SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Baixar para ler offline
PROCESSO QUÍMICO
INDUSTRIAL DO
CIMENTO
HISTÓRICO
A origem do cimento remonta há cerca de 4.500
anos. Os imponentes monumentos do Egito antigo já
utilizavam uma liga constituída por uma mistura de
gesso calcinado.
O grande passo no desenvolvimento do cimento
foi dado em 1756 pelo inglês John Smeaton , que
conseguiu obter um produto de alta resistência por
meio de calcinação de calcários moles e argilosos.
Em 1818, o francês Louis Vicat obteve o cimento
artificial.
Em 1824, o construtor Joseph Aspdin patenteou
a descoberta, feita pela calcinação argiloso,
batizando-a de cimento Portland.
O cimento é um material cerâmico indispensável na
construção civil, ele é produzido a partir de argila e pedra
calcárea (CaCO3).
Estes dois materiais são moídos, misturados e aquecidos a
altas temperaturas. Durante o aquecimento, ocorrem reações
químicas que liberam CO2 e H2O. O material resultante, o
cimento, é uma mistura de silicatos de cálcio, contendo também
aluminatos de cálcio e de ferro. O cimento obtido é um pó fino,
com propriedades aglomerantes, aglutinantes ou ligantes, que
endurece sob a ação de água.
MATÉRIAS-PRIMAS
 Calcário:
São constituídos basicamente de carbonato
de cálcio CaCO3 e dependendo da sua origem
geológica podem conter várias impurezas, como
óxidos magnésio, silício, alumínio ou ferro.
 Argilas:
São silicatos complexos contendo alumínio e
ferro como cátions principais e potássio,
magnésio, sódio, cálcio, titânio e outros.
A argila fornece os componentes Al2O3,
Fe2O3 e SiO2.
 Gesso:
É um produto de adição final do processo. O
gesso apresenta-se na natureza sob a forma de
gipsita (CaSO4.2H2O), hemi-hidratado ou
bassanita (CaSO4.1/2H2O) e anidrita (CaSO4).
 Pozolana:
É um dos componentes do cimento utilizada
na preparação de argamassas pozolânicas,
misturada com água e cal hidratada, melhorando
as características dos concretos e permitindo a
sua utilização dentro de água.
Contém um elevado teor de sílica reactiva
(SiO2), capaz de reagir com o óxido de cálcio
(CaO), dando origem a silicatos amorfos de
carácter cimentante.
 Escória de alto forno:
Pode ser adicionada ou não, dependendo-
se do tipo de cimento que se quer obter. Os
elementos que participam da composição são
os óxidos de: cálcio (Ca), silício (Si), alumínio
(Al) e magnésio (Mg). São encontrados,
também, em quantidades menores, FeO, MnO,
enxofre, etc.

