SlideShare uma empresa Scribd logo
A instituição da República
• A Proclamação da República foi resultado de uma série de fatos
e atendeu aos anseios de grupos socioeconômicos em ascensão,
destacando-se os cafeicultores, os militares e os profissionais
liberais.
A República da Espada (1889-1894
Avenida Paulista em 1910 e em 1935, sob o efeito da
economia cafeeira
Mal. Deodoro
1.1. As primeiras providências tomadas pelo novo
governo:
• Instituição do federalismo;
• Separação entre Igreja e Estado;
1. Governo Provisório do Marechal Deodoro da
Fonseca (1889-1890)
Aristides Lobo, Eduardo Wandenkolk, Quintino Bocaiuva, Demétrio
Ribeiro, Benjamin Constant, Deodoro e Rui Barbosa
• Promulgação da lei de naturalização etc.
Família de
aristocratas
do café
1.2. Rui Barbosa e a Crise do Encilhamento:
• Objetivando promover o desenvolvimento econômico, o governo permitiu a emissão
desenfreada de papel-moeda sem “lastro-ouro”;
Agitação em frente a bolsa de valores no Rio
de Janeiro
Charge de Angelo Agostini sobre o Encilhamento publicada na
Revista Ilustrada em 1890 / FBN, RIO DE JANEIRO
A especulação financeira e as “empresas-
fantasmas”;
A violenta espiral inflacionária foi a principal
consequência.
1.3. Constituição de 1891-
Principais características:
• Instituiu a república
federativa
presidencialista como
forma de governo;
• Tripartição dos poderes
(independentes entre si);
• Voto aberto a todos os
homens maiores de 21
anos, exceto analfabetos,
soldados, padres e
mendigos;
Assembleia Constituinte de 1890
• Venceu “indiretamente” o paulista Prudente de Morais;
• Manteve a postura autoritária que marcou o período provisório,
fechando o Congresso em 3 de novembro de 1891 e decretando
o “Estado de Sítio”;
2. Governo Constitucional de Deodoro da Fonseca
(1891)
Congresso
Nacional
Prudente de Morais
• Em resposta, o contra-almirante Custódio de Melo
organizou uma revolta exigindo a renúncia de
Deodoro da Fonseca, que não resistiu.
Encouraçado Riachuelo
Wandenkolk
Custódio de Melo
• Reabriu o Congresso e
impulsionou a
industrialização, adotando
medidas protecionistas;
congelou preços dos
alimentos e aluguéis;
• Reinterpretando o Artigo 42
da Constituição, concluiu o
mandato de Deodoro,
governando até 1894;
• Responsável por consolidar a
República.
3. Governo Floriano Peixoto (1891-94)
• O “marechal de Ferro” enfrentou duas revoltas
contra seu governo: a Revolta da Armada (1893) e
a Revolta Federalista (1893-95)
Encouraçado Aquidabã
Rio de Janeiro no final do séc. XIX
• No Rio Grande do Sul, Floriano Peixoto apoiou o
Partido Republicano Riograndense (pica-paus),
liderado por Júlio de Castilhos, contra os
federalistas (maragatos) liderados por Silveira
Martins.
Júlio de Castilhos
Silveira Martins
República Oligárquica (1894–1930)República Oligárquica (1894–1930)
A ascensão das oligarquias e
as revoltas da República Velha
Webster Pinheiro
Período em que a aristocracia cafeeira de
São Paulo (estado mais rico e
desenvolvido) e a pecuarista de Minas
Gerais (estado mais populoso) dominaram
o cenário político nacional.
Embarque de café no Porto de Santos, no final do
séc. XIX
1. Governo Prudente de
Morais (1894–1898)
1.1. A Guerra de Canudos
(Sertão da Bahia, 1896–1897)
• O polêmico Antônio Conselheiro:
de Quixeramobim ao sertão da Bahia;
Casa em que se afirma ter vivido
Antônio Conselheiro (e Fausto Nilo) Quixeramobim-CE
• O beato pregava contra a República, o latifúndio e a
miséria dos sertanejos, tornando-se uma ameaça ao
Estado, à Igreja e aos grandes proprietários rurais;
O Conselheiro saiu peregrinando pelo sertão
arregimentando seguidores, construindo e
reformando igrejas e cemitérios.
• A vida na comunidade
de Belo Monte,
às margens do
riacho
Vaza-Barris;
“O sertão vai virar mar e o
mar vai virar sertão.”
(Profecia do
Conselheiro)
• “Haverá quatro fogos: os três primeiros
serão nossos. O quarto a Deus pertence.”
(Profecia de Conselheiro)
Soldados conselheiristas
• As quatro expedições enviadas para destruir a
comunidade de Belo Monte: a 4ª contou com
9.000 homens fortemente armados;
Coronel Moreira César,
o famoso “corta-cabeças”
Marechal
Carlos
Bittencourt
Soldados da 4ª expedição, que destruiu Canudos
• Na antológica obra “Os sertões”, Euclides da
Cunha afirmou: “O sertanejo é antes de tudo um
forte”.
Rio Vaza-Barris
em dois
momentos
distintos
Conselheiro morto
“Canudos não se rendeu. Exemplo único em
toda a história, resistiu até o esgotamento
completo. Expugnado palmo a palmo, na
precisão integral do termo, caiu no dia 5, ao
entardecer, quando caíram os seus últimos
defensores. Eram quatro apenas: um velho,
dois homens feitos e uma criança, na frente
dos quais rugiam raivosamente 5 mil
soldados.”
Assim descreveu Euclides da Cunha o final
dessa tragédia.
2. Governo Campos Sales
(1898–1902)
• 2.1. O Funding-Loan: acordo
financeiro com credores ingleses
visando promover o combate à
inflação e o crescimento econômico
do país.
Campos Sales e
Joaquim
Murtinho em
viagem à
• As bases do Funding-Loan:
1898 1901 1911
Pagamento dos juros do novo empréstimo
Período de
carência Reinício do
pagamento
de toda a
dívida com
mais treze
anos para
sua quitação.
As rendas da Alfândega do RJ e o
controle da Ferrovia Central do
Brasil e da Cia. de Água do RJ
foram as garantias exigidas
pela Casa Rothschild, além de
medidas austeras para a
estabilização econômica.
A saída encontrada por
Campos Sales para honrar
o acordo junto aos nossos
credores ingleses foi
aumentar os impostos e
cortar gastos públicos,
promovendo,
inclusive, o desemprego,
reduzindo o crédito
bancário,
acarretando uma violenta
recessão econômica. No
entanto, nossos governos
atuais não seguem
caminhos diferentes,
como mostra o gráfico
abaixo, de 2001.
2.2. Política dos Governadores: visava assegurar a
estabilidade política impedindo a oposição de
chegar ao poder através de uma troca de favores
entre o governo federal e os governos estaduais.
• A importância da “Comissão de Verificação dos
Poderes”;
• A “degola” assegurava a vitória do governo.
2.3. A política do “café com leite” (PRP + PRM)
Palácio do catete: daqui as aristocracias cafeeiras
de São Paulo e de Minas Gerais ditaram os
rumos da política brasileira por mais de 30 anos.
´
´
O coronelismo e seus mecanismos de sustentação:
• O “voto de cabresto” (curral eleitoral);
• O clientelismo (troca de favores);
* Obs: O voto “aberto” permitia aos grandes proprietários rurais
pressionar os eleitores
Competência de área 3 - Compreender a produção e o
papel histórico das instituições sociais, políticas e
econômicas, associando-as aos diferentes grupos,
conflitos e movimentos sociais.
E agora... ENEM!
H11 - Identificar registros de práticas de grupos sociais no
tempo e no espaço.
3. Governo Rodrigues Alves
(1902–1906)
3.1. Junto ao prefeito Pereira Passos,
modernizou a cidade do Rio de Janeiro;
• o “bota-abaixo” e a reação popular;
Cortiço no RJ,
início do
séc. XIX
A modernização teve um custo
elevadíssimo para os setores
“excluídos” da sociedade carioca.
Sendo praticamente expulsos
do centro, foram obrigados a
ocupar os morros;
3.2. A Revolta da Vacina (Rio de Janeiro, 1904)
• Em meio aos trabalhos de remodelação da
cidade, o médico Osvaldo Cruz lançou uma
campanha contra a varíola, a febre amarela e a
peste bubônica;
Osvaldo Cruz enfrenta a população do Rio de Janeiro
A imposição da vacinação
obrigatória provocou a ira
da população. Apesar do
Estado de Sítio decretado
por Rodrigues Alves, o
governo teve que ceder e
a vacina tornou-se
Barricada durante a Revolta da Vacina
3.3. O Ciclo da Borracha na Amazônia
• Atraiu o interesse de grandes companhias
internacionais e milhares de migrantes,
sobretudo do Nordeste;
• Chegou a representar cerca de 40% de todas
as exportações brasileiras;
Pélas de borracha aguardando embarque
• A borracha proporcionou o desenvolvimento
socioeconômico e estrutural de Manaus;
Palácio Rio Negro Alfândega
Correios e Coluna da Hora
Bonde elétrico
3.4. A Questão do Acre
• Nordestinos
invadiram o território
que pertencia à
Bolívia;
• O espanhol Luiz
Galvez de Arias
proclamou a
República
Independente do
Acre;
• Sem condições de enfrentar os brasileiros
financiados pelos seringalistas, os bolivianos
aceitaram o Tratado de Petrópolis, proposto pelo
Barão do Rio Branco, em 1903.
3.3. O Convênio de Taubaté (1906)
• Os governos de SP, RJ e MG selaram acordo por
uma “política de valorização do café”
• Principais resoluções do Acordo:
Foi fixado o preço da saca de
café (equilíbrio entre oferta e
procura);
Os estados produtores
comprometeram-se a comprar
os excedentes e estocá-los para
vendê-los na época da
