SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
Baixar para ler offline
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ATENÇÃO À
CRIANÇA
SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA
“Todo o sistema é perfeitamente desenhado para obter os
resultados que obtém”.
Paul Batalden
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA
Objetivos dessa apresentação:
• Conceituar Segurança do Paciente;
• Apresentar a relevância do tema para o cuidado em pediatria;
• Discutir o cuidado centrado no paciente e a cultura de segurança;
• Apresentar as metas de segurança do paciente e a notificação de eventos
adversos.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA
Segurança do Paciente
Redução de atos inseguros nos processos assistenciais e o uso das melhores práticas
descritas para alcançar os melhores resultados possíveis para o paciente.
Eventos Adversos
Incidentes que resultam em danos não intencionais, que decorrem da assistência
prestada e que não estão relacionados à doença de base do paciente.
Conceitos
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA
➔ Os erros ainda afetam até 1/3 de todas as crianças hospitalizadas:
• Hospital - > ambiente complexo com muitas oportunidades de gerar danos não intencionais;
• Uso de nomes temporários no atendimento a recém-nascidos;
• Erros de diagnóstico em ambientes ambulatoriais e hospitalares.
As crianças correm maior risco de falhas relacionadas a medicamentos do que os adultos: dependência dos
pais ou cuidadores, dosagens baseadas em peso e área de superfície corporal.
Registros eletrônicos de saúde serem mais projetados para adultos
Relevância do tema
Fatores relacionados aos erros envolvem 3 domínios principais:
• Características físicas (ex: dosagem de medicamentos com base no peso),
• Questões de desenvolvimento (ex: idade física ou mental)
• Questões relativas ao status legal com o menor (ex: relacionadas ao cuidador)
Esses dados sugeriram que aproximadamente 70.000 crianças hospitalizadas nos Estados Unidos sofreram
um evento adverso a cada ano; 60% desses eventos poderiam ter sido evitados. Woods et al, 2005.
Mueller et. al, 2019
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA
Teoria de James Reason
Quando os buracos se alinham,
o erro passa pelas múltiplas
barreiras, causando o dano.
Inúmeras barreiras são criadas e
consolidadas para impedir que erros
aconteçam, ainda assim as falhas, tanto
organizacionais quanto de infraestrutura,
podem ocorrer em série (representados por
buracos alinhados em cada fatia do queijo),
atingindo o paciente.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA
6 Metas de Segurança do Paciente
Identificar corretamente os
paciente
Melhorar a comunicação entre
profissionais de saúde
Melhorar a segurança na
prescrição, uso e administração
de medicamentos
Assegurar a cirurgia em local de
intervenção, procedimento e
paciente correto
Higienizar as mãos para evitar
infecções
Reduzir o risco de queda e
prevenir lesão por pressão
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA
Identificar Corretamente os Pacientes
Pulseira de identificação
do paciente
Identificação do
cuidado a ser entregue
5 Momentos de conferência da pulseira de identificação:
• Antes da administração de medicamentos
• Antes da entrega de dietas
• Antes da administração de sangue e hemoderivados
• Antes da realização/coleta de exames
• Antes da realização de procedimentos invasivos (punção, sondagem, aspiração, etc.)
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA
Sousa et. al., 2019.
Sousa et. al. (2019) analisou o uso de pulseiras de identificação em
recém-nascidos internados em uma maternidade pública com relação à
segurança do paciente.
Conclusões:
• 15,4% dos recém-nascidos estavam sem pulseiras de identificação;
• 18% das pulseiras tinham dados que não conferiam com os do prontuário;
• 90,9% das pulseiras estavam de fácil acesso para checagem;
• 80,9% dos casos a pulseira não foi checada antes dos procedimentos de enfermagem;
• 76,8% dos entrevistados (mãe ou o responsável) não foram orientados sobre uso da
pulseira.
O uso da pulseira precisa fazer sentido
para familiares e profissionais!
Identificar Corretamente os Pacientes
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA
Melhorar a Comunicação Entre Profissionais de Saúde
Transição do cuidado
Transferência de paciente
Registro em prontuário
Melhorar a comunicação entre os
profissionais na:
Estratégias:
• SBAR: ferramenta estruturada para comunicação
de informações sobre a condição do paciente.
Situation (situação)
Background (antecedentes)
Assessment (avaliação)
Recommendation (recomendação)
• HUDDLE: ferramenta para restabelecer uma
situação, reforçar ou monitorar o plano. Reunião
rápida (5-10 min)
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA
• Peres et.al. (2018) avaliou a percepção de familiares e cuidadores quanto à
segurança do paciente em unidades de internação pediátrica.
• Conclusões: os familiares absorvem orientações que favorecem o cuidado seguro,
embora não tenham um conhecimento formal a respeito do assunto.
Atentar para a troca de
acompanhantes!
“Teach Back”
• Ferramenta utilizada para melhorar a segurança das
informações.
• Validar que as informações foram compreendidas pelos
familiares.
Comunicação com Familiares e Cuidadores
Atentar para a alta
hospitalar!
Peres et. al., 2018.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA
Paciente
Informação
compartilhada
Participação e
colaboração
Respeito a
crenças e valores
Comunicação
transparente
Cuidado Centrado no Paciente
• Investir tempo na família
• Pais mais informados
• Parceria para prevenção
de danos
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA
Em 2017 a OMS reconheceu o risco de danos associados ao uso de medicamentos e
lançou o 3º Desafio Global de Segurança do Paciente com o tema “Medicação sem Dano”.
Objetivos específicos:
• Avaliar a natureza e escopo dos danos causados;
• Criar plano de ação com foco nos pacientes;
• Desenvolver guias, documentos, ferramentas, tecnologias para diminuição dos erros;
• Engajar os principais envolvidos;
• Empoderar pacientes, famílias e cuidadores.
Melhorar a Segurança na Prescrição, Uso e Administração de
Medicamentos
Boletim ISMP, 2018.
Populações de faixas etárias extremas (crianças e idosos) são as mais suscetíveis a eventos
adversos e, portanto, demandam maior número de intervenções para preveni-los.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA
• Pequenos erros de cálculo podem gerar danos significativos.
• O uso de colheres e outros recipientes inadequados para medir a dose dos medicamentos
é uma das principais causas dos erros de dosagem: paracetamol e formulações para gripes
e resfriados são comumente envolvidos nestes erros. Eles estão associados à ocorrência de
danos graves e a uma grande variedade de eventos adversos, como aumento da frequência
cardíaca, convulsões, coma e morte.
• Falta de formas farmacêuticas disponíveis em dosagens e concentrações adequadas para a
administração em crianças (necessidade de cálculo de doses individualizadas conforme
idade, peso (mg/kg) e área de superfície corporal (mg/m2 ).
• Trituração de comprimidos ou abertura de cápsulas para misturar aos alimentos e
modificação de vias de administração (ex.: administração oral de medicamentos injetáveis).
Erros de Medicação Comuns em Pediatria
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA
Erros de Medicação Comuns em Pediatria
Recomendações:
• No caso de doses inferiores a 1, registrar a dose com zero inicial sempre precedendo as
expressões decimais (ex.: 0,1 mg).
• Para doses maiores do que 1, nunca utilizar zero após o número inteiro (ex.: 1,0 mg; 2,0
mg), pois favorece a ocorrência de erros de dose, com o aumento da dose em 10 vezes
• Para medicamentos potencialmente perigosos é essencial a realização de dupla checagem
independente (“double check”) dos cálculos
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA
Prevenção de Erros de Administração em Seringas
• Não utilizar seringas de uso endovenoso para
dispensar e administrar líquidos orais
• Produtos de uso tópico NÃO devem ser
acondicionados em seringas
• Criar barreiras, como etiquetas de alerta, que
reduzam a possibilidade de erro de
administração por via incorreta
ISMP: Previna Erros de Administração Envolvendo Seringas
O uso de seringas é uma prática comum no processo de
administração de medicamentos, entretanto, o uso inadequado
desses dispositivospode ocasionar erros graves e até fatais.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA
Adotar uma lista de padronização que inclua medicamentos e dispositivos
para preparo e administração de medicamentos adequados à pediatria
Realizar treinamentos
Estabelecer diretrizes específicas para prescrição de medicamentos
Estabelecer diretrizes para a dispensação de medicamentos
Envolver pacientes e cuidadores no processo de utilização de
medicamentos
Orientar o paciente e cuidadores na alta hospitalar
Boletim ISMP, 2017.
Recomendações para
Instituições e
Profissionais de Saúde
para o Uso Seguro de
Medicamentos em
Pacientes Pediátricos
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA
Assegurar a Cirurgia em Local de Intervenção, Procedimento e
Paciente Correto
• Cirurgias seguras salvam vidas: segundo desafio global para a segurança do
paciente (orientações para cirurgia segura da OMS)
• Lista de Verificação de Cirurgia Segura:
-> antes da indução anestésica
-> antes da incisão
-> antes do paciente sair da sala
Pires et. al., 2013.
Uso do checklist na prática clínica pode colaborar para mudanças nos serviços de saúde
com relação à cultura de segurança e melhorar a experiência do paciente, diminuindo a
ansiedade e até mesmo os níveis de dor da criança.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA
Adaptado de: Pires MPO, Pedreira MLG, Peterlini MAS. Safe pediatric surgery: development and validation of preoperative interventions checklist, 2013
• Material de apoio para ser utilizado antes de cirurgias pediátricas.
• Funcionam como checklist e ajudam a reduzir a ansiedade da criança antes de cirurgias.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA
Higienizar as Mãos para Evitar Infecções
• Orientar a crianças e seus acompanhantes sobre a importância da lavagem das mãos
• Utilizar formas lúdicas para ensinar crianças
• Profissionais não devem utilizar adornos
Higienizar as mãos é a principal medida
para diminuir as infecções.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA
Reduzir o Risco de Queda
Escala de Humpty Dumpty adaptada: atribui pontos a parâmetros pré-
definidos e a somatória desses pontos define o risco de queda. Entre os
critérios avaliados estão idade, sexo, diagnóstico, fatores ambientais,
medicações utilizadas, deficiências cognitivas, cirurgias, sedações e
anestesias.
• Utilização de alertas (pulseiras, camas, prescrições)
• Alocar os pacientes de maior risco mais próximos ao posto de
enfermagem
• Orientar a família (uso de medicamentos e conceito de queda)
Queda: deslocamento não intencional do corpo para um nível inferior à posição
inicial, provocado por circunstâncias multifatoriais, resultando ou não em dano.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA
Reduzir o Risco de Queda
Atenção especial no:
• Transporte
• Alojamento conjunto
Orientar as famílias a não deixar
criança sozinha.
Organizar um fluxo de
atendimento pós queda
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA
Prevenir Lesão por Pressão
Escalas de Bradem e Bradem Q
Avaliam critérios como: mobilidade, atividade, percepção sensorial, umidade, fricção e
cisalhamento, nutrição, perfusão residual e oxigenação.
• Instrumentos para avaliação da pele da criança devem ser utilizados na admissão,
diariamente e a cada troca de quadro clínico.
• Ajudam a direcionar as ações e os esforços e registram as atividades
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA
http://www.iepmoinhos.com.br/pacienteseguro/
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA
http://www.iepmoinhos.com.br/pacienteseguro/index.php#checklist
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA
Notificação de Eventos Adversos
Pode ser realizado por qualquer pessoa da equipe.
• Deve ser encarado como uma oportunidade de melhoria
• Caráter não punitivo
• Sigiloso
• Deve ocorrer feedback à equipe
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA
Estudo de Khan et. al. (2017) avaliou como as taxas de erros e eventos adversos relatados
pelas famílias se comparam às taxas de eventos levantadas de outras fontes que não
incluem a família.
Conclusão: incluir as famílias na vigilância sistemática aumentou a taxa de detecção de erro
em 16% e a taxa de detecção de eventos adversos em 10%.
Khan et. al., 2017.
Participação da Família na Notificação de Eventos Adversos
As famílias fornecem informações exclusivas e são valiosos
parceiros na vigilância para um cuidado mais seguro
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA
• Participação da família no cuidado
• Padronização dos processos para que se tornem confiáveis
• Desenvolvimento de habilidades não técnicas nas equipes
• Trabalho em equipe
• Educação Permanente
• Desenvolvimento de uma cultura de segurança organizacional
Segurança do Paciente em Pediatria
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA
“Conscientização e projeto de sistemas são importantes para
os profissionais de saúde, mas não são suficientes. Eles são
apenas mecanismos de habilitação. É a dimensão ética dos
indivíduos que é essencial para o sucesso de um sistema. Em
última análise, o segredo da qualidade é o amor”.
Avedis Donabedian
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA
• BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria n.º 529, de 1° de abril de 2013. Institui o Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP).
• Brasil. Ministério da Saúde. Documento de referência para o Programa Nacional de Segurança do Paciente / Ministério da Saúde; Fundação Oswaldo Cruz; Agência Nacional de
Vigilância Sanitária. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.
• Peres, Merianny de Avila, Wegner, Wiliam, Cantarelli-Kantorski, Karen Jeanne, Gerhardt, Luiza Maria, & Magalhães, Ana Maria Muller de. (2018). Percepção de familiares e cuidadores
quanto à segurança do paciente em unidades de internação pediátrica. Revista Gaúcha de Enfermagem, 39, e2017-0195. Epub 03 de setembro de 2018.https://doi.org/10.1590/1983-
1447.2018.2017-0195
• Silva, Raiana Soares de Sousa, Rocha, Silvana Santiago da, Gouveia, Márcia Teles de Oliveira, Dantas, Amanda Lúcia Barreto, Santos, José Diego Marques, & Carvalho, Nalma Alexandra
Rocha de. (2019). Wearing identification wristbands: implications for newborn safety in maternity hospitals. Escola Anna Nery, 23(2), e20180222. Epub 28 de março de
2019.https://doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2018-0222
• Ayanian JZ, Markel H. Donabedian’s Lasting Framework for Health Care Quality. N Engl J Med. 2016 Jul 21;375(3):205-7. doi: 10.1056/NEJMp1605101. PMID: 27468057.
• Mueller BU, Neuspiel DR, Fisher ERS; COUNCIL ON QUALITY IMPROVEMENT AND PATIENT SAFETY, COMMITTEE ON HOSPITAL CARE. Principles of Pediatric Patient Safety: Reducing
Harm Due to Medical Care. Pediatrics. 2019 Feb;143(2):e20183649. doi: 10.1542/peds.2018-3649. Epub 2019 Jan 22. PMID: 30670581.
• Woods D, Thomas E, Holl J, Altman S, Brennan T. Adverse events and preventable adverse events in children. Pediatrics. 2005 Jan;115(1):155-60. PubMed PMID: 15629994.
• Instituto de Práticas Seguras no Uso de Medicamentos (ISMP). Uso Seguro de Medicamentos em Pacientes Pediátricos – Boletim ISMP – Volume 6. Número 4. Novembro 2017.
• Khan, Alisa et al. Families as Partners in Hospital Error and Adverse Event Surveillance. JAMA Pediatr. 2017 Apr 1;171(4):372-381. doi: 10.1001/jamapediatrics.2016.4812. Erratum in:
JAMA Pediatr. 2018 Mar 1;172(3):302. PMID: 28241211; PMCID: PMC5526631.
• Instituto de Práticas Seguras no Uso de Medicamentos (ISMP). Alerta de Segurança – Previna erros de administração envolvendo seringas. Disponível em: < https://www.ismp-
brasil.org/site/alerta/alerta-de-seguranca-previna-erros-de-administracao-envolvendo-seringas/ >
• Pires, Maria Paula de Oliveira, Pedreira, Mavilde da Luz Goncalves, & Peterlini, Maria Angelica Sorgini. (2013). Cirurgia segura em pediatria: elaboração e validação de checklist de
intervenções pré-operatórias. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 21(5), 1080-1087. https://doi.org/10.1590/S0104-11692013000500010
• USA. Veterans Health Care. Captain James A. Lovell Federal Health Care Center. 2012 Joint Commission National Patient Safety Goals. 2012.
• Instituto de Práticas Seguras no Uso de Medicamentos (ISMP). Desafio Global de Segurança do Paciente Medicação sem Danos – Boletim ISMP – Volume 7. Número 1. Fevereiro 2017.
Referências
ATENÇÃO À
CRIANÇA
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Material de 07 de maio de 2021
Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Eixo: Atenção à Criança
Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal.
SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
resenfe2013
 
