SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 58
Milenon de Jesus
@prof.jesus01
L. PORTUGUESA
Prof. Jesus
TEMA:Tipologia textual
FRENTE: 1 3° SÉRIE (EM)
3 Minutos
1 minuto:
O que vimos na aula anterior: Avaliação
2 minuto:
Objeto de conhecimento que será ministrado hoje: Tipologia
textual
3 minuto :
Assunto que será ministrado na próxima aula: GÊNEROS
TEXTUAIS
Tipologias textuais
São os tipos de textos criados em determinados contextos e
que vão depender da intenção e necessidade de
comunicação das pessoas.
SEQUENCIAS TEXTUAIS
NARRATIVA
DESCRITIVA
ARGUMENTATIVA
INJUNTIVA
EXPOSITIVA
Tipologia textual é dividida em cinco tipos de
textos:
Tipologia narrativa (narração): contar uma história incluindo
tempo, espaço e personagens envolvidos.
Tipologia descritiva (descrição): descrever uma pessoa, um
objeto, um local, um acontecimento.
Tipologia dissertativa (dissertação): defender uma ideia e
expor uma opinião através de argumentações.
Tipologia expositiva (exposição): apresentar um conceito, uma
ideia, ou informar sobre algo.
Tipologia injuntiva (injunção): ensinar ou instruir sobre algo
com o objetivo de levar a uma ação.
Tipologia narrativa (narração)
A narração significa contar uma história, acontecimentos e
ações de personagens dentro de um espaço e um tempo
determinado.
Através de um enredo (história) é relatado por um narrador os
acontecimentos e ações de maneira linear ou não linear.
Se o enredo seguir uma sequência cronológica, trata-se de um
enredo linear.
Se existir uma mistura entre o passado, o presente e o futuro,
estamos diante de um enredo não linear.
Estrutura da Narrativa
Apresentação: chamada de introdução, nessa parte inicial o
autor do texto apresenta os personagens, o local e o tempo
em que se desenvolverá a trama.
Desenvolvimento: aqui grande parte da história é
desenvolvida com foco nas ações dos personagens.
Clímax: parte do desenvolvimento da história, o clímax
designa o momento mais emocionante da narrativa.
Desfecho: chamada de conclusão, ele é determinado pela
parte final da narrativa.
Elementos da narrativa:
Narrador - é quem narra a história. Dividem-se em: narrador
observador, narrador personagem e narrador onisciente.
Enredo - trata-se da estrutura da narrativa. A trama em que se
desenrolam as ações. São classificados em: enredo linear e
enredo não linear.
Personagens - são aqueles que compõem a narrativa sendo
classificados em: personagens principais (protagonista) e
personagens secundários (coadjuvante).
Elementos da narrativa:
Tempo - está relacionado com a marcação do tempo dentro
da narrativa.
O tempo pode ser cronológico ou psicológico.
Espaço - local (s) onde a narrativa se desenvolve. Podem
ocorrer num ambiente físico, ambiente psicológico ou
ambiente social.
Características da tipologia narrativa
Revela a sequência de acontecimentos de uma história;
Os fatos e as ações são relatados por um narrador (foco
narrativo) que participa ou não da trama;
Personagens principais (protagonistas), que aparecem com
maior frequência e são mais importantes na história.
E personagens secundários (coadjuvantes).
Características da tipologia narrativa
Marcação de tempo (tempo cronológico) através de datas e
momentos históricos, ou o tempo individual de cada
personagem (tempo psicológico);
O local onde se desenvolve a história e que podem ser físicos
(reais ou imaginários) ou psicológicos (na mente das
personagens).
Tipos de Narrador
Os tipos de narrador, também chamado de foco narrativo ou
"voz textual" da narração.
Narrador Personagem - a história é narrada em 1ª
pessoa onde o narrador é um personagem e participa das
ações.
Narrador Observador - narrado em 3ª pessoa, esse tipo de
narrador conhece os fatos porém, não participa da ação.
Narrador Onisciente - esse narrador conhece todos os
personagens e a trama.
Nela a história é narrada em 3ª pessoa. No entanto, quando
apresenta fluxo de pensamentos dos personagens, ela é
narrada em 1ª pessoa.
Tipos de Discurso Narrativo
Discurso Direto - a própria personagem fala.
Discurso Indireto - o narrador interfere na fala da
personagem. É narrado em 3ª pessoa uma vez que não
aparece a fala da personagem.
Discurso Indireto Livre - nele há intervenções do narrador e
das falas dos personagens. Nesse caso, funde-se o discurso
direto com o indireto.
Exemplos de textos da tipologia narrativa
crônicas
contos
romances
fábulas
novelas
O CAVALO E O BURRO
Cavalo e burro seguiam juntos para a cidade. O cavalo,
contente da vida, folgando com a carga de quatro arrobas, e o
burro coitado! gemendo sob o peso de oito. Em certo ponto, o
burro parou e disse:
– Não posso mais! Esta carga excede às minhas forças e o
remédio é repartirmos o peso irmanamente, seis arrobas para
cada um.
O cavalo deu um pinote e relinchou uma gargalhada.
– Ingênuo! Quer então que eu arque com seis arrobas
quando posso bem continuar com as quatro? Tenho cara de
tolo?
O burro gemeu:
– Egoísta! Lembre-se que se eu morrer você terá que
seguir com a carga das quatro arrobas mais a minha.
O cavalo pilheriou de novo e a coisa ficou por isso. Logo
adiante, porém, o burro tropica, vem ao chão e rebenta.
Chegam os tropeiros, maldizem da sorte e sem demora
arrumam as oito arrobas do burro sobre as quatro do cavalo
egoísta. E como o cavalo refuga, dão-lhe de chicote em cima,
sem dó nem piedade.
– Bem feito! – exclamou um papagaio. Quem o mandou ser
mais burro que o pobre burro e não compreender que o
verdadeiro motivo era aliviá-lo da carga em excesso? Tome!
Gema dobrado agora…”
Monteiro Lobato, Fábulas. São Paulo, Editora Brasiliense, 1994.
Discurso direto
No discurso direto, a própria personagem fala. É comum o uso
de verbos declarativos, que podem ser: disse, respondeu,
afirmou, ponderou, sugeriu, perguntou, indagou, etc.
Exemplo:
– Por que chegou tão tarde? Perguntou-lhe nervosa com as
mãos na cintura e os pés batendo no chão.
– Estive em reunião com a diretoria. Redarguiu, tentando
disfarçar o hálito alcoólico.
– Foi uma reunião regada a álcool? Replicou ironicamente a
esposa.
Discurso indireto
Discurso Indireto - no discurso indireto o narrador interfere na fala da
personagem. Em outras palavras, é narrado em 3ª pessoa uma vez que
não aparece a fala da personagem.
Exemplo:
Perguntou-lhe porque chegara tão tarde.
Redarguiu que estivera em reunião com a diretoria.
Perguntou ironicamente se fora a uma reunião regada a
álcool.
Discurso indireto livre
No discurso indireto livre há intervenções do narrador e das
falas dos personagens. Nesse caso, funde-se o discurso direto
com o indireto
Exemplo:
A esposa nervosa com as mãos na cintura e os pés batendo no chão
aguardava-o em casa. Por que chegou tarde? Apressou-se em
