SlideShare uma empresa Scribd logo
MODO DE PRODUÇÃO
CAPITALISMO
• Apropriação privada da terra, das indústrias,
e de outras formas de produzir;
• Divisão da sociedade em classe sociais;
• Produção dirigida ao comércio;
• Concorrência entre os capitalistas;
• O Trabalhador vende sua força de trabalho
para o capitalista, dono dos meios de produção.
Elaborado pelo
Prof. Renato Feliciano
ORIGEM DO CAPITALISMO
• Antes do modo de produção capitalista, existiu o modo de produção
feudalista entre os séculos V e XV(401 a 1500) aproximadamente.
Modo de produção: Maneira como a sociedade se organiza para produzir produtos necessários ou não a sua sobrevivência.
Característica:
-Existência de grandes áreas rurais
isoladas, principalmente na Europa,
conhecidas como feudos;
-Essas unidades rurais tinham poder
político próprio e geralmente possuíam
uma economia autossuficiente;
-Essas terras pertenciam aos senhores
feudais que nomeavam a nobreza e a
Igreja;
- A igreja era a única instituição comum
a todos os feudos, possuía o domínio
sobre o comportamento social e o
desenvolvimento científico.
Paisagem de um Feudo
Paisagens dos feudos:
-Castelo do Senhor feudal;
- Geralmente três campos
de cultivo , sendo um deles
em descanso;
-Pastos e florestas;
- Burgos, cidades que inicialmente
ficavam no interior das fortificações e
depois se expandiram para fora,
ao redor dos castelos.
As pessoas que moravam nestes
lugares eram chamadas de burgueses,
trabalhavam como comerciantes
e em alguns casos emprestavam
dinheiro.
Estrutura de classe dos feudos
-O senhor feudal e a
nobreza (Guerreiros);
- O Clero (religiosos);
- Os servos ( Mão de obra)
Que eram obrigados a pagar
tributos, sendo eles:
Talha= metade da produção o servo
deveria pagar para o senhor feudal;
Corvéia= de 3 a 4 dias de trabalho
de graça nas terras do senhor feudal;
Banalidades= taxas que os servos
pagavam para usar as instalações do
castelo;
Tostão de Pedro= dízimo pago
para a Igreja.
Decadência do modo de produção, da maneira de consumir e pensar do
feudalismo.
- O fato de os servos ficarem com uma parte da produção
influenciou no desenvolvimento de novas ferramentas e técnicas
de produção.
- Isso trouxe como conseqüência uma relativa melhora na vida das
pessoas, o que gerou o aumento da produção e da população.
- Os feudos passaram a ter grande crescimento populacional(mais
servos do que o necessário) e a produzir mais do que
necessitava(excedente).
- Os comerciantes (burgueses) passaram a comercializar esse
excedente de produção, ganhando muito poder econômico e
político.
- Os senhores feudais foram perdendo poder econômico ficando
cada vez mais dependentes do dinheiro da burguesia, então
pouco a pouco foram perdendo seu poder político.
Decadência do modo de produção, da maneira de consumir e pensar do
feudalismo.
-O comércio deixa de ser local(Em torno do feudo) e passa a ocorrer por toda a Europa.
-Posteriormente esse comércio se expande para a Ásia, África e América.
-Logo as cidades tornam-se novamente grandes centros de troca e também da produção de produtos
feitos pelos artesãos em oficinas, geralmente em sua própria casa.
-Com o aumento da demanda nas cidades, muitas destas oficinas deslocaram-se para cidades. Os donos
destas oficinas, começam a contratar outros funcionários separando criando duas classes, o dono da
oficina e o empregado.
-Com o tempo a burguesia utilizou o dinheiro acumulado com o comércio para adquirir oficinas e
instrumentos de trabalho.
-Assim, os burgueses conquistaram poder político nas cidades, responsabilizaram-se pela segurança e
outras esferas de poder. De modo que, os feudos foram perdendo sua importância econômica.
-A burguesia se consolida como uma nova classe dirigente. Dona dos meios de produção e do poder
político. Surge então, em um processo desigual e combinado o capitalismo.
MODO DE PRODUÇÃO CAPITALISTA
O lucro foi tanto! Olha o dinheiro! Vença a concorrência!
Lucro! Lucro! Lucro!.............................................................
Muitas são as diferenças entre os
países capitalistas, no entanto, alguns características são comuns.
• Predomínio da propriedade privada dos meios necessários a
produção. Embora, o Estado também seja dono de muitos
meios de produção(fábricas, terras, máquinas, minas etc.
Objetivo
O objetivo dos capitalistas
e mesmo das empresas
estatais é a reprodução
do capital, ou seja, o lucro.
Para maximizar seus lucros o
capitalista procura reduzir os
custos com a produção. Para isso,
faz o que puder para comprar
matéria-prima barata, pagar menos
impostos, diminuir os gastos com
salários, etc.
Tarsila do Amaral
Os trabalhadores por outro lado,
para não terem suas condições de
vida rebaixada a condições de penúria,
não tem outra alternativa a não ser lutar
por melhores condições de existência.
Como sozinho não consegue enfrentar
o poder econômico do patrão, os
Trabalhadores se unem através de
sindicatos, partidos, associações, etc
Os grupos de homens e mulheres tem,
Portanto, com diferentes aspirações e
travam entre si constantes combates
em defesa de seus interesses específicos:
são as classes sociais.
Mais-Valia
-A essência do lucro capitalista é a mais-valia.
- O capitalista utiliza parte das horas de
trabalho do empregado para pagar os custos
de produção(matéria-prima, salário,
eletricidade, etc.)
o restante das horas de trabalho do
empregado é a mais- valia, o lucro, as horas
de trabalho não pagas pelos donos dos
meios de produção.
Mais-Valia Absoluta: consiste em aumentar a
jornada de trabalho para maximizar o lucro
Mais-Valia Relativa: Consiste em aumentar a
produtividade do trabalho por meio de novos
instrumentos, sem aumentar a jornada de
trabalho.
Concorrência
• O capitalismo é, portanto, a maneira que a
sociedade se organiza para produzir os
produtos que necessita e os produtos que não
necessita.
• O ordenamento societário do capitalismo está
alicerçado na propriedade privada, na
distribuição desigual da riqueza, na divisão da
sociedade em classes sociais.
Capitalismo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O neoliberalismo
O neoliberalismoO neoliberalismo
O neoliberalismo
Rodrigo Baglini
 
Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrial
Marcos Azevedo
 
Taylorismo, fordismo e toyotismo 3 1
Taylorismo, fordismo e toyotismo 3 1Taylorismo, fordismo e toyotismo 3 1
Taylorismo, fordismo e toyotismo 3 1
edsonfgodoy
 
Liberalismo
LiberalismoLiberalismo
Liberalismo
cattonia
 
As teorias socialistas 1
As teorias socialistas 1As teorias socialistas 1
As teorias socialistas 1
Alan
 
3º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 19173º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 1917
Daniel Alves Bronstrup
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
Marco Santos
 
História 9º ano slide Guerra Fria
História   9º ano slide Guerra FriaHistória   9º ano slide Guerra Fria
História 9º ano slide Guerra Fria
Janaína Bindá
 
Socialismo
SocialismoSocialismo
Socialismo
cleiton denez
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
joana71
 
01 historia do trabalho
01 historia do trabalho01 historia do trabalho
01 historia do trabalho
Vânia Franco
 
Revolução industrial 3
Revolução industrial 3Revolução industrial 3
Revolução industrial 3
Tamara Silva
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
Anderson Cardozo
 
Diversidade Cultural
Diversidade CulturalDiversidade Cultural
Diversidade Cultural
Paula Melo
 
Imperialismo
Imperialismo Imperialismo
Imperialismo
Paulo Muniz
 
2° ano Primeiro Reinado e Regências
2° ano   Primeiro Reinado e Regências2° ano   Primeiro Reinado e Regências
2° ano Primeiro Reinado e Regências
Daniel Alves Bronstrup
 
Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho
Jeane Santos
 
Stalinismo
StalinismoStalinismo
Stalinismo
Ana Lod Ferreira
 
Sociedade açucareira
Sociedade açucareiraSociedade açucareira
Sociedade açucareira
Loredana Ruffo
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
Moacyr Anício
 