TIPOS DE CIMENTO PORTLAND
TIPOS DE CIMENTO ADITIVOS APLICAÇÕES
Cimento Portland Comum
(CP I)
CP I - Cimento Portland
Comum
CP I-S – Cimento Portland
Comum com Adição
(NBR 5732)
CP 1, possui somente o
gesso como aditivo.
Adições CP I-S, com 5% de
material pozolânico em
massa.
O Cimento Portland
comum é usado em
serviços de construção em
geral, quando não são
exigidas propriedades
especiais do cimento.
O cimento Portland comum (CP I) é referência, por sua
características e propriedades aos 11 tipos básicos de cimento
Portland disponibilizado no mercado.
Cimento Portland
Composto (CP II)
CP II-E - Cimento Portland
Composto com Escória
CP II-Z - Cimento Portland
Composto com Pozolana
CP II-F - Cimento Portland
Composto com Fíler
(NBR 11578)
Escória
Pozolana
Fíler
Este cimento apresenta melhor
resistência ao ataque dos sulfato
contidos no solo. Recomendado
para obras de construção civil sob a
forma de argamassa, concreto
simples, armado e protendido,
elementos pré-moldados e
artefatos de cimento.
Cimento Portland de Alto-
Forno (CP III)
(com escória - NBR 5735)
Escória
É um cimento que pode ter aplicação
geral em argamassas de
assentamento, revestimento,
argamassa armada, de concreto
simples, armado, protendido,
projetado, rolado, magro e outras.
Cimento Portland
Pozolânico (CP IV - 32)
(com pozolana -NBR 5736) Pozolana (15-50%)
Para obras correntes, sob a forma de
argamassa, concreto simples, armado
e protendido, elementos pré-
moldados e artefatos de cimento. É
especialmente indicado em obras
expostas à ação de água corrente e
ambientes agressivos.
Cimento Portland de
Alta Resistência
Inicial
(CP V-ARI)
(NBR 5733)
Dosagem diferente de
calcário e argila
É recomendado no preparo de concreto
e argamassa para produção de
artefatos de cimento em indústrias de
médio e pequeno porte, como fábricas
de blocos para alvenaria, blocos para
pavimentação, tubos, lajes, meio-fio,
mourões, postes, elementos
arquitetônicos pré-moldados e pré-
fabricados. E em todas as aplicações
que necessitem de resistência inicial
elevada e desforma rápida.
Cimento Portland
Resistente a Sulfatos
(CP - RS)
(NBR 5737)
De acordo com a norma
NBR 5737, cinco tipos
básicos de cimento - CP I,
CP II, CP III, CP IV e CP V-
ARI - podem ser
resistentes aos sulfatos,
desde que se enquadrem
nas exigências específicas.
Onde estão descritos a
seguir:
Pode ser usado em concreto dosado em
central, concreto de alto desempenho,
obras de recuperação estrutural e
industriais, concretos projetado, armado
e protendido, elementos pré-moldados
de concreto, pisos industriais,
pavimentos, argamassa armada,
argamassas e concretos submetidos ao
ataque de meios agressivos, como
estações de tratamento de água e
esgotos, obras em regiões litorâneas,
subterrâneas e marítimas.
Exigências Específicas
 Teor de aluminato tricálcico do clíquer e teor de
adições carbonáticas de máximo 8% e 5% em
massa;
 CP III que contiverem entre 60% e 70% de escória
granulada de alto-forno, em massa;
 CP IV que contiverem entre 25% e 40% de material
pozolânico, em massa;
 Cimentos que tiverem antecedentes de resultados
de ensaios de longa duração ou de obras que
comprovem resistência aos sulfatos.
Cimento Portland de
Baixo Calor de Hidratação
(CP-BC)
(NBR 13116) -
Este tipo de cimento tem a
propriedade de retardar o
desprendimento de calor em peças de
grande massa de concreto, evitando o
aparecimento de fissuras de origem
térmica, devido ao calor desenvolvido
durante a hidratação do cimento
Cimento Portland Branco
(CPB)
(NBR 12989)
A cor branca é obtida
a partir de matérias-
primas com baixos
teores de óxido de
ferro e manganês, em
condições especiais
durante a fabricação,
tais como
resfriamento e
moagem do produto
e, principalmente,
utilizando o CAULIM
no lugar da argila.
Está classificado em dois subtipos:
estrutural e não estrutural. O estrutural
é aplicado em concretos brancos para
fins arquitetônicos, com classes de
resistência 25, 32 e 40, similares às dos
demais tipos de cimento. Já o não
estrutural não tem indicações de classe
e é aplicado, por exemplo, em
rejuntamento de azulejos e em
aplicações não estruturais. Pode ser
utilizado nas mesmas aplicações do
cimento cinza.
FLUXOGRAMA
 Mina ou Larva
Extração/
Britagem
Estocagem/
Dosagem
Moagem/
Homogeneização
Clinquerização
Resfriamento/
Armazenamento
Mistura /
Moagem
Armazenamento/
Expedição
• Mina ou Larva
(calcário)
• Extração
(calcário em
pedaços)
• Estocagem(coa
djuvantes)/
(material cru)
• Moagem
(farinha)
• Cliquerização
(calor)/(Clinquer)
• Mistura
(aditivos)/(gesso)/
(cimento moído)
Cimento
Comercial
EQUIPAMENTOS
CONTROLE DE QUALIDADE
FÍSICOS QUÍMICOS
• DETERMINAÇÃO DE FINURA
POR PENEIRAMENTO.
• RESIDUO INSOLUVEL.
• DETERMINAÇÃO DE FINURA
PELO PERMEABILIMETRO DE
BLAINE.
• DETERMINAÇÃO DE
CaO LIVRE.
• DETERMINAÇÃO DOTEMPO
DE PEGA.
• PEROLA FUNDIDA.
O laboratório controle de qualidade possui funções
especificas pré-estabelecidas dentro de todas as etapas
de produção, realizando analises físicas e químicas
desde a extração nas jazidas até o produto final.
FIM
 ALUNOS :
 ALDO HENRIQUE FRANCISCO DA SILV A REIS
GABRIELLA SÁ LUCENA DA SILVA
GILDILAYNE DE MEDEIROS DA SILVA
MÔNICA DA SILVA BARBOSA
PAULO ROBERTO CRISTO MENDES
SULAMITA CRISTINAVERA CRUZ

