SlideShare uma empresa Scribd logo
químicA 3 – Volume 4

Gabarito – Volume 4

gAbARito

01. Resposta E.
A reação que ocorre entre o grupo carboxila de um
aminoácido e o grupo amino de outro aminoácido,
na formação das proteínas, é dita reação de polimerização por condensação, acontecendo com saída
de H2O (o que é típico da formação dos chamados
polímeros de condensação, como é o caso das proteínas). A ligação química que se estabelece entre os
aminoácidos unidos, na estrutura proteica, é dita ligação peptídica (note que proteínas são poliamidas).
02. Resposta D.

05. Resposta D.
Sabemos que proteínas são polímeros de cadeia
muito longa (macromoléculas), cuja hidrólise produz
aminoácidos. Sendo poliamidas, elas contêm o grupo — CO — NH —, portanto, apresentam a ligação amídica. Não são formadas por reação entre
ácidos e aminas, e sim, entre aminoácidos.

AulA 17 – AminoÁcidos
e PRoteínAs ii
01. Resposta D.
I.

(V) Considerando fórmula geral de um aminoácido:
função
ácido
carboxílico

Unindo os segmentos 4, 2 e 6, respectivamente, teremos:
função amina

Observe que se trata da estrutura plana de um aminoácido (unidade fundamental de uma proteína).

1

II. (V) O caráter anfótero dos aminoácidos decorre
do fato de que a função amina funciona como
base, e o grupo carboxila funciona como ácido.
III. (V) Observe a reação:
ligação
peptídica

03. Resposta A.
I.

(V) Proteínas contêm nitrogênio, ocorrem naturalmente nas plantas e animais, sendo polímeros
de aminoácidos, ou seja, sua quebra (digestão)
libera os aminoácidos formadores.
II. (V) O iodo molecular (I2) adiciona-se às insaturações do óleo, portanto, quanto mais insaturações existirem, maior será o consumo de iodo.
III. (F) O amido é um polímero, formado pela
união de n moléculas de glicose.
IV. (F) Substâncias poli-insaturadas são mais suscetíveis à oxidação (que ocorre com ruptura das
insaturações).
04. Resposta C.
Chamamos de estrutura primária de uma proteína à sequência de seus aminoácidos, unidos através das chamadas ligações peptídicas. Uma ligação peptídica ocorre entre os não metais nitrogênio e carbono, sendo,
portanto, uma ligação interatômica do tipo covalente.

ácido

água
amina
amida

02. Resposta A.
Na reação direta os aminoácidos reagem entre
si, formando um dipeptídeo (pequena “proteína”
constituída pela união de dois aminoácidos, com
saída de H2O). Como já vimos, tal reação é uma
condensação. Na reação inversa, ocorre a quebra
do dipeptídeo por adição de H2O (hidrólise), liberando os aminoácidos.
03. Resposta C.
O gráfico mostra que, com a passagem do tempo,
cresce a concentração de açúcares (quanto mais
açúcares, mais fermentação e, portanto, maior teor
alcoólico). Por outro lado, com a passagem do tempo, decresce a concentração dos ácidos. Dessa for-

química 3

AulA 16 – AminoÁcidos
e PRoteínAs i
Gabarito – Volume 4
ma, uvas colhidas mais tarde resultam em vinhos
mais alcoólicos e menos ácidos.
04.	 Resposta B.

04.	 Resposta C.
	

	A glicose é um monossacarídeo de fórmula molecular C6H12O6 (trata-se de uma hexose), portanto, a
afirmativa incorreta é a B.
05.	 Resposta C.
	

Por definição, estrutura primária de uma proteína
é a própria sequência dos aminoácidos em sua cadeia carbônica. A cadeia carbônica de uma proteína
é chamada cadeia peptídica.

Aula 18 – Relações

05.	 Resposta C.
	

da química

com as tecnologias, a
sociedade e o meio ambiente

química 3

2

O próprio texto afirma que os lipídios são “pobres
em dipolos”, ou, em outras palavras, sua polaridade é muito baixa (na prática, os lipídios são considerados apolares), o que explica sua insignificante
solubilidade em água (na prática, dizemos que os
lipídios são insolúveis em água).

Aula 19 – Relações

I

da química

com as tecnologias, a

01.	 Resposta C.
	

A vulcanização de uma borracha consiste na adição de enxofre em suas insaturações, o que torna a
borracha mais resistente ao atrito e ao calor. Dessa
forma, a introdução de insaturação a uma borracha
(que é um tipo de polímero), permite uma vulcanização bem mais rápida e eficiente.

