SlideShare uma empresa Scribd logo
Diversidade Cultural na África 
 Prof. Altair Aguilar
Introdução à África
A África é um continente de grande 
diversidade cultural que se vê fortemente ligada 
à cultura brasileira. Os africanos prezam muito a 
moral e acreditam até que esta é bem 
semelhante à religião. Acreditam também que o 
homem precisa respeitar a natureza, a vida e os 
outros homens para que não sejam punidos 
pelos espíritos com secas, enchentes, doenças, 
pestes, morte etc. Não utilizavam textos e nem 
imagens para se basearem, mas fazem seus ritos 
a partir do conhecimento repassado através de 
gerações antigas.
Seus ritos são realizados em locais 
determinados com orações comunitárias, danças 
e cantos que podem ser divididos em: momentos 
importantes da vida, integração dos seres vivos e 
para a passagem da vida para a morte. 
Sua influência na formação do povo brasileiro 
é vista até os dias atuais. Apesar do primeiro 
contato africano com os brasileiros não ter sido 
satisfatório, esses transmitiram vários costumes 
como:
Diversidade Cultural na África - Prof. Altair Aguilar
Capoeira 
A história da capoeira começa no século XVI, na 
época em que o Brasil era colônia de Portugal. A mão-de-obra 
escrava africana foi muito utilizada no Brasil, 
principalmente nos engenhos (fazendas produtoras de 
açúcar) do nordeste brasileiro. Muitos destes escravos 
vinham da região de Angola, também colônia 
portuguesa. Os angolanos, na África, faziam muitas 
danças ao som de músicas.
Diversidade Cultural na África - Prof. Altair Aguilar
Candomblé 
O candomblé é uma religião africana trazida para o 
Brasil no período em que os negros desembarcaram para 
serem escravos. Nesse período, a Igreja Católica proibia o 
ritual africano e ainda tinha o apoio do governo, que 
julgava o ato como criminoso, por isso os escravos 
cultuavam seus Orixás, Inquices e Vodus omitindo-os em 
santos católicos. 
Os orixás, para o candomblé, são os deuses supremos. 
Possuem personalidade e habilidades distintas, bem como 
preferências ritualísticas. Estes também escolhem as 
pessoas que utilizam para incorporar no ato do 
nascimento, podendo compartilhá-lo com outro orixá, 
caso necessário.
Culinária Africana 
Muitos colonizadores passavam pela África devido as 
rotas marítimas que ligavam o Oriente ao Ocidente. 
Sendo assim, a comida típica da África recebeu influência 
de diversas partes do mundo, além da própria cultura dos 
nativos. Sua culinária se tornou uma fonte de ingredientes 
para diversos países do mundo. 
Normalmente, a maioria dos trabalhos relacionados à 
alimentação na África, são obrigações das mulheres. 
Desde a "plantação" ou "shambas" (como são chamados 
os campos de plantio), passando pela capina, plantio e 
colheita, até as atividades que incluem cozinhar e servir 
alimentos.
Pratos Típicos 
Bobotie(Parecida Com a Lasanha 
Chicken Curry 
Bunny Chow (Pão recheado com frango)
Biltong (Carne seca) 
Oxtail (Rabada) 
Umnqgusho (Flocos de milho secos)
Diversidade Cultural na África - Prof. Altair Aguilar
Escravidão Africana 
Quando chegava ao Brasil, o africano era chamado de 
"peça" e vendido em leilões públicos, como uma boa 
mercadoria: lustravam seus dentes, raspavam os seus cabelos, 
aplicavam óleos para esconder doenças do corpo e fazer a pele 
brilhar, assim como eram engordados para garantir um bom 
preço. Afinal, o preço mudava segundo o sexo e a idade, mas 
também a partir da condição física. As vendas também podiam 
ser feitas diretamente ao fazendeiro, por encomenda e com o 
preço combinado antes. 
Um escravo valia mais quando era homem e adulto. Um 
escravo era considerado adulto quando tinha entre 12 e 30 anos. 
Eles trabalhavam em média das 6 horas da manhã às 10 da 
noite, quase sem descanso, e amadureciam muito rápido. Com 
