SlideShare uma empresa Scribd logo
Pamela Schlickmann,  Joyce Ferreira. A HISTÓRIA DA CAPOEIRA
Pamela Schlickmann,  Joyce Ferreira. A HISTÓRIA DA CAPOEIRA
Nicolas Gomes,  Sergio Pickler Junior e  Matheus  Henrique
A HISTÓRIA DA CAPOEIRA O Brasil a partir do  seculo  XVI foi palco de uma das maiores violências contra um povo. Mais de dois milhões de negros foram trazidos da Africa, pelos colonizadores portugueses para serem escravos nas fazendas de cana-de-açúcar.  Tribos inteiras foram subjugadas  e tiveram que cruzar o oceano como animais em grandes galeotas chamadas de navios negreiros.  Pernambuco,Bahia e Rio de Janeiro foram os portos finais deste tráfico desumano.  Como forma de resistência muitos escravos fugiam para o meio da mata e criaram comunidades chamadas de quilombos.  Acredita-se que foi no maior quilombo, o Quilombo dos Palmares, que a capoeira tenha surgido, uma luta que mistura dança, música e luta. Porém ela foi utilizada de forma muito agressiva e arruaceira em festas ocorridas em Salvador, sendo assim, foi proibida. Somente na década de 30 foi apresentada ao então presidente Getúlio Vargas, uma capoeira bem mais dançante e tranquila, dessa forma ela foi novamente liberada. Nicolas Gomes, Sergio Pickler Junior e  Matheus  Henrique
Andreza de J de O,Thayna Carolina B,Amanda Maria.
A HISTÓRIA DA CAPOEIRA O Brasil foi palco de umas das  maiores violências contra o povo. Mais de dois milhões de negro foram trazidos da Africa para o Brasil,pelos colonizadores portugueses  para trabalhar e serem escravos nas lavouras  de cana- de- açúcar. Tribos inteiras foram obrigados a cruzar o oceano como animais em grande jaulas chamado de navios negreiros, Bahia, Rio de Janeiro e Pernambuco foram os  portos  finais da maior parte deles. Umas das formas de se revoltarem contra essa crueldade foi fugir e criar esconderijos no meio da mata chamadas de quilombos e o maior dele estabeleceu-se em Pernambuco,numa região conhecida como Palmares. A capoeira foi ensinada aos negros ainda cativos ,por  aqueles que eram capturados e voltavam aos engenhos. Para não levantar suspeitas ,os movimentos da luta eram com musica e muita dança africanas  para que parecessem uma dança. Do campo para a cidade  a Capoeira ganhou  a malicia dos escravos de 'ganho' e dos frequentadores da zona portuária Na cidade de Salvador,capoeiristas organizados em bandos  provocavam arruaças nas festas populares e reforçaram o caráter marginal da luta. Durante décadas a Capoeira foi  proibida no Brasil. A liberação da sua pratica deu-se apenas na década de 30,quando uma variação da Capoeira(mais para o esporte do que manifestação cultural)foi apresentada ao então presidente,Getúlio Vargas. Andreza de J de O,Thayna Carolina B,Amanda Maria.
Gabriel dos Santos Polini e Eduardo Jonck de Jesus
A HISTÓRIA DA CAPOEIRA A capoeira foi criada no Brasil,os que eram trazidos pelos portugueses para serem escravos nas plantações de cana-de-açúcar. Os que conseguiam escapar criavam comunidades em lugares de difícil acesso e essas comunidades se chamavam quilombo,acredita-se que no maior  dos quilombo,o  Quilombo dos Palmares que a capoeira foi criada,os negros inventaram a capoeira para se defenderem . Mais alguns eram recapturados e ensinavam para quem estava preso, mais para desfasar eles botavam musica e dança no meio. Mais salvador alguns negros faziam bagunça com a capoeira em festas importantes e daí a capoeira foi proibida no Brasil e só na década de  foi apresentada uma nova capoeira ao presidente  Getúlio Vargas  uma mais calma e tranquila e daí a capoeira foi permitida novamente. Evelyn dos Santos  e Eduarda Brizotto
A HISTÓRIA DA CAPOEIRA A capoeira foi criada pelos africanos que eram trazidos pelos portugueses para serem escravos nas plantações de cana-de-açúcar. Os que conseguiram escapar criavam comunidades em lugares de difícil acesso e essas comunidades se chamavam quilombo,acredita-se que foi no maior e mais importante dos quilombo,o Quilombo dos Palmares que a capoeira foi criada,os negros inventaram a capoeira como forma de luta para se defenderem contra agressões.   Alguns negros utilizaram da capoeira de uma maneira agressiva e assim, algum tempo depois a capoeira foi proibida.   Na década de 30 os escravos mostraram uma capoeira mais calma com mais musica e dança,e o presidente da época liberou a capoeira no Brasil. Leandro de Paula Iber e Brandon Grunfel
A  HISTÓRIA DA CAPOEIRA HISTÓRIA DA CAPOEIRA A capoeira foi criada no Brasil, pelos africanos que eram trazidos pelos portugueses para serem escravos nas plantações de cana-de-açúcar. Os que conseguiam escapar criavam comunidades em lugares de dificílimo acesso e essas comunidades se chamavam quilombo,acredita-se que foi no maior e mais importante dos quilombo,o Quilombo dos Palmares que a capoeira foi criada,os negros inventaram a CAPOEIRA para se defender. Para que seu dono não desconfiasse,  os negros botaram dança e música. Nas festas muitos negros foram longe demais e começaram a ser agressivos, e proibiram a CAPOEIRA. Mais tarde  foi apresentada a nova CAPOEIRA  no Brasil e foi liberada novamente.
 
