SlideShare uma empresa Scribd logo

A geologia de Paracatu - MG

Síntese dos recursos minerais do município de Paracatu - MG: geologia dos depósitos de ouro, zinco e chumbo, produção mineral e problemas correlatos. Palestra proferida na Semana Universitária 2012, da FINOM.

1 de 17
Baixar para ler offline
A Geologia de Paracatu
Palestra proferida na Semana Universitária da FINOM - Maio de 2013
Professor Márcio José dos Santos
Os recursos naturais - solo, água, flora, fauna e minérios – são essenciais à
vida e ao desenvolvimento humano. O município de Paracatu destaca-se pelo
grande valor de seus recursos naturais e, especialmente, de seus recursos
minerais.
O chumbo de Paracatu representa tanto a produção total do Estado quanto
também toda sua reserva medida. 13% das reservas estaduais de zinco, por
sua vez, estariam em Paracatu – mas o município produziria 40% da produção
do estado. O ouro representaria apenas 20% das reservas medidas do Estado,
mas 90% de sua produção.
A razão desta vocação mineral do município de Paracatu está na sequência de
rochas de uma estreita faixa, de aproximadamente 15 km de largura, que se
estende numa direção quase Norte-Sul. Nesta faixa ocorrem dois grupos de
rochas metassedimentares de baixo grau, em contato por falhas de empurrão:
o Grupo Vazante, mais antigo, e o Grupo Canastra, aqui representado pelos
filitos carbonosos com lentes de quartzitos, da Formação Paracatu.
A sequência de rochas do Grupo Vazante é representada por rochas
carbonáticas e pelíticas, metamorfisadas em baixo grau (fácies xisto verde),
estendendo-se cerca de 250 km na direção Norte-Sul. A idade dessas rochas
situa-se próxima de 740 milhões de anos. Para o Grupo Canastra a idade
estimada é acima de 1100 milhões de anos. Os dois grupos de rochas sofreu
metamorfismo regional de baixo grau.
Neves (2001) apresenta a coluna estratigráfica do Grupo Vazante,
sumarizando suas principais características.
A Faixa Vazante-Paracatu representa o distrito mineral responsável por toda a
produção de zinco do Brasil. Nessa faixa ocorrem depósitos com tipologias
distintas de minério:
• Morro Agudo (incluindo-se os depósitos de Ambrósia e Fagundes): rochas
hospedeiras - brechas dolomíticas e dolarenitos, diagênese marinha;
predominância de sulfetos (esfalerita, galena, pirita, marcassita);
• Vazante: silicato de zinco, como a willemita (Zn2SiO4).
A reserva de minério da Mina de Morro Agudo (ano 2005) é 11,7 Mt com 6,4%
Zn e 2,2% Pb. A tabela abaixo revela a importância da Mina de Morro Agudo
na produção de chumbo e zinco.
Fonte: DNPM.
A Mina de Morro Agudo é
subterrânea. As
pesquisas que levaram à
cubagem da jazida e
início da exploração
mineral foram
desenvolvidas pela
METAMIG, empresa que
pertencia ao Estado de
Minas Gerais. Em 1984,
após privatização da
mina, Votorantim, Ingá
(Masa) e Paraibuna de Metais tornaram-se sócias no empreendimento.
Em1988, a Votorantim assumiu o controle total da Mineração Morro Agudo S.A.
Foram reconhecidos no depósito de Morro Agudo três episódios de
mineralização, associados com: substituição da rocha hospedeira,
preenchimento de bolsões e veios e veios e vênulas tardios associados com
microfraturas e falhas essencialmente rúpteis. Todos os episódios de
mineralização são epigenéticos (formados posteriormente à rocha encaixante).
A seção geológica abaixo mostra com clareza a disposição dos corpos de
minério, quase todos situados situados em dolarenitos de brechas
dolareníticas, seccionados por falhas normais. A jazida é limitada, à nordeste,
por uma falha normal, que coloca a zona mineralizada em contato com brecha
dolomítica estéril.
Fonte: Neves (2001).
As imagens apresentadas a seguir são características das rochas
mineralizadas (Fonte: NEVES, 2001).
A geologia de Paracatu - MG
Mina Morro do Ouro
O povoamento da região de Paracatu tem sua origem ligada ao ouro. A data
oficial da descoberta é 9 de maio de 1744, quando José Rodrigues Frois enviou
carta ao governador comunicando que nas cabeceiras do Rio Paracatu havia
ouro em grande quantidade.
O garimpo baseou-se no trabalho escravo, utilizando métodos rudimentares de
separação, como o caixote e a bateia para a concentração do minério, o imã e
o assopramento para retirar os minerais magnéticos presentes na ganga.
A imagem acima foi retirada do filme documentário Morro do Ouro ambição e agonia, do
paracatuense Lavoisier Albernaz, retratando a chegada de uma leva de escravos africanos em
sua chegada à Vila de Paracatu do Príncipe, onde eram comercializados.
Ainda no séc. XVIII, o ouro se esgotou nas aluviões mais superficiais e a vila de
Paracatu entrou em decadência. Os escravos do garimpo foram levados para
outras regiões e atividades. Negros e mulatos livres se dirigiram a outras
regiões ou permaneceram na vila, nas margens dos córregos ou em
povoamentos rurais em torno do Morro do Ouro, onde também havia depósitos
auríferos eluviais e fluviais.
A população pobre de Paracatu, na grande maioria afrodescendente, teve na
técnica de produção do garimpo tradicional, sem utilização de amalgamação
com mercúrio, importante instrumento de sobrevivência, que persistiu desde o
século XVIII até a proibição do garimpo, na década de 1980.
Anúncio