O texto mostra que a obtenção do “plástico verde”
é feita a partir da desidratação do etanol, formado
pela fermentação de açúcares (glicose) da cana-de-açúcar, num processo que envolve polimerização
em sua etapa final. A grande vantagem ambiental
de todo esse processo é que o desenvolvimento da
cana-de-açúcar envolve o fenômeno da fotossíntese, que reduz (sequestra) o dióxido de carbono atmosférico. O “plástico verde” não é biodegradável,
e sua eventual reciclagem não difere daquela efetuada no polietileno comum.

sociedade e o meio ambiente

II

01.	 Resposta C.
	

A cana-de-açúcar, como um produto agrícola,
constitui um recurso natural renovável, fornecendo
açúcares (fonte alimentar de energia) e fonte do
combustível etanol, por fermentação. Como o desenvolvimento da cana-de-açúcar envolve elevadas
taxas de fotossíntese, contribuirá de forma expressiva
para a redução do efeito estufa, outro aspecto de interesse, em termos de desenvolvimento sustentável.

02.	 Resposta C.
	

Na equação química I, se verifica a hidrólise do
polissacarídeo amido, que é transformado em glicose. Na equação química III, observa-se a hidrólise da sacarose (C12H22O11), que é transformada
nos isômeros glicose e frutose (ambos com fórmula
molecular C6H12O6). Na equação química V, é demonstrado o esquema de fermentação da glicose,
formando etanol e dióxido de carbono.

03.	 Resposta E.
	

Considere a equação de obtenção do silicone em
questão:
→

02.	 Resposta B.
	

É evidente que a utilização de aterro sanitário diminuirá o contato humano direto com o lixo. Por outro
lado, a única vantagem do depósito de lixo a céu
aberto é o seu baixo custo operacional. A incineração reduzirá de maneira drástica o volume do lixo.

03.	 Resposta E.
	A reciclagem de papel é uma medida bastante efetiva, se desejamos reduzir o desmatamento, evitando
assim que florestas nativas sejam destruídas para a
obtenção industrial da celulose (matéria-prima do
papel). A reciclagem é também estimulada quando
se diminui os impostos para produtos que usem papel reciclado.
04.	 Resposta B.
	

+

	

Portanto, a rigor, o silicone é um polímero de condensação não reativo (de grande inércia química), contudo, na prática podemos considerá-lo como formado
pela adição sucessiva do monômero SiOC2H6.

Embora a decomposição do vidro lançado na natureza
seja a mais demorada de todas (1 milhão de anos),
sua reciclagem, tal como a do papel, da madeira, e
mesmo dos materiais metálicos, não oferece grande
dificuldade. Além disso, o vidro, os metais, a madeira
e o papel são considerados resíduos inertes ou não
potencialmente perigosos. Devido à sua intensa disseminação na natureza, como resíduo da atividade humana, a reciclagem dos plásticos se torna mais difícil.
Gabarito – Volume 4

Basta considerar o que já estabelecemos no comentário da questão anterior, com relação aos plásticos, vidro, papel e materiais metálicos. As materiais
radioativos, além de muito perigosos, apresentam
grande dificuldade de reaproveitamento (o chamado lixo atômico ou nuclear é um dos maiores problemas, em Química Ambiental).

AulA 20 – PetRÓleo

e demAis

combustíVeis FÓsseis
01. Resposta C.
1. (V) O gráfico mostra que a temperatura de ebulição desses hidrocarbonetos é inferior à temperatura ambiente.
2. (F) Hidrocarbonetos são praticamente apolares.
3. (F) Nos alcanos de moléculas menores, o ponto
de ebulição é menor (eles destilam-se inicialmente).
4. (V) Em substâncias de mesma natureza química,
como os alcanos, o aumento do tamanho da
molécula incrementa as interações de Van der
Waals (ou Forças de London), elevando assim a
temperatura de ebulição.
02. Resposta A.
O petróleo é constituído quase exclusivamente
por hidrocarbonetos (principalmente alcanos). Sabemos que os hidrocarbonetos são praticamente
apolares, o que explica o fato do petróleo não ser
miscível em água.
03. Resposta A.
I.

(V) No petróleo existem mais de um milhão de
diferentes hidrocarbonetos, formando as diversas “frações” que são isoladas no processo de
destilação fracionada.
II. (F) Combustíveis fósseis (e o petróleo é o principal deles) não constituem obviamente energia
“limpa”.
III. (F) Realmente o petróleo é menos denso que a
água, mas não é encontrado no fundo do mar.
04. Resposta E.
De todas as frações citadas, a parafina é a que apresenta
alcanos de maior massa molar, e, portanto, sua temperatura de ebulição é a maior. Observe o quadro abaixo:
gás natural
1 a 2 carbonos
gasolina
6 a 10 carbonos
querosene
10 a 16 carbonos
óleo diesel
15 a 18 carbonos
parafina
acima de 20 carbonos
05. Resposta E.
I.

(F) A distribuição de petróleo no planeta é bastante heterogênea, tanto em qualidade, quanto
em quantidade.

II. (V) O petróleo é formado quase exclusivamente
por hidrocarbonetos.
III. (V) Nos dias atuais não utilizamos o petróleo bruto como combustível (são utilizadas suas frações,
obtidas no processo de destilação fracionada).