respondê-la, disfarçando o hálito alcoólico, dizendo que estivera em
reunião com diretoria.
Descrição
Tipologia descritiva (descrição)
A descrição representa o ato de descrever algo e que pode ser
uma pessoa, um objeto, uma paisagem, um local.
Quando utilizamos a tipologia descritiva, buscamos
apresentar as principais características de algo, e isso pode
ser feito de duas maneiras: descrição objetiva e descrição
subjetiva.
Tipologia descritiva (descrição)
Descrição objetiva:
Na descrição objetiva não há um juízo de valor, uma opinião,
ou mesmo impressões subjetivas sobre o que está sendo
observado.
A imparcialidade (visão neutra) é uma das principais
características desse tipo de descrição.
Ela busca apontar de maneira muito realista e verossímil os
atributos de algo (alto, baixo, claro, escuro, longo, curto).
Tipologia descritiva (descrição)
Descrição subjetiva:
Na descrição subjetiva, a opinião, as apreciações e as
emoções de quem está descrevendo aparece de forma muito
nítida, que pode surgir pelo uso de muitos adjetivos.
Características do texto descritivo
Retrato verbal
Ausência de ação e relação de anterioridade ou posterioridade entre as
frases
Predomínio de substantivos, adjetivos e locuções adjetivas
Utilização da enumeração e comparação
Presença de verbos de ligação
Verbos flexionados no presente ou no pretérito (passado)
Emprego de orações coordenadas justapostas
Estrutura Descritiva
A descrição apresenta três passos para a construção:
Introdução: apresentação do que se pretende descrever.
Desenvolvimento: caracterização subjetiva ou objetiva da
descrição.
Conclusão: finalização da apresentação e caracterização de
algo.
Descrição Subjetiva
“Ficara sentada à mesa a ler o Diário de Notícias, no seu roupão
de manhã de fazenda preta, bordado a sutache, com largos
botões de madrepérola; o cabelo louro um pouco desmanchado,
com um tom seco do calor do travesseiro, enrolava-se, torcido
no alto da cabeça pequenina, de perfil bonito; a sua pele tinha a
brancura tenra e láctea das louras; com o cotovelo encostado à
mesa acariciava a orelha, e, no movimento lento e suave dos
seus dedos, dois anéis de rubis miudinhos davam cintilações
escarlates.”
(O Primo Basílio, Eça de Queiroz)
Descrição Objetiva
"A vítima, Solange dos Santos (22 anos), moradora da cidade de
Marília, era magra, alta (1,75), cabelos pretos e curtos; nariz fino
e rosto ligeiramente alongado."
Exemplos de textos da tipologia descritiva
Manuais de instruções
Retratos falados
Diários
Notícias
Biografias
Texto Dissertativo
Texto Dissertativo
O Texto Dissertativo é um tipo de
texto argumentativo e opinativo, uma vez que expõe a
opinião sobre determinado assunto ou tema, por meio de uma
argumentação lógica, coerente e coesa.
Estrutura do Texto Dissertativo
Introdução: Também chamada de "Tese", nesse momento, o
mais importante é expor a ideia central sobre o tema de
maneira clara.
É Importante lembrar que a introdução é a parte mais
importante do texto e, por isso, deve conter a informações que
logo serão desenvolvidas.
Estrutura do Texto Dissertativo
Desenvolvimento: nessa parte do texto é que se desenvolve a
argumentação por meio de opiniões, dados, levantamentos,
estatísticas, fatos e exemplos sobre o tema, a fim de que sua
tese (ideia central) seja defendida com propriedade.
Estrutura do Texto Dissertativo
Conclusão: O próprio nome já supõe que é necessário concluir
o texto.
Em outras palavras, não deixamos um texto sem concluí-lo e,
por isso, esse momento é chamado de "Nova Tese" por ser um
momento de fechamento das ideias, e principalmente da
inserção de uma nova ideia, ou seja, uma "nova tese".
EX.:
Revisão:rerl,m
nv.nm
Tipos de Dissertação
Existem dois tipos de dissertação:
a Dissertação Argumentativa e a Dissertação Expositiva.
1. Texto Dissertativo-Argumentativo
Nessa modalidade, a intenção é persuadir o leitor, convencê-lo
de sua tese (ideia central) a partir de coerente argumentação,
exemplos, fatos.
2. Texto Dissertativo Expositivo
É a exposição de ideias, teorias, conceitos sem
necessariamente tentar convencer o leitor.
Exemplos de Texto Dissertativo
Texto Dissertativo Argumentativo
Em pleno século XXI é salutar refletir sobre a importância de preservação
do meio ambiente bem como atuar em prol de uma sociedade mais
consciente e limpa.
Já ficou mais que claro que a maioria dos problemas os quais
enfrentamos atualmente nas grandes cidades, foram gerados pela ação
humana.
De tal modo, podemos pensar nas grandes construções, alicerçadas na
urbanização desenfreada, ou no simples ato de jogar lixo nas ruas.
A poluição gerada e impregnada nas grandes cidades foi em grande parte
fruto da urbanização desenfreada ou da atuação de indústrias; porém,
deveres não cumpridos pelos homens também proporcionaram toda essa
"sujidade". Nesse sentido, vale lembrar que pequenos atos podem
produzir grandes mudanças se realizados por todos os cidadãos.
Portanto, um conselho deveras importante: ao invés de jogar o lixo (seja
um papelzinho de bala, ou uma anotação de um telefone) nas ruas,
guarde-o no bolso e atire somente quando encontrar uma lixeira. Seja um
cidadão consciente! Não Jogue lixo nas ruas!
Exemplos de Texto Dissertativo
Texto Dissertativo Expositivo
Os Relatórios das Organizações das Nações Unidas (ONU) sobre a
gestão e desenvolvimento dos recursos hídricos alertam para a
preservação e proteção dos recursos naturais do planeta, sobretudo da
água.
Sendo assim, as estatísticas apontam para uma enorme crise mundial da
falta de água a partir de 2025, de forma que atingirá cerca de 3 bilhões de
pessoas, e que pode provocar diversos problemas sociais e de saúde
pública.
Um dos maiores problemas apresentados pela ONU é a “escassez de
água” que já atinge cerca de 20 países no mundo, ou seja, 40% da
população do planeta.
Os estudos completam que a água doce do planeta está em risco visto as
mudanças climáticas registradas nas últimas décadas.
Exemplos de textos da tipologia dissertativa
Artigos
Monografias
Resenhas
Ensaios
Editoriais
Texto Expositivo
Texto expositivo
O texto expositivo é um tipo de texto que visa a
apresentação de um conceito ou de uma ideia.
Muito comum esse tipo de texto ser abordado no contexto
escolar e acadêmico, uma vez que inclui formas de
apresentação, tais como: seminários, artigos acadêmicos,
congressos, conferências, palestras, colóquios, entrevistas,
dentre outros.
Características dos textos expositivos
No texto expositivo, o objetivo central do locutor (emissor) é explanar
sobre determinado assunto.
Conceituação: exposição dos conceitos relacionados a um
determinado tema.
Definição: explicação e definição sobre os temas relacionados com o