Mais procurados (20)

O neoliberalismo
O neoliberalismoO neoliberalismo
O neoliberalismo
 
Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrial
 
Taylorismo, fordismo e toyotismo 3 1
Taylorismo, fordismo e toyotismo 3 1Taylorismo, fordismo e toyotismo 3 1
Taylorismo, fordismo e toyotismo 3 1
 
Liberalismo
LiberalismoLiberalismo
Liberalismo
 
As teorias socialistas 1
As teorias socialistas 1As teorias socialistas 1
As teorias socialistas 1
 
3º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 19173º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 1917
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
História 9º ano slide Guerra Fria
História   9º ano slide Guerra FriaHistória   9º ano slide Guerra Fria
História 9º ano slide Guerra Fria
 
Socialismo
SocialismoSocialismo
Socialismo
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
01 historia do trabalho
01 historia do trabalho01 historia do trabalho
01 historia do trabalho
 
Revolução industrial 3
Revolução industrial 3Revolução industrial 3
Revolução industrial 3
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
 
Diversidade Cultural
Diversidade CulturalDiversidade Cultural
Diversidade Cultural
 
Imperialismo
Imperialismo Imperialismo
Imperialismo
 
2° ano Primeiro Reinado e Regências
2° ano   Primeiro Reinado e Regências2° ano   Primeiro Reinado e Regências
2° ano Primeiro Reinado e Regências
 
Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho
 
Stalinismo
StalinismoStalinismo
Stalinismo
 
Sociedade açucareira
Sociedade açucareiraSociedade açucareira
Sociedade açucareira
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
 

Destaque

Aristoteles
AristotelesAristoteles
Tipos de enxertia
Tipos de enxertiaTipos de enxertia
Tipos de enxertia
Iris Dias
 
Cultivo limão ricardo costa
Cultivo limão ricardo costaCultivo limão ricardo costa
Cultivo limão ricardo costa
Ricardo Costa
 
Tópicos Gerais em Direito de Família
Tópicos Gerais em Direito de FamíliaTópicos Gerais em Direito de Família
Tópicos Gerais em Direito de Família
Stephany Dayana Pereira Mencato
 
Tópicos Gerais em Direito Civil - Direito das Sucessões
Tópicos Gerais em Direito Civil - Direito das SucessõesTópicos Gerais em Direito Civil - Direito das Sucessões
Tópicos Gerais em Direito Civil - Direito das Sucessões
Stephany Dayana Pereira Mencato
 
Tópicos Gerais em Direito Civil - Direito das Obrigações
Tópicos Gerais em Direito Civil - Direito das ObrigaçõesTópicos Gerais em Direito Civil - Direito das Obrigações
Tópicos Gerais em Direito Civil - Direito das Obrigações
Stephany Dayana Pereira Mencato
 
Apostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria finalApostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria final
Wallas Borges
 
Direito Administrativo - Princípios Constitucionais
Direito Administrativo - Princípios ConstitucionaisDireito Administrativo - Princípios Constitucionais
Direito Administrativo - Princípios Constitucionais
PreOnline
 
Direito Administrativo - Princípios Básicos
Direito Administrativo - Princípios BásicosDireito Administrativo - Princípios Básicos
Direito Administrativo - Princípios Básicos
PreOnline
 
Tópicos Gerais em Direito Empresarial
Tópicos Gerais em Direito EmpresarialTópicos Gerais em Direito Empresarial
Tópicos Gerais em Direito Empresarial
Stephany Dayana Pereira Mencato
 
Artigo sobre direito societario
Artigo sobre direito societarioArtigo sobre direito societario
Artigo sobre direito societario
Rogério de Jesus
 
MANUTENÇÃO DE TRATORES AGRÍCOLAS DE PNEUS NA REGIÃO DE ANÁPOLIS – GOIÁS
MANUTENÇÃO DE TRATORES AGRÍCOLAS DE PNEUS NA REGIÃO DE ANÁPOLIS – GOIÁSMANUTENÇÃO DE TRATORES AGRÍCOLAS DE PNEUS NA REGIÃO DE ANÁPOLIS – GOIÁS
MANUTENÇÃO DE TRATORES AGRÍCOLAS DE PNEUS NA REGIÃO DE ANÁPOLIS – GOIÁS
Giusepe Stefanello
 
