SlideShare uma empresa Scribd logo
Trabalho de Biologia

       Viroses
Gripe
• As diferentes gripes e
  resfriados que pegamos
  através da vida, apesar
  de terem quase sempre
  os                 mesmos
  sintomas, são causadas
  por vírus diferentes.
• Todos eles são de uma
  mesma        família,   a
  Influenza, que também
  inclui vírus de gripes
  mais fortes, como a
  suína e a aviária.
• Apenas mamíferos e aves podem contrair
  gripes, mas normalmente originada de um
  vírus específico para cada espécie.
• Em        humanos          os       sintomas
  são, normalmente, calafrios e febre, dor de
  garganta, dores musculares, dores de
  cabeça, tosse, fadiga e mal estar.
• Em      casos      mais     graves      causa
  pneumonia,          que       pode        ser
  fatal,   particularmente      em     crianças
  pequenas e idosos.
• Tipicamente, a gripe é transmitida por
  mamíferos infectados por meio do ar por
  tosses ou espirros, criando partículas
  contendo o vírus, e por aves infectadas por
  meio de suas fezes.
• Pode também ser transmitida pela saliva,
  secreções nasais, fezes e sangue.
• Infecções também ocorrem por meio de
  contato com estes fluidos corporais ou com
  superfícies contaminadas.
Sarampo, Catapora, Rubéola e
            Caxumba
• Estas doenças também
  são transmitidas por
  saliva,       gotículas
  eliminadas pela tosse
  por exemplo, atacando
  geralmente crianças.
• O doente deve ficar de
  cama, em isolamento e
  receber            boa
  alimentação.
• Deve ficar também sob orientação
  médica, para ser atendido prontamente
  no caso de infecções bacterianas.
• A rubéola é perigosa quando contraída
  por mulheres grávidas, pois o vírus pode
  provocar     anomalias    no     embrião
  (catarata, surdo - mudez e doenças
  cardíacas, entre outras).
Poliomelite
• A Poliomielite, também
  conhecida como Pólio, é
  uma      doença      viral
  altamente     contagiosa,
  que afeta principalmente
  crianças pequenas.
• O vírus é transmitido
  através de alimentos e
  água contaminados, e se
  multiplica no intestino,
  de onde se pode invadir
  o sistema nervoso.
• Muitas       pessoas    infectadas    não
  apresentam sintomas, mas continuam
  contaminando outras pessoas.
• Causa paralisia e deformações no corpo.
• Está sendo erradicada em todo mundo
  com graças a campanhas de vacinação.
• Poliós (πολιός) significa cinza, myelós
  (µυελός) se refere à medula espinhal e o
  sufixo -ite é usado para inflamações.
• Sendo uma doença neurológica crônica, não
  há    tratamento   específico   para     a
  poliomielite.
• Os doentes devem se submeter a
  programas de reabilitação, para fortalecer
  os músculos atrofiados. Nos casos mais
  graves onde os músculos respiratórios
  foram afetados, os pacientes deverão ser
  submetidos a tratamentos com pulmões
  mecânicos.
Febre Amarela
• A Febre Amarela é
  uma infecção viral
  transmitida por um
  mosquito        (Aedes
  aegypti)
• Ocorre na América
  Central, na América
  do Sul e na África.
• No Brasil, a febre amarela pode ser
  adquirida em áreas silvestres e rurais de
  regiões como Norte e Centro-Oeste, além
  de parte do Sudeste, Nordeste e Sul.
• A      febre      amarela     é      tratada
  sintomaticamente,         ou   seja,     são
  administrados líquidos e transfusões de
  sangue ou apenas plaquetas caso sejam
  necessárias.
• A hemodiálise poderá ser necessária caso
  haja insuficiência renal.
• A prevenção da doença é feita com
  vacinas e contenção dos mosquitos,
  impedindo-os de reproduzir.
Dengue
• A dengue é causada
  por 4 sorotipos de
  vírus.
• Todos os primatas
  são     capazes   de
  contrair a doença,
  mas      apenas    o
  homem sofre de uma
  infecção prolongada.
• A dengue surgiu nos anos 50, no Sudeste
  Asiático.
• A doença foi se espalhando por outras
  regiões do Pacífico. No Brasil, a doença
  surgiu por volta da década de 80 ou 90.
• Não há vacinas contra a dengue, a única
  forma de prevenção contra a doença é a
  contenção do mosquito transmissor.
• O paciente é aconselhado pelo médico a
  ficar em repouso e beber muitos líquidos
  evitando café, refrigerantes e leite (que
  irritam o estômago).
• É importante então evitar a automedicação,
  porque pode ser perigosa, já que a
  prescrição médica desaconselha usar
  remédios normalmente usados para febre,
  porque eles facilitam a hemorragia.
• Um medicamento muito usado na
  dengue é o paracetamol por suas
