SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
SENAI SÃO PAULO
MARIO AMATO
CERÂMICA
Ayrton Borges
Gabriela Alves
Jéssica policarpo
Marlei dos Santos
Nathalia Lima
2QA
Professor: Reinaldo
CERÂMICA
A palavra cerâmica é derivada da palavra grega “kéramos” que significa "terra
queimada" é um material de imensa resistência, sendo frequentemente encontrado
em escavações arqueológicas.
Existem dois tipos de cerâmica. A cerâmica tradicional que inclui revestimentos,
como ladrilhos, potes, azulejos, vasos, tijolos entre outros. E a cerâmica de
engenharia que são materiais obtidos através de um material puro.
Figura 1 - Produtos feitos de cerâmica vermelha
CERÂMICA VERMELHA
Os produtos da cerâmica vermelha caracterizam-se pela cor vermelha,
representados por tijolos, blocos, telhas, tubos, lajes para forro, lajotas, vasos
ornamentais, agregados leve de argila expandida entre outros.
Cerâmica vermelha são feitas de argila, estás são usadas na fabricação de materiais
de construção de engenharia civil. A indústria oleira no Brasil usa processos de
moldagem manuais, por extrusão e por prensagem. As temperaturas de queima da
argila oscila entre 950°C e 1250°C, conforme a natureza da argila, do produto
cerâmico e do forno utilizado, e as condições econômicas locais. Os produtos
acabados de cerâmica vermelha recebem no estrangeiro, nomes como: structural
clay products, haavy clay products, products de terre cuité e terracota.
Esse é um fluxograma que mostra o processo de fabricação da cerâmica vermelha.
A secagem é a fase do processo que antecede a queima, sendo de crucial
importância no processamento e é ela que falaremos mais especificamente abaixo:
SECAGEM
A secagem é uma das principais operações para a fabricação da cerâmica industrial
que incluem também a preparação da matéria-prima, preparação da massa,
tratamento térmico, acabamento entre outros(fluxograma acima). Após a etapa de
formação, as peças em geral continuam a conter água, proveniente da preparação
da massa. Para evitar defeitos nas peças, é necessário eliminar essa água, de forma
lenta e gradual, em secadores intermitentes ou contínuos, as temperaturas variam
entre 50 ºC e 150 ºC.
Alguns fatores importantes a considerar na escolha do procedimento de secagem
industrial são a temperatura a ser utilizada, tempo de secagem, teor de umidade
final exigido, volume da produção e tipo de equipamento.
Figura 2 - Secagem de telhas de cerâmica
REFERÊNCIAS
http://www.ebah.com.br/content/ABAAAfYZcAC/ceramica-vermelha
http://riodejaneiro.all.biz/produtos-feitos-de-cermica-vermelha
http://pt.wikipedia.org/wiki/Cerâmica
http://www.ebah.com.br/content/ABAAAfregAI/secagem-industrial
http://pt.wikipedia.org/wiki/Cer%C3%A2mica_vermelha

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Cerâmica!!

Aula indústria de cerâmicas.pdf
Aula indústria de cerâmicas.pdfAula indústria de cerâmicas.pdf
Aula indústria de cerâmicas.pdfMAITSILVA5
 
Materiais de construção civil. materiais cerâmicos
Materiais de construção civil. materiais cerâmicosMateriais de construção civil. materiais cerâmicos
Materiais de construção civil. materiais cerâmicosThiagoSantos694
 
Industria da Cerâmica.pptx
Industria da Cerâmica.pptxIndustria da Cerâmica.pptx
Industria da Cerâmica.pptxAndrLuiz622362
 
Aula 9 curso de gestão de obras - materiais cerâmicos
Aula 9   curso de gestão de obras - materiais cerâmicosAula 9   curso de gestão de obras - materiais cerâmicos
Aula 9 curso de gestão de obras - materiais cerâmicosprofNICODEMOS
 
Artigo Tijolos e Alvenaria - no Âmbito da Construção Civil
Artigo   Tijolos e Alvenaria - no Âmbito da Construção CivilArtigo   Tijolos e Alvenaria - no Âmbito da Construção Civil
Artigo Tijolos e Alvenaria - no Âmbito da Construção CivilKleber Marcelo Carvalho .'.
 
