SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
ESCOLA SENAI MARIO AMATO
PROCESSOS DE SEPARAÇÃO DE MISTURAS
SUBLIMAÇÃO
São Bernardo do Campo
2015
ESCOLA SENAI MARIO AMATO
Carla Julia da Conceição
Érica Kaori Shimamoto
Stéfanie Felix
PROCESSOS DE SEPARAÇÃO DE MISTURAS
SUBLIMAÇÃO
São Bernardo do Campo
2015
Sumário
1. Objetivo………………………………………………………………………………. 3
2. Introdução……………………………………………………………………………. 3
3. Abstract………………………………………………………………………………. 5
4. Referencial Teórico…………………………………………………………………. 5
4.1. Decantação…………..…………………………………………………....... 5
4.2. Separação Magnética………………………………………………...……. 7
4.2-2. Onde se aplica a separação magnética………………...……………... 7
4.3. Sublimação………………………………………………………………….. 9
5. Artigos Estrangeiros……...………………………………………………………... 11
6. Experiência……………………………………………………………………….….17
7. Conclusão…………………………………………………………………………...19
8. Bibliografia…………………………………………………………………………...21
1. Objetivo
Conhecer de uma forma mais aprofundada as técnicas de separação de misturas e
demonstrar a eficiência do processo de sublimação na purificação de sólidos.
2. Introdução
Existem vários métodos para se efetuar a separação entre substancias sólido-sólido,
líquido- líquido e sólido-líquido. Essa separação é feita de acordo com as
características e propriedade de cada elemento q está sendo separa. Uma dos tipos de
separação é a por magnetização que separa um ou mais sólidos usando as
propriedades magnéticas de um deles. Essa separação pode ser feita através de um
imã que atrai o elemento a ser separado, enquanto os outros elementos q não
possuem propriedades magnéticas continuariam em um respectivo recipiente.
Já a separação por decantação pode ser usada tanto em separação sólido-líquido e
líquido e líquido. Ela é feita de acordo com a densidade dos elementos a serem
utilizados, assim o elemento mais denso se decanta tornando possível a separação do
mesmo.
A Separação por sublimação só pode ser utilizada pra separar elementos que tem a
propriedade de passar do estado sólido para o estado gasoso. Geralmente é usada
para separar um sólido que é recolhido depois de sublimado como por exemplo o iodo
e a naftalina.
Foi escolhido falar sobre a sublimação e como ela é importante para a separação de
substancias dentro das indústrias.
3.
3. Abstract
Several methods exist to effect a separation of solid substances - solid, liquid - liquid
and solid - liquid. This separation is done according to the characteristics and property
of each element being separated .
One of the types of separation is the magnetization separating one or more solids using
the magnetic properties of one of them. This separation can be done by a magnet that
attracts the element to be separated, while the other elements do not have magnetic
properties q remain in a respective container.
Since the separation by decantation can be used in both solid and liquid -liquid
separation and liquid. It is made according to the density of elements to be used and the
denser component is decanted enabling the separation thereof.
Separation by sublimation can be used to separate elements that has the property of
passing from a solid to a gaseous state. Generally is used to separate a solid which is
collected after sublimed such as iodine and naphthalene .
Was chosen to talk about the sublimation and how it is important for the separation of
substances within industries .
4. Referencial Teórico
4.1. Decantação
A decantação é um método de separação pouco rigoroso entre uma fase sólida e uma
fase líquida ou entre duas fases líquidas. Esta separação realiza-se devido à diferença
de tamanho ou peso das partículas pelo efeito de uma corrente lenta de água ou ar.
Para separar uma fase sólida de uma fase líquida, deixa-se a mistura em repouso para
que o sólido se deposite no fundo do recipiente - sedimentação. O líquido
sobrenadante é então transferido, lenta e cuidadosamente, para outro recipiente,
evitando-se que o sólido venha arrastado.
5.
Deve realizar-se uma decantação sempre que a fase sólida tenha dimensões
apreciáveis e só depois proceder a uma filtração. Para separar duas fases líquidas, a
mistura é colocada numa ampola ou num funil de decantação, retirando-se a fase mais
densa pela parte inferior da referida ampola.
4.2. Separação Magnética
Separação magnética é um método de separação especifica das misturas com um
componente ferromagnético como o cobalto, o níquel e principalmente o ferro. Campos
magnéticos são aplicados à mistura para reter suas partículas ou para desviar sua
queda. É utilizado para separar do lixo objetos de metal que serão reciclados. Existem
2 categorias definidas como:
- diamagnético que são repelidos por um campo magnético
- paramagnético que são atraídos por um campo magnético.
Separar um sólido do outro por meio de um campo magnético é a separação
magnética. A separação tem em vista retirar pedaços de ferro maiores que 1/8 in.
Separa a mistura de um material magnético e outro não magnético, geralmente ferro e
outros materiais, como enxofre, alumínio, cobre, etc.