  propriedades analgésicas e antitérmicas,
  boa tolerância e poucos efeitos
  colaterais.
• Analgésicos como Novalgina, Dorflex e
  Anador devem ser evitados em pessoas
  com pressão baixa pois podem diminuir a
  pressão e causar manchas de pele.
Raiva
• A raiva (também
  conhecida
  impropriamente
  como Hidrofobia), é
  uma doença
  infecciosa que afeta
  os mamíferos
  causada por um
  vírus.
• O vírus se instala e multiplica primeiro
  nos nervos periféricos e depois no
  sistema nervoso central e dali para as
  glândulas salivares, de onde se multiplica
  e propaga.
• A transmissão dá-se do animal infectado
  para o sadio através do contato da saliva
  por mordida, lambida em feridas
  abertas, mucosas ou arranhões.
• Outros casos de transmissão registrados
  são a via inalatória, pela placenta e
  aleitamento e, entre humanos, pelo
  transplante de córnea.
• Sua incidência é global, salvo em algumas
  áreas específicas em que é considerado
  erradicado,             como            a
  Antártida, Japão, Reino Unido, e outras
  ilhas.
• Na fase inicial há apenas dor ou coceira no local
  da mordida, náuseas, vômitos e mal estar
  moderado ("mau humor").
• Na fase que se segue, surgem espasmos
  musculares intensos da faringe e laringe com
  dores excruciantes na deglutição, mesmo que de
  água.
• O indivíduo ganha por essa razão um medo
  irracional e intenso ao líquido, chamado de
  hidrofobia (por isso também conhecida por este
  nome). Logo que surge a hidrofobia, a morte já é
  certa.
• Outros sintomas são episódios de
  hostilidade violenta (raiva), tentativas de
  morder e bater nos outros e gritos,
  alucinações, insônia, ansiedade extrema,
  provocados por estímulos aleatórios visuais
  ou acústicos.
• A morte segue-se na maioria dos casos após
  cerca de quatro dias. Numa minoria de
  casos, após esses quatro dias surge antes
  uma terceira fase de sintomas, com paralisia
  muscular, asfixia e morte mais arrastada.
• Para não contrair a doença, a mordida ou
  ferida deve ser muito bem lavada com água
  e sabão.
• Se diagnosticada bem cedo, pode ser
  administrada uma vacina que cura a
  doença.
• Se chega a fase de hidrofobia, a única
  terapia é o alívio do sofrimento do paciente,
  uma vez que este fica consciente todo o
  tempo.
Hepatite
• Há vários tipos de
  hepatites, as virais
  são a A, B e C, cada
  uma causada por
  uma espécie de vírus
  diferentes.
• A Hepatite A é transmitida por alimentos
  e água contaminados. Mais comum em
  áreas sem saneamento básico.
• Para evitá-la, é necessário que se lave os
  alimentos antes de se consumi-los.
• Deve-se também assegurar que a água
  esteja em condições de consumo e que a
  comida consumida fora de casa seja
  também segura.
• A Hepatite B pode ser transmitida
  através de contato com sangue e
  materiais cortantes infectados. Também
  pode ser transmitida pelo sexo.
• Existe vacinas contra a Hepatite B, mas é
  mais eficaz tomar cuidados básicos,
  como levar o seu próprio kit para a
  manicure ou o uso de camisinha.
• A Hepatite C pode ser adquirida através
  de transfusão sanguínea, tatuagens, uso
  de drogas, piercings, e em manicure.
• A prevenção é feita evitando-se o uso de
  materiais cortantes ou agulhas que não
  estejam     devidamente     esterilizadas.
  Recomenda-se o uso de descartáveis de
  uso único, bem como material próprio
  em manicures.
• O principal sintoma das hepatites é a
  cirrose hepática, que só pode ser tratada
  com transplante.
AIDS
• A AIDS é uma doença causada por um
  vírus inicialmente identificado em
  macacos.
• Os primeiros casos em humanos foram
  identificados na África nos anos 80.
• Esta condição reduz progressivamente a
  eficácia do sistema imunológico e deixa as
  pessoas suscetíveis a infecções e tumores.
• O HIV é transmitido através do contato
  direto de uma membrana mucosa ou na
  corrente sanguínea com um fluido corporal
  que contêm o HIV, tais como sangue,
  sêmen, secreção vaginal e leite materno.
• Não existe atualmente nenhuma vacina
  disponível para o HIV ou a cura para o
  HIV ou para a AIDS.
• Os únicos métodos conhecidos de
  prevenção baseiam-se evitar a exposição
  ao vírus ou, na falta desta, um
  tratamento antirretroviral diretamente
  após uma exposição.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Seminário de /doencas Infec.
Seminário de /doencas Infec.Seminário de /doencas Infec.
Seminário de /doencas Infec.Tamiris Ferreira
 