entressafra;
Os cafeicultores, por sua vez,
comprometiam-se a reduzir a
produção visando evitar novas
crises;
Estoque de café
de uma supersafra
Importante! Para tanto, os estados contraíram
vultosos empréstimos junto a bancos estrangeiros
e a população era quem arcava com o prejuízo.
Palacete de D. Leopoldina, local de
assinatura do Convênio de Taubaté
4. Governo Afonso Pena
(1906–1909)
• Lema: “Governar é povoar” –
incentivo à imigração;
• Atenção especial às Forças
Armadas;
Encouraçado São Paulo
Navio que
trouxe os
primeiros
imigrante
s
japoneses
para o Brasil
• A participação brasileira na Conferência
Internacional pela Paz, em Haia (1907)
Palácio da Paz, Haia
Rui Barbosa,
a Águia de
Haia
• A sucessão presidencial: Afonso Pena rompe
com o PRP e indica um mineiro;
• O senador Pinheiro Machado responde lançando
o Marechal Hermes da Fonseca;
Pinheiro Machado
Hermes da
Fonseca
• Com a morte de Afonso Pena (junho, 1909),
o vice, Nilo Peçanha, assume;
• Rui Barbosa e a Campanha Civilista.
Nilo Peçanha Rui Barbosa em campanha eleitoral
5. Governo Hermes da Fonseca
(1910–1914)
• A “Política das Salvações”:
visava substituir as antigas
oligarquias e fortalecer o poder
central;
O Salvacionismo chocou-se com os
interesses de Pinheiro Machado,
provocando reações com a Sedição de
Juazeiro, no Ceará.
5.1. Revolta da Chibata (Rio de Janeiro, 1910)
• O recrutamento obrigatório, os baixos soldos e
sobretudo a manutenção de um rigoroso código
disciplinar, açoites e humilhações, foram as
causas;
• João Cândido, o “Almirante Negro”, destacou-
se na liderança;
Encouraçado Minas Gerais
Rio Antigo. Ao fundo pode-se ver a Ilha das Cobras
Marinheiros sendo
conduzidos à prisão
na Ilha das Cobras
Leitura do Decreto
de Anistia
• Em 1969, quando de sua morte, a Assembleia
Legislativa do RS tentou prestar homenagem a
João Cândido, sendo impedida pelo governo
militar (ditatorial).
João Cândido saindo da
cadeia
João Cândido,
velho e
injustiçado
* Apesar da promessa, Hermes da Fonseca não
perdoou os revoltosos;
Há muito tempo nas águas da Guanabara
O dragão do mar reapareceu
Na figura de um bravo feiticeiro
A quem a história não esqueceu
Conhecido como navegante negro
Tinha dignidade de um mestre-sala
E ao acenar pelo mar na alegria das regatas
Salve o navegante negro
Que tem por monumento
As pedras pisadas do cais
O Mestre-Sala dos Mares – João Bosco e Aldir Blanc
5.2. Guerra do Contestado (Sul do país, 1912–1916)
• Região disputada por Santa Catarina e Paraná e
antigo palco de disputas das elites por terras,
marcada também por intenso fanatismo
religioso.
• A liderança messiânica do beato José Maria,
conhecido como milagreiro;
• A extensão da região que passou a receber
grande número de camponeses (caboclos) antes
do conflito assustava as autoridades;
Caboclos vigiados após a rendição
dos revoltosos do Contestado
• As companhias americanas: Brazil Railway
Company e Southern Lumber and Colonization
Company: a primeira encarregada de construir
a ferrovia São Paulo – Rio Grande do Sul
Locomotiva que conduzia ferramentas e
operários para a construção da ferrovia
A Brazil Railway Company, que recebeu do
governo 8km de cada lado da ferrovia, iniciou a
desapropriação das terras ocupadas até então
por posseiros.
• E a segunda, que recebeu imensas extensões
de terras para explorara a madeira, expulsando
os posseiros da região;
• Além disso, os próprios trabalhadores
contratados por essas empresas acabaram
somando-se aos “caboclos” da região.
Em virtude dos intensos conflitos contra os posseiros, as
companhias estrangeiras possuíam sua própria força
armada.
• A Guerra dos “Pelados” contra os “Peludos”;
• O “monge” José Maria defendia uma “Monarquia
Celeste”, na qual não se pagavam impostos, não
havia moedas nem comércio, levando o governo
catarinense à decisão de destruí-la;
• Em Irani, o governo do Paraná combateu
intensamente os membros da comunidade,
levando à morte de José Maria;
• Em 1916, o ministro da Guerra enviou para a
região o general Setembrino de Carvalho munido
de um numeroso exército e de artilharia pesada,
sufocando o movimento;
• A Guerra do Contestado deixou um saldo de 20
mil mortos, atestando que o governo mais uma
vez lutou em defesa dos interesses das elites.
• O conflito começou no governo de Hermes da
Fonseca e se estendeu até o governo de
Venceslau Brás.
Últimos focos de resistência do povo do
Contestado
5.3. Sedição de Juazeiro (Ceará, 1914)
• Um breve histórico do Padre Cícero Romão
Batista, nascido no Crato, em 1844;
• O episódio da Beata Maria de
Araújo;
• O Pacto dos Coronéis: visava manter a família
Accioly no poder em resposta à Política das
Salvações de Hermes da Fonseca;
• A intervenção de Franco Rabelo (1912-1914);
Nogueira
Accioly
Franco
Rabelo
• Os erros de Franco Rabelo: romper com
Pinheiro Machado (PRC) e destituir Padre Cícero
da Prefeitura de Juazeiro do Norte;
• Rabelo mandou invadir Juazeiro do Norte e
derrotar a resistência organizada por Padre
Cícero e Floro Bartolomeu;
Jagunços defendem Juazeiro do
Norte dentro do famoso “Círculo
da Mãe de Deus”
Floro Bartolomeu e
Padre Cícero
• Ao vencer as tropas rabelistas, os sertanejos
comandados por Floro Bartolomeu rumam para
a capital e, após vários combates, levam Franco
Rabelo a renunciar;
• Após a vitória, a oligarquia “acciolysta” retoma
o poder no Ceará, demonstrando que a “Política
Salavcionista” de Hermes da Fonseca não
obteve êxito em nosso Estado.
Comendador
Nogueira Accioly
Floro
Bartolom
eu
Padre Cícero
6. Governo Venceslau
Brás (1914–1918)
• O Pacto de Ouro Fino restabeleceu
a aliança do “café com leite”;
O Menino da Porteira
• A participação do Brasil na Primeira Guerra
Mundial (1914–1918)
Cruzador Bahia em
missão de
patrulha pelo
Atlântico Sul
• O surto industrial: favorecido pela interrupção das
comunicações marítimas e pelo desabastecimento
em virtude de os países beligerantes estarem
direcionados ao esforço de guerra;
.A industrialização permitiu a ascensão de novos
setores sociais, como a burguesia industrial, as
classes médias e o proletariado.
• O movimento operário anarco-sindicalista
inspirado na Revolução Russa e nas conquistas
que o proletariado vinha obtendo na Europa;
Braz, um dos primeiros bairros operários, em
São Paulo, reduto de anarquistas europeus.
• A situação do proletariado brasileiro no início
do século XX
Note-se a presença de crianças trabalhando
As fábricas eram insalubres, escuras, inseguras
e a legislação trabalhista inexistia na época.
Fábrica de tecidos, em Sorocaba, início do século XX
• A Greve Geral de 1917: sua importância para o
movimento operário e a reação do governo a
serviço dos interesses da burguesia industrial.
Enterro do sapateiro Antônio Martinez, cujo
assassinato tornou-se o estopim da
greve geral de 1917.
Cerca de 10 mil pessoas acompanharam o cortejo
fúnebre de Antônio Martinez.
6.1. O Cangaço
“Moço, até hoje o Nordeste só deu três grandes
homens: Lampião, na valentia; Padre Cícero, na
oração; e Delmiro Gouveia, no trabalho.”
Depoimento de um homem do sertão de Alagoas, extraído da revista
História, Editora Três.
• Fenômeno típico do sertão nordestino assolado
por secas periódicas, pelo latifúndio e pelo
descaso a que são submetidos os caboclos;
• Analogia entre
jagunço e cangaceiro:
um serve ao coronel,
o outro o desafia;
X
Antônio Silvino
• Dispostos a sobreviver a qualquer desafio,
atacavam e saqueavam fazendas e vilarejos,
matavam, torturavam e humilhavam a quem
resistisse ou tentasse enfrentá-los; espalhavam o
terror pelo sertão;
X
Policiais, a quem os
cangaceiros chamavam
“macacos”
O bando de Virgulino Ferreira,
o “Rei do Cangaço”
• Lampião simbolizava, ao mesmo tempo, a
resistência à opressão e a violência desmedida;
• Admirado pelos humildes e temido pelos
coronéis;
Virgulino Ferreira
da Silva Lampião e Maria Bonita
Um dos fotógrafos que, com autorização de
Lampião, acompanharam seu bando.
• Em 29 de julho de 1938, Lampião e parte de seu
bando, vítimas de uma emboscada, foram
trucidados por tropas policiais;
Foram mortos:
(1) Lampião,
(2) Maria Bonita,
(3) Elétrico,
(4) Mergulhão,
(5) Luís Pedro,
(6) Enedina,
(7) Alecrim,
(8) Moeda,
(9) Macela,
(10) Quinta-Feira e
(11) Colchete.
• O cangaço lutou contra o coronelismo; no
entanto, não havia o devido esclarecimento por
parte dos cangaceiros para conscientizar o povo
de seus objetivos e fazê-lo apoiar o movimento,
por isso foi extinto nos anos
1940.
Corisco tentou
dar
continuidade
ao cangaço
após a morte
de Lampião
Corisco e Dadá
Angicos-SE, hoje Poço Redondo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
Daniel Alves Bronstrup
 
