SlideShare uma empresa Scribd logo
REVOLUÇÃO
INDUSTRIAL



        Trabalho feito por Marcus Vinícius
                            e Joao Pedro
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
Até os dias de hoje, o desemprego é um dos grandes
problemas nos países em desenvolvimento. Gerar
empregos tem se tornado um dos maiores desafios de
governos no mundo todo. Os empregos repetitivos e
pouco qualificados foram substituídos por máquinas e
robôs. As empresas procuram profissionais bem
qualificados para ocuparem empregos que exigem cada
vez mais criatividade e múltiplas capacidades. Uma das
práticas mais comuns no início da Revolução Industrial
era recrutar mão-de-obra infantil nos orfanatos. As
crianças órfãs eram levadas para as fábricas, onde
passavam a viver, e eram exploradas em jornadas de
trabalho de até 15 horas diárias.
Etapas da Revolução
 A Primeira etapa da Revolução Industrial
  Entre 1760 a 1860, a Revolução Industrial ficou
  limitada, primeiramente, à Inglaterra. Houve o aparecimento de
  indústrias de tecidos de algodão, com o uso do tear mecânico.
  Nessa época o aprimoramento das máquinas a vapor contribuiu
  para a continuação da Revolução.
  A Segunda Etapa da Revolução Industrial
  A segunda etapa ocorreu no período de 1860 a 1900, ao contrário
  da primeira fase, países como Alemanha, França, Rússia e Itália
  também se industrializaram. O emprego do aço, a utilização da
  energia elétrica e dos combustíveis derivados do petróleo, a
  invenção do motor a explosão, da locomotiva a vapor e o
  desenvolvimento de produtos químicos foram as principais
  inovações desse período.

 A Terceira Etapa da Revolução Industrial
  Alguns historiadores têm considerado os avanços tecnológicos do
  século XX e XXI como a terceira etapa da Revolução Industrial. O
  computador, o fax, a engenharia genética, o celular seriam algumas
  das inovações dessa época.
Pioneirismo Inglês


 Foi a Inglaterra o país que saiu na frente no processo de
  Revolução Industrial do século XVIII. Este fato pode ser
  explicado por diversos fatores. A Inglaterra possuía
  grandes reservas de carvão mineral em seu subsolo, ou
  seja, a principal fonte de energia para movimentar as
  máquinas e as locomotivas à vapor. Além da fonte de
  energia, os ingleses possuíam grandes reservas de
  minério de ferro, a principal matéria-prima utilizada neste
  período
Países Ingleses (Inglaterra)





 A mão-de-obra disponível em abundância (desde a Lei dos
    Cercamento de Terras ), favoreceu a Inglaterra, pois havia
    uma massa de trabalhadores procurando emprego nas
    cidades inglesas do século XVIII. A burguesia inglesa tinha
    capital suficiente para financiar as fábricas, comprar matéria-
    prima e máquinas e contratar empregados. O mercado
    consumidor inglês também pode ser destacado como
    importante fator que contribuiu para o pioneirismo inglês.
Avanços Tecnológicos
 O século XVIII foi marcado pelo grande
salto tecnológico nos transportes e máquinas. As
máquinas a vapor, principalmente os gigantes
teares, revolucionou o modo de produzir. Se por
um lado a máquina substituiu o homem, gerando
milhares de desempregados, por outro baixou o
preço de mercadorias e acelerou o ritmo de
produção.
 Locomotiva: importante avanço nos meios de
transporte
Na área de transportes, podemos destacar a
invenção das locomotivas a vapor (maria fumaça)
e os trens a vapor. Com estes meios de
transportes, foi possível transportar mais
mercadorias e pessoas, num tempo mais curto e
com custos mais baixos.
A Fábrica