35 anos, já tinham cabelos brancos e bocas desdentadas.
Os escravos eram marcados nas coxas, braços, peitos 
e nas faces, com ferro em brasa, com as iniciais de seu 
senhor. O instrumento de castigo mais conhecido tenha 
sido o pelourinho. Símbolo do poder, cada fazenda e 
cada cidade possuía um aparelho desses. O escravo era 
amarrado pelas mãos e pelos pés e castigado 
publicamente para servir de exemplo. 
Muitas vezes, senhores de escravos e donos de minas 
se apaixonavam pelas escravas mais belas. Então, eles 
faziam questão de vesti-las com roupas caras e muitas 
joias. Em 20 de fevereiro de 1696, o governo de Portugal 
proibiu que as escravas usassem vestidos de seda, de 
veludo ou de cambraia. Não poderiam portar também 
peças de ouro. A ordem não surtiu muito efeito.
Diversidade Cultural na África - Prof. Altair Aguilar
A Agricultura 
Dentre todos os países africanos, a África do Sul é o que tem a 
base mais sólida na agricultura. Esse país tem terras férteis e um 
clima adequado ao crescimento de plantas, o que facilita o 
cultivo e a exploração da agricultura como base de sua 
economia. 
De maneira geral, a África do Sul produtos 
diversos produtos agrícolas, tanto para consumo primário, quanto 
para comercialização e exportação da semente pura para ser 
posteriormente industrializada em países do exterior. A população 
tem como base de sua alimentação, o milho, que é o produto 
mais plantado e colhido na África do Sul, chegando a 12 milhões 
de toneladas ao ano. Depois do milho, vêm as culturas de trigo, 
girassol, cana-de-açúcar, uva, batata e maçã, para exportação, 
em sua grande maioria, ou consumo interno, em menor escala.
O Processo 
Todo o processo é difícil, indo desde as raízes da 
agricultura africana – iniciada pelos colonizadores que 
exploravam as terras sem prestar conta aos africanos que 
ali moravam, até as pessoas que, hoje, detém o poder 
político e econômico, e que muitas vezes não 
têm interesse em mudar a maneira como as coisas 
funcionam. As grandes produções e plantações – 
latifúndios, em sua maioria – que tem poder de 
competitividade para trabalhar com grandes indústrias de 
exportação e comercialização de produtos primários, não 
têm muito interesse em aperfeiçoar um sistema de 
distribuição de terras e lucros mais igualitário.
Musica 
A África do Sul tem uma cultura viva e exuberante, 
repleta de artistas importantes e reconhecidos 
internacionalmente. Na Copa do Mundo de 2010, um 
grupo sul-africano ficou muito famoso ao dividir uma 
música com a cantora colombiana Shakira. 
A música oficial da Copa do Mundo, Waka Waka (This 
Time for Africa), foi uma parceria entre a cantora e o 
famoso grupo Freshlyground. Os artistas ficaram 
mundialmente conhecidos ao participarem do tema da 
primeira Copa de Futebol no continente africano.
Instrumentos 
Laúd 
Tambor de Axila 
Cuerno de Marfil
Roupas Típicas
Os povos da África e sua cultura têm papel importante 
na formação da cultura brasileira. Voltando a época de 
colonização, após a vinda dos navios negreiros, o 
contingente de pessoas de origem africana aumentou 
drasticamente. É fato que nessa época, os “senhores” 
tentavam barrar manifestações culturais desse povo, 
porém aos poucos essas tradições, antes bloqueadas, 
começaram a ser vistas e difundidas pelo país. 
Atualmente a grande influência que os povos e a cultura 
africana exerceram em nossa cultura é vista a largos 
passos. Na culinária, o melhor exemplo é a feijoada, prato 
tradicional brasileiro, uma herança da cultura africana. As 
danças e ritmos como o frevo, os esportes como a 
capoeira e linguística. Hoje a cultura brasileira seria outra 
se não houvesse a grande participação “do continente 
africano” na formação dela.
Diversidade Cultural na África - Prof. Altair Aguilar