A República Velha (1889-1930)
A República Velha (1889-1930)A República Velha (1889-1930)
A República Velha (1889-1930)
Isaquel Silva
 
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
Daniel Alves Bronstrup
 
O brasil na primeira republica
O brasil na primeira republicaO brasil na primeira republica
O brasil na primeira republica
Simone P Baldissera
 
3° ano Brasil República Velha
3° ano   Brasil República Velha3° ano   Brasil República Velha
3° ano Brasil República Velha
Daniel Alves Bronstrup
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
eiprofessor
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
Daniel Alves Bronstrup
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
Douglas Barraqui
 
Monarquias nacionais
Monarquias nacionaisMonarquias nacionais
Monarquias nacionais
Rodrigo HistóriaGeografia
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
Douglas Barraqui
 
Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)
Edenilson Morais
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
Paulo Alexandre
 
9º ano Brasil República
9º ano Brasil República9º ano Brasil República
9º ano Brasil República
Expedito Martins
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
Fabiana Tonsis
 
3° ano República da Espada
3° ano   República da Espada3° ano   República da Espada
3° ano República da Espada
Daniel Alves Bronstrup
 
Revoltas Coloniais
Revoltas ColoniaisRevoltas Coloniais
Revoltas Coloniais
Edenilson Morais
 
Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da república
Fabiana Tonsis
 
O populismo no brasil
O populismo no brasilO populismo no brasil
O populismo no brasil
homago
 
Período Democrático (1945-1964)
Período Democrático (1945-1964)Período Democrático (1945-1964)
Período Democrático (1945-1964)
Janaína Tavares
 
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Nefer19
 

Mais procurados (20)

3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
 
A República Velha (1889-1930)
A República Velha (1889-1930)A República Velha (1889-1930)
A República Velha (1889-1930)
 
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
 
O brasil na primeira republica
O brasil na primeira republicaO brasil na primeira republica
O brasil na primeira republica
 
3° ano Brasil República Velha
3° ano   Brasil República Velha3° ano   Brasil República Velha
3° ano Brasil República Velha
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
Monarquias nacionais
Monarquias nacionaisMonarquias nacionais
Monarquias nacionais
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
 
Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
9º ano Brasil República
9º ano Brasil República9º ano Brasil República
9º ano Brasil República
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
3° ano República da Espada
3° ano   República da Espada3° ano   República da Espada
3° ano República da Espada
 