Chikungunya
Chikungunya Chikungunya
Chikungunya Claupaiva
 
Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactériasDoenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactériasCharles Carvalho
 
Rotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomieliteRotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomieliteYlla Cohim
 
Trab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-CotucaTrab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-Cotucaeld09
 
Febre amarela e hanseníase - Epidemiologia
Febre amarela e hanseníase - EpidemiologiaFebre amarela e hanseníase - Epidemiologia
Febre amarela e hanseníase - EpidemiologiaDanilo Alves
 
CÓLERA, CAXUMBA, HEPATITE B E HEPATITE C
CÓLERA, CAXUMBA, HEPATITE B E HEPATITE CCÓLERA, CAXUMBA, HEPATITE B E HEPATITE C
CÓLERA, CAXUMBA, HEPATITE B E HEPATITE CFernanda Marinho
 
Febre amarela e Rubéola
Febre amarela e RubéolaFebre amarela e Rubéola
Febre amarela e RubéolaNatália Maciel
 
Papel Informativo sobre Dengue, Zika, Chikungunya e Sindrome de Guillain Barré
Papel Informativo sobre Dengue, Zika, Chikungunya e Sindrome de Guillain BarréPapel Informativo sobre Dengue, Zika, Chikungunya e Sindrome de Guillain Barré
Papel Informativo sobre Dengue, Zika, Chikungunya e Sindrome de Guillain BarréNinho Cristo
 
Documento técnico da síndrome pós pólio
Documento técnico da síndrome pós   pólioDocumento técnico da síndrome pós   pólio
Documento técnico da síndrome pós pólioJuca Souza
 
Semninário Febre Amarela
Semninário Febre AmarelaSemninário Febre Amarela
Semninário Febre AmarelaNathy Oliveira
 
Poliomelite
PoliomelitePoliomelite
Poliomelitekilidin
 
Doencas em geral
Doencas em geralDoencas em geral
Doencas em geralescola
 

Mais procurados (20)

Seminário de /doencas Infec.
Seminário de /doencas Infec.Seminário de /doencas Infec.
Seminário de /doencas Infec.
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
 
Chikungunya
Chikungunya Chikungunya
Chikungunya
 
A poliomielite
A poliomieliteA poliomielite
A poliomielite
 
Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactériasDoenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias
 
Rotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomieliteRotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomielite
 
Trab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-CotucaTrab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-Cotuca
 
Febre amarela e hanseníase - Epidemiologia
Febre amarela e hanseníase - EpidemiologiaFebre amarela e hanseníase - Epidemiologia
Febre amarela e hanseníase - Epidemiologia
 
CÓLERA, CAXUMBA, HEPATITE B E HEPATITE C
CÓLERA, CAXUMBA, HEPATITE B E HEPATITE CCÓLERA, CAXUMBA, HEPATITE B E HEPATITE C
CÓLERA, CAXUMBA, HEPATITE B E HEPATITE C
 
Febre amarela e Rubéola
Febre amarela e RubéolaFebre amarela e Rubéola
Febre amarela e Rubéola
 
Febre de chikungunya
Febre de chikungunyaFebre de chikungunya
Febre de chikungunya
 
Papel Informativo sobre Dengue, Zika, Chikungunya e Sindrome de Guillain Barré
Papel Informativo sobre Dengue, Zika, Chikungunya e Sindrome de Guillain BarréPapel Informativo sobre Dengue, Zika, Chikungunya e Sindrome de Guillain Barré
Papel Informativo sobre Dengue, Zika, Chikungunya e Sindrome de Guillain Barré
 
