3° ano República da Espada

2.279 visualizações

Publicada em

Prof Daniel - História, Colégio Murialdo, Araranguá/SC

1 comentário
2 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.279
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
304
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
55
Comentários
1
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

3° ano República da Espada

  1. 1. A República da Espada (1889 – 1894) :• O Início da República foi marcado por governos militares autoritários e centralizadores que enfrentaram a oposição de setores da sociedade civil, das oligarquias e dos monarquistas.
  2. 2. Governo Provisório:• Marechal Deodoro da Fonseca presidiu o Governo Provisório.• Primeiras medidas: – Extinção do Conselho de Estado; – Nomeação de Interventores Estatais; – A expulsão da Família Real; – Separação entre Estado e Igreja; – Naturalização de todos os estrangeiros que viviam no país.
  3. 3. Crise do Encilhamento:• O Ministro da Fazenda Rui Barbosa adotou um política de expansão monetária e do crédito, visando: – dinamizar a economia; – impulsionar novos negócios.• Boa parte do Crédito foi investido em empresas fantasmas e no consumo.• Resultado: onda de especulação na Bolsa de Valores do Rio de Janeiro (Encilhamento) e inflação.• Desgastado, Rui Barbosa renunciou em 1891.
  4. 4. CONSTITUIÇÃO DE 1891• Inspirada na Carta Magna dos Estados Unidos; foi promulgada em 1891. – O Brasil era definido como uma República Federativa (Estados Unidos do Brasil). – Presidencialista, com voto aberto limitado aos homens alfabetizados com mais de 21 anos. – Divisão em Três Poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário). – Senado deixava de ser vitalício. – Caso o Presidência ficasse vaga por qualquer motivo antes de completar 2 anos de governo, era necessário novas eleições
  5. 5. Governo Deodoro da Fonseca (1889-1891)• Eleito indiretamente.• Enfrentou forte oposição parlamentar, – em 1891 tentou silenciar os opositores fechando o Congresso e determinando estado de Sítio.• Este golpe enfrentou a resistência do próprio Exército, chefiado pelo vice-presidente Floriano Peixoto. – A Marinha ameaçou bombardear o Rio de Janeiro. – Deodoro acabou renunciando ao governo.
  6. 6. Governo Floriano Peixoto (1891-1894)• Ao assumir, reabriu o Congresso e suspendeu o estado de Sítio.• Governou com mão de ferro e impôs uma política centralizadora, que priorizava um Executivo Forte – Radicalizou na luta contra os setores monarquistas.• Implementou reformas que favoreceram a nova burguesia e as classes média e baixa. – Lançou uma política de protecionismo alfandegário, baixou o preço da carne e do peixe.• Apesar de ter conquistado o apoio de muitos setores da sociedade, precisou enfrentar uma polêmica sobre a legalidade da sua permanência no poder e teve de lidar com rebeliões e protestos até o fim do seu mandato.
  7. 7. Revolta da Armada (1893)• Alguns comandantes da Marinha com ambições presidenciais exigiram o afastamento de Floriano Peixoto do poder. – Comandante Custódio de Melo; – Almirante Saldanha da Gama.• A revolta conseguiu pouco apoio no Rio de Janeiro e foi reprimida. – Os revoltosos dirigiram-se ao Sul e tentaram articular- se com os federalistas gaúchos.
  8. 8. Revolução Federalista (1893 – 1895)• No Rio Grande do Sul, dois partidos disputavam o poder: – Federalistas ou Maragatos • Representantes da velha elite do Partido Liberal do Império. Liderados por Silveira Martins. • Defendiam o Parlamentarismo e a autonomia estadual. – Republicanos ou Pica-paus • Do Partido Republicano Rio-Grandense, liderados por Júlio de Castilhos.• Tal disputa evoluiu para uma guerra civil. – Floriano recusou o pedido dos maragatos de intervenção federal no estado e apoiou os pica-paus.• O confronto se espalhou para Santa Catarina e Paraná.• A revolta foi violentamente reprimida pelas forças oficiais.• Peixoto terminou seu mandato com a República consolidada.

×