assunto abordado.
Descrição: análise mais pormenorizada de aspectos referentes ao tema.
Comparação: relação entre dois ou mais conceitos distintos e que
podem se complementar.
Informação: reunião de conhecimentos e dados relacionados com o
tema.
Enumeração: ordenação dos itens essenciais relacionados com o tema
abordado e especificação de cada um deles.
Texto expositivo
Texto expositivo-argumentativo:
Além de apresentar o tema, o emissor foca nos argumentos
necessários para a explanação de suas ideias.
Recorre aos diversos autores e teorias para comparar,
conceituar e defender sua opinião.
Texto expositivo-informativo:
O objetivo central do emissor é simplesmente transmitir as
informações sobre determinado tema, com o máximo de
neutralidade.
EX.: apresentação sobre os índices de violência no país, de
modo que o conjunto de informações, gráficos e dados sobre
o tema, apresentam informações sobre o problema, sem
defesa de opinião.
Exemplos de textos da tipologia expositiva
Palestras
Entrevistas
Seminários
Verbetes de dicionários
Verbetes enciclopédicos
Exemplos de textos expositivos
Verbete de dicionário
Significado de Nostalgia (s.f). Tristeza causada pela saudade de
sua terra ou de sua pátria; melancolia. Saudade do passado, de
um lugar etc. Disfunções comportamentais causadas pela
separação ou isolamento (físico) do país natal, pela ausência da
família e pela vontade exacerbada de regressar à pátria.
Texto injuntivo
Texto injuntivo
O texto injuntivo ou instrucional está pautado na explicação e
no método para a concretização de uma ação.
Ele indica o procedimento para realizar algo, por exemplo,
uma receita de bolo, bula de remédio, manual de instruções,
editais e propagandas.
Sua função é transmitir para o leitor mais do que simples
informações, visa sobretudo, instruir, explicar, todavia, sem a
finalidade de convencê-lo por meio de argumentos.
Texto Injuntivo e Prescritivo
Os linguistas que preferem dividi-los em dois tipos de textos
informam que o texto injuntivo, instrui sem uma atitude
coercitiva, recurso marcante nos textos ditos prescritivos.
Um texto injuntivo pode ser um manual de instruções ou uma
receita.
Textos prescritivos asseguram um tipo de atitude coercitiva,
por exemplo, os editais dos concursos, contratos e leis.
Recursos Linguísticos
A linguagem dos textos injuntivos é simples e objetiva.
Um dos recursos linguísticos marcantes e recorrentes desse
tipo de texto é a utilização dos verbos no imperativo, os quais
indicam uma "ordem", por exemplo:
Na receita de bolo: “misture todos os ingredientes”;
Na bula de remédio: “tome duas cápsulas por dia”;
No manual de instruções: “aperte a tecla amarela”;
Nas propagandas: “vista essa camisa”.
Exemplos de textos da tipologia injuntiva
Propagandas
Manuais de instruções
Bulas de remédios
Receitas culinárias
Regulamentos
Ex.:
Bula de Remédio
Apresentação de Norfloxacino (Laboratório: Medley, Referência:
Floxacin)
Comprimidos revestidos de 400 mg. Embalagens com 6 e 14
comprimidos revestidos. USO ADULTO - USO ORAL
COMPOSIÇÃO
Cada comprimido revestido contém:
Norfloxacino ................................................................................
400 mg
excipientes q.s.p. ................................................................. 1
comprimido.
Exercício
Identifique o tipo textual de cada exemplo:
"O Brasil é o maior país da América do Sul, com uma população
diversificada e rica cultura."
"Parabéns pelo seu aniversário! Que esta data seja repleta de alegria e
felicidade!"
"Instruções para preparar o bolo de chocolate: misture os ingredientes,
preaqueça o forno e asse por 30 minutos."
"Um grupo de cientistas publicou recentemente um estudo sobre o
aquecimento global."
"Era uma vez uma princesa encantada em um castelo distante...“
-
Gabarito Exercício 1:
Descritivo
Injuntivo
Instrucional
Informativo
Narrativo
Questão 1: Qual é o objetivo principal de um texto descritivo?
a) Convencer o leitor sobre um ponto de vista.
b) Contar uma história ou narrativa.
c) Informar e explicar sobre um tema.
d) Descrever características de objetos, lugares, pessoas, etc.
Questão 2: O tipo textual argumentativo é utilizado principalmente para:
a) Relatar acontecimentos recentes e notícias.
b) Descrever as características de um objeto ou lugar.
c) Instruir e dar orientações passo a passo.
d) Convencer o leitor a adotar uma opinião específica ou tomar uma ação.
Questão 3: Qual é o propósito do texto instrucional?
a) Fornecer informações e fatos sobre um tema.
b) Contar uma história ou relato fictício.
c) Descrever características de algo ou alguém.
d) Apresentar instruções e orientações para realizar uma tarefa.
Questão 4: O tipo textual informativo é comumente encontrado em:
a) Contos e romances.
b) Notícias e artigos jornalísticos.
c) Anúncios publicitários.
d) Poemas e poemas líricos.
Questão 5: Em qual tipo textual é comum encontrar a utilização da
primeira pessoa do singular (eu) ou plural (nós)?
a) Descritivo b) Narrativo c) Instrucional d) Argumentativo
Questão 6: Qual dos tipos textuais abaixo geralmente utiliza recursos
linguísticos como conectivos, advérbios de causa e consequência, e
argumentos convincentes?
a) Descritivo b) Informativo c) Narrativo d) Argumentativo
Gabarito:
d) Descrever características de objetos, lugares, pessoas, etc.
d) Convencer o leitor a adotar uma opinião específica ou tomar uma ação.
d) Apresentar instruções e orientações para realizar uma tarefa.
b) Notícias e artigos jornalísticos.
b) Narrativo
d) Argumentativo
Sobre os tipos textuais, é correto afirmar, exceto:
a) Os tipos textuais são caracterizados por propriedades linguísticas,
como vocabulário, relações lógicas, tempos verbais, construções frasais,
etc.
b) Os tipos textuais são: narração, argumentação, descrição, injunção e
exposição.
c) Geralmente variam entre cinco e nove tipos.
d) Possuem um conjunto ilimitado de características, que são
determinadas de acordo com o estilo do autor, conteúdo, composição e
função.
e) Os tipos de textos apresentam características intrínsecas e invariáveis,
ou seja, não sofrem a influência do contexto de nossas atividades
comunicativas. De maneira predeterminada, apresentam vocabulário,
relações lógicas, tempos verbais e construções frasais que acolhem os
diversos gêneros.
FIM
O homem que não lê não pensa.
(Ferdinand de Saussure)
Referência:
C. Impacto: língua, literatura e produção de textos: livro do professor/C.
Impacto digita S/A .- ED.- Belém, PA DIGITAL S/A , 2023.
Pestana, Fernando- A gramática para concursos públicos / Fernando
Pestana. – 1. ed. – Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.
Milenon de Jesus
@prof.jesus01