Direito Administrativo - Introdução
Direito Administrativo - IntroduçãoDireito Administrativo - Introdução
Direito Administrativo - Introdução
PreOnline
 
Direito Administrativo - Bens públicos
Direito Administrativo - Bens públicosDireito Administrativo - Bens públicos
Direito Administrativo - Bens públicos
PreOnline
 
Direito Penal I - RESUMO PART. 01
Direito Penal I - RESUMO PART. 01Direito Penal I - RESUMO PART. 01
Direito Penal I - RESUMO PART. 01
Jeferson Lima
 
Direito Administrativo - Organização Administrativa
Direito Administrativo - Organização AdministrativaDireito Administrativo - Organização Administrativa
Direito Administrativo - Organização Administrativa
PreOnline
 
Direito Administrativo - Regime Jurídico Administrativo
Direito Administrativo - Regime Jurídico AdministrativoDireito Administrativo - Regime Jurídico Administrativo
Direito Administrativo - Regime Jurídico Administrativo
PreOnline
 
Direito penal i fontes do direito penal
Direito penal i   fontes do direito penalDireito penal i   fontes do direito penal
Direito penal i fontes do direito penal
Urbano Felix Pugliese
 
2016 Frente 1 módulo 10 lei da segregação independente
2016 Frente 1 módulo 10 lei da segregação independente2016 Frente 1 módulo 10 lei da segregação independente
2016 Frente 1 módulo 10 lei da segregação independente
Colégio Batista de Mantena
 

Destaque (20)

Aristoteles
AristotelesAristoteles
Aristoteles
 
Tipos de enxertia
Tipos de enxertiaTipos de enxertia
Tipos de enxertia
 
Cultivo limão ricardo costa
Cultivo limão ricardo costaCultivo limão ricardo costa
Cultivo limão ricardo costa
 
Tópicos Gerais em Direito de Família
Tópicos Gerais em Direito de FamíliaTópicos Gerais em Direito de Família
Tópicos Gerais em Direito de Família
 
Tópicos Gerais em Direito Civil - Direito das Sucessões
Tópicos Gerais em Direito Civil - Direito das SucessõesTópicos Gerais em Direito Civil - Direito das Sucessões
Tópicos Gerais em Direito Civil - Direito das Sucessões
 
Tópicos Gerais em Direito Civil - Direito das Obrigações
Tópicos Gerais em Direito Civil - Direito das ObrigaçõesTópicos Gerais em Direito Civil - Direito das Obrigações
Tópicos Gerais em Direito Civil - Direito das Obrigações
 
Apostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria finalApostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria final
 
Direito Administrativo - Princípios Constitucionais
Direito Administrativo - Princípios ConstitucionaisDireito Administrativo - Princípios Constitucionais
Direito Administrativo - Princípios Constitucionais
 
Direito Administrativo - Princípios Básicos
Direito Administrativo - Princípios BásicosDireito Administrativo - Princípios Básicos
Direito Administrativo - Princípios Básicos
 
Tópicos Gerais em Direito Empresarial
Tópicos Gerais em Direito EmpresarialTópicos Gerais em Direito Empresarial
Tópicos Gerais em Direito Empresarial
 
Artigo sobre direito societario
Artigo sobre direito societarioArtigo sobre direito societario
Artigo sobre direito societario
 
MANUTENÇÃO DE TRATORES AGRÍCOLAS DE PNEUS NA REGIÃO DE ANÁPOLIS – GOIÁS
MANUTENÇÃO DE TRATORES AGRÍCOLAS DE PNEUS NA REGIÃO DE ANÁPOLIS – GOIÁSMANUTENÇÃO DE TRATORES AGRÍCOLAS DE PNEUS NA REGIÃO DE ANÁPOLIS – GOIÁS
MANUTENÇÃO DE TRATORES AGRÍCOLAS DE PNEUS NA REGIÃO DE ANÁPOLIS – GOIÁS
 
Direito Administrativo - Introdução
Direito Administrativo - IntroduçãoDireito Administrativo - Introdução
Direito Administrativo - Introdução
 