AulA 21 – A

eneRgiA nucleAR e

os combustíVeis AlteRnAtiVos
01. Resposta D.
1. (F) O U-238 possui três nêutrons a mais que o
U-235.
2. (V) É exatamente o que ocorre no processo de
fissão nuclear.
3. (F) O criptônio formado é 93 Kr.
36
4. (V) No processo de fissão nuclear, o bombardeio de
nêutrons rompe o núcleo atômico, originando a reação em cadeia, pela liberação de mais nêutrons.
5. (V) O U-238 é intensamente radioativo, não podendo ser descartado no meio ambiente.
02. Resposta B.
O biodiesel é produzido por transesterificação, a
partir de óleos vegetais (que são triésteres), em reação com álcool (quase sempre etanol). Trata-se
de energia de biomassa, renovável, e que evita o
descarte do óleo vegetal já utilizado, no solo e nas
águas.
03. Resposta B.
A queima de combustíveis fósseis, tais como o carvão
mineral e os derivados do petróleo, bem como a queima do carvão vegetal, ainda constitui a base energética fundamental nos processos industriais. São reações
de combustão em larga escala, liberando enormes
quantidades de gás carbônico, agravando mais ainda
o chamado efeito estufa (aquecimento global).
04. Resposta C.
No Brasil, além da utilização do etanol como combustível veicular, vem se propondo a produção e
utilização do chamado biodiesel. São ambos combustíveis derivados da biomassa, ou seja, renováveis, representando grande vantagem ambiental em
relação aos combustíveis fósseis.
05. Resposta D.
O processo de fotossíntese, que ocorre de maneira
intensa no desenvolvimento da cana-de-açúcar (de
cujos açúcares se obtém, por fermentação, o etanol), retira grandes quantidades de CO2 da atmosfera, reduzindo o efeito estufa.

3

química 3

05. Resposta B.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Func nitrogenadas
Func nitrogenadasFunc nitrogenadas
Func nitrogenadas
con_seguir
 
Revisao vieira
Revisao vieiraRevisao vieira
Revisao vieira
Rodrigo Sampaio
 
Quimica reacoes organicas_exercicios
Quimica reacoes organicas_exerciciosQuimica reacoes organicas_exercicios
Quimica reacoes organicas_exercicios
Letícia Gomes
 
006.1 estudo do etino
006.1 estudo do etino006.1 estudo do etino
006.1 estudo do etino
Manuel da Mata Vicente
 
Lista de exercícios 18 alcenos, alcinos e aromáticos
Lista de exercícios 18   alcenos, alcinos e aromáticosLista de exercícios 18   alcenos, alcinos e aromáticos
Lista de exercícios 18 alcenos, alcinos e aromáticos
Colegio CMC
 
Apostila trat-esgoto capitulo-5
Apostila trat-esgoto capitulo-5Apostila trat-esgoto capitulo-5
Apostila trat-esgoto capitulo-5
SERVIO TULIO CASSINI
 
Exercícios - Reações orgânicas eliminação, substituição e oxidação
Exercícios - Reações orgânicas  eliminação, substituição e oxidação  Exercícios - Reações orgânicas  eliminação, substituição e oxidação
Exercícios - Reações orgânicas eliminação, substituição e oxidação
Profª Alda Ernestina
 
Alcoois aldeídos - cetonas - acidos carboxilícos
Alcoois   aldeídos - cetonas - acidos carboxilícosAlcoois   aldeídos - cetonas - acidos carboxilícos
Alcoois aldeídos - cetonas - acidos carboxilícos
Matheeus Abreeu
 
Nitrilas acidos sulfonicos
Nitrilas acidos sulfonicosNitrilas acidos sulfonicos
Nitrilas acidos sulfonicos
Fernando Lucas
 
004.1 estudo do metano
004.1 estudo do metano004.1 estudo do metano
004.1 estudo do metano
Manuel da Mata Vicente
 
Capítilo02 orgânica2013share
Capítilo02 orgânica2013shareCapítilo02 orgânica2013share
Capítilo02 orgânica2013share
Fábio Oisiovici
 
Alcinos e alcadienos 2.0
Alcinos e alcadienos 2.0Alcinos e alcadienos 2.0
Alcinos e alcadienos 2.0
Emmanuel Souza
 
Reações organicas(cjc)
Reações organicas(cjc)Reações organicas(cjc)
Reações organicas(cjc)
Jesrayne Nascimento
 
Oxi-redução
Oxi-reduçãoOxi-redução
Oxi-redução
Lilian Siqueira
 
Aldeídos e-cetonas pronto-3a1
Aldeídos e-cetonas pronto-3a1Aldeídos e-cetonas pronto-3a1
Aldeídos e-cetonas pronto-3a1
EEB Francisco Mazzola
 
005.1.1 estudo do eteno
005.1.1 estudo do eteno005.1.1 estudo do eteno
005.1.1 estudo do eteno
Manuel da Mata Vicente
 
ácidos, ésteres, sais pdf
ácidos, ésteres, sais pdfácidos, ésteres, sais pdf
ácidos, ésteres, sais pdf
Kaires Braga
 