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...Antônio Fernandes
 
Sujeito E Predicado
Sujeito E PredicadoSujeito E Predicado
Sujeito E Predicadoguest7174ad
 
Anáfora, contexto e coesão textual
Anáfora, contexto e coesão textualAnáfora, contexto e coesão textual
Anáfora, contexto e coesão textualMiquéias Vitorino
 
Informações Implícitas
Informações ImplícitasInformações Implícitas
Informações ImplícitasTaïs Bressane
 
ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS
ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVASORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS
ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVASAngela Santos
 
Relações lexicais e coesão textual
Relações lexicais e coesão textualRelações lexicais e coesão textual
Relações lexicais e coesão textualMiquéias Vitorino
 
Literaturas africanas de expressão portuguesa
Literaturas africanas de expressão portuguesaLiteraturas africanas de expressão portuguesa
Literaturas africanas de expressão portuguesaAna Eunice
 
Efeitos de sentido decorrentes do uso dos sinais de pontuação, notações e out...
Efeitos de sentido decorrentes do uso dos sinais de pontuação, notações e out...Efeitos de sentido decorrentes do uso dos sinais de pontuação, notações e out...
Efeitos de sentido decorrentes do uso dos sinais de pontuação, notações e out...AlineLeo15
 
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 32 | 3ª SÉRIE | TEXTO ARGUMENTATIVO: FATO E OPINIÃO
 LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 32 | 3ª SÉRIE | TEXTO ARGUMENTATIVO: FATO E OPINIÃO LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 32 | 3ª SÉRIE | TEXTO ARGUMENTATIVO: FATO E OPINIÃO
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 32 | 3ª SÉRIE | TEXTO ARGUMENTATIVO: FATO E OPINIÃOJhonatanCesar6
 

Mais procurados (20)

Elementos de coesão
Elementos de coesãoElementos de coesão
Elementos de coesão
 
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
 
Sujeito E Predicado
Sujeito E PredicadoSujeito E Predicado
Sujeito E Predicado
 
Anáfora, contexto e coesão textual
Anáfora, contexto e coesão textualAnáfora, contexto e coesão textual
Anáfora, contexto e coesão textual
 
Informações Implícitas
Informações ImplícitasInformações Implícitas
Informações Implícitas
 
Interjeição
InterjeiçãoInterjeição
Interjeição
 
ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS
ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVASORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS
ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS
 
Sujeito. Predicado
Sujeito. PredicadoSujeito. Predicado
Sujeito. Predicado
 
Vozes Do Verbo
Vozes Do VerboVozes Do Verbo
Vozes Do Verbo
 
PRONOME RELATIVO
PRONOME RELATIVOPRONOME RELATIVO
PRONOME RELATIVO
 
Relações lexicais e coesão textual
Relações lexicais e coesão textualRelações lexicais e coesão textual
Relações lexicais e coesão textual
 
Classe de palavras verbos
Classe de palavras   verbosClasse de palavras   verbos
Classe de palavras verbos
 
Literaturas africanas de expressão portuguesa
Literaturas africanas de expressão portuguesaLiteraturas africanas de expressão portuguesa
Literaturas africanas de expressão portuguesa
 