Direito Administrativo - Bens públicos
Direito Administrativo - Bens públicosDireito Administrativo - Bens públicos
Direito Administrativo - Bens públicos
 
Direito Penal I - RESUMO PART. 01
Direito Penal I - RESUMO PART. 01Direito Penal I - RESUMO PART. 01
Direito Penal I - RESUMO PART. 01
 
Direito Administrativo - Organização Administrativa
Direito Administrativo - Organização AdministrativaDireito Administrativo - Organização Administrativa
Direito Administrativo - Organização Administrativa
 
Direito Administrativo - Regime Jurídico Administrativo
Direito Administrativo - Regime Jurídico AdministrativoDireito Administrativo - Regime Jurídico Administrativo
Direito Administrativo - Regime Jurídico Administrativo
 
Direito penal i fontes do direito penal
Direito penal i   fontes do direito penalDireito penal i   fontes do direito penal
Direito penal i fontes do direito penal
 
2016 Frente 1 módulo 10 lei da segregação independente
2016 Frente 1 módulo 10 lei da segregação independente2016 Frente 1 módulo 10 lei da segregação independente
2016 Frente 1 módulo 10 lei da segregação independente
 
Cultura do limão
Cultura do limãoCultura do limão
Cultura do limão
 

Semelhante a Capitalismo

8º série modo de produção capitalismo
8º série modo de produção capitalismo8º série modo de produção capitalismo
8º série modo de produção capitalismo
AlessandroRubens
 
As Transformações no Mundo do Trabalho
As Transformações no Mundo do TrabalhoAs Transformações no Mundo do Trabalho
As Transformações no Mundo do Trabalho
Daniel Rossi
 
História do pensamento econômico cap 1 - introdução e k hunt
História do pensamento econômico   cap 1 - introdução e k huntHistória do pensamento econômico   cap 1 - introdução e k hunt
História do pensamento econômico cap 1 - introdução e k hunt
Daniele Rubim
 
Mundo bipolar
Mundo bipolarMundo bipolar
Mundo bipolar
Gustavo C. Souza
 
Sociologia - Capitalismo e Socialismo
Sociologia - Capitalismo e SocialismoSociologia - Capitalismo e Socialismo
Sociologia - Capitalismo e Socialismo
Paulo Alexandre
 
Trabalho e sociedade
Trabalho e sociedadeTrabalho e sociedade
Trabalho e sociedade
Ariella Araujo
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrial
Rafael Camargo
 
Material complementar capitalismoxsocialismo
Material complementar capitalismoxsocialismoMaterial complementar capitalismoxsocialismo
Material complementar capitalismoxsocialismo
LUIS ABREU
 
Classes sociais 14t 01111
Classes sociais 14t 01111Classes sociais 14t 01111
Classes sociais 14t 01111
Alexandre Misturini
 
20061025082704 revolucaoindustrial
20061025082704 revolucaoindustrial20061025082704 revolucaoindustrial
20061025082704 revolucaoindustrial
Franciele Souza
 
Capitalismo
CapitalismoCapitalismo
Capitalismo
Ademir Aquino
 
modosdeproduoção .pdf
modosdeproduoção .pdfmodosdeproduoção .pdf
modosdeproduoção .pdf
Augusto Pinto
 
Modos de produção
Modos de produçãoModos de produção
Modos de produção
Marcela Marangon Ribeiro
 
O capitalismo no século xix e xx
O capitalismo no século xix e xxO capitalismo no século xix e xx
O capitalismo no século xix e xx
Simone Borges
 
74780 20070719093639
74780 2007071909363974780 20070719093639
74780 20070719093639
Lauzinha Amovos Minhas Filhas
 
Fundamentos econômicos
Fundamentos econômicosFundamentos econômicos
Fundamentos econômicos
Isabella Silva
 
Fundamentos econômicos
Fundamentos econômicosFundamentos econômicos
Fundamentos econômicos
Isabella Silva
 
Capitalismo x socialismo = 2010
Capitalismo x socialismo = 2010Capitalismo x socialismo = 2010
Capitalismo x socialismo = 2010
landipaula
 