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Populaçao mundial
Populaçao mundialPopulaçao mundial
Populaçao mundial
Prof.Paulo/geografia
 
Populaçao brasileira
Populaçao brasileiraPopulaçao brasileira
Populaçao brasileira
Prof.Paulo/geografia
 
Influência da-cultura-africana-no-brasil
Influência da-cultura-africana-no-brasilInfluência da-cultura-africana-no-brasil
Influência da-cultura-africana-no-brasil
Nancihorta
 
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
Daniel Alves Bronstrup
 
A cultura brasileira
A cultura brasileiraA cultura brasileira
A cultura brasileira
Edvilson Itb
 
Escravidão no Brasil
Escravidão no BrasilEscravidão no Brasil
Escravidão no Brasil
bastianbe
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
Daniel Alves Bronstrup
 
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
Abner de Paula
 
África - quadro natural e regionalização
África - quadro natural e regionalizaçãoÁfrica - quadro natural e regionalização
África - quadro natural e regionalização
Henrique Pontes
 
Regioes brasil
Regioes brasilRegioes brasil
Regioes brasil
Prof.Paulo/geografia
 
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
Nefer19
 
Capitalismo e sua evolução
Capitalismo e sua evoluçãoCapitalismo e sua evolução
Capitalismo e sua evolução
Artur Lara
 
Formação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do BrasilFormação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do Brasil
Luciano Pessanha
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
Suely Takahashi
 
História da África e escravidão africana
História da África e escravidão africanaHistória da África e escravidão africana
História da África e escravidão africana
Paulo Alexandre
 
Conceitos geograficos
Conceitos geograficosConceitos geograficos
Conceitos geograficos
João José Ferreira Tojal
 
Dia da Consciencia Negra
Dia da Consciencia NegraDia da Consciencia Negra
Dia da Consciencia Negra
Fabio Rogerio Nepomuceno
 
Setores da economia
Setores da economiaSetores da economia
Setores da economia
Suely Takahashi
 
Cultura material imaterial
Cultura material imaterialCultura material imaterial
Cultura material imaterial
roberto mosca junior
 
Caps. 7 e 8 - ÁFrica: aspectos naturais, econômicos e sociais
Caps. 7 e 8 - ÁFrica: aspectos naturais, econômicos e sociaisCaps. 7 e 8 - ÁFrica: aspectos naturais, econômicos e sociais
Caps. 7 e 8 - ÁFrica: aspectos naturais, econômicos e sociais
profacacio
 

Mais procurados (20)

Populaçao mundial
Populaçao mundialPopulaçao mundial
Populaçao mundial
 
Populaçao brasileira
Populaçao brasileiraPopulaçao brasileira
Populaçao brasileira
 
Influência da-cultura-africana-no-brasil
Influência da-cultura-africana-no-brasilInfluência da-cultura-africana-no-brasil
Influência da-cultura-africana-no-brasil
 
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
 
A cultura brasileira
A cultura brasileiraA cultura brasileira
A cultura brasileira
 
Escravidão no Brasil
Escravidão no BrasilEscravidão no Brasil
Escravidão no Brasil
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
 
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
 
África - quadro natural e regionalização
África - quadro natural e regionalizaçãoÁfrica - quadro natural e regionalização
África - quadro natural e regionalização
 
Regioes brasil
Regioes brasilRegioes brasil
Regioes brasil
 
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
 
Capitalismo e sua evolução
Capitalismo e sua evoluçãoCapitalismo e sua evolução
Capitalismo e sua evolução
 
Formação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do BrasilFormação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do Brasil
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 
História da África e escravidão africana
História da África e escravidão africanaHistória da África e escravidão africana
História da África e escravidão africana
 
Conceitos geograficos
Conceitos geograficosConceitos geograficos
Conceitos geograficos
 
Dia da Consciencia Negra
Dia da Consciencia NegraDia da Consciencia Negra
Dia da Consciencia Negra
 
Setores da economia
Setores da economiaSetores da economia
Setores da economia
 
Cultura material imaterial
Cultura material imaterialCultura material imaterial
Cultura material imaterial
 
Caps. 7 e 8 - ÁFrica: aspectos naturais, econômicos e sociais
Caps. 7 e 8 - ÁFrica: aspectos naturais, econômicos e sociaisCaps. 7 e 8 - ÁFrica: aspectos naturais, econômicos e sociais
Caps. 7 e 8 - ÁFrica: aspectos naturais, econômicos e sociais
 