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 6 - Cimento Portland - Suelem e Deborah.pptx
Aula 6 - Cimento Portland - Suelem e Deborah.pptxAula 6 - Cimento Portland - Suelem e Deborah.pptx
Aula 6 - Cimento Portland - Suelem e Deborah.pptxrodrigo428042
 
Aula 2 materiais de construcao i-aglomerantes
Aula 2 materiais de construcao i-aglomerantesAula 2 materiais de construcao i-aglomerantes
Aula 2 materiais de construcao i-aglomerantesRafael Erdmann
 
Aula - Aglomerantes.pdf
Aula - Aglomerantes.pdfAula - Aglomerantes.pdf
Aula - Aglomerantes.pdfrodrigo428042
 
Materiais da construção civil1
Materiais da construção civil1Materiais da construção civil1
Materiais da construção civil1Marcus Gonçalves
 
Aglomerantes
AglomerantesAglomerantes
AglomerantesDandaEDF
 
Aula 01 - Introdução aos materiais de construção...pptx
Aula 01 - Introdução aos materiais de construção...pptxAula 01 - Introdução aos materiais de construção...pptx
Aula 01 - Introdução aos materiais de construção...pptxjoelsonvidalvidal
 
6. materiais ceramicos grad
6. materiais ceramicos grad6. materiais ceramicos grad
6. materiais ceramicos gradWilson Xavier
 
Aula8 materiais
Aula8 materiaisAula8 materiais
Aula8 materiaisTiago Cruz
 
Ciências dos Materiais - Aula 10 - Materiais Poliméricos e suas aplicações
Ciências dos Materiais - Aula 10 - Materiais Poliméricos e suas aplicaçõesCiências dos Materiais - Aula 10 - Materiais Poliméricos e suas aplicações
Ciências dos Materiais - Aula 10 - Materiais Poliméricos e suas aplicaçõesFelipe Machado
 
Aula cimento iem
Aula cimento iemAula cimento iem
Aula cimento iemzetec10
 
Materiais de construção básico
Materiais de construção básicoMateriais de construção básico
Materiais de construção básicoBowman Guimaraes
 

Mais procurados (20)

Aglomerantes
AglomerantesAglomerantes
Aglomerantes
 
aula 4 CIMENTO 2023.pptx
aula 4 CIMENTO 2023.pptxaula 4 CIMENTO 2023.pptx
aula 4 CIMENTO 2023.pptx
 
Aula 1 cimento v3
Aula 1   cimento v3Aula 1   cimento v3
Aula 1 cimento v3
 
01
0101
01
 
Aula 6 - Cimento Portland - Suelem e Deborah.pptx
Aula 6 - Cimento Portland - Suelem e Deborah.pptxAula 6 - Cimento Portland - Suelem e Deborah.pptx
Aula 6 - Cimento Portland - Suelem e Deborah.pptx
 
Cerâmicas
CerâmicasCerâmicas
Cerâmicas
 
Aula 2 materiais de construcao i-aglomerantes
Aula 2 materiais de construcao i-aglomerantesAula 2 materiais de construcao i-aglomerantes
Aula 2 materiais de construcao i-aglomerantes
 
Produção de cerâmica
Produção de cerâmicaProdução de cerâmica
Produção de cerâmica
 
Concreto armado 1
Concreto armado 1Concreto armado 1
Concreto armado 1
 
Aula - Aglomerantes.pdf
Aula - Aglomerantes.pdfAula - Aglomerantes.pdf
Aula - Aglomerantes.pdf
 
Materiais da construção civil1
Materiais da construção civil1Materiais da construção civil1
Materiais da construção civil1
 