Slide de filosofia 35 tp
Slide de filosofia 35 tpSlide de filosofia 35 tp
Slide de filosofia 35 tp
Alexandre Misturini
 
Sistemas Economicos E Sociais
Sistemas Economicos E SociaisSistemas Economicos E Sociais
Sistemas Economicos E Sociais
Luciano Pessanha
 

Semelhante a Capitalismo (20)

8º série modo de produção capitalismo
8º série modo de produção capitalismo8º série modo de produção capitalismo
8º série modo de produção capitalismo
 
As Transformações no Mundo do Trabalho
As Transformações no Mundo do TrabalhoAs Transformações no Mundo do Trabalho
As Transformações no Mundo do Trabalho
 
História do pensamento econômico cap 1 - introdução e k hunt
História do pensamento econômico   cap 1 - introdução e k huntHistória do pensamento econômico   cap 1 - introdução e k hunt
História do pensamento econômico cap 1 - introdução e k hunt
 
Mundo bipolar
Mundo bipolarMundo bipolar
Mundo bipolar
 
Sociologia - Capitalismo e Socialismo
Sociologia - Capitalismo e SocialismoSociologia - Capitalismo e Socialismo
Sociologia - Capitalismo e Socialismo
 
Trabalho e sociedade
Trabalho e sociedadeTrabalho e sociedade
Trabalho e sociedade
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrial
 
Material complementar capitalismoxsocialismo
Material complementar capitalismoxsocialismoMaterial complementar capitalismoxsocialismo
Material complementar capitalismoxsocialismo
 
Classes sociais 14t 01111
Classes sociais 14t 01111Classes sociais 14t 01111
Classes sociais 14t 01111
 
20061025082704 revolucaoindustrial
20061025082704 revolucaoindustrial20061025082704 revolucaoindustrial
20061025082704 revolucaoindustrial
 
Capitalismo
CapitalismoCapitalismo
Capitalismo
 
modosdeproduoção .pdf
modosdeproduoção .pdfmodosdeproduoção .pdf
modosdeproduoção .pdf
 
Modos de produção
Modos de produçãoModos de produção
Modos de produção
 
O capitalismo no século xix e xx
O capitalismo no século xix e xxO capitalismo no século xix e xx
O capitalismo no século xix e xx
 
74780 20070719093639
74780 2007071909363974780 20070719093639
74780 20070719093639
 
Fundamentos econômicos
Fundamentos econômicosFundamentos econômicos
Fundamentos econômicos
 
Fundamentos econômicos
Fundamentos econômicosFundamentos econômicos
Fundamentos econômicos
 
Capitalismo x socialismo = 2010
Capitalismo x socialismo = 2010Capitalismo x socialismo = 2010
Capitalismo x socialismo = 2010
 
Slide de filosofia 35 tp
Slide de filosofia 35 tpSlide de filosofia 35 tp
Slide de filosofia 35 tp
 
Sistemas Economicos E Sociais
Sistemas Economicos E SociaisSistemas Economicos E Sociais
Sistemas Economicos E Sociais
 

Mais de Renato Feliciano

Atual prática da avaliação educacional escolar
Atual prática da avaliação educacional escolarAtual prática da avaliação educacional escolar
Atual prática da avaliação educacional escolar
Renato Feliciano
 
Maria Montessori
Maria MontessoriMaria Montessori
Maria Montessori
Renato Feliciano
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
Renato Feliciano
 
Indústria e Desenvolvimento (Polos Industriais)
Indústria e Desenvolvimento (Polos Industriais)Indústria e Desenvolvimento (Polos Industriais)
Indústria e Desenvolvimento (Polos Industriais)
Renato Feliciano
 
Brasil: Potencialidade e dificuldade
Brasil: Potencialidade e dificuldade Brasil: Potencialidade e dificuldade
Brasil: Potencialidade e dificuldade
Renato Feliciano
 
Relatório do pibid
Relatório do pibidRelatório do pibid
Relatório do pibid
Renato Feliciano
 
Prática docentes vivenciadas no PIBID e sua infalência na formação de novos P...
Prática docentes vivenciadas no PIBID e sua infalência na formação de novos P...Prática docentes vivenciadas no PIBID e sua infalência na formação de novos P...
Prática docentes vivenciadas no PIBID e sua infalência na formação de novos P...
Renato Feliciano
 