Específica - UVA
Específica - UVAEspecífica - UVA
Específica - UVA
Kaires Braga
 
Aldeídos e cetonas
Aldeídos e cetonasAldeídos e cetonas
Aldeídos e cetonas
Ivaldo Nascimento
 

Mais procurados (19)

Func nitrogenadas
Func nitrogenadasFunc nitrogenadas
Func nitrogenadas
 
Revisao vieira
Revisao vieiraRevisao vieira
Revisao vieira
 
Quimica reacoes organicas_exercicios
Quimica reacoes organicas_exerciciosQuimica reacoes organicas_exercicios
Quimica reacoes organicas_exercicios
 
006.1 estudo do etino
006.1 estudo do etino006.1 estudo do etino
006.1 estudo do etino
 
Lista de exercícios 18 alcenos, alcinos e aromáticos
Lista de exercícios 18   alcenos, alcinos e aromáticosLista de exercícios 18   alcenos, alcinos e aromáticos
Lista de exercícios 18 alcenos, alcinos e aromáticos
 
Apostila trat-esgoto capitulo-5
Apostila trat-esgoto capitulo-5Apostila trat-esgoto capitulo-5
Apostila trat-esgoto capitulo-5
 
Exercícios - Reações orgânicas eliminação, substituição e oxidação
Exercícios - Reações orgânicas  eliminação, substituição e oxidação  Exercícios - Reações orgânicas  eliminação, substituição e oxidação
Exercícios - Reações orgânicas eliminação, substituição e oxidação
 
Alcoois aldeídos - cetonas - acidos carboxilícos
Alcoois   aldeídos - cetonas - acidos carboxilícosAlcoois   aldeídos - cetonas - acidos carboxilícos
Alcoois aldeídos - cetonas - acidos carboxilícos
 
Nitrilas acidos sulfonicos
Nitrilas acidos sulfonicosNitrilas acidos sulfonicos
Nitrilas acidos sulfonicos
 
004.1 estudo do metano
004.1 estudo do metano004.1 estudo do metano
004.1 estudo do metano
 
Capítilo02 orgânica2013share
Capítilo02 orgânica2013shareCapítilo02 orgânica2013share
Capítilo02 orgânica2013share
 
Alcinos e alcadienos 2.0
Alcinos e alcadienos 2.0Alcinos e alcadienos 2.0
Alcinos e alcadienos 2.0
 
Reações organicas(cjc)
Reações organicas(cjc)Reações organicas(cjc)
Reações organicas(cjc)
 
Oxi-redução
Oxi-reduçãoOxi-redução
Oxi-redução
 
Aldeídos e-cetonas pronto-3a1
Aldeídos e-cetonas pronto-3a1Aldeídos e-cetonas pronto-3a1
Aldeídos e-cetonas pronto-3a1
 
005.1.1 estudo do eteno
005.1.1 estudo do eteno005.1.1 estudo do eteno
005.1.1 estudo do eteno
 
ácidos, ésteres, sais pdf
ácidos, ésteres, sais pdfácidos, ésteres, sais pdf
ácidos, ésteres, sais pdf
 
Específica - UVA
Específica - UVAEspecífica - UVA
Específica - UVA
 
Aldeídos e cetonas
Aldeídos e cetonasAldeídos e cetonas
Aldeídos e cetonas
 

Semelhante a Química 3

Química Jefferson
Química   JeffersonQuímica   Jefferson
Química Jefferson
Pré-Enem Seduc
 
Ciências - 9º ano
Ciências -  9º anoCiências -  9º ano
Ciências - 9º ano
Patrícia Costa Grigório
 
Exercícios cinética química
Exercícios cinética químicaExercícios cinética química
Exercícios cinética química
fabioquimico
 
Exercícios de recuperação 2
Exercícios de recuperação 2Exercícios de recuperação 2
Exercícios de recuperação 2
Claudia Cinara Braga
 
A combustão dos alcanos
A combustão dos alcanosA combustão dos alcanos
A combustão dos alcanos
Miguel De Lima
 
LISTA DE QUESTÕES DO ENEM SOBRE POLIMEROS
LISTA DE QUESTÕES DO ENEM SOBRE POLIMEROSLISTA DE QUESTÕES DO ENEM SOBRE POLIMEROS
LISTA DE QUESTÕES DO ENEM SOBRE POLIMEROS
PauloLopes420972
 
Simulado Enem química
Simulado Enem químicaSimulado Enem química
Simulado Enem química
Maiquel Vieira
 
simulado QUÍMICA
simulado QUÍMICAsimulado QUÍMICA
simulado QUÍMICA
Fábio Oisiovici
 
Prova de Ciências, Ensino Fundamental, nono anos. Com temas: Quimica e fisica.
Prova de Ciências, Ensino Fundamental, nono anos. Com temas: Quimica e fisica. Prova de Ciências, Ensino Fundamental, nono anos. Com temas: Quimica e fisica.
Prova de Ciências, Ensino Fundamental, nono anos. Com temas: Quimica e fisica.
Maria Felipe
 