Semelhante a Diversidade Cultural na África - Prof. Altair Aguilar

Contribuição africana
Contribuição africanaContribuição africana
Contribuição africana
William da Silva
 
África
ÁfricaÁfrica
África
Aline Souza
 
Africa
AfricaAfrica
Escravos
EscravosEscravos
Escravos
Lane94
 
A importância do negro na sociedade brasileira
A importância do negro na sociedade brasileiraA importância do negro na sociedade brasileira
A importância do negro na sociedade brasileira
Luana Reverti
 
Cultura afro descendente
Cultura afro descendenteCultura afro descendente
Cultura afro descendente
Valentina Queiroz
 
África
ÁfricaÁfrica
Da colonização a proclamação da república show 2013
Da colonização a proclamação da república show 2013Da colonização a proclamação da república show 2013
Da colonização a proclamação da república show 2013
Isadora Salvari
 
Econômia Açucareira.ppt
Econômia Açucareira.pptEconômia Açucareira.ppt
Econômia Açucareira.ppt
RoniltonSouzaBastos
 
Trabalho2
Trabalho2Trabalho2
Os negros no brasil colônia
Os negros no brasil colôniaOs negros no brasil colônia
Os negros no brasil colônia
Nelia Salles Nantes
 
2014 novo horizonte
2014   novo horizonte2014   novo horizonte
2014 novo horizonte
LelioGomes
 
Os negros no Brasil colônia
Os negros no Brasil colôniaOs negros no Brasil colônia
Os negros no Brasil colônia
Nelia Salles Nantes
 
Brasil 140302114545-phpapp02
Brasil 140302114545-phpapp02Brasil 140302114545-phpapp02
Brasil 140302114545-phpapp02
Gisah Silveira
 
Os negros no brasil colônia
Os negros no brasil colôniaOs negros no brasil colônia
Os negros no brasil colônia
historiando
 
Brasil
BrasilBrasil
Brasil
Sonia Amaral
 
Trabalho 3
Trabalho   3Trabalho   3
Trabalho 3
Solange Nascimento
 
POVOS AFRICANOS.pptx
POVOS AFRICANOS.pptxPOVOS AFRICANOS.pptx
POVOS AFRICANOS.pptx
ThasllaFCavalcanti
 
Cultura dos povos - Resumo
Cultura dos povos - ResumoCultura dos povos - Resumo
Cultura dos povos - Resumo
Margit Didjurgeit
 
Mais da África do Sul
Mais da África do SulMais da África do Sul
Mais da África do Sul
Thiago Gacciona
 

Semelhante a Diversidade Cultural na África - Prof. Altair Aguilar (20)

Contribuição africana
Contribuição africanaContribuição africana
Contribuição africana
 
África
ÁfricaÁfrica
África
 
Africa
AfricaAfrica
Africa
 
Escravos
EscravosEscravos
Escravos
 
A importância do negro na sociedade brasileira
A importância do negro na sociedade brasileiraA importância do negro na sociedade brasileira
A importância do negro na sociedade brasileira
 
Cultura afro descendente
Cultura afro descendenteCultura afro descendente
Cultura afro descendente
 
África
ÁfricaÁfrica
África
 
Da colonização a proclamação da república show 2013
Da colonização a proclamação da república show 2013Da colonização a proclamação da república show 2013
Da colonização a proclamação da república show 2013
 
Econômia Açucareira.ppt
Econômia Açucareira.pptEconômia Açucareira.ppt
Econômia Açucareira.ppt
 
Trabalho2
Trabalho2Trabalho2
Trabalho2
 
Os negros no brasil colônia
Os negros no brasil colôniaOs negros no brasil colônia
Os negros no brasil colônia
 
2014 novo horizonte
2014   novo horizonte2014   novo horizonte
2014 novo horizonte
 
Os negros no Brasil colônia
Os negros no Brasil colôniaOs negros no Brasil colônia
Os negros no Brasil colônia
 
Brasil 140302114545-phpapp02
Brasil 140302114545-phpapp02Brasil 140302114545-phpapp02
Brasil 140302114545-phpapp02
 