Implicação pedagógica de uma visita técnica a uma Estação de Tratamento de Es...
Implicação pedagógica de uma visita técnica a uma Estação de Tratamento de Es...Implicação pedagógica de uma visita técnica a uma Estação de Tratamento de Es...
Implicação pedagógica de uma visita técnica a uma Estação de Tratamento de Es...
Renato Feliciano
 

Mais de Renato Feliciano (9)

Atual prática da avaliação educacional escolar
Atual prática da avaliação educacional escolarAtual prática da avaliação educacional escolar
Atual prática da avaliação educacional escolar
 
Maria Montessori
Maria MontessoriMaria Montessori
Maria Montessori
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
 
Indústria e Desenvolvimento (Polos Industriais)
Indústria e Desenvolvimento (Polos Industriais)Indústria e Desenvolvimento (Polos Industriais)
Indústria e Desenvolvimento (Polos Industriais)
 
Brasil: Potencialidade e dificuldade
Brasil: Potencialidade e dificuldade Brasil: Potencialidade e dificuldade
Brasil: Potencialidade e dificuldade
 
Relatório do pibid
Relatório do pibidRelatório do pibid
Relatório do pibid
 
Prática docentes vivenciadas no PIBID e sua infalência na formação de novos P...
Prática docentes vivenciadas no PIBID e sua infalência na formação de novos P...Prática docentes vivenciadas no PIBID e sua infalência na formação de novos P...
Prática docentes vivenciadas no PIBID e sua infalência na formação de novos P...
 
Implicação pedagógica de uma visita técnica a uma Estação de Tratamento de Es...
Implicação pedagógica de uma visita técnica a uma Estação de Tratamento de Es...Implicação pedagógica de uma visita técnica a uma Estação de Tratamento de Es...
Implicação pedagógica de uma visita técnica a uma Estação de Tratamento de Es...
 
CEI
CEICEI
CEI
 

Último

O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
erico paulo rocha guedes
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
maria-oliveira
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
JohnnyLima16
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 

Último (20)