13.administração de medicamentos
13.administração de medicamentos13.administração de medicamentos
13.administração de medicamentos
Viviane Campos
 
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
JONAS ARAUJO
 
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosAnotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Heberth Macedo
 
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdfAula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
LarissaMachado97
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
Fernando Dias
 

Mais procurados (20)

Seguranca do Paciente - Medicamentos
Seguranca do Paciente - MedicamentosSeguranca do Paciente - Medicamentos
Seguranca do Paciente - Medicamentos
 
Humanização na Unidade de terapia intensiva (UTI)
Humanização na Unidade de terapia intensiva (UTI)Humanização na Unidade de terapia intensiva (UTI)
Humanização na Unidade de terapia intensiva (UTI)
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
 
Oficina de Seguranca do Paciente: Aprendendo com o Erro
Oficina de Seguranca do Paciente: Aprendendo com o ErroOficina de Seguranca do Paciente: Aprendendo com o Erro
Oficina de Seguranca do Paciente: Aprendendo com o Erro
 
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdfAULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
 
¨Terminologia Básica em Saúde
¨Terminologia Básica em Saúde¨Terminologia Básica em Saúde
¨Terminologia Básica em Saúde
 
13.administração de medicamentos
13.administração de medicamentos13.administração de medicamentos
13.administração de medicamentos
 
Alojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagemAlojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagem
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem
 
Cuidados com o Recém-nascido na UTI Neonatal: Posição Canguru e Sonda Gástrica
Cuidados com o Recém-nascido na UTI Neonatal: Posição Canguru e Sonda GástricaCuidados com o Recém-nascido na UTI Neonatal: Posição Canguru e Sonda Gástrica
Cuidados com o Recém-nascido na UTI Neonatal: Posição Canguru e Sonda Gástrica
 
NOTA TÉCNICA GVIMS/GGTES/DIRE3/ANVISA Nº 04 / 2022
NOTA TÉCNICA GVIMS/GGTES/DIRE3/ANVISA Nº 04 / 2022NOTA TÉCNICA GVIMS/GGTES/DIRE3/ANVISA Nº 04 / 2022
NOTA TÉCNICA GVIMS/GGTES/DIRE3/ANVISA Nº 04 / 2022
 
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo CruzAula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
 
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosAnotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
 
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
 
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdfAula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
 
Aula 1 historia da enfermagem enf3
Aula 1  historia da enfermagem enf3Aula 1  historia da enfermagem enf3
Aula 1 historia da enfermagem enf3
 

Semelhante a Segurança do Paciente em Pediatria

10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente
Camila Melo
 
Erros de medicação
Erros de medicaçãoErros de medicação
Erros de medicação
enfanhanguera
 
10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente
07082001
 
10 passos seguranca paciente
10 passos seguranca paciente10 passos seguranca paciente
10 passos seguranca paciente
Alice Costa
 

Semelhante a Segurança do Paciente em Pediatria (20)