Efeitos de sentido decorrentes do uso dos sinais de pontuação, notações e out...
Efeitos de sentido decorrentes do uso dos sinais de pontuação, notações e out...Efeitos de sentido decorrentes do uso dos sinais de pontuação, notações e out...
Efeitos de sentido decorrentes do uso dos sinais de pontuação, notações e out...
 
cronica slide.ppt
cronica slide.pptcronica slide.ppt
cronica slide.ppt
 
Adjetivo Aula 1
Adjetivo Aula 1Adjetivo Aula 1
Adjetivo Aula 1
 
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 32 | 3ª SÉRIE | TEXTO ARGUMENTATIVO: FATO E OPINIÃO
 LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 32 | 3ª SÉRIE | TEXTO ARGUMENTATIVO: FATO E OPINIÃO LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 32 | 3ª SÉRIE | TEXTO ARGUMENTATIVO: FATO E OPINIÃO
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 32 | 3ª SÉRIE | TEXTO ARGUMENTATIVO: FATO E OPINIÃO
 
Redacao enem
Redacao enemRedacao enem
Redacao enem
 
Classes gramaticais
Classes gramaticaisClasses gramaticais
Classes gramaticais
 
Gil Vicente
Gil VicenteGil Vicente
Gil Vicente
 

Semelhante a Tipologia textual.ppt

Semelhante a Tipologia textual.ppt (20)

Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
 
Aul 02 tipolo_e_gênero_textual
Aul 02 tipolo_e_gênero_textualAul 02 tipolo_e_gênero_textual
Aul 02 tipolo_e_gênero_textual
 
Aula português 2
Aula português 2Aula português 2
Aula português 2
 
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino MédioGêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
 
Elementos da narrativa
Elementos da narrativaElementos da narrativa
Elementos da narrativa
 
O jarro de prata
O jarro de prataO jarro de prata
O jarro de prata
 
Noções básicas de linguagem cinematográfica
Noções básicas de linguagem cinematográficaNoções básicas de linguagem cinematográfica
Noções básicas de linguagem cinematográfica
 
Tipos de texto
Tipos de textoTipos de texto
Tipos de texto
 
Apostila resumo-e-exercicios-de-portugues
Apostila resumo-e-exercicios-de-portuguesApostila resumo-e-exercicios-de-portugues
Apostila resumo-e-exercicios-de-portugues
 
A Narrativa. A Lírica. A Epopeia
A Narrativa. A Lírica. A EpopeiaA Narrativa. A Lírica. A Epopeia
A Narrativa. A Lírica. A Epopeia
 
generos.pptx
generos.pptxgeneros.pptx
generos.pptx
 
Crônica e conto eemh
Crônica e conto eemhCrônica e conto eemh
Crônica e conto eemh
 
Narração
NarraçãoNarração
Narração
 
Apostila tipologia textual
Apostila tipologia textualApostila tipologia textual
Apostila tipologia textual
 
Texto narativo trabalho
Texto narativo trabalhoTexto narativo trabalho
Texto narativo trabalho
 
Narração
NarraçãoNarração
Narração
 
Tipologia e gênero textual
Tipologia e gênero textualTipologia e gênero textual
Tipologia e gênero textual
 
Como abordar o texto narrativo
Como abordar o texto narrativoComo abordar o texto narrativo
Como abordar o texto narrativo
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Apostila eja 2 ª parte tipos e generos textuais
Apostila eja 2 ª parte  tipos e generos textuaisApostila eja 2 ª parte  tipos e generos textuais
Apostila eja 2 ª parte tipos e generos textuais
 

Último

Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Pauloririg29454
 
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )MayaraDaSilvaAssis
 
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfO que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfGisellySobral
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 

Último (20)

Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
 
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfO que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 