Gabarito da Lista qui-1-geral-fenomenosmudancafases
Gabarito da Lista qui-1-geral-fenomenosmudancafasesGabarito da Lista qui-1-geral-fenomenosmudancafases
Gabarito da Lista qui-1-geral-fenomenosmudancafases
Hebertty Dantas
 
Pratica Fotossíntese - IB/USP
Pratica Fotossíntese - IB/USPPratica Fotossíntese - IB/USP
Pratica Fotossíntese - IB/USP
Guellity Marcel
 
Plantas C3 e C4
Plantas C3 e C4Plantas C3 e C4
Plantas C3 e C4
Susy Eli Marques Gouveia
 
AULÃO DE QUÍMICA 3º ano.pptx
AULÃO DE QUÍMICA 3º ano.pptxAULÃO DE QUÍMICA 3º ano.pptx
AULÃO DE QUÍMICA 3º ano.pptx
LarissaSilvaOliveira4
 
Lista qui-1-geral-fenomenosmudancafases
Lista qui-1-geral-fenomenosmudancafasesLista qui-1-geral-fenomenosmudancafases
Lista qui-1-geral-fenomenosmudancafases
Hebertty Dantas
 
Ppt 4 RespiraçãO AeróBia
Ppt 4   RespiraçãO AeróBiaPpt 4   RespiraçãO AeróBia
Ppt 4 RespiraçãO AeróBia
Nuno Correia
 
Ppt 4 RespiraçãO AeróBia
Ppt 4   RespiraçãO AeróBiaPpt 4   RespiraçãO AeróBia
Ppt 4 RespiraçãO AeróBia
Nuno Correia
 
Monoxído CO.pdf
Monoxído CO.pdfMonoxído CO.pdf
Monoxído CO.pdf
LeomirBorghardt1
 
CINÉTICA QUIMICA REVISÃO
CINÉTICA QUIMICA REVISÃOCINÉTICA QUIMICA REVISÃO
CINÉTICA QUIMICA REVISÃO
Fábio Oisiovici
 
Combustão
Combustão Combustão
Combustão
Fábio Oisiovici
 
QOB-organica-5 - aldeidos, cetonas, acidos, aromaticos.pptx
QOB-organica-5 - aldeidos, cetonas, acidos, aromaticos.pptxQOB-organica-5 - aldeidos, cetonas, acidos, aromaticos.pptx
QOB-organica-5 - aldeidos, cetonas, acidos, aromaticos.pptx
AndreiaCastelo4
 

Semelhante a Química 3 (20)

Química Jefferson
Química   JeffersonQuímica   Jefferson
Química Jefferson
 
Ciências - 9º ano
Ciências -  9º anoCiências -  9º ano
Ciências - 9º ano
 
Exercícios cinética química
Exercícios cinética químicaExercícios cinética química
Exercícios cinética química
 
Exercícios de recuperação 2
Exercícios de recuperação 2Exercícios de recuperação 2
Exercícios de recuperação 2
 
A combustão dos alcanos
A combustão dos alcanosA combustão dos alcanos
A combustão dos alcanos
 
LISTA DE QUESTÕES DO ENEM SOBRE POLIMEROS
LISTA DE QUESTÕES DO ENEM SOBRE POLIMEROSLISTA DE QUESTÕES DO ENEM SOBRE POLIMEROS
LISTA DE QUESTÕES DO ENEM SOBRE POLIMEROS
 
Simulado Enem química
Simulado Enem químicaSimulado Enem química
Simulado Enem química
 
simulado QUÍMICA
simulado QUÍMICAsimulado QUÍMICA
simulado QUÍMICA
 
Prova de Ciências, Ensino Fundamental, nono anos. Com temas: Quimica e fisica.
Prova de Ciências, Ensino Fundamental, nono anos. Com temas: Quimica e fisica. Prova de Ciências, Ensino Fundamental, nono anos. Com temas: Quimica e fisica.
Prova de Ciências, Ensino Fundamental, nono anos. Com temas: Quimica e fisica.
 
Gabarito da Lista qui-1-geral-fenomenosmudancafases
Gabarito da Lista qui-1-geral-fenomenosmudancafasesGabarito da Lista qui-1-geral-fenomenosmudancafases
Gabarito da Lista qui-1-geral-fenomenosmudancafases
 
Pratica Fotossíntese - IB/USP
Pratica Fotossíntese - IB/USPPratica Fotossíntese - IB/USP
Pratica Fotossíntese - IB/USP
 
Plantas C3 e C4
Plantas C3 e C4Plantas C3 e C4
Plantas C3 e C4
 
AULÃO DE QUÍMICA 3º ano.pptx
AULÃO DE QUÍMICA 3º ano.pptxAULÃO DE QUÍMICA 3º ano.pptx
AULÃO DE QUÍMICA 3º ano.pptx
 
