SlideShare uma empresa Scribd logo
Máquina a Vapor James Watt
asceu
em 19 de janeiro de 1736 em
Greenock, Escócia, e morreu
Dia 25 de agosto de 1819 em
Heathfield Hall, Inglaterra.
Watt tinha saúde frágil e, em
consequência, sua
frequência escolar foi um
tanto irregular. Por isso,
Watt absorveu a maior
parte de seus
conhecimentos na oficina
do pai, onde aprendeu
marcenaria, ferraria,
fabricação de instrumentos
e criação de protótipos.
Em 1765, Watt fez sua
primeira e mais importante
invenção, que foi
patenteada em 1769: o
condensador para a
máquina a vapor
de Thomas Newcomen.
Embora não tenha sido o
inventor da máquina a
vapor, foi Watt quem
produziu os avanços que
seriam cruciais a esta nova
tecnologia.
A máquina de Newcomen era a mais avançada da
época, mas Watt observou que a perda de grandes
quantidades de calor era um defeito grave. Watt
idealizou então o condensador, dispositivo que seria
mantido separado do cilindro, mas conectado a
ele. Para manter a temperatura do condensador
baixa, Watt tentou conseguir o máximo de vácuo.
Nos anos seguintes, consagrou-se ainda mais por uma
notável sequência de inventos que aperfeiçoaram ainda
mais a máquina a vapor, tornando-a economicamente
viável e deflagrando a revolução industrial. Em 1766,
Watt fechou sua oficina na universidade e abriu um
escritório de levantamentos topográficos e engenharia
civil.
O motor de Watt usava 75% menos
carvão que o motor original de
Newcomen. Nas máquinas de
Newcomen e de Watt a
condensação do vapor é que mais
contribui para a diferença de
pressão , sendo usadas a pressão
atmosférica ou a baixa pressão do
vapor para empurrar o pistão
respectivamente. Watt escreveu
também um artigo para a Royal
Society de Londres, em 1783,
sugerindo que a água seria uma
combinação de dois gases, ideia
que viria a ser confirmada
por Antonie Lavoisier.
A máquina é quase toda em ferro fundido cinzento, porém
parafusos, bielas, eixo, hastes de comando e afins são de
aço carbono 1020. A caldeira é toda em cobre e soldada a
prata. O coletor de fumaça e a chaminé é em latão e
também soldada a prata.
O Motor de Watt possui uma característica que o distingue dos demais,
o cilindro motor está na vertical, o êmbolo do cilindro está conectado
a um balancim através de um paralelogramo de Watt , o balancim tem
na outra extremidade uma biela que por sua vez está conectada a um
eixo manivela e esta é console com o eixo motor que suporta o volante
e a polia motriz. Neste eixo console está um excêntrico que dá o
comando, e através de uma haste, movimenta o conjunto distribuidor
do vapor e da exaustão.
O Paralelogramo de Watt é um conjunto de hastes
montada de tal forma que ao se movimentar para cima
e para baixo, o movimento mantém o paralelo fixo
sempre no prumo; dando um movimento linear ao
êmbolo do motor.
Essa máquina a vapor não cria energia, ela utiliza o
vapor para transformar a energia calorífica liberada pela
queima de combustível , em movimento de rotação e
movimento alternado de vaivém, a fim de realizar trabalho.
Ela possui uma fornalha, na qual se queima carvão, óleo,
madeira ou algum outro combustível. O calor proveniente
da queima de combustível leva a água a transformar-se em
vapor no interior da caldeira. O vapor expande-se, e ocupa
um espaço muitas vezes maior que o ocupado pela água.
Essa energia da expansão pode ser aproveitada de duas
formas:
 Deslocando um êmbolo num movimento de vaivém ;
 Acionando uma turbina.
As máquinas a vapor deste tipo possuem êmbolos que
deslizam com um movimento de vaivém no interior de
cilindros. . Estas máquinas são geralmente denominadas
máquinas de movimento alternado, por causa do
movimento de vaivém, dos seus êmbolos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hume causalidade
Hume causalidadeHume causalidade
Hume causalidade
celio correa
 