Tipologia textual.ppt

  • 2. L. PORTUGUESA Prof. Jesus TEMA:Tipologia textual FRENTE: 1 3° SÉRIE (EM)
  • 3. 3 Minutos 1 minuto: O que vimos na aula anterior: Avaliação 2 minuto: Objeto de conhecimento que será ministrado hoje: Tipologia textual 3 minuto : Assunto que será ministrado na próxima aula: GÊNEROS TEXTUAIS
  • 4. Tipologias textuais São os tipos de textos criados em determinados contextos e que vão depender da intenção e necessidade de comunicação das pessoas. SEQUENCIAS TEXTUAIS NARRATIVA DESCRITIVA ARGUMENTATIVA INJUNTIVA EXPOSITIVA
  • 5. Tipologia textual é dividida em cinco tipos de textos: Tipologia narrativa (narração): contar uma história incluindo tempo, espaço e personagens envolvidos. Tipologia descritiva (descrição): descrever uma pessoa, um objeto, um local, um acontecimento. Tipologia dissertativa (dissertação): defender uma ideia e expor uma opinião através de argumentações. Tipologia expositiva (exposição): apresentar um conceito, uma ideia, ou informar sobre algo. Tipologia injuntiva (injunção): ensinar ou instruir sobre algo com o objetivo de levar a uma ação.
  • 6. Tipologia narrativa (narração) A narração significa contar uma história, acontecimentos e ações de personagens dentro de um espaço e um tempo determinado. Através de um enredo (história) é relatado por um narrador os acontecimentos e ações de maneira linear ou não linear. Se o enredo seguir uma sequência cronológica, trata-se de um enredo linear. Se existir uma mistura entre o passado, o presente e o futuro, estamos diante de um enredo não linear.
  • 7. Estrutura da Narrativa Apresentação: chamada de introdução, nessa parte inicial o autor do texto apresenta os personagens, o local e o tempo em que se desenvolverá a trama. Desenvolvimento: aqui grande parte da história é desenvolvida com foco nas ações dos personagens. Clímax: parte do desenvolvimento da história, o clímax designa o momento mais emocionante da narrativa. Desfecho: chamada de conclusão, ele é determinado pela parte final da narrativa.
  • 8. Elementos da narrativa: Narrador - é quem narra a história. Dividem-se em: narrador observador, narrador personagem e narrador onisciente. Enredo - trata-se da estrutura da narrativa. A trama em que se desenrolam as ações. São classificados em: enredo linear e enredo não linear. Personagens - são aqueles que compõem a narrativa sendo classificados em: personagens principais (protagonista) e personagens secundários (coadjuvante).
  • 9. Elementos da narrativa: Tempo - está relacionado com a marcação do tempo dentro da narrativa. O tempo pode ser cronológico ou psicológico. Espaço - local (s) onde a narrativa se desenvolve. Podem ocorrer num ambiente físico, ambiente psicológico ou ambiente social.
  • 10. Características da tipologia narrativa Revela a sequência de acontecimentos de uma história; Os fatos e as ações são relatados por um narrador (foco narrativo) que participa ou não da trama; Personagens principais (protagonistas), que aparecem com maior frequência e são mais importantes na história. E personagens secundários (coadjuvantes).
  • 11. Características da tipologia narrativa Marcação de tempo (tempo cronológico) através de datas e momentos históricos, ou o tempo individual de cada personagem (tempo psicológico); O local onde se desenvolve a história e que podem ser físicos (reais ou imaginários) ou psicológicos (na mente das personagens).
  • 12. Tipos de Narrador Os tipos de narrador, também chamado de foco narrativo ou "voz textual" da narração. Narrador Personagem - a história é narrada em 1ª pessoa onde o narrador é um personagem e participa das ações. Narrador Observador - narrado em 3ª pessoa, esse tipo de narrador conhece os fatos porém, não participa da ação. Narrador Onisciente - esse narrador conhece todos os personagens e a trama. Nela a história é narrada em 3ª pessoa. No entanto, quando apresenta fluxo de pensamentos dos personagens, ela é narrada em 1ª pessoa.
  • 13. Tipos de Discurso Narrativo Discurso Direto - a própria personagem fala. Discurso Indireto - o narrador interfere na fala da personagem. É narrado em 3ª pessoa uma vez que não aparece a fala da personagem. Discurso Indireto Livre - nele há intervenções do narrador e das falas dos personagens. Nesse caso, funde-se o discurso direto com o indireto.
  • 14. Exemplos de textos da tipologia narrativa crônicas contos romances fábulas novelas
  • 15. O CAVALO E O BURRO Cavalo e burro seguiam juntos para a cidade. O cavalo, contente da vida, folgando com a carga de quatro arrobas, e o burro coitado! gemendo sob o peso de oito. Em certo ponto, o burro parou e disse: – Não posso mais! Esta carga excede às minhas forças e o remédio é repartirmos o peso irmanamente, seis arrobas para cada um. O cavalo deu um pinote e relinchou uma gargalhada. – Ingênuo! Quer então que eu arque com seis arrobas quando posso bem continuar com as quatro? Tenho cara de tolo?
  • 16. O burro gemeu: – Egoísta! Lembre-se que se eu morrer você terá que seguir com a carga das quatro arrobas mais a minha. O cavalo pilheriou de novo e a coisa ficou por isso. Logo adiante, porém, o burro tropica, vem ao chão e rebenta. Chegam os tropeiros, maldizem da sorte e sem demora arrumam as oito arrobas do burro sobre as quatro do cavalo egoísta. E como o cavalo refuga, dão-lhe de chicote em cima, sem dó nem piedade. – Bem feito! – exclamou um papagaio. Quem o mandou ser mais burro que o pobre burro e não compreender que o verdadeiro motivo era aliviá-lo da carga em excesso? Tome! Gema dobrado agora…” Monteiro Lobato, Fábulas. São Paulo, Editora Brasiliense, 1994.
  • 17. Discurso direto No discurso direto, a própria personagem fala. É comum o uso de verbos declarativos, que podem ser: disse, respondeu, afirmou, ponderou, sugeriu, perguntou, indagou, etc. Exemplo: – Por que chegou tão tarde? Perguntou-lhe nervosa com as mãos na cintura e os pés batendo no chão. – Estive em reunião com a diretoria. Redarguiu, tentando disfarçar o hálito alcoólico. – Foi uma reunião regada a álcool? Replicou ironicamente a esposa.
  • 18. Discurso indireto Discurso Indireto - no discurso indireto o narrador interfere na fala da personagem. Em outras palavras, é narrado em 3ª pessoa uma vez que não aparece a fala da personagem. Exemplo: Perguntou-lhe porque chegara tão tarde. Redarguiu que estivera em reunião com a diretoria. Perguntou ironicamente se fora a uma reunião regada a álcool.
  • 19. Discurso indireto livre No discurso indireto livre há intervenções do narrador e das falas dos personagens. Nesse caso, funde-se o discurso direto com o indireto Exemplo: A esposa nervosa com as mãos na cintura e os pés batendo no chão aguardava-o em casa. Por que chegou tarde? Apressou-se em respondê-la, disfarçando o hálito alcoólico, dizendo que estivera em reunião com diretoria.
