SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
O trabalho 
Ao longo da história 
Kamila Peixoto
Roteiro: 
• Sociedades tribais ou indígenas; 
• Sociedade Greco-Romana; 
• Idade Media; 
• Sociedade moderna; 
• Concepções de: Karl Marx e Émilie Durkheim; 
• Fordismo, Taylorismo e Toyotismo.
Sociedades tribais ou indígenas 
• As sociedades tradicionais(tribais), baseavam 
seu trabalho na coleta, pesca e caça; 
• As atividades eram divididas por gênero e idade; 
• Respeito á “mãe terra”; 
• Concepção de consumo necessário diferente das 
sociedades modernas; 
• Ausência do chamado “mundo do trabalho” 
• Marshall Sahlins: ideia de sociedade do lazer ou 
da abundancia.
Atenção! 
Explicando alguns desses conceitos
Atenção! 
“As atividades eram divididas por 
gênero e idade” 
• Mulheres nas sociedades tibais tem como 
principais tarefas, fazer os alimentos enquanto 
os homens os trabalhos mais braçais como pesca 
e caça. Crianças aprendem desde cedo seus 
papeis.
Atenção! 
“Respeito á ‘mãe terra’” 
• Eles respeitam a terra pois sabem que seu 
sustento vem dela. 
“Ausência do chamado ‘mundo 
do trabalho’” 
• Em algumas tribos os índios trabalham no 
máximo 4 horas e o resto do dia é para o lazer.
Sociedade Greco-Romana 
• Mão de obra escrava garantia a produção 
suficiente para suprir as necessidades da 
população; 
• Nobres e senhores isentos de qualquer atividade 
laboral; 
• Três concepções para trabalho: 
Labor: O esforço físico (como: Lavradores); 
Poieses: Ato de fabricar (criar e depois fabricar. 
Ex.:artesão); 
Práxis: palavra como instrumento (Oratório)
Idade média 
• Sociedade composta pelos feudos; 
• Tinham a terra como principal meio de ocupação; 
• Trabalhadores sem dinheiros sobre á propriedade 
privada (apenas senhores feudais); 
• Regime de servidão, não escravidão; 
• Sistema de comprometimento do servo com o seu 
senhor, e vice-versa; 
Corveia: Além do trabalho nas terras, o servo deveria 
trabalhar nas construções e manutenções de estradas; 
Talha: taxa cobrada a qualquer individuo que produzir 
nas terras do senhor feudal(aluguel); 
Banalidades: instrumentos dos senhores que também 
eram pagos para os servos (Exemplo os moinhos).
Atenção! 
“Servos e não escravos” 
• Eles não eram obrigados a trabalhar nas terras, 
eles serviam aos que ‘sediam’ a terra. Contrario 
aos escravos que eram obrigados a trabalhar. 
“Sistema de comprometimento do 
servo com o seu senhor, e vice-versa” 
• Servos trabalhavam e pagavam para o seu 
senhor e o senhor garantia a segurança dos 
servos.
Atenção! 
“Trabalhadores sem dinheiros 
sobre á propriedade privada” 
• Os servos deviam pagar, com uma parte do que 
colhem das terras, aos seus senhores pela terra, 
era como uma espécie de aluguel. E além disto, 
tinham dever de ajudar nas construções e 
manutenções. Se olhar direito, era como se eles 
pagassem para trabalhar.
Atenção! 
Importâncias do fim dessa fase: 
• No fim dessa época começaram a surgir as 
ciências. 
• Formação das cidades, ao redor dos comercios; 
• Após sua queda o mundo começou a ficar 
capitalista.
Sociedade moderna 
• ‘De vil’ (servidão e negativo) para ‘dignificante’; 
• Produção capitalista; 
• Passou a ser assalariado; 
• Mudança de local de trabalho (casa/terras -> 
Fabricas); 
• Acumulação de riquezas; 
• Organização e coordenação de produção de 
mercadorias; 
• Cooperação simples: Financiamento do trabalho 