Lista qui-1-geral-fenomenosmudancafases
Lista qui-1-geral-fenomenosmudancafasesLista qui-1-geral-fenomenosmudancafases
Lista qui-1-geral-fenomenosmudancafases
 
Ppt 4 RespiraçãO AeróBia
Ppt 4   RespiraçãO AeróBiaPpt 4   RespiraçãO AeróBia
Ppt 4 RespiraçãO AeróBia
 
Ppt 4 RespiraçãO AeróBia
Ppt 4   RespiraçãO AeróBiaPpt 4   RespiraçãO AeróBia
Ppt 4 RespiraçãO AeróBia
 
Monoxído CO.pdf
Monoxído CO.pdfMonoxído CO.pdf
Monoxído CO.pdf
 
CINÉTICA QUIMICA REVISÃO
CINÉTICA QUIMICA REVISÃOCINÉTICA QUIMICA REVISÃO
CINÉTICA QUIMICA REVISÃO
 
Combustão
Combustão Combustão
Combustão
 
QOB-organica-5 - aldeidos, cetonas, acidos, aromaticos.pptx
QOB-organica-5 - aldeidos, cetonas, acidos, aromaticos.pptxQOB-organica-5 - aldeidos, cetonas, acidos, aromaticos.pptx
QOB-organica-5 - aldeidos, cetonas, acidos, aromaticos.pptx
 

Mais de Denisplay

quim 2
quim 2quim 2
quim 2
Denisplay
 
quim 1
quim 1quim 1
quim 1
Denisplay
 
port 2
port 2port 2
port 2
Denisplay
 
mate 4
mate 4mate 4
mate 4
Denisplay
 
mate 3
mate 3mate 3
mate 3
Denisplay
 
mate 2
mate 2 mate 2
mate 2
Denisplay
 
mate 1
mate 1mate 1
mate 1
Denisplay
 
literatura
literaturaliteratura
literatura
Denisplay
 
inglês
inglêsinglês
inglês
Denisplay
 
hist 3
hist 3hist 3
hist 3
Denisplay
 
hist 2
hist 2hist 2
hist 2
Denisplay
 
hist 1
hist 1hist 1
hist 1
Denisplay
 
geog 2
 geog 2  geog 2
geog 2
Denisplay
 
geog 1
geog 1geog 1
geog 1
Denisplay
 
fisi 4
fisi 4 fisi 4
fisi 4
Denisplay
 
fisi 3
fisi 3 fisi 3
fisi 3
Denisplay
 
fisi 2
 fisi 2 fisi 2
fisi 2
Denisplay
 
fisi 1
fisi 1 fisi 1
fisi 1
Denisplay
 
espanhol
espanhol espanhol
espanhol
Denisplay
 
bio 4
bio 4 bio 4
bio 4
Denisplay
 

Mais de Denisplay (20)