Os negros no brasil colônia
Os negros no brasil colôniaOs negros no brasil colônia
Os negros no brasil colônia
 
Brasil
BrasilBrasil
Brasil
 
Trabalho 3
Trabalho   3Trabalho   3
Trabalho 3
 
POVOS AFRICANOS.pptx
POVOS AFRICANOS.pptxPOVOS AFRICANOS.pptx
POVOS AFRICANOS.pptx
 
Cultura dos povos - Resumo
Cultura dos povos - ResumoCultura dos povos - Resumo
Cultura dos povos - Resumo
 
Mais da África do Sul
Mais da África do SulMais da África do Sul
Mais da África do Sul
 

Mais de Altair Moisés Aguilar

Martinho Lutero - Prof. Altair Aguilar
Martinho Lutero - Prof. Altair AguilarMartinho Lutero - Prof. Altair Aguilar
Martinho Lutero - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Oliver Cromwell - Prof. Altair Aguilar
Oliver Cromwell - Prof. Altair AguilarOliver Cromwell - Prof. Altair Aguilar
Oliver Cromwell - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Os Puritanos - Prof. Altair Aguilar
Os Puritanos - Prof. Altair AguilarOs Puritanos - Prof. Altair Aguilar
Os Puritanos - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Dinastia Tudors - Prof. Altair Aguilar
Dinastia Tudors - Prof. Altair AguilarDinastia Tudors - Prof. Altair Aguilar
Dinastia Tudors - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Calvinismo - Prof. Altair Aguilar
Calvinismo - Prof. Altair AguilarCalvinismo - Prof. Altair Aguilar
Calvinismo - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
A independência Americana - Prof. Altair Aguilar
A independência Americana - Prof. Altair AguilarA independência Americana - Prof. Altair Aguilar
A independência Americana - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Guerra das duas Rosas - Prof. Altair Aguilar
Guerra das duas Rosas - Prof. Altair AguilarGuerra das duas Rosas - Prof. Altair Aguilar
Guerra das duas Rosas - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Revolução Inglesa - Prof. Altair Aguilar
Revolução Inglesa - Prof. Altair AguilarRevolução Inglesa - Prof. Altair Aguilar
Revolução Inglesa - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Causas da Segunda Guerra - Prof.Altair Aguilar
Causas da Segunda Guerra - Prof.Altair AguilarCausas da Segunda Guerra - Prof.Altair Aguilar
Causas da Segunda Guerra - Prof.Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Estados Islâmicos Terroristas - Prof. Altair Aguilar
Estados Islâmicos Terroristas - Prof. Altair AguilarEstados Islâmicos Terroristas - Prof. Altair Aguilar
Estados Islâmicos Terroristas - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Os Incas - Prof.Altair Aguilar
Os Incas - Prof.Altair AguilarOs Incas - Prof.Altair Aguilar
Os Incas - Prof.Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Revolução Francesa - Prof. Altair Aguilar
Revolução  Francesa - Prof. Altair AguilarRevolução  Francesa - Prof. Altair Aguilar
Revolução Francesa - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Discurso de Adolf Hitler - Prof. Altair Aguilar
Discurso de Adolf Hitler - Prof. Altair AguilarDiscurso de Adolf Hitler - Prof. Altair Aguilar
Discurso de Adolf Hitler - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Campos Nazista - Prof. Altair Aguilar
Campos Nazista - Prof. Altair AguilarCampos Nazista - Prof. Altair Aguilar
Campos Nazista - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Adolf Hitler _ Prof.Altair Aguilar
Adolf  Hitler _ Prof.Altair AguilarAdolf  Hitler _ Prof.Altair Aguilar
Adolf Hitler _ Prof.Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Guerra de Tróia - Prof. Altair Aguilar
Guerra de Tróia  - Prof. Altair AguilarGuerra de Tróia  - Prof. Altair Aguilar
Guerra de Tróia - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Alemanha Muro de Berlim - Prof. Altair Aguilar
Alemanha Muro de Berlim - Prof. Altair AguilarAlemanha Muro de Berlim - Prof. Altair Aguilar
Alemanha Muro de Berlim - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Futebol - Prof. Altair Aguilar
Futebol - Prof. Altair AguilarFutebol - Prof. Altair Aguilar
Futebol - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Babilônia a Grande Meretriz - Prof. Altair Aguilar
Babilônia a Grande Meretriz - Prof. Altair AguilarBabilônia a Grande Meretriz - Prof. Altair Aguilar
Babilônia a Grande Meretriz - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Islamismo - Prof. Altair Aguilar
Islamismo - Prof. Altair AguilarIslamismo - Prof. Altair Aguilar
Islamismo - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 