Revoltas Coloniais
Revoltas ColoniaisRevoltas Coloniais
Revoltas Coloniais
 
Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da república
 
O populismo no brasil
O populismo no brasilO populismo no brasil
O populismo no brasil
 
Período Democrático (1945-1964)
Período Democrático (1945-1964)Período Democrático (1945-1964)
Período Democrático (1945-1964)
 
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
 

Destaque

A República Oligárquica - 9º ano
A República Oligárquica - 9º anoA República Oligárquica - 9º ano
A República Oligárquica - 9º ano
Profª Bruna Morrana
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
Professora Natália de Oliveira
 
República Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira ParteRepública Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira Parte
Valéria Shoujofan
 
Da espada a república oligarquica
Da espada a república oligarquicaDa espada a república oligarquica
Da espada a república oligarquica
Douglas Barraqui
 
Brasil - Primeira república
Brasil - Primeira repúblicaBrasil - Primeira república
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
João Medeiros
 
Brasil república 9º ano
Brasil república 9º anoBrasil república 9º ano
Brasil república 9º ano
Eloy Souza
 
Primeira república
Primeira repúblicaPrimeira república
Primeira república
Evanilde Chuva
 
Republica velha resumão
Republica velha resumãoRepublica velha resumão
Republica velha resumão
Fabio Santos
 
BRASIL REPÚBLICA: O INÍCIO
BRASIL REPÚBLICA: O INÍCIO BRASIL REPÚBLICA: O INÍCIO
BRASIL REPÚBLICA: O INÍCIO
carlosbidu
 
Slide república velha
Slide república velhaSlide república velha
Slide república velha
Isabel Aguiar
 
Republica oligarquica
Republica oligarquicaRepublica oligarquica
Republica oligarquica
Ygor Henrique
 
República da espada (1889 1894)
República da espada (1889 1894)República da espada (1889 1894)
República da espada (1889 1894)
Vitor Hugo Almeida
 
A proclamação da república no brasil
A proclamação da república no brasilA proclamação da república no brasil
A proclamação da república no brasil
Lucas Degiovani
 
Brasil primeira republica
Brasil primeira republicaBrasil primeira republica
Brasil primeira republica
sandrabastos2010
 
Movimentos sociais na república velha (1889 1930)
Movimentos sociais na república velha (1889 1930)Movimentos sociais na república velha (1889 1930)
Movimentos sociais na república velha (1889 1930)
Jorge Marcos Oliveira
 
Republica do Cafe com Leite ou das Oligarquias
Republica do Cafe com Leite ou das OligarquiasRepublica do Cafe com Leite ou das Oligarquias
Republica do Cafe com Leite ou das Oligarquias
Pérysson Nogueira
 
Coronelismo
CoronelismoCoronelismo
Coronelismo
Juciane Amanda
 
Tenentismo
TenentismoTenentismo
Tenentismo
João Pedro Haidar
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
Marcia Klein
 

Destaque (20)

A República Oligárquica - 9º ano
A República Oligárquica - 9º anoA República Oligárquica - 9º ano
A República Oligárquica - 9º ano
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
 
República Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira ParteRepública Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira Parte
 
Da espada a república oligarquica
Da espada a república oligarquicaDa espada a república oligarquica
Da espada a república oligarquica
 
Brasil - Primeira república
Brasil - Primeira repúblicaBrasil - Primeira república
Brasil - Primeira república
 
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
 
Brasil república 9º ano
Brasil república 9º anoBrasil república 9º ano
Brasil república 9º ano
 
Primeira república
Primeira repúblicaPrimeira república
Primeira república
 
Republica velha resumão
Republica velha resumãoRepublica velha resumão
Republica velha resumão
 
BRASIL REPÚBLICA: O INÍCIO
BRASIL REPÚBLICA: O INÍCIO BRASIL REPÚBLICA: O INÍCIO
BRASIL REPÚBLICA: O INÍCIO
 
Slide república velha
Slide república velhaSlide república velha
Slide república velha
 
Republica oligarquica
Republica oligarquicaRepublica oligarquica
Republica oligarquica
 
República da espada (1889 1894)
República da espada (1889 1894)República da espada (1889 1894)
República da espada (1889 1894)
 
A proclamação da república no brasil
A proclamação da república no brasilA proclamação da república no brasil
A proclamação da república no brasil
 
Brasil primeira republica
Brasil primeira republicaBrasil primeira republica
Brasil primeira republica
 
Movimentos sociais na república velha (1889 1930)
Movimentos sociais na república velha (1889 1930)Movimentos sociais na república velha (1889 1930)
Movimentos sociais na república velha (1889 1930)
 
Republica do Cafe com Leite ou das Oligarquias
Republica do Cafe com Leite ou das OligarquiasRepublica do Cafe com Leite ou das Oligarquias
Republica do Cafe com Leite ou das Oligarquias
 
Coronelismo
CoronelismoCoronelismo
Coronelismo
 
Tenentismo
TenentismoTenentismo
Tenentismo
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
 

Semelhante a República Oligárquica

Republica velha
Republica velhaRepublica velha
Republica velha
Rodrigo Maltez
 
2° ano - Brasil República Velha
2° ano - Brasil República Velha2° ano - Brasil República Velha
2° ano - Brasil República Velha
Daniel Alves Bronstrup
 
Repblicavelha 120820191628-phpapp01
Repblicavelha 120820191628-phpapp01Repblicavelha 120820191628-phpapp01
Repblicavelha 120820191628-phpapp01
Secretaria de educação do estado e do municipio.
 
repblicavelha-120820191628-phpapp01.pdf
repblicavelha-120820191628-phpapp01.pdfrepblicavelha-120820191628-phpapp01.pdf
repblicavelha-120820191628-phpapp01.pdf
Lídia Pereira Silva Souza
 
Repblicavelha 120820191628-phpapp01
Repblicavelha 120820191628-phpapp01Repblicavelha 120820191628-phpapp01
Repblicavelha 120820191628-phpapp01
Secretaria de educação do estado e do municipio.
 
Republica Velha
Republica Velha Republica Velha
Republica Velha
marlete andrade
 
República velha 2
República velha 2República velha 2
República velha 2
harlissoncarvalho
 
PRIMEIRA REPUBLICA NO BRASIL.pptx
PRIMEIRA REPUBLICA NO BRASIL.pptxPRIMEIRA REPUBLICA NO BRASIL.pptx
PRIMEIRA REPUBLICA NO BRASIL.pptx
ProfessoraValtiliaDi
 
Live do 2 ano republica oligarquica
Live do 2 ano republica oligarquicaLive do 2 ano republica oligarquica
Live do 2 ano republica oligarquica
CarlosNazar1
 
Hist_ria2b_TB.pdf
Hist_ria2b_TB.pdfHist_ria2b_TB.pdf
Hist_ria2b_TB.pdf
GustavoPontes24
 
brasil republica.pdf
brasil republica.pdfbrasil republica.pdf
brasil republica.pdf
rickelmysilva1
 
A república velha 2017
A república velha   2017A república velha   2017
A república velha 2017
Nelia Salles Nantes
 
Revisao 8 serie_1_trim
Revisao 8 serie_1_trimRevisao 8 serie_1_trim
Revisao 8 serie_1_trim
Rafaa Colinii
 