Aglomerantes
AglomerantesAglomerantes
Aglomerantes
 
Tijolo ceramico
Tijolo ceramicoTijolo ceramico
Tijolo ceramico
 
Aula 01 - Introdução aos materiais de construção...pptx
Aula 01 - Introdução aos materiais de construção...pptxAula 01 - Introdução aos materiais de construção...pptx
Aula 01 - Introdução aos materiais de construção...pptx
 
6. materiais ceramicos grad
6. materiais ceramicos grad6. materiais ceramicos grad
6. materiais ceramicos grad
 
Aula8 materiais
Aula8 materiaisAula8 materiais
Aula8 materiais
 
Ciências dos Materiais - Aula 10 - Materiais Poliméricos e suas aplicações
Ciências dos Materiais - Aula 10 - Materiais Poliméricos e suas aplicaçõesCiências dos Materiais - Aula 10 - Materiais Poliméricos e suas aplicações
Ciências dos Materiais - Aula 10 - Materiais Poliméricos e suas aplicações
 
Aula cimento iem
Aula cimento iemAula cimento iem
Aula cimento iem
 
Termofixos
TermofixosTermofixos
Termofixos
 
Materiais de construção básico
Materiais de construção básicoMateriais de construção básico
Materiais de construção básico
 

Semelhante a Processo químico do cimento em

Cimento portland CP IV
Cimento portland CP IVCimento portland CP IV
Cimento portland CP IVbrendaarc
 
Trabalho de fisica
Trabalho de fisicaTrabalho de fisica
Trabalho de fisicathiagozizu
 
3º e 4 aula agregados e concreto
3º e 4 aula   agregados e concreto3º e 4 aula   agregados e concreto
3º e 4 aula agregados e concretoprofNICODEMOS
 
Boletim técnico cimento - abcp
Boletim técnico   cimento - abcpBoletim técnico   cimento - abcp
Boletim técnico cimento - abcpAndersson Soares
 
28 guia-basico-de-utilizacao-do-cimento-portland
28 guia-basico-de-utilizacao-do-cimento-portland28 guia-basico-de-utilizacao-do-cimento-portland
28 guia-basico-de-utilizacao-do-cimento-portlandwjorge10
 
INDÚSTRIAS DE CIMENTO PORTLAND E CERÂMICA.pptx
INDÚSTRIAS DE CIMENTO PORTLAND E CERÂMICA.pptxINDÚSTRIAS DE CIMENTO PORTLAND E CERÂMICA.pptx
INDÚSTRIAS DE CIMENTO PORTLAND E CERÂMICA.pptxDANILOFERNANDESNEVES
 
Aula 2 cimento e outros aglomerantes v3
Aula 2  cimento e outros aglomerantes v3Aula 2  cimento e outros aglomerantes v3
Aula 2 cimento e outros aglomerantes v3profNICODEMOS
 
Aula 2 cimento e outros aglomerantes
Aula 2  cimento e outros aglomerantes Aula 2  cimento e outros aglomerantes
Aula 2 cimento e outros aglomerantes profNICODEMOS
 
Industria cimenteira e Impermeabilizantes
Industria cimenteira e ImpermeabilizantesIndustria cimenteira e Impermeabilizantes
Industria cimenteira e ImpermeabilizantesLeonardo Rodrigues
 

Semelhante a Processo químico do cimento em (20)

cimento_v.a..ppt
cimento_v.a..pptcimento_v.a..ppt
cimento_v.a..ppt
 
apostila_cimentos.pdf
apostila_cimentos.pdfapostila_cimentos.pdf
apostila_cimentos.pdf
 
Cimento portland CP IV
Cimento portland CP IVCimento portland CP IV
Cimento portland CP IV
 
Trabalho de fisica
Trabalho de fisicaTrabalho de fisica
Trabalho de fisica
 
3º e 4 aula agregados e concreto
3º e 4 aula   agregados e concreto3º e 4 aula   agregados e concreto
3º e 4 aula agregados e concreto
 
AULA 5 - PROPRIEDADES CP pt1
AULA 5  - PROPRIEDADES CP pt1AULA 5  - PROPRIEDADES CP pt1
AULA 5 - PROPRIEDADES CP pt1
 
Boletim técnico cimento - abcp
Boletim técnico   cimento - abcpBoletim técnico   cimento - abcp
Boletim técnico cimento - abcp
 