Promovendo a Segurança do Cuidado ao Recém-nascido de Risco
Promovendo a Segurança do Cuidado ao Recém-nascido de RiscoPromovendo a Segurança do Cuidado ao Recém-nascido de Risco
Promovendo a Segurança do Cuidado ao Recém-nascido de Risco
 
Segurança do paciente na assistência obstétrica e neonatal
Segurança do paciente na assistência obstétrica e neonatalSegurança do paciente na assistência obstétrica e neonatal
Segurança do paciente na assistência obstétrica e neonatal
 
A Inserção da Cultura de Segurança na Assistência de Enfermagem Pediátrica ...
A Inserção da Cultura de  Segurança na Assistência de Enfermagem Pediátrica  ...A Inserção da Cultura de  Segurança na Assistência de Enfermagem Pediátrica  ...
A Inserção da Cultura de Segurança na Assistência de Enfermagem Pediátrica ...
 
10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente
 
Erros de medicação
Erros de medicaçãoErros de medicação
Erros de medicação
 
Aula 3 programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Aula 3   programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...Aula 3   programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Aula 3 programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
 
Vacinas: mitos e verdades
Vacinas: mitos e verdadesVacinas: mitos e verdades
Vacinas: mitos e verdades
 
Segurança do Paciente.pptx
Segurança do Paciente.pptxSegurança do Paciente.pptx
Segurança do Paciente.pptx
 
Segurança do paciente pediátrico
Segurança do paciente pediátricoSegurança do paciente pediátrico
Segurança do paciente pediátrico
 
Segurança do Paciente em Unidades Neonatais
Segurança do Paciente em Unidades NeonataisSegurança do Paciente em Unidades Neonatais
Segurança do Paciente em Unidades Neonatais
 
aula 03 PNSP.pptx
aula 03 PNSP.pptxaula 03 PNSP.pptx
aula 03 PNSP.pptx
 
10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente
 
10 passos seguranca paciente
10 passos seguranca paciente10 passos seguranca paciente
10 passos seguranca paciente
 
10 passos seguranca_paciente_0
10 passos seguranca_paciente_010 passos seguranca_paciente_0
10 passos seguranca_paciente_0
 
10 passos seguranca do paciente
10 passos seguranca do paciente10 passos seguranca do paciente
10 passos seguranca do paciente
 
10 passos seguranca_paciente_0
10 passos seguranca_paciente_010 passos seguranca_paciente_0
10 passos seguranca_paciente_0
 
segurança do paciente
segurança do paciente segurança do paciente
segurança do paciente
 
Uso Seguro de Medicamentos em Neonatologia
Uso Seguro de Medicamentos em NeonatologiaUso Seguro de Medicamentos em Neonatologia
Uso Seguro de Medicamentos em Neonatologia
 
10_passos_seguranca_paciente.pdf
10_passos_seguranca_paciente.pdf10_passos_seguranca_paciente.pdf
10_passos_seguranca_paciente.pdf
 
Segurança do Paciente
Segurança do PacienteSegurança do Paciente
Segurança do Paciente
 

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)

Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz) (20)

Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
 
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
 
Ansiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no ClimatérioAnsiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no Climatério
 
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
 
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
 
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no BrasilDesospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
 
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto NormalO Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadasDiabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
 
Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Luto Perinatal
 
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e ManejoAnafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e PuerpérioDiabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
 
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no BrasilRetomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
 
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na GestaçãoCuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
 
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
 
Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?
 
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Osteogênese Imperfeita
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natalDiabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução Alimentar
 

Último

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 

Último (7)

