?  A rubéola é uma doença causada pelo togavírus e transmitida por via respiratória. Seus principais sintomas são muito parecidos com outras doenças virais comuns na infância, como sarampo e caxumba , geralmente envolvendo febre, manchas avermelhadas pelo corpo, dor de cabeça, dor pelo corpo, dificuldade ao engolir, nariz entupido e aumento dos gânglios.
  • 3. Vírus da Rubéola  A RUBÉOLA É TRANSMITIDA POR UM VÍRUS, PERTECENTE AO GÊNERO RUBIVIRUS (FAMÍLIA TOGAVIRIDAE).
  • 5. O vírus ataca mais durante a primavera nos países com climas temperados. Antes da vacina contra a rubéola, introduzida em 1969, surtos ocorreram, geralmente, a cada 6-9 anos nos Estados Unidos e 3-5 anos na Europa, afetando principalmente as crianças na faixa etária de 5-9 anos de idade. Desde a introdução da vacina, as ocorrências se tornaram raras nos países desenvolvidos, mas continuam comuns nos países mais pobres.
  • 6. Transmissão  A transmissão é por contato direto, secreções ou pelo ar (espirros, tosse, beijo...). O vírus multiplica-se na faringe e nos órgãos linfáticos e depois dissemina-se pelo sangue e para a pele.
  • 7. Progressão e sintomas  A infecção, geralmente, tem evolução auto- limitada e em metade dos casos não produz qualquer manifestação clínica perceptíveis. Os sintomas mais comuns são:  Febre baixa (até 38°C);  Aumento dos gânglios linfáticos no pescoço,  Hipertrofia ganglionar retro-ocular e suboccipital,  Manchas cor-de-rosa cutâneas, inicialmente no rosto e que evoluem rapidamente em direção aos pés e em geral desaparecem em menos de 5 dias.  Dores pelo corpo.
  • 8. Diagnóstico  O diagnóstico clínico é difícil por semelhança dos sintomas com os dos outras doenças causadas por vírus com sintomas semelhantes (como sarampo, caxumba, influenza e dengue). É mais frequentemente sorológico, com detecção de anticorpos específicos para o vírus, que pode ser melhor identificado quatro dias depois do aparecimento das manchas pelo corpo, ou por ELISA (teste imunoenzimático que permite a detecção de anticorpos específicos no soro). Como ela se cura mesmo sem tratamento específico, sua investigação laboratorial é geralmente restrita apenas para mulheres grávidas.
  • 9. Tratamento  É recomendado que o paciente descanse por alguns dias, mas crianças podem continuar brincando em casa com pessoas imunizadas. Beber muita água, sucos e determinados chás ajuda a repôr a perda de líquidos, sais minerais e vitaminas para deixar o organismo mais saudável enquanto ele luta contra a doença.
  • 10. Vacina A vacina é composta por vírus atenuados, cultivados em células de rim de coelho ou em células diplóides humanas. Pode ser produzida na forma monovalente, associada com sarampo (dupla viral) ou com sarampo e caxumba (tríplice viral). A vacina se apresenta de forma liofilizada, devendo ser reconstituída para o uso.
  • 11. Gestantes não devem ser vacinadas e as mulheres vacinadas devem evitar a gestação até o mês seguinte à vacinação pelo risco de contaminação do feto (mesmo enfraquecido o vírus pode atravessar a placenta).  É altamente eficaz e dificilmente gera efeitos colaterais. Adultos e adolescentes não imunizados também podem tomar a vacina.  O vírus da rubéola é capaz de penetrar a barreira placentária e contaminar o feto causando má formações ou aborto espontâneo.
  • 12. Alunos:  T.S.T 07 Ana Paula Nascimento Rosiele Silveira Paulo Felipe Joicy Souza Guilherme Ferrari  T.S.T 06 Kátia Santos EPIDEMIOLOGIA E TOXICOLOGIA