Os negros africanos foram trazidos para o Brasil pelos portugueses para trabalhar nas grandes lavouras de cana-de-açúcar. Os que conseguiram fugir criaram comunidades chamadas de quilombo em lugares de difícil acesso. O  maior quilombo era chamado de quilombo dos Palmares e acredita-se que foi neste local que criaram a capoeira,uma luta que utiliza muito os pés.  Os escravos que eram recapturados para ensinar os outros colocaram muita dança e musica para enganar os donos das fazendas.  Em Salvador, nas festas, alguns capoeiristas provocaram muita bagunça utilizando a capoeira de forma muito agressiva ,então ela foi proibida no   Brasil ... Na década de 30 apresentaram uma capoeira mais tranquila ao presidente Getúlio Vargas. Assim foi liberada a capoeira no Brasil. A  HISTÓRIA DA CAPOEIRA
A HISTÓRIA DA CAPOEIRA
Renata e Sabrina A  HISTÓRIA DA CAPOEIRA
HISTÓRIA DA CAPOEIRA Fernanda Strebe e Jhennifer Paloma Pereira Pinto
Fernanda Strebe e Jhennifer Paloma Pereira Pinto A  HISTÓRIA DA CAPOEIRA
HISTÓRIA DA CAPOEIRA Carlos Eduardo Favero e Gustavo Santiago Cazagrande.
A História dos Quilombos de Palmares No ano XVI alguns negros da África foram capturados e trazidos para serem escravos das lavouras de cana-de-açúcar para os portugueses. Alguns negros conseguiram fugir e criaram os quilombos, o mais famoso foi o Quilombo dos Palmares onde acredita-se que foi criada a CAPOEIRA. A capoeira acabou sendo proibida por ser utilizada de forma arruaceira … Finalmente foi mostrada na década de 30 ao presidente Getúlio Vargas uma capoeira mais dançante e calma então o presidente Getúlio Vargas liberou essa dança novamente. Carlos Eduardo Favero e Gustavo Santiago Cazagrande.
A HISTÓRIA DA CAPOEIRA Mikaela Neubauer e  Silvia Mayumi  Suzuki
Mais de dois milhões de negros foram trazidos pelos Portugueses ao Brasil, para se tornarem escravos de engenhos de  cana-de–açucar . Mas os negros não aceitavam isso, então alguns negros decidiram fugir, uns conseguiram, outros não, os que fugiram foram para os quilombos, os esconderijos que eles construiram em meio a mata fechada em lugares de dificil acesso,  o mais famoso era o Quilombo dos Palmares. Os negros começaram a fazer uma luta que utiliza muito os pés, e a chamaram de Capoeira; acredita-se que tenha sido no Quilombo dos Palmares que surgiu a capoeira.   Eles foram recapturados  pelos portugueses e começaram a ensinar para os outros negros das fazendas a capoeira, mas para não deixar  suspeitas para os donos, eles colocaram música e dança. Alguns capoeiristas foram para as festas de Salvador e começaram a jogar a capoeira, mas de modo agressivo, então a partir deste dia a capoeira foi proibida no Brasil. Na década  de  trinta foi apresentada ao presidente Getúlio Vargas uma capoeira menos agressiva, com mais dança e música a partir dali a capoeira foi liberada.  Mikaela Neubauer e  Silvia Mayumi  Suzuki A  HISTÓRIA DA CAPOEIRA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Povoamento do América
Povoamento do AméricaPovoamento do América
Povoamento do América
Patrícia Costa Grigório
 