Mais de Altair Moisés Aguilar (20)

Martinho Lutero - Prof. Altair Aguilar
Martinho Lutero - Prof. Altair AguilarMartinho Lutero - Prof. Altair Aguilar
Martinho Lutero - Prof. Altair Aguilar
 
Oliver Cromwell - Prof. Altair Aguilar
Oliver Cromwell - Prof. Altair AguilarOliver Cromwell - Prof. Altair Aguilar
Oliver Cromwell - Prof. Altair Aguilar
 
Os Puritanos - Prof. Altair Aguilar
Os Puritanos - Prof. Altair AguilarOs Puritanos - Prof. Altair Aguilar
Os Puritanos - Prof. Altair Aguilar
 
Dinastia Tudors - Prof. Altair Aguilar
Dinastia Tudors - Prof. Altair AguilarDinastia Tudors - Prof. Altair Aguilar
Dinastia Tudors - Prof. Altair Aguilar
 
Calvinismo - Prof. Altair Aguilar
Calvinismo - Prof. Altair AguilarCalvinismo - Prof. Altair Aguilar
Calvinismo - Prof. Altair Aguilar
 
A independência Americana - Prof. Altair Aguilar
A independência Americana - Prof. Altair AguilarA independência Americana - Prof. Altair Aguilar
A independência Americana - Prof. Altair Aguilar
 
Guerra das duas Rosas - Prof. Altair Aguilar
Guerra das duas Rosas - Prof. Altair AguilarGuerra das duas Rosas - Prof. Altair Aguilar
Guerra das duas Rosas - Prof. Altair Aguilar
 
Revolução Inglesa - Prof. Altair Aguilar
Revolução Inglesa - Prof. Altair AguilarRevolução Inglesa - Prof. Altair Aguilar
Revolução Inglesa - Prof. Altair Aguilar
 
Causas da Segunda Guerra - Prof.Altair Aguilar
Causas da Segunda Guerra - Prof.Altair AguilarCausas da Segunda Guerra - Prof.Altair Aguilar
Causas da Segunda Guerra - Prof.Altair Aguilar
 
Estados Islâmicos Terroristas - Prof. Altair Aguilar
Estados Islâmicos Terroristas - Prof. Altair AguilarEstados Islâmicos Terroristas - Prof. Altair Aguilar
Estados Islâmicos Terroristas - Prof. Altair Aguilar
 
Os Incas - Prof.Altair Aguilar
Os Incas - Prof.Altair AguilarOs Incas - Prof.Altair Aguilar
Os Incas - Prof.Altair Aguilar
 
Revolução Francesa - Prof. Altair Aguilar
Revolução  Francesa - Prof. Altair AguilarRevolução  Francesa - Prof. Altair Aguilar
Revolução Francesa - Prof. Altair Aguilar
 
Discurso de Adolf Hitler - Prof. Altair Aguilar
Discurso de Adolf Hitler - Prof. Altair AguilarDiscurso de Adolf Hitler - Prof. Altair Aguilar
Discurso de Adolf Hitler - Prof. Altair Aguilar
 
Campos Nazista - Prof. Altair Aguilar
Campos Nazista - Prof. Altair AguilarCampos Nazista - Prof. Altair Aguilar
Campos Nazista - Prof. Altair Aguilar
 
Adolf Hitler _ Prof.Altair Aguilar
Adolf  Hitler _ Prof.Altair AguilarAdolf  Hitler _ Prof.Altair Aguilar
Adolf Hitler _ Prof.Altair Aguilar
 
Guerra de Tróia - Prof. Altair Aguilar
Guerra de Tróia  - Prof. Altair AguilarGuerra de Tróia  - Prof. Altair Aguilar
Guerra de Tróia - Prof. Altair Aguilar
 