Febre Amarela
Febre AmarelaFebre Amarela
Febre Amarela
 
Aula 9 den
Aula 9 denAula 9 den
Aula 9 den
 
Doenças
DoençasDoenças
Doenças
 
Documento técnico da síndrome pós pólio
Documento técnico da síndrome pós   pólioDocumento técnico da síndrome pós   pólio
Documento técnico da síndrome pós pólio
 
Slide dengue
Slide dengueSlide dengue
Slide dengue
 
Semninário Febre Amarela
Semninário Febre AmarelaSemninário Febre Amarela
Semninário Febre Amarela
 
Poliomelite
PoliomelitePoliomelite
Poliomelite
 
Doencas em geral
Doencas em geralDoencas em geral
Doencas em geral
 

Destaque

Raiva- É como uma doença que vai corroendo de dentro para fora, e causa preju...
Raiva- É como uma doença que vai corroendo de dentro para fora, e causa preju...Raiva- É como uma doença que vai corroendo de dentro para fora, e causa preju...
Raiva- É como uma doença que vai corroendo de dentro para fora, e causa preju...Iracema Perin
 
Raiva: aspectos gerais e protocolo de atendimento.
Raiva: aspectos gerais e protocolo de atendimento.Raiva: aspectos gerais e protocolo de atendimento.
Raiva: aspectos gerais e protocolo de atendimento.Juracir Bezerra
 
Apresentação de slides pronto
Apresentação de slides prontoApresentação de slides pronto
Apresentação de slides prontocandidacbertao
 

Destaque (9)

Trabalho de bio 3 karen 3 c hidrofobia
Trabalho de bio 3 karen 3 c hidrofobiaTrabalho de bio 3 karen 3 c hidrofobia
Trabalho de bio 3 karen 3 c hidrofobia
 
Raiva- É como uma doença que vai corroendo de dentro para fora, e causa preju...
Raiva- É como uma doença que vai corroendo de dentro para fora, e causa preju...Raiva- É como uma doença que vai corroendo de dentro para fora, e causa preju...
Raiva- É como uma doença que vai corroendo de dentro para fora, e causa preju...
 
Raiva
Raiva Raiva
Raiva
 
Raiva
RaivaRaiva
Raiva
 
Raiva: aspectos gerais e protocolo de atendimento.
Raiva: aspectos gerais e protocolo de atendimento.Raiva: aspectos gerais e protocolo de atendimento.
Raiva: aspectos gerais e protocolo de atendimento.
 
Raiva.
Raiva.Raiva.
Raiva.
 
Raiva
RaivaRaiva
Raiva
 
Trabalho Raiva Slaides
Trabalho Raiva SlaidesTrabalho Raiva Slaides
Trabalho Raiva Slaides
 
Apresentação de slides pronto
Apresentação de slides prontoApresentação de slides pronto
Apresentação de slides pronto
 

Semelhante a Viroses

O dengue slide
O dengue slideO dengue slide
O dengue slideppu2015
 
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptxAULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptxFranciscaalineBrito
 
Doenças Causadas por Vírus
Doenças Causadas por VírusDoenças Causadas por Vírus
Doenças Causadas por VírusRafael Serafim
 
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do susDoenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do susprofalicebolelli
 
saude publica.pdf
saude publica.pdfsaude publica.pdf
saude publica.pdfANA FONSECA
 
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds tsDoenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds tsIvete Campos
 
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptxAULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptxFranciscaalineBrito
 
Principais Zoonoses fiocruz
Principais Zoonoses  fiocruzPrincipais Zoonoses  fiocruz
Principais Zoonoses fiocruzSocorro Carneiro
 
Parasitologia - Malaria
Parasitologia - MalariaParasitologia - Malaria
Parasitologia - MalariapHrOzEn HeLL
 
Cuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higieneCuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higieneJoanaPaiva16
 

Semelhante a Viroses (20)

Doenças causadas por virus
Doenças  causadas por virusDoenças  causadas por virus
Doenças causadas por virus
 
O dengue slide
O dengue slideO dengue slide
O dengue slide
 
Coronavírus, Rotavírus e Hepatite
Coronavírus, Rotavírus e HepatiteCoronavírus, Rotavírus e Hepatite
Coronavírus, Rotavírus e Hepatite
 