James watt
James wattJames watt
James watt
Ricardo do Prado
 
Hume
HumeHume
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informais
Isabel Moura
 
Energia Geotérmica
Energia GeotérmicaEnergia Geotérmica
Energia Geotérmica
Larissa Ferreira
 
Justiça e equidade teoria de john rawls
Justiça e equidade teoria de john rawlsJustiça e equidade teoria de john rawls
Justiça e equidade teoria de john rawls
Raquel Lopes da Costa
 
Aula 02 teoria da relatividade - parte 01
Aula 02   teoria da relatividade - parte 01Aula 02   teoria da relatividade - parte 01
Aula 02 teoria da relatividade - parte 01
cristbarb
 
O método experimental e o progresso do conhecimento
O método experimental e o progresso do conhecimentoO método experimental e o progresso do conhecimento
O método experimental e o progresso do conhecimento
Diogo.Verissimo
 
Máquinas térmicas
Máquinas térmicasMáquinas térmicas
Máquinas térmicas
Edinei Chagas
 
Método indutivo vs hipotetico dedutivo
Método indutivo vs hipotetico dedutivoMétodo indutivo vs hipotetico dedutivo
Método indutivo vs hipotetico dedutivo
j_sdias
 
Património Cultural Português - Mosteiro da Batalha - aula 1 - Artur Filipe ...
Património Cultural Português - Mosteiro da Batalha - aula 1 -  Artur Filipe ...Património Cultural Português - Mosteiro da Batalha - aula 1 -  Artur Filipe ...
Património Cultural Português - Mosteiro da Batalha - aula 1 - Artur Filipe ...
Artur Filipe dos Santos
 
A prioridade inglesa_na_revolucao_industrial
A prioridade inglesa_na_revolucao_industrialA prioridade inglesa_na_revolucao_industrial
A prioridade inglesa_na_revolucao_industrial
Helena Lobo
 
A evolução da máquina a vapor
A evolução da máquina a vaporA evolução da máquina a vapor
A evolução da máquina a vapor
Jéssica Domaszak
 
Trabalho de física Isaac Newton
Trabalho de física  Isaac NewtonTrabalho de física  Isaac Newton
Trabalho de física Isaac Newton
Moraes99
 
Historia da eletricidade
Historia da eletricidadeHistoria da eletricidade
Historia da eletricidade
Colegio CMC
 
Energia Eólica
Energia EólicaEnergia Eólica
Energia Eólica
Pedro Peixoto
 
Efeito estufa
Efeito estufaEfeito estufa
Efeito estufa
Luiz Henrique Ferreira
 
Agricultura Transmontana
Agricultura TransmontanaAgricultura Transmontana
Agricultura Transmontana
Oxana Marian
 
A Agricultura
A AgriculturaA Agricultura
A Agricultura
Diogo Mateus
 
Máquina a Vapor
Máquina a VaporMáquina a Vapor
Máquina a Vapor
Paulo Martins
 

Mais procurados (20)

Hume causalidade
Hume causalidadeHume causalidade
Hume causalidade
 
James watt
James wattJames watt
James watt
 
Hume
HumeHume
Hume
 
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informais
 
Energia Geotérmica
Energia GeotérmicaEnergia Geotérmica
Energia Geotérmica
 
Justiça e equidade teoria de john rawls
Justiça e equidade teoria de john rawlsJustiça e equidade teoria de john rawls
Justiça e equidade teoria de john rawls
 
Aula 02 teoria da relatividade - parte 01
Aula 02   teoria da relatividade - parte 01Aula 02   teoria da relatividade - parte 01
Aula 02 teoria da relatividade - parte 01
 
O método experimental e o progresso do conhecimento
O método experimental e o progresso do conhecimentoO método experimental e o progresso do conhecimento
O método experimental e o progresso do conhecimento
 