Alemanha Muro de Berlim - Prof. Altair Aguilar
Alemanha Muro de Berlim - Prof. Altair AguilarAlemanha Muro de Berlim - Prof. Altair Aguilar
Alemanha Muro de Berlim - Prof. Altair Aguilar
 
Futebol - Prof. Altair Aguilar
Futebol - Prof. Altair AguilarFutebol - Prof. Altair Aguilar
Futebol - Prof. Altair Aguilar
 
Babilônia a Grande Meretriz - Prof. Altair Aguilar
Babilônia a Grande Meretriz - Prof. Altair AguilarBabilônia a Grande Meretriz - Prof. Altair Aguilar
Babilônia a Grande Meretriz - Prof. Altair Aguilar
 
Islamismo - Prof. Altair Aguilar
Islamismo - Prof. Altair AguilarIslamismo - Prof. Altair Aguilar
Islamismo - Prof. Altair Aguilar
 

Último

oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 

Último (20)

oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 

Diversidade Cultural na África - Prof. Altair Aguilar

  • 1. Diversidade Cultural na África  Prof. Altair Aguilar
  • 3. A África é um continente de grande diversidade cultural que se vê fortemente ligada à cultura brasileira. Os africanos prezam muito a moral e acreditam até que esta é bem semelhante à religião. Acreditam também que o homem precisa respeitar a natureza, a vida e os outros homens para que não sejam punidos pelos espíritos com secas, enchentes, doenças, pestes, morte etc. Não utilizavam textos e nem imagens para se basearem, mas fazem seus ritos a partir do conhecimento repassado através de gerações antigas.
  • 4. Seus ritos são realizados em locais determinados com orações comunitárias, danças e cantos que podem ser divididos em: momentos importantes da vida, integração dos seres vivos e para a passagem da vida para a morte. Sua influência na formação do povo brasileiro é vista até os dias atuais. Apesar do primeiro contato africano com os brasileiros não ter sido satisfatório, esses transmitiram vários costumes como:
  • 6. Capoeira A história da capoeira começa no século XVI, na época em que o Brasil era colônia de Portugal. A mão-de-obra escrava africana foi muito utilizada no Brasil, principalmente nos engenhos (fazendas produtoras de açúcar) do nordeste brasileiro. Muitos destes escravos vinham da região de Angola, também colônia portuguesa. Os angolanos, na África, faziam muitas danças ao som de músicas.
  • 8. Candomblé O candomblé é uma religião africana trazida para o Brasil no período em que os negros desembarcaram para serem escravos. Nesse período, a Igreja Católica proibia o ritual africano e ainda tinha o apoio do governo, que julgava o ato como criminoso, por isso os escravos cultuavam seus Orixás, Inquices e Vodus omitindo-os em santos católicos. Os orixás, para o candomblé, são os deuses supremos. Possuem personalidade e habilidades distintas, bem como preferências ritualísticas. Estes também escolhem as pessoas que utilizam para incorporar no ato do nascimento, podendo compartilhá-lo com outro orixá, caso necessário.
  • 9. Culinária Africana Muitos colonizadores passavam pela África devido as rotas marítimas que ligavam o Oriente ao Ocidente. Sendo assim, a comida típica da África recebeu influência de diversas partes do mundo, além da própria cultura dos nativos. Sua culinária se tornou uma fonte de ingredientes para diversos países do mundo. Normalmente, a maioria dos trabalhos relacionados à alimentação na África, são obrigações das mulheres. Desde a "plantação" ou "shambas" (como são chamados os campos de plantio), passando pela capina, plantio e colheita, até as atividades que incluem cozinhar e servir alimentos.
  • 10. Pratos Típicos Bobotie(Parecida Com a Lasanha Chicken Curry Bunny Chow (Pão recheado com frango)
  • 11. Biltong (Carne seca) Oxtail (Rabada) Umnqgusho (Flocos de milho secos)