quim 2
quim 2quim 2
quim 2
 
quim 1
quim 1quim 1
quim 1
 
port 2
port 2port 2
port 2
 
mate 4
mate 4mate 4
mate 4
 
mate 3
mate 3mate 3
mate 3
 
mate 2
mate 2 mate 2
mate 2
 
mate 1
mate 1mate 1
mate 1
 
literatura
literaturaliteratura
literatura
 
inglês
inglêsinglês
inglês
 
hist 3
hist 3hist 3
hist 3
 
hist 2
hist 2hist 2
hist 2
 
hist 1
hist 1hist 1
hist 1
 
geog 2
 geog 2  geog 2
geog 2
 
geog 1
geog 1geog 1
geog 1
 
fisi 4
fisi 4 fisi 4
fisi 4
 
fisi 3
fisi 3 fisi 3
fisi 3
 
fisi 2
 fisi 2 fisi 2
fisi 2
 
fisi 1
fisi 1 fisi 1
fisi 1
 
espanhol
espanhol espanhol
espanhol
 
bio 4
bio 4 bio 4
bio 4
 

Química 3

  • 1. químicA 3 – Volume 4 Gabarito – Volume 4 gAbARito 01. Resposta E. A reação que ocorre entre o grupo carboxila de um aminoácido e o grupo amino de outro aminoácido, na formação das proteínas, é dita reação de polimerização por condensação, acontecendo com saída de H2O (o que é típico da formação dos chamados polímeros de condensação, como é o caso das proteínas). A ligação química que se estabelece entre os aminoácidos unidos, na estrutura proteica, é dita ligação peptídica (note que proteínas são poliamidas). 02. Resposta D. 05. Resposta D. Sabemos que proteínas são polímeros de cadeia muito longa (macromoléculas), cuja hidrólise produz aminoácidos. Sendo poliamidas, elas contêm o grupo — CO — NH —, portanto, apresentam a ligação amídica. Não são formadas por reação entre ácidos e aminas, e sim, entre aminoácidos. AulA 17 – AminoÁcidos e PRoteínAs ii 01. Resposta D. I. (V) Considerando fórmula geral de um aminoácido: função ácido carboxílico Unindo os segmentos 4, 2 e 6, respectivamente, teremos: função amina Observe que se trata da estrutura plana de um aminoácido (unidade fundamental de uma proteína). 1 II. (V) O caráter anfótero dos aminoácidos decorre do fato de que a função amina funciona como base, e o grupo carboxila funciona como ácido. III. (V) Observe a reação: ligação peptídica 03. Resposta A. I. (V) Proteínas contêm nitrogênio, ocorrem naturalmente nas plantas e animais, sendo polímeros de aminoácidos, ou seja, sua quebra (digestão) libera os aminoácidos formadores. II. (V) O iodo molecular (I2) adiciona-se às insaturações do óleo, portanto, quanto mais insaturações existirem, maior será o consumo de iodo. III. (F) O amido é um polímero, formado pela união de n moléculas de glicose. IV. (F) Substâncias poli-insaturadas são mais suscetíveis à oxidação (que ocorre com ruptura das insaturações). 04. Resposta C. Chamamos de estrutura primária de uma proteína à sequência de seus aminoácidos, unidos através das chamadas ligações peptídicas. Uma ligação peptídica ocorre entre os não metais nitrogênio e carbono, sendo, portanto, uma ligação interatômica do tipo covalente. ácido água amina amida 02. Resposta A. Na reação direta os aminoácidos reagem entre si, formando um dipeptídeo (pequena “proteína” constituída pela união de dois aminoácidos, com saída de H2O). Como já vimos, tal reação é uma condensação. Na reação inversa, ocorre a quebra do dipeptídeo por adição de H2O (hidrólise), liberando os aminoácidos. 03. Resposta C. O gráfico mostra que, com a passagem do tempo, cresce a concentração de açúcares (quanto mais açúcares, mais fermentação e, portanto, maior teor alcoólico). Por outro lado, com a passagem do tempo, decresce a concentração dos ácidos. Dessa for- química 3 AulA 16 – AminoÁcidos e PRoteínAs i
  • 2. Gabarito – Volume 4 ma, uvas colhidas mais tarde resultam em vinhos mais alcoólicos e menos ácidos. 04. Resposta B. 04. Resposta C. A glicose é um monossacarídeo de fórmula molecular C6H12O6 (trata-se de uma hexose), portanto, a afirmativa incorreta é a B. 05. Resposta C. Por definição, estrutura primária de uma proteína é a própria sequência dos aminoácidos em sua cadeia carbônica. A cadeia carbônica de uma proteína é chamada cadeia peptídica. Aula 18 – Relações 05. Resposta C. da química com as tecnologias, a sociedade e o meio ambiente química 3 2 O próprio texto afirma que os lipídios são “pobres em dipolos”, ou, em outras palavras, sua polaridade é muito baixa (na prática, os lipídios são considerados apolares), o que explica sua insignificante solubilidade em água (na prática, dizemos que os lipídios são insolúveis em água). Aula 19 – Relações I da química com as tecnologias, a 01. Resposta C. A vulcanização de uma borracha consiste na adição de enxofre em suas insaturações, o que torna a borracha mais resistente ao atrito e ao calor. Dessa forma, a introdução de insaturação a uma borracha (que é um tipo de polímero), permite uma vulcanização bem mais rápida e eficiente. O texto mostra que a obtenção do “plástico verde” é feita a partir da desidratação do etanol, formado pela fermentação de açúcares (glicose) da cana-de-açúcar, num processo que envolve polimerização em sua etapa final. A grande vantagem ambiental de todo esse processo é que o desenvolvimento da cana-de-açúcar envolve o fenômeno da fotossíntese, que reduz (sequestra) o dióxido de carbono atmosférico. O “plástico verde” não é biodegradável, e sua eventual reciclagem não difere daquela efetuada no polietileno comum. sociedade e o meio ambiente II 01. Resposta C. A cana-de-açúcar, como um produto agrícola, constitui um recurso natural renovável, fornecendo açúcares (fonte alimentar de energia) e fonte do combustível etanol, por fermentação. Como o desenvolvimento da cana-de-açúcar envolve elevadas taxas de fotossíntese, contribuirá de forma expressiva para a redução do efeito estufa, outro aspecto de interesse, em termos de desenvolvimento sustentável. 