Recomendados

Tipos de rochas sedimentares
Tipos de rochas sedimentaresTipos de rochas sedimentares
Tipos de rochas sedimentaresGéssica Santos
 
Bacia do paraná - Aspectos gerais e geologicos
Bacia do paraná - Aspectos gerais e geologicosBacia do paraná - Aspectos gerais e geologicos
Bacia do paraná - Aspectos gerais e geologicosClara Souza
 
Aula rochas ígneas 2012.2 gg
Aula rochas ígneas 2012.2 ggAula rochas ígneas 2012.2 gg
Aula rochas ígneas 2012.2 ggMauriceia Santana
 
Guia para Microscopia de Minerais em Lâminas Delgadas
Guia para Microscopia de Minerais em Lâminas DelgadasGuia para Microscopia de Minerais em Lâminas Delgadas
Guia para Microscopia de Minerais em Lâminas DelgadasGabriela Leal
 
Os depósitos minerais
Os depósitos mineraisOs depósitos minerais
Os depósitos mineraisMarcio Santos
 
ORIGENS E AMBIENTES TECTÔNICOS DE GRANITOS TIPO A
ORIGENS E AMBIENTES TECTÔNICOS DE GRANITOS TIPO AORIGENS E AMBIENTES TECTÔNICOS DE GRANITOS TIPO A
ORIGENS E AMBIENTES TECTÔNICOS DE GRANITOS TIPO AAstrid Siachoque
 
Geologia estrutural exercício avaliativo 2
Geologia estrutural   exercício avaliativo 2Geologia estrutural   exercício avaliativo 2
Geologia estrutural exercício avaliativo 2marciotecsoma
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Geologia estrutural dobras
Geologia estrutural   dobrasGeologia estrutural   dobras
Geologia estrutural dobrasJose1602Baiona
 
Os Minerais
Os MineraisOs Minerais
Os MineraisCatir
 
Manual de Mineralogia I
Manual de Mineralogia IManual de Mineralogia I
Manual de Mineralogia IGabriela Leal
 
Análise Estrutural - Geologia Estrutural
Análise Estrutural - Geologia EstruturalAnálise Estrutural - Geologia Estrutural
Análise Estrutural - Geologia EstruturalAlesson Guirra
 
Os minerais e as suas características
Os minerais e as suas característicasOs minerais e as suas características
Os minerais e as suas característicasCatir
 
Identificando as rochas aula 1
Identificando as rochas   aula 1Identificando as rochas   aula 1
Identificando as rochas aula 1Marcus Corradini
 
Ambientes de Sedimentação e Tempo Geológico
Ambientes de Sedimentação  e Tempo GeológicoAmbientes de Sedimentação  e Tempo Geológico
Ambientes de Sedimentação e Tempo GeológicoYago Matos
 
Geologia estrutural foliações em rochas
Geologia estrutural   foliações em rochasGeologia estrutural   foliações em rochas
Geologia estrutural foliações em rochasmarciotecsoma
 
Aula Prática - Granulometria e Morfoscópia dos Sedimentos
Aula Prática - Granulometria  e Morfoscópia dos SedimentosAula Prática - Granulometria  e Morfoscópia dos Sedimentos
Aula Prática - Granulometria e Morfoscópia dos SedimentosYago Matos
 
Rochas Sedimentares
Rochas SedimentaresRochas Sedimentares
Rochas SedimentaresJoka Bp
 
1ºRochas MagmáTicas
1ºRochas MagmáTicas1ºRochas MagmáTicas
1ºRochas MagmáTicasArminda Malho
 
Fracionamento de isótopos estáveis
Fracionamento de isótopos estáveisFracionamento de isótopos estáveis
Fracionamento de isótopos estáveisMarcio Santos
 
ciclo rochoso e rochas igneas
ciclo rochoso e rochas igneas ciclo rochoso e rochas igneas
ciclo rochoso e rochas igneas Nice Maia
 
PROSPECÇÃO GEOQUÍMICA DO NÍQUEL
PROSPECÇÃO GEOQUÍMICA DO NÍQUELPROSPECÇÃO GEOQUÍMICA DO NÍQUEL
PROSPECÇÃO GEOQUÍMICA DO NÍQUELViktor Oliveira
 
Geo 13 ambientes sedimentares
Geo 13   ambientes sedimentaresGeo 13   ambientes sedimentares
Geo 13 ambientes sedimentaresNuno Correia
 

Mais procurados (20)

Geologia estrutural dobras
Geologia estrutural   dobrasGeologia estrutural   dobras
Geologia estrutural dobras
 
Geoquímica Aula 1
Geoquímica   Aula 1Geoquímica   Aula 1
Geoquímica Aula 1
 
Rochas metamorficas
Rochas metamorficasRochas metamorficas
Rochas metamorficas
 
Os Minerais
Os MineraisOs Minerais
Os Minerais
 
Manual de Mineralogia I
Manual de Mineralogia IManual de Mineralogia I
Manual de Mineralogia I
 
Análise Estrutural - Geologia Estrutural
Análise Estrutural - Geologia EstruturalAnálise Estrutural - Geologia Estrutural
Análise Estrutural - Geologia Estrutural
 
Os minerais e as suas características
Os minerais e as suas característicasOs minerais e as suas características
Os minerais e as suas características
 
Identificando as rochas aula 1
Identificando as rochas   aula 1Identificando as rochas   aula 1
Identificando as rochas aula 1
 
Aula minerais
Aula mineraisAula minerais
Aula minerais
 
Ambientes de Sedimentação e Tempo Geológico
Ambientes de Sedimentação  e Tempo GeológicoAmbientes de Sedimentação  e Tempo Geológico
Ambientes de Sedimentação e Tempo Geológico
 
Geologia estrutural foliações em rochas
Geologia estrutural   foliações em rochasGeologia estrutural   foliações em rochas
Geologia estrutural foliações em rochas
 