4.2-2. Onde a se aplica a separação magnética
A separação magnética é utilizada em uma área específica do processamento de
minérios, focando-se no refinamento dos minérios, trabalhando com a concentração ou
purificação dessas substâncias. A separação magnética também auxilia em outros
setores, como na reciclagem, separando o metal do lixo comum. Na indústria, costuma-
se usar as seguintes ferramentas para realizar esse tipo de atividade: polias motrizes
magnéticas, ímãs suspensos, grades magnéticas e tambores magnéticos para
realizar a separação dos metais.
7.
A separação magnética é um método consagrado na área de processamento de
minérios para concentração e/ou purificação de muitas substâncias minerais. Pode ser
empregada, dependendo das diferentes respostas ao campo magnético associadas às
espécies mineralógicas individualmente, no beneficiamento de minério e na remoção
de sucata.
A propriedade de um material que determina sua resposta a um campo magnético é
chamada de susceptibilidade magnética. Com base nessa propriedade os materiais ou
minerais são classificados em duas categorias: aqueles que são atraídos pelo campo
magnético e os que são repelidos por ele. No primeiro caso tem-se os minerais
ferromagnéticos, os quais são atraídos fortemente pelo campo, e os paramagnéticos,
que são atraídos fracamente. Aqueles que são repelidos pelo campo denominam-se de
diamagnéticos.
A separação magnética pode ser feita tanto a seco como a úmido. O método a seco é
usado, em geral, para granulometria grossa e o a úmido para aquelas mais finas.
Separação magnética é aplicada quando se deseja retirar um material magnético e em
que o fluxo não magnético é o produto de interesse.
4.3. Sublimação
A sublimação é um dos processos de separação que se baseia na transformação do
estado sólido para o estado de vapor sem sofrer fusão.
Geralmente, o processo de sublimação é adotado quando um dos componentes é
apolar e com alta simetria, o que representa alto ponto de fusão e pressão de vapor.
Tais características são essenciais para que o processo ocorra, pois dessa forma,
quando aquecida, a substância a ser separada desenvolve pressão de vapor (maior
9.
facilidade para evaporar) suficiente para vaporizar completamente.O gelo seco, a
naftalina e o iodo são exemplos de substâncias que sofrem essa mudança porque
sublimam naturalmente, em condições de temperatura e pressão ambientes.
Uma das vantagens de se usar a sublimação como processo de separação é que esta
técnica não utiliza nenhum tipo de solvente, o que torna o processo barato e
relativamente fácil de se preparar.
5. Artigos Estrangeiros
Fórmula Química:
C10H8
Processo de formação dos cristais de naftalina: Sublimação
Ambientes em que se dá a formação de cristais por sublimação: Sedimentar e
Magmático
Princípios:
Cristais
Um cristal é um sólido no qual os constituintes estão organizados num padrão
tridimensional bem definido (malha elementar), que se repete no espaço, formando
uma estrutura geométrica específica e própria;
Um cristal é uma forma da matéria na qual as partículas constituintes criando uma
estrutura cristalina que se manifesta por assumir a forma de um sólido de faces planas
regularmente arranjadas;
A formação de cristais depende de factores que condicionam o seu crescimento e
formação. Os principais factores externos são: agitação do meio, tempo, espaço
disponível para crescimento e a temperatura. O principal factor interno que influencia a
forma de crescimento dos cristais é a a sua estrutura cristalina que é constante e
independente dos factores externos;
Existem vários processos de formação de cristais: arrefecimento, sublimação,
11.
reacções de oxi-redução, evaporação e precipitação.
Naftalina
A naftalina é um hidrocarboneto aromático de fórmula química
C10H8
A sua malha elementar forma um hexágono. É um cristal branco e quimicamente
designada de naftaleno;
É uma substância branca, em forma de lâminas, volátil, com odor característico das
esferas anti-traça, e que arde com uma chama luminosa de cor alaranjada;
Cristaliza sob a forma de cristais de neve, de forma hexagonal. O seu ponto de fusão é
de 80ºC/353,15K e o seu ponto de ebulição de 218ºC/491,15K
Cristalização
Agrupamento ordenado de partículas elementares segundo um esquema estrutural
definido. A esse esquema dá-se o nome de rede cristalina. Obtêm-se a partir de
substâncias voláteis, fundidas e soluções aquosas, das quais podem resultar vários
processos de cristalização.
Sublimação
A sublimação é a mudança do estado gasoso para o estado sólido, sem passar pelo
estado líquido e vice-versa.
Conceitos:
Formação de cristais/Cristalização; Naftalina; Sublimação; Cristais; Tempo;
Temperatura; Agitação do meio; Rede cristalina;
Procedimentos:
Colocamos 2 bolas de naftalina num gobelé;
Colocamos o gobelé numa placa de aquecimento;
Cobrimos o gobelé com um cone preto; Esperamos algum tempo e observamos os
resultados ao microscópio óptico;
Fotografamos os resultados.
Descrição de Resultados: Passados alguns minutos da colocação da naftalina sobre a
13.
placa de aquecimento ela começou a ferver e a entrar em ebulição. Colocamos o cone
preto com fios da mesma cor por cima e, passados alguns minutos e depois de ter
entrado em ebulição, a naftalina sublimou nos fios e na face interior deste sob a forma
de cristais de neve brancos melhor observado pelo contraste contra o cone preto. O
aquecimento da naftalina fez com que sublimasse mais rapidamente.
Discussão de Resultados
A naftalina é uma substancia cujo processo de cristalização é a sublimação. Ao
aquecê-la na placa térmica, a naftalina atinge o seu ponto de ebulição e passa para o
seu estado gasoso. À medida que "sobe" e entra em contacto com o cone, ela sublima
nos fios interiores e na face interior deste. O processo de cristalização por sublimação
ocorre normalmente em ambientes magmáticos devido às temperaturas e pressões,
que nas zonas de câmaras magmáticas se fazem sentir. Ocorre também em zonas
sedimentares onde as temperaturas baixas fazem com que certas substâncias no
estado gasoso sublimem e formem cristais. Na analogia, a placa de aquecimento é
utilizada como fonte de calor, que na realidade se assemelha a uma câmara
magmática que é também uma fonte de calor, a naftalina ao não ser um composto que
cristalize de forma natural representa compostos que o façam por sublimação de forma
natural.
Conclusão
O processo de formação de cristais por sublimação dá-se pelo aquecimento de
substâncias sólidas para que passem ao estado gasoso e que após um arrefecimento
voltem ao sólido sob a forma de cristais.
15.
Curiosidades:
A naftalina encontra-se no petróleo em pequenas quantidades;
Obtém-se por destilação do alcatrão do carvão betuminoso, no qual ela está presente
numa proporção de aproximadamente 7%; Na indústria petroquímica, também se
obtém naftalina a partir de hidrocarbonetos alifáticos:
A naftalina, que ainda hoje é usada como agente anti-traça, é um composto muito
importante para o fabrico de muitos produtos químicos.
6. Experiência
Separação do iodo+areia a partir do processo de sublimação:
Materiais e Reagentes:
- béquer
- vidro de relógio
- bico de bunsen
- tela de amianto
- suporte
- iodo+areia
- gelo
Procedimento:
Essa separação consiste em sublimar as partículas de iodo através do aquecimento da
substância para assim transformá-lo em cristais, separando os dois componentes.
Inicialmente, é ajustado o bico de bunsen na parte inferior do tripé, e em seguida é
colocado a tela de amianto sobre este. A solução de iodo+areia é colocada em um
béquer, que depois é transferido para a tela de amianto. Liga-se o bico de bunsen.
Durante o aquecimento da solução, o béquer é tampado com o vidro de relógio e
sobre ele é colocado pedras de gelo. Com o passar do tempo, o iodo é sublimado e o
vapor formado que entra em contato com o gelo, passa a se tornar um sólido, que
permanece no vidro de relógio.
17.
7. Conclusão
A partir dos dados analisados na literatura, que diz que há uma eficiência no processo
de sublimação, e que é umbom processo de purificação de sólidos, porém não é com
qualquer substância que pode ser aplicado esse método, visto que as substâncias
“sublimáveis possuem características pouco polares e são geralmente razoavelmente
simétricas”. Nesta situação, as forças intermoleculares que atuam no estado sólido são
mais fracas. São poucas as substâncias que podem ser sublimadas.
A sublimação é um processo simples e pode ser aplicado na purificação de
substâncias, especialmente levando em consideração que muitos sólidos que fundem à
pressão atmosférica podem ser sublimados à pressão reduzida. Em teoria, todos os
sólidos poderiam ser purificados por este processo bastando encontrar as condições de
pressão e de temperatura adequadas.
19.
8. Bibliografia
LOPES, Marcelo. Técnico e Mineração. Separação magnética no beneficiamento
mineral.Disponível em:<http://tecnicoemineracao.com.br/separacao-magnetica-
beneficiamento-mineral/> Acesso em: 9 mar. 2015 às 16:14:07.
SAMPAIO, João Alves. LUZ, Adão Benvindo. CETEM. Separação magnética e
eletrostática. Disponível em: <http://www.cetem.gov.br/publicacao/CTs/CT2004-186-
00.pdf> Acesso em: 9 mar. 2015 às 16:47:36.
NAKAZU, Maria Vilela Pinto. Sublimação, pulsão de morte, superego: o papel das
teses freudianas sobre a cultura na elaboração das concepções
metapsicológicas. Disponível em:
<http://www.dfmc.ufscar.br/uploads/publications/4f04994f76176.pdf> Acesso em: 12
mar. 2015 às 17:23:09.
Porto: Porto Editora, 2003-2015. Decantação. Disponível
em:< http://www.infopedia.pt/$decantacao> Acesso em: 12 mar. 2015 às 17:27:34.
Klick Educação. Decantação. Disponível em:
<http://www.klickeducacao.com.br/conteudo/pagina/0,6313,POR-1038-17710-,00.html>
Acesso em: 12. Mar. 2015 às 17:38:09
21.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teorema de pitágoras apresentação de slide
Teorema de pitágoras   apresentação de slideTeorema de pitágoras   apresentação de slide
Teorema de pitágoras apresentação de slide
Raquel1966
 
Ciências 9º Ano (Física): estudo dos movimentos: Conceitos Básicos de Cinemática
Ciências 9º Ano (Física): estudo dos movimentos: Conceitos Básicos de CinemáticaCiências 9º Ano (Física): estudo dos movimentos: Conceitos Básicos de Cinemática
Ciências 9º Ano (Física): estudo dos movimentos: Conceitos Básicos de Cinemática
Ronaldo Santana
 
Polinómios, monómios e factorização
Polinómios, monómios e factorizaçãoPolinómios, monómios e factorização
Polinómios, monómios e factorização
Mateus Laranjeira
 
1.Sistemas de Classificação
1.Sistemas de Classificação1.Sistemas de Classificação
1.Sistemas de Classificação
guestbd7d9
 
Quimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEsQuimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEs
Thiago
 

Mais procurados (20)

Teorema de pitágoras apresentação de slide
Teorema de pitágoras   apresentação de slideTeorema de pitágoras   apresentação de slide
Teorema de pitágoras apresentação de slide
 
Grupo sanguíneo abo
Grupo sanguíneo aboGrupo sanguíneo abo
Grupo sanguíneo abo
 
Meiose em Células de Anteras
Meiose em Células de AnterasMeiose em Células de Anteras
Meiose em Células de Anteras
 
Apresentação geometria analítica
Apresentação geometria analíticaApresentação geometria analítica
Apresentação geometria analítica
 
Slides- Progressão Geométrica
Slides- Progressão GeométricaSlides- Progressão Geométrica
Slides- Progressão Geométrica
 
Preparação e Diluição de Soluções
Preparação e Diluição de SoluçõesPreparação e Diluição de Soluções
Preparação e Diluição de Soluções
 
Ciências 9º Ano (Física): estudo dos movimentos: Conceitos Básicos de Cinemática
Ciências 9º Ano (Física): estudo dos movimentos: Conceitos Básicos de CinemáticaCiências 9º Ano (Física): estudo dos movimentos: Conceitos Básicos de Cinemática
Ciências 9º Ano (Física): estudo dos movimentos: Conceitos Básicos de Cinemática
 
11 geometria iii
11 geometria iii11 geometria iii
11 geometria iii
 
Cadeias carbonicas
Cadeias carbonicasCadeias carbonicas
Cadeias carbonicas
 
Equações do 2° grau
Equações do 2° grauEquações do 2° grau
Equações do 2° grau
 
Fósseis....
Fósseis....Fósseis....
Fósseis....
 
função quadrática
função quadráticafunção quadrática
função quadrática
 
Mistura de soluções
Mistura de soluçõesMistura de soluções
Mistura de soluções
 
Biomoléculas
BiomoléculasBiomoléculas
Biomoléculas
 
Ficha Formativa - Rochas
Ficha Formativa - RochasFicha Formativa - Rochas
Ficha Formativa - Rochas
 
Polinómios, monómios e factorização
Polinómios, monómios e factorizaçãoPolinómios, monómios e factorização
Polinómios, monómios e factorização
 
1.Sistemas de Classificação
1.Sistemas de Classificação1.Sistemas de Classificação
1.Sistemas de Classificação
 
Quimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEsQuimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEs
 
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º AnoResumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
 
Solubilidade
SolubilidadeSolubilidade
Solubilidade
 

Semelhante a Separação de misturas sublimação

Técnicas de Separação de Componentes de Misturas
Técnicas de Separação de Componentes de MisturasTécnicas de Separação de Componentes de Misturas
Técnicas de Separação de Componentes de Misturas
crisnetocosta
 
Separação misturas
Separação misturasSeparação misturas
Separação misturas
crisnetocosta
 
Ft métodos de separação
Ft   métodos de separaçãoFt   métodos de separação
Ft métodos de separação
ct-esma
 
CFQ: Processos Físicos de Separação de Misturas
CFQ: Processos Físicos de Separação de MisturasCFQ: Processos Físicos de Separação de Misturas
CFQ: Processos Físicos de Separação de Misturas
7F
 
Métodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturasMétodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturas
Karol Maia
 
Métodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturasMétodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturas
Karol Maia
 
Roteiro de laboratório 2
Roteiro de laboratório 2Roteiro de laboratório 2
Roteiro de laboratório 2
Itamar Juliana
 

Semelhante a Separação de misturas sublimação (20)

Processo de separação de misturas.
Processo de separação de misturas.Processo de separação de misturas.
Processo de separação de misturas.
 
Técnicas de Separação de Componentes de Misturas
Técnicas de Separação de Componentes de MisturasTécnicas de Separação de Componentes de Misturas
Técnicas de Separação de Componentes de Misturas
 
Separação misturas
Separação misturasSeparação misturas
Separação misturas
 
Aula gravimetria
Aula gravimetriaAula gravimetria
Aula gravimetria
 
Operações unitárias
Operações unitárias Operações unitárias
Operações unitárias
 
SEPARAÇÃO MAGNÉTICA
SEPARAÇÃO MAGNÉTICASEPARAÇÃO MAGNÉTICA
SEPARAÇÃO MAGNÉTICA
 
Aula 4 processos de separação de misturas, eta e petróleo
Aula 4   processos de separação de misturas, eta e petróleoAula 4   processos de separação de misturas, eta e petróleo
Aula 4 processos de separação de misturas, eta e petróleo
 
Separação magnetica2
Separação magnetica2Separação magnetica2
Separação magnetica2
 
Ft métodos de separação
Ft   métodos de separaçãoFt   métodos de separação
Ft métodos de separação
 
Relatório+ii+incompleto
Relatório+ii+incompletoRelatório+ii+incompleto
Relatório+ii+incompleto
 
CFQ: Processos Físicos de Separação de Misturas
CFQ: Processos Físicos de Separação de MisturasCFQ: Processos Físicos de Separação de Misturas
CFQ: Processos Físicos de Separação de Misturas
 
Métodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturasMétodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturas
 
Sedimentacao
SedimentacaoSedimentacao
Sedimentacao
 
Métodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturasMétodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturas
 
OPERAÇÕES UNITARIAS
OPERAÇÕES UNITARIASOPERAÇÕES UNITARIAS
OPERAÇÕES UNITARIAS
 
Métodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturasMétodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturas
 
Separação de misturas blog
Separação de misturas blogSeparação de misturas blog
Separação de misturas blog
 
Roteiro de laboratório 2
Roteiro de laboratório 2Roteiro de laboratório 2
Roteiro de laboratório 2
 
Trabalho sinterização 2015
Trabalho  sinterização   2015Trabalho  sinterização   2015
Trabalho sinterização 2015
 
Relatorio
RelatorioRelatorio
Relatorio
 

Mais de Cristyan Ribeiro (20)

Separação magnetica 1
Separação magnetica 1Separação magnetica 1
Separação magnetica 1
 
Separação magnetica1
Separação magnetica1Separação magnetica1
Separação magnetica1
 
Senai2
Senai2Senai2
Senai2
 
Senai2
Senai2Senai2
Senai2
 
Senai mario amato
Senai mario amatoSenai mario amato
Senai mario amato
 
Reposição de conteúdo bruno luz 2 qa
Reposição de conteúdo bruno luz 2 qaReposição de conteúdo bruno luz 2 qa
Reposição de conteúdo bruno luz 2 qa
 
DESTILAÇÃO ALCOOL
DESTILAÇÃO ALCOOLDESTILAÇÃO ALCOOL
DESTILAÇÃO ALCOOL
 
OPU
OPUOPU
OPU
 
Petrquimica
PetrquimicaPetrquimica
Petrquimica
 
Peneiramento
PeneiramentoPeneiramento
Peneiramento
 
Opu tipos-de-separação
Opu tipos-de-separaçãoOpu tipos-de-separação
Opu tipos-de-separação
 
Opu tipos-de-separação
Opu tipos-de-separaçãoOpu tipos-de-separação
Opu tipos-de-separação
 
Opu
OpuOpu
Opu
 
Opu transformações mecânicas dos plásticos
Opu   transformações mecânicas dos plásticosOpu   transformações mecânicas dos plásticos
Opu transformações mecânicas dos plásticos
 
Framaceutica (2)
Framaceutica (2)Framaceutica (2)
Framaceutica (2)
 
Filtração 2 qa-
Filtração 2 qa-Filtração 2 qa-
Filtração 2 qa-
 
Filtração
FiltraçãoFiltração
Filtração
 
Cosméticos 2 qa
Cosméticos 2 qaCosméticos 2 qa
Cosméticos 2 qa
 
Cosméticos 2 qa
Cosméticos 2 qaCosméticos 2 qa
Cosméticos 2 qa
 
Cerâmica!!
Cerâmica!!Cerâmica!!
Cerâmica!!
 

Último

472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
GisellySobral
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 

Último (20)

Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 

Separação de misturas sublimação

  • 1. ESCOLA SENAI MARIO AMATO PROCESSOS DE SEPARAÇÃO DE MISTURAS SUBLIMAÇÃO São Bernardo do Campo 2015 ESCOLA SENAI MARIO AMATO Carla Julia da Conceição
  • 2. Érica Kaori Shimamoto Stéfanie Felix PROCESSOS DE SEPARAÇÃO DE MISTURAS SUBLIMAÇÃO São Bernardo do Campo 2015 Sumário 1. Objetivo………………………………………………………………………………. 3 2. Introdução……………………………………………………………………………. 3 3. Abstract………………………………………………………………………………. 5 4. Referencial Teórico…………………………………………………………………. 5 4.1. Decantação…………..…………………………………………………....... 5 4.2. Separação Magnética………………………………………………...……. 7 4.2-2. Onde se aplica a separação magnética………………...……………... 7 4.3. Sublimação………………………………………………………………….. 9
  • 3. 5. Artigos Estrangeiros……...………………………………………………………... 11 6. Experiência……………………………………………………………………….….17 7. Conclusão…………………………………………………………………………...19 8. Bibliografia…………………………………………………………………………...21 1. Objetivo Conhecer de uma forma mais aprofundada as técnicas de separação de misturas e demonstrar a eficiência do processo de sublimação na purificação de sólidos. 2. Introdução Existem vários métodos para se efetuar a separação entre substancias sólido-sólido, líquido- líquido e sólido-líquido. Essa separação é feita de acordo com as características e propriedade de cada elemento q está sendo separa. Uma dos tipos de separação é a por magnetização que separa um ou mais sólidos usando as propriedades magnéticas de um deles. Essa separação pode ser feita através de um imã que atrai o elemento a ser separado, enquanto os outros elementos q não possuem propriedades magnéticas continuariam em um respectivo recipiente.
  • 4. Já a separação por decantação pode ser usada tanto em separação sólido-líquido e líquido e líquido. Ela é feita de acordo com a densidade dos elementos a serem utilizados, assim o elemento mais denso se decanta tornando possível a separação do mesmo. A Separação por sublimação só pode ser utilizada pra separar elementos que tem a propriedade de passar do estado sólido para o estado gasoso. Geralmente é usada para separar um sólido que é recolhido depois de sublimado como por exemplo o iodo e a naftalina. Foi escolhido falar sobre a sublimação e como ela é importante para a separação de substancias dentro das indústrias. 3. 3. Abstract Several methods exist to effect a separation of solid substances - solid, liquid - liquid and solid - liquid. This separation is done according to the characteristics and property of each element being separated . One of the types of separation is the magnetization separating one or more solids using the magnetic properties of one of them. This separation can be done by a magnet that attracts the element to be separated, while the other elements do not have magnetic properties q remain in a respective container. Since the separation by decantation can be used in both solid and liquid -liquid separation and liquid. It is made according to the density of elements to be used and the denser component is decanted enabling the separation thereof. Separation by sublimation can be used to separate elements that has the property of passing from a solid to a gaseous state. Generally is used to separate a solid which is collected after sublimed such as iodine and naphthalene . Was chosen to talk about the sublimation and how it is important for the separation of substances within industries .
  • 5. 4. Referencial Teórico 4.1. Decantação A decantação é um método de separação pouco rigoroso entre uma fase sólida e uma fase líquida ou entre duas fases líquidas. Esta separação realiza-se devido à diferença de tamanho ou peso das partículas pelo efeito de uma corrente lenta de água ou ar. Para separar uma fase sólida de uma fase líquida, deixa-se a mistura em repouso para que o sólido se deposite no fundo do recipiente - sedimentação. O líquido sobrenadante é então transferido, lenta e cuidadosamente, para outro recipiente, evitando-se que o sólido venha arrastado. 5. Deve realizar-se uma decantação sempre que a fase sólida tenha dimensões apreciáveis e só depois proceder a uma filtração. Para separar duas fases líquidas, a mistura é colocada numa ampola ou num funil de decantação, retirando-se a fase mais densa pela parte inferior da referida ampola. 4.2. Separação Magnética Separação magnética é um método de separação especifica das misturas com um componente ferromagnético como o cobalto, o níquel e principalmente o ferro. Campos magnéticos são aplicados à mistura para reter suas partículas ou para desviar sua queda. É utilizado para separar do lixo objetos de metal que serão reciclados. Existem 2 categorias definidas como: - diamagnético que são repelidos por um campo magnético - paramagnético que são atraídos por um campo magnético. Separar um sólido do outro por meio de um campo magnético é a separação magnética. A separação tem em vista retirar pedaços de ferro maiores que 1/8 in. Separa a mistura de um material magnético e outro não magnético, geralmente ferro e outros materiais, como enxofre, alumínio, cobre, etc. 4.2-2. Onde a se aplica a separação magnética
  • 6. A separação magnética é utilizada em uma área específica do processamento de minérios, focando-se no refinamento dos minérios, trabalhando com a concentração ou purificação dessas substâncias. A separação magnética também auxilia em outros setores, como na reciclagem, separando o metal do lixo comum. Na indústria, costuma- se usar as seguintes ferramentas para realizar esse tipo de atividade: polias motrizes magnéticas, ímãs suspensos, grades magnéticas e tambores magnéticos para realizar a separação dos metais. 7. A separação magnética é um método consagrado na área de processamento de minérios para concentração e/ou purificação de muitas substâncias minerais. Pode ser empregada, dependendo das diferentes respostas ao campo magnético associadas às espécies mineralógicas individualmente, no beneficiamento de minério e na remoção de sucata. A propriedade de um material que determina sua resposta a um campo magnético é chamada de susceptibilidade magnética. Com base nessa propriedade os materiais ou minerais são classificados em duas categorias: aqueles que são atraídos pelo campo magnético e os que são repelidos por ele. No primeiro caso tem-se os minerais ferromagnéticos, os quais são atraídos fortemente pelo campo, e os paramagnéticos, que são atraídos fracamente. Aqueles que são repelidos pelo campo denominam-se de diamagnéticos. A separação magnética pode ser feita tanto a seco como a úmido. O método a seco é usado, em geral, para granulometria grossa e o a úmido para aquelas mais finas. Separação magnética é aplicada quando se deseja retirar um material magnético e em que o fluxo não magnético é o produto de interesse. 4.3. Sublimação A sublimação é um dos processos de separação que se baseia na transformação do estado sólido para o estado de vapor sem sofrer fusão.
  • 7. Geralmente, o processo de sublimação é adotado quando um dos componentes é apolar e com alta simetria, o que representa alto ponto de fusão e pressão de vapor. Tais características são essenciais para que o processo ocorra, pois dessa forma, quando aquecida, a substância a ser separada desenvolve pressão de vapor (maior 9. facilidade para evaporar) suficiente para vaporizar completamente.O gelo seco, a naftalina e o iodo são exemplos de substâncias que sofrem essa mudança porque sublimam naturalmente, em condições de temperatura e pressão ambientes. Uma das vantagens de se usar a sublimação como processo de separação é que esta técnica não utiliza nenhum tipo de solvente, o que torna o processo barato e relativamente fácil de se preparar. 5. Artigos Estrangeiros Fórmula Química: C10H8 Processo de formação dos cristais de naftalina: Sublimação Ambientes em que se dá a formação de cristais por sublimação: Sedimentar e Magmático Princípios: Cristais Um cristal é um sólido no qual os constituintes estão organizados num padrão tridimensional bem definido (malha elementar), que se repete no espaço, formando uma estrutura geométrica específica e própria; Um cristal é uma forma da matéria na qual as partículas constituintes criando uma estrutura cristalina que se manifesta por assumir a forma de um sólido de faces planas regularmente arranjadas; A formação de cristais depende de factores que condicionam o seu crescimento e formação. Os principais factores externos são: agitação do meio, tempo, espaço disponível para crescimento e a temperatura. O principal factor interno que influencia a
  • 8. forma de crescimento dos cristais é a a sua estrutura cristalina que é constante e independente dos factores externos; Existem vários processos de formação de cristais: arrefecimento, sublimação, 11. reacções de oxi-redução, evaporação e precipitação. Naftalina A naftalina é um hidrocarboneto aromático de fórmula química C10H8 A sua malha elementar forma um hexágono. É um cristal branco e quimicamente designada de naftaleno; É uma substância branca, em forma de lâminas, volátil, com odor característico das esferas anti-traça, e que arde com uma chama luminosa de cor alaranjada; Cristaliza sob a forma de cristais de neve, de forma hexagonal. O seu ponto de fusão é de 80ºC/353,15K e o seu ponto de ebulição de 218ºC/491,15K Cristalização Agrupamento ordenado de partículas elementares segundo um esquema estrutural definido. A esse esquema dá-se o nome de rede cristalina. Obtêm-se a partir de substâncias voláteis, fundidas e soluções aquosas, das quais podem resultar vários processos de cristalização. Sublimação A sublimação é a mudança do estado gasoso para o estado sólido, sem passar pelo estado líquido e vice-versa. Conceitos: Formação de cristais/Cristalização; Naftalina; Sublimação; Cristais; Tempo; Temperatura; Agitação do meio; Rede cristalina; Procedimentos: Colocamos 2 bolas de naftalina num gobelé; Colocamos o gobelé numa placa de aquecimento; Cobrimos o gobelé com um cone preto; Esperamos algum tempo e observamos os resultados ao microscópio óptico; Fotografamos os resultados.
  • 9. Descrição de Resultados: Passados alguns minutos da colocação da naftalina sobre a 13. placa de aquecimento ela começou a ferver e a entrar em ebulição. Colocamos o cone preto com fios da mesma cor por cima e, passados alguns minutos e depois de ter entrado em ebulição, a naftalina sublimou nos fios e na face interior deste sob a forma de cristais de neve brancos melhor observado pelo contraste contra o cone preto. O aquecimento da naftalina fez com que sublimasse mais rapidamente. Discussão de Resultados A naftalina é uma substancia cujo processo de cristalização é a sublimação. Ao aquecê-la na placa térmica, a naftalina atinge o seu ponto de ebulição e passa para o seu estado gasoso. À medida que "sobe" e entra em contacto com o cone, ela sublima nos fios interiores e na face interior deste. O processo de cristalização por sublimação ocorre normalmente em ambientes magmáticos devido às temperaturas e pressões, que nas zonas de câmaras magmáticas se fazem sentir. Ocorre também em zonas sedimentares onde as temperaturas baixas fazem com que certas substâncias no estado gasoso sublimem e formem cristais. Na analogia, a placa de aquecimento é utilizada como fonte de calor, que na realidade se assemelha a uma câmara magmática que é também uma fonte de calor, a naftalina ao não ser um composto que cristalize de forma natural representa compostos que o façam por sublimação de forma natural. Conclusão O processo de formação de cristais por sublimação dá-se pelo aquecimento de substâncias sólidas para que passem ao estado gasoso e que após um arrefecimento voltem ao sólido sob a forma de cristais. 15. Curiosidades:
  • 10. A naftalina encontra-se no petróleo em pequenas quantidades; Obtém-se por destilação do alcatrão do carvão betuminoso, no qual ela está presente numa proporção de aproximadamente 7%; Na indústria petroquímica, também se obtém naftalina a partir de hidrocarbonetos alifáticos: A naftalina, que ainda hoje é usada como agente anti-traça, é um composto muito importante para o fabrico de muitos produtos químicos. 6. Experiência Separação do iodo+areia a partir do processo de sublimação: Materiais e Reagentes: - béquer - vidro de relógio - bico de bunsen - tela de amianto - suporte - iodo+areia - gelo Procedimento: Essa separação consiste em sublimar as partículas de iodo através do aquecimento da substância para assim transformá-lo em cristais, separando os dois componentes. Inicialmente, é ajustado o bico de bunsen na parte inferior do tripé, e em seguida é colocado a tela de amianto sobre este. A solução de iodo+areia é colocada em um béquer, que depois é transferido para a tela de amianto. Liga-se o bico de bunsen. Durante o aquecimento da solução, o béquer é tampado com o vidro de relógio e sobre ele é colocado pedras de gelo. Com o passar do tempo, o iodo é sublimado e o vapor formado que entra em contato com o gelo, passa a se tornar um sólido, que permanece no vidro de relógio. 17. 7. Conclusão A partir dos dados analisados na literatura, que diz que há uma eficiência no processo de sublimação, e que é umbom processo de purificação de sólidos, porém não é com
  • 11. qualquer substância que pode ser aplicado esse método, visto que as substâncias “sublimáveis possuem características pouco polares e são geralmente razoavelmente simétricas”. Nesta situação, as forças intermoleculares que atuam no estado sólido são mais fracas. São poucas as substâncias que podem ser sublimadas. A sublimação é um processo simples e pode ser aplicado na purificação de substâncias, especialmente levando em consideração que muitos sólidos que fundem à pressão atmosférica podem ser sublimados à pressão reduzida. Em teoria, todos os sólidos poderiam ser purificados por este processo bastando encontrar as condições de pressão e de temperatura adequadas. 19. 8. Bibliografia LOPES, Marcelo. Técnico e Mineração. Separação magnética no beneficiamento mineral.Disponível em:<http://tecnicoemineracao.com.br/separacao-magnetica- beneficiamento-mineral/> Acesso em: 9 mar. 2015 às 16:14:07.
  • 12. SAMPAIO, João Alves. LUZ, Adão Benvindo. CETEM. Separação magnética e eletrostática. Disponível em: <http://www.cetem.gov.br/publicacao/CTs/CT2004-186- 00.pdf> Acesso em: 9 mar. 2015 às 16:47:36. NAKAZU, Maria Vilela Pinto. Sublimação, pulsão de morte, superego: o papel das teses freudianas sobre a cultura na elaboração das concepções metapsicológicas. Disponível em: <http://www.dfmc.ufscar.br/uploads/publications/4f04994f76176.pdf> Acesso em: 12 mar. 2015 às 17:23:09. Porto: Porto Editora, 2003-2015. Decantação. Disponível em:< http://www.infopedia.pt/$decantacao> Acesso em: 12 mar. 2015 às 17:27:34. Klick Educação. Decantação. Disponível em: <http://www.klickeducacao.com.br/conteudo/pagina/0,6313,POR-1038-17710-,00.html> Acesso em: 12. Mar. 2015 às 17:38:09 21.