Máquinas térmicas
Máquinas térmicasMáquinas térmicas
Máquinas térmicas
 
Método indutivo vs hipotetico dedutivo
Método indutivo vs hipotetico dedutivoMétodo indutivo vs hipotetico dedutivo
Método indutivo vs hipotetico dedutivo
 
Património Cultural Português - Mosteiro da Batalha - aula 1 - Artur Filipe ...
Património Cultural Português - Mosteiro da Batalha - aula 1 -  Artur Filipe ...Património Cultural Português - Mosteiro da Batalha - aula 1 -  Artur Filipe ...
Património Cultural Português - Mosteiro da Batalha - aula 1 - Artur Filipe ...
 
A prioridade inglesa_na_revolucao_industrial
A prioridade inglesa_na_revolucao_industrialA prioridade inglesa_na_revolucao_industrial
A prioridade inglesa_na_revolucao_industrial
 
A evolução da máquina a vapor
A evolução da máquina a vaporA evolução da máquina a vapor
A evolução da máquina a vapor
 
Trabalho de física Isaac Newton
Trabalho de física  Isaac NewtonTrabalho de física  Isaac Newton
Trabalho de física Isaac Newton
 
Historia da eletricidade
Historia da eletricidadeHistoria da eletricidade
Historia da eletricidade
 
Energia Eólica
Energia EólicaEnergia Eólica
Energia Eólica
 
Efeito estufa
Efeito estufaEfeito estufa
Efeito estufa
 
Agricultura Transmontana
Agricultura TransmontanaAgricultura Transmontana
Agricultura Transmontana
 
A Agricultura
A AgriculturaA Agricultura
A Agricultura
 
Máquina a Vapor
Máquina a VaporMáquina a Vapor
Máquina a Vapor
 

Destaque

Meios de comunicação
Meios de comunicaçãoMeios de comunicação
Meios de comunicação
FernandoMarques
 
Projeto Meios de Comunicaçao prof Rosane 2012 -
Projeto Meios de Comunicaçao  prof Rosane 2012 -Projeto Meios de Comunicaçao  prof Rosane 2012 -
Projeto Meios de Comunicaçao prof Rosane 2012 -
Rosane Ribeiro
 
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. MedeirosPrimeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
João Medeiros
 
Revolucao industrial
Revolucao industrialRevolucao industrial
Revolucao industrial
marcusejoao
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIALREVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
Franciny Wagner da Silva
 
Evolução dos meios de transporte
Evolução dos meios de transporteEvolução dos meios de transporte
Evolução dos meios de transporte
MELORIBEIRO
 
Meios de comunicação
Meios de comunicaçãoMeios de comunicação
Meios de comunicação
GTCRIS
 
A evolução tecnológica dos Meios de Transportes
A evolução tecnológica dos Meios de TransportesA evolução tecnológica dos Meios de Transportes
A evolução tecnológica dos Meios de Transportes
Fabrício Colombo
 
Karl Marx e suas teorias
Karl Marx e suas teoriasKarl Marx e suas teorias
Karl Marx e suas teorias
Rafaela Alves
 
A evolução dos meios de transporte
A evolução dos meios de transporteA evolução dos meios de transporte
A evolução dos meios de transporte
vera martins
 
Meios de comunicação
Meios de comunicaçãoMeios de comunicação
Meios de comunicação
jrfcarvalho
 
Karl marx
 Karl marx Karl marx
Karl marx
maynara marques
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Edenilson Morais
 
Slides revolução industrial
Slides revolução industrialSlides revolução industrial
Slides revolução industrial
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
A Revolução industrial
A Revolução industrialA Revolução industrial
A Revolução industrial
Carlos Pinheiro
 

Destaque (15)

Meios de comunicação
Meios de comunicaçãoMeios de comunicação
Meios de comunicação
 
Projeto Meios de Comunicaçao prof Rosane 2012 -
Projeto Meios de Comunicaçao  prof Rosane 2012 -Projeto Meios de Comunicaçao  prof Rosane 2012 -
Projeto Meios de Comunicaçao prof Rosane 2012 -
 