Cimento portland cp1
Cimento portland cp1Cimento portland cp1
Cimento portland cp1
 
28 guia-basico-de-utilizacao-do-cimento-portland
28 guia-basico-de-utilizacao-do-cimento-portland28 guia-basico-de-utilizacao-do-cimento-portland
28 guia-basico-de-utilizacao-do-cimento-portland
 
INDÚSTRIAS DE CIMENTO PORTLAND E CERÂMICA.pptx
INDÚSTRIAS DE CIMENTO PORTLAND E CERÂMICA.pptxINDÚSTRIAS DE CIMENTO PORTLAND E CERÂMICA.pptx
INDÚSTRIAS DE CIMENTO PORTLAND E CERÂMICA.pptx
 
Aplicação do cimento
Aplicação do cimentoAplicação do cimento
Aplicação do cimento
 
Cimento polimig
Cimento polimigCimento polimig
Cimento polimig
 
Aula de construções
Aula de construçõesAula de construções
Aula de construções
 
Aula 2 cimento e outros aglomerantes v3
Aula 2  cimento e outros aglomerantes v3Aula 2  cimento e outros aglomerantes v3
Aula 2 cimento e outros aglomerantes v3
 
Apostila concreto armado
Apostila concreto armadoApostila concreto armado
Apostila concreto armado
 
Aula 2 cimento e outros aglomerantes
Aula 2  cimento e outros aglomerantes Aula 2  cimento e outros aglomerantes
Aula 2 cimento e outros aglomerantes
 
O Concreto Na Construção Civil
O Concreto Na Construção CivilO Concreto Na Construção Civil
O Concreto Na Construção Civil
 
Faculdade pitágoras
Faculdade pitágorasFaculdade pitágoras
Faculdade pitágoras
 
Industria cimenteira e Impermeabilizantes
Industria cimenteira e ImpermeabilizantesIndustria cimenteira e Impermeabilizantes
Industria cimenteira e Impermeabilizantes
 
Gesso e Cal
Gesso e CalGesso e Cal
Gesso e Cal
 

Mais de Aldo Henrique

Relatorio Ciclo Hexanona
Relatorio Ciclo HexanonaRelatorio Ciclo Hexanona
Relatorio Ciclo HexanonaAldo Henrique
 
Rel 1 bioquimica 2017
Rel 1 bioquimica 2017Rel 1 bioquimica 2017
Rel 1 bioquimica 2017Aldo Henrique
 
Relatório sobre-fermentação-alcoólica
Relatório sobre-fermentação-alcoólicaRelatório sobre-fermentação-alcoólica
Relatório sobre-fermentação-alcoólicaAldo Henrique
 
Atividade vulcânica no brasil
Atividade vulcânica no brasilAtividade vulcânica no brasil
Atividade vulcânica no brasilAldo Henrique
 

Mais de Aldo Henrique (6)

Cilclo do cálcio
Cilclo do cálcioCilclo do cálcio
Cilclo do cálcio
 
Relatorio Ciclo Hexanona
Relatorio Ciclo HexanonaRelatorio Ciclo Hexanona
Relatorio Ciclo Hexanona
 
Rel 1 bioquimica 2017
Rel 1 bioquimica 2017Rel 1 bioquimica 2017
Rel 1 bioquimica 2017
 
Relatório sobre-fermentação-alcoólica
Relatório sobre-fermentação-alcoólicaRelatório sobre-fermentação-alcoólica
Relatório sobre-fermentação-alcoólica
 
Cromatologia
CromatologiaCromatologia
Cromatologia
 
Atividade vulcânica no brasil
Atividade vulcânica no brasilAtividade vulcânica no brasil
Atividade vulcânica no brasil
 

Último

Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalleandroladesenvolvim
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAMCassio Rodrigo
 
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfPLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfAroldoMenezes1
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfMateusSerraRodrigues1
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxjuliocameloUFC
 
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalFISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalPauloHenrique154965
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréGuilhermeLucio9
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraGuilhermeLucio9
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaGuilhermeLucio9
 

Último (9)

Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animal
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
 
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfPLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
 
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalFISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
 