Aula Prática - Granulometria e Morfoscópia dos Sedimentos
Aula Prática - Granulometria  e Morfoscópia dos SedimentosAula Prática - Granulometria  e Morfoscópia dos Sedimentos
Aula Prática - Granulometria e Morfoscópia dos Sedimentos
 
Rochas Sedimentares
Rochas SedimentaresRochas Sedimentares
Rochas Sedimentares
 
1ºRochas MagmáTicas
1ºRochas MagmáTicas1ºRochas MagmáTicas
1ºRochas MagmáTicas
 
Fraturas e falhas
Fraturas e falhasFraturas e falhas
Fraturas e falhas
 
Fracionamento de isótopos estáveis
Fracionamento de isótopos estáveisFracionamento de isótopos estáveis
Fracionamento de isótopos estáveis
 
ciclo rochoso e rochas igneas
ciclo rochoso e rochas igneas ciclo rochoso e rochas igneas
ciclo rochoso e rochas igneas
 
PROSPECÇÃO GEOQUÍMICA DO NÍQUEL
PROSPECÇÃO GEOQUÍMICA DO NÍQUELPROSPECÇÃO GEOQUÍMICA DO NÍQUEL
PROSPECÇÃO GEOQUÍMICA DO NÍQUEL
 
Geologia de Roraima
Geologia de RoraimaGeologia de Roraima
Geologia de Roraima
 
Geo 13 ambientes sedimentares
Geo 13   ambientes sedimentaresGeo 13   ambientes sedimentares
Geo 13 ambientes sedimentares
 

Destaque

Caracterização ambiental paracatu - scribd
Caracterização ambiental   paracatu - scribdCaracterização ambiental   paracatu - scribd
Caracterização ambiental paracatu - scribdProjeto_SACD
 
Turismo cultural fundação_municipal_casa_de_cultura
Turismo cultural fundação_municipal_casa_de_culturaTurismo cultural fundação_municipal_casa_de_cultura
Turismo cultural fundação_municipal_casa_de_culturaArquivo Público de Paracatu
 
SALVEM AS ÁGUAS DE PARACATU - I
SALVEM AS ÁGUAS DE PARACATU - ISALVEM AS ÁGUAS DE PARACATU - I
SALVEM AS ÁGUAS DE PARACATU - ISerranoNeves
 
Pimenta Malagueta maio 2012
Pimenta Malagueta maio 2012Pimenta Malagueta maio 2012
Pimenta Malagueta maio 2012moverptu
 
Recursos minerais e energéticos
Recursos minerais e energéticosRecursos minerais e energéticos
Recursos minerais e energéticosirina joana
 
Recursos Minerais - Mundo e Brasil
Recursos Minerais - Mundo e BrasilRecursos Minerais - Mundo e Brasil
Recursos Minerais - Mundo e BrasilRogério Bartilotti
 
Tema II - História Geológica de uma Região Cartografia
Tema II - História Geológica de uma Região  CartografiaTema II - História Geológica de uma Região  Cartografia
Tema II - História Geológica de uma Região CartografiaIsabel Henriques
 
11 cartografia geologica
11 cartografia geologica11 cartografia geologica
11 cartografia geologicarailano
 
Recursos Minerais e Energéticos
Recursos Minerais e EnergéticosRecursos Minerais e Energéticos
Recursos Minerais e EnergéticosGabriel Caseiro
 
Nr 22 comentada
Nr 22 comentadaNr 22 comentada
Nr 22 comentadastoc3214
 

Destaque (12)

Caracterização ambiental paracatu - scribd
Caracterização ambiental   paracatu - scribdCaracterização ambiental   paracatu - scribd
Caracterização ambiental paracatu - scribd
 
Turismo cultural fundação_municipal_casa_de_cultura
Turismo cultural fundação_municipal_casa_de_culturaTurismo cultural fundação_municipal_casa_de_cultura
Turismo cultural fundação_municipal_casa_de_cultura
 
SALVEM AS ÁGUAS DE PARACATU - I
SALVEM AS ÁGUAS DE PARACATU - ISALVEM AS ÁGUAS DE PARACATU - I
SALVEM AS ÁGUAS DE PARACATU - I
 
Pimenta Malagueta maio 2012
Pimenta Malagueta maio 2012Pimenta Malagueta maio 2012
Pimenta Malagueta maio 2012
 
Recursos minerais e energéticos
Recursos minerais e energéticosRecursos minerais e energéticos
Recursos minerais e energéticos
 
A história da mineração de ouro no Brasil
A história da mineração de ouro no BrasilA história da mineração de ouro no Brasil
A história da mineração de ouro no Brasil
 
Nbr 13441 rochas e solos
Nbr 13441   rochas e solosNbr 13441   rochas e solos
Nbr 13441 rochas e solos
 
Recursos Minerais - Mundo e Brasil
Recursos Minerais - Mundo e BrasilRecursos Minerais - Mundo e Brasil
Recursos Minerais - Mundo e Brasil
 
Tema II - História Geológica de uma Região Cartografia
Tema II - História Geológica de uma Região  CartografiaTema II - História Geológica de uma Região  Cartografia
Tema II - História Geológica de uma Região Cartografia
 
11 cartografia geologica
11 cartografia geologica11 cartografia geologica
11 cartografia geologica
 
Recursos Minerais e Energéticos
Recursos Minerais e EnergéticosRecursos Minerais e Energéticos
Recursos Minerais e Energéticos
 
Nr 22 comentada
Nr 22 comentadaNr 22 comentada
Nr 22 comentada
 

Semelhante a A geologia de Paracatu - MG

Trabalho para o dia 27 e 28 09
Trabalho para o dia 27 e 28 09Trabalho para o dia 27 e 28 09
Trabalho para o dia 27 e 28 09geografiafelipe
 
