SlideShare uma empresa Scribd logo
Definição e Classificação das Cerâmicas
DEFINIÇÃO
Cerâmica compreende todos os materiais
inorgânicos, não metálicos, obtidos geralmente
após tratamento térmico em temperaturas
elevadas.
Cerâmica vem da palavra grega keramus que
significa coisa queimada.
Numa definição simplificada, materiais cerâmicos são compostos de elementos
metálicos e não metálicos, com exceção do carbono. Podem ser simples ou
complexos.
Exemplos: SiO2( sílica), Al2O3 (alumina) , Mg3Si4O10(OH)2 (talco)
Definição e Classificação das Cerâmicas
CLASSIFICAÇÃO
1. Cerâmica Vermelha: tijolos, blocos,
telhas, elementos vazados, lajes,
tubos cerâmicos, argilas expandidas
e utensílios de uso doméstico e de
adorno.
2. Materiais de Revestimento: azulejos,
pastilhas, porcelanato, grês, lajota, pisos,
tozetos e etc.
3. Cerâmica Branca: Materiais constituídos por um corpo branco e em geral
recobertos por uma camada vítrea.
louça sanitária
louça de mesa
isoladores elétricos para alta e baixatensão
cerâmica artística (decorativa e utilitária).
cerâmica técnica para fins diversos, tais como: químico, elétrico, térmico e
mecânico.
Definição e Classificação das Cerâmicas
Definição e Classificação das Cerâmicas
4. Materiais Refratários: Têm como finalidade
suportar temperaturas elevadas, que em geral
envolvem esforços mecânicos, ataques
químicos, variações bruscas de temperatura e
outras solicitações.
Exemplo: sílica, sílico-aluminoso, aluminoso,
mulita, carbeto de silício, grafita, carbono,
zircônia, zirconitae outros.
Definição e Classificação das Cerâmicas
5. Isolantes Térmicos
isolantes térmicos não refratários: vermiculita expandida, sílica diatomácea,
diatomito,silicatode cálcio, lã de vidro e lã de rocha (até 1100 ºC).
fibras ou lãs cerâmicas que apresentam composições tais como sílica, sílica-
alumina,alumina e zircônia (até 2000º C ou mais.
6. Fritas e Corantes
Frita (ou vidrado fritado) é um vidro moído, fabricado por indústrias
especializadasa partir da fusão da mistura de diferentes matérias-primas..
Corantes constituem-se de óxidos puros ou pigmentos inorgânicos
sintéticos obtidos a partir da mistura de óxidos ou de seus compostos.
Definição e Classificação das Cerâmicas
8. Vidro, Cimento e Cal
São três importantes segmentos cerâmicos e
que, por suas particularidades, são muitas
vezes consideradosà parte da cerâmica.
9. Cerâmica de Alta Tecnologia/Cerâmica
Avançada
São classificados, de acordo com suas
funções, em: eletroeletrônicos, magnéticos,
ópticos, químicos, térmicos, mecânicos,
biológicose nucleares.
7. Abrasivos
Parte da indústria de abrasivos, por utilizarem matérias-primas e processos
semelhantes aos da cerâmica, constituem-se num segmento cerâmico. Entre
os produtos mais conhecidos podemos citar o óxido de alumínio eletrofundido
e o carbeto de silício.
Características gerais
 Maior dureza e rigidez quandocomparadasaos aços.
 Maior resistência ao calore à corrosão que metais e polímeros.
 São menos densas que a maioriados metaise suas ligas.
 Os materiaisusadosna produçãodas cerâmicas são abundantese mais baratos.
PROPRIEDADES TÉRMICAS
Características gerais
Uma interessante aplicação que leva em conta as propriedades térmicas das
cerâmicas é o seu uso na indústria aeroespacial.
Temperatura °C*
Temperaturasde subida
Revestimento exterior com
fibra amorfas de sílica de
alta pureza.
Espessura: 1,27 - 8,89cm
Histórico
Importância dos materiaispara o desenvolvimentoda humanidade
 Os materiais têm influenciado decisivamente o
desenvolvimento da humanidade deste o início de
sua existência.
 Há um elo muito forte entre a descoberta de
materiais e o desenvolvimento da cultura humana.
Grandes avanços tecnológicos estão sempre
associados a descoberta de novos materiais.
Evolução dos materiais:
 12.000 a.C. : necessidade de armazenar alimentos.
 emprego: locaisonde a pedra era escassa.
 matéria-prima abundantena natureza.
 essencial na história da humanidade.
 frágeis, porém duráveis.
 Assírios e caldeus: primeiros povos a produzirem
tijolos.
 Árabes: revalorizarame difundiram.
Histórico
Vaso Egípcio 5000 AC
Vaso
Mesopotâmia
5500-4500 AC
Vaso
Turquemenistão
5000 AC
Histórico
Bandeja de vidro (Séc. I A.C.)
Relevo esmaltado em parede de tijolo (600 – 500 A.C.)
Jarra esmaltada
(Grécia, 420-410 A.C.)
Argilas
 Conjunto de minerais compostos, principalmente,
de silicatos de alumínio hidratados (decomposição
de rochas feldspáticas).
 Material natural, terroso, de baixa granulometria
(com elevado teor de partículas com Ø < 2 ou 5
μm), que apresentam plasticidade quando em
contatocom água.
 Provenientes da decomposição de rochas
constituídas de argilominerais e outros minerais
acessórios.
 Com água são moldáveis, conservam a forma
moldada, endurecem com a perda de água e
solidificam-se definitivamentecom o calor.
Tipos de argila:
 Argila vermelha.
 Argila refratária.
 Bentonita: vulcânica, muito plástica,
aumenta de 10 a 15 x seu volume
quandoem contatocom água.
Argilas
Sinterizaçãode cerâmicos
 Argila para grês.
 Caulim.
 Argilas de azuladas ou negras,
de grande plasticidade.
As partículas se ligam
através depontos de
contato.
Grandenúmeros de
poros.
Formação depescoço
entre as partículas, o que
torna a peça mais densa.
Final: poros arredondados com
menor espaço entre eles.
Argilas
Propriedadesdas argilas
 Plasticidade: Propriedade de se deformar quando submetido à uma força, e
conservar a deformação quandoesta é retirada.
Estadosda plasticidade
IP = LL - LP
Fracamente plásticas: 1 < IP < 7
Medianamenteplásticas: 7 < IP < 15
Altamenteplásticas: IP > 15
Argilas
LIMITE DE LIQUIDEZ
Argilas
LIMITE DE PLASTICIDADE
Argilas
 Retração:
• Propriedade de variar de volume com a variaçãode umidade.
• Inconveniente,pois pode gerar fissuração.
 Porosidade:
• Volume de vazios/volume total.
• Influência na resistência mecânica:densidade;condutibilidadetérmica;
condutibilidadeelétrica.
 Influênciada temperatura:
• Até 600º C - secagem.
De 600º C a 950º C - reações químicas.
Mais de 950º C - vitrificação.
• Porosidadedo produto depende da quantidadede vidro formado.
 Presença de impurezas: Sílica livre, aluminalivre, álcalis, matéria orgânica,sais,
óxidos, cálcio e etc.
Processos de Fabricação
Processos de Fabricação
 Exploração da jazida: Viabilidadetécnica/econômica/ambiental.
 Tratamento da matéria-prima:Purificaçãoe desagregação/trituração.
 Regularizaçãoda matéria-prima:Umidificaçãoe homogeneização.
Moinho de bolas Filtro prensa
Atomizador
 Moldagem: Pasta plástica
ex.: tijolosde olaria,vasos artesanaise etc.
 Extrusão: Pasta consistentew% de 20 a 35%,
ex.: blocos, manilhas.
Processos de Fabricação
 Colagem: Pasta fluida (barbotina):w% de 35 a 50%.
ex.: louça sanitária.
 Prensagem:
Pasta seca w%
de 4 a 10%
ex.: telhas, pisos
e etc.
 Secagem: Retiradada umidade;
Controlada,para evitar retração diferencial (secadores, estufa e natural).
 Queima:
Mudançana estrutura, Vitrificação.
Processos de Fabricação
Forno túnel: contínuo Forno intermitente Retração após queima
Produtos Cerâmicos para Construção Civil
1. Produtos de argila:
 1.1 - Blocos cerâmicos:
a) Maciços (tijolosmoldadosou
extrudados)
b) Vazados (vedaçãoou estruturais)
 1.2 -Telhas
 1.3 -Tubos (manilhas)
 1.4 - Peças redutorasde peso
 1.5 - Elementosvazados.
2. Produtos de grês ou de louça:
 2.1 - Produtosde revestimento
• Pisos cerâmicos
• Azulejos
• Porcelanato
• Pastilhas
 2.2 - Louça sanitária
 2.3 - Materialrefratário
Blocos Cerâmicos
1.1 - Blocos cerâmicos:
São unidades para edificações que compõem a alvenaria e podem ser
constituídos de diferentes materiais, sendo mais utilizados os cerâmicos ou
de concreto.
• Maciços(tijolosmoldadosou extrudados)
• Vazados(vedaçãoou estruturais)
Qualquer que seja o material utilizadoas propriedades desejáveis são:
 Ter resistência à compressão adequada.
 Ter capacidadede aderir à argamassa tornando homogênea a parede.
 Possuir durabilidade frente aos agentes agressivos (umidade, variação de
temperatura e ataquepor agentes químicos).
 Possuir dimensões uniformes.
 Resistir ao fogo.
tijolo moldado tijolos extrudado tijolos modulares
prensados
a.1) Comuns
a.2) Especiais
a) TIJOLOS MACIÇOS CERÂMICOS:
São blocosde argila comum, moldados, extrudados ou prensados com arestas
vivase retilínease queimadosem temperaturasem torno de 1000ºC.
 Devem possuir a forma de um paralelepípedo retângulo.
 Devem possuir todas as faces planas.
 Ausência de eflorescências e queima uniforme
 Podem apresentar rebaixos de fabricação em uma das faces de maior área.
Os tijolospodem ser comuns ou especiais:
Blocos Cerâmicos
Os tijolos comuns são classificados em A, B ou C de acordo com as suas
propriedades mecânicas prescritas pela NBR 7170 “ Tijolo maciço cerâmico para
alvenaria”.
Sua resistência à compressão deve ser testada segundo encaminhamento prescrito
pela NBR 6460 “ Tijolo maciço cerâmico para alvenaria – Verificação da resistência
à compressão” e atender aos valores indicadospela tabela 2:
Blocos Cerâmicos
Nota:
• Os tijolos e blocos cerâmicos possuem coeficiente de dilatação térmica pequeno, sendo
adotado um valor médio de 6x10-6 /ºC.
• É comum os tijolos apresentarem expansão devido à incorporação de umidade do
ambiente. Em consequência é recomendado que se evite a utilização de blocos ou tijolos
cerâmicos com menos de duas ou três semanas após saírem do forno.
Tipologiatijoloscomuns:
Devem apresentar dimensões nominais, conforme NBR 8041 “ Tijolo Maciço
Cerâmico para Alvenaria – Forma e Dimensões”:
Blocos Cerâmicos
Apesar das dimensões apresentadas pela norma, são encontrados no mercado
tijolos de diversos tamanhos, pois muitos fabricantes desconhecem ou ignoram as
normas referentes ao produto.
Abaixo alguns dos diferentes tamanhos de tijolos maciços encontrados no
mercado:
Nota:
• São toleradas diferenças de até 3 mm nas dimensões especificadas.
• O rendimento depende das dimensões do tijolo. Uma alvenaria feita com peças de 5 x 10
x 20 cm consome aproximadamente 150 unidades.
Blocos Cerâmicos
b) BLOCOS CERÂMICOS VAZADOS:
São blocos vazados produzidos por extrusão e queima da argila vermelha com
arestas vivas retilíneas,sendo os furos cilíndricosou prismáticos.
Os blocos vazados são classificados num primeiro momento como blocos de:
 b.1) Vedação:
• suportam somente o peso próprio;
• furos na vertical ou na horizontal.
• podem possuir quatro, seis, oito ou nove furos.
 b.2) Estruturais (portantes)
• suportam cargas previstas em alvenaria estrutural;
• furos na vertical;
• três tipos: blocos com paredes maciças; blocos com paredes vazadas; blocos perfurados.
Blocos Cerâmicos
Vedação com furos na
vertical
Vedação com furos na
horizontal
Estrutural com
parede maciça
Estrutural com
paredes vazadas
Estrutural perfurado
Blocos Cerâmicos
Tipologia
As dimensões nominais são
recomendadas pela NBR 8042
“Bloco Cerâmico Vazado para
Alvenaria – Formas e
Dimensões” e estão dispostas
na tabela 3 da norma:
Blocos Cerâmicos
Blocos Cerâmicos
Rendimentopadrão dos Blocos Cerâmicos
Espessura de paredes para blocos cerâmicos NBR 15270 “Componentes cerâmicos –
Blocos cerâmicos para alvenaria de vedaçãoe estrutural”
Blocos Cerâmicos
Propriedades mecânicas
A resistência à compressão mínima dos blocos na área bruta deve atender aos
valores indicados na tabela 3 da NBR 7171 “Bloco Cerâmico para Alvenaria” que
classifica os blocos em tipo A, B, C, D e F:
O processo de vitrificação nas faces do bloco compromete a aderência com a argamassa de
assentamento ou revestimento. Por esta razão, as faces dos blocos são constituídas de
ranhuras e saliências.
Blocos Cerâmicos
Exemplo de formas e dimensões de blocosestruturais
Blocos Cerâmicos
Qualidadee inspeção
A NBR 7171, que trata de blocos cerâmicos para alvenaria, especifica algumas
condições gerais para esse material:
 não devem apresentar defeitos como trincas, quebras, superfícies irregulares ou
deformações que impeçam seu emprego.
 devem apresentar som metálico ao se bater nos mesmos (som vibrante e não abafado).
 absorção de água total: entre 8 e 22% (elevada absorção → recomendável umedecer o
bloco antes do assentamento.
 não pode ter “coração negro”.
 esquadro e planeza das faces.
Blocos Cerâmicos
Paredes de blocoscerâmicos
Chama-se espessura nominal a espessura aproximada que a parede terá depois de pronta,
contando a espessura do bloco somado à espessura dos revestimentos em cada face, cujo
valor adotado é de aproximadamente 2,5 cm para cada lado. Assim, uma parede cujo tijolo
tenha 9 cm de largura e tenha revestimento dos dois lados terá espessura total de
9+2,5+2,5 = 14 cm, que corresponde a uma largura nominal de 15 cm.
Abaixo alguns exemplos de diferentes espessuras nominais de parede:
Blocos Cerâmicos
BLOCOS DE CONCRETO
Quanto às dimensões classificam-se em M20 e M15, conforme tabela abaixo:
Blocos Cerâmicos
Blocos Cerâmicos
Blocos Cerâmicos
Propriedades mecânicas
Os blocosde concreto são classificadospela NBR 6136 “Blocos Vazadosde
Concreto Simples para Alvenaria Estrutural” em classe A e B:
 O bloco de classe A aplica-se à alvenarias externas sem revestimento devendo
o bloco possuir resistência característica à compressão maior do que 6 MPa,
além de sua capacidadede vedação.
 O bloco de classe B aplica-se à alvenarias internas ou externas com
revestimento devendo possuir resistência característica à compressão de no
mínimo 4,5 Mpa.
Blocos Cerâmicos
Telhas Cerâmicas
Histórico
Inicialmente as telhas eram conformadas manualmente com mão-de-obra escrava,
onde estes as moldavam nas suas pernas. Tal registro pode ser constatado através
de antigas peças que apresentam a forma da estrutura óssea humana (ANICER,
2000).
 Em 280 AC os romanos se utilizavam de barro cozido para a construção das
telhas, sendo assim, a atividade aprimorando-se até que por volta do século I
antes de Cristo, iniciou-se a evolução na qualidade proveniente da tecnologia
produtiva empregada resultando em peças de maior valor estético e monetário.
 Foram encontradas telhas na Grécia e alguns indícios desse produto na China e
no Japão que datam, aproximadamente, de 430 AC.
Características
 A matéria-prima é mais selecionada.
 Boa resistência da massa seca.
 Conforto térmico e acústico.
 Elevada resistência a flexão e baixa porosidade,
após a queima.
Telhas Cerâmicas
Fabricação
1. Desagregação, umidificação e homogeneização
da argila.
2. Extrusão da argila formando um bastão que é
cortado nas dimensões adequadas.
3. Prensagem em fôrmas.
4. Secagem e queima (
900º C a 1100º C, respectivamente).
5. Algumas podem levar impermeabilização (banho
de silicone) ou esmaltação(impermeabilidade,
brilho e cor).
Classificação
São classificadas em 04 categorias em função das características geométricas e tipo de
fixação:
 Plana de encaixe: se encaixam por meio de sulcos e saliências, apresentam furos e
pinos para fixação. Ex.: francesa.
 Composta de encaixe: capa e canal no mesmo componente, apresentam furos e pinos
para fixação. Ex.: romana.
Telhas Cerâmicas
Plana de encaixe Composta de encaixe
 Simples de sobreposição: capa e canal independentes (o canal possui furos e
pinos para fixação). Ex.: paulista.
 Planas de sobreposição: somente se sobrepõem (podem apresentar furos e
pinos para fixação). Ex.: alemã ou germânica.
Telhas Cerâmicas
Simples de sobreposição
Planas de sobreposição
Telhas Cerâmicas
Exigências para telhas:
a) Impermeabilidade: não apresentar vazamentos ou formação de gotas em sua
face inferior.
b) Retilinearidadee planacidade:para evitarproblemasde encaixe.
c) Tolerânciadimensional:± 2% em relaçãoà especificação;
d) Absorção de água:
• Clima temperado ou tropical: ˂ 20%
• Clima frio e temperado : ˂ 12%
• Clima muito frio ou úmido: ˂ 7%
e) Características:visuais(pequenos defeitos) e sonoridade (som metálico).
f) Resistência à flexão: transporte e montagem do telhado e trânsito eventual de
pessoas:
• Plana de encaixe: 1000 N;
• Composta de encaixe: 1300 N;
• Simples de sobreposição:1000 N;
• Plana de sobreposição:1000 N.
Telhas Cerâmicas
Telhas Cerâmicas
Telha Francesa
 Classificada como telha plana de encaixe. Também chamada de telha Marselha.
 Possui encaixes laterais nas extremidades e agarradeiras para fixação às ripas da
estrutura do telhado.
 Resistência mínima de 70 kgf.
 Possui bom rendimento. O número de peças utilizadas por metro quadrado de
telhadoé reduzido em relaçãoa outros tipos de telha.
Telhas Cerâmicas
Telha Colonial
 Classificada como telha simples de sobreposição.
 São compostas por duas peças: o canal, cujo papel é conduzir água e a capa que
faz a cobertura entre dois canais.
 Esse tipo de telha pode ser com encaixe, sem encaixe ou de cumeeira.
 A particularidade da telha colonial é que as duas peças que a compõem
possuem a mesma largura.
Telhas Cerâmicas
Telha Paulista
 Classificadacomo telha simples de sobreposição.
 A telha paulistaé derivadada telha colonial.
 Se caracteriza por apresentara capa com largura ligeiramenteinferior ao canal.
Telhas Cerâmicas
Telha Tipo Plan
 Classificadacomo telha simples de sobreposição.
 É uma variaçãoentre a telha coloniale a paulista,com o diferencial de possuir
arestas retas.
Telhas Cerâmicas
Telha Portuguesa
 Classificadacomo telha composta de encaixe.
 A telha portuguesa deriva das telhas coloniais.
 Possui os segmentos correspondentes à capa e canal em uma única peça.
Telhas Cerâmicas
Telha Romana
 Classificadacomo telha composta de encaixe.
 A telha romana é composta de peça única e surgiu a partir da telha plan.
 Devido a seus encaixes no sentido longitudinale transversal,possui boa
vedaçãoe estabilidadesobre o ripamento.
Telhas Cerâmicas
Telha Americana
 Classificada como telha composta de encaixe.
 Foi criada a partir da telha portuguesa.
 Tem a vantagem de ter um rendimento maior por m² de telhado quando
comparada com a telha que lhe deu origem.
Telhas Cerâmicas
Telha Germânica ou Alemã
 Classificadacomo telha planas de sobreposição.
 São muito utilizadasem países onde o invernoé rigoroso.
 Os telhadossão bastanteinclinadospara que a neve escorra.
 No Brasil são usadaspara compor coberturas de estilos coloniaisalemãs ou
suíças.
Característicastécnicas de algumas telhas cerâmicas, como a quantidadede telhas
e peso por metro quadradoe a inclinaçãomínimado telhado.
Telhas Cerâmicas
Tubos Cerâmicos
Características
 Também conhecidospor “manilhas”.
 Canalização deáguas pluviaise esgoto.
 Ponta e ponta / ponta e bolsa.
 Fabricados por extrusão.
Exigências
 Podem ser vidrados (cloreto de sódio).
 Diâmetrosnominais:75, 100, 150, 200, 250, 300,
375, 400, 450, 500 e 600 mm.
 Comprimentos: 600, 800, 1000, 1250, 1500
e 2000 mm.
Tubos Cerâmicos
São verificados quanto à:
 Dimensões.
 Permeabilidadee Absorção de
água (< 10%).
 Resistência à compressão
diametral.
 Sonoridade.
 Aspecto visual (trincas e falhas).
 Resistência química.
Peças redutoras de peso
a. Elementosretangulares utilizadosna
confecção de lajes pré-moldadas.
b. Peças redutorasde peso
c. Apoiam-se entre pequenasvigotas
de concreto armado e servem de
fôrma para a laje.
d. Exigência:resistência à flexão ≥ 700 N.
Elementos vazados
a. Elementos não estruturais, para ventilação
e iluminação.
b. Também chamado de COGOBÓ (iniciais dos
sobrenomes de três engenheiros que o
idealizaram: Amadeu Oliveira Coimbra,
Antônio de Góis e Ernest August
Boeckmann).
Revestimentos Cerâmicos
Histórico
 Início com as navegações (séc. XV): contato com civilizações de origem
muçulmana,assírios, persas, egípcios e chineses.
 Portugal: apesar de não ser grande produtor, foi o país europeu que mais
empregou revestimentos cerâmicos.
 Uso em igrejas, palácios e conventosde forma ornamental.
 Séc. XVII: azulejos chegam ao Brasil importadosde Lisboa.
 Fim do séc. XIX, abertura das primeiras fábricas brasileiras.
Revestimentos Cerâmicos
 Os produtos cerâmicos destinados ao revestimento de pisos podem ser obtidos por
processos de extrusão ou prensagem.
 Podem apresentar uma face esmaltada, que é revestida com uma camada vítrea
conferindo um aspecto brilhoso ao material e uma face porosa, também chamada de
tardoz ou face de assentamento.
 Algumas peças possuem as duas faces não-esmaltadas, sendo que uma fica exposta e
outra é destinada ao assentamento.
Revestimentos Cerâmicos
A descrição completa da classificação e dos requisitos que os revestimentos
cerâmicos devem obedecer encontra-se na NBR 13817 e na NBR 13818.
Os revestimentos cerâmicos possuem algumas características principais que
auxiliamna escolha do materialmais adequadoa cada caso:
 Método de fabricação.
 Absorção de água.
 Resistência à abrasão.
 Facilidadede limpeza.
 Resistência a agentes químicos.
Revestimentos Cerâmicos
Método de fabricação
1. Preparaçãoe Conformação (Prensagem ou Extrusão)
Revestimentos Cerâmicos
2. Secagem, esmaltaçãoe queima
 Monoqueima ou biqueima;
 Terceira queima: para acrescentar relevo com metais e/ou pigmentos.
Revestimentos Cerâmicos
a. A absorção de água é uma característica que está relacionada à porosidade e à
permeabilidadedo material.
b. Os materiais de maior qualidade são aqueles que possuem menor absorção de
água.
Absorçãode água
 Quanto menor a absorção de água maior é a resistência do revestimento
cerâmico contra quebra, fissuração da camada esmaltada, descolamento, entre
outras patologias. Essa caraterística é muito importante em locais onde exista o
risco de choques e variaçõesde temperatura e umidade.
 A execução de um revestimento com peças de elevada porosidade em um
ambiente úmido possivelmente levará ao surgimento de patologias, entre as
quais pode-se destacar o descolamentodas peças.
Revestimentos Cerâmicos
A absorção de água também está relacionada ao método de fabricação utilizado para
confeccionar o revestimento cerâmico. De acordo com o método de fabricação, os
revestimentos cerâmicos são classificados em 3 tipos:
Ao especificar o material deve-se utilizar uma codificação recomendada pela NBR 13817,
composta pela letra correspondente ao processo de fabricação (A, B ou C) acompanhada da
nomenclatura correspondente ao grupo de absorção, conforme a tabela abaixo:
 Placas cerâmicasextrusadas (A).
 Placas cerâmicasprensadas(B).
 Placas cerâmicasproduzidas por outros processos (C).
Revestimentos Cerâmicos
Porcelanatos são compostos por pigmentos misturados à argila durante o processo de
prensagem. Quando queimados apresentam aspecto de pedra natural, em que camadas de
pigmentação permeiam a base de argila.
Possibilitam o acabamento polido (com brilho) e não-polido (sem-brilho). Por sua resistência
mecânica elevada, grande resistência à abrasão e a produtos químicos, o porcelanato possui
uma qualidade superior em relação aos demais pisos cerâmicos.
Também conforme a NBR 13817, alguns revestimentos cerâmicos recebem uma
nomenclaturaespecífica de acordo com o grau de absorção:
Revestimentos Cerâmicos
Resistênciaa abrasão
A resistência à abrasão é definida como a resistência ao desgaste superficial do
revestimento causadopor:
 tráfego de pessoas e objetos sobre o material.
 pneus de veículos.
 objeto de pequeno porte como grãos de areia.
Ensaio de abrasão
 A resistência a abrasão de um revestimento é
mensurada através de um ensaio de variação de
aspecto com o desgaste.
 A peça cerâmica é submetida à ação de um
dispositivo denominado abrasímetro, que
provoca o desgaste por meio de esferas de aço e
material abrasivo.
Revestimentos Cerâmicos
A peça possui boa resistência à abrasão quando o dispositivo precisa de muitos
ciclos de operaçãopara provocar algum desgaste.
De acordo com a NBR 13817, os revestimentos cerâmicos são divididos em 6
grupos conforme a resistência à abrasão:
PEI - Porcelain Enamel Institute
Revestimentos Cerâmicos
Facilidade de limpeza
Os revestimentos cerâmicos são classificados da seguinte maneira em relação a sua
facilidadede limpeza:
 Os produtos esmaltados normalmente são mais fáceis de limpar. A facilidade de limpeza é uma
característica muito importante em locais onde a assepsia e a higiene são fundamentais, como
hospitais e cozinhas.
 A resistência ao manchamento também é influenciada pela resistência à abrasão, pois pisos que se
desgastam commais facilidade estão mais suscetíveis ao manchamento.
 A resistência a manchas está relacionada com a ausência de porosidadeinterna abaixo da superfície.
Revestimentos Cerâmicos
Resistênciaa agentes químicos
De acordo com a resistência a agentes químicos os produtos cerâmicos são
classificados em três classes:
• CLASSE A: elevada resistência a produtos químicos
• CLASSE B: média resistência a produtos químicos
• CLASSE C: baixa resistência a produtos químicos
Revestimentos Cerâmicos
A avaliação dos aspectos relacionados à qualidade do revestimento cerâmico é de
extrema importância no momento da compra e do recebimento do material.
No recebimento do material no canteiro de obras é necessário verificar se a
embalagem contém informações como:
 marca do fabricante.
 tipo de revestimento cerâmico.
 tamanhonominal.
 tamanhode fabricação.
 natureza da superfície.
 classe de abrasão.
 tonalidadedo produto.
 espessura de junta recomendada,entre outras.
Critériosde inspeção
Os critérios mais específicos para aceitação e rejeição de lotes de material, bem como a
descrição de ensaios para determinação de suas propriedades são descritos em detalhes na
NBR 13818.
Critériospara escolha dos revestimentoscerâmicos
Revestimentos Cerâmicos
A tabela a seguir apresenta os critérios mínimos recomendados para os
revestimentos cerâmicos em função do uso:
Importante: Nunca especificar apenas o PEI. A primeira especificação deve ser a
absorção de água
Aparelhossanitários
Também chamados de louças sanitárias.
São constituídosde:
 lavatórios,
 bacias sanitárias,
 mictórios.
De acordo com o material utilizado na fabricação apresenta a seguinte classificação
para as louças sanitárias:
• Aparelhos de pó de pedra: também chamados de faiança podem ter corpo
branco ou colorido artificialmente. O material é vitrificado, com textura fina e
porosa, podendo a absorçãochegar entre 15 e 20%.
• Aparelhos de grés branco: também chamados de porcelana sanitária ou grés
cerâmico, podem ter corpo branco ou colorido artificialmente. O material possui
vitrificação mais avançada que o anterior, resultando num produto com textura
fina e não porosa, cuja absorção varia entre 1 e 2%.
Louças Sanitárias
Em função da diversidade de materiais disponíveis e das inovações no setor,
principalmente no que se refere a equipamentos com menor consumo de água, as
normas relacionadas às louças sanitárias têm sido constantemente revistas, sendo
que atualmenteestão em vigor:
 NBR 15097: Aparelhos sanitáriosde material cerâmico.
• Parte 1: Requisitos e métodos de ensaios (2011)
• Parte 2: Procedimento para instalação (2011)
 absorção para qualquerlouça sanitária em 0,5%
 a espessura mínima das paredes de qualquer aparelhoem 6 mm. ]
Louças Sanitárias
Louças Sanitárias
A resistência mecânica é determinada por meio de um ensaio específico em que o material
é submetido à aplicação de uma carga por meio de prensa, durante 2 minutos. Cada peça
deve resistir às cargas apresentadas na tabela sem apresentar fissuras, rachaduras ou outras
deformações.
Quanto à resistência mecânica, os valores mínimos são apresentados na tabela
abaixo, de acordo com o tipo de peça:
Louças Sanitárias
Formaçãoda massacerâmica
A barbotina, massa cerâmica que será moldada e transformada nas louças, é
composta por caulim, argila, feldspato e quartzo.
 Argila e o caulim são dispersos em água e peneirados.
 Adicionam-se o feldspato e o quartzo, que passaram por um processo de
moagem a seco.
Louças Sanitárias
Moldagem da peça
São doisos tiposde molde: gesso e resina acrílica.
 No gesso, a água da massa é puxada por capilaridade.
 Com molde de resina, a massa é aplicada com bastante pressão (até 7 kgf/cm²),
o que força a passagem da água.
 As peças ficam na área de produção por dois dias, em média, até seguirem para
os secadores.
Louças Sanitárias
Secagem
A peça ainda contém cerca de 12% de umidade e vai para uma estufa que a seca
totalmente. Elas ficam por oito horas nesse tipo de secador, à temperatura de
100oC.
Louças Sanitárias
Inspeção
Se alguma peça apresenta defeito, é retirada do processo de produção e
reaproveitada.O material é redispersado em água e vira barbotina de novo.
Louças Sanitárias
Esmaltação
 A aplicação do esmalte cerâmico é feita manualmente ou por máquinas. O
esmalte é à base de água, com calcário, quartzo, feldspato, caulim, opacificante
e corante na cor das peças.
 A esmaltação é feita individualmente em quase todos os produtos. Só a
esmaltação das caixas acopladas de bacias sanitárias é feita de duas em duas
peças.
Louças Sanitárias
Forno
O forno, de 100 m de comprimento, é contínuo, ou seja, as peças passam por ele
sem parar, no tempo total de 15 horas. No início e no final do forno a temperatura
é ambiente, e, no meio, chega a 1.220 oC.
Louças Sanitárias
Inspeção e expedição
Todas as bacias fazem teste de sifonagem: as esferas de plástico simulam resíduos
e devem ser eliminadas. Também é feita inspeção visual. Se aprovadas, as peças
vão para a expedição.
Atividade de pesquisa
1. Pesquisar em edificações em construção ou já construídas, três diferentes
larguras de paredes obtidas em função dos diferentes tamanhos de blocos
(vedação ou estrutural) e das diferentes maneiras de posicionamento dos
mesmos.
As fotos devem ser identificadas com o endereço, dia e hora da sua obtenção e o
resultado da pesquisa, deverá ser demonstrado por meio de um desenho
especificando a espessura nominal da parede e o tipo de assentamentoutilizado.
A imagem ou desenho deve ser acompanhada de explicações sobre os seguintes
aspectos:
• Tipo(s) de bloco(s) foi(ram) usado(s);
• Maneira que os blocos foram posicionados para resultar nas dimensões das
paredes em questão e justificativaspara sua utilização.
• Tamanho de junta de argamassa utilizada, ou seja, o espaço que ficou entre
um bloco e outro.
• Comentários do grupo.
O desenho pode seguir o modelo ao lado:
Fórum de discussão
2. As imagens a seguir mostram um tijolo maciço e um bloco cerâmico vazado de
vários ângulos e posições diferentes. Com base no que foi estudado, analise e
discuta a respeito das qualidades e/ou defeitos que podem ser identificadas
através das imagens.
Se o grupo identificar algum(uns) defeito(s), deverá relatar a(s) causa(s) que
podem ter dado origem ao(s) mesmo(s), bem comentar sobre possíveis
problemas na sua utilização.
Exercício de observação
3. Monte um acervo de no mínimo, 05 fotos de coberturas e telhados de edificações
revestidos com telhas cerâmicas.
Em cada caso o grupo deverá identificar qual o tipo de telha utilizada e as
particularidades observadas no telhado que se relacionam com os conteúdos
estudados.
As fotos podem ser dos telhados de suas próprias casas, das casas de familiares,
de vizinhos ou outras construções.
Pode haver repetição do tipo de telhado em diferentes casas, mas deve-se
procurar pelo menos 03 fotografias de tipos de telhas diferentes.
Esse relatório deverá conter para cada foto, além das análises já mencionadas
anteriormente, o endereço data e hora onde foram tiradas, os dados da
construção (casa, loja, condomínio etc) e a identificação do tipo da telha utilizada
na edificação.
Especificações
4. Com base no que você estudou e no exemplo apresentado abaixo, especifique
nas tabelas a seguir as características e requisitos mínimos que deve ter um
revestimento cerâmico para ser utilizadonas aplicaçõesdescritas:
EXEMPLO:
PAREDE DE BANHEIRO RESIDENCIAL – Características: absorção entre 0 e 10%,
limpeza com produtos de limpeza fortes, necessidade de resistência média a
produtos químicos.
a) PISO DE COZINHA – Características: absorção entre 0 e 10%, facilidade de
limpeza, resistência à abrasão média, necessidade de resistência média a
produtosquímicos.
b) PISO DE GARAGEM – Características: absorção menor que 6 %, facilidade de
limpeza, resistência à abrasão elevada, necessidade de resistência média a
produtos químicos.
c) PISO DE DORMITÓRIO – Características: absorção entre 0 e 10%, resistência à
abrasão compatível com o uso, necessidade de resistência média a produtos
químicos.
d) PISO DE SUPERMERCADO – Características: absorção menor que 3%, facilidade
de limpeza, resistência à abrasão elevada, necessidade de resistência elevada a
produtos químicos.
e) FRIGORÍFICO – Características: absorção menor que 0,5%, máxima facilidade de
limpeza, resistência à abrasão elevada, necessidade de resistência alta a produtos
químicos.
f) SALA RESIDENCIAL COM ACESSO À AREA EXTERNA – Características: absorção
entre 0 e 10%, facilidade de limpeza, resistência à abrasão compatível com o uso,
necessidade de resistência média a produtos químicos.
g) INDÚSTRIA DE LATICÍNEOS – Características: absorção menor que 0,5%, máxima
facilidade de limpeza, resistência à abrasão elevada, necessidade de resistência
alta a produtos químicos.
h) PISO DE BANHEIRO RESIDENCIAL – Características: Características: absorção
entre 0 e 10%, limpeza com produtos químicos fracos, necessidade de resistência
média a produtos químicos.
Cálculos
5. O seu grupo é responsável pelo cálculo das quantidades necessárias de blocos
cerâmicos (maciços ou vazados) e telhas cerâmicas para a construção da
alvenaria e cobertura da casa popularespecificada a seguir.
Com os dados fornecidos abaixo, escolha as alvenarias das paredes externas e
internas, bem como o tipo ou tipos de blocos e telhas cerâmicas e determine as
quantidadesnecessárias para essa obra.
• Pé direito único de 2,72 metros.
• Espessura de 1cm para as juntas horizontais e verticais.
• Não considerar a utilizaçãode juntaseca.
• Considere vigas e pilares como alvenaria.
• Desconsidere no cálculo da alvenaria
os espaços das portas e janelas.
• Telhadocom 04 quedas de água, conforme
foto ao lado.
• Recomenda-se um acréscimo de perda entre
5% a 10% sobre a quantidadede materiais.
Demonstre os cálculos efetuados e justifique as escolhas de materiais.
Cerâmicas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Produção de cerâmica
Produção de cerâmicaProdução de cerâmica
Produção de cerâmica
Amanda da Costa Gomes
 