artesanal pelos donos dos meios de produção;
Sociedade moderna (cont.) 
• Manufatura (cooperação avançada): Modelo 
primário de uma linha de montagem (trabalho feito 
por muitas mãos); 
• Maquinofatura: Substituição do homem pela 
máquina; 
• Processo de convencimento sobre a ideia de 
trabalho: 
Igrejas: é algo divino 
Governantes: Penalidades para quem não 
trabalha(como desconto nos salários); 
Escolas: Ensino sobre concepção de trabalho como 
algo bom.
Atenção! 
“Mudança de local de trabalho” 
• No Feudalismo o trabalho era principalmente no 
campo já na atualidade ele foi mudado para as 
industrias. 
“Cooperação simples” 
• O operário era ensinado a pensar e depois 
produzir, sabia de todas as etapas da produção.
“Manufatura” 
Atenção! 
• Cada funcionário com sua parte da produção, 
eram mecânicos só sabiam fazer aquela parte do 
processo de produção. Cada um fazia uma parte. 
“Maquinofatura” 
• O homem sendo substituído pelas maquinas, 
como forma de cortar custos, mais agilidade e 
evitar erros. Resultado, muitos desempregados.
Marx x Durkheim
Karl Marx x Émile Durkheim 
• Divisão social do trabalho; 
• Formação das cidades; 
• Grandes produções excedentes; 
• Desencadeamento de hierarquias no mundo do 
trabalho (Ex.: Dono-> gerente-> trabalhador); 
• Divisão social do trabalho gera divisão de classes 
(Burguesa e proletariado); 
• O operário, subordinado à maquina e aos donos 
dos meios de produção, passam a vender sua 
força de trabalho;
Karl Marx x Émile Durkheim 
• Karl Marx -> Trabalho negativo, exploração 
do trabalho (mais-valia). 
• Émile Durkheim -> Positivo, Coesão social, 
sociedade funcionalista. Tem uma ordem: 
Organização 
Mecânica: 
Tribal, trabalho 
coletivo 
Organização 
orgânica: 
Das sociedades 
modernas
FORDISMO E TAYLORISMO 
X 
TOYOTISMO
Henry Ford 
• Produção em série; 
• Criação em “T” padronização; 
• Esteira: foi desenvolvida para andamento mais 
rápido das peças do carro. 
• Automóveis criados em 98 minutos. 
• Erros só eram corrigidos após o final da fabricação; 
+ produção = + vendas
Frederick Taylor 
• Princípios científicos na 
organização do trabalho; 
• Racionalização do 
processo produtivo; 
• Controle das atividades 
dos trabalhadores 
(eficiência); 
• Sistema de recompensas 
e punições; 
• Especialistas na 
administração da 
empresa. 
Gerente 
Técnico 
supervisor 
Operário 
Organização clássica
Frederick Taylor (cont.) 
• Organização clássica gera: 
Descarte do trabalhador; 
Trabalhador mecânico (não pensa); 
Consenso coletivo no ambiente de trabalho 
(farda); 
Precisa de especialistas em resolver conflitos 
(psicólogos).
Fordismo e Taylorismo eram unidos 
• Obediência e disciplina dos funcionários; 
• Execução das tarefas sem reflexarão acerca do 
trabalho; 
• Ênfase na organização; 
• Controle hierárquico; 
• Desenvolvimento individual dos funcionários 
para alcançar objetivos; 
• Esquema de recompensas; 
• Alienação do trabalhador; 
• Pagamento do salário conforme a produção.
Toyotismo 
• Mão de obra multifuncional e bem qualificada; 
• Trabalhador conhece o carro todo; 
• Correção do erro a qualquer momento; 
• Modelo de produção flexível: para evitar 
desperdícios, lança as campanhas de mercado; 
• Modelo: “Just in time” produção apenas do 
necessário e na hora pedida. 
• Sistema de pesquisa de mercado. 
• Entrega o carro que o cliente quer, foi o pioneiro 
nisto.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