As fábricas do início da Revolução Industrial não
apresentavam o melhor dos ambientes de trabalho. As
condições das fábricas eram precárias. Eram ambientes com
péssima iluminação, abafados e sujos. Os salários recebidos
pelos trabalhadores eram muito baixos e chegava-se a
empregar o trabalho infantil e feminino. Os empregados
chegavam a trabalhar até 18 horas por dia e estavam sujeitos
a castigos físicos dos patrões. Não havia direitos trabalhistas
como, por exemplo, férias, décimo terceiro salário, auxílio
doença, descanso semanal remunerado ou qualquer outro
benefício. Quando desempregados, ficavam sem nenhum tipo
de auxílio e passavam por situações de precariedade.
Reação dos Trabalhadores
 ° Em muitas regiões da Europa, os trabalhadores se
  organizaram para lutar por melhores condições de
  trabalho. Os empregados das fábricas formaram as
  trade unions (espécie de sindicatos) com o objetivo
  de melhorar as condições de trabalho dos
  empregados. Houve também movimentos mais
  violentos como, por exemplo, o ludismo. Também
  conhecidos como "quebradores de máquinas", os
  ludistas invadiam fábricas e destruíam seus
  equipamentos numa forma de protesto e revolta com
  relação a vida dos empregados. O cartismo foi mais
  brando na forma de atuação, pois optou pela via
  política, conquistando diversos direitos políticos para
  os trabalhadores.
Conclusão
 A Revolução tornou os métodos de produção mais
  eficientes. Os produtos passaram a ser produzidos mais
  rapidamente, barateando o preço e estimulando o
  consumo. Por outro lado, aumentou também o número
  de desempregados. As máquinas foram
  substituindo, aos poucos, a mão-de-obra humana.
  A poluição ambiental, o aumento da poluição
  sonora, o êxodo rural e o crescimento desordenado das
  cidades também foram conseqüências nocivas para a
  sociedade.
 Até os dias de hoje, o desemprego é um dos grandes
  problemas nos países em desenvolvimento. Gerar
  empregos tem se tornado um dos maiores desafios de
  governos no mundo todo. Os empregos repetitivos e
  pouco qualificados foram substituídos por máquinas e
  robôs. As empresas procuram profissionais bem
  qualificados para ocuparem empregos que exigem cada
  vez mais criatividade e múltiplas capacidades. Mesmo
  nos países desenvolvidos tem faltado empregos para a

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIALREVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
Franciny Wagner da Silva
 
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialPrimeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Valéria Shoujofan
 
Revolução industrial 1, 2 e 3
Revolução industrial 1, 2 e 3Revolução industrial 1, 2 e 3
Revolução industrial 1, 2 e 3
NAPNE
 
A segunda revolução industrial
A segunda revolução industrialA segunda revolução industrial
A segunda revolução industrial
Nelia Salles Nantes
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Murilo Benevides
 
2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.
Daniel Alves Bronstrup
 
Slides revolução industrial
Slides revolução industrialSlides revolução industrial
Slides revolução industrial
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O ILUMINISMO
Paulo Alexandre
 
Segunda Revolução Industrial - 9o ano
Segunda Revolução Industrial - 9o anoSegunda Revolução Industrial - 9o ano
Segunda Revolução Industrial - 9o ano
Lucas Degiovani
 
A Revolução Industrial
A Revolução IndustrialA Revolução Industrial
A Revolução Industrial
Alex Ferreira dos Santos
 
Revolução industrial slide
Revolução industrial slideRevolução industrial slide
Revolução industrial slide
Hary Duarte
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
Fatima Freitas
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
IiIlukinhaIiI
 
Movimentos operários
Movimentos operáriosMovimentos operários
Movimentos operários
Jornal Ovale
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Tavinho Koneski Westphal
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
Anderson Cardozo
 
3 revolução industrial
3   revolução industrial3   revolução industrial
3 revolução industrial
Marilia Pimentel
 
America pré-colombiana
America pré-colombianaAmerica pré-colombiana
America pré-colombiana
Edenilson Morais
 
Imperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIXImperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIX
Rodrigo Luiz
 
A Revolução Industrial
A Revolução IndustrialA Revolução Industrial
A Revolução Industrial
NBrunoFS
 

Mais procurados (20)

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIALREVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
 
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialPrimeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução Industrial
 
Revolução industrial 1, 2 e 3
Revolução industrial 1, 2 e 3Revolução industrial 1, 2 e 3
Revolução industrial 1, 2 e 3
 
A segunda revolução industrial
A segunda revolução industrialA segunda revolução industrial
A segunda revolução industrial
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.
 