3° ano - Revoltas do Período Regencial
3° ano - Revoltas do Período Regencial3° ano - Revoltas do Período Regencial
3° ano - Revoltas do Período Regencial
Daniel Alves Bronstrup
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
harlissoncarvalho
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
edna2
 
Escravidão no Brasil
Escravidão no BrasilEscravidão no Brasil
Escravidão no Brasil
bastianbe
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
Fabiana Tonsis
 
Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)
Isaquel Silva
 
Primeiro reinado
Primeiro reinadoPrimeiro reinado
Primeiro reinado
Ramiro Bicca
 
Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da república
Fabiana Tonsis
 
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
Daniel Alves Bronstrup
 
Astecas maias e incas
Astecas maias e incasAstecas maias e incas
Astecas maias e incas
Fabiana Tonsis
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
eiprofessor
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
Victor Said
 
O brasil na primeira republica
O brasil na primeira republicaO brasil na primeira republica
O brasil na primeira republica
Simone P Baldissera
 
ESCRAVIDÃO
ESCRAVIDÃOESCRAVIDÃO
As origens do ser humano - 6º Ano (2017)
As origens do ser humano - 6º Ano (2017)As origens do ser humano - 6º Ano (2017)
As origens do ser humano - 6º Ano (2017)
Nefer19
 
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilEscravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
Fatima Freitas
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
Daniel Alves Bronstrup
 
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Valéria Shoujofan
 

Mais procurados (20)

Povoamento do América
Povoamento do AméricaPovoamento do América
Povoamento do América
 
3° ano - Revoltas do Período Regencial
3° ano - Revoltas do Período Regencial3° ano - Revoltas do Período Regencial
3° ano - Revoltas do Período Regencial
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
 
Escravidão no Brasil
Escravidão no BrasilEscravidão no Brasil
Escravidão no Brasil
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)
 
Primeiro reinado
Primeiro reinadoPrimeiro reinado
Primeiro reinado
 
Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da república
 
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
 
Astecas maias e incas
Astecas maias e incasAstecas maias e incas
Astecas maias e incas
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
O brasil na primeira republica
O brasil na primeira republicaO brasil na primeira republica
O brasil na primeira republica
 
ESCRAVIDÃO
ESCRAVIDÃOESCRAVIDÃO
ESCRAVIDÃO
 
As origens do ser humano - 6º Ano (2017)
As origens do ser humano - 6º Ano (2017)As origens do ser humano - 6º Ano (2017)
As origens do ser humano - 6º Ano (2017)
 
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilEscravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
 
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
 

Destaque

O quilombo de palmares texto de raquel funari
O quilombo de palmares texto de raquel funariO quilombo de palmares texto de raquel funari
O quilombo de palmares texto de raquel funari
luiskerber2013
 
Dia da consciência negra
Dia da consciência negraDia da consciência negra
Dia da consciência negra
Marcelo Fernandes
 
Consciencia negra
Consciencia negraConsciencia negra
Consciencia negra
Estado do RS
 
Dia Da Consciência Negra
Dia Da Consciência NegraDia Da Consciência Negra
Dia Da Consciência Negra
Paulo Medeiros
 
Consciência Negra. 20/11/2012
Consciência Negra. 20/11/2012Consciência Negra. 20/11/2012
Consciência Negra. 20/11/2012
Valentina'S *****
 
Zumbi dos palmares
Zumbi dos palmaresZumbi dos palmares
Zumbi dos palmares
guestc53f46
 
A Consciência Negra
A Consciência NegraA Consciência Negra
A Consciência Negra
mgsfcte
 
Animais Africanos
Animais AfricanosAnimais Africanos
Animais Africanos
Adriana Marques
 
QUILOMBO
QUILOMBOQUILOMBO
QUILOMBO
Larissa
 
Africa de A a Z
Africa de A a ZAfrica de A a Z
Africa de A a Z
lidia76
 
O cabelo de lelê
O cabelo de lelêO cabelo de lelê
O cabelo de lelê
professoraneves
 
O movimento negro brasileiro no Brasil Republicano
O movimento negro brasileiro no Brasil RepublicanoO movimento negro brasileiro no Brasil Republicano
O movimento negro brasileiro no Brasil Republicano
Universidade das Quebradas
 
Movimento negro nos estados unidos
Movimento negro nos estados unidosMovimento negro nos estados unidos
Movimento negro nos estados unidos
João Matheus
 