Recursos Minerais
Recursos MineraisRecursos Minerais
Recursos MineraisFilipe Leal
 
Minas Gerais & Recursos minerais
Minas Gerais & Recursos mineraisMinas Gerais & Recursos minerais
Minas Gerais & Recursos mineraisLara Judith
 
A mineração em Minas gerais - Salesiano 2015
A mineração em Minas gerais - Salesiano 2015A mineração em Minas gerais - Salesiano 2015
A mineração em Minas gerais - Salesiano 2015Matheus Henrique
 
Recursos-Minerais_a4743e40566b4568a489309c9cfbd132.pptx
Recursos-Minerais_a4743e40566b4568a489309c9cfbd132.pptxRecursos-Minerais_a4743e40566b4568a489309c9cfbd132.pptx
Recursos-Minerais_a4743e40566b4568a489309c9cfbd132.pptxssuser9fa580
 
Recursos minerais
Recursos mineraisRecursos minerais
Recursos mineraisGvcs Gaba
 
Recursos Minerais
Recursos MineraisRecursos Minerais
Recursos MineraisFilipe Leal
 
Impactes ambientais em áreas mineiras – Minas da Panasqueira
Impactes ambientais em áreas mineiras – Minas da PanasqueiraImpactes ambientais em áreas mineiras – Minas da Panasqueira
Impactes ambientais em áreas mineiras – Minas da PanasqueiraNelson Correia
 
Brasil recursos minerais
Brasil recursos mineraisBrasil recursos minerais
Brasil recursos mineraisRoberta Sumar
 
Recuros minerais
Recuros mineraisRecuros minerais
Recuros mineraisEspa Cn 8
 
Recursos do Subsolo-2
Recursos do Subsolo-2Recursos do Subsolo-2
Recursos do Subsolo-2Idalina Leite
 
Panorâma atual da exploração de recursos minerais no brasil
Panorâma atual da exploração de recursos minerais no brasilPanorâma atual da exploração de recursos minerais no brasil
Panorâma atual da exploração de recursos minerais no brasilLuiza Macedo
 
GEOGRAFIA A - Síntese 2
GEOGRAFIA A - Síntese 2GEOGRAFIA A - Síntese 2
GEOGRAFIA A - Síntese 2Idalina Leite
 
recursos do subsolo e unidades geomorfológicas ALUNOS.pptx
recursos do subsolo e unidades geomorfológicas ALUNOS.pptxrecursos do subsolo e unidades geomorfológicas ALUNOS.pptx
recursos do subsolo e unidades geomorfológicas ALUNOS.pptxRitaMagalhaes16
 

Semelhante a A geologia de Paracatu - MG (20)

Trabalho para o dia 27 e 28 09
Trabalho para o dia 27 e 28 09Trabalho para o dia 27 e 28 09
Trabalho para o dia 27 e 28 09
 
Recursos Minerais
Recursos MineraisRecursos Minerais
Recursos Minerais
 
Minas Gerais & Recursos minerais
Minas Gerais & Recursos mineraisMinas Gerais & Recursos minerais
Minas Gerais & Recursos minerais
 
A mineração em Minas gerais - Salesiano 2015
A mineração em Minas gerais - Salesiano 2015A mineração em Minas gerais - Salesiano 2015
A mineração em Minas gerais - Salesiano 2015
 
Recursos-Minerais_a4743e40566b4568a489309c9cfbd132.pptx
Recursos-Minerais_a4743e40566b4568a489309c9cfbd132.pptxRecursos-Minerais_a4743e40566b4568a489309c9cfbd132.pptx
Recursos-Minerais_a4743e40566b4568a489309c9cfbd132.pptx
 
GEO: Recursos minerais
GEO: Recursos mineraisGEO: Recursos minerais
GEO: Recursos minerais
 
1º Mc Grupo 07
1º Mc   Grupo 071º Mc   Grupo 07
1º Mc Grupo 07
 
Recursos minerais
Recursos mineraisRecursos minerais
Recursos minerais
 
Recursos Minerais
Recursos MineraisRecursos Minerais
Recursos Minerais
 
Impactes ambientais em áreas mineiras – Minas da Panasqueira
Impactes ambientais em áreas mineiras – Minas da PanasqueiraImpactes ambientais em áreas mineiras – Minas da Panasqueira
Impactes ambientais em áreas mineiras – Minas da Panasqueira
 
Brasil recursos minerais
Brasil recursos mineraisBrasil recursos minerais
Brasil recursos minerais
 
Recursossubsolo
RecursossubsoloRecursossubsolo
Recursossubsolo
 
1471 manganês
1471   manganês1471   manganês
1471 manganês
 
Recuros minerais
Recuros mineraisRecuros minerais
Recuros minerais
 
Recursos do Subsolo-2
Recursos do Subsolo-2Recursos do Subsolo-2
Recursos do Subsolo-2
 
1º Ma Grupo 07
1º Ma   Grupo 071º Ma   Grupo 07
1º Ma Grupo 07
 
Extração de itabirito em MG
Extração de itabirito em MGExtração de itabirito em MG
Extração de itabirito em MG
 
Panorâma atual da exploração de recursos minerais no brasil
Panorâma atual da exploração de recursos minerais no brasilPanorâma atual da exploração de recursos minerais no brasil
Panorâma atual da exploração de recursos minerais no brasil
 
GEOGRAFIA A - Síntese 2
GEOGRAFIA A - Síntese 2GEOGRAFIA A - Síntese 2
GEOGRAFIA A - Síntese 2
 
recursos do subsolo e unidades geomorfológicas ALUNOS.pptx
recursos do subsolo e unidades geomorfológicas ALUNOS.pptxrecursos do subsolo e unidades geomorfológicas ALUNOS.pptx
recursos do subsolo e unidades geomorfológicas ALUNOS.pptx
 