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. MedeirosPrimeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
 
Revolucao industrial
Revolucao industrialRevolucao industrial
Revolucao industrial
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIALREVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
 
Evolução dos meios de transporte
Evolução dos meios de transporteEvolução dos meios de transporte
Evolução dos meios de transporte
 
Meios de comunicação
Meios de comunicaçãoMeios de comunicação
Meios de comunicação
 
A evolução tecnológica dos Meios de Transportes
A evolução tecnológica dos Meios de TransportesA evolução tecnológica dos Meios de Transportes
A evolução tecnológica dos Meios de Transportes
 
Karl Marx e suas teorias
Karl Marx e suas teoriasKarl Marx e suas teorias
Karl Marx e suas teorias
 
A evolução dos meios de transporte
A evolução dos meios de transporteA evolução dos meios de transporte
A evolução dos meios de transporte
 
Meios de comunicação
Meios de comunicaçãoMeios de comunicação
Meios de comunicação
 
Karl marx
 Karl marx Karl marx
Karl marx
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Slides revolução industrial
Slides revolução industrialSlides revolução industrial
Slides revolução industrial
 
A Revolução industrial
A Revolução industrialA Revolução industrial
A Revolução industrial
 

Semelhante a Máquina a Vapor James Watt

Anexo i geradores de vapor
Anexo i  geradores de vaporAnexo i  geradores de vapor
Anexo i geradores de vapor
Marcos Paulo Souza Batista
 
(20170222192155)geraçãodistribuiçãodevapor encontro3-preaula
(20170222192155)geraçãodistribuiçãodevapor encontro3-preaula(20170222192155)geraçãodistribuiçãodevapor encontro3-preaula
(20170222192155)geraçãodistribuiçãodevapor encontro3-preaula
Dominick Sena
 
Caldeiras um explicativo sobre caldeiras
Caldeiras um explicativo sobre caldeirasCaldeiras um explicativo sobre caldeiras
Caldeiras um explicativo sobre caldeiras
Adsonsouza15
 
Aula de Caldeiras
Aula de CaldeirasAula de Caldeiras
Aula de Caldeiras
Luciano Marcelo Oliveira
 
Termodinamica v-3.0-aula-03-analise-de-ciclos
Termodinamica v-3.0-aula-03-analise-de-ciclosTermodinamica v-3.0-aula-03-analise-de-ciclos
Termodinamica v-3.0-aula-03-analise-de-ciclos
AcerAspire18
 
Central termica1
Central termica1Central termica1
Central termica1
Rui Romeu Fiapiola
 
Turbinas a vapor
Turbinas a vaporTurbinas a vapor
Turbinas a vapor
Fabio Magaton
 
Termo4
Termo4Termo4
Termo04
Termo04Termo04
Termo04
Wilson Silva
 
Corrente eletrica
Corrente eletricaCorrente eletrica
Corrente eletrica
Adalberto Gonzaga
 
At101 aula-03
At101 aula-03At101 aula-03
At101 aula-03
Adler Machado
 
AULA COMPLETA TIPOS E DESCRIÇOES CALDEIRAS.pdf
AULA COMPLETA TIPOS E DESCRIÇOES CALDEIRAS.pdfAULA COMPLETA TIPOS E DESCRIÇOES CALDEIRAS.pdf
AULA COMPLETA TIPOS E DESCRIÇOES CALDEIRAS.pdf
João Vitor Santos Silva
 
Caldeiras
CaldeirasCaldeiras
Caldeiras
marcos0007
 
Motor_a_Vapor_e_Refrigeradore_FINAL.pptx
Motor_a_Vapor_e_Refrigeradore_FINAL.pptxMotor_a_Vapor_e_Refrigeradore_FINAL.pptx
Motor_a_Vapor_e_Refrigeradore_FINAL.pptx
JoseLuisPerez387436
 
Nicolas léonard sadi carnot
Nicolas léonard sadi carnotNicolas léonard sadi carnot
Nicolas léonard sadi carnot
zeca9s
 