O MUNDO DO TRABALHO
O MUNDO DO TRABALHO O MUNDO DO TRABALHO
O MUNDO DO TRABALHO
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
Evolução Histórica do Trabalho
Evolução Histórica  do TrabalhoEvolução Histórica  do Trabalho
Evolução Histórica do Trabalho
 
Toyotismo
ToyotismoToyotismo
Toyotismo
 
CLT
CLTCLT
CLT
 
Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrial
 
Taylorismo, Fordismo e Toyotismo
Taylorismo, Fordismo e Toyotismo Taylorismo, Fordismo e Toyotismo
Taylorismo, Fordismo e Toyotismo
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
O mundo do trabalho
O mundo do trabalhoO mundo do trabalho
O mundo do trabalho
 
Cidadania no brasil
Cidadania no brasilCidadania no brasil
Cidadania no brasil
 
Trabalho e sociedade no brasil
Trabalho e sociedade no brasilTrabalho e sociedade no brasil
Trabalho e sociedade no brasil
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
O trabalho nas diferentes sociedades
O trabalho nas diferentes sociedadesO trabalho nas diferentes sociedades
O trabalho nas diferentes sociedades
 
História e evolução do trabalho aula 1
História e evolução do trabalho   aula 1História e evolução do trabalho   aula 1
História e evolução do trabalho aula 1
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
Toyotismo
ToyotismoToyotismo
Toyotismo
 
As teorias socialistas 1
As teorias socialistas 1As teorias socialistas 1
As teorias socialistas 1
 
Taylorismo, fordismo e toyotismo 3 1
Taylorismo, fordismo e toyotismo 3 1Taylorismo, fordismo e toyotismo 3 1
Taylorismo, fordismo e toyotismo 3 1
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 

Semelhante a Trabalho ao longo da história

20- HISTÓRIA DO TRABALHO.pptx
20- HISTÓRIA DO TRABALHO.pptx20- HISTÓRIA DO TRABALHO.pptx
20- HISTÓRIA DO TRABALHO.pptxJunior Oliveira
 
IECJ - Cap. 04 - Trabalho - 1º ano - EM
IECJ - Cap. 04 - Trabalho - 1º ano - EMIECJ - Cap. 04 - Trabalho - 1º ano - EM
IECJ - Cap. 04 - Trabalho - 1º ano - EMprofrodrigoribeiro
 
O trabalho nas nossas vidas blog
O trabalho nas nossas vidas   blogO trabalho nas nossas vidas   blog
O trabalho nas nossas vidas blogdinicmax
 
Mundo do trabalho - parte 2
Mundo do trabalho - parte 2Mundo do trabalho - parte 2
Mundo do trabalho - parte 2pibidcsoufrgs
 
Trabalho e Produção
Trabalho e ProduçãoTrabalho e Produção
Trabalho e ProduçãoPedro Lazari
 
Capitalismo e sociedade (8º ano CPII)
Capitalismo e sociedade (8º ano CPII)Capitalismo e sociedade (8º ano CPII)
Capitalismo e sociedade (8º ano CPII)roberto mosca junior
 
Aula 2 sociologia e o trabalho
Aula 2 sociologia e o trabalhoAula 2 sociologia e o trabalho
Aula 2 sociologia e o trabalhonorthonpc
 
As bases do trabalho
As bases do trabalhoAs bases do trabalho
As bases do trabalhoRicardo739
 
Modos de produção.ppt
Modos de produção.pptModos de produção.ppt
Modos de produção.pptGilberto Cantu
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrialespacoaberto
 
Revolução indústrial artesanato, manufatura e maquinofatura
Revolução indústrial artesanato, manufatura e maquinofaturaRevolução indústrial artesanato, manufatura e maquinofatura
Revolução indústrial artesanato, manufatura e maquinofaturaGerson Francisco de Moraes
 

Semelhante a Trabalho ao longo da história (20)

20- HISTÓRIA DO TRABALHO.pdf
20- HISTÓRIA DO TRABALHO.pdf20- HISTÓRIA DO TRABALHO.pdf
20- HISTÓRIA DO TRABALHO.pdf
 
20- HISTÓRIA DO TRABALHO.pptx
20- HISTÓRIA DO TRABALHO.pptx20- HISTÓRIA DO TRABALHO.pptx
20- HISTÓRIA DO TRABALHO.pptx
 
IECJ - Cap. 04 - Trabalho - 1º ano - EM
IECJ - Cap. 04 - Trabalho - 1º ano - EMIECJ - Cap. 04 - Trabalho - 1º ano - EM
IECJ - Cap. 04 - Trabalho - 1º ano - EM
 
O trabalho nas nossas vidas blog
O trabalho nas nossas vidas   blogO trabalho nas nossas vidas   blog
O trabalho nas nossas vidas blog
 
Mundo do trabalho - parte 2
Mundo do trabalho - parte 2Mundo do trabalho - parte 2
Mundo do trabalho - parte 2
 