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptxAULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
 
Trabalho da feira da cultura centro oeste (801)
Trabalho da feira da cultura centro  oeste (801)Trabalho da feira da cultura centro  oeste (801)
Trabalho da feira da cultura centro oeste (801)
 
Doenças Causadas por Vírus
Doenças Causadas por VírusDoenças Causadas por Vírus
Doenças Causadas por Vírus
 
Ebola vírus
Ebola vírusEbola vírus
Ebola vírus
 
FEBRE AMARELA
FEBRE AMARELAFEBRE AMARELA
FEBRE AMARELA
 
Patologias Virais II
Patologias Virais IIPatologias Virais II
Patologias Virais II
 
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do susDoenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
 
Doenças transmitidas por mosquitos
Doenças transmitidas por mosquitosDoenças transmitidas por mosquitos
Doenças transmitidas por mosquitos
 
saude publica.pdf
saude publica.pdfsaude publica.pdf
saude publica.pdf
 
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds tsDoenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts
 
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptxAULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
 
Doenças
DoençasDoenças
Doenças
 
GRIPE slid.pptx
GRIPE slid.pptxGRIPE slid.pptx
GRIPE slid.pptx
 
Principais Zoonoses fiocruz
Principais Zoonoses  fiocruzPrincipais Zoonoses  fiocruz
Principais Zoonoses fiocruz
 
Parasitologia - Malaria
Parasitologia - MalariaParasitologia - Malaria
Parasitologia - Malaria
 
Cuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higieneCuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higiene
 
mosquito da Dengue
mosquito da Denguemosquito da Dengue
mosquito da Dengue
 

Mais de Pedro Klein Garcia (20)

Minha Opinião do Jogo Brasil e Alemanha, Causas e consequências
Minha Opinião do Jogo Brasil e Alemanha, Causas e consequênciasMinha Opinião do Jogo Brasil e Alemanha, Causas e consequências
Minha Opinião do Jogo Brasil e Alemanha, Causas e consequências
 
Governo FHC
Governo FHCGoverno FHC
Governo FHC
 
França
FrançaFrança
França
 
União Europeia
União EuropeiaUnião Europeia
União Europeia
 
Retrospectiva Outubro-Novembro 2012
Retrospectiva Outubro-Novembro 2012Retrospectiva Outubro-Novembro 2012
Retrospectiva Outubro-Novembro 2012
 
Barroco Goiano
Barroco GoianoBarroco Goiano
Barroco Goiano
 
Industrialização da Rússia/URSS
Industrialização da Rússia/URSSIndustrialização da Rússia/URSS
Industrialização da Rússia/URSS
 
Industrialização da Alemanha
Industrialização da AlemanhaIndustrialização da Alemanha
Industrialização da Alemanha
 
Síndrome de Edwards
Síndrome de EdwardsSíndrome de Edwards
Síndrome de Edwards
 
A sociedade brasileira no período da república liberal
A sociedade brasileira no período da república liberalA sociedade brasileira no período da república liberal
A sociedade brasileira no período da república liberal
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Arte Fenícia
Arte FeníciaArte Fenícia
Arte Fenícia
 
Sociedade Colonial Brasileira
Sociedade Colonial BrasileiraSociedade Colonial Brasileira
Sociedade Colonial Brasileira
 
Trabalho de física
Trabalho de físicaTrabalho de física
Trabalho de física
 
Código de Defesa do Consumidor
Código de Defesa do ConsumidorCódigo de Defesa do Consumidor
Código de Defesa do Consumidor
 
Sistema nervoso periférico
Sistema nervoso periféricoSistema nervoso periférico
Sistema nervoso periférico
 
Raimundo Correa
Raimundo CorreaRaimundo Correa
Raimundo Correa
 
Império Russo na I Guerra Mundial
Império Russo na I Guerra MundialImpério Russo na I Guerra Mundial
Império Russo na I Guerra Mundial
 
Energia Nuclear
Energia NuclearEnergia Nuclear
Energia Nuclear
 
Os simpsons e a ciência pt1
Os simpsons e a ciência pt1Os simpsons e a ciência pt1
Os simpsons e a ciência pt1
 

Último

Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40vitoriaalyce2011
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxGraycyelleCavalcanti
 
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessRodrigoGonzlez461291
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade geneticMrMartnoficial
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfLeandroTelesRocha2
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfLeandroTelesRocha2
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]ESCRIBA DE CRISTO
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-carloseduardogonalve36
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetosLeonardoHenrique931183
 