Slides revolução industrial
Slides revolução industrialSlides revolução industrial
Slides revolução industrial
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O ILUMINISMO
 
Segunda Revolução Industrial - 9o ano
Segunda Revolução Industrial - 9o anoSegunda Revolução Industrial - 9o ano
Segunda Revolução Industrial - 9o ano
 
A Revolução Industrial
A Revolução IndustrialA Revolução Industrial
A Revolução Industrial
 
Revolução industrial slide
Revolução industrial slideRevolução industrial slide
Revolução industrial slide
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Movimentos operários
Movimentos operáriosMovimentos operários
Movimentos operários
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
 
3 revolução industrial
3   revolução industrial3   revolução industrial
3 revolução industrial
 
America pré-colombiana
America pré-colombianaAmerica pré-colombiana
America pré-colombiana
 
Imperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIXImperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIX
 
A Revolução Industrial
A Revolução IndustrialA Revolução Industrial
A Revolução Industrial
 

Destaque

A Revolução industrial
A Revolução industrialA Revolução industrial
A Revolução industrial
Carlos Pinheiro
 
Máquina a Vapor James Watt
Máquina a Vapor James WattMáquina a Vapor James Watt
Máquina a Vapor James Watt
ZoeySger
 
Evolução dos meios de transporte
Evolução dos meios de transporteEvolução dos meios de transporte
Evolução dos meios de transporte
MELORIBEIRO
 
A evolução tecnológica dos Meios de Transportes
A evolução tecnológica dos Meios de TransportesA evolução tecnológica dos Meios de Transportes
A evolução tecnológica dos Meios de Transportes
Fabrício Colombo
 
Karl Marx e suas teorias
Karl Marx e suas teoriasKarl Marx e suas teorias
Karl Marx e suas teorias
Rafaela Alves
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrial
Ana Batista
 
A evolução dos meios de transporte
A evolução dos meios de transporteA evolução dos meios de transporte
A evolução dos meios de transporte
vera martins
 
Karl marx
 Karl marx Karl marx
Karl marx
maynara marques
 

Destaque (8)

A Revolução industrial
A Revolução industrialA Revolução industrial
A Revolução industrial
 
Máquina a Vapor James Watt
Máquina a Vapor James WattMáquina a Vapor James Watt
Máquina a Vapor James Watt
 
Evolução dos meios de transporte
Evolução dos meios de transporteEvolução dos meios de transporte
Evolução dos meios de transporte
 
A evolução tecnológica dos Meios de Transportes
A evolução tecnológica dos Meios de TransportesA evolução tecnológica dos Meios de Transportes
A evolução tecnológica dos Meios de Transportes
 
Karl Marx e suas teorias
Karl Marx e suas teoriasKarl Marx e suas teorias
Karl Marx e suas teorias
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrial
 
A evolução dos meios de transporte
A evolução dos meios de transporteA evolução dos meios de transporte
A evolução dos meios de transporte
 
Karl marx
 Karl marx Karl marx
Karl marx
 

Semelhante a Revolucao industrial

A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
paulohenriquefilosofiaph
 
Revolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDA
Revolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDARevolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDA
Revolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDA
artbio
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Mari Anny Souza
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
João Paulo Radd
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Janaina Flavia Santos Azevedo
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
Jeferson Pereira
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Janaína Tavares
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
historiando
 
Trabalho revolução industrial
Trabalho revolução industrialTrabalho revolução industrial
Trabalho revolução industrial
Raphael Santos Silva
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
Nelia Salles Nantes
 
Revolução industrial Diego 19.07
Revolução industrial Diego 19.07Revolução industrial Diego 19.07
Revolução industrial Diego 19.07
PIBIDSolondeLucena
 