O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 

Capitalismo

  • 1. MODO DE PRODUÇÃO CAPITALISMO • Apropriação privada da terra, das indústrias, e de outras formas de produzir; • Divisão da sociedade em classe sociais; • Produção dirigida ao comércio; • Concorrência entre os capitalistas; • O Trabalhador vende sua força de trabalho para o capitalista, dono dos meios de produção. Elaborado pelo Prof. Renato Feliciano
  • 2. ORIGEM DO CAPITALISMO • Antes do modo de produção capitalista, existiu o modo de produção feudalista entre os séculos V e XV(401 a 1500) aproximadamente. Modo de produção: Maneira como a sociedade se organiza para produzir produtos necessários ou não a sua sobrevivência. Característica: -Existência de grandes áreas rurais isoladas, principalmente na Europa, conhecidas como feudos; -Essas unidades rurais tinham poder político próprio e geralmente possuíam uma economia autossuficiente; -Essas terras pertenciam aos senhores feudais que nomeavam a nobreza e a Igreja; - A igreja era a única instituição comum a todos os feudos, possuía o domínio sobre o comportamento social e o desenvolvimento científico.
  • 3. Paisagem de um Feudo Paisagens dos feudos: -Castelo do Senhor feudal; - Geralmente três campos de cultivo , sendo um deles em descanso; -Pastos e florestas; - Burgos, cidades que inicialmente ficavam no interior das fortificações e depois se expandiram para fora, ao redor dos castelos. As pessoas que moravam nestes lugares eram chamadas de burgueses, trabalhavam como comerciantes e em alguns casos emprestavam dinheiro.
  • 4. Estrutura de classe dos feudos -O senhor feudal e a nobreza (Guerreiros); - O Clero (religiosos); - Os servos ( Mão de obra) Que eram obrigados a pagar tributos, sendo eles: Talha= metade da produção o servo deveria pagar para o senhor feudal; Corvéia= de 3 a 4 dias de trabalho de graça nas terras do senhor feudal; Banalidades= taxas que os servos pagavam para usar as instalações do castelo; Tostão de Pedro= dízimo pago para a Igreja.
  • 5. Decadência do modo de produção, da maneira de consumir e pensar do feudalismo. - O fato de os servos ficarem com uma parte da produção influenciou no desenvolvimento de novas ferramentas e técnicas de produção. - Isso trouxe como conseqüência uma relativa melhora na vida das pessoas, o que gerou o aumento da produção e da população. - Os feudos passaram a ter grande crescimento populacional(mais servos do que o necessário) e a produzir mais do que necessitava(excedente). - Os comerciantes (burgueses) passaram a comercializar esse excedente de produção, ganhando muito poder econômico e político. - Os senhores feudais foram perdendo poder econômico ficando cada vez mais dependentes do dinheiro da burguesia, então pouco a pouco foram perdendo seu poder político.
  • 6. Decadência do modo de produção, da maneira de consumir e pensar do feudalismo. -O comércio deixa de ser local(Em torno do feudo) e passa a ocorrer por toda a Europa. -Posteriormente esse comércio se expande para a Ásia, África e América. -Logo as cidades tornam-se novamente grandes centros de troca e também da produção de produtos feitos pelos artesãos em oficinas, geralmente em sua própria casa. -Com o aumento da demanda nas cidades, muitas destas oficinas deslocaram-se para cidades. Os donos destas oficinas, começam a contratar outros funcionários separando criando duas classes, o dono da oficina e o empregado. -Com o tempo a burguesia utilizou o dinheiro acumulado com o comércio para adquirir oficinas e instrumentos de trabalho. -Assim, os burgueses conquistaram poder político nas cidades, responsabilizaram-se pela segurança e outras esferas de poder. De modo que, os feudos foram perdendo sua importância econômica. -A burguesia se consolida como uma nova classe dirigente. Dona dos meios de produção e do poder político. Surge então, em um processo desigual e combinado o capitalismo.
  • 7. MODO DE PRODUÇÃO CAPITALISTA O lucro foi tanto! Olha o dinheiro! Vença a concorrência! Lucro! Lucro! Lucro!.............................................................
  • 8. Muitas são as diferenças entre os países capitalistas, no entanto, alguns características são comuns. • Predomínio da propriedade privada dos meios necessários a produção. Embora, o Estado também seja dono de muitos meios de produção(fábricas, terras, máquinas, minas etc.
  • 9. Objetivo O objetivo dos capitalistas e mesmo das empresas estatais é a reprodução do capital, ou seja, o lucro.
  • 10. Para maximizar seus lucros o capitalista procura reduzir os custos com a produção. Para isso, faz o que puder para comprar matéria-prima barata, pagar menos impostos, diminuir os gastos com salários, etc.
  • 11. Tarsila do Amaral Os trabalhadores por outro lado, para não terem suas condições de vida rebaixada a condições de penúria, não tem outra alternativa a não ser lutar por melhores condições de existência. Como sozinho não consegue enfrentar o poder econômico do patrão, os Trabalhadores se unem através de sindicatos, partidos, associações, etc Os grupos de homens e mulheres tem, Portanto, com diferentes aspirações e travam entre si constantes combates em defesa de seus interesses específicos: são as classes sociais.
  • 12. Mais-Valia -A essência do lucro capitalista é a mais-valia. - O capitalista utiliza parte das horas de trabalho do empregado para pagar os custos de produção(matéria-prima, salário, eletricidade, etc.) o restante das horas de trabalho do empregado é a mais- valia, o lucro, as horas de trabalho não pagas pelos donos dos meios de produção.
  • 13. Mais-Valia Absoluta: consiste em aumentar a jornada de trabalho para maximizar o lucro Mais-Valia Relativa: Consiste em aumentar a produtividade do trabalho por meio de novos instrumentos, sem aumentar a jornada de trabalho.
  • 15. • O capitalismo é, portanto, a maneira que a sociedade se organiza para produzir os produtos que necessita e os produtos que não necessita. • O ordenamento societário do capitalismo está alicerçado na propriedade privada, na distribuição desigual da riqueza, na divisão da sociedade em classes sociais.