Processo químico do cimento em

  • 2. HISTÓRICO A origem do cimento remonta há cerca de 4.500 anos. Os imponentes monumentos do Egito antigo já utilizavam uma liga constituída por uma mistura de gesso calcinado. O grande passo no desenvolvimento do cimento foi dado em 1756 pelo inglês John Smeaton , que conseguiu obter um produto de alta resistência por meio de calcinação de calcários moles e argilosos. Em 1818, o francês Louis Vicat obteve o cimento artificial. Em 1824, o construtor Joseph Aspdin patenteou a descoberta, feita pela calcinação argiloso, batizando-a de cimento Portland.
  • 3. O cimento é um material cerâmico indispensável na construção civil, ele é produzido a partir de argila e pedra calcárea (CaCO3). Estes dois materiais são moídos, misturados e aquecidos a altas temperaturas. Durante o aquecimento, ocorrem reações químicas que liberam CO2 e H2O. O material resultante, o cimento, é uma mistura de silicatos de cálcio, contendo também aluminatos de cálcio e de ferro. O cimento obtido é um pó fino, com propriedades aglomerantes, aglutinantes ou ligantes, que endurece sob a ação de água.
  • 4.
  • 5. MATÉRIAS-PRIMAS  Calcário: São constituídos basicamente de carbonato de cálcio CaCO3 e dependendo da sua origem geológica podem conter várias impurezas, como óxidos magnésio, silício, alumínio ou ferro.  Argilas: São silicatos complexos contendo alumínio e ferro como cátions principais e potássio, magnésio, sódio, cálcio, titânio e outros. A argila fornece os componentes Al2O3, Fe2O3 e SiO2.
  • 6.  Gesso: É um produto de adição final do processo. O gesso apresenta-se na natureza sob a forma de gipsita (CaSO4.2H2O), hemi-hidratado ou bassanita (CaSO4.1/2H2O) e anidrita (CaSO4).  Pozolana: É um dos componentes do cimento utilizada na preparação de argamassas pozolânicas, misturada com água e cal hidratada, melhorando as características dos concretos e permitindo a sua utilização dentro de água. Contém um elevado teor de sílica reactiva (SiO2), capaz de reagir com o óxido de cálcio (CaO), dando origem a silicatos amorfos de carácter cimentante.
  • 7.  Escória de alto forno: Pode ser adicionada ou não, dependendo- se do tipo de cimento que se quer obter. Os elementos que participam da composição são os óxidos de: cálcio (Ca), silício (Si), alumínio (Al) e magnésio (Mg). São encontrados, também, em quantidades menores, FeO, MnO, enxofre, etc. 
  • 8. TIPOS DE CIMENTO PORTLAND TIPOS DE CIMENTO ADITIVOS APLICAÇÕES Cimento Portland Comum (CP I) CP I - Cimento Portland Comum CP I-S – Cimento Portland Comum com Adição (NBR 5732) CP 1, possui somente o gesso como aditivo. Adições CP I-S, com 5% de material pozolânico em massa. O Cimento Portland comum é usado em serviços de construção em geral, quando não são exigidas propriedades especiais do cimento. O cimento Portland comum (CP I) é referência, por sua características e propriedades aos 11 tipos básicos de cimento Portland disponibilizado no mercado.
  • 9. Cimento Portland Composto (CP II) CP II-E - Cimento Portland Composto com Escória CP II-Z - Cimento Portland Composto com Pozolana CP II-F - Cimento Portland Composto com Fíler (NBR 11578) Escória Pozolana Fíler Este cimento apresenta melhor resistência ao ataque dos sulfato contidos no solo. Recomendado para obras de construção civil sob a forma de argamassa, concreto simples, armado e protendido, elementos pré-moldados e artefatos de cimento. Cimento Portland de Alto- Forno (CP III) (com escória - NBR 5735) Escória É um cimento que pode ter aplicação geral em argamassas de assentamento, revestimento, argamassa armada, de concreto simples, armado, protendido, projetado, rolado, magro e outras. Cimento Portland Pozolânico (CP IV - 32) (com pozolana -NBR 5736) Pozolana (15-50%) Para obras correntes, sob a forma de argamassa, concreto simples, armado e protendido, elementos pré- moldados e artefatos de cimento. É especialmente indicado em obras expostas à ação de água corrente e ambientes agressivos.