República velha ou
República velha ouRepública velha ou
República velha ou
Victor Melo
 
República velha 4
República velha 4República velha 4
República velha 4
harlissoncarvalho
 
República velha 3
República velha 3República velha 3
República velha 3
harlissoncarvalho
 
Republica velha
Republica velhaRepublica velha
Republica velha
Allan Almeida de Araújo
 
República Velha
República  VelhaRepública  Velha
República Velha
dayanbotelho2
 
2015 República Velha Extensivo
2015 República Velha Extensivo2015 República Velha Extensivo
2015 República Velha Extensivo
MARIANO C7S
 
A República Oligárquica
A República OligárquicaA República Oligárquica
A República Oligárquica
Anncr Nncr
 

Semelhante a República Oligárquica (20)

Republica velha
Republica velhaRepublica velha
Republica velha
 
2° ano - Brasil República Velha
2° ano - Brasil República Velha2° ano - Brasil República Velha
2° ano - Brasil República Velha
 
Repblicavelha 120820191628-phpapp01
Repblicavelha 120820191628-phpapp01Repblicavelha 120820191628-phpapp01
Repblicavelha 120820191628-phpapp01
 
repblicavelha-120820191628-phpapp01.pdf
repblicavelha-120820191628-phpapp01.pdfrepblicavelha-120820191628-phpapp01.pdf
repblicavelha-120820191628-phpapp01.pdf
 
Repblicavelha 120820191628-phpapp01
Repblicavelha 120820191628-phpapp01Repblicavelha 120820191628-phpapp01
Repblicavelha 120820191628-phpapp01
 
Republica Velha
Republica Velha Republica Velha
Republica Velha
 
República velha 2
República velha 2República velha 2
República velha 2
 
PRIMEIRA REPUBLICA NO BRASIL.pptx
PRIMEIRA REPUBLICA NO BRASIL.pptxPRIMEIRA REPUBLICA NO BRASIL.pptx
PRIMEIRA REPUBLICA NO BRASIL.pptx
 
Live do 2 ano republica oligarquica
Live do 2 ano republica oligarquicaLive do 2 ano republica oligarquica
Live do 2 ano republica oligarquica
 
Hist_ria2b_TB.pdf
Hist_ria2b_TB.pdfHist_ria2b_TB.pdf
Hist_ria2b_TB.pdf
 
brasil republica.pdf
brasil republica.pdfbrasil republica.pdf
brasil republica.pdf
 
A república velha 2017
A república velha   2017A república velha   2017
A república velha 2017
 
Revisao 8 serie_1_trim
Revisao 8 serie_1_trimRevisao 8 serie_1_trim
Revisao 8 serie_1_trim
 
República velha ou
República velha ouRepública velha ou
República velha ou
 
República velha 4
República velha 4República velha 4
República velha 4
 
República velha 3
República velha 3República velha 3
República velha 3
 
Republica velha
Republica velhaRepublica velha
Republica velha
 
República Velha
República  VelhaRepública  Velha
República Velha
 
2015 República Velha Extensivo
2015 República Velha Extensivo2015 República Velha Extensivo
2015 República Velha Extensivo
 
A República Oligárquica
A República OligárquicaA República Oligárquica
A República Oligárquica
 

Mais de Portal do Vestibulando

Idade Média - Feudalismo - Reino Franco
Idade Média - Feudalismo - Reino FrancoIdade Média - Feudalismo - Reino Franco
Idade Média - Feudalismo - Reino Franco
Portal do Vestibulando
 
Sociedades Pré-colombianas: Toltecas, Olmecas, Incas, Nazca, Maias, Astecas
Sociedades Pré-colombianas: Toltecas, Olmecas, Incas, Nazca, Maias, AstecasSociedades Pré-colombianas: Toltecas, Olmecas, Incas, Nazca, Maias, Astecas
Sociedades Pré-colombianas: Toltecas, Olmecas, Incas, Nazca, Maias, Astecas
Portal do Vestibulando
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
Portal do Vestibulando
 
Ditadura militar anos de chumbo (1964-1985)
Ditadura militar   anos de chumbo (1964-1985)Ditadura militar   anos de chumbo (1964-1985)
Ditadura militar anos de chumbo (1964-1985)
Portal do Vestibulando
 
07 revolução mexicana
07   revolução mexicana07   revolução mexicana
07 revolução mexicana
Portal do Vestibulando
 
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismoPeríodo entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Portal do Vestibulando
 
Guerra Fria - Atualizada
Guerra Fria - AtualizadaGuerra Fria - Atualizada
Guerra Fria - Atualizada
Portal do Vestibulando
 
Nova República
Nova RepúblicaNova República
Nova República
Portal do Vestibulando
 
Senhora
SenhoraSenhora
Brasil Pré-colonial - contexto histórico
Brasil Pré-colonial - contexto históricoBrasil Pré-colonial - contexto histórico
Brasil Pré-colonial - contexto histórico
Portal do Vestibulando
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Questão Palestina
Questão PalestinaQuestão Palestina
Questão Palestina
Portal do Vestibulando
 
Descolonização afro-asiática
Descolonização afro-asiáticaDescolonização afro-asiática
Descolonização afro-asiática
Portal do Vestibulando
 
África nos tempos de tráfico atlântico
África nos tempos de tráfico atlânticoÁfrica nos tempos de tráfico atlântico
África nos tempos de tráfico atlântico
Portal do Vestibulando
 
Brasil Pré-colonial - contexto histórico
Brasil Pré-colonial - contexto históricoBrasil Pré-colonial - contexto histórico
Brasil Pré-colonial - contexto histórico
Portal do Vestibulando
 
Brasil Colônia: revoltas nativistas e separatistas
Brasil Colônia: revoltas nativistas e separatistasBrasil Colônia: revoltas nativistas e separatistas
Brasil Colônia: revoltas nativistas e separatistas
Portal do Vestibulando
 
Brasil: Economia Colonial
Brasil: Economia ColonialBrasil: Economia Colonial
Brasil: Economia Colonial
Portal do Vestibulando
 
Brasil Pré-colonial - contexto histórico
Brasil Pré-colonial - contexto históricoBrasil Pré-colonial - contexto histórico
Brasil Pré-colonial - contexto histórico
Portal do Vestibulando
 
Cuca Vestibulares - Maratona PSC 1 - Manaus
Cuca Vestibulares - Maratona PSC 1 - ManausCuca Vestibulares - Maratona PSC 1 - Manaus
Cuca Vestibulares - Maratona PSC 1 - Manaus
Portal do Vestibulando
 
Religiões de matriz africana
Religiões de matriz africanaReligiões de matriz africana
Religiões de matriz africana
Portal do Vestibulando
 

Mais de Portal do Vestibulando (20)

Idade Média - Feudalismo - Reino Franco
Idade Média - Feudalismo - Reino FrancoIdade Média - Feudalismo - Reino Franco
Idade Média - Feudalismo - Reino Franco
 
Sociedades Pré-colombianas: Toltecas, Olmecas, Incas, Nazca, Maias, Astecas
Sociedades Pré-colombianas: Toltecas, Olmecas, Incas, Nazca, Maias, AstecasSociedades Pré-colombianas: Toltecas, Olmecas, Incas, Nazca, Maias, Astecas
Sociedades Pré-colombianas: Toltecas, Olmecas, Incas, Nazca, Maias, Astecas
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
 