  • 13. Escravidão Africana Quando chegava ao Brasil, o africano era chamado de "peça" e vendido em leilões públicos, como uma boa mercadoria: lustravam seus dentes, raspavam os seus cabelos, aplicavam óleos para esconder doenças do corpo e fazer a pele brilhar, assim como eram engordados para garantir um bom preço. Afinal, o preço mudava segundo o sexo e a idade, mas também a partir da condição física. As vendas também podiam ser feitas diretamente ao fazendeiro, por encomenda e com o preço combinado antes. Um escravo valia mais quando era homem e adulto. Um escravo era considerado adulto quando tinha entre 12 e 30 anos. Eles trabalhavam em média das 6 horas da manhã às 10 da noite, quase sem descanso, e amadureciam muito rápido. Com 35 anos, já tinham cabelos brancos e bocas desdentadas.
  • 14. Os escravos eram marcados nas coxas, braços, peitos e nas faces, com ferro em brasa, com as iniciais de seu senhor. O instrumento de castigo mais conhecido tenha sido o pelourinho. Símbolo do poder, cada fazenda e cada cidade possuía um aparelho desses. O escravo era amarrado pelas mãos e pelos pés e castigado publicamente para servir de exemplo. Muitas vezes, senhores de escravos e donos de minas se apaixonavam pelas escravas mais belas. Então, eles faziam questão de vesti-las com roupas caras e muitas joias. Em 20 de fevereiro de 1696, o governo de Portugal proibiu que as escravas usassem vestidos de seda, de veludo ou de cambraia. Não poderiam portar também peças de ouro. A ordem não surtiu muito efeito.
  • 16. A Agricultura Dentre todos os países africanos, a África do Sul é o que tem a base mais sólida na agricultura. Esse país tem terras férteis e um clima adequado ao crescimento de plantas, o que facilita o cultivo e a exploração da agricultura como base de sua economia. De maneira geral, a África do Sul produtos diversos produtos agrícolas, tanto para consumo primário, quanto para comercialização e exportação da semente pura para ser posteriormente industrializada em países do exterior. A população tem como base de sua alimentação, o milho, que é o produto mais plantado e colhido na África do Sul, chegando a 12 milhões de toneladas ao ano. Depois do milho, vêm as culturas de trigo, girassol, cana-de-açúcar, uva, batata e maçã, para exportação, em sua grande maioria, ou consumo interno, em menor escala.
  • 17. O Processo Todo o processo é difícil, indo desde as raízes da agricultura africana – iniciada pelos colonizadores que exploravam as terras sem prestar conta aos africanos que ali moravam, até as pessoas que, hoje, detém o poder político e econômico, e que muitas vezes não têm interesse em mudar a maneira como as coisas funcionam. As grandes produções e plantações – latifúndios, em sua maioria – que tem poder de competitividade para trabalhar com grandes indústrias de exportação e comercialização de produtos primários, não têm muito interesse em aperfeiçoar um sistema de distribuição de terras e lucros mais igualitário.
  • 18. Musica A África do Sul tem uma cultura viva e exuberante, repleta de artistas importantes e reconhecidos internacionalmente. Na Copa do Mundo de 2010, um grupo sul-africano ficou muito famoso ao dividir uma música com a cantora colombiana Shakira. A música oficial da Copa do Mundo, Waka Waka (This Time for Africa), foi uma parceria entre a cantora e o famoso grupo Freshlyground. Os artistas ficaram mundialmente conhecidos ao participarem do tema da primeira Copa de Futebol no continente africano.
  • 19. Instrumentos Laúd Tambor de Axila Cuerno de Marfil
  • 21. Os povos da África e sua cultura têm papel importante na formação da cultura brasileira. Voltando a época de colonização, após a vinda dos navios negreiros, o contingente de pessoas de origem africana aumentou drasticamente. É fato que nessa época, os “senhores” tentavam barrar manifestações culturais desse povo, porém aos poucos essas tradições, antes bloqueadas, começaram a ser vistas e difundidas pelo país. Atualmente a grande influência que os povos e a cultura africana exerceram em nossa cultura é vista a largos passos. Na culinária, o melhor exemplo é a feijoada, prato tradicional brasileiro, uma herança da cultura africana. As danças e ritmos como o frevo, os esportes como a capoeira e linguística. Hoje a cultura brasileira seria outra se não houvesse a grande participação “do continente africano” na formação dela.