  • 21. Tipologia descritiva (descrição) A descrição representa o ato de descrever algo e que pode ser uma pessoa, um objeto, uma paisagem, um local. Quando utilizamos a tipologia descritiva, buscamos apresentar as principais características de algo, e isso pode ser feito de duas maneiras: descrição objetiva e descrição subjetiva.
  • 22. Tipologia descritiva (descrição) Descrição objetiva: Na descrição objetiva não há um juízo de valor, uma opinião, ou mesmo impressões subjetivas sobre o que está sendo observado. A imparcialidade (visão neutra) é uma das principais características desse tipo de descrição. Ela busca apontar de maneira muito realista e verossímil os atributos de algo (alto, baixo, claro, escuro, longo, curto).
  • 23. Tipologia descritiva (descrição) Descrição subjetiva: Na descrição subjetiva, a opinião, as apreciações e as emoções de quem está descrevendo aparece de forma muito nítida, que pode surgir pelo uso de muitos adjetivos.
  • 24. Características do texto descritivo Retrato verbal Ausência de ação e relação de anterioridade ou posterioridade entre as frases Predomínio de substantivos, adjetivos e locuções adjetivas Utilização da enumeração e comparação Presença de verbos de ligação Verbos flexionados no presente ou no pretérito (passado) Emprego de orações coordenadas justapostas
  • 25. Estrutura Descritiva A descrição apresenta três passos para a construção: Introdução: apresentação do que se pretende descrever. Desenvolvimento: caracterização subjetiva ou objetiva da descrição. Conclusão: finalização da apresentação e caracterização de algo.
  • 26. Descrição Subjetiva “Ficara sentada à mesa a ler o Diário de Notícias, no seu roupão de manhã de fazenda preta, bordado a sutache, com largos botões de madrepérola; o cabelo louro um pouco desmanchado, com um tom seco do calor do travesseiro, enrolava-se, torcido no alto da cabeça pequenina, de perfil bonito; a sua pele tinha a brancura tenra e láctea das louras; com o cotovelo encostado à mesa acariciava a orelha, e, no movimento lento e suave dos seus dedos, dois anéis de rubis miudinhos davam cintilações escarlates.” (O Primo Basílio, Eça de Queiroz)
  • 27. Descrição Objetiva "A vítima, Solange dos Santos (22 anos), moradora da cidade de Marília, era magra, alta (1,75), cabelos pretos e curtos; nariz fino e rosto ligeiramente alongado."
  • 28. Exemplos de textos da tipologia descritiva Manuais de instruções Retratos falados Diários Notícias Biografias
  • 30. Texto Dissertativo O Texto Dissertativo é um tipo de texto argumentativo e opinativo, uma vez que expõe a opinião sobre determinado assunto ou tema, por meio de uma argumentação lógica, coerente e coesa.
  • 31. Estrutura do Texto Dissertativo Introdução: Também chamada de "Tese", nesse momento, o mais importante é expor a ideia central sobre o tema de maneira clara. É Importante lembrar que a introdução é a parte mais importante do texto e, por isso, deve conter a informações que logo serão desenvolvidas.
  • 32. Estrutura do Texto Dissertativo Desenvolvimento: nessa parte do texto é que se desenvolve a argumentação por meio de opiniões, dados, levantamentos, estatísticas, fatos e exemplos sobre o tema, a fim de que sua tese (ideia central) seja defendida com propriedade.
  • 33. Estrutura do Texto Dissertativo Conclusão: O próprio nome já supõe que é necessário concluir o texto. Em outras palavras, não deixamos um texto sem concluí-lo e, por isso, esse momento é chamado de "Nova Tese" por ser um momento de fechamento das ideias, e principalmente da inserção de uma nova ideia, ou seja, uma "nova tese".
  • 35. Tipos de Dissertação Existem dois tipos de dissertação: a Dissertação Argumentativa e a Dissertação Expositiva. 1. Texto Dissertativo-Argumentativo Nessa modalidade, a intenção é persuadir o leitor, convencê-lo de sua tese (ideia central) a partir de coerente argumentação, exemplos, fatos. 2. Texto Dissertativo Expositivo É a exposição de ideias, teorias, conceitos sem necessariamente tentar convencer o leitor.
  • 36. Exemplos de Texto Dissertativo Texto Dissertativo Argumentativo Em pleno século XXI é salutar refletir sobre a importância de preservação do meio ambiente bem como atuar em prol de uma sociedade mais consciente e limpa. Já ficou mais que claro que a maioria dos problemas os quais enfrentamos atualmente nas grandes cidades, foram gerados pela ação humana. De tal modo, podemos pensar nas grandes construções, alicerçadas na urbanização desenfreada, ou no simples ato de jogar lixo nas ruas. A poluição gerada e impregnada nas grandes cidades foi em grande parte fruto da urbanização desenfreada ou da atuação de indústrias; porém, deveres não cumpridos pelos homens também proporcionaram toda essa "sujidade". Nesse sentido, vale lembrar que pequenos atos podem produzir grandes mudanças se realizados por todos os cidadãos. Portanto, um conselho deveras importante: ao invés de jogar o lixo (seja um papelzinho de bala, ou uma anotação de um telefone) nas ruas, guarde-o no bolso e atire somente quando encontrar uma lixeira. Seja um cidadão consciente! Não Jogue lixo nas ruas!
  • 37. Exemplos de Texto Dissertativo Texto Dissertativo Expositivo Os Relatórios das Organizações das Nações Unidas (ONU) sobre a gestão e desenvolvimento dos recursos hídricos alertam para a preservação e proteção dos recursos naturais do planeta, sobretudo da água. Sendo assim, as estatísticas apontam para uma enorme crise mundial da falta de água a partir de 2025, de forma que atingirá cerca de 3 bilhões de pessoas, e que pode provocar diversos problemas sociais e de saúde pública. Um dos maiores problemas apresentados pela ONU é a “escassez de água” que já atinge cerca de 20 países no mundo, ou seja, 40% da população do planeta. Os estudos completam que a água doce do planeta está em risco visto as mudanças climáticas registradas nas últimas décadas.
  • 38. Exemplos de textos da tipologia dissertativa Artigos Monografias Resenhas Ensaios Editoriais
  • 40. Texto expositivo O texto expositivo é um tipo de texto que visa a apresentação de um conceito ou de uma ideia. Muito comum esse tipo de texto ser abordado no contexto escolar e acadêmico, uma vez que inclui formas de apresentação, tais como: seminários, artigos acadêmicos, congressos, conferências, palestras, colóquios, entrevistas, dentre outros.