Ditadura militar anos de chumbo (1964-1985)
Ditadura militar   anos de chumbo (1964-1985)Ditadura militar   anos de chumbo (1964-1985)
Ditadura militar anos de chumbo (1964-1985)
 
07 revolução mexicana
07   revolução mexicana07   revolução mexicana
07 revolução mexicana
 
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismoPeríodo entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
 
Guerra Fria - Atualizada
Guerra Fria - AtualizadaGuerra Fria - Atualizada
Guerra Fria - Atualizada
 
Nova República
Nova RepúblicaNova República
Nova República
 
Senhora
SenhoraSenhora
Senhora
 
Brasil Pré-colonial - contexto histórico
Brasil Pré-colonial - contexto históricoBrasil Pré-colonial - contexto histórico
Brasil Pré-colonial - contexto histórico
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Questão Palestina
Questão PalestinaQuestão Palestina
Questão Palestina
 
Descolonização afro-asiática
Descolonização afro-asiáticaDescolonização afro-asiática
Descolonização afro-asiática
 
África nos tempos de tráfico atlântico
África nos tempos de tráfico atlânticoÁfrica nos tempos de tráfico atlântico
África nos tempos de tráfico atlântico
 
Brasil Pré-colonial - contexto histórico
Brasil Pré-colonial - contexto históricoBrasil Pré-colonial - contexto histórico
Brasil Pré-colonial - contexto histórico
 
Brasil Colônia: revoltas nativistas e separatistas
Brasil Colônia: revoltas nativistas e separatistasBrasil Colônia: revoltas nativistas e separatistas
Brasil Colônia: revoltas nativistas e separatistas
 
Brasil: Economia Colonial
Brasil: Economia ColonialBrasil: Economia Colonial
Brasil: Economia Colonial
 
Brasil Pré-colonial - contexto histórico
Brasil Pré-colonial - contexto históricoBrasil Pré-colonial - contexto histórico
Brasil Pré-colonial - contexto histórico
 
Cuca Vestibulares - Maratona PSC 1 - Manaus
Cuca Vestibulares - Maratona PSC 1 - ManausCuca Vestibulares - Maratona PSC 1 - Manaus
Cuca Vestibulares - Maratona PSC 1 - Manaus
 
Religiões de matriz africana
Religiões de matriz africanaReligiões de matriz africana
Religiões de matriz africana
 