02. Resposta C. Na equação química I, se verifica a hidrólise do polissacarídeo amido, que é transformado em glicose. Na equação química III, observa-se a hidrólise da sacarose (C12H22O11), que é transformada nos isômeros glicose e frutose (ambos com fórmula molecular C6H12O6). Na equação química V, é demonstrado o esquema de fermentação da glicose, formando etanol e dióxido de carbono. 03. Resposta E. Considere a equação de obtenção do silicone em questão: → 02. Resposta B. É evidente que a utilização de aterro sanitário diminuirá o contato humano direto com o lixo. Por outro lado, a única vantagem do depósito de lixo a céu aberto é o seu baixo custo operacional. A incineração reduzirá de maneira drástica o volume do lixo. 03. Resposta E. A reciclagem de papel é uma medida bastante efetiva, se desejamos reduzir o desmatamento, evitando assim que florestas nativas sejam destruídas para a obtenção industrial da celulose (matéria-prima do papel). A reciclagem é também estimulada quando se diminui os impostos para produtos que usem papel reciclado. 04. Resposta B. + Portanto, a rigor, o silicone é um polímero de condensação não reativo (de grande inércia química), contudo, na prática podemos considerá-lo como formado pela adição sucessiva do monômero SiOC2H6. Embora a decomposição do vidro lançado na natureza seja a mais demorada de todas (1 milhão de anos), sua reciclagem, tal como a do papel, da madeira, e mesmo dos materiais metálicos, não oferece grande dificuldade. Além disso, o vidro, os metais, a madeira e o papel são considerados resíduos inertes ou não potencialmente perigosos. Devido à sua intensa disseminação na natureza, como resíduo da atividade humana, a reciclagem dos plásticos se torna mais difícil.
  • 3. Gabarito – Volume 4 Basta considerar o que já estabelecemos no comentário da questão anterior, com relação aos plásticos, vidro, papel e materiais metálicos. As materiais radioativos, além de muito perigosos, apresentam grande dificuldade de reaproveitamento (o chamado lixo atômico ou nuclear é um dos maiores problemas, em Química Ambiental). AulA 20 – PetRÓleo e demAis combustíVeis FÓsseis 01. Resposta C. 1. (V) O gráfico mostra que a temperatura de ebulição desses hidrocarbonetos é inferior à temperatura ambiente. 2. (F) Hidrocarbonetos são praticamente apolares. 3. (F) Nos alcanos de moléculas menores, o ponto de ebulição é menor (eles destilam-se inicialmente). 4. (V) Em substâncias de mesma natureza química, como os alcanos, o aumento do tamanho da molécula incrementa as interações de Van der Waals (ou Forças de London), elevando assim a temperatura de ebulição. 02. Resposta A. O petróleo é constituído quase exclusivamente por hidrocarbonetos (principalmente alcanos). Sabemos que os hidrocarbonetos são praticamente apolares, o que explica o fato do petróleo não ser miscível em água. 03. Resposta A. I. (V) No petróleo existem mais de um milhão de diferentes hidrocarbonetos, formando as diversas “frações” que são isoladas no processo de destilação fracionada. II. (F) Combustíveis fósseis (e o petróleo é o principal deles) não constituem obviamente energia “limpa”. III. (F) Realmente o petróleo é menos denso que a água, mas não é encontrado no fundo do mar. 04. Resposta E. De todas as frações citadas, a parafina é a que apresenta alcanos de maior massa molar, e, portanto, sua temperatura de ebulição é a maior. Observe o quadro abaixo: gás natural 1 a 2 carbonos gasolina 6 a 10 carbonos querosene 10 a 16 carbonos óleo diesel 15 a 18 carbonos parafina acima de 20 carbonos 05. Resposta E. I. (F) A distribuição de petróleo no planeta é bastante heterogênea, tanto em qualidade, quanto em quantidade. II. (V) O petróleo é formado quase exclusivamente por hidrocarbonetos. III. (V) Nos dias atuais não utilizamos o petróleo bruto como combustível (são utilizadas suas frações, obtidas no processo de destilação fracionada). AulA 21 – A eneRgiA nucleAR e os combustíVeis AlteRnAtiVos 01. Resposta D. 1. (F) O U-238 possui três nêutrons a mais que o U-235. 2. (V) É exatamente o que ocorre no processo de fissão nuclear. 3. (F) O criptônio formado é 93 Kr. 36 4. (V) No processo de fissão nuclear, o bombardeio de nêutrons rompe o núcleo atômico, originando a reação em cadeia, pela liberação de mais nêutrons. 5. (V) O U-238 é intensamente radioativo, não podendo ser descartado no meio ambiente. 02. Resposta B. O biodiesel é produzido por transesterificação, a partir de óleos vegetais (que são triésteres), em reação com álcool (quase sempre etanol). Trata-se de energia de biomassa, renovável, e que evita o descarte do óleo vegetal já utilizado, no solo e nas águas. 03. Resposta B. A queima de combustíveis fósseis, tais como o carvão mineral e os derivados do petróleo, bem como a queima do carvão vegetal, ainda constitui a base energética fundamental nos processos industriais. São reações de combustão em larga escala, liberando enormes quantidades de gás carbônico, agravando mais ainda o chamado efeito estufa (aquecimento global). 04. Resposta C. No Brasil, além da utilização do etanol como combustível veicular, vem se propondo a produção e utilização do chamado biodiesel. São ambos combustíveis derivados da biomassa, ou seja, renováveis, representando grande vantagem ambiental em relação aos combustíveis fósseis. 05. Resposta D. O processo de fotossíntese, que ocorre de maneira intensa no desenvolvimento da cana-de-açúcar (de cujos açúcares se obtém, por fermentação, o etanol), retira grandes quantidades de CO2 da atmosfera, reduzindo o efeito estufa. 3 química 3 05. Resposta B.