EJA DIA 28-03.pdf
EJA DIA 28-03.pdfEJA DIA 28-03.pdf
EJA DIA 28-03.pdf
GilmarDaSilvaCampos1
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
historiando
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
Nelia Salles Nantes
 
Revisao historia
Revisao historiaRevisao historia
Revisao historia
Sarah Guimarães Portela
 
Rindustrial
RindustrialRindustrial
Rindustrial
Pitágoras
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Zeze Silva
 
Surgimento dos Sindicatos na Revolução Industrial
Surgimento dos Sindicatos na Revolução IndustrialSurgimento dos Sindicatos na Revolução Industrial
Surgimento dos Sindicatos na Revolução Industrial
Jeferson Romão
 
A tecnologia na evolução humana
A tecnologia na evolução humanaA tecnologia na evolução humana
A tecnologia na evolução humana
tecpedrofabio
 
as rês revoluções industrias
as rês revoluções industriasas rês revoluções industrias
as rês revoluções industrias
Kassiane Cristine
 

Semelhante a Revolucao industrial (20)

A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
Revolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDA
Revolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDARevolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDA
Revolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDA
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
Trabalho revolução industrial
Trabalho revolução industrialTrabalho revolução industrial
Trabalho revolução industrial
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
Revolução industrial Diego 19.07
Revolução industrial Diego 19.07Revolução industrial Diego 19.07
Revolução industrial Diego 19.07
 
EJA DIA 28-03.pdf
EJA DIA 28-03.pdfEJA DIA 28-03.pdf
EJA DIA 28-03.pdf
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
Revisao historia
Revisao historiaRevisao historia
Revisao historia
 
Rindustrial
RindustrialRindustrial
Rindustrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Surgimento dos Sindicatos na Revolução Industrial
Surgimento dos Sindicatos na Revolução IndustrialSurgimento dos Sindicatos na Revolução Industrial
Surgimento dos Sindicatos na Revolução Industrial
 
A tecnologia na evolução humana
A tecnologia na evolução humanaA tecnologia na evolução humana
A tecnologia na evolução humana
 
as rês revoluções industrias
as rês revoluções industriasas rês revoluções industrias
as rês revoluções industrias
 