República Oligárquica

  • 1. A instituição da República
  • 2. • A Proclamação da República foi resultado de uma série de fatos e atendeu aos anseios de grupos socioeconômicos em ascensão, destacando-se os cafeicultores, os militares e os profissionais liberais. A República da Espada (1889-1894 Avenida Paulista em 1910 e em 1935, sob o efeito da economia cafeeira Mal. Deodoro
  • 3. 1.1. As primeiras providências tomadas pelo novo governo: • Instituição do federalismo; • Separação entre Igreja e Estado; 1. Governo Provisório do Marechal Deodoro da Fonseca (1889-1890) Aristides Lobo, Eduardo Wandenkolk, Quintino Bocaiuva, Demétrio Ribeiro, Benjamin Constant, Deodoro e Rui Barbosa
  • 4. • Promulgação da lei de naturalização etc. Família de aristocratas do café
  • 5. 1.2. Rui Barbosa e a Crise do Encilhamento: • Objetivando promover o desenvolvimento econômico, o governo permitiu a emissão desenfreada de papel-moeda sem “lastro-ouro”; Agitação em frente a bolsa de valores no Rio de Janeiro Charge de Angelo Agostini sobre o Encilhamento publicada na Revista Ilustrada em 1890 / FBN, RIO DE JANEIRO A especulação financeira e as “empresas- fantasmas”; A violenta espiral inflacionária foi a principal consequência.
  • 6. 1.3. Constituição de 1891- Principais características: • Instituiu a república federativa presidencialista como forma de governo; • Tripartição dos poderes (independentes entre si); • Voto aberto a todos os homens maiores de 21 anos, exceto analfabetos, soldados, padres e mendigos; Assembleia Constituinte de 1890
  • 7. • Venceu “indiretamente” o paulista Prudente de Morais; • Manteve a postura autoritária que marcou o período provisório, fechando o Congresso em 3 de novembro de 1891 e decretando o “Estado de Sítio”; 2. Governo Constitucional de Deodoro da Fonseca (1891) Congresso Nacional Prudente de Morais
  • 8. • Em resposta, o contra-almirante Custódio de Melo organizou uma revolta exigindo a renúncia de Deodoro da Fonseca, que não resistiu. Encouraçado Riachuelo Wandenkolk Custódio de Melo
  • 9. • Reabriu o Congresso e impulsionou a industrialização, adotando medidas protecionistas; congelou preços dos alimentos e aluguéis; • Reinterpretando o Artigo 42 da Constituição, concluiu o mandato de Deodoro, governando até 1894; • Responsável por consolidar a República. 3. Governo Floriano Peixoto (1891-94)
  • 10. • O “marechal de Ferro” enfrentou duas revoltas contra seu governo: a Revolta da Armada (1893) e a Revolta Federalista (1893-95) Encouraçado Aquidabã Rio de Janeiro no final do séc. XIX
  • 11. • No Rio Grande do Sul, Floriano Peixoto apoiou o Partido Republicano Riograndense (pica-paus), liderado por Júlio de Castilhos, contra os federalistas (maragatos) liderados por Silveira Martins. Júlio de Castilhos Silveira Martins
  • 12. República Oligárquica (1894–1930)República Oligárquica (1894–1930) A ascensão das oligarquias e as revoltas da República Velha Webster Pinheiro
  • 13. Período em que a aristocracia cafeeira de São Paulo (estado mais rico e desenvolvido) e a pecuarista de Minas Gerais (estado mais populoso) dominaram o cenário político nacional. Embarque de café no Porto de Santos, no final do séc. XIX
  • 14. 1. Governo Prudente de Morais (1894–1898) 1.1. A Guerra de Canudos (Sertão da Bahia, 1896–1897) • O polêmico Antônio Conselheiro: de Quixeramobim ao sertão da Bahia; Casa em que se afirma ter vivido Antônio Conselheiro (e Fausto Nilo) Quixeramobim-CE
  • 15. • O beato pregava contra a República, o latifúndio e a miséria dos sertanejos, tornando-se uma ameaça ao Estado, à Igreja e aos grandes proprietários rurais;
  • 16. O Conselheiro saiu peregrinando pelo sertão arregimentando seguidores, construindo e reformando igrejas e cemitérios.
  • 17. • A vida na comunidade de Belo Monte, às margens do riacho Vaza-Barris; “O sertão vai virar mar e o mar vai virar sertão.” (Profecia do Conselheiro)
  • 18. • “Haverá quatro fogos: os três primeiros serão nossos. O quarto a Deus pertence.” (Profecia de Conselheiro) Soldados conselheiristas
  • 19. • As quatro expedições enviadas para destruir a comunidade de Belo Monte: a 4ª contou com 9.000 homens fortemente armados; Coronel Moreira César, o famoso “corta-cabeças”
  • 20. Marechal Carlos Bittencourt Soldados da 4ª expedição, que destruiu Canudos
  • 21. • Na antológica obra “Os sertões”, Euclides da Cunha afirmou: “O sertanejo é antes de tudo um forte”.
  • 23. “Canudos não se rendeu. Exemplo único em toda a história, resistiu até o esgotamento completo. Expugnado palmo a palmo, na precisão integral do termo, caiu no dia 5, ao entardecer, quando caíram os seus últimos defensores. Eram quatro apenas: um velho, dois homens feitos e uma criança, na frente dos quais rugiam raivosamente 5 mil soldados.” Assim descreveu Euclides da Cunha o final dessa tragédia.
  • 24. 2. Governo Campos Sales (1898–1902) • 2.1. O Funding-Loan: acordo financeiro com credores ingleses visando promover o combate à inflação e o crescimento econômico do país. Campos Sales e Joaquim Murtinho em viagem à
  • 25. • As bases do Funding-Loan: 1898 1901 1911 Pagamento dos juros do novo empréstimo Período de carência Reinício do pagamento de toda a dívida com mais treze anos para sua quitação. As rendas da Alfândega do RJ e o controle da Ferrovia Central do Brasil e da Cia. de Água do RJ foram as garantias exigidas pela Casa Rothschild, além de medidas austeras para a estabilização econômica.
  • 26. A saída encontrada por Campos Sales para honrar o acordo junto aos nossos credores ingleses foi aumentar os impostos e cortar gastos públicos, promovendo, inclusive, o desemprego, reduzindo o crédito bancário, acarretando uma violenta recessão econômica. No entanto, nossos governos atuais não seguem caminhos diferentes, como mostra o gráfico abaixo, de 2001.
  • 27. 2.2. Política dos Governadores: visava assegurar a estabilidade política impedindo a oposição de chegar ao poder através de uma troca de favores entre o governo federal e os governos estaduais.
  • 28. • A importância da “Comissão de Verificação dos Poderes”; • A “degola” assegurava a vitória do governo.
  • 29. 2.3. A política do “café com leite” (PRP + PRM) Palácio do catete: daqui as aristocracias cafeeiras de São Paulo e de Minas Gerais ditaram os rumos da política brasileira por mais de 30 anos.
  • 30. ´
  • 31.
  • 32. ´
  • 33. O coronelismo e seus mecanismos de sustentação: • O “voto de cabresto” (curral eleitoral); • O clientelismo (troca de favores); * Obs: O voto “aberto” permitia aos grandes proprietários rurais pressionar os eleitores
  • 34.
  • 35.
  • 36. Competência de área 3 - Compreender a produção e o papel histórico das instituições sociais, políticas e econômicas, associando-as aos diferentes grupos, conflitos e movimentos sociais. E agora... ENEM! H11 - Identificar registros de práticas de grupos sociais no tempo e no espaço.
  • 37.
  • 38.
  • 39. 3. Governo Rodrigues Alves (1902–1906) 3.1. Junto ao prefeito Pereira Passos, modernizou a cidade do Rio de Janeiro; • o “bota-abaixo” e a reação popular; Cortiço no RJ, início do séc. XIX
  • 40. A modernização teve um custo elevadíssimo para os setores “excluídos” da sociedade carioca. Sendo praticamente expulsos do centro, foram obrigados a ocupar os morros;
  • 41.
  • 42. 3.2. A Revolta da Vacina (Rio de Janeiro, 1904) • Em meio aos trabalhos de remodelação da cidade, o médico Osvaldo Cruz lançou uma campanha contra a varíola, a febre amarela e a peste bubônica; Osvaldo Cruz enfrenta a população do Rio de Janeiro
  • 43. A imposição da vacinação obrigatória provocou a ira da população. Apesar do Estado de Sítio decretado por Rodrigues Alves, o governo teve que ceder e a vacina tornou-se
  • 44. Barricada durante a Revolta da Vacina
  • 45. 3.3. O Ciclo da Borracha na Amazônia • Atraiu o interesse de grandes companhias internacionais e milhares de migrantes, sobretudo do Nordeste; • Chegou a representar cerca de 40% de todas as exportações brasileiras; Pélas de borracha aguardando embarque
  • 46. • A borracha proporcionou o desenvolvimento socioeconômico e estrutural de Manaus;
  • 47. Palácio Rio Negro Alfândega Correios e Coluna da Hora Bonde elétrico
  • 48. 3.4. A Questão do Acre • Nordestinos invadiram o território que pertencia à Bolívia; • O espanhol Luiz Galvez de Arias proclamou a República Independente do Acre;
  • 49. • Sem condições de enfrentar os brasileiros financiados pelos seringalistas, os bolivianos aceitaram o Tratado de Petrópolis, proposto pelo Barão do Rio Branco, em 1903.
  • 50. 3.3. O Convênio de Taubaté (1906) • Os governos de SP, RJ e MG selaram acordo por uma “política de valorização do café”
  • 51. • Principais resoluções do Acordo: Foi fixado o preço da saca de café (equilíbrio entre oferta e procura); Os estados produtores comprometeram-se a comprar os excedentes e estocá-los para vendê-los na época da entressafra; Os cafeicultores, por sua vez, comprometiam-se a reduzir a produção visando evitar novas crises; Estoque de café de uma supersafra