Stm tijolos impactos na produção e ultilização
Stm tijolos   impactos na produção e ultilizaçãoStm tijolos   impactos na produção e ultilização
Stm tijolos impactos na produção e ultilizaçãoIcaro Andrade
 
Aula 9 curso de gestão de obras - materiais cerâmico sv2
Aula 9   curso de gestão de obras - materiais cerâmico sv2Aula 9   curso de gestão de obras - materiais cerâmico sv2
Aula 9 curso de gestão de obras - materiais cerâmico sv2profNICODEMOS
 
Resumo sobre Materiais cerâmicos e Tintas
Resumo sobre Materiais cerâmicos e TintasResumo sobre Materiais cerâmicos e Tintas
Resumo sobre Materiais cerâmicos e TintasRodrigo Andrade Brígido
 
Análise do Processo Produtivo dos Tijolos Cerâmicos no Estado do Ceará - Estu...
Análise do Processo Produtivo dos Tijolos Cerâmicos no Estado do Ceará - Estu...Análise do Processo Produtivo dos Tijolos Cerâmicos no Estado do Ceará - Estu...
Análise do Processo Produtivo dos Tijolos Cerâmicos no Estado do Ceará - Estu...weberab
 
reciclagem de cerâmica vermelha no desenvolvimento de argamassas
reciclagem de cerâmica vermelha no desenvolvimento de argamassasreciclagem de cerâmica vermelha no desenvolvimento de argamassas
reciclagem de cerâmica vermelha no desenvolvimento de argamassasPetiano Camilo Bin
 
A extrusão na indústria de cerâmica vermelha no Ceará
A extrusão na indústria de cerâmica vermelha no CearáA extrusão na indústria de cerâmica vermelha no Ceará
A extrusão na indústria de cerâmica vermelha no Cearáweberab
 
Estruturas i capitulo_ii_materiais_ceramicos
Estruturas i capitulo_ii_materiais_ceramicosEstruturas i capitulo_ii_materiais_ceramicos
Estruturas i capitulo_ii_materiais_ceramicosPedro Fernando
 
Cerâmica,
Cerâmica, Cerâmica,
Cerâmica, Az. O.
 

Semelhante a Cerâmica!! (20)

Aula indústria de cerâmicas.pdf
Aula indústria de cerâmicas.pdfAula indústria de cerâmicas.pdf
Aula indústria de cerâmicas.pdf
 
Materiais de construção civil. materiais cerâmicos
Materiais de construção civil. materiais cerâmicosMateriais de construção civil. materiais cerâmicos
Materiais de construção civil. materiais cerâmicos
 
Industria da Cerâmica.pptx
Industria da Cerâmica.pptxIndustria da Cerâmica.pptx
Industria da Cerâmica.pptx
 
P1-2-Introducao.pdf
P1-2-Introducao.pdfP1-2-Introducao.pdf
P1-2-Introducao.pdf
 
Cerâmicas
CerâmicasCerâmicas
Cerâmicas
 
PLACA CERAMICA
PLACA CERAMICAPLACA CERAMICA
PLACA CERAMICA
 
Aula8materiais 120604063301-phpapp01
Aula8materiais 120604063301-phpapp01Aula8materiais 120604063301-phpapp01
Aula8materiais 120604063301-phpapp01
 
Aula 9 curso de gestão de obras - materiais cerâmicos
Aula 9   curso de gestão de obras - materiais cerâmicosAula 9   curso de gestão de obras - materiais cerâmicos
Aula 9 curso de gestão de obras - materiais cerâmicos
 