  • 10. Cimento Portland de Alta Resistência Inicial (CP V-ARI) (NBR 5733) Dosagem diferente de calcário e argila É recomendado no preparo de concreto e argamassa para produção de artefatos de cimento em indústrias de médio e pequeno porte, como fábricas de blocos para alvenaria, blocos para pavimentação, tubos, lajes, meio-fio, mourões, postes, elementos arquitetônicos pré-moldados e pré- fabricados. E em todas as aplicações que necessitem de resistência inicial elevada e desforma rápida. Cimento Portland Resistente a Sulfatos (CP - RS) (NBR 5737) De acordo com a norma NBR 5737, cinco tipos básicos de cimento - CP I, CP II, CP III, CP IV e CP V- ARI - podem ser resistentes aos sulfatos, desde que se enquadrem nas exigências específicas. Onde estão descritos a seguir: Pode ser usado em concreto dosado em central, concreto de alto desempenho, obras de recuperação estrutural e industriais, concretos projetado, armado e protendido, elementos pré-moldados de concreto, pisos industriais, pavimentos, argamassa armada, argamassas e concretos submetidos ao ataque de meios agressivos, como estações de tratamento de água e esgotos, obras em regiões litorâneas, subterrâneas e marítimas.
  • 11. Exigências Específicas  Teor de aluminato tricálcico do clíquer e teor de adições carbonáticas de máximo 8% e 5% em massa;  CP III que contiverem entre 60% e 70% de escória granulada de alto-forno, em massa;  CP IV que contiverem entre 25% e 40% de material pozolânico, em massa;  Cimentos que tiverem antecedentes de resultados de ensaios de longa duração ou de obras que comprovem resistência aos sulfatos.
  • 12. Cimento Portland de Baixo Calor de Hidratação (CP-BC) (NBR 13116) - Este tipo de cimento tem a propriedade de retardar o desprendimento de calor em peças de grande massa de concreto, evitando o aparecimento de fissuras de origem térmica, devido ao calor desenvolvido durante a hidratação do cimento Cimento Portland Branco (CPB) (NBR 12989) A cor branca é obtida a partir de matérias- primas com baixos teores de óxido de ferro e manganês, em condições especiais durante a fabricação, tais como resfriamento e moagem do produto e, principalmente, utilizando o CAULIM no lugar da argila. Está classificado em dois subtipos: estrutural e não estrutural. O estrutural é aplicado em concretos brancos para fins arquitetônicos, com classes de resistência 25, 32 e 40, similares às dos demais tipos de cimento. Já o não estrutural não tem indicações de classe e é aplicado, por exemplo, em rejuntamento de azulejos e em aplicações não estruturais. Pode ser utilizado nas mesmas aplicações do cimento cinza.
  • 13.
  • 14. FLUXOGRAMA  Mina ou Larva Extração/ Britagem Estocagem/ Dosagem Moagem/ Homogeneização Clinquerização Resfriamento/ Armazenamento Mistura / Moagem Armazenamento/ Expedição • Mina ou Larva (calcário) • Extração (calcário em pedaços) • Estocagem(coa djuvantes)/ (material cru) • Moagem (farinha) • Cliquerização (calor)/(Clinquer) • Mistura (aditivos)/(gesso)/ (cimento moído) Cimento Comercial
  • 16.
  • 17. CONTROLE DE QUALIDADE FÍSICOS QUÍMICOS • DETERMINAÇÃO DE FINURA POR PENEIRAMENTO. • RESIDUO INSOLUVEL. • DETERMINAÇÃO DE FINURA PELO PERMEABILIMETRO DE BLAINE. • DETERMINAÇÃO DE CaO LIVRE. • DETERMINAÇÃO DOTEMPO DE PEGA. • PEROLA FUNDIDA. O laboratório controle de qualidade possui funções especificas pré-estabelecidas dentro de todas as etapas de produção, realizando analises físicas e químicas desde a extração nas jazidas até o produto final.
  • 18. FIM  ALUNOS :  ALDO HENRIQUE FRANCISCO DA SILV A REIS GABRIELLA SÁ LUCENA DA SILVA GILDILAYNE DE MEDEIROS DA SILVA MÔNICA DA SILVA BARBOSA PAULO ROBERTO CRISTO MENDES SULAMITA CRISTINAVERA CRUZ