Valorização da Identidade Negra
Valorização da Identidade NegraValorização da Identidade Negra
Valorização da Identidade Negra
Emerson Conceição
 
ÁFRICA - Apartheid
ÁFRICA - ApartheidÁFRICA - Apartheid
ÁFRICA - Apartheid
Henrique Pontes
 
Atividade os meninos morenos[1]
Atividade   os meninos morenos[1]Atividade   os meninos morenos[1]
Atividade os meninos morenos[1]
Luanareverti123
 
O menino poti
O menino potiO menino poti
O menino poti
Letras Mágicas
 
Quilombos
QuilombosQuilombos
Quilombos
Laguat
 
MOVIMENTO NEGRO NO BRASIL
MOVIMENTO NEGRO NO BRASILMOVIMENTO NEGRO NO BRASIL
MOVIMENTO NEGRO NO BRASIL
Joaquim Euripedes
 
Movimento Negro
Movimento  NegroMovimento  Negro
Movimento Negro
Paulo de Oliveira
 

Destaque (20)

O quilombo de palmares texto de raquel funari
O quilombo de palmares texto de raquel funariO quilombo de palmares texto de raquel funari
O quilombo de palmares texto de raquel funari
 
Dia da consciência negra
Dia da consciência negraDia da consciência negra
Dia da consciência negra
 
Consciencia negra
Consciencia negraConsciencia negra
Consciencia negra
 
Dia Da Consciência Negra
Dia Da Consciência NegraDia Da Consciência Negra
Dia Da Consciência Negra
 
Consciência Negra. 20/11/2012
Consciência Negra. 20/11/2012Consciência Negra. 20/11/2012
Consciência Negra. 20/11/2012
 
Zumbi dos palmares
Zumbi dos palmaresZumbi dos palmares
Zumbi dos palmares
 
A Consciência Negra
A Consciência NegraA Consciência Negra
A Consciência Negra
 
Animais Africanos
Animais AfricanosAnimais Africanos
Animais Africanos
 
QUILOMBO
QUILOMBOQUILOMBO
QUILOMBO
 
Africa de A a Z
Africa de A a ZAfrica de A a Z
Africa de A a Z
 
O cabelo de lelê
O cabelo de lelêO cabelo de lelê
O cabelo de lelê
 
O movimento negro brasileiro no Brasil Republicano
O movimento negro brasileiro no Brasil RepublicanoO movimento negro brasileiro no Brasil Republicano
O movimento negro brasileiro no Brasil Republicano
 
Movimento negro nos estados unidos
Movimento negro nos estados unidosMovimento negro nos estados unidos
Movimento negro nos estados unidos
 
Valorização da Identidade Negra
Valorização da Identidade NegraValorização da Identidade Negra
Valorização da Identidade Negra
 
ÁFRICA - Apartheid
ÁFRICA - ApartheidÁFRICA - Apartheid
ÁFRICA - Apartheid
 
Atividade os meninos morenos[1]
Atividade   os meninos morenos[1]Atividade   os meninos morenos[1]
Atividade os meninos morenos[1]
 
O menino poti
O menino potiO menino poti
O menino poti
 
Quilombos
QuilombosQuilombos
Quilombos
 
MOVIMENTO NEGRO NO BRASIL
MOVIMENTO NEGRO NO BRASILMOVIMENTO NEGRO NO BRASIL
MOVIMENTO NEGRO NO BRASIL
 
Movimento Negro
Movimento  NegroMovimento  Negro
Movimento Negro
 

Semelhante a Quilombo dos Palmares

Capoeira
CapoeiraCapoeira
Senzala_-_Origem_da_Capohhhhhhhheira.pdf
Senzala_-_Origem_da_Capohhhhhhhheira.pdfSenzala_-_Origem_da_Capohhhhhhhheira.pdf
Senzala_-_Origem_da_Capohhhhhhhheira.pdf
EvelynRafalsky
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
amandajv
 
Capoeira - historia e regras
Capoeira - historia e regrasCapoeira - historia e regras
Capoeira - historia e regras
Kalú Cavalcante
 
Slides 10 curiosidades (Diego e Rhuama) 10.05
Slides 10 curiosidades (Diego e Rhuama) 10.05Slides 10 curiosidades (Diego e Rhuama) 10.05
Slides 10 curiosidades (Diego e Rhuama) 10.05
PIBIDSolondeLucena
 