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxmairaviani
 

Último (20)

Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
 
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
 

Viroses

  • 2. Gripe • As diferentes gripes e resfriados que pegamos através da vida, apesar de terem quase sempre os mesmos sintomas, são causadas por vírus diferentes. • Todos eles são de uma mesma família, a Influenza, que também inclui vírus de gripes mais fortes, como a suína e a aviária.
  • 3. • Apenas mamíferos e aves podem contrair gripes, mas normalmente originada de um vírus específico para cada espécie. • Em humanos os sintomas são, normalmente, calafrios e febre, dor de garganta, dores musculares, dores de cabeça, tosse, fadiga e mal estar. • Em casos mais graves causa pneumonia, que pode ser fatal, particularmente em crianças pequenas e idosos.
  • 4. • Tipicamente, a gripe é transmitida por mamíferos infectados por meio do ar por tosses ou espirros, criando partículas contendo o vírus, e por aves infectadas por meio de suas fezes. • Pode também ser transmitida pela saliva, secreções nasais, fezes e sangue. • Infecções também ocorrem por meio de contato com estes fluidos corporais ou com superfícies contaminadas.
  • 5. Sarampo, Catapora, Rubéola e Caxumba • Estas doenças também são transmitidas por saliva, gotículas eliminadas pela tosse por exemplo, atacando geralmente crianças. • O doente deve ficar de cama, em isolamento e receber boa alimentação.
  • 6. • Deve ficar também sob orientação médica, para ser atendido prontamente no caso de infecções bacterianas. • A rubéola é perigosa quando contraída por mulheres grávidas, pois o vírus pode provocar anomalias no embrião (catarata, surdo - mudez e doenças cardíacas, entre outras).
  • 7. Poliomelite • A Poliomielite, também conhecida como Pólio, é uma doença viral altamente contagiosa, que afeta principalmente crianças pequenas. • O vírus é transmitido através de alimentos e água contaminados, e se multiplica no intestino, de onde se pode invadir o sistema nervoso.
  • 8. • Muitas pessoas infectadas não apresentam sintomas, mas continuam contaminando outras pessoas. • Causa paralisia e deformações no corpo. • Está sendo erradicada em todo mundo com graças a campanhas de vacinação. • Poliós (πολιός) significa cinza, myelós (µυελός) se refere à medula espinhal e o sufixo -ite é usado para inflamações.
  • 9. • Sendo uma doença neurológica crônica, não há tratamento específico para a poliomielite. • Os doentes devem se submeter a programas de reabilitação, para fortalecer os músculos atrofiados. Nos casos mais graves onde os músculos respiratórios foram afetados, os pacientes deverão ser submetidos a tratamentos com pulmões mecânicos.
  • 10. Febre Amarela • A Febre Amarela é uma infecção viral transmitida por um mosquito (Aedes aegypti) • Ocorre na América Central, na América do Sul e na África.
  • 11. • No Brasil, a febre amarela pode ser adquirida em áreas silvestres e rurais de regiões como Norte e Centro-Oeste, além de parte do Sudeste, Nordeste e Sul. • A febre amarela é tratada sintomaticamente, ou seja, são administrados líquidos e transfusões de sangue ou apenas plaquetas caso sejam necessárias. • A hemodiálise poderá ser necessária caso haja insuficiência renal.
  • 12. • A prevenção da doença é feita com vacinas e contenção dos mosquitos, impedindo-os de reproduzir.
  • 13. Dengue • A dengue é causada por 4 sorotipos de vírus. • Todos os primatas são capazes de contrair a doença, mas apenas o homem sofre de uma infecção prolongada.
  • 14. • A dengue surgiu nos anos 50, no Sudeste Asiático. • A doença foi se espalhando por outras regiões do Pacífico. No Brasil, a doença surgiu por volta da década de 80 ou 90. • Não há vacinas contra a dengue, a única forma de prevenção contra a doença é a contenção do mosquito transmissor.
  • 15. • O paciente é aconselhado pelo médico a ficar em repouso e beber muitos líquidos evitando café, refrigerantes e leite (que irritam o estômago). • É importante então evitar a automedicação, porque pode ser perigosa, já que a prescrição médica desaconselha usar remédios normalmente usados para febre, porque eles facilitam a hemorragia.