Mais de marciotecsoma

Hidrologia sustentabilidade dos aquíferos
Hidrologia   sustentabilidade dos aquíferosHidrologia   sustentabilidade dos aquíferos
Hidrologia sustentabilidade dos aquíferosmarciotecsoma
 
Geoquímica do solo aula 6
Geoquímica do solo   aula 6Geoquímica do solo   aula 6
Geoquímica do solo aula 6marciotecsoma
 
Geoquímica do solo aula 5
Geoquímica do solo   aula 5Geoquímica do solo   aula 5
Geoquímica do solo aula 5marciotecsoma
 
Impactos sobre os aquiferos
Impactos sobre os aquiferosImpactos sobre os aquiferos
Impactos sobre os aquiferosmarciotecsoma
 
Hidrologia aquíferos
Hidrologia   aquíferosHidrologia   aquíferos
Hidrologia aquíferosmarciotecsoma
 
Hidrologiqa permeabiliade e infiltração
Hidrologiqa   permeabiliade e infiltraçãoHidrologiqa   permeabiliade e infiltração
Hidrologiqa permeabiliade e infiltraçãomarciotecsoma
 
Geoquímica sedimentação e intemperismo
Geoquímica   sedimentação e intemperismoGeoquímica   sedimentação e intemperismo
Geoquímica sedimentação e intemperismomarciotecsoma
 
Hidrologia permeabilidade
Hidrologia   permeabilidadeHidrologia   permeabilidade
Hidrologia permeabilidademarciotecsoma
 
Hidrologia porosidade
Hidrologia   porosidadeHidrologia   porosidade
Hidrologia porosidademarciotecsoma
 
Geoquímica - Dispersão Geoquímica
Geoquímica - Dispersão GeoquímicaGeoquímica - Dispersão Geoquímica
Geoquímica - Dispersão Geoquímicamarciotecsoma
 
Geoquímica Distribuição dos elementos químicos
Geoquímica   Distribuição dos elementos químicosGeoquímica   Distribuição dos elementos químicos
Geoquímica Distribuição dos elementos químicosmarciotecsoma
 
Hidrologia escoamento superficial
Hidrologia   escoamento superficialHidrologia   escoamento superficial
Hidrologia escoamento superficialmarciotecsoma
 
Agua subterrânea aquíferos
Agua subterrânea   aquíferosAgua subterrânea   aquíferos
Agua subterrânea aquíferosmarciotecsoma
 
Ação geológica da água subterrânea
Ação geológica da água subterrâneaAção geológica da água subterrânea
Ação geológica da água subterrâneamarciotecsoma
 
Água subterrânea infiltração
Água subterrânea   infiltraçãoÁgua subterrânea   infiltração
Água subterrânea infiltraçãomarciotecsoma
 
Mapas topográficos e geológicos
Mapas topográficos e geológicosMapas topográficos e geológicos
Mapas topográficos e geológicosmarciotecsoma
 
Hidrologia - Água Subterrânea 1
Hidrologia -  Água Subterrânea 1Hidrologia -  Água Subterrânea 1
Hidrologia - Água Subterrânea 1marciotecsoma
 
Hidrologia aula introdutória
Hidrologia   aula introdutóriaHidrologia   aula introdutória
Hidrologia aula introdutóriamarciotecsoma
 
Geologia estrutural zonas de cisalhamento dúctil
Geologia estrutural   zonas de cisalhamento dúctilGeologia estrutural   zonas de cisalhamento dúctil
Geologia estrutural zonas de cisalhamento dúctilmarciotecsoma
 

Mais de marciotecsoma (20)

Hidrologia sustentabilidade dos aquíferos
Hidrologia   sustentabilidade dos aquíferosHidrologia   sustentabilidade dos aquíferos
Hidrologia sustentabilidade dos aquíferos
 
Geoquímica do solo aula 6
Geoquímica do solo   aula 6Geoquímica do solo   aula 6
Geoquímica do solo aula 6
 
Geoquímica do solo aula 5
Geoquímica do solo   aula 5Geoquímica do solo   aula 5
Geoquímica do solo aula 5
 
Impactos sobre os aquiferos
Impactos sobre os aquiferosImpactos sobre os aquiferos
Impactos sobre os aquiferos
 
Hidrologia aquíferos
Hidrologia   aquíferosHidrologia   aquíferos
Hidrologia aquíferos
 
Hidrologiqa permeabiliade e infiltração
Hidrologiqa   permeabiliade e infiltraçãoHidrologiqa   permeabiliade e infiltração
Hidrologiqa permeabiliade e infiltração
 
Geoquímica sedimentação e intemperismo
Geoquímica   sedimentação e intemperismoGeoquímica   sedimentação e intemperismo
Geoquímica sedimentação e intemperismo
 
Hidrologia permeabilidade
Hidrologia   permeabilidadeHidrologia   permeabilidade
Hidrologia permeabilidade
 
Hdrologia aplicada
Hdrologia aplicadaHdrologia aplicada
Hdrologia aplicada
 
Hidrologia porosidade
Hidrologia   porosidadeHidrologia   porosidade
Hidrologia porosidade
 
Geoquímica - Dispersão Geoquímica
Geoquímica - Dispersão GeoquímicaGeoquímica - Dispersão Geoquímica
Geoquímica - Dispersão Geoquímica
 
Geoquímica Distribuição dos elementos químicos
Geoquímica   Distribuição dos elementos químicosGeoquímica   Distribuição dos elementos químicos
Geoquímica Distribuição dos elementos químicos
 