O trabalho escravo no brasil
O trabalho escravo no brasilO trabalho escravo no brasil
O trabalho escravo no brasil
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Capoeira Forum
Capoeira ForumCapoeira Forum
Capoeira Forum
culturaafro
 
ATIVIDADE 7º ANO 10-11.pdf
ATIVIDADE 7º ANO 10-11.pdfATIVIDADE 7º ANO 10-11.pdf
ATIVIDADE 7º ANO 10-11.pdf
Lívia De Paula
 
Apresentação sobre a Capoeira
Apresentação sobre a CapoeiraApresentação sobre a Capoeira
Apresentação sobre a Capoeira
solangebraguieri
 
Capoeira
Capoeira Capoeira
O negro na formação da sociedade brasileira
O negro na formação da sociedade brasileiraO negro na formação da sociedade brasileira
O negro na formação da sociedade brasileira
Dandara Lima
 
Capoeira
CapoeiraCapoeira
Capoeira
aDIRIANA SILVI
 
CAngaço.ppt
CAngaço.pptCAngaço.ppt
CAngaço.ppt
WirlanPajedeMoraes
 
A escravidão e formas de resistência indígena e africana na América.pdf
A escravidão e formas de resistência indígena e africana na América.pdfA escravidão e formas de resistência indígena e africana na América.pdf
A escravidão e formas de resistência indígena e africana na América.pdf
GabrielaDuarte699486
 
A História da Capoeira
A História da CapoeiraA História da Capoeira
A História da Capoeira
Prof. Saulo Bezerra
 
Escravos
EscravosEscravos
Escravos
Lane94
 
História da capoeira
História da capoeiraHistória da capoeira
História da capoeira
Franciele Desplanches
 
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidianoLivreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
AFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASILAFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASIL
Isabel Aguiar
 
FLC marlon Trabalho
FLC marlon TrabalhoFLC marlon Trabalho
FLC marlon Trabalho
Marlon Petryson
 

Semelhante a Quilombo dos Palmares (20)

Capoeira
CapoeiraCapoeira
Capoeira
 
Senzala_-_Origem_da_Capohhhhhhhheira.pdf
Senzala_-_Origem_da_Capohhhhhhhheira.pdfSenzala_-_Origem_da_Capohhhhhhhheira.pdf
Senzala_-_Origem_da_Capohhhhhhhheira.pdf
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Capoeira - historia e regras
Capoeira - historia e regrasCapoeira - historia e regras
Capoeira - historia e regras
 
Slides 10 curiosidades (Diego e Rhuama) 10.05
Slides 10 curiosidades (Diego e Rhuama) 10.05Slides 10 curiosidades (Diego e Rhuama) 10.05
Slides 10 curiosidades (Diego e Rhuama) 10.05
 
O trabalho escravo no brasil
O trabalho escravo no brasilO trabalho escravo no brasil
O trabalho escravo no brasil
 
Capoeira Forum
Capoeira ForumCapoeira Forum
Capoeira Forum
 
ATIVIDADE 7º ANO 10-11.pdf
ATIVIDADE 7º ANO 10-11.pdfATIVIDADE 7º ANO 10-11.pdf
ATIVIDADE 7º ANO 10-11.pdf
 
Apresentação sobre a Capoeira
Apresentação sobre a CapoeiraApresentação sobre a Capoeira
Apresentação sobre a Capoeira
 
Capoeira
Capoeira Capoeira
Capoeira
 
O negro na formação da sociedade brasileira
O negro na formação da sociedade brasileiraO negro na formação da sociedade brasileira
O negro na formação da sociedade brasileira
 
Capoeira
CapoeiraCapoeira
Capoeira
 
CAngaço.ppt
CAngaço.pptCAngaço.ppt
CAngaço.ppt
 
A escravidão e formas de resistência indígena e africana na América.pdf
A escravidão e formas de resistência indígena e africana na América.pdfA escravidão e formas de resistência indígena e africana na América.pdf
A escravidão e formas de resistência indígena e africana na América.pdf
 
A História da Capoeira
A História da CapoeiraA História da Capoeira
A História da Capoeira
 
Escravos
EscravosEscravos
Escravos
 
História da capoeira
História da capoeiraHistória da capoeira
História da capoeira
 
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidianoLivreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
 
AFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASILAFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASIL
 
FLC marlon Trabalho
FLC marlon TrabalhoFLC marlon Trabalho
FLC marlon Trabalho
 

Mais de Lourdes Grasel

Conviver com a diversidade
Conviver com a diversidadeConviver com a diversidade
Conviver com a diversidade
Lourdes Grasel
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
Lourdes Grasel
 