  • 16. • Um medicamento muito usado na dengue é o paracetamol por suas propriedades analgésicas e antitérmicas, boa tolerância e poucos efeitos colaterais. • Analgésicos como Novalgina, Dorflex e Anador devem ser evitados em pessoas com pressão baixa pois podem diminuir a pressão e causar manchas de pele.
  • 17. Raiva • A raiva (também conhecida impropriamente como Hidrofobia), é uma doença infecciosa que afeta os mamíferos causada por um vírus.
  • 18. • O vírus se instala e multiplica primeiro nos nervos periféricos e depois no sistema nervoso central e dali para as glândulas salivares, de onde se multiplica e propaga. • A transmissão dá-se do animal infectado para o sadio através do contato da saliva por mordida, lambida em feridas abertas, mucosas ou arranhões.
  • 19. • Outros casos de transmissão registrados são a via inalatória, pela placenta e aleitamento e, entre humanos, pelo transplante de córnea. • Sua incidência é global, salvo em algumas áreas específicas em que é considerado erradicado, como a Antártida, Japão, Reino Unido, e outras ilhas.
  • 20. • Na fase inicial há apenas dor ou coceira no local da mordida, náuseas, vômitos e mal estar moderado ("mau humor"). • Na fase que se segue, surgem espasmos musculares intensos da faringe e laringe com dores excruciantes na deglutição, mesmo que de água. • O indivíduo ganha por essa razão um medo irracional e intenso ao líquido, chamado de hidrofobia (por isso também conhecida por este nome). Logo que surge a hidrofobia, a morte já é certa.
  • 21. • Outros sintomas são episódios de hostilidade violenta (raiva), tentativas de morder e bater nos outros e gritos, alucinações, insônia, ansiedade extrema, provocados por estímulos aleatórios visuais ou acústicos. • A morte segue-se na maioria dos casos após cerca de quatro dias. Numa minoria de casos, após esses quatro dias surge antes uma terceira fase de sintomas, com paralisia muscular, asfixia e morte mais arrastada.
  • 22. • Para não contrair a doença, a mordida ou ferida deve ser muito bem lavada com água e sabão. • Se diagnosticada bem cedo, pode ser administrada uma vacina que cura a doença. • Se chega a fase de hidrofobia, a única terapia é o alívio do sofrimento do paciente, uma vez que este fica consciente todo o tempo.
  • 23. Hepatite • Há vários tipos de hepatites, as virais são a A, B e C, cada uma causada por uma espécie de vírus diferentes.
  • 24. • A Hepatite A é transmitida por alimentos e água contaminados. Mais comum em áreas sem saneamento básico. • Para evitá-la, é necessário que se lave os alimentos antes de se consumi-los. • Deve-se também assegurar que a água esteja em condições de consumo e que a comida consumida fora de casa seja também segura.
  • 25. • A Hepatite B pode ser transmitida através de contato com sangue e materiais cortantes infectados. Também pode ser transmitida pelo sexo. • Existe vacinas contra a Hepatite B, mas é mais eficaz tomar cuidados básicos, como levar o seu próprio kit para a manicure ou o uso de camisinha.
  • 26. • A Hepatite C pode ser adquirida através de transfusão sanguínea, tatuagens, uso de drogas, piercings, e em manicure. • A prevenção é feita evitando-se o uso de materiais cortantes ou agulhas que não estejam devidamente esterilizadas. Recomenda-se o uso de descartáveis de uso único, bem como material próprio em manicures.
  • 27. • O principal sintoma das hepatites é a cirrose hepática, que só pode ser tratada com transplante.
  • 28. AIDS • A AIDS é uma doença causada por um vírus inicialmente identificado em macacos. • Os primeiros casos em humanos foram identificados na África nos anos 80.
  • 29. • Esta condição reduz progressivamente a eficácia do sistema imunológico e deixa as pessoas suscetíveis a infecções e tumores. • O HIV é transmitido através do contato direto de uma membrana mucosa ou na corrente sanguínea com um fluido corporal que contêm o HIV, tais como sangue, sêmen, secreção vaginal e leite materno.
  • 30. • Não existe atualmente nenhuma vacina disponível para o HIV ou a cura para o HIV ou para a AIDS. • Os únicos métodos conhecidos de prevenção baseiam-se evitar a exposição ao vírus ou, na falta desta, um tratamento antirretroviral diretamente após uma exposição.