  • 41. Características dos textos expositivos No texto expositivo, o objetivo central do locutor (emissor) é explanar sobre determinado assunto. Conceituação: exposição dos conceitos relacionados a um determinado tema. Definição: explicação e definição sobre os temas relacionados com o assunto abordado. Descrição: análise mais pormenorizada de aspectos referentes ao tema. Comparação: relação entre dois ou mais conceitos distintos e que podem se complementar. Informação: reunião de conhecimentos e dados relacionados com o tema. Enumeração: ordenação dos itens essenciais relacionados com o tema abordado e especificação de cada um deles.
  • 42. Texto expositivo Texto expositivo-argumentativo: Além de apresentar o tema, o emissor foca nos argumentos necessários para a explanação de suas ideias. Recorre aos diversos autores e teorias para comparar, conceituar e defender sua opinião. Texto expositivo-informativo: O objetivo central do emissor é simplesmente transmitir as informações sobre determinado tema, com o máximo de neutralidade. EX.: apresentação sobre os índices de violência no país, de modo que o conjunto de informações, gráficos e dados sobre o tema, apresentam informações sobre o problema, sem defesa de opinião.
  • 43. Exemplos de textos da tipologia expositiva Palestras Entrevistas Seminários Verbetes de dicionários Verbetes enciclopédicos
  • 44. Exemplos de textos expositivos Verbete de dicionário Significado de Nostalgia (s.f). Tristeza causada pela saudade de sua terra ou de sua pátria; melancolia. Saudade do passado, de um lugar etc. Disfunções comportamentais causadas pela separação ou isolamento (físico) do país natal, pela ausência da família e pela vontade exacerbada de regressar à pátria.
  • 46. Texto injuntivo O texto injuntivo ou instrucional está pautado na explicação e no método para a concretização de uma ação. Ele indica o procedimento para realizar algo, por exemplo, uma receita de bolo, bula de remédio, manual de instruções, editais e propagandas. Sua função é transmitir para o leitor mais do que simples informações, visa sobretudo, instruir, explicar, todavia, sem a finalidade de convencê-lo por meio de argumentos.
  • 47. Texto Injuntivo e Prescritivo Os linguistas que preferem dividi-los em dois tipos de textos informam que o texto injuntivo, instrui sem uma atitude coercitiva, recurso marcante nos textos ditos prescritivos. Um texto injuntivo pode ser um manual de instruções ou uma receita. Textos prescritivos asseguram um tipo de atitude coercitiva, por exemplo, os editais dos concursos, contratos e leis.
  • 48. Recursos Linguísticos A linguagem dos textos injuntivos é simples e objetiva. Um dos recursos linguísticos marcantes e recorrentes desse tipo de texto é a utilização dos verbos no imperativo, os quais indicam uma "ordem", por exemplo: Na receita de bolo: “misture todos os ingredientes”; Na bula de remédio: “tome duas cápsulas por dia”; No manual de instruções: “aperte a tecla amarela”; Nas propagandas: “vista essa camisa”.
  • 49. Exemplos de textos da tipologia injuntiva Propagandas Manuais de instruções Bulas de remédios Receitas culinárias Regulamentos
  • 50. Ex.: Bula de Remédio Apresentação de Norfloxacino (Laboratório: Medley, Referência: Floxacin) Comprimidos revestidos de 400 mg. Embalagens com 6 e 14 comprimidos revestidos. USO ADULTO - USO ORAL COMPOSIÇÃO Cada comprimido revestido contém: Norfloxacino ................................................................................ 400 mg excipientes q.s.p. ................................................................. 1 comprimido.
  • 52. Identifique o tipo textual de cada exemplo: "O Brasil é o maior país da América do Sul, com uma população diversificada e rica cultura." "Parabéns pelo seu aniversário! Que esta data seja repleta de alegria e felicidade!" "Instruções para preparar o bolo de chocolate: misture os ingredientes, preaqueça o forno e asse por 30 minutos." "Um grupo de cientistas publicou recentemente um estudo sobre o aquecimento global." "Era uma vez uma princesa encantada em um castelo distante...“ - Gabarito Exercício 1: Descritivo Injuntivo Instrucional Informativo Narrativo
  • 53. Questão 1: Qual é o objetivo principal de um texto descritivo? a) Convencer o leitor sobre um ponto de vista. b) Contar uma história ou narrativa. c) Informar e explicar sobre um tema. d) Descrever características de objetos, lugares, pessoas, etc. Questão 2: O tipo textual argumentativo é utilizado principalmente para: a) Relatar acontecimentos recentes e notícias. b) Descrever as características de um objeto ou lugar. c) Instruir e dar orientações passo a passo. d) Convencer o leitor a adotar uma opinião específica ou tomar uma ação.
  • 54. Questão 3: Qual é o propósito do texto instrucional? a) Fornecer informações e fatos sobre um tema. b) Contar uma história ou relato fictício. c) Descrever características de algo ou alguém. d) Apresentar instruções e orientações para realizar uma tarefa. Questão 4: O tipo textual informativo é comumente encontrado em: a) Contos e romances. b) Notícias e artigos jornalísticos. c) Anúncios publicitários. d) Poemas e poemas líricos. Questão 5: Em qual tipo textual é comum encontrar a utilização da primeira pessoa do singular (eu) ou plural (nós)? a) Descritivo b) Narrativo c) Instrucional d) Argumentativo
  • 55. Questão 6: Qual dos tipos textuais abaixo geralmente utiliza recursos linguísticos como conectivos, advérbios de causa e consequência, e argumentos convincentes? a) Descritivo b) Informativo c) Narrativo d) Argumentativo Gabarito: d) Descrever características de objetos, lugares, pessoas, etc. d) Convencer o leitor a adotar uma opinião específica ou tomar uma ação. d) Apresentar instruções e orientações para realizar uma tarefa. b) Notícias e artigos jornalísticos. b) Narrativo d) Argumentativo
  • 56. Sobre os tipos textuais, é correto afirmar, exceto: a) Os tipos textuais são caracterizados por propriedades linguísticas, como vocabulário, relações lógicas, tempos verbais, construções frasais, etc. b) Os tipos textuais são: narração, argumentação, descrição, injunção e exposição. c) Geralmente variam entre cinco e nove tipos. d) Possuem um conjunto ilimitado de características, que são determinadas de acordo com o estilo do autor, conteúdo, composição e função. e) Os tipos de textos apresentam características intrínsecas e invariáveis, ou seja, não sofrem a influência do contexto de nossas atividades comunicativas. De maneira predeterminada, apresentam vocabulário, relações lógicas, tempos verbais e construções frasais que acolhem os diversos gêneros.
  • 57. FIM O homem que não lê não pensa. (Ferdinand de Saussure)
  • 58. Referência: C. Impacto: língua, literatura e produção de textos: livro do professor/C. Impacto digita S/A .- ED.- Belém, PA DIGITAL S/A , 2023. Pestana, Fernando- A gramática para concursos públicos / Fernando Pestana. – 1. ed. – Rio de Janeiro: Elsevier, 2013. Milenon de Jesus @prof.jesus01

Notas do Editor

  1. Photo by J. Kelly Britoon Unsplash