Projeto Fábulas
Projeto FábulasProjeto Fábulas
Projeto Fábulas
Lourdes Grasel
 
Trabalho português 8 anos
Trabalho português 8 anosTrabalho português 8 anos
Trabalho português 8 anos
Lourdes Grasel
 
Trabalho português 8 anos
Trabalho português 8 anosTrabalho português 8 anos
Trabalho português 8 anos
Lourdes Grasel
 
Trabalho português 8 anos
Trabalho português 8 anosTrabalho português 8 anos
Trabalho português 8 anos
Lourdes Grasel
 
Roderigo aline alexandre africa 1
Roderigo aline alexandre  africa 1Roderigo aline alexandre  africa 1
Roderigo aline alexandre africa 1
Lourdes Grasel
 
Dicionário afrobrasileiro
Dicionário afrobrasileiroDicionário afrobrasileiro
Dicionário afrobrasileiro
Lourdes Grasel
 
Dicionario afrobrasileiro
Dicionario afrobrasileiroDicionario afrobrasileiro
Dicionario afrobrasileiro
Lourdes Grasel
 
Dicionario afrobrasileiro
Dicionario afrobrasileiroDicionario afrobrasileiro
Dicionario afrobrasileiro
Lourdes Grasel
 
Leh e mah1
Leh e mah1Leh e mah1
Leh e mah1
Lourdes Grasel
 
Bruna Edwiges Vitoria
Bruna Edwiges  VitoriaBruna Edwiges  Vitoria
Bruna Edwiges Vitoria
Lourdes Grasel
 
Dictionary
DictionaryDictionary
Dictionary
Lourdes Grasel
 
Dicionario de Africanismos
Dicionario de AfricanismosDicionario de Africanismos
Dicionario de Africanismos
Lourdes Grasel
 
Comunidade da Escola
Comunidade da EscolaComunidade da Escola
Comunidade da Escola
Lourdes Grasel
 
SEXUALIDADE
SEXUALIDADESEXUALIDADE
SEXUALIDADE
Lourdes Grasel
 
SEXUALIDADE
SEXUALIDADE SEXUALIDADE
SEXUALIDADE
Lourdes Grasel
 

Mais de Lourdes Grasel (17)

Conviver com a diversidade
Conviver com a diversidadeConviver com a diversidade
Conviver com a diversidade
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
 
Projeto Fábulas
Projeto FábulasProjeto Fábulas
Projeto Fábulas
 
Trabalho português 8 anos
Trabalho português 8 anosTrabalho português 8 anos
Trabalho português 8 anos
 
Trabalho português 8 anos
Trabalho português 8 anosTrabalho português 8 anos
Trabalho português 8 anos
 
Trabalho português 8 anos
Trabalho português 8 anosTrabalho português 8 anos
Trabalho português 8 anos
 
Roderigo aline alexandre africa 1
Roderigo aline alexandre  africa 1Roderigo aline alexandre  africa 1
Roderigo aline alexandre africa 1
 
Dicionário afrobrasileiro
Dicionário afrobrasileiroDicionário afrobrasileiro
Dicionário afrobrasileiro
 
Dicionario afrobrasileiro
Dicionario afrobrasileiroDicionario afrobrasileiro
Dicionario afrobrasileiro
 
Dicionario afrobrasileiro
Dicionario afrobrasileiroDicionario afrobrasileiro
Dicionario afrobrasileiro
 
Leh e mah1
Leh e mah1Leh e mah1
Leh e mah1
 
Bruna Edwiges Vitoria
Bruna Edwiges  VitoriaBruna Edwiges  Vitoria
Bruna Edwiges Vitoria
 
Dictionary
DictionaryDictionary
Dictionary
 
Dicionario de Africanismos
Dicionario de AfricanismosDicionario de Africanismos
Dicionario de Africanismos
 
Comunidade da Escola
Comunidade da EscolaComunidade da Escola
Comunidade da Escola
 
SEXUALIDADE
SEXUALIDADESEXUALIDADE
SEXUALIDADE
 
SEXUALIDADE
SEXUALIDADE SEXUALIDADE
SEXUALIDADE
 

Último

Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
ssuser701e2b
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
GiselaAlves15
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Acrópole - História & Educação
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
MatildeBrites
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Luana Neres
 

Último (20)

Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
 

Quilombo dos Palmares

  • 1. Pamela Schlickmann, Joyce Ferreira. A HISTÓRIA DA CAPOEIRA
  • 2. Pamela Schlickmann, Joyce Ferreira. A HISTÓRIA DA CAPOEIRA
  • 3. Nicolas Gomes, Sergio Pickler Junior e Matheus Henrique
  • 4. A HISTÓRIA DA CAPOEIRA O Brasil a partir do seculo XVI foi palco de uma das maiores violências contra um povo. Mais de dois milhões de negros foram trazidos da Africa, pelos colonizadores portugueses para serem escravos nas fazendas de cana-de-açúcar. Tribos inteiras foram subjugadas e tiveram que cruzar o oceano como animais em grandes galeotas chamadas de navios negreiros. Pernambuco,Bahia e Rio de Janeiro foram os portos finais deste tráfico desumano. Como forma de resistência muitos escravos fugiam para o meio da mata e criaram comunidades chamadas de quilombos. Acredita-se que foi no maior quilombo, o Quilombo dos Palmares, que a capoeira tenha surgido, uma luta que mistura dança, música e luta. Porém ela foi utilizada de forma muito agressiva e arruaceira em festas ocorridas em Salvador, sendo assim, foi proibida. Somente na década de 30 foi apresentada ao então presidente Getúlio Vargas, uma capoeira bem mais dançante e tranquila, dessa forma ela foi novamente liberada. Nicolas Gomes, Sergio Pickler Junior e Matheus Henrique
  • 5. Andreza de J de O,Thayna Carolina B,Amanda Maria.
  • 6. A HISTÓRIA DA CAPOEIRA O Brasil foi palco de umas das maiores violências contra o povo. Mais de dois milhões de negro foram trazidos da Africa para o Brasil,pelos colonizadores portugueses para trabalhar e serem escravos nas lavouras de cana- de- açúcar. Tribos inteiras foram obrigados a cruzar o oceano como animais em grande jaulas chamado de navios negreiros, Bahia, Rio de Janeiro e Pernambuco foram os portos finais da maior parte deles. Umas das formas de se revoltarem contra essa crueldade foi fugir e criar esconderijos no meio da mata chamadas de quilombos e o maior dele estabeleceu-se em Pernambuco,numa região conhecida como Palmares. A capoeira foi ensinada aos negros ainda cativos ,por aqueles que eram capturados e voltavam aos engenhos. Para não levantar suspeitas ,os movimentos da luta eram com musica e muita dança africanas para que parecessem uma dança. Do campo para a cidade a Capoeira ganhou a malicia dos escravos de 'ganho' e dos frequentadores da zona portuária Na cidade de Salvador,capoeiristas organizados em bandos provocavam arruaças nas festas populares e reforçaram o caráter marginal da luta. Durante décadas a Capoeira foi proibida no Brasil. A liberação da sua pratica deu-se apenas na década de 30,quando uma variação da Capoeira(mais para o esporte do que manifestação cultural)foi apresentada ao então presidente,Getúlio Vargas. Andreza de J de O,Thayna Carolina B,Amanda Maria.
  • 7. Gabriel dos Santos Polini e Eduardo Jonck de Jesus
  • 8. A HISTÓRIA DA CAPOEIRA A capoeira foi criada no Brasil,os que eram trazidos pelos portugueses para serem escravos nas plantações de cana-de-açúcar. Os que conseguiam escapar criavam comunidades em lugares de difícil acesso e essas comunidades se chamavam quilombo,acredita-se que no maior dos quilombo,o Quilombo dos Palmares que a capoeira foi criada,os negros inventaram a capoeira para se defenderem . Mais alguns eram recapturados e ensinavam para quem estava preso, mais para desfasar eles botavam musica e dança no meio. Mais salvador alguns negros faziam bagunça com a capoeira em festas importantes e daí a capoeira foi proibida no Brasil e só na década de foi apresentada uma nova capoeira ao presidente Getúlio Vargas uma mais calma e tranquila e daí a capoeira foi permitida novamente. Evelyn dos Santos e Eduarda Brizotto