Hidrologia escoamento superficial
Hidrologia   escoamento superficialHidrologia   escoamento superficial
Hidrologia escoamento superficial
 
Agua subterrânea aquíferos
Agua subterrânea   aquíferosAgua subterrânea   aquíferos
Agua subterrânea aquíferos
 
Ação geológica da água subterrânea
Ação geológica da água subterrâneaAção geológica da água subterrânea
Ação geológica da água subterrânea
 
Água subterrânea infiltração
Água subterrânea   infiltraçãoÁgua subterrânea   infiltração
Água subterrânea infiltração
 
Mapas topográficos e geológicos
Mapas topográficos e geológicosMapas topográficos e geológicos
Mapas topográficos e geológicos
 
Hidrologia - Água Subterrânea 1
Hidrologia -  Água Subterrânea 1Hidrologia -  Água Subterrânea 1
Hidrologia - Água Subterrânea 1
 
Hidrologia aula introdutória
Hidrologia   aula introdutóriaHidrologia   aula introdutória
Hidrologia aula introdutória
 
Geologia estrutural zonas de cisalhamento dúctil
Geologia estrutural   zonas de cisalhamento dúctilGeologia estrutural   zonas de cisalhamento dúctil
Geologia estrutural zonas de cisalhamento dúctil
 

Último

Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...manoelaarmani
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Mary Alvarenga
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...azulassessoriaacadem3
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoTrovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoPaula Meyer Piagentini
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...azulassessoriaacadem3
 
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...excellenceeducaciona
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...azulassessoriaacadem3
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Jean Carlos Nunes Paixão
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...manoelaarmani
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaCentro Jacques Delors
 

Último (20)

Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoTrovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
 
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
 
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
 
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docxGABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
 