Revolucao industrial

  • 1. REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Trabalho feito por Marcus Vinícius e Joao Pedro
  • 2. REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Até os dias de hoje, o desemprego é um dos grandes problemas nos países em desenvolvimento. Gerar empregos tem se tornado um dos maiores desafios de governos no mundo todo. Os empregos repetitivos e pouco qualificados foram substituídos por máquinas e robôs. As empresas procuram profissionais bem qualificados para ocuparem empregos que exigem cada vez mais criatividade e múltiplas capacidades. Uma das práticas mais comuns no início da Revolução Industrial era recrutar mão-de-obra infantil nos orfanatos. As crianças órfãs eram levadas para as fábricas, onde passavam a viver, e eram exploradas em jornadas de trabalho de até 15 horas diárias.
  • 3. Etapas da Revolução  A Primeira etapa da Revolução Industrial Entre 1760 a 1860, a Revolução Industrial ficou limitada, primeiramente, à Inglaterra. Houve o aparecimento de indústrias de tecidos de algodão, com o uso do tear mecânico. Nessa época o aprimoramento das máquinas a vapor contribuiu para a continuação da Revolução. A Segunda Etapa da Revolução Industrial A segunda etapa ocorreu no período de 1860 a 1900, ao contrário da primeira fase, países como Alemanha, França, Rússia e Itália também se industrializaram. O emprego do aço, a utilização da energia elétrica e dos combustíveis derivados do petróleo, a invenção do motor a explosão, da locomotiva a vapor e o desenvolvimento de produtos químicos foram as principais inovações desse período.  A Terceira Etapa da Revolução Industrial Alguns historiadores têm considerado os avanços tecnológicos do século XX e XXI como a terceira etapa da Revolução Industrial. O computador, o fax, a engenharia genética, o celular seriam algumas das inovações dessa época.
  • 4. Pioneirismo Inglês  Foi a Inglaterra o país que saiu na frente no processo de Revolução Industrial do século XVIII. Este fato pode ser explicado por diversos fatores. A Inglaterra possuía grandes reservas de carvão mineral em seu subsolo, ou seja, a principal fonte de energia para movimentar as máquinas e as locomotivas à vapor. Além da fonte de energia, os ingleses possuíam grandes reservas de minério de ferro, a principal matéria-prima utilizada neste período
  • 5. Países Ingleses (Inglaterra)   A mão-de-obra disponível em abundância (desde a Lei dos Cercamento de Terras ), favoreceu a Inglaterra, pois havia uma massa de trabalhadores procurando emprego nas cidades inglesas do século XVIII. A burguesia inglesa tinha capital suficiente para financiar as fábricas, comprar matéria- prima e máquinas e contratar empregados. O mercado consumidor inglês também pode ser destacado como importante fator que contribuiu para o pioneirismo inglês.
  • 6. Avanços Tecnológicos O século XVIII foi marcado pelo grande salto tecnológico nos transportes e máquinas. As máquinas a vapor, principalmente os gigantes teares, revolucionou o modo de produzir. Se por um lado a máquina substituiu o homem, gerando milhares de desempregados, por outro baixou o preço de mercadorias e acelerou o ritmo de produção. Locomotiva: importante avanço nos meios de transporte Na área de transportes, podemos destacar a invenção das locomotivas a vapor (maria fumaça) e os trens a vapor. Com estes meios de transportes, foi possível transportar mais mercadorias e pessoas, num tempo mais curto e com custos mais baixos.
  • 7. A Fábrica As fábricas do início da Revolução Industrial não apresentavam o melhor dos ambientes de trabalho. As condições das fábricas eram precárias. Eram ambientes com péssima iluminação, abafados e sujos. Os salários recebidos pelos trabalhadores eram muito baixos e chegava-se a empregar o trabalho infantil e feminino. Os empregados chegavam a trabalhar até 18 horas por dia e estavam sujeitos a castigos físicos dos patrões. Não havia direitos trabalhistas como, por exemplo, férias, décimo terceiro salário, auxílio doença, descanso semanal remunerado ou qualquer outro benefício. Quando desempregados, ficavam sem nenhum tipo de auxílio e passavam por situações de precariedade.
  • 8. Reação dos Trabalhadores ° Em muitas regiões da Europa, os trabalhadores se organizaram para lutar por melhores condições de trabalho. Os empregados das fábricas formaram as trade unions (espécie de sindicatos) com o objetivo de melhorar as condições de trabalho dos empregados. Houve também movimentos mais violentos como, por exemplo, o ludismo. Também conhecidos como "quebradores de máquinas", os ludistas invadiam fábricas e destruíam seus equipamentos numa forma de protesto e revolta com relação a vida dos empregados. O cartismo foi mais brando na forma de atuação, pois optou pela via política, conquistando diversos direitos políticos para os trabalhadores.
  • 9. Conclusão  A Revolução tornou os métodos de produção mais eficientes. Os produtos passaram a ser produzidos mais rapidamente, barateando o preço e estimulando o consumo. Por outro lado, aumentou também o número de desempregados. As máquinas foram substituindo, aos poucos, a mão-de-obra humana. A poluição ambiental, o aumento da poluição sonora, o êxodo rural e o crescimento desordenado das cidades também foram conseqüências nocivas para a sociedade.  Até os dias de hoje, o desemprego é um dos grandes problemas nos países em desenvolvimento. Gerar empregos tem se tornado um dos maiores desafios de governos no mundo todo. Os empregos repetitivos e pouco qualificados foram substituídos por máquinas e robôs. As empresas procuram profissionais bem qualificados para ocuparem empregos que exigem cada vez mais criatividade e múltiplas capacidades. Mesmo nos países desenvolvidos tem faltado empregos para a