4145026 caldeira
4145026 caldeira4145026 caldeira
4145026 caldeira
Rhana Amanda
 
Historia das maquinas termicas
Historia das maquinas termicasHistoria das maquinas termicas
Historia das maquinas termicas
Gustavo Brandão de Souza
 
Gv aula 2
Gv aula 2Gv aula 2
Uma breve história das máquinas térmicas
Uma breve história das máquinas térmicasUma breve história das máquinas térmicas
Uma breve história das máquinas térmicas
Gustavo Brandão de Souza
 
Usina hidrelétrica Allana Nicacio e Daniel Gazelle
Usina hidrelétrica Allana Nicacio e Daniel GazelleUsina hidrelétrica Allana Nicacio e Daniel Gazelle
Usina hidrelétrica Allana Nicacio e Daniel Gazelle
allananicacio
 

Semelhante a Máquina a Vapor James Watt (20)

Anexo i geradores de vapor
Anexo i  geradores de vaporAnexo i  geradores de vapor
Anexo i geradores de vapor
 
(20170222192155)geraçãodistribuiçãodevapor encontro3-preaula
(20170222192155)geraçãodistribuiçãodevapor encontro3-preaula(20170222192155)geraçãodistribuiçãodevapor encontro3-preaula
(20170222192155)geraçãodistribuiçãodevapor encontro3-preaula
 
Caldeiras um explicativo sobre caldeiras
Caldeiras um explicativo sobre caldeirasCaldeiras um explicativo sobre caldeiras
Caldeiras um explicativo sobre caldeiras
 
Aula de Caldeiras
Aula de CaldeirasAula de Caldeiras
Aula de Caldeiras
 
Termodinamica v-3.0-aula-03-analise-de-ciclos
Termodinamica v-3.0-aula-03-analise-de-ciclosTermodinamica v-3.0-aula-03-analise-de-ciclos
Termodinamica v-3.0-aula-03-analise-de-ciclos
 
Central termica1
Central termica1Central termica1
Central termica1
 
Turbinas a vapor
Turbinas a vaporTurbinas a vapor
Turbinas a vapor
 
Termo4
Termo4Termo4
Termo4
 
Termo04
Termo04Termo04
Termo04
 
Corrente eletrica
Corrente eletricaCorrente eletrica
Corrente eletrica
 
At101 aula-03
At101 aula-03At101 aula-03
At101 aula-03
 
AULA COMPLETA TIPOS E DESCRIÇOES CALDEIRAS.pdf
AULA COMPLETA TIPOS E DESCRIÇOES CALDEIRAS.pdfAULA COMPLETA TIPOS E DESCRIÇOES CALDEIRAS.pdf
AULA COMPLETA TIPOS E DESCRIÇOES CALDEIRAS.pdf
 
Caldeiras
CaldeirasCaldeiras
Caldeiras
 
Motor_a_Vapor_e_Refrigeradore_FINAL.pptx
Motor_a_Vapor_e_Refrigeradore_FINAL.pptxMotor_a_Vapor_e_Refrigeradore_FINAL.pptx
Motor_a_Vapor_e_Refrigeradore_FINAL.pptx
 
Nicolas léonard sadi carnot
Nicolas léonard sadi carnotNicolas léonard sadi carnot
Nicolas léonard sadi carnot
 
4145026 caldeira
4145026 caldeira4145026 caldeira
4145026 caldeira
 
Historia das maquinas termicas
Historia das maquinas termicasHistoria das maquinas termicas
Historia das maquinas termicas
 
Gv aula 2
Gv aula 2Gv aula 2
Gv aula 2
 
Uma breve história das máquinas térmicas
Uma breve história das máquinas térmicasUma breve história das máquinas térmicas
Uma breve história das máquinas térmicas
 
Usina hidrelétrica Allana Nicacio e Daniel Gazelle
Usina hidrelétrica Allana Nicacio e Daniel GazelleUsina hidrelétrica Allana Nicacio e Daniel Gazelle
Usina hidrelétrica Allana Nicacio e Daniel Gazelle
 