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 

Segurança do Paciente em Pediatria

  • 2. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA “Todo o sistema é perfeitamente desenhado para obter os resultados que obtém”. Paul Batalden
  • 3. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA Objetivos dessa apresentação: • Conceituar Segurança do Paciente; • Apresentar a relevância do tema para o cuidado em pediatria; • Discutir o cuidado centrado no paciente e a cultura de segurança; • Apresentar as metas de segurança do paciente e a notificação de eventos adversos.
  • 4. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA Segurança do Paciente Redução de atos inseguros nos processos assistenciais e o uso das melhores práticas descritas para alcançar os melhores resultados possíveis para o paciente. Eventos Adversos Incidentes que resultam em danos não intencionais, que decorrem da assistência prestada e que não estão relacionados à doença de base do paciente. Conceitos
  • 5. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA ➔ Os erros ainda afetam até 1/3 de todas as crianças hospitalizadas: • Hospital - > ambiente complexo com muitas oportunidades de gerar danos não intencionais; • Uso de nomes temporários no atendimento a recém-nascidos; • Erros de diagnóstico em ambientes ambulatoriais e hospitalares. As crianças correm maior risco de falhas relacionadas a medicamentos do que os adultos: dependência dos pais ou cuidadores, dosagens baseadas em peso e área de superfície corporal. Registros eletrônicos de saúde serem mais projetados para adultos Relevância do tema Fatores relacionados aos erros envolvem 3 domínios principais: • Características físicas (ex: dosagem de medicamentos com base no peso), • Questões de desenvolvimento (ex: idade física ou mental) • Questões relativas ao status legal com o menor (ex: relacionadas ao cuidador) Esses dados sugeriram que aproximadamente 70.000 crianças hospitalizadas nos Estados Unidos sofreram um evento adverso a cada ano; 60% desses eventos poderiam ter sido evitados. Woods et al, 2005. Mueller et. al, 2019
  • 6. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA Teoria de James Reason Quando os buracos se alinham, o erro passa pelas múltiplas barreiras, causando o dano. Inúmeras barreiras são criadas e consolidadas para impedir que erros aconteçam, ainda assim as falhas, tanto organizacionais quanto de infraestrutura, podem ocorrer em série (representados por buracos alinhados em cada fatia do queijo), atingindo o paciente.
  • 7. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA 6 Metas de Segurança do Paciente Identificar corretamente os paciente Melhorar a comunicação entre profissionais de saúde Melhorar a segurança na prescrição, uso e administração de medicamentos Assegurar a cirurgia em local de intervenção, procedimento e paciente correto Higienizar as mãos para evitar infecções Reduzir o risco de queda e prevenir lesão por pressão
  • 8. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA Identificar Corretamente os Pacientes Pulseira de identificação do paciente Identificação do cuidado a ser entregue 5 Momentos de conferência da pulseira de identificação: • Antes da administração de medicamentos • Antes da entrega de dietas • Antes da administração de sangue e hemoderivados • Antes da realização/coleta de exames • Antes da realização de procedimentos invasivos (punção, sondagem, aspiração, etc.)
  • 9. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA Sousa et. al., 2019. Sousa et. al. (2019) analisou o uso de pulseiras de identificação em recém-nascidos internados em uma maternidade pública com relação à segurança do paciente. Conclusões: • 15,4% dos recém-nascidos estavam sem pulseiras de identificação; • 18% das pulseiras tinham dados que não conferiam com os do prontuário; • 90,9% das pulseiras estavam de fácil acesso para checagem; • 80,9% dos casos a pulseira não foi checada antes dos procedimentos de enfermagem; • 76,8% dos entrevistados (mãe ou o responsável) não foram orientados sobre uso da pulseira. O uso da pulseira precisa fazer sentido para familiares e profissionais! Identificar Corretamente os Pacientes
  • 10. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA Melhorar a Comunicação Entre Profissionais de Saúde Transição do cuidado Transferência de paciente Registro em prontuário Melhorar a comunicação entre os profissionais na: Estratégias: • SBAR: ferramenta estruturada para comunicação de informações sobre a condição do paciente. Situation (situação) Background (antecedentes) Assessment (avaliação) Recommendation (recomendação) • HUDDLE: ferramenta para restabelecer uma situação, reforçar ou monitorar o plano. Reunião rápida (5-10 min)
  • 11. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA • Peres et.al. (2018) avaliou a percepção de familiares e cuidadores quanto à segurança do paciente em unidades de internação pediátrica. • Conclusões: os familiares absorvem orientações que favorecem o cuidado seguro, embora não tenham um conhecimento formal a respeito do assunto. Atentar para a troca de acompanhantes! “Teach Back” • Ferramenta utilizada para melhorar a segurança das informações. • Validar que as informações foram compreendidas pelos familiares. Comunicação com Familiares e Cuidadores Atentar para a alta hospitalar! Peres et. al., 2018.
  • 12. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA Paciente Informação compartilhada Participação e colaboração Respeito a crenças e valores Comunicação transparente Cuidado Centrado no Paciente • Investir tempo na família • Pais mais informados • Parceria para prevenção de danos