  • 9. A HISTÓRIA DA CAPOEIRA A capoeira foi criada pelos africanos que eram trazidos pelos portugueses para serem escravos nas plantações de cana-de-açúcar. Os que conseguiram escapar criavam comunidades em lugares de difícil acesso e essas comunidades se chamavam quilombo,acredita-se que foi no maior e mais importante dos quilombo,o Quilombo dos Palmares que a capoeira foi criada,os negros inventaram a capoeira como forma de luta para se defenderem contra agressões. Alguns negros utilizaram da capoeira de uma maneira agressiva e assim, algum tempo depois a capoeira foi proibida. Na década de 30 os escravos mostraram uma capoeira mais calma com mais musica e dança,e o presidente da época liberou a capoeira no Brasil. Leandro de Paula Iber e Brandon Grunfel
  • 10. A HISTÓRIA DA CAPOEIRA HISTÓRIA DA CAPOEIRA A capoeira foi criada no Brasil, pelos africanos que eram trazidos pelos portugueses para serem escravos nas plantações de cana-de-açúcar. Os que conseguiam escapar criavam comunidades em lugares de dificílimo acesso e essas comunidades se chamavam quilombo,acredita-se que foi no maior e mais importante dos quilombo,o Quilombo dos Palmares que a capoeira foi criada,os negros inventaram a CAPOEIRA para se defender. Para que seu dono não desconfiasse, os negros botaram dança e música. Nas festas muitos negros foram longe demais e começaram a ser agressivos, e proibiram a CAPOEIRA. Mais tarde foi apresentada a nova CAPOEIRA no Brasil e foi liberada novamente.
  • 11.  
  • 12. Os negros africanos foram trazidos para o Brasil pelos portugueses para trabalhar nas grandes lavouras de cana-de-açúcar. Os que conseguiram fugir criaram comunidades chamadas de quilombo em lugares de difícil acesso. O maior quilombo era chamado de quilombo dos Palmares e acredita-se que foi neste local que criaram a capoeira,uma luta que utiliza muito os pés. Os escravos que eram recapturados para ensinar os outros colocaram muita dança e musica para enganar os donos das fazendas. Em Salvador, nas festas, alguns capoeiristas provocaram muita bagunça utilizando a capoeira de forma muito agressiva ,então ela foi proibida no Brasil ... Na década de 30 apresentaram uma capoeira mais tranquila ao presidente Getúlio Vargas. Assim foi liberada a capoeira no Brasil. A HISTÓRIA DA CAPOEIRA
  • 13. A HISTÓRIA DA CAPOEIRA
  • 14. Renata e Sabrina A HISTÓRIA DA CAPOEIRA
  • 15. HISTÓRIA DA CAPOEIRA Fernanda Strebe e Jhennifer Paloma Pereira Pinto
  • 16. Fernanda Strebe e Jhennifer Paloma Pereira Pinto A HISTÓRIA DA CAPOEIRA
  • 17. HISTÓRIA DA CAPOEIRA Carlos Eduardo Favero e Gustavo Santiago Cazagrande.
  • 18. A História dos Quilombos de Palmares No ano XVI alguns negros da África foram capturados e trazidos para serem escravos das lavouras de cana-de-açúcar para os portugueses. Alguns negros conseguiram fugir e criaram os quilombos, o mais famoso foi o Quilombo dos Palmares onde acredita-se que foi criada a CAPOEIRA. A capoeira acabou sendo proibida por ser utilizada de forma arruaceira … Finalmente foi mostrada na década de 30 ao presidente Getúlio Vargas uma capoeira mais dançante e calma então o presidente Getúlio Vargas liberou essa dança novamente. Carlos Eduardo Favero e Gustavo Santiago Cazagrande.
  • 19. A HISTÓRIA DA CAPOEIRA Mikaela Neubauer e Silvia Mayumi Suzuki
  • 20. Mais de dois milhões de negros foram trazidos pelos Portugueses ao Brasil, para se tornarem escravos de engenhos de cana-de–açucar . Mas os negros não aceitavam isso, então alguns negros decidiram fugir, uns conseguiram, outros não, os que fugiram foram para os quilombos, os esconderijos que eles construiram em meio a mata fechada em lugares de dificil acesso, o mais famoso era o Quilombo dos Palmares. Os negros começaram a fazer uma luta que utiliza muito os pés, e a chamaram de Capoeira; acredita-se que tenha sido no Quilombo dos Palmares que surgiu a capoeira. Eles foram recapturados pelos portugueses e começaram a ensinar para os outros negros das fazendas a capoeira, mas para não deixar suspeitas para os donos, eles colocaram música e dança. Alguns capoeiristas foram para as festas de Salvador e começaram a jogar a capoeira, mas de modo agressivo, então a partir deste dia a capoeira foi proibida no Brasil. Na década de trinta foi apresentada ao presidente Getúlio Vargas uma capoeira menos agressiva, com mais dança e música a partir dali a capoeira foi liberada. Mikaela Neubauer e Silvia Mayumi Suzuki A HISTÓRIA DA CAPOEIRA