Último

Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 

Último (20)

Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 

Máquina a Vapor James Watt

  • 2. asceu em 19 de janeiro de 1736 em Greenock, Escócia, e morreu Dia 25 de agosto de 1819 em Heathfield Hall, Inglaterra.
  • 3. Watt tinha saúde frágil e, em consequência, sua frequência escolar foi um tanto irregular. Por isso, Watt absorveu a maior parte de seus conhecimentos na oficina do pai, onde aprendeu marcenaria, ferraria, fabricação de instrumentos e criação de protótipos. Em 1765, Watt fez sua primeira e mais importante invenção, que foi patenteada em 1769: o condensador para a máquina a vapor de Thomas Newcomen. Embora não tenha sido o inventor da máquina a vapor, foi Watt quem produziu os avanços que seriam cruciais a esta nova tecnologia.
  • 4. A máquina de Newcomen era a mais avançada da época, mas Watt observou que a perda de grandes quantidades de calor era um defeito grave. Watt idealizou então o condensador, dispositivo que seria mantido separado do cilindro, mas conectado a ele. Para manter a temperatura do condensador baixa, Watt tentou conseguir o máximo de vácuo.
  • 5. Nos anos seguintes, consagrou-se ainda mais por uma notável sequência de inventos que aperfeiçoaram ainda mais a máquina a vapor, tornando-a economicamente viável e deflagrando a revolução industrial. Em 1766, Watt fechou sua oficina na universidade e abriu um escritório de levantamentos topográficos e engenharia civil.
  • 6. O motor de Watt usava 75% menos carvão que o motor original de Newcomen. Nas máquinas de Newcomen e de Watt a condensação do vapor é que mais contribui para a diferença de pressão , sendo usadas a pressão atmosférica ou a baixa pressão do vapor para empurrar o pistão respectivamente. Watt escreveu também um artigo para a Royal Society de Londres, em 1783, sugerindo que a água seria uma combinação de dois gases, ideia que viria a ser confirmada por Antonie Lavoisier.
  • 7. A máquina é quase toda em ferro fundido cinzento, porém parafusos, bielas, eixo, hastes de comando e afins são de aço carbono 1020. A caldeira é toda em cobre e soldada a prata. O coletor de fumaça e a chaminé é em latão e também soldada a prata.
  • 8. O Motor de Watt possui uma característica que o distingue dos demais, o cilindro motor está na vertical, o êmbolo do cilindro está conectado a um balancim através de um paralelogramo de Watt , o balancim tem na outra extremidade uma biela que por sua vez está conectada a um eixo manivela e esta é console com o eixo motor que suporta o volante e a polia motriz. Neste eixo console está um excêntrico que dá o comando, e através de uma haste, movimenta o conjunto distribuidor do vapor e da exaustão.
  • 9. O Paralelogramo de Watt é um conjunto de hastes montada de tal forma que ao se movimentar para cima e para baixo, o movimento mantém o paralelo fixo sempre no prumo; dando um movimento linear ao êmbolo do motor.
  • 10. Essa máquina a vapor não cria energia, ela utiliza o vapor para transformar a energia calorífica liberada pela queima de combustível , em movimento de rotação e movimento alternado de vaivém, a fim de realizar trabalho. Ela possui uma fornalha, na qual se queima carvão, óleo, madeira ou algum outro combustível. O calor proveniente da queima de combustível leva a água a transformar-se em vapor no interior da caldeira. O vapor expande-se, e ocupa um espaço muitas vezes maior que o ocupado pela água. Essa energia da expansão pode ser aproveitada de duas formas:  Deslocando um êmbolo num movimento de vaivém ;  Acionando uma turbina.
  • 11. As máquinas a vapor deste tipo possuem êmbolos que deslizam com um movimento de vaivém no interior de cilindros. . Estas máquinas são geralmente denominadas máquinas de movimento alternado, por causa do movimento de vaivém, dos seus êmbolos.