  • 13. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA Em 2017 a OMS reconheceu o risco de danos associados ao uso de medicamentos e lançou o 3º Desafio Global de Segurança do Paciente com o tema “Medicação sem Dano”. Objetivos específicos: • Avaliar a natureza e escopo dos danos causados; • Criar plano de ação com foco nos pacientes; • Desenvolver guias, documentos, ferramentas, tecnologias para diminuição dos erros; • Engajar os principais envolvidos; • Empoderar pacientes, famílias e cuidadores. Melhorar a Segurança na Prescrição, Uso e Administração de Medicamentos Boletim ISMP, 2018. Populações de faixas etárias extremas (crianças e idosos) são as mais suscetíveis a eventos adversos e, portanto, demandam maior número de intervenções para preveni-los.
  • 14. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA • Pequenos erros de cálculo podem gerar danos significativos. • O uso de colheres e outros recipientes inadequados para medir a dose dos medicamentos é uma das principais causas dos erros de dosagem: paracetamol e formulações para gripes e resfriados são comumente envolvidos nestes erros. Eles estão associados à ocorrência de danos graves e a uma grande variedade de eventos adversos, como aumento da frequência cardíaca, convulsões, coma e morte. • Falta de formas farmacêuticas disponíveis em dosagens e concentrações adequadas para a administração em crianças (necessidade de cálculo de doses individualizadas conforme idade, peso (mg/kg) e área de superfície corporal (mg/m2 ). • Trituração de comprimidos ou abertura de cápsulas para misturar aos alimentos e modificação de vias de administração (ex.: administração oral de medicamentos injetáveis). Erros de Medicação Comuns em Pediatria
  • 15. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA Erros de Medicação Comuns em Pediatria Recomendações: • No caso de doses inferiores a 1, registrar a dose com zero inicial sempre precedendo as expressões decimais (ex.: 0,1 mg). • Para doses maiores do que 1, nunca utilizar zero após o número inteiro (ex.: 1,0 mg; 2,0 mg), pois favorece a ocorrência de erros de dose, com o aumento da dose em 10 vezes • Para medicamentos potencialmente perigosos é essencial a realização de dupla checagem independente (“double check”) dos cálculos
  • 16. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA Prevenção de Erros de Administração em Seringas • Não utilizar seringas de uso endovenoso para dispensar e administrar líquidos orais • Produtos de uso tópico NÃO devem ser acondicionados em seringas • Criar barreiras, como etiquetas de alerta, que reduzam a possibilidade de erro de administração por via incorreta ISMP: Previna Erros de Administração Envolvendo Seringas O uso de seringas é uma prática comum no processo de administração de medicamentos, entretanto, o uso inadequado desses dispositivospode ocasionar erros graves e até fatais.
  • 17. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA Adotar uma lista de padronização que inclua medicamentos e dispositivos para preparo e administração de medicamentos adequados à pediatria Realizar treinamentos Estabelecer diretrizes específicas para prescrição de medicamentos Estabelecer diretrizes para a dispensação de medicamentos Envolver pacientes e cuidadores no processo de utilização de medicamentos Orientar o paciente e cuidadores na alta hospitalar Boletim ISMP, 2017. Recomendações para Instituições e Profissionais de Saúde para o Uso Seguro de Medicamentos em Pacientes Pediátricos
  • 18. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA Assegurar a Cirurgia em Local de Intervenção, Procedimento e Paciente Correto • Cirurgias seguras salvam vidas: segundo desafio global para a segurança do paciente (orientações para cirurgia segura da OMS) • Lista de Verificação de Cirurgia Segura: -> antes da indução anestésica -> antes da incisão -> antes do paciente sair da sala Pires et. al., 2013. Uso do checklist na prática clínica pode colaborar para mudanças nos serviços de saúde com relação à cultura de segurança e melhorar a experiência do paciente, diminuindo a ansiedade e até mesmo os níveis de dor da criança.
  • 19. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA Adaptado de: Pires MPO, Pedreira MLG, Peterlini MAS. Safe pediatric surgery: development and validation of preoperative interventions checklist, 2013 • Material de apoio para ser utilizado antes de cirurgias pediátricas. • Funcionam como checklist e ajudam a reduzir a ansiedade da criança antes de cirurgias.
  • 20. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA Higienizar as Mãos para Evitar Infecções • Orientar a crianças e seus acompanhantes sobre a importância da lavagem das mãos • Utilizar formas lúdicas para ensinar crianças • Profissionais não devem utilizar adornos Higienizar as mãos é a principal medida para diminuir as infecções.
  • 21. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA Reduzir o Risco de Queda Escala de Humpty Dumpty adaptada: atribui pontos a parâmetros pré- definidos e a somatória desses pontos define o risco de queda. Entre os critérios avaliados estão idade, sexo, diagnóstico, fatores ambientais, medicações utilizadas, deficiências cognitivas, cirurgias, sedações e anestesias. • Utilização de alertas (pulseiras, camas, prescrições) • Alocar os pacientes de maior risco mais próximos ao posto de enfermagem • Orientar a família (uso de medicamentos e conceito de queda) Queda: deslocamento não intencional do corpo para um nível inferior à posição inicial, provocado por circunstâncias multifatoriais, resultando ou não em dano.
  • 22. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA Reduzir o Risco de Queda Atenção especial no: • Transporte • Alojamento conjunto Orientar as famílias a não deixar criança sozinha. Organizar um fluxo de atendimento pós queda