AI_M4_6.1.pdf
AI_M4_6.1.pdfAI_M4_6.1.pdf
AI_M4_6.1.pdf
 
Trabalho e Produção
Trabalho e ProduçãoTrabalho e Produção
Trabalho e Produção
 
Superultra.pdf
Superultra.pdfSuperultra.pdf
Superultra.pdf
 
Mundo do Trabalho.pptx
Mundo do Trabalho.pptxMundo do Trabalho.pptx
Mundo do Trabalho.pptx
 
Capitalismo e sociedade (8º ano CPII)
Capitalismo e sociedade (8º ano CPII)Capitalismo e sociedade (8º ano CPII)
Capitalismo e sociedade (8º ano CPII)
 
Aula 2 sociologia e o trabalho
Aula 2 sociologia e o trabalhoAula 2 sociologia e o trabalho
Aula 2 sociologia e o trabalho
 
As bases do trabalho
As bases do trabalhoAs bases do trabalho
As bases do trabalho
 
Capitalismo
CapitalismoCapitalismo
Capitalismo
 
Modos de produção.ppt
Modos de produção.pptModos de produção.ppt
Modos de produção.ppt
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
Revolução indústrial artesanato, manufatura e maquinofatura
Revolução indústrial artesanato, manufatura e maquinofaturaRevolução indústrial artesanato, manufatura e maquinofatura
Revolução indústrial artesanato, manufatura e maquinofatura
 

Último

MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docCarolineWaitman
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 

Último (20)

MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 

Trabalho ao longo da história

  • 1. O trabalho Ao longo da história Kamila Peixoto
  • 2.
  • 3. Roteiro: • Sociedades tribais ou indígenas; • Sociedade Greco-Romana; • Idade Media; • Sociedade moderna; • Concepções de: Karl Marx e Émilie Durkheim; • Fordismo, Taylorismo e Toyotismo.
  • 4. Sociedades tribais ou indígenas • As sociedades tradicionais(tribais), baseavam seu trabalho na coleta, pesca e caça; • As atividades eram divididas por gênero e idade; • Respeito á “mãe terra”; • Concepção de consumo necessário diferente das sociedades modernas; • Ausência do chamado “mundo do trabalho” • Marshall Sahlins: ideia de sociedade do lazer ou da abundancia.
  • 5. Atenção! Explicando alguns desses conceitos
  • 6. Atenção! “As atividades eram divididas por gênero e idade” • Mulheres nas sociedades tibais tem como principais tarefas, fazer os alimentos enquanto os homens os trabalhos mais braçais como pesca e caça. Crianças aprendem desde cedo seus papeis.
  • 7. Atenção! “Respeito á ‘mãe terra’” • Eles respeitam a terra pois sabem que seu sustento vem dela. “Ausência do chamado ‘mundo do trabalho’” • Em algumas tribos os índios trabalham no máximo 4 horas e o resto do dia é para o lazer.
  • 8. Sociedade Greco-Romana • Mão de obra escrava garantia a produção suficiente para suprir as necessidades da população; • Nobres e senhores isentos de qualquer atividade laboral; • Três concepções para trabalho: Labor: O esforço físico (como: Lavradores); Poieses: Ato de fabricar (criar e depois fabricar. Ex.:artesão); Práxis: palavra como instrumento (Oratório)
  • 9. Idade média • Sociedade composta pelos feudos; • Tinham a terra como principal meio de ocupação; • Trabalhadores sem dinheiros sobre á propriedade privada (apenas senhores feudais); • Regime de servidão, não escravidão; • Sistema de comprometimento do servo com o seu senhor, e vice-versa; Corveia: Além do trabalho nas terras, o servo deveria trabalhar nas construções e manutenções de estradas; Talha: taxa cobrada a qualquer individuo que produzir nas terras do senhor feudal(aluguel); Banalidades: instrumentos dos senhores que também eram pagos para os servos (Exemplo os moinhos).
  • 10. Atenção! “Servos e não escravos” • Eles não eram obrigados a trabalhar nas terras, eles serviam aos que ‘sediam’ a terra. Contrario aos escravos que eram obrigados a trabalhar. “Sistema de comprometimento do servo com o seu senhor, e vice-versa” • Servos trabalhavam e pagavam para o seu senhor e o senhor garantia a segurança dos servos.
  • 11. Atenção! “Trabalhadores sem dinheiros sobre á propriedade privada” • Os servos deviam pagar, com uma parte do que colhem das terras, aos seus senhores pela terra, era como uma espécie de aluguel. E além disto, tinham dever de ajudar nas construções e manutenções. Se olhar direito, era como se eles pagassem para trabalhar.
  • 12. Atenção! Importâncias do fim dessa fase: • No fim dessa época começaram a surgir as ciências. • Formação das cidades, ao redor dos comercios; • Após sua queda o mundo começou a ficar capitalista.
  • 13. Sociedade moderna • ‘De vil’ (servidão e negativo) para ‘dignificante’; • Produção capitalista; • Passou a ser assalariado; • Mudança de local de trabalho (casa/terras -> Fabricas); • Acumulação de riquezas; • Organização e coordenação de produção de mercadorias; • Cooperação simples: Financiamento do trabalho artesanal pelos donos dos meios de produção;
  • 14. Sociedade moderna (cont.) • Manufatura (cooperação avançada): Modelo primário de uma linha de montagem (trabalho feito por muitas mãos); • Maquinofatura: Substituição do homem pela máquina; • Processo de convencimento sobre a ideia de trabalho: Igrejas: é algo divino Governantes: Penalidades para quem não trabalha(como desconto nos salários); Escolas: Ensino sobre concepção de trabalho como algo bom.
  • 15. Atenção! “Mudança de local de trabalho” • No Feudalismo o trabalho era principalmente no campo já na atualidade ele foi mudado para as industrias. “Cooperação simples” • O operário era ensinado a pensar e depois produzir, sabia de todas as etapas da produção.
  • 16. “Manufatura” Atenção! • Cada funcionário com sua parte da produção, eram mecânicos só sabiam fazer aquela parte do processo de produção. Cada um fazia uma parte. “Maquinofatura” • O homem sendo substituído pelas maquinas, como forma de cortar custos, mais agilidade e evitar erros. Resultado, muitos desempregados.
  • 18. Karl Marx x Émile Durkheim • Divisão social do trabalho; • Formação das cidades; • Grandes produções excedentes; • Desencadeamento de hierarquias no mundo do trabalho (Ex.: Dono-> gerente-> trabalhador); • Divisão social do trabalho gera divisão de classes (Burguesa e proletariado); • O operário, subordinado à maquina e aos donos dos meios de produção, passam a vender sua força de trabalho;
  • 19. Karl Marx x Émile Durkheim • Karl Marx -> Trabalho negativo, exploração do trabalho (mais-valia). • Émile Durkheim -> Positivo, Coesão social, sociedade funcionalista. Tem uma ordem: Organização Mecânica: Tribal, trabalho coletivo Organização orgânica: Das sociedades modernas
  • 20. FORDISMO E TAYLORISMO X TOYOTISMO
  • 21. Henry Ford • Produção em série; • Criação em “T” padronização; • Esteira: foi desenvolvida para andamento mais rápido das peças do carro. • Automóveis criados em 98 minutos. • Erros só eram corrigidos após o final da fabricação; + produção = + vendas
  • 22. Frederick Taylor • Princípios científicos na organização do trabalho; • Racionalização do processo produtivo; • Controle das atividades dos trabalhadores (eficiência); • Sistema de recompensas e punições; • Especialistas na administração da empresa. Gerente Técnico supervisor Operário Organização clássica
  • 23. Frederick Taylor (cont.) • Organização clássica gera: Descarte do trabalhador; Trabalhador mecânico (não pensa); Consenso coletivo no ambiente de trabalho (farda); Precisa de especialistas em resolver conflitos (psicólogos).
  • 24. Fordismo e Taylorismo eram unidos • Obediência e disciplina dos funcionários; • Execução das tarefas sem reflexarão acerca do trabalho; • Ênfase na organização; • Controle hierárquico; • Desenvolvimento individual dos funcionários para alcançar objetivos; • Esquema de recompensas; • Alienação do trabalhador; • Pagamento do salário conforme a produção.
  • 25. Toyotismo • Mão de obra multifuncional e bem qualificada; • Trabalhador conhece o carro todo; • Correção do erro a qualquer momento; • Modelo de produção flexível: para evitar desperdícios, lança as campanhas de mercado; • Modelo: “Just in time” produção apenas do necessário e na hora pedida. • Sistema de pesquisa de mercado. • Entrega o carro que o cliente quer, foi o pioneiro nisto.