Artigo Tijolos e Alvenaria - no Âmbito da Construção Civil
Artigo   Tijolos e Alvenaria - no Âmbito da Construção CivilArtigo   Tijolos e Alvenaria - no Âmbito da Construção Civil
Artigo Tijolos e Alvenaria - no Âmbito da Construção Civil
 
Stm tijolos impactos na produção e ultilização
Stm tijolos   impactos na produção e ultilizaçãoStm tijolos   impactos na produção e ultilização
Stm tijolos impactos na produção e ultilização
 
Aula 9 curso de gestão de obras - materiais cerâmico sv2
Aula 9   curso de gestão de obras - materiais cerâmico sv2Aula 9   curso de gestão de obras - materiais cerâmico sv2
Aula 9 curso de gestão de obras - materiais cerâmico sv2
 
Pedra artificial ceramica
Pedra artificial ceramicaPedra artificial ceramica
Pedra artificial ceramica
 
Tijolo ceramico
Tijolo ceramicoTijolo ceramico
Tijolo ceramico
 
Resumo sobre Materiais cerâmicos e Tintas
Resumo sobre Materiais cerâmicos e TintasResumo sobre Materiais cerâmicos e Tintas
Resumo sobre Materiais cerâmicos e Tintas
 
Análise do Processo Produtivo dos Tijolos Cerâmicos no Estado do Ceará - Estu...
Análise do Processo Produtivo dos Tijolos Cerâmicos no Estado do Ceará - Estu...Análise do Processo Produtivo dos Tijolos Cerâmicos no Estado do Ceará - Estu...
Análise do Processo Produtivo dos Tijolos Cerâmicos no Estado do Ceará - Estu...
 
ceramica avancada
ceramica avancadaceramica avancada
ceramica avancada
 
reciclagem de cerâmica vermelha no desenvolvimento de argamassas
reciclagem de cerâmica vermelha no desenvolvimento de argamassasreciclagem de cerâmica vermelha no desenvolvimento de argamassas
reciclagem de cerâmica vermelha no desenvolvimento de argamassas
 
A extrusão na indústria de cerâmica vermelha no Ceará
A extrusão na indústria de cerâmica vermelha no CearáA extrusão na indústria de cerâmica vermelha no Ceará
A extrusão na indústria de cerâmica vermelha no Ceará
 
Estruturas i capitulo_ii_materiais_ceramicos
Estruturas i capitulo_ii_materiais_ceramicosEstruturas i capitulo_ii_materiais_ceramicos
Estruturas i capitulo_ii_materiais_ceramicos
 
Cerâmica,
Cerâmica, Cerâmica,
Cerâmica,
 

Mais de Cristyan Ribeiro (20)

Separação magnetica 1
Separação magnetica 1Separação magnetica 1
Separação magnetica 1
 
Separação magnetica2
Separação magnetica2Separação magnetica2
Separação magnetica2
 
Separação magnetica1
Separação magnetica1Separação magnetica1
Separação magnetica1
 
Separação de misturas sublimação
Separação de misturas sublimaçãoSeparação de misturas sublimação
Separação de misturas sublimação
 
Senai2
Senai2Senai2
Senai2
 
Senai2
Senai2Senai2
Senai2
 
Senai mario amato
Senai mario amatoSenai mario amato
Senai mario amato
 
Reposição de conteúdo bruno luz 2 qa
Reposição de conteúdo bruno luz 2 qaReposição de conteúdo bruno luz 2 qa
Reposição de conteúdo bruno luz 2 qa
 
DESTILAÇÃO ALCOOL
DESTILAÇÃO ALCOOLDESTILAÇÃO ALCOOL
DESTILAÇÃO ALCOOL
 
OPU
OPUOPU
OPU
 
Petrquimica
PetrquimicaPetrquimica
Petrquimica
 
Peneiramento
PeneiramentoPeneiramento
Peneiramento
 
Opu tipos-de-separação
Opu tipos-de-separaçãoOpu tipos-de-separação
Opu tipos-de-separação
 
Opu tipos-de-separação
Opu tipos-de-separaçãoOpu tipos-de-separação
Opu tipos-de-separação
 