  • 23. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA Prevenir Lesão por Pressão Escalas de Bradem e Bradem Q Avaliam critérios como: mobilidade, atividade, percepção sensorial, umidade, fricção e cisalhamento, nutrição, perfusão residual e oxigenação. • Instrumentos para avaliação da pele da criança devem ser utilizados na admissão, diariamente e a cada troca de quadro clínico. • Ajudam a direcionar as ações e os esforços e registram as atividades
  • 24. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA http://www.iepmoinhos.com.br/pacienteseguro/
  • 25. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA http://www.iepmoinhos.com.br/pacienteseguro/index.php#checklist
  • 26. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA Notificação de Eventos Adversos Pode ser realizado por qualquer pessoa da equipe. • Deve ser encarado como uma oportunidade de melhoria • Caráter não punitivo • Sigiloso • Deve ocorrer feedback à equipe
  • 27. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA Estudo de Khan et. al. (2017) avaliou como as taxas de erros e eventos adversos relatados pelas famílias se comparam às taxas de eventos levantadas de outras fontes que não incluem a família. Conclusão: incluir as famílias na vigilância sistemática aumentou a taxa de detecção de erro em 16% e a taxa de detecção de eventos adversos em 10%. Khan et. al., 2017. Participação da Família na Notificação de Eventos Adversos As famílias fornecem informações exclusivas e são valiosos parceiros na vigilância para um cuidado mais seguro
  • 28. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA • Participação da família no cuidado • Padronização dos processos para que se tornem confiáveis • Desenvolvimento de habilidades não técnicas nas equipes • Trabalho em equipe • Educação Permanente • Desenvolvimento de uma cultura de segurança organizacional Segurança do Paciente em Pediatria
  • 29. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA “Conscientização e projeto de sistemas são importantes para os profissionais de saúde, mas não são suficientes. Eles são apenas mecanismos de habilitação. É a dimensão ética dos indivíduos que é essencial para o sucesso de um sistema. Em última análise, o segredo da qualidade é o amor”. Avedis Donabedian
  • 30. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA • BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria n.º 529, de 1° de abril de 2013. Institui o Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP). • Brasil. Ministério da Saúde. Documento de referência para o Programa Nacional de Segurança do Paciente / Ministério da Saúde; Fundação Oswaldo Cruz; Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. • Peres, Merianny de Avila, Wegner, Wiliam, Cantarelli-Kantorski, Karen Jeanne, Gerhardt, Luiza Maria, & Magalhães, Ana Maria Muller de. (2018). Percepção de familiares e cuidadores quanto à segurança do paciente em unidades de internação pediátrica. Revista Gaúcha de Enfermagem, 39, e2017-0195. Epub 03 de setembro de 2018.https://doi.org/10.1590/1983- 1447.2018.2017-0195 • Silva, Raiana Soares de Sousa, Rocha, Silvana Santiago da, Gouveia, Márcia Teles de Oliveira, Dantas, Amanda Lúcia Barreto, Santos, José Diego Marques, & Carvalho, Nalma Alexandra Rocha de. (2019). Wearing identification wristbands: implications for newborn safety in maternity hospitals. Escola Anna Nery, 23(2), e20180222. Epub 28 de março de 2019.https://doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2018-0222 • Ayanian JZ, Markel H. Donabedian’s Lasting Framework for Health Care Quality. N Engl J Med. 2016 Jul 21;375(3):205-7. doi: 10.1056/NEJMp1605101. PMID: 27468057. • Mueller BU, Neuspiel DR, Fisher ERS; COUNCIL ON QUALITY IMPROVEMENT AND PATIENT SAFETY, COMMITTEE ON HOSPITAL CARE. Principles of Pediatric Patient Safety: Reducing Harm Due to Medical Care. Pediatrics. 2019 Feb;143(2):e20183649. doi: 10.1542/peds.2018-3649. Epub 2019 Jan 22. PMID: 30670581. • Woods D, Thomas E, Holl J, Altman S, Brennan T. Adverse events and preventable adverse events in children. Pediatrics. 2005 Jan;115(1):155-60. PubMed PMID: 15629994. • Instituto de Práticas Seguras no Uso de Medicamentos (ISMP). Uso Seguro de Medicamentos em Pacientes Pediátricos – Boletim ISMP – Volume 6. Número 4. Novembro 2017. • Khan, Alisa et al. Families as Partners in Hospital Error and Adverse Event Surveillance. JAMA Pediatr. 2017 Apr 1;171(4):372-381. doi: 10.1001/jamapediatrics.2016.4812. Erratum in: JAMA Pediatr. 2018 Mar 1;172(3):302. PMID: 28241211; PMCID: PMC5526631. • Instituto de Práticas Seguras no Uso de Medicamentos (ISMP). Alerta de Segurança – Previna erros de administração envolvendo seringas. Disponível em: < https://www.ismp- brasil.org/site/alerta/alerta-de-seguranca-previna-erros-de-administracao-envolvendo-seringas/ > • Pires, Maria Paula de Oliveira, Pedreira, Mavilde da Luz Goncalves, & Peterlini, Maria Angelica Sorgini. (2013). Cirurgia segura em pediatria: elaboração e validação de checklist de intervenções pré-operatórias. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 21(5), 1080-1087. https://doi.org/10.1590/S0104-11692013000500010 • USA. Veterans Health Care. Captain James A. Lovell Federal Health Care Center. 2012 Joint Commission National Patient Safety Goals. 2012. • Instituto de Práticas Seguras no Uso de Medicamentos (ISMP). Desafio Global de Segurança do Paciente Medicação sem Danos – Boletim ISMP – Volume 7. Número 1. Fevereiro 2017. Referências
  • 31. ATENÇÃO À CRIANÇA portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Material de 07 de maio de 2021 Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Eixo: Atenção à Criança Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal. SEGURANÇA DO PACIENTE EM PEDIATRIA