Realismo em portugal

23.668 visualizações

Publicada em

Publicada em: Carreiras
0 comentários
11 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
23.668
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
498
Comentários
0
Gostaram
11
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Realismo em portugal

  1. 1. O início do realismo em Portugal se deu com achamada Questão Coimbrã que durou de 1865 à1867. Nota-se que a inserção de idéias realistasaconteceu 15 anos após o início do realismo naFrança e 40 anos depois do início doromantismo.
  2. 2. Os maiores representantes do realismoem Portugal foram o próprio Antero,Cesário Verde e Eça de Queirós. Anterode Quental produziu basicamente poetasem forma de soneto onde o tema erafilosófico concentrando-se nopositivismo e no pessimismo.
  3. 3. Na literatura portuguesa do séc. XIX. Por trásdessa palavra escondem-se e convivemfenómenos e atitudes estéticas de naturezamuito diversa. Abre esse período a ruidosaQuestão Coimbrã, polémica literária quesignificou - na frase de Teófilo Braga - «adissolução do Romantismo». Nela se manifestoupela primeira vez o protesto da geração nascidapor meados do século contra o exagero balofo ecaduco do gosto romântico, convertido em gestovazio de monótona artificiosidade. Dela surgiu oRealismo.
  4. 4. Antero de Quental: adotando umapostura oposta ao lirismo ultra-romântico, defende a missão socialda poesia e apresenta em sua obrauma busca filosófica da verdadeatravés da própria experiência.Cesário Verde: também se afasta do lirismotradicional português, sobretudo pelotratamento que dá a temas como cidade,amor e mulher. Buscando espontaneidade,usa estilo que valoriza a linguagem concretae o tom coloquial. "Poeta dos sentidos",constrói imagens com muitas cores, formas esons..
  5. 5. Eça de Queirós: produz romances marcadospelo uso do determinismo e do impressionismopara construir críticas (à burguesia e ao clero,por exemplo). Dono de um estilo direto econtundente, é hábil na descrição de locais ecomportamentos. O pessimismo, o humor e aironia com que constrói personagens sãotipicamente realistas.
  6. 6. Eça de Queirós - a linguagem é representativanão só da personalidade da personagem, mastambém da sua condição social. Por isso, énatural que a diversidade de linguagensencontradas nas suas obras sirvam as funçõesrealista e naturalista que o autor quer conferiraos seus textos. Como observador da suasociedade, Eça teve de recriar nas suas obras asdiferentes linguagens das diferentes classessociais da sua época. Por isso, as suas obrastornam-se riquíssimos espólios e testemunhosda vida dos finais do século XIX.
  7. 7. “Luísa casara-se com o engenheiro Jorge, apesar de não amá-lo.Tendo que viajar para o Alentejo, Jorge deixa a esposa em Lisboa,sozinha, entregue a uma vida de tédio, pois Luísa não temnenhuma ocupação. Um dia, recebe a visita de seu primo Basílio,antigo namorado, recém-chegado do Brasil. Tornam-se amantes empouco tempo, encontrando-se freqüentemente em um quartoalugado especialmente para esse fim amoroso. Logo a criadaJuliana descobre o relacionamento e intercepta a correspondênciada patroa, escondendo as cartas comprometedoras de Luísa aBasílio. A criada passa a fazer chantagem com a patroa, e Luísa,desesperada, propõe a Basílio que fujam. Este não aceita a propostada amante e parte sozinho para Paris.À mercê da empregada, Luísa torna-se pouco a pouco uma verdadeira presa nasmãos de Juliana: é obrigada a fazer o serviço doméstico em lugar da criada e suasituação fica insustentável. Jorge retorna do Alentejo e estranha bastante a situaçãoda esposa. Luísa, desesperada, procura o amigo Sebastião e pede-lhe ajuda.Sebastião pressiona Juliana e recupera as cartas comprometedoras. A criada morre.Luísa fica doente em seguida. Um dia recebe uma carta de Basílio, que Jorge lê etoma conhecimento das relações entre a esposa e o primo. Quase convalescente, amoça tem uma recaída, delirando e entrando em estado irrecuperável. Termina porfalecer.”
  8. 8. O movimento neorrealista pode considerar-sefruto da crise económica de 1929, e em Portugalestá associado ao movimento de resistênciademocrática à ditadura salazarista. Iniciado nadécada de 30 esta nova tendência para a literaturade crítica social, revaloriza o Realismonovecentista.A tradição neorrealista pode ser verificada, maiscontemporaneamente, na ficção de autores comoVergílio Ferreira, José Cardoso Pires e JoséSantigado. Embora esses escritores não possamser classificados exatamente como neorrealistas,alguns de seus romances voltam-se criticamentepara a observação da realidade portuguesa eacabam por denunciar conflitos de ordem social.
  9. 9. Aguimar PereiraMônica Alves dos Santos Ana Márcia Ademir da Paixão Monicleia Josemar

×