A geologia de Paracatu - MG

  • 1. A Geologia de Paracatu Palestra proferida na Semana Universitária da FINOM - Maio de 2013 Professor Márcio José dos Santos Os recursos naturais - solo, água, flora, fauna e minérios – são essenciais à vida e ao desenvolvimento humano. O município de Paracatu destaca-se pelo grande valor de seus recursos naturais e, especialmente, de seus recursos minerais. O chumbo de Paracatu representa tanto a produção total do Estado quanto também toda sua reserva medida. 13% das reservas estaduais de zinco, por sua vez, estariam em Paracatu – mas o município produziria 40% da produção do estado. O ouro representaria apenas 20% das reservas medidas do Estado, mas 90% de sua produção. A razão desta vocação mineral do município de Paracatu está na sequência de rochas de uma estreita faixa, de aproximadamente 15 km de largura, que se estende numa direção quase Norte-Sul. Nesta faixa ocorrem dois grupos de rochas metassedimentares de baixo grau, em contato por falhas de empurrão: o Grupo Vazante, mais antigo, e o Grupo Canastra, aqui representado pelos filitos carbonosos com lentes de quartzitos, da Formação Paracatu.
  • 2. A sequência de rochas do Grupo Vazante é representada por rochas carbonáticas e pelíticas, metamorfisadas em baixo grau (fácies xisto verde), estendendo-se cerca de 250 km na direção Norte-Sul. A idade dessas rochas situa-se próxima de 740 milhões de anos. Para o Grupo Canastra a idade estimada é acima de 1100 milhões de anos. Os dois grupos de rochas sofreu metamorfismo regional de baixo grau. Neves (2001) apresenta a coluna estratigráfica do Grupo Vazante, sumarizando suas principais características. A Faixa Vazante-Paracatu representa o distrito mineral responsável por toda a produção de zinco do Brasil. Nessa faixa ocorrem depósitos com tipologias distintas de minério:
  • 3. • Morro Agudo (incluindo-se os depósitos de Ambrósia e Fagundes): rochas hospedeiras - brechas dolomíticas e dolarenitos, diagênese marinha; predominância de sulfetos (esfalerita, galena, pirita, marcassita); • Vazante: silicato de zinco, como a willemita (Zn2SiO4). A reserva de minério da Mina de Morro Agudo (ano 2005) é 11,7 Mt com 6,4% Zn e 2,2% Pb. A tabela abaixo revela a importância da Mina de Morro Agudo na produção de chumbo e zinco. Fonte: DNPM. A Mina de Morro Agudo é subterrânea. As pesquisas que levaram à cubagem da jazida e início da exploração mineral foram desenvolvidas pela METAMIG, empresa que pertencia ao Estado de Minas Gerais. Em 1984, após privatização da mina, Votorantim, Ingá (Masa) e Paraibuna de Metais tornaram-se sócias no empreendimento. Em1988, a Votorantim assumiu o controle total da Mineração Morro Agudo S.A. Foram reconhecidos no depósito de Morro Agudo três episódios de mineralização, associados com: substituição da rocha hospedeira, preenchimento de bolsões e veios e veios e vênulas tardios associados com microfraturas e falhas essencialmente rúpteis. Todos os episódios de mineralização são epigenéticos (formados posteriormente à rocha encaixante). A seção geológica abaixo mostra com clareza a disposição dos corpos de minério, quase todos situados situados em dolarenitos de brechas dolareníticas, seccionados por falhas normais. A jazida é limitada, à nordeste, por uma falha normal, que coloca a zona mineralizada em contato com brecha dolomítica estéril.
  • 4. Fonte: Neves (2001). As imagens apresentadas a seguir são características das rochas mineralizadas (Fonte: NEVES, 2001).
  • 6. Mina Morro do Ouro O povoamento da região de Paracatu tem sua origem ligada ao ouro. A data oficial da descoberta é 9 de maio de 1744, quando José Rodrigues Frois enviou carta ao governador comunicando que nas cabeceiras do Rio Paracatu havia ouro em grande quantidade. O garimpo baseou-se no trabalho escravo, utilizando métodos rudimentares de separação, como o caixote e a bateia para a concentração do minério, o imã e o assopramento para retirar os minerais magnéticos presentes na ganga. A imagem acima foi retirada do filme documentário Morro do Ouro ambição e agonia, do paracatuense Lavoisier Albernaz, retratando a chegada de uma leva de escravos africanos em sua chegada à Vila de Paracatu do Príncipe, onde eram comercializados. Ainda no séc. XVIII, o ouro se esgotou nas aluviões mais superficiais e a vila de Paracatu entrou em decadência. Os escravos do garimpo foram levados para outras regiões e atividades. Negros e mulatos livres se dirigiram a outras regiões ou permaneceram na vila, nas margens dos córregos ou em povoamentos rurais em torno do Morro do Ouro, onde também havia depósitos auríferos eluviais e fluviais. A população pobre de Paracatu, na grande maioria afrodescendente, teve na técnica de produção do garimpo tradicional, sem utilização de amalgamação com mercúrio, importante instrumento de sobrevivência, que persistiu desde o século XVIII até a proibição do garimpo, na década de 1980.
  • 7. A fotografia acima ilustra a prática do garimpo artesanal no Córrego Rico. Homem e mulher trabalham com instrumentos rudimentares em uma praia do Córrego Rico. Ao fundo, vêem-se as lavadeiras, que também faziam uso das águas limpas daquele córrego. Foto de 1938. (Arq. Público de Paracatu) A Rio Paracatu Mineração (RPM), do grupo inglês RTZ, iniciou a lavra da mina Morro do Ouro, em dezembro de 1987. A mina, em princípio, atingiria a exaustão em 2016, com lavra anual de 17,2 milhões de toneladas de minério, contendo o máximo de 0,7g de ouro por tonelada, associado a sulfetos de arsênio, cobre, ferro e chumbo. O Morro do Ouro é visto na imagem acima, obtida em 1990. Imagem do filme Morro do Ouro ambição e agonia, de Lavoisier Albernaz. Com novos estudos geológicos, foram ampliadas as reservas de minério, o que levou a empresa a desenvolver um projeto de expansão da produção, que
  • 8. passaria de 5.5 t/ano para 15,5 t/ano de ouro, a partir de 2008. Essa expansão foi depois assumida pela empresa canadense Kinross Gold Corporation, que adquiriu integralmente o capital social da empresa em dezembro de 2004. A Mina Morro do Ouro encontra-se na sequência da rochas da Formação Paracatu, situada na base do Grupo Canastra. A Formação Paracatu ocorre dominantemente a norte e a oeste de Paracatu, composta por filitos carbonosos com intercalações e lentes de arenitos quartzíticos impuros. Esta Formação se sobrepõe à Formação Vazante através de falhamentos inversos, escorregamentos ou ainda contatos normais ou transicionais. Localmente, a Formação Paracatu é dividida em duas fácies, denominadas Fácies Morro do Ouro, composta por filitos carbonosos com boudins de quartzo, portadores da mineralização, e Fácies Serra da Anta, composta por quartzitos (SILVA, 2001). A figura abaixo apresenta a sequência litológica da região, mostrando o posicionamento estratigráfico da mineralização aurífera. A Mina Morro do Ouro é, atualmente, a maior mina de ouro do Brasil e aquela que possui o mais baixo teor de ouro do mundo (0,4 g/t). Sua rentabilidade vem pelo fato de ser explorada a céu aberto, com produção de enorme quantidade