Opu
OpuOpu
Opu
 
Opu transformações mecânicas dos plásticos
Opu   transformações mecânicas dos plásticosOpu   transformações mecânicas dos plásticos
Opu transformações mecânicas dos plásticos
 
Framaceutica (2)
Framaceutica (2)Framaceutica (2)
Framaceutica (2)
 
Filtração 2 qa-
Filtração 2 qa-Filtração 2 qa-
Filtração 2 qa-
 
Filtração
FiltraçãoFiltração
Filtração
 
Cosméticos 2 qa
Cosméticos 2 qaCosméticos 2 qa
Cosméticos 2 qa
 

Último

BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacionalBENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacionalDouglasVasconcelosMa
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdflbgsouza
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024azulassessoria9
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarMODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarDouglasVasconcelosMa
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxsfwsoficial
 
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdfAPOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdflbgsouza
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.FLAVIA LEZAN
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 

Último (20)

BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacionalBENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarMODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdfAPOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 

Cerâmica!!

  • 1. SENAI SÃO PAULO MARIO AMATO CERÂMICA Ayrton Borges Gabriela Alves Jéssica policarpo Marlei dos Santos Nathalia Lima 2QA Professor: Reinaldo
  • 2. CERÂMICA A palavra cerâmica é derivada da palavra grega “kéramos” que significa "terra queimada" é um material de imensa resistência, sendo frequentemente encontrado em escavações arqueológicas. Existem dois tipos de cerâmica. A cerâmica tradicional que inclui revestimentos, como ladrilhos, potes, azulejos, vasos, tijolos entre outros. E a cerâmica de engenharia que são materiais obtidos através de um material puro. Figura 1 - Produtos feitos de cerâmica vermelha CERÂMICA VERMELHA Os produtos da cerâmica vermelha caracterizam-se pela cor vermelha, representados por tijolos, blocos, telhas, tubos, lajes para forro, lajotas, vasos ornamentais, agregados leve de argila expandida entre outros. Cerâmica vermelha são feitas de argila, estás são usadas na fabricação de materiais de construção de engenharia civil. A indústria oleira no Brasil usa processos de moldagem manuais, por extrusão e por prensagem. As temperaturas de queima da argila oscila entre 950°C e 1250°C, conforme a natureza da argila, do produto cerâmico e do forno utilizado, e as condições econômicas locais. Os produtos acabados de cerâmica vermelha recebem no estrangeiro, nomes como: structural clay products, haavy clay products, products de terre cuité e terracota.
  • 3. Esse é um fluxograma que mostra o processo de fabricação da cerâmica vermelha. A secagem é a fase do processo que antecede a queima, sendo de crucial importância no processamento e é ela que falaremos mais especificamente abaixo: SECAGEM A secagem é uma das principais operações para a fabricação da cerâmica industrial que incluem também a preparação da matéria-prima, preparação da massa, tratamento térmico, acabamento entre outros(fluxograma acima). Após a etapa de formação, as peças em geral continuam a conter água, proveniente da preparação
  • 4. da massa. Para evitar defeitos nas peças, é necessário eliminar essa água, de forma lenta e gradual, em secadores intermitentes ou contínuos, as temperaturas variam entre 50 ºC e 150 ºC. Alguns fatores importantes a considerar na escolha do procedimento de secagem industrial são a temperatura a ser utilizada, tempo de secagem, teor de umidade final exigido, volume da produção e tipo de equipamento. Figura 2 - Secagem de telhas de cerâmica REFERÊNCIAS http://www.ebah.com.br/content/ABAAAfYZcAC/ceramica-vermelha http://riodejaneiro.all.biz/produtos-feitos-de-cermica-vermelha http://pt.wikipedia.org/wiki/Cerâmica http://www.ebah.com.br/content/ABAAAfregAI/secagem-industrial http://pt.wikipedia.org/wiki/Cer%C3%A2mica_vermelha