  • 52. Importante! Para tanto, os estados contraíram vultosos empréstimos junto a bancos estrangeiros e a população era quem arcava com o prejuízo. Palacete de D. Leopoldina, local de assinatura do Convênio de Taubaté
  • 53. 4. Governo Afonso Pena (1906–1909) • Lema: “Governar é povoar” – incentivo à imigração; • Atenção especial às Forças Armadas; Encouraçado São Paulo Navio que trouxe os primeiros imigrante s japoneses para o Brasil
  • 54. • A participação brasileira na Conferência Internacional pela Paz, em Haia (1907) Palácio da Paz, Haia Rui Barbosa, a Águia de Haia
  • 55. • A sucessão presidencial: Afonso Pena rompe com o PRP e indica um mineiro; • O senador Pinheiro Machado responde lançando o Marechal Hermes da Fonseca; Pinheiro Machado Hermes da Fonseca
  • 56. • Com a morte de Afonso Pena (junho, 1909), o vice, Nilo Peçanha, assume; • Rui Barbosa e a Campanha Civilista. Nilo Peçanha Rui Barbosa em campanha eleitoral
  • 57. 5. Governo Hermes da Fonseca (1910–1914) • A “Política das Salvações”: visava substituir as antigas oligarquias e fortalecer o poder central; O Salvacionismo chocou-se com os interesses de Pinheiro Machado, provocando reações com a Sedição de Juazeiro, no Ceará.
  • 58. 5.1. Revolta da Chibata (Rio de Janeiro, 1910) • O recrutamento obrigatório, os baixos soldos e sobretudo a manutenção de um rigoroso código disciplinar, açoites e humilhações, foram as causas; • João Cândido, o “Almirante Negro”, destacou- se na liderança; Encouraçado Minas Gerais
  • 59. Rio Antigo. Ao fundo pode-se ver a Ilha das Cobras Marinheiros sendo conduzidos à prisão na Ilha das Cobras Leitura do Decreto de Anistia
  • 60. • Em 1969, quando de sua morte, a Assembleia Legislativa do RS tentou prestar homenagem a João Cândido, sendo impedida pelo governo militar (ditatorial). João Cândido saindo da cadeia João Cândido, velho e injustiçado * Apesar da promessa, Hermes da Fonseca não perdoou os revoltosos;
  • 61. Há muito tempo nas águas da Guanabara O dragão do mar reapareceu Na figura de um bravo feiticeiro A quem a história não esqueceu Conhecido como navegante negro Tinha dignidade de um mestre-sala E ao acenar pelo mar na alegria das regatas Salve o navegante negro Que tem por monumento As pedras pisadas do cais O Mestre-Sala dos Mares – João Bosco e Aldir Blanc
  • 62. 5.2. Guerra do Contestado (Sul do país, 1912–1916) • Região disputada por Santa Catarina e Paraná e antigo palco de disputas das elites por terras, marcada também por intenso fanatismo religioso.
  • 63. • A liderança messiânica do beato José Maria, conhecido como milagreiro; • A extensão da região que passou a receber grande número de camponeses (caboclos) antes do conflito assustava as autoridades; Caboclos vigiados após a rendição dos revoltosos do Contestado
  • 64. • As companhias americanas: Brazil Railway Company e Southern Lumber and Colonization Company: a primeira encarregada de construir a ferrovia São Paulo – Rio Grande do Sul Locomotiva que conduzia ferramentas e operários para a construção da ferrovia
  • 65. A Brazil Railway Company, que recebeu do governo 8km de cada lado da ferrovia, iniciou a desapropriação das terras ocupadas até então por posseiros.
  • 66. • E a segunda, que recebeu imensas extensões de terras para explorara a madeira, expulsando os posseiros da região; • Além disso, os próprios trabalhadores contratados por essas empresas acabaram somando-se aos “caboclos” da região.
  • 67. Em virtude dos intensos conflitos contra os posseiros, as companhias estrangeiras possuíam sua própria força armada.
  • 68. • A Guerra dos “Pelados” contra os “Peludos”; • O “monge” José Maria defendia uma “Monarquia Celeste”, na qual não se pagavam impostos, não havia moedas nem comércio, levando o governo catarinense à decisão de destruí-la;
  • 69.
  • 70. • Em Irani, o governo do Paraná combateu intensamente os membros da comunidade, levando à morte de José Maria;
  • 71. • Em 1916, o ministro da Guerra enviou para a região o general Setembrino de Carvalho munido de um numeroso exército e de artilharia pesada, sufocando o movimento;
  • 72. • A Guerra do Contestado deixou um saldo de 20 mil mortos, atestando que o governo mais uma vez lutou em defesa dos interesses das elites. • O conflito começou no governo de Hermes da Fonseca e se estendeu até o governo de Venceslau Brás. Últimos focos de resistência do povo do Contestado
  • 73. 5.3. Sedição de Juazeiro (Ceará, 1914) • Um breve histórico do Padre Cícero Romão Batista, nascido no Crato, em 1844; • O episódio da Beata Maria de Araújo;
  • 74. • O Pacto dos Coronéis: visava manter a família Accioly no poder em resposta à Política das Salvações de Hermes da Fonseca; • A intervenção de Franco Rabelo (1912-1914); Nogueira Accioly Franco Rabelo
  • 75. • Os erros de Franco Rabelo: romper com Pinheiro Machado (PRC) e destituir Padre Cícero da Prefeitura de Juazeiro do Norte;
  • 76. • Rabelo mandou invadir Juazeiro do Norte e derrotar a resistência organizada por Padre Cícero e Floro Bartolomeu; Jagunços defendem Juazeiro do Norte dentro do famoso “Círculo da Mãe de Deus” Floro Bartolomeu e Padre Cícero
  • 77. • Ao vencer as tropas rabelistas, os sertanejos comandados por Floro Bartolomeu rumam para a capital e, após vários combates, levam Franco Rabelo a renunciar;
  • 78. • Após a vitória, a oligarquia “acciolysta” retoma o poder no Ceará, demonstrando que a “Política Salavcionista” de Hermes da Fonseca não obteve êxito em nosso Estado. Comendador Nogueira Accioly Floro Bartolom eu Padre Cícero
  • 79. 6. Governo Venceslau Brás (1914–1918) • O Pacto de Ouro Fino restabeleceu a aliança do “café com leite”; O Menino da Porteira
  • 80. • A participação do Brasil na Primeira Guerra Mundial (1914–1918) Cruzador Bahia em missão de patrulha pelo Atlântico Sul
  • 81. • O surto industrial: favorecido pela interrupção das comunicações marítimas e pelo desabastecimento em virtude de os países beligerantes estarem direcionados ao esforço de guerra; .A industrialização permitiu a ascensão de novos setores sociais, como a burguesia industrial, as classes médias e o proletariado.
  • 82. • O movimento operário anarco-sindicalista inspirado na Revolução Russa e nas conquistas que o proletariado vinha obtendo na Europa; Braz, um dos primeiros bairros operários, em São Paulo, reduto de anarquistas europeus.
  • 83. • A situação do proletariado brasileiro no início do século XX Note-se a presença de crianças trabalhando
  • 84. As fábricas eram insalubres, escuras, inseguras e a legislação trabalhista inexistia na época. Fábrica de tecidos, em Sorocaba, início do século XX
  • 85. • A Greve Geral de 1917: sua importância para o movimento operário e a reação do governo a serviço dos interesses da burguesia industrial. Enterro do sapateiro Antônio Martinez, cujo assassinato tornou-se o estopim da greve geral de 1917.
  • 86. Cerca de 10 mil pessoas acompanharam o cortejo fúnebre de Antônio Martinez.
  • 87. 6.1. O Cangaço “Moço, até hoje o Nordeste só deu três grandes homens: Lampião, na valentia; Padre Cícero, na oração; e Delmiro Gouveia, no trabalho.” Depoimento de um homem do sertão de Alagoas, extraído da revista História, Editora Três.
  • 88. • Fenômeno típico do sertão nordestino assolado por secas periódicas, pelo latifúndio e pelo descaso a que são submetidos os caboclos;
  • 89. • Analogia entre jagunço e cangaceiro: um serve ao coronel, o outro o desafia; X Antônio Silvino
  • 90. • Dispostos a sobreviver a qualquer desafio, atacavam e saqueavam fazendas e vilarejos, matavam, torturavam e humilhavam a quem resistisse ou tentasse enfrentá-los; espalhavam o terror pelo sertão; X Policiais, a quem os cangaceiros chamavam “macacos” O bando de Virgulino Ferreira, o “Rei do Cangaço”
  • 91. • Lampião simbolizava, ao mesmo tempo, a resistência à opressão e a violência desmedida; • Admirado pelos humildes e temido pelos coronéis; Virgulino Ferreira da Silva Lampião e Maria Bonita
  • 92. Um dos fotógrafos que, com autorização de Lampião, acompanharam seu bando.
  • 93. • Em 29 de julho de 1938, Lampião e parte de seu bando, vítimas de uma emboscada, foram trucidados por tropas policiais; Foram mortos: (1) Lampião, (2) Maria Bonita, (3) Elétrico, (4) Mergulhão, (5) Luís Pedro, (6) Enedina, (7) Alecrim, (8) Moeda, (9) Macela, (10) Quinta-Feira e (11) Colchete.
  • 94. • O cangaço lutou contra o coronelismo; no entanto, não havia o devido esclarecimento por parte dos cangaceiros para conscientizar o povo de seus objetivos e fazê-lo apoiar o movimento, por isso foi extinto nos anos 1940. Corisco tentou dar continuidade ao cangaço após a morte de Lampião Corisco e Dadá Angicos-SE, hoje Poço Redondo