  • 9. de minério (61 milhões de toneladas por ano), baixo custo de produção e alto valor de seu produto final. Os aspectos principais da mineralização aurífera do Morro do Ouro podem ser assim resumidos: • Associação com zona de cisalhamento: ouro associado à presença de boudins de quartzo, característicos da zona de cisalhamento. • Relação direta com a presença de sulfetos: os maiores teores de ouro ocorrem onde é maior a presença de sulfetos. • A arsenopirita é o sulfeto característico da zona mineralizada. O minério da Mina Morro do Ouro passa por uma série de tratamentos para a retirada do ouro (e também da prata contida no minério). O processo de beneficiamento passa pelas seguintes fases: o minério é britado, finamente moído e depois submetido a processos de separação gravimétrica e flotação. O concentrado é submetido a processos de hidrometalurgia, eletrólise e refino. A hidrometalurgia consiste de processo de extração do ouro e prata envolvendo reações de dissolução do mineral-minério em meio aquoso. O mineral-minério é a arsenopirita, a qual contém inclusões de ouro; a arsenopirita é dissolvida pelo ataque de cianeto de sódio, deixando o ouro livre. Os problemas ambientais advindos do processo hidrometalúrgico são o uso de cianeto, substância altamente tóxica, e liberação de enorme quantidade de arsênio, considerado o rei dos venenos. A mineradora, para mitigar o impacto do uso do cianeto poderia optar por inativá-lo ao final do processo de beneficiamento, mas não o faz para reduzir custos. Com relação ao arsênio, sua estocagem na barragem de rejeitos potencializa os riscos desse depósito, como fonte de contaminação das águas superficiais e subterrâneas.
  • 10. As imagens, a seguir, ilustram os aspectos dos diferentes tipos de minério da Mina Morro do Ouro. Fonte: SILVA (2001) Fonte: Silva (2001) Fonte: Silva (2001)
  • 11. Boudin mineralizado. Fonte: Henderson (2006). Fonte: Silva (2001)
  • 12. Fonte: Silva (2001) A figura abaixo apresenta uma seção de sondagem ilustrativa do corpo de minério a Mina Morro do Ouro (HENDERSON, 2006). Uma informação importante contida nesta figura é o limite da cava ao final da lavra (linha azul), indicando uma profundidade de mais de 300 m. Seção de sondagem 05N – Vista para Norte
  • 13. Além dos impactos causados ao meio ambiente, este empreendimento mineral, situado junto à zona urbana de Paracatu, trouxe consigo uma série de conflitos socioambientais, na disputa territorial com proprietários de terras, comunidades quilombolas, garimpeiros e comunidades das vizinhanças da mina. A figura abaixo sintetiza as relações territoriais entre a Mina Morro do Ouro e as comunidades do entorno. Nela, pode-se observar que as áreas de lavra e de pesquisa se sobrepõe às zonas urbanas e de comunidades tradicionais. Fonte: Santos (2012) Em Minas Gerais, 90% do ouro é produzido em Paracatu, conforme a tabela abaixo (DNPM, 2005). Entretanto, qual o benefício econômico que a produção mineral deixa em Paracatu, em termos de arrecadação? Ao contrário de outras atividades econômicas, o tributo que recai sobre a produção mineral é irrisório. Embora o bem mineral seja um recurso natural finito, as populações que vivem no território onde se processa a sua extração, pouco se beneficiam dele; ao contrário, as empresas localizadas em regiões distantes, até mesmo em outros países, é que se apossam desse recurso. Ficam para as populações os impactos ambientais e sociais do empreendimento: perda de recursos
  • 14. ambientais (água, flora, fauna, solos), contaminações, doenças e mazelas sociais, como a violência e a pobreza. Um breve período de expansão econômica traz a fantasia de riqueza, que ilude as pessoas. A CFEM - Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais, estabelecida pela Constituição de 1988, em seu Art. 20, § 1o, é devida aos Estados, ao Distrito Federal, aos Municípios, e aos órgãos da administração da União, como contraprestação pela utilização econômica dos recursos minerais em seus respectivos territórios. A Compensação Financeira é calculada sobre o valor do faturamento líquido, obtido por ocasião da venda do produto mineral. Entende-se por faturamento líquido o valor da venda do produto mineral, deduzindo-se os tributos (ICMS, PIS, COFINS), que incidem na comercialização, como também as despesas com transporte e seguro. Incrivelmente, a Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM), único tributo que é cobrado pela exploração mineral, é de apenas 1% para o ouro, um bem mineral sinônimo de riqueza, e de irrisório 0,16% para a prata. A tabela acima apresenta a produção mineral do município de Paracatu em 2012 (DNPM, 2012). Não obstante o fato de Paracatu responder por 90% do ouro produzido em Minas Gerais, 40% do zinco e 100% do chumbo, essa
  • 15. enorme riqueza deixou aqui, em 2012, pouco mais de 11 milhões de reais (65% da CFEM recolhida). A grande riqueza mineral levada embora a troco de migalhas, deixando enorme passivo socioambiental, não é o único aspecto negativo do descaso com que tratamos os recursos econômicos e ambientais. O estudo consubstanciado no relatório Paracatu 2030, elaborado pela Fundação João Pinheiro, aponta outros significativos problemas neste município: • Parte das bacias hidrográficas do município de Paracatu estão comprometidas pelo uso excessivo da água em atividades agropecuárias. Cerca de 800 pivôs centrais, irrigando uma área próxima de 40 mil hectares. • O município de Paracatu tem a maior média de ocorrências de focos de calor 133/ano (indicador de incêndio florestal), entre os 853 municípios mineiros. (IEF) • Existem cerca de 170 mil hectares de pastagens degradadas – de um total existente de 270 mil hectares no município. • O uso excessivo de agrotóxicos : pontos crítico da contaminação das águas e dos solos no Estado e também no município da Paracatu (8,7 kg/ha, volume bem acima do desejável que é 1,5kg/ha (SEMAD). Além desses problemas, o Córrego Rico, símbolo do povoamento de Paracatu, teve suas nascentes bloqueadas pela lavra e suas águas passaram a servir à usina de beneficiamento e duas microbacias hidrográficas - Córrego Santo Antônio e Córrego Machadinho - foram soterradas por barragens de rejeito da mineradora Kinross. Deve-se ter em conta a seguinte advertência: o minério só dá uma safra! Depois de esgotados os recursos minerais, o que ficará no seu lugar?
  • 16. Referências DNPM – Departamento Nacional da Produção Mineral. CFEM – Maiores Arrecadadores. Obtido em: https://sistemas.dnpm.gov.br/arrecadacao/extra/Relatorios/cfem/maiores_arrec adadores.aspx. Acesso: 06/05/2013. HENDERSON, R. D. Paracatu Mine Technical Report. Kinross Gold Corporation July 31, 2006. NEVES, Luiz P. Características descritivas e genéticas do depósito Zn-Pb Morro Agudo, Grupo Vazante. Dissertação (mestrado). Brasília : Universidade de Brasília, Inst. Geociências, Brasília, DF, 2001. SANTOS, Márcio José dos. O ouro e a dialética territorial em Paracatu: opulência e resistência. Dissertação (Mestrado em Planejamento e Gestão Ambiental). Brasília : Universidade Católica de Brasília, 2012. SILVA, Alessandro H. M. Modelagem geológica e estocástica da porção NE da mina de Morro do Ouro, Paracatu (MG). Dissertação (mestrado) Universidade Estadual de Campinas, Inst. Geociências. Campinas, SP.: [s.n.], 2001.
  • 17. SEF-MG – Secretaria Estadual da Fazenda de MG. Arrecadação do Estado de Minas Gerais por Município. Evolução da receita. Obtido em: http://www.fazenda.mg.gov.br/governo/receita_estado/evolucaoreceita/2012/rec eitaconsolidadamunicipio/icmsoutrasreceitas/arrecmunicipio_icms.htm. Acesso: 06/05/2013.