Madeiras
MadeirasMadeiras
Aula revestimentos
Aula   revestimentos Aula   revestimentos
Aula revestimentos
wendellnml
 
6. materiais ceramicos grad
6. materiais ceramicos grad6. materiais ceramicos grad
6. materiais ceramicos grad
Wilson Xavier
 
Concreto: Introdução
Concreto: IntroduçãoConcreto: Introdução
Concreto: Introdução
David Grubba
 
Trabalho de coberturas
Trabalho de coberturasTrabalho de coberturas
Trabalho de coberturas
Iala Almeida
 
Madeira
MadeiraMadeira
Madeira
celizgeo
 
Aula 8 materiais de construção - aço
Aula 8   materiais de construção - açoAula 8   materiais de construção - aço
Aula 8 materiais de construção - aço
profNICODEMOS
 
Agregados
AgregadosAgregados
Agregados
David Grubba
 
Aula 06 cimento
Aula 06  cimentoAula 06  cimento
Aula 06 cimento
Maria Izala
 
Aula 9 curso de gestão de obras - materiais cerâmicos
Aula 9   curso de gestão de obras - materiais cerâmicosAula 9   curso de gestão de obras - materiais cerâmicos
Aula 9 curso de gestão de obras - materiais cerâmicos
profNICODEMOS
 
Materiais cerâmicos e aplicações
Materiais cerâmicos e aplicaçõesMateriais cerâmicos e aplicações
Materiais cerâmicos e aplicações
Instituto Nacional de Engenharia de Superfícies
 
Materiais aglomerantes, agregados e adições minerais.pptx
Materiais aglomerantes, agregados e adições minerais.pptxMateriais aglomerantes, agregados e adições minerais.pptx
Materiais aglomerantes, agregados e adições minerais.pptx
Cleisianne Barbosa
 
Aula materiais de construção aula 1 (1)
Aula materiais de construção aula 1 (1)Aula materiais de construção aula 1 (1)
Aula materiais de construção aula 1 (1)
Larissa Freire
 
Argamassa - Materiais de Construção
Argamassa - Materiais de ConstruçãoArgamassa - Materiais de Construção
Argamassa - Materiais de Construção
David Grubba
 
12 materiais cerâmicos
12  materiais cerâmicos12  materiais cerâmicos
12 materiais cerâmicos
Lucas Wendell
 
Materiais da construção civil1
Materiais da construção civil1Materiais da construção civil1
Materiais da construção civil1
Marcus Gonçalves
 
Revestimento cerâmico
Revestimento cerâmicoRevestimento cerâmico
Revestimento cerâmico
Ana Anicio
 
Materiais revestimentos ceramicos
Materiais   revestimentos ceramicosMateriais   revestimentos ceramicos
Materiais revestimentos ceramicos
José Borba
 
Aula 01 - Introdução aos materiais de construção...pptx
Aula 01 - Introdução aos materiais de construção...pptxAula 01 - Introdução aos materiais de construção...pptx
Aula 01 - Introdução aos materiais de construção...pptx
joelsonvidalvidal
 

Mais procurados (20)

Produção de cerâmica
Produção de cerâmicaProdução de cerâmica
Produção de cerâmica
 
Madeiras
MadeirasMadeiras
Madeiras
 
Aula revestimentos
Aula   revestimentos Aula   revestimentos
Aula revestimentos
 
6. materiais ceramicos grad
6. materiais ceramicos grad6. materiais ceramicos grad
6. materiais ceramicos grad
 
Concreto: Introdução
Concreto: IntroduçãoConcreto: Introdução
Concreto: Introdução
 
Trabalho de coberturas
Trabalho de coberturasTrabalho de coberturas
Trabalho de coberturas
 
Madeira
MadeiraMadeira
Madeira
 
Aula 8 materiais de construção - aço
Aula 8   materiais de construção - açoAula 8   materiais de construção - aço
Aula 8 materiais de construção - aço
 
Agregados
AgregadosAgregados
Agregados
 
Aula 06 cimento
Aula 06  cimentoAula 06  cimento
Aula 06 cimento
 
Aula 9 curso de gestão de obras - materiais cerâmicos
Aula 9   curso de gestão de obras - materiais cerâmicosAula 9   curso de gestão de obras - materiais cerâmicos
Aula 9 curso de gestão de obras - materiais cerâmicos
 
Materiais cerâmicos e aplicações
Materiais cerâmicos e aplicaçõesMateriais cerâmicos e aplicações
Materiais cerâmicos e aplicações
 
Materiais aglomerantes, agregados e adições minerais.pptx
Materiais aglomerantes, agregados e adições minerais.pptxMateriais aglomerantes, agregados e adições minerais.pptx
Materiais aglomerantes, agregados e adições minerais.pptx
 
Aula materiais de construção aula 1 (1)
Aula materiais de construção aula 1 (1)Aula materiais de construção aula 1 (1)
Aula materiais de construção aula 1 (1)
 
Argamassa - Materiais de Construção
Argamassa - Materiais de ConstruçãoArgamassa - Materiais de Construção
Argamassa - Materiais de Construção
 
12 materiais cerâmicos
12  materiais cerâmicos12  materiais cerâmicos
12 materiais cerâmicos
 
Materiais da construção civil1
Materiais da construção civil1Materiais da construção civil1
Materiais da construção civil1
 
Revestimento cerâmico
Revestimento cerâmicoRevestimento cerâmico
Revestimento cerâmico
 
Materiais revestimentos ceramicos
Materiais   revestimentos ceramicosMateriais   revestimentos ceramicos
Materiais revestimentos ceramicos
 
Aula 01 - Introdução aos materiais de construção...pptx
Aula 01 - Introdução aos materiais de construção...pptxAula 01 - Introdução aos materiais de construção...pptx
Aula 01 - Introdução aos materiais de construção...pptx
 

Semelhante a Cerâmicas

Aula indústria de cerâmicas.pdf
Aula indústria de cerâmicas.pdfAula indústria de cerâmicas.pdf
Aula indústria de cerâmicas.pdf
MAITSILVA5
 
Aula8 materiais
Aula8 materiaisAula8 materiais
Aula8 materiais
Tiago Cruz
 
Industria da Cerâmica.pptx
Industria da Cerâmica.pptxIndustria da Cerâmica.pptx
Industria da Cerâmica.pptx
AndrLuiz622362
 
Cerâmicas oscar
Cerâmicas   oscarCerâmicas   oscar
Cerâmicas oscar
Bruno Rafael
 
01
0101
Materiais Cerâmicos LABATS.pdf
Materiais Cerâmicos LABATS.pdfMateriais Cerâmicos LABATS.pdf
Materiais Cerâmicos LABATS.pdf
CAROMYCHELGOMESLEITE
 
Aula8materiais 120604063301-phpapp01
Aula8materiais 120604063301-phpapp01Aula8materiais 120604063301-phpapp01
Aula8materiais 120604063301-phpapp01
Rebeca Conceição da Silva Reis
 
P1-2-Introducao.pdf
P1-2-Introducao.pdfP1-2-Introducao.pdf
P1-2-Introducao.pdf
jacochinhama779
 
Pmt3100 aula 06 2014_2
Pmt3100 aula 06 2014_2Pmt3100 aula 06 2014_2
Pmt3100 aula 06 2014_2
Kássila Almeida
 
Tijolo ceramico
Tijolo ceramicoTijolo ceramico
Tijolo ceramico
Carlos Elson Cunha
 
Ceramica e betuminoso
Ceramica e betuminosoCeramica e betuminoso
Ceramica e betuminoso
Simone Reis
 
Introducao e conteudo_ceramicos_v02
Introducao e conteudo_ceramicos_v02Introducao e conteudo_ceramicos_v02
Introducao e conteudo_ceramicos_v02
Alexandre da Mello
 
Aula 9 curso de gestão de obras - materiais cerâmico sv2
Aula 9   curso de gestão de obras - materiais cerâmico sv2Aula 9   curso de gestão de obras - materiais cerâmico sv2
Aula 9 curso de gestão de obras - materiais cerâmico sv2
profNICODEMOS
 
Cerâmica industrial e seus aplicações diversas
Cerâmica industrial e seus aplicações diversasCerâmica industrial e seus aplicações diversas
Cerâmica industrial e seus aplicações diversas
JairGaldino4
 
Ceramica 140621192036-phpapp01
Ceramica 140621192036-phpapp01Ceramica 140621192036-phpapp01
Ceramica 140621192036-phpapp01
Carlos Monteiro
 
Ceramica
CeramicaCeramica
Ceramica
Mayara Marques
 
Resumo sobre Materiais cerâmicos e Tintas
Resumo sobre Materiais cerâmicos e TintasResumo sobre Materiais cerâmicos e Tintas
Resumo sobre Materiais cerâmicos e Tintas
Rodrigo Andrade Brígido
 
Aula de construções
Aula de construçõesAula de construções
Aula de construções
Adalberto Junior
 
PLACA CERAMICA
PLACA CERAMICAPLACA CERAMICA
PLACA CERAMICA
VitorRibondosSantos
 
aula 4 CIMENTO 2023.pptx
aula 4 CIMENTO 2023.pptxaula 4 CIMENTO 2023.pptx
aula 4 CIMENTO 2023.pptx
CamilaCamposGomezFam
 

Semelhante a Cerâmicas (20)

Aula indústria de cerâmicas.pdf
Aula indústria de cerâmicas.pdfAula indústria de cerâmicas.pdf
Aula indústria de cerâmicas.pdf
 
Aula8 materiais
Aula8 materiaisAula8 materiais
Aula8 materiais
 
Industria da Cerâmica.pptx
Industria da Cerâmica.pptxIndustria da Cerâmica.pptx
Industria da Cerâmica.pptx
 
Cerâmicas oscar
Cerâmicas   oscarCerâmicas   oscar
Cerâmicas oscar
 
01
0101
01
 
Materiais Cerâmicos LABATS.pdf
Materiais Cerâmicos LABATS.pdfMateriais Cerâmicos LABATS.pdf
Materiais Cerâmicos LABATS.pdf
 
Aula8materiais 120604063301-phpapp01
Aula8materiais 120604063301-phpapp01Aula8materiais 120604063301-phpapp01
Aula8materiais 120604063301-phpapp01
 
P1-2-Introducao.pdf
P1-2-Introducao.pdfP1-2-Introducao.pdf
P1-2-Introducao.pdf
 
Pmt3100 aula 06 2014_2
Pmt3100 aula 06 2014_2Pmt3100 aula 06 2014_2
Pmt3100 aula 06 2014_2
 
Tijolo ceramico
Tijolo ceramicoTijolo ceramico
Tijolo ceramico
 
Ceramica e betuminoso
Ceramica e betuminosoCeramica e betuminoso
Ceramica e betuminoso
 
Introducao e conteudo_ceramicos_v02
Introducao e conteudo_ceramicos_v02Introducao e conteudo_ceramicos_v02
Introducao e conteudo_ceramicos_v02
 
Aula 9 curso de gestão de obras - materiais cerâmico sv2
Aula 9   curso de gestão de obras - materiais cerâmico sv2Aula 9   curso de gestão de obras - materiais cerâmico sv2
Aula 9 curso de gestão de obras - materiais cerâmico sv2
 
Cerâmica industrial e seus aplicações diversas
Cerâmica industrial e seus aplicações diversasCerâmica industrial e seus aplicações diversas
Cerâmica industrial e seus aplicações diversas
 
Ceramica 140621192036-phpapp01
Ceramica 140621192036-phpapp01Ceramica 140621192036-phpapp01
Ceramica 140621192036-phpapp01
 
Ceramica
CeramicaCeramica
Ceramica
 
Resumo sobre Materiais cerâmicos e Tintas
Resumo sobre Materiais cerâmicos e TintasResumo sobre Materiais cerâmicos e Tintas
Resumo sobre Materiais cerâmicos e Tintas
 
Aula de construções
Aula de construçõesAula de construções
Aula de construções
 
PLACA CERAMICA
PLACA CERAMICAPLACA CERAMICA
PLACA CERAMICA
 
aula 4 CIMENTO 2023.pptx
aula 4 CIMENTO 2023.pptxaula 4 CIMENTO 2023.pptx
aula 4 CIMENTO 2023.pptx
 

Cerâmicas

  • 1.
  • 2. Definição e Classificação das Cerâmicas DEFINIÇÃO Cerâmica compreende todos os materiais inorgânicos, não metálicos, obtidos geralmente após tratamento térmico em temperaturas elevadas. Cerâmica vem da palavra grega keramus que significa coisa queimada. Numa definição simplificada, materiais cerâmicos são compostos de elementos metálicos e não metálicos, com exceção do carbono. Podem ser simples ou complexos. Exemplos: SiO2( sílica), Al2O3 (alumina) , Mg3Si4O10(OH)2 (talco)
  • 3. Definição e Classificação das Cerâmicas CLASSIFICAÇÃO 1. Cerâmica Vermelha: tijolos, blocos, telhas, elementos vazados, lajes, tubos cerâmicos, argilas expandidas e utensílios de uso doméstico e de adorno. 2. Materiais de Revestimento: azulejos, pastilhas, porcelanato, grês, lajota, pisos, tozetos e etc.
  • 4. 3. Cerâmica Branca: Materiais constituídos por um corpo branco e em geral recobertos por uma camada vítrea. louça sanitária louça de mesa isoladores elétricos para alta e baixatensão cerâmica artística (decorativa e utilitária). cerâmica técnica para fins diversos, tais como: químico, elétrico, térmico e mecânico. Definição e Classificação das Cerâmicas
  • 5. Definição e Classificação das Cerâmicas 4. Materiais Refratários: Têm como finalidade suportar temperaturas elevadas, que em geral envolvem esforços mecânicos, ataques químicos, variações bruscas de temperatura e outras solicitações. Exemplo: sílica, sílico-aluminoso, aluminoso, mulita, carbeto de silício, grafita, carbono, zircônia, zirconitae outros.
  • 6. Definição e Classificação das Cerâmicas 5. Isolantes Térmicos isolantes térmicos não refratários: vermiculita expandida, sílica diatomácea, diatomito,silicatode cálcio, lã de vidro e lã de rocha (até 1100 ºC). fibras ou lãs cerâmicas que apresentam composições tais como sílica, sílica- alumina,alumina e zircônia (até 2000º C ou mais. 6. Fritas e Corantes Frita (ou vidrado fritado) é um vidro moído, fabricado por indústrias especializadasa partir da fusão da mistura de diferentes matérias-primas.. Corantes constituem-se de óxidos puros ou pigmentos inorgânicos sintéticos obtidos a partir da mistura de óxidos ou de seus compostos.
  • 7. Definição e Classificação das Cerâmicas 8. Vidro, Cimento e Cal São três importantes segmentos cerâmicos e que, por suas particularidades, são muitas vezes consideradosà parte da cerâmica. 9. Cerâmica de Alta Tecnologia/Cerâmica Avançada São classificados, de acordo com suas funções, em: eletroeletrônicos, magnéticos, ópticos, químicos, térmicos, mecânicos, biológicose nucleares. 7. Abrasivos Parte da indústria de abrasivos, por utilizarem matérias-primas e processos semelhantes aos da cerâmica, constituem-se num segmento cerâmico. Entre os produtos mais conhecidos podemos citar o óxido de alumínio eletrofundido e o carbeto de silício.
  • 8. Características gerais  Maior dureza e rigidez quandocomparadasaos aços.  Maior resistência ao calore à corrosão que metais e polímeros.  São menos densas que a maioriados metaise suas ligas.  Os materiaisusadosna produçãodas cerâmicas são abundantese mais baratos. PROPRIEDADES TÉRMICAS
  • 9. Características gerais Uma interessante aplicação que leva em conta as propriedades térmicas das cerâmicas é o seu uso na indústria aeroespacial. Temperatura °C* Temperaturasde subida Revestimento exterior com fibra amorfas de sílica de alta pureza. Espessura: 1,27 - 8,89cm
  • 10. Histórico Importância dos materiaispara o desenvolvimentoda humanidade  Os materiais têm influenciado decisivamente o desenvolvimento da humanidade deste o início de sua existência.  Há um elo muito forte entre a descoberta de materiais e o desenvolvimento da cultura humana. Grandes avanços tecnológicos estão sempre associados a descoberta de novos materiais. Evolução dos materiais:  12.000 a.C. : necessidade de armazenar alimentos.  emprego: locaisonde a pedra era escassa.  matéria-prima abundantena natureza.  essencial na história da humanidade.  frágeis, porém duráveis.  Assírios e caldeus: primeiros povos a produzirem tijolos.  Árabes: revalorizarame difundiram.
  • 11. Histórico Vaso Egípcio 5000 AC Vaso Mesopotâmia 5500-4500 AC Vaso Turquemenistão 5000 AC
  • 12. Histórico Bandeja de vidro (Séc. I A.C.) Relevo esmaltado em parede de tijolo (600 – 500 A.C.) Jarra esmaltada (Grécia, 420-410 A.C.)
  • 13. Argilas  Conjunto de minerais compostos, principalmente, de silicatos de alumínio hidratados (decomposição de rochas feldspáticas).  Material natural, terroso, de baixa granulometria (com elevado teor de partículas com Ø < 2 ou 5 μm), que apresentam plasticidade quando em contatocom água.  Provenientes da decomposição de rochas constituídas de argilominerais e outros minerais acessórios.  Com água são moldáveis, conservam a forma moldada, endurecem com a perda de água e solidificam-se definitivamentecom o calor.
  • 14. Tipos de argila:  Argila vermelha.  Argila refratária.  Bentonita: vulcânica, muito plástica, aumenta de 10 a 15 x seu volume quandoem contatocom água. Argilas Sinterizaçãode cerâmicos  Argila para grês.  Caulim.  Argilas de azuladas ou negras, de grande plasticidade. As partículas se ligam através depontos de contato. Grandenúmeros de poros. Formação depescoço entre as partículas, o que torna a peça mais densa. Final: poros arredondados com menor espaço entre eles.
  • 15. Argilas Propriedadesdas argilas  Plasticidade: Propriedade de se deformar quando submetido à uma força, e conservar a deformação quandoesta é retirada. Estadosda plasticidade IP = LL - LP Fracamente plásticas: 1 < IP < 7 Medianamenteplásticas: 7 < IP < 15 Altamenteplásticas: IP > 15
  • 18. Argilas  Retração: • Propriedade de variar de volume com a variaçãode umidade. • Inconveniente,pois pode gerar fissuração.  Porosidade: • Volume de vazios/volume total. • Influência na resistência mecânica:densidade;condutibilidadetérmica; condutibilidadeelétrica.  Influênciada temperatura: • Até 600º C - secagem. De 600º C a 950º C - reações químicas. Mais de 950º C - vitrificação. • Porosidadedo produto depende da quantidadede vidro formado.  Presença de impurezas: Sílica livre, aluminalivre, álcalis, matéria orgânica,sais, óxidos, cálcio e etc.
  • 20. Processos de Fabricação  Exploração da jazida: Viabilidadetécnica/econômica/ambiental.  Tratamento da matéria-prima:Purificaçãoe desagregação/trituração.  Regularizaçãoda matéria-prima:Umidificaçãoe homogeneização. Moinho de bolas Filtro prensa Atomizador
  • 21.  Moldagem: Pasta plástica ex.: tijolosde olaria,vasos artesanaise etc.  Extrusão: Pasta consistentew% de 20 a 35%, ex.: blocos, manilhas. Processos de Fabricação  Colagem: Pasta fluida (barbotina):w% de 35 a 50%. ex.: louça sanitária.  Prensagem: Pasta seca w% de 4 a 10% ex.: telhas, pisos e etc.
  • 22.  Secagem: Retiradada umidade; Controlada,para evitar retração diferencial (secadores, estufa e natural).  Queima: Mudançana estrutura, Vitrificação. Processos de Fabricação Forno túnel: contínuo Forno intermitente Retração após queima
  • 23.
  • 24. Produtos Cerâmicos para Construção Civil 1. Produtos de argila:  1.1 - Blocos cerâmicos: a) Maciços (tijolosmoldadosou extrudados) b) Vazados (vedaçãoou estruturais)  1.2 -Telhas  1.3 -Tubos (manilhas)  1.4 - Peças redutorasde peso  1.5 - Elementosvazados. 2. Produtos de grês ou de louça:  2.1 - Produtosde revestimento • Pisos cerâmicos • Azulejos • Porcelanato • Pastilhas  2.2 - Louça sanitária  2.3 - Materialrefratário
  • 25. Blocos Cerâmicos 1.1 - Blocos cerâmicos: São unidades para edificações que compõem a alvenaria e podem ser constituídos de diferentes materiais, sendo mais utilizados os cerâmicos ou de concreto. • Maciços(tijolosmoldadosou extrudados) • Vazados(vedaçãoou estruturais) Qualquer que seja o material utilizadoas propriedades desejáveis são:  Ter resistência à compressão adequada.  Ter capacidadede aderir à argamassa tornando homogênea a parede.  Possuir durabilidade frente aos agentes agressivos (umidade, variação de temperatura e ataquepor agentes químicos).  Possuir dimensões uniformes.  Resistir ao fogo.
  • 26. tijolo moldado tijolos extrudado tijolos modulares prensados a.1) Comuns a.2) Especiais a) TIJOLOS MACIÇOS CERÂMICOS: São blocosde argila comum, moldados, extrudados ou prensados com arestas vivase retilínease queimadosem temperaturasem torno de 1000ºC.  Devem possuir a forma de um paralelepípedo retângulo.  Devem possuir todas as faces planas.  Ausência de eflorescências e queima uniforme  Podem apresentar rebaixos de fabricação em uma das faces de maior área. Os tijolospodem ser comuns ou especiais: Blocos Cerâmicos
  • 27. Os tijolos comuns são classificados em A, B ou C de acordo com as suas propriedades mecânicas prescritas pela NBR 7170 “ Tijolo maciço cerâmico para alvenaria”. Sua resistência à compressão deve ser testada segundo encaminhamento prescrito pela NBR 6460 “ Tijolo maciço cerâmico para alvenaria – Verificação da resistência à compressão” e atender aos valores indicadospela tabela 2: Blocos Cerâmicos
  • 28. Nota: • Os tijolos e blocos cerâmicos possuem coeficiente de dilatação térmica pequeno, sendo adotado um valor médio de 6x10-6 /ºC. • É comum os tijolos apresentarem expansão devido à incorporação de umidade do ambiente. Em consequência é recomendado que se evite a utilização de blocos ou tijolos cerâmicos com menos de duas ou três semanas após saírem do forno. Tipologiatijoloscomuns: Devem apresentar dimensões nominais, conforme NBR 8041 “ Tijolo Maciço Cerâmico para Alvenaria – Forma e Dimensões”: Blocos Cerâmicos
  • 29. Apesar das dimensões apresentadas pela norma, são encontrados no mercado tijolos de diversos tamanhos, pois muitos fabricantes desconhecem ou ignoram as normas referentes ao produto. Abaixo alguns dos diferentes tamanhos de tijolos maciços encontrados no mercado: Nota: • São toleradas diferenças de até 3 mm nas dimensões especificadas. • O rendimento depende das dimensões do tijolo. Uma alvenaria feita com peças de 5 x 10 x 20 cm consome aproximadamente 150 unidades. Blocos Cerâmicos
  • 30. b) BLOCOS CERÂMICOS VAZADOS: São blocos vazados produzidos por extrusão e queima da argila vermelha com arestas vivas retilíneas,sendo os furos cilíndricosou prismáticos. Os blocos vazados são classificados num primeiro momento como blocos de:  b.1) Vedação: • suportam somente o peso próprio; • furos na vertical ou na horizontal. • podem possuir quatro, seis, oito ou nove furos.  b.2) Estruturais (portantes) • suportam cargas previstas em alvenaria estrutural; • furos na vertical; • três tipos: blocos com paredes maciças; blocos com paredes vazadas; blocos perfurados. Blocos Cerâmicos
  • 31. Vedação com furos na vertical Vedação com furos na horizontal Estrutural com parede maciça Estrutural com paredes vazadas Estrutural perfurado Blocos Cerâmicos
  • 32. Tipologia As dimensões nominais são recomendadas pela NBR 8042 “Bloco Cerâmico Vazado para Alvenaria – Formas e Dimensões” e estão dispostas na tabela 3 da norma: Blocos Cerâmicos
  • 34. Espessura de paredes para blocos cerâmicos NBR 15270 “Componentes cerâmicos – Blocos cerâmicos para alvenaria de vedaçãoe estrutural” Blocos Cerâmicos
  • 35. Propriedades mecânicas A resistência à compressão mínima dos blocos na área bruta deve atender aos valores indicados na tabela 3 da NBR 7171 “Bloco Cerâmico para Alvenaria” que classifica os blocos em tipo A, B, C, D e F: O processo de vitrificação nas faces do bloco compromete a aderência com a argamassa de assentamento ou revestimento. Por esta razão, as faces dos blocos são constituídas de ranhuras e saliências. Blocos Cerâmicos
  • 36. Exemplo de formas e dimensões de blocosestruturais Blocos Cerâmicos
  • 37. Qualidadee inspeção A NBR 7171, que trata de blocos cerâmicos para alvenaria, especifica algumas condições gerais para esse material:  não devem apresentar defeitos como trincas, quebras, superfícies irregulares ou deformações que impeçam seu emprego.  devem apresentar som metálico ao se bater nos mesmos (som vibrante e não abafado).  absorção de água total: entre 8 e 22% (elevada absorção → recomendável umedecer o bloco antes do assentamento.  não pode ter “coração negro”.  esquadro e planeza das faces. Blocos Cerâmicos
  • 38. Paredes de blocoscerâmicos Chama-se espessura nominal a espessura aproximada que a parede terá depois de pronta, contando a espessura do bloco somado à espessura dos revestimentos em cada face, cujo valor adotado é de aproximadamente 2,5 cm para cada lado. Assim, uma parede cujo tijolo tenha 9 cm de largura e tenha revestimento dos dois lados terá espessura total de 9+2,5+2,5 = 14 cm, que corresponde a uma largura nominal de 15 cm. Abaixo alguns exemplos de diferentes espessuras nominais de parede: Blocos Cerâmicos
  • 39. BLOCOS DE CONCRETO Quanto às dimensões classificam-se em M20 e M15, conforme tabela abaixo: Blocos Cerâmicos
  • 42. Propriedades mecânicas Os blocosde concreto são classificadospela NBR 6136 “Blocos Vazadosde Concreto Simples para Alvenaria Estrutural” em classe A e B:  O bloco de classe A aplica-se à alvenarias externas sem revestimento devendo o bloco possuir resistência característica à compressão maior do que 6 MPa, além de sua capacidadede vedação.  O bloco de classe B aplica-se à alvenarias internas ou externas com revestimento devendo possuir resistência característica à compressão de no mínimo 4,5 Mpa. Blocos Cerâmicos
  • 43. Telhas Cerâmicas Histórico Inicialmente as telhas eram conformadas manualmente com mão-de-obra escrava, onde estes as moldavam nas suas pernas. Tal registro pode ser constatado através de antigas peças que apresentam a forma da estrutura óssea humana (ANICER, 2000).  Em 280 AC os romanos se utilizavam de barro cozido para a construção das telhas, sendo assim, a atividade aprimorando-se até que por volta do século I antes de Cristo, iniciou-se a evolução na qualidade proveniente da tecnologia produtiva empregada resultando em peças de maior valor estético e monetário.  Foram encontradas telhas na Grécia e alguns indícios desse produto na China e no Japão que datam, aproximadamente, de 430 AC. Características  A matéria-prima é mais selecionada.  Boa resistência da massa seca.  Conforto térmico e acústico.  Elevada resistência a flexão e baixa porosidade, após a queima.
  • 44. Telhas Cerâmicas Fabricação 1. Desagregação, umidificação e homogeneização da argila. 2. Extrusão da argila formando um bastão que é cortado nas dimensões adequadas. 3. Prensagem em fôrmas. 4. Secagem e queima ( 900º C a 1100º C, respectivamente). 5. Algumas podem levar impermeabilização (banho de silicone) ou esmaltação(impermeabilidade, brilho e cor).
  • 45. Classificação São classificadas em 04 categorias em função das características geométricas e tipo de fixação:  Plana de encaixe: se encaixam por meio de sulcos e saliências, apresentam furos e pinos para fixação. Ex.: francesa.  Composta de encaixe: capa e canal no mesmo componente, apresentam furos e pinos para fixação. Ex.: romana. Telhas Cerâmicas Plana de encaixe Composta de encaixe
  • 46.  Simples de sobreposição: capa e canal independentes (o canal possui furos e pinos para fixação). Ex.: paulista.  Planas de sobreposição: somente se sobrepõem (podem apresentar furos e pinos para fixação). Ex.: alemã ou germânica. Telhas Cerâmicas Simples de sobreposição Planas de sobreposição
  • 47. Telhas Cerâmicas Exigências para telhas: a) Impermeabilidade: não apresentar vazamentos ou formação de gotas em sua face inferior. b) Retilinearidadee planacidade:para evitarproblemasde encaixe. c) Tolerânciadimensional:± 2% em relaçãoà especificação; d) Absorção de água: • Clima temperado ou tropical: ˂ 20% • Clima frio e temperado : ˂ 12% • Clima muito frio ou úmido: ˂ 7% e) Características:visuais(pequenos defeitos) e sonoridade (som metálico). f) Resistência à flexão: transporte e montagem do telhado e trânsito eventual de pessoas: • Plana de encaixe: 1000 N; • Composta de encaixe: 1300 N; • Simples de sobreposição:1000 N; • Plana de sobreposição:1000 N.
  • 49. Telhas Cerâmicas Telha Francesa  Classificada como telha plana de encaixe. Também chamada de telha Marselha.  Possui encaixes laterais nas extremidades e agarradeiras para fixação às ripas da estrutura do telhado.  Resistência mínima de 70 kgf.  Possui bom rendimento. O número de peças utilizadas por metro quadrado de telhadoé reduzido em relaçãoa outros tipos de telha.
  • 50. Telhas Cerâmicas Telha Colonial  Classificada como telha simples de sobreposição.  São compostas por duas peças: o canal, cujo papel é conduzir água e a capa que faz a cobertura entre dois canais.  Esse tipo de telha pode ser com encaixe, sem encaixe ou de cumeeira.  A particularidade da telha colonial é que as duas peças que a compõem possuem a mesma largura.
  • 51. Telhas Cerâmicas Telha Paulista  Classificadacomo telha simples de sobreposição.  A telha paulistaé derivadada telha colonial.  Se caracteriza por apresentara capa com largura ligeiramenteinferior ao canal.
  • 52. Telhas Cerâmicas Telha Tipo Plan  Classificadacomo telha simples de sobreposição.  É uma variaçãoentre a telha coloniale a paulista,com o diferencial de possuir arestas retas.
  • 53. Telhas Cerâmicas Telha Portuguesa  Classificadacomo telha composta de encaixe.  A telha portuguesa deriva das telhas coloniais.  Possui os segmentos correspondentes à capa e canal em uma única peça.
  • 54. Telhas Cerâmicas Telha Romana  Classificadacomo telha composta de encaixe.  A telha romana é composta de peça única e surgiu a partir da telha plan.  Devido a seus encaixes no sentido longitudinale transversal,possui boa vedaçãoe estabilidadesobre o ripamento.
  • 55. Telhas Cerâmicas Telha Americana  Classificada como telha composta de encaixe.  Foi criada a partir da telha portuguesa.  Tem a vantagem de ter um rendimento maior por m² de telhado quando comparada com a telha que lhe deu origem.
  • 56. Telhas Cerâmicas Telha Germânica ou Alemã  Classificadacomo telha planas de sobreposição.  São muito utilizadasem países onde o invernoé rigoroso.  Os telhadossão bastanteinclinadospara que a neve escorra.  No Brasil são usadaspara compor coberturas de estilos coloniaisalemãs ou suíças.
  • 57. Característicastécnicas de algumas telhas cerâmicas, como a quantidadede telhas e peso por metro quadradoe a inclinaçãomínimado telhado. Telhas Cerâmicas
  • 58. Tubos Cerâmicos Características  Também conhecidospor “manilhas”.  Canalização deáguas pluviaise esgoto.  Ponta e ponta / ponta e bolsa.  Fabricados por extrusão. Exigências  Podem ser vidrados (cloreto de sódio).  Diâmetrosnominais:75, 100, 150, 200, 250, 300, 375, 400, 450, 500 e 600 mm.  Comprimentos: 600, 800, 1000, 1250, 1500 e 2000 mm.
  • 59. Tubos Cerâmicos São verificados quanto à:  Dimensões.  Permeabilidadee Absorção de água (< 10%).  Resistência à compressão diametral.  Sonoridade.  Aspecto visual (trincas e falhas).  Resistência química.
  • 60. Peças redutoras de peso a. Elementosretangulares utilizadosna confecção de lajes pré-moldadas. b. Peças redutorasde peso c. Apoiam-se entre pequenasvigotas de concreto armado e servem de fôrma para a laje. d. Exigência:resistência à flexão ≥ 700 N.
  • 61. Elementos vazados a. Elementos não estruturais, para ventilação e iluminação. b. Também chamado de COGOBÓ (iniciais dos sobrenomes de três engenheiros que o idealizaram: Amadeu Oliveira Coimbra, Antônio de Góis e Ernest August Boeckmann).
  • 62. Revestimentos Cerâmicos Histórico  Início com as navegações (séc. XV): contato com civilizações de origem muçulmana,assírios, persas, egípcios e chineses.  Portugal: apesar de não ser grande produtor, foi o país europeu que mais empregou revestimentos cerâmicos.  Uso em igrejas, palácios e conventosde forma ornamental.  Séc. XVII: azulejos chegam ao Brasil importadosde Lisboa.  Fim do séc. XIX, abertura das primeiras fábricas brasileiras.
  • 63. Revestimentos Cerâmicos  Os produtos cerâmicos destinados ao revestimento de pisos podem ser obtidos por processos de extrusão ou prensagem.  Podem apresentar uma face esmaltada, que é revestida com uma camada vítrea conferindo um aspecto brilhoso ao material e uma face porosa, também chamada de tardoz ou face de assentamento.  Algumas peças possuem as duas faces não-esmaltadas, sendo que uma fica exposta e outra é destinada ao assentamento.
  • 64. Revestimentos Cerâmicos A descrição completa da classificação e dos requisitos que os revestimentos cerâmicos devem obedecer encontra-se na NBR 13817 e na NBR 13818. Os revestimentos cerâmicos possuem algumas características principais que auxiliamna escolha do materialmais adequadoa cada caso:  Método de fabricação.  Absorção de água.  Resistência à abrasão.  Facilidadede limpeza.  Resistência a agentes químicos.
  • 65. Revestimentos Cerâmicos Método de fabricação 1. Preparaçãoe Conformação (Prensagem ou Extrusão)
  • 66. Revestimentos Cerâmicos 2. Secagem, esmaltaçãoe queima  Monoqueima ou biqueima;  Terceira queima: para acrescentar relevo com metais e/ou pigmentos.
  • 67. Revestimentos Cerâmicos a. A absorção de água é uma característica que está relacionada à porosidade e à permeabilidadedo material. b. Os materiais de maior qualidade são aqueles que possuem menor absorção de água. Absorçãode água  Quanto menor a absorção de água maior é a resistência do revestimento cerâmico contra quebra, fissuração da camada esmaltada, descolamento, entre outras patologias. Essa caraterística é muito importante em locais onde exista o risco de choques e variaçõesde temperatura e umidade.  A execução de um revestimento com peças de elevada porosidade em um ambiente úmido possivelmente levará ao surgimento de patologias, entre as quais pode-se destacar o descolamentodas peças.
  • 68. Revestimentos Cerâmicos A absorção de água também está relacionada ao método de fabricação utilizado para confeccionar o revestimento cerâmico. De acordo com o método de fabricação, os revestimentos cerâmicos são classificados em 3 tipos: Ao especificar o material deve-se utilizar uma codificação recomendada pela NBR 13817, composta pela letra correspondente ao processo de fabricação (A, B ou C) acompanhada da nomenclatura correspondente ao grupo de absorção, conforme a tabela abaixo:  Placas cerâmicasextrusadas (A).  Placas cerâmicasprensadas(B).  Placas cerâmicasproduzidas por outros processos (C).
  • 69. Revestimentos Cerâmicos Porcelanatos são compostos por pigmentos misturados à argila durante o processo de prensagem. Quando queimados apresentam aspecto de pedra natural, em que camadas de pigmentação permeiam a base de argila. Possibilitam o acabamento polido (com brilho) e não-polido (sem-brilho). Por sua resistência mecânica elevada, grande resistência à abrasão e a produtos químicos, o porcelanato possui uma qualidade superior em relação aos demais pisos cerâmicos. Também conforme a NBR 13817, alguns revestimentos cerâmicos recebem uma nomenclaturaespecífica de acordo com o grau de absorção:
  • 70. Revestimentos Cerâmicos Resistênciaa abrasão A resistência à abrasão é definida como a resistência ao desgaste superficial do revestimento causadopor:  tráfego de pessoas e objetos sobre o material.  pneus de veículos.  objeto de pequeno porte como grãos de areia. Ensaio de abrasão  A resistência a abrasão de um revestimento é mensurada através de um ensaio de variação de aspecto com o desgaste.  A peça cerâmica é submetida à ação de um dispositivo denominado abrasímetro, que provoca o desgaste por meio de esferas de aço e material abrasivo.
  • 71. Revestimentos Cerâmicos A peça possui boa resistência à abrasão quando o dispositivo precisa de muitos ciclos de operaçãopara provocar algum desgaste. De acordo com a NBR 13817, os revestimentos cerâmicos são divididos em 6 grupos conforme a resistência à abrasão: PEI - Porcelain Enamel Institute
  • 72. Revestimentos Cerâmicos Facilidade de limpeza Os revestimentos cerâmicos são classificados da seguinte maneira em relação a sua facilidadede limpeza:  Os produtos esmaltados normalmente são mais fáceis de limpar. A facilidade de limpeza é uma característica muito importante em locais onde a assepsia e a higiene são fundamentais, como hospitais e cozinhas.  A resistência ao manchamento também é influenciada pela resistência à abrasão, pois pisos que se desgastam commais facilidade estão mais suscetíveis ao manchamento.  A resistência a manchas está relacionada com a ausência de porosidadeinterna abaixo da superfície.
  • 73. Revestimentos Cerâmicos Resistênciaa agentes químicos De acordo com a resistência a agentes químicos os produtos cerâmicos são classificados em três classes: • CLASSE A: elevada resistência a produtos químicos • CLASSE B: média resistência a produtos químicos • CLASSE C: baixa resistência a produtos químicos
  • 74. Revestimentos Cerâmicos A avaliação dos aspectos relacionados à qualidade do revestimento cerâmico é de extrema importância no momento da compra e do recebimento do material. No recebimento do material no canteiro de obras é necessário verificar se a embalagem contém informações como:  marca do fabricante.  tipo de revestimento cerâmico.  tamanhonominal.  tamanhode fabricação.  natureza da superfície.  classe de abrasão.  tonalidadedo produto.  espessura de junta recomendada,entre outras. Critériosde inspeção Os critérios mais específicos para aceitação e rejeição de lotes de material, bem como a descrição de ensaios para determinação de suas propriedades são descritos em detalhes na NBR 13818.
  • 75. Critériospara escolha dos revestimentoscerâmicos Revestimentos Cerâmicos A tabela a seguir apresenta os critérios mínimos recomendados para os revestimentos cerâmicos em função do uso: Importante: Nunca especificar apenas o PEI. A primeira especificação deve ser a absorção de água
  • 76. Aparelhossanitários Também chamados de louças sanitárias. São constituídosde:  lavatórios,  bacias sanitárias,  mictórios. De acordo com o material utilizado na fabricação apresenta a seguinte classificação para as louças sanitárias: • Aparelhos de pó de pedra: também chamados de faiança podem ter corpo branco ou colorido artificialmente. O material é vitrificado, com textura fina e porosa, podendo a absorçãochegar entre 15 e 20%. • Aparelhos de grés branco: também chamados de porcelana sanitária ou grés cerâmico, podem ter corpo branco ou colorido artificialmente. O material possui vitrificação mais avançada que o anterior, resultando num produto com textura fina e não porosa, cuja absorção varia entre 1 e 2%. Louças Sanitárias
  • 77. Em função da diversidade de materiais disponíveis e das inovações no setor, principalmente no que se refere a equipamentos com menor consumo de água, as normas relacionadas às louças sanitárias têm sido constantemente revistas, sendo que atualmenteestão em vigor:  NBR 15097: Aparelhos sanitáriosde material cerâmico. • Parte 1: Requisitos e métodos de ensaios (2011) • Parte 2: Procedimento para instalação (2011)  absorção para qualquerlouça sanitária em 0,5%  a espessura mínima das paredes de qualquer aparelhoem 6 mm. ] Louças Sanitárias
  • 78. Louças Sanitárias A resistência mecânica é determinada por meio de um ensaio específico em que o material é submetido à aplicação de uma carga por meio de prensa, durante 2 minutos. Cada peça deve resistir às cargas apresentadas na tabela sem apresentar fissuras, rachaduras ou outras deformações. Quanto à resistência mecânica, os valores mínimos são apresentados na tabela abaixo, de acordo com o tipo de peça:
  • 79. Louças Sanitárias Formaçãoda massacerâmica A barbotina, massa cerâmica que será moldada e transformada nas louças, é composta por caulim, argila, feldspato e quartzo.  Argila e o caulim são dispersos em água e peneirados.  Adicionam-se o feldspato e o quartzo, que passaram por um processo de moagem a seco.
  • 80. Louças Sanitárias Moldagem da peça São doisos tiposde molde: gesso e resina acrílica.  No gesso, a água da massa é puxada por capilaridade.  Com molde de resina, a massa é aplicada com bastante pressão (até 7 kgf/cm²), o que força a passagem da água.  As peças ficam na área de produção por dois dias, em média, até seguirem para os secadores.
  • 81. Louças Sanitárias Secagem A peça ainda contém cerca de 12% de umidade e vai para uma estufa que a seca totalmente. Elas ficam por oito horas nesse tipo de secador, à temperatura de 100oC.
  • 82. Louças Sanitárias Inspeção Se alguma peça apresenta defeito, é retirada do processo de produção e reaproveitada.O material é redispersado em água e vira barbotina de novo.
  • 83. Louças Sanitárias Esmaltação  A aplicação do esmalte cerâmico é feita manualmente ou por máquinas. O esmalte é à base de água, com calcário, quartzo, feldspato, caulim, opacificante e corante na cor das peças.  A esmaltação é feita individualmente em quase todos os produtos. Só a esmaltação das caixas acopladas de bacias sanitárias é feita de duas em duas peças.
  • 84. Louças Sanitárias Forno O forno, de 100 m de comprimento, é contínuo, ou seja, as peças passam por ele sem parar, no tempo total de 15 horas. No início e no final do forno a temperatura é ambiente, e, no meio, chega a 1.220 oC.
  • 85. Louças Sanitárias Inspeção e expedição Todas as bacias fazem teste de sifonagem: as esferas de plástico simulam resíduos e devem ser eliminadas. Também é feita inspeção visual. Se aprovadas, as peças vão para a expedição.
  • 86.
  • 87. Atividade de pesquisa 1. Pesquisar em edificações em construção ou já construídas, três diferentes larguras de paredes obtidas em função dos diferentes tamanhos de blocos (vedação ou estrutural) e das diferentes maneiras de posicionamento dos mesmos. As fotos devem ser identificadas com o endereço, dia e hora da sua obtenção e o resultado da pesquisa, deverá ser demonstrado por meio de um desenho especificando a espessura nominal da parede e o tipo de assentamentoutilizado. A imagem ou desenho deve ser acompanhada de explicações sobre os seguintes aspectos: • Tipo(s) de bloco(s) foi(ram) usado(s); • Maneira que os blocos foram posicionados para resultar nas dimensões das paredes em questão e justificativaspara sua utilização. • Tamanho de junta de argamassa utilizada, ou seja, o espaço que ficou entre um bloco e outro. • Comentários do grupo. O desenho pode seguir o modelo ao lado:
  • 88. Fórum de discussão 2. As imagens a seguir mostram um tijolo maciço e um bloco cerâmico vazado de vários ângulos e posições diferentes. Com base no que foi estudado, analise e discuta a respeito das qualidades e/ou defeitos que podem ser identificadas através das imagens. Se o grupo identificar algum(uns) defeito(s), deverá relatar a(s) causa(s) que podem ter dado origem ao(s) mesmo(s), bem comentar sobre possíveis problemas na sua utilização.
  • 89. Exercício de observação 3. Monte um acervo de no mínimo, 05 fotos de coberturas e telhados de edificações revestidos com telhas cerâmicas. Em cada caso o grupo deverá identificar qual o tipo de telha utilizada e as particularidades observadas no telhado que se relacionam com os conteúdos estudados. As fotos podem ser dos telhados de suas próprias casas, das casas de familiares, de vizinhos ou outras construções. Pode haver repetição do tipo de telhado em diferentes casas, mas deve-se procurar pelo menos 03 fotografias de tipos de telhas diferentes. Esse relatório deverá conter para cada foto, além das análises já mencionadas anteriormente, o endereço data e hora onde foram tiradas, os dados da construção (casa, loja, condomínio etc) e a identificação do tipo da telha utilizada na edificação.
  • 90. Especificações 4. Com base no que você estudou e no exemplo apresentado abaixo, especifique nas tabelas a seguir as características e requisitos mínimos que deve ter um revestimento cerâmico para ser utilizadonas aplicaçõesdescritas: EXEMPLO: PAREDE DE BANHEIRO RESIDENCIAL – Características: absorção entre 0 e 10%, limpeza com produtos de limpeza fortes, necessidade de resistência média a produtos químicos.
  • 91. a) PISO DE COZINHA – Características: absorção entre 0 e 10%, facilidade de limpeza, resistência à abrasão média, necessidade de resistência média a produtosquímicos. b) PISO DE GARAGEM – Características: absorção menor que 6 %, facilidade de limpeza, resistência à abrasão elevada, necessidade de resistência média a produtos químicos.
  • 92. c) PISO DE DORMITÓRIO – Características: absorção entre 0 e 10%, resistência à abrasão compatível com o uso, necessidade de resistência média a produtos químicos. d) PISO DE SUPERMERCADO – Características: absorção menor que 3%, facilidade de limpeza, resistência à abrasão elevada, necessidade de resistência elevada a produtos químicos.
  • 93. e) FRIGORÍFICO – Características: absorção menor que 0,5%, máxima facilidade de limpeza, resistência à abrasão elevada, necessidade de resistência alta a produtos químicos. f) SALA RESIDENCIAL COM ACESSO À AREA EXTERNA – Características: absorção entre 0 e 10%, facilidade de limpeza, resistência à abrasão compatível com o uso, necessidade de resistência média a produtos químicos.
  • 94. g) INDÚSTRIA DE LATICÍNEOS – Características: absorção menor que 0,5%, máxima facilidade de limpeza, resistência à abrasão elevada, necessidade de resistência alta a produtos químicos. h) PISO DE BANHEIRO RESIDENCIAL – Características: Características: absorção entre 0 e 10%, limpeza com produtos químicos fracos, necessidade de resistência média a produtos químicos.
  • 95. Cálculos 5. O seu grupo é responsável pelo cálculo das quantidades necessárias de blocos cerâmicos (maciços ou vazados) e telhas cerâmicas para a construção da alvenaria e cobertura da casa popularespecificada a seguir. Com os dados fornecidos abaixo, escolha as alvenarias das paredes externas e internas, bem como o tipo ou tipos de blocos e telhas cerâmicas e determine as quantidadesnecessárias para essa obra. • Pé direito único de 2,72 metros. • Espessura de 1cm para as juntas horizontais e verticais. • Não considerar a utilizaçãode juntaseca. • Considere vigas e pilares como alvenaria. • Desconsidere no cálculo da alvenaria os espaços das portas e janelas. • Telhadocom 04 quedas de água, conforme foto ao lado. • Recomenda-se um acréscimo de perda entre 5% a 10% sobre a quantidadede materiais. Demonstre os cálculos